OFICIAL DA PM PROMOVIDO POR ATO DE BRAVURA

OFICIAL DA PM PROMOVIDO POR ATO DE BRAVURA

História do 1º Ten Brandão:

     No dia 24 de Março de 2005, o 2º Tenente Yuri Bento BRANDÃO, encontrava-se na folga da escala de serviço e juntamente com sua esposa e filho estavam no bairro Estreito, na Capital, quando ele percebeu uma movimentação de populares. O proprietário de uma relojoaria estava no local e informou que sua loja havia sido assaltada, sendo que os dois assaltantes haviam corrido do estabelecimento, a pé.
No momento da conversa, um ônibus passou e o proprietário avistou os dois assaltantes em seu interior, apontando-os.
     O Tenente Brandão então se identificou como policial militar e solicitou ao mesmo que entrasse em seu automóvel, para que acompanhassem o ônibus, uma vez que faria contato com a Central de Emergência 190, para que o mencionado veículo fosse abordado, e para que o cidadão pudesse identificar os assaltantes.
 Enquanto o tenente tentava contato com a PM, os assaltantes saltaram do ônibus e foram em direção a um táxi, o tenente parou o carro, solicitou que a vítima apontasse os agentes, quando então fez a abordagem dos 2 assaltantes que estavam armados. O 1º dos assaltantes colocou as mãos na cabeça, porém o 2º empreendeu fuga dando a volta por trás do táxi, carregando uma sacola com o produto do crime.
    No momento em que se aproximava, o assaltante retirou uma arma de sua cintura e passou a desferir vários disparos. O Tenente lançou-se ao solo e desferiu também vários disparos com sua arma particular.
    Após a troca de tiros, o assaltante empreendeu fuga.O tenente Brandão passou a persegui-lo sendo que o assaltante largou a sacola no chão (que continha cerca de 36 relógios e era parte do produto do roubo). Não conseguindo mais correr, o oficial percebeu então que havia sido ferido na coxa direita (o tiro atravessou a perna). Retornou então ao local onde se encontrava sua esposa e filho, que foram conduzidos a residência.
    O Tenente Brandão juntamente com outros policiais continuou as buscas pelo assaltante, não obtendo sucesso o oficial solicitou que o conduzissem ao hospital.
    Com a certeza do dever cumprido, recebeu socorro médico, demonstrando assim, lealdade ao juramento que fez quando foi declarado Aspirante a Oficial, de dedicar-se inteiramente ao serviço policial militar, a manutenção da ordem pública e a segurança da comunidade mesmo com o risco da própria vida.

Notícias Recentes:

Entidades realizam reunião para definir ajuste final da proposta de valorização institucional
Presidente da ACORS apresenta entidade aos novos integrantes do CFO da PMSC
Entidades representativas da Segurança Pública se reúnem para apoiar projeto de valorização institucional
ACORS lança segunda edição do Programa de T&D em Liderança