Presidentes do IPREV, ACORS e FENEME participam da Assembleia Geral da Associação Elói Mendes

     A convite da Associação Elói Mendes dos Oficiais PM e BM da Reserva Remunerada e Reformados, o presidente do Instituto de Previdência de Santa Catarina (IPREV/SC), advogado Adriano Zanotto, discorreu sobre a previdência dos servidores civis do Estado durante a assembleia geral desta sexta-feira, 24 de abril.

     Conduzida com maestria pelo Cel PM R/R Edson Carlos Ortiga, presidente anfitrião do encontro, a assembleia tratou da polêmica questão da Previdência do Estado de Santa Catarina, sendo que o debate mereceu uma série de interferências do presidente da Feneme, Cel Marlon Jorge Teza, no tocante à posição ocupada pelos militares estaduais neste contexto.

     Com a experiência de quem participou do grupo de trabalho que elaborou a Lei Complementar n° 412, de 26 de junho de 2008, que dispõe sobre a organização do Regime Próprio de Previdência dos Servidores do Estado de Santa Catarina, o Cel Marlon – que na ocasião respondia pela Diretoria de Pessoal da PMSC e pela presidência da ACORS – esclareceu a condição diferenciada dos militares estaduais.

     Por força da Constituição Federal, os policiais militares e bombeiros militares dos Estados e do Distrito Federal são considerados militares estaduais. Por similaridade com os Militares das Forças Armadas (Marinha, Exército e Força Aérea), não são funcionários públicos civis, posto que são detentores de características distintas daqueles. Ou seja: em vez de se aposentarem os militares passam para a reserva, podendo ser mobilizáveis a qualquer momento; permanecem no quadro vinculados ao Tesouro; e somente ao atingir a idade de 65 anos passam à condição de reformados, deixando desta forma de serem mobilizados ao serviço ativo das instituições, às quais são vinculados por força do "Estatuto".

     O Cel Marlon, que ao longo da elaboração da Lei Complementar do Regime Próprio de Previdência dos Servidores contou com a contribuição do Assessor de Legislação Institucional da ACORS, Ten Cel Marcello Martinez Hipóllito, destacou ainda outras peculiaridades dos militares estaduais, quais sejam: os militares contribuem mensalmente para o pagamento de pensões; constituem uma força do Governo Federal ou Estadual de pronto emprego em situações adversas; e constituem uma reserva técnica permanente.

     Cabe ao Estado, portanto, manter os militares estaduais atrelados ao Tesouro, devidamente vinculados ao Fundo Financeiro conforme previsto no § 2° do Art. 92 da Lei Complementar n° 412, de 26 de junho de 2008.

 

* Publicado em 25.04.2015.

 

 

Notícias Recentes:

ACORS se reúne com a presidência do IPREV para tratar do SPSM
Diretoria Executiva da ACORS se reúne para deliberação de ações da associação
Comissão divulga cartilha para composição de chapas para as eleições da ACORS
Prestação de contas da ACORS é aprovada por unanimidade