Notícias STF-Adepol questiona normas catarinenses que equiparam salários – PM/PC





Notícias STF


Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2008



Adepol questiona normas catarinenses que equiparam salários de delegados a policiais civis e militares


A Adepol (Associação dos Delegados de Polícia do Brasil) ajuizou no Supremo Tribunal Federal (STF) uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 4009) contra o artigo 106, parágrafo 3º, da Constituição de Santa Catarina, e outros três dispositivos editados pelo estado, que vinculam os vencimentos de delegados de polícia com os oficiais das polícias civil e militar.


O artigo 106 da Constituição catarinense, o artigo 4º da Lei Complementar (LC) 55/92 e o artigo 1º da LC 99/93 já haviam sido suspensos cautelarmente por decisão do Supremo, na análise da ADI 1037, ressalta a associação. Esta ação, contudo, não foi julgada em seu mérito, por que o Supremo entendeu que a Adepol, à época, não tinha legitimidade para propor esse tipo de ação. Agora, com a mudança em seu estatuto e uma nova jurisprudência do Supremo sobre as entidades que possuem legitimidade para propor ADI, a Adepol garante que voltou a ser legitimada para ajuizar ação direta de inconstitucionalidade.


Sobre a legalidade das normas questionadas, a associação lembra que o artigo 37, XIII, da Constituição Federal, proíbe expressamente a vinculação e equiparação de remuneração dos servidores públicos. Com este argumento, a Adepol pede a declaração de inconstitucionalidade do artigo 106, parágrafo 3º da Constituição catarinense, do artigo 4º da LC 55/92, do artigo 1º da LC 99/93, e da LC 254/2003, com a alteração dada pela LC 374/2007.


Análise do mérito


A ministra Ellen Gracie, presidente do Supremo Tribunal Federal, decidiu aplicar ao caso o artigo 12 da Lei das ADIs. Este dispositivo permite que, em casos relevantes e visando dar celeridade à analise da questão, o Supremo deixe de analisar o pedido de liminar e julgue diretamente o mérito da ação. Ellen Gracie solicitou informações ao governo e à assembléia legislativa de Santa Catarina ? que devem se pronunciar em até 10 dias, e abriu vista sucessiva dos autos ao advogado-geral da União (5 dias) e ao procurador-geral da República (5 dias).





Notícias Recentes:

Entidades realizam reunião para definir ajuste final da proposta de valorização institucional
Presidente da ACORS apresenta entidade aos novos integrantes do CFO da PMSC
Entidades representativas da Segurança Pública se reúnem para apoiar projeto de valorização institucional
ACORS lança segunda edição do Programa de T&D em Liderança