OS PARAQUEDISTAS AVENTUREIROS ESTÃO CHEGANDO

De vez em quando iguais aves migratórias aportam no Estado, oriundas de todos os cantos da Terra. Chegam e partem misteriosamente. Caem de paraquedas sobre as nossas cabeças com a solução na ponta da língua. Trazem na bagagem a tábua de salvação para o Estado. Afirmam peremptoriamente que a falência do Estado é devida àqueles que não viraram as costas à Águia Barriga-Verde, mas que aqui ficaram por até 30 anos ou mais carregando o piano nas costas.
De onde vem essa gente que a cada 4 anos se renova num vai e vem sem tamanho? Traíram o Estado e agora ressurgem como os aventureiros salvadores da Pátria. De dedo em riste e destilando veneno mortal, apontam para os servidores públicos civis e para os militares estaduais como a causa de todas as mazelas. Somos o cancro que deve ser extirpado. Nós somos a doença; eles, a cura.
Toda a nossa juventude entregue em holocausto e agora, no final da vida, vemos a nossa contribuição jogada na lata de lixo por burocratas de plantão que por aqui aportam sazonalmente. Surgem laureados com os mais nobilíssimos títulos em administração pública, mas não conseguem tirar o Estado da bancarrota, sendo mais fácil achar os culpados para a sua incapacidade gerencial. 
Como o Governo é patrão e patrola, fica fácil passar o rolo compressor sobre aqueles que são Estado e não estão Estado, temporariamente.

 

Notícias Recentes:

Entidades realizam reunião para definir ajuste final da proposta de valorização institucional
Presidente da ACORS apresenta entidade aos novos integrantes do CFO da PMSC
Entidades representativas da Segurança Pública se reúnem para apoiar projeto de valorização institucional
ACORS lança segunda edição do Programa de T&D em Liderança