Grupo de trabalho avalia PEC dos Bombeiros Voluntários

A Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa vai criar um grupo de trabalho para resolver o impasse em torno da tramitação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 1/12, de autoria da Mesa, que permite aos bombeiros voluntários fazer a fiscalização de projetos, edificações e obras nos municípios catarinenses. Na manhã desta quarta-feira (14), durante reunião da comissão, foi realizado um debate em torno do assunto, que divide as opiniões de deputados, bombeiros militares e civis.

O encontro teve a participação de representantes de militares, bombeiros comunitários, bombeiros voluntários, Ministério Público, Secretaria de Estado de Segurança Pública e Procuradoria-Geral do Estado. A Federação Catarinense dos Municípios (Fecam) foi convidada, mas não enviou representante.

Durante o debate, as partes envolvidas divergiram sobre a aprovação da PEC. Os militares, contrários à proposta, entendem que ela é inconstitucional. “Não somos contrários ao trabalho dos voluntários, mas, do jeito que está, a PEC não resolve o problema”, afirma o subcomandante do Corpo de Bombeiros, coronel Marcos de Oliveira.

Os voluntários, por sua vez, defendem a proposta. “Já fazemos o trabalho de atendimento das ocorrências nas cidades onde atuamos. Queremos também fazer o trabalho de prevenção, até para ter as informações necessárias no atendimento de um sinistro”, explica Aldair Faria, secretário-executivo da Associação dos Bombeiros Voluntários no Estado de Santa Catarina (ABVESC).

 

Impasse

Participaram do encontro os deputados Sargento Amauri Soares (PDT), que presidiu a reunião, Kennedy Nunes (PSD), Darci de Matos (PSD), Dirce Heiderscheidt (PMDB) e Maurício Eskudlark (PSD). Mesmo com posições antagônicas sobre o assunto, todos ficaram satisfeitos com o resultado da reunião e reconheceram a necessidade de se buscar uma solução para o impasse.

“A Assembleia está dividida, o Estado está dividido sobre essa questão”, destacou Darci de Matos, que discorda da inconstitucionalidade da PEC. “O direito é abstrato”, concluiu.

Maurício Eskudlark e Kennedy Nunes chamaram a atenção para o artigo 108 da Constituição Estadual, que considera ser prerrogativa dos bombeiros a realização de serviços de fiscalização. “A PEC muda o artigo 112, mas o artigo 108 continua o mesmo”, alertou Eskudlark.

“No meu entendimento, a concessão de habite-se é uma atribuição do município e não uma questão de segurança pública”, afirma Kennedy. “O que está causando toda essa divergência é a questão financeira, de quem vai ficar com os recursos arrecadados com a fiscalização”.

Sargento Soares discordou. Para ele, trata-se de uma atribuição do Estado, relativo à segurança pública. “Quanto à questão dos recursos, isso pode ser equacionado, redirecionando parte para os municípios”, disse.

 

Novo encontro

A comissão fará um novo debate sobre o assunto, na próxima quarta-feira (21), às 10 horas. Além das entidades convidadas, também serão chamadas para participar da discussão a Defesa Civil e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

As entidades poderão trazer sugestões para resolver o impasse que envolve a PEC, que está em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), após pedido de vistas coletivo.

 

Fonte: ALESC

 

Notícias Recentes:

Entidades realizam reunião para definir ajuste final da proposta de valorização institucional
Presidente da ACORS apresenta entidade aos novos integrantes do CFO da PMSC
Entidades representativas da Segurança Pública se reúnem para apoiar projeto de valorização institucional
ACORS lança segunda edição do Programa de T&D em Liderança