Clipagem do dia 23 de abril

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DE 23 DE ABRIL

 

COLUNISTA RAFAEL MARTINI – Diário Catarinense

Boa notícia na Serra

A Polícia Militar Rodoviária está comemorando um ano sem o registro de ocorrência com vítima fatal na SC-390, no trecho conhecido como Serra do Rio do Rastro entre os municípios de São Joaquim e Lauro Müller.
O fato de não ter nenhum acidente com morte em 12 meses já seria motivo suficiente para comemorar. Mas se for levado em conta a periculosidade do trecho, que é sinuoso e sujeito a neblina e neve, sem iluminação há mais de um ano, dá para se ter ideia do trabalho de prevenção dos homens da PMRv no local.

 

COLUNISTA CACAU MENEZES – Diário Catarinense

A luta continua

Sindicato dos Policiais Federais no Estado de Santa Catarina informa que hoje haverá nova paralisação nacional de 24 horas.
A pauta continua sendo a aprovação das PECs 51, 73 e 361 e a reestruturação da carreira policial federal.

 

COLUNISTA PAULO ALCEU – Notícias do Dia

Veloz 1

Neste feriadão, nas estradas federais de Santa Catarina, foram registradas 12 mil notificações por excesso de velocidade. É muita coisa. Velocidade além dos limites tem papel determinante em 30% dos acidentes com morte. Está entre os principais problemas de segurança rodoviária. Mais de 50% dos condutores ultrapassam o limite recomendado. Como resolver isso, já que romper a barreira dos 100km/h vem se tornando comum?

Veloz 2

A ausência de fiscalização contribui para o excesso de velocidade. E o sentimento de impunidade e desrespeito com a autoridade promove e estimula barbaridades nas estradas. Não possuímos rodovias com infraestrutura que assimilem os avanços tecnológicos dos veículos. Alta velocidade é incompatível com segurança. O risco se mantém presente. E todo esse abuso não é freado por uma multa, mas pela falta de uma educação em respeito à vida.

 

ASSUNTO: ATROPELAMENTO

VEÍCULO: Diário Catarinense

Morte de empresário é reconstituída

A Polícia Civil de Lages, na Serra catarinense, realizou ontem à tarde a reconstituição do atropelamento que resultou na morte do empresário Luiz Fernando Letti, o Nando, 60 anos. O crime ocorreu em um posto de combustíveis na madrugada de 6 de março deste ano.
Realizada a pedido do Ministério Público e do advogado Régis Ricardo Schweitzer, que defende o acusado, Julio Octavio Burigo, 23, a reconstituição durou mais de uma hora e atraiu a atenção de muitos curiosos. O posto de combustíveis, localizado no cruzamento das avenidas Belizário Ramos e Duque de Caxias, no bairro Sagrado Coração de Jesus, foi totalmente isolado, com acesso proibido a clientes. Policiais civis e militares garantiram a segurança local.
Escoltado por agentes do Departamento de Administração Prisional (Deap) e protegido por um colete à prova de balas, o acusado participou em alguns momentos e acompanhou o restante de dentro de uma viatura.
O objetivo da reprodução, conforme o delegado Bada Castro, foi confrontar as imagens das câmeras do posto com as versões do réu e das testemunhas. Schweitzer, garante que sustentará até o fim a tese do homicídio culposo, quando não há a intenção de matar.
Sócio-proprietário de um moinho de trigo da família, Nando Letti tinha 60 anos, era solteiro e sem filhos. Boêmio, vivia em festas, adentrava madrugadas, gostava de usar roupas de couro, anéis, pulseiras e colares extravagantes e pilotava imponentes motos.
Na madrugada de 6 de março, uma quinta-feira, Letti estava no posto de combustíveis que sempre frequentava quando se envolveu em uma briga aparentemente banal, mas que resultaria na morte dele.

 

ASSUNTO: Rodovias no feriadão

VEÍCULO: Diário Catarinense

Operação de Páscoa teve 15 mortes

Entre os dias 17 e 21 de abril, que compreenderam os feriados de Páscoa e Tiradentes, a Polícia Militar Rodoviária (PMRv) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) registraram 475 acidentes nas estradas de Santa Catarina.
O balanço final, divulgado ontem, quase se igualou às 479 ocorrências do mesmo período em 2013, incluindo a segunda-feira. A contagem de feridos também diminuiu, de 278 em 2013 para 254 em 2014. No entanto, o número de mortos nas rodovias cresceu 66% em relação ao ano passado, subindo de 9 para 15 ocorrências, igualando-se à marca de 2012.
Entre as principais causas de acidentes estão imprudência na condução e manutenção dos veículos, além da arriscada associação de consumo de bebidas alcoólicas com a direção.

 

ASSUNTO: EDITORIAL DA RBS

VEÍCULO: Diário Catarinense

ESTUPIDEZ CRIMINOSA

Num país no qual a criminalidade parece cada dia mais indissociável do cotidiano e que figura com destaque crescente nos rankings internacionais de violência, é preocupante a banalização de atos como a destruição de ônibus por meio de depredações ou incêndios criminosos. No caso mais recente, e um dos mais assustadores entre os já registrados até agora, mais de três dezenas de ônibus foram incendiadas por criminosos que invadiram a garagem de uma empresa de transporte coletivo na cidade paulista de Osasco.
O poder público precisa dar um basta a essas ações covardes que causam transtornos à população e aos usuários do transporte coletivo. Além disso, prejudicam a própria imagem do país, já que as cenas deploráveis ganham espaço na mídia internacional, às vésperas da realização de um evento importante como a Copa do Mundo.
Os números são assustadores: só neste ano, nada menos de 364 ônibus foram atacados na capital paulista e em municípios da Grande São Paulo, sendo 115 deles incendiados. Em outras cidades do país, inclusive em Santa Catarina, também há registros frequentes de veículos coletivos queimados por traficantes, quadrilhas e até mesmo grevistas e participantes de manifestações de rua. No início do ano, ataques desse tipo já haviam resultado na morte de uma menina de seis anos no Maranhão. E, seja qual for o caso, o resultado concreto é que o usuário acaba arcando duplamente com o ônus. Primeiro, porque passa a contar com menos opções ainda para se locomover, como ocorreu ontem na cidade paulista. Depois, porque é chamado a responder também pelo custo financeiro.
A esses episódios, se somam outros igualmente assustadores, como os ataques coordenados a Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), intensificados nos últimos meses no Rio de Janeiro. Mais recentemente, a greve dos policiais militares em Salvador, na Bahia, chamou a atenção para o quanto a violência pode transbordar para diferentes áreas quando os criminosos se sentem livres para agir. A contenção da criminalidade não deveria depender apenas de policiamento ostensivo, mas sobretudo de observância a princípios morais e legais. A simples ausência da polícia nas ruas, porém, foi suficiente para aumentar em 10 vezes o número de mortes diárias na capital baiana, o que é aterrador.
Nos casos específicos envolvendo transporte coletivo, os danos provocados, algumas vezes têm ligação com a insatisfação em relação à má qualidade dos serviços, que deu origem a protestos em série nas ruas há quase um ano. Atentados a ônibus, como os de Osasco, porém, estão cada vez mais associados ao crime organizado, contra o qual a sociedade espera ações efetivas.

 

ASSUNTO: Farra-do-boi

VEÍCULO: Notícias do Dia

A PM deteve 19 pessoas e apreendeu 15 animais com a ajuda da Cidasc.

O balanço da Agência Central de Informações da PM mostra redução de ocorrências em relação a 2013 entre Sexta-Feira Santa e Domingo de Páscoa

Até domingo (20) foram registradas 212 ocorrências.

Florianópolis foi o município com maior número de casos (86), seguido por Governador Celso Ramos (67).

 

ASSUNTO: Parceria entre polícias

VEÍCULO: Notícias do Dia

Segurança integrada

A cidade de São José aparece entre os cinco primeiros municípios do Estado nos registros de homicídio e ocorrências policiais de tráfico de drogas, segundo dados da (Secretaria de Estado de Segurança Pública) em 2013 e neste ano. Foram esses índices e o pedido da população por mais segurança que levaram a criação do plano integrado de segurança e o GGIM (Gabinete de Gestão Integrada Municipal). O projeto reúne 11 instituições, como Polícia Civil e Militar, Guarda Municipal e Consegs (conselhos comunitários de segurança).

A proposta criada ano passado objetiva otimizar horas, recursos e trabalho com a troca de informações e integração dos setores de segurança. O regimento interno do GGIM , que se reúne uma vez por mês com a prefeita Adeliana Dal Pont para discutir e planejar ações, ainda está sendo elaborado, mas há pelo menos oito ações previstas para São José que devem ser colocadas em prática neste ano.

Entre as medidas estão a instalação de uma sede do IGP (Instituto Geral de Perícias) no município e a habilitação de agentes da Guarda Municipal para atuarem armados. Além disso, conta com o polêmico projeto de lei que visa firmar convênio com o Estado autorizando o município a delegar atividades de fiscalização às polícias Militar e Civil com gratificação de R$ 100 por quatro horas trabalhadas nos horários de folga.

Agrupamento de funções

Hoje 120 guardas municipais, 145 policiais civis e 220 militares atendem São José, cidade com 224 mil habitantes, pela estimativa 2013 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). No caso da PM, a responsabilidade é do 7º Batalhão, que atende também São Pedro de Alcântara com o mesmo efetivo. A maioria das ações do plano preveem atuação da Guarda em alguns serviços da Polícia Militar e também auxílio da PM em ações da Guarda.

A secretária municipal de Segurança Andréa Pacheco afirma que esse agrupamento de funções é necessário, principalmente, por causa da falta de efetivo das polícias. Segundo ela, o cidadão tem exigido cada vez mais do guarda uma resposta, principalmente na atuação nas ruas. “Caminhamos para um modelo americano de segurança pública, sem entrar no mérito se isso é bom ou ruim, em que as guardas vão arcar com a segurança dos municípios.

As polícias civis e militares só vêm encolhendo ao longo dos anos, não repõem seus efetivos na totalidade. Alguém precisa dar conta disso”, opinou Andrea.

Falta efetivo para a PM cumprir seu papel

Para o comandante tenente-coronel Marcus Vinicius Bedretchuk esse trabalho conjunto tem sido positivo. Ele também afirma que há dificuldade com o efetivo. Em 2006, o batalhão contava com 375 militares, hoje são 220. “Não é suficiente, precisaria no mínimo repor o quadro de 2006”, disse.

Um exemplo citado por ele é o atendimento da Guarda Municipal nos acidentes de trânsito sem vítima no município, que ocorre desde janeiro por meio de um convênio com o Estado: “A Guarda está muito integrada conosco, auxiliando no que pode dentro do que determina a lei. Os acidentes sem vítima correspondia ao maior número de ocorrências que atendíamos em São José, as viaturas gastavam cerca de uma hora e vinte minutos nesse trabalho. Hoje, as ocorrências diminuíram 48% e podemos destinar nosso efetivo e tempo para outras ações mais ostensivas”.

Para a delegada regional de Polícia Civil de São José, Sandra Mara Pereira, ainda é cedo para comentar o trabalho conjunto, mas ela considera a integração importante. “Ainda que todos trabalhem pela segurança, as instituições têm trabalhos muito distintos, mas é importante, principalmente para a troca de informações”, disse.

 

 

 

 

Notícias Recentes:

ACORS se reúne com a presidência do IPREV para tratar do SPSM
Diretoria Executiva da ACORS se reúne para deliberação de ações da associação
Comissão divulga cartilha para composição de chapas para as eleições da ACORS
Prestação de contas da ACORS é aprovada por unanimidade