Projeto concede direito de organização a militares

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado aprovou na quarta-feira (26) o Projeto de Lei 364/11, do deputado William Dib (PSDB-SP), que garante ao policial e bombeiro militar estadual o direito associativo, além de dispensá-lo de suas funções para cumprir mandato eletivo na respectiva entidade representativa.
A proposta altera o Decreto-Lei nº 667/69, que reorganiza as Polícias Militares e os Corpos de Bombeiros Militares dos Estados, dos Territórios e do Distrito Federal.
Pelo texto, o limite máximo de dispensados será de três militares. O projeto determina ainda que as instituições representativas terão direito a desconto em folha das contribuições dos associados.
Na opinião de Dib, as restrições constitucionais impostas aos militares, como a proibição à sindicalização e ao exercício da política partidária, não devem ser interpretadas de modo a inviabilizar qualquer tipo de associação desses profissionais. “O militar deve ter direito isonômico de tratamento na representatividade, como ocorre com o servidor público”, defende.
Para o relator, Jair Bolsonaro (PP-RJ), a alteração apenas legaliza situações que já ocorrem, por iniciativa dos governos estaduais, diante da omissão da legislação federal. “Essa adaptação é relevante na medida em que as polícias militares estaduais passam por reformulações importantes, para conferir dignidade ao policial militar [e bombeiro militar]”, declarou.
Tramitação
A proposta, que tramita em caráter conclusivo, ainda será analisada pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.
 Fonte: Agência Câmara

Notícias Recentes:

Entidades realizam reunião para definir ajuste final da proposta de valorização institucional
Presidente da ACORS apresenta entidade aos novos integrantes do CFO da PMSC
Entidades representativas da Segurança Pública se reúnem para apoiar projeto de valorização institucional
ACORS lança segunda edição do Programa de T&D em Liderança