JORNAL A NOTÍCIA E DIÁRIO CATARINENSE – 10 DEZ 2004 – SEXTA FEIRA


Jornal a  Notícia  

Moacir Pereira
moacirp@intercorp.com.br

Corte
O governador Luiz Henrique não cogita em revogar ou rever o decreto que reduziu o pagamento de horas extras dos oficiais da Polícia Militar e delegados de polícia. Foi o que garantiu o secretário de Segurança, Ronaldo Benedet, ao anunciar que o corte parcial está previsto desde julho deste ano.


Economia
O secretário revelou que o Estado fará economia de R$ 526 mil com a redução das horas extras. Manteve posição forte pela introdução de mudanças no Estado, sustentando que o corporativismo está liquidando com a administração pública. E disse que o governo procura fazer justiça salarial.



Delegados
O advogado Luiz Darci da Rocha vai se pronunciar na segunda-feira sobre a legalidade do decreto do governador que reduziu as horas extras aos delegados de polícia. O presidente da Associação dos Delegados de Santa Catarina, Maurício Noronha, anuncia a posição após a análise da consultoria jurídica. Diz que a indignação é geral na classe.












Funcionalismo


Compensação para corte de horas


Secretaria anuncia que governo negociará nova forma de pagar policiais


JOÃO CAVALLAZZI















 


 


 


O secretário da Segurança Pública e Defesa do cidadão, Ronaldo Benedet, já começou a articulação para tentar esvaziar a mobilização de oficiais da Polícia Militar e delegados da Polícia Civil.

Profissionais dessas categorias são contra o decreto do governador Luiz Henrique da Silveira, que reduziu em 50% o valor de horas extras para os dois grupos.

Ontem, através de sua assessoria, o secretário afirmou que o governo vai negociar uma nova fórmula de compensação às perdas com a nova regra. Benedet não detalhou como, nem quando, isso acontecerá, destacando apenas que o corte foi uma decisão de governo e que está solidário com o governador.

– Eu não estou sabendo de nada, mas fico contente em ouvir isso (as declarações de Benedet) de ti – reagiu, ontem à tarde, o coronel Marlon Teza, presidente da Associação dos Oficiais da PM, ao ser informado sobre a fala de Benedet.

Hoje, às 19h, haverá uma reunião com oficiais de todo o Estado no clube militar, no Bairro Trindade. Será durante o encontro que o oficialato decidirá que medidas tomar a respeito da limitação das horas extras, acrescentou Teza.

A Associação dos Delegados estuda contestar judicial e administrativamente o texto publicado no Diário Oficial do dia 30, que estabeleceu teto de R$ 1.073 para horas extras de oficiais e delegados.

O valor representa o salário líquido pago a soldados e policiais civis em início de carreira.


 

Notícias Recentes:

ACORS se reúne com a presidência do IPREV para tratar do SPSM
Diretoria Executiva da ACORS se reúne para deliberação de ações da associação
Comissão divulga cartilha para composição de chapas para as eleições da ACORS
Prestação de contas da ACORS é aprovada por unanimidade