Requiescant in pace

Requiescant in pace

Ana Claudia Quintana Arantes – geriatra especialista em cuidados paliativos – nos diz que a morte ensina a viver. Em uma entrevista, ela nos fala de maneira tranquila e didática o que é viver, o que é morrer. A morte está ligada ao tempo. “O tempo que nós temos é um tempo que não volta atrás. Quando dedicamos um tempo à outra pessoa, esta pessoa nos dedica o mesmo espaço temporal. Esta conta fechou, pois o tempo não volta mais. Quando falamos sobre a morte, a noção de tempo fica muito mais valiosa. A pessoa que vive na expectativa de um tempo que ainda não chegou está vibrando para que o tempo dela passe rápido. Neste caso, você não tem a menor noção de importância sobre o seu tempo. Esse tempo não vai voltar, pois a vida não tem um botão de liga e desliga. Não tem como negociar dizendo: eu vou viver quando me aposentar. A roda está girando e a vida vai acabar. O fato de você ponderar sobre a sua morte traz um pouco mais de lucidez sobre as suas escolhas do que fazer no momento. Felicidade é você estar pleno com aquilo que realizou. Depois de certo tempo de vida, você olha para trás e diz: dei conta, eu consegui passar por isso. Sinto-me feliz em ser quem eu sou, pois dei conta de fazer, mesmo que tenha passado por dificuldades. Isso é noção de felicidade, de realização, de sentido de vida. Quando você olhar no relógio e verificar que tem pouco tempo de vida você vai olhar para trás e dizer: eu fiz bom uso do meu tempo”.

Esse tempo que não volta atrás levou embora, num curto período, três Ex-chefes do Estado-Maior-Geral da Polícia Militar catarinense. Primeiro partiu o Cel José Valter Alves; depois o Cel João César Pastoris Formighieri; e, na sequência, o Cel Alinor José Ruthes. Do Cel Valter guardamos a emblemática imagem do professor de estatística na Academia de Polícia Militar da Trindade e de matemática no plantão pedagógico do Instituto Estadual de Educação; o Cel Formighieri nos conduziu pela senda das aulas de guerra revolucionária sempre trajando orgulhoso o impecável uniforme cáqui; já o Cel Alinor deixou fortes valores, típicos de um autêntico oficial prussiano que, nas palavras do Cel Edmundo, “trata-se de um dos mais ilustres oficiais da corporação, exemplo de integridade, dignidade e personalidade”. Fica a certeza de que eles viveram felizes, pois fizeram bom uso do seu tempo, legando-nos sólidos princípios ético-morais. A corporação é hoje o que eles ajudaram a forjar. Nós jamais os esqueceremos. Repousem em paz.

 

            Fred Harry Schauffert

Cel PM R/R Presidente da ACORS

 

 

 

Requiescat, Tela a óleo pintada por Briton Rivière, 1888, Galeria de Arte de New South Wales.

 

 

Notícias Recentes:

Entidades realizam reunião para definir ajuste final da proposta de valorização institucional
Presidente da ACORS apresenta entidade aos novos integrantes do CFO da PMSC
Entidades representativas da Segurança Pública se reúnem para apoiar projeto de valorização institucional
ACORS lança segunda edição do Programa de T&D em Liderança