Clipagem do dia 17 de outubro

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO DIA 17 DE OUTUBRO

 

COLUNISTA RAFAEL MARTINI – Diário Catarinense

ALIÁS

Em nota oficial, o Deap catarinense negou o pedido para receber dois presos do sistema paranaense, que já enfrentou mais de 20 rebeliões nos últimos meses. A alegação é que SC já mantém 50 presos com processos exclusivos à Justiça do Estado do Paraná e não consegue enviá-los para lá.
 

NO MAIS
Quando o assunto é transferências no sistema prisional, a lógica dos catarinenses é de que cada um fique no seu quadrado. Afinal, problemas por aqui também não faltam.
O difícil acesso para um grande número de pessoas e o complexo esquema de segurança necessário foram os principais motivos para o cancelamento da visita da presidentE Dilma Rousseff à comunidade do Morro da Queimada, no Maciço do Morro da Cruz, onde famílias foram beneficiadas pelo programa Minha Casa Minha Vida. Ela vai apenas ao Centrosul.

 

MEDALHA
Santa Catarina passará a ter comenda honorífica própria para a área da Segurança Pública. A medalha de mérito “Luiz Carlos Schmidt de Carvalho” será concedida a pessoas físicas e jurídicas que tenham prestado relevantes serviços às causas da segurança pública.

 

ASSUNTO: TRÂNSITO VIOLENTO

VEÍCULO: Diário Catarinense

Imprudência lidera as causas de acidentes em rodovias de SC

Excesso de velocidade, ultrapassagens proibidas e uso de substâncias químicas ao volante estão entre razões de 80% das ocorrências atendidas pela PRF em Santa Catarina no ano passado

Estradas movimentadas, principal rota de transporte de mercadorias e motoristas embriagados. O resultado é um elevado número de acidentes com mortes. O Atlas da Acidentabilidade, divulgado ontem em Santa Catarina, coloca as rodovias catarinenses em terceiro em total de acidentes, atrás de MG e PR, e em quarto nos casos envolvendo caminhões.
A Polícia Rodoviária Federal (PRF) contabilizou, em 2013, 18.985 colisões em SC. Em 80% delas, 15.258, houve algum tipo de negligência. O Estado fica em quinto lugar no ranking nacional de mortes – 505 só no ano passado. E os acidentes mais letais ocorrem por excesso de velocidade, seguido de ultrapassagens indevidas e embriaguez.
Nesse cenário, a Polícia Rodoviária Federal alerta: caminhoneiros estão trocando rebites (usados para combater o sono) pela cocaína, muitas vezes aliada ao álcool.
– Há um número assustador de caminhões circulando em nossas rodovias, parte da rota RS e SP. Temos os conhecidos como verdureiros, com cargas de alta perecibilidade. O motorista tem que fazer viagens curtas e com mais frequência – sugere o inspetor da PRF-SC, Luiz Graziano.
Excesso de jornada e pressão por produção
Nicolau de Almeida, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários da Grande Florianópolis (Sintracargas), diz que o excesso de jornada e a pressão por produção são os principais fatores para o uso de substancias ilícitas. Autônomos, que precisam entregar carga para receber, trabalham 18 horas seguidas, dormem quatro e dirigem por mais 16 horas.
– No laudo consta que o motorista ‘dormiu ao volante’, mas eles usam drogas sim. Quando sabemos, denunciamos ao Ministério Público do Trabalho – afirma.

Pequisa avalia condições da malha viária
A 18a edição da Pesquisa CNT de Rodovias 2014 avaliou 98.475 quilômetros, que correspondem a toda a malha federal pavimentada e aos principais trechos estaduais do Brasil, os mais relevantes para o transporte de cargas e de passageiros.
Em Santa Catarina, 1.858 foram classificados de regular a péssimo. Segundo o estudo, as avaliações regular, ruim ou péssimo são baseadas em buracos, trincas, afundamentos, ondulações, entre outros problemas. Os 1.255 quilômetros restantes foram avaliados entre ótimo e bom.
Entre os 20 pontos críticos encontrados, foram destacadas nas rodovias catarinenses nove erosões na pista; 10 quedas de barreira e uma ponte caída.

“Negligência é de longe a maior razão dos casos” - J. Pedro Corrêa, Especialista em Segurança do Trânsito

Balneário Camboriú recebeu ontem integrantes do Seminário Zero Acidentes, que discutiram formas de reduzir o número de acidentes nas rodovias do Brasil. O evento foi mediado pelo consultor da Volvo, especialista em Segurança no Trânsito, J. Pedro Corrêa, responsável pela compilação de dados que resultou no Atlas da Acidentabilidade, em parceria com a Polícia Rodoviária Federal, e que mostra um panorama dos acidentes nas rodovias brasileiras. O estudo detalha o número de casos envolvendo caminhões e ônibus, entre 2008 e 2012.

Diário Catarinense – Quais as causas que são atribuídas à maioria dos acidentes registrados em Sana Catarina?
J. Pedro Corrêa – A negligência é de longe a maior razão dos casos. A fiscalização não consegue cobrir a totalidade da malha viária, há a questão da qualidade das rodovias, motoristas sem paciência que fazem ultrapassagens indevidas e também o despreparo do governo em relação à segurança no trânsito.

DC – Apesar de menor em extensão, por que as rodovias federais apresentam um número maior de acidentes?
Corrêa – É um mosaico de problemas: o trânsito intenso, motoristas mal preparados, a longa idade da frota, excesso de carga e a imprudência.

DC – Santa Catarina também se destaca pelo elevado número de acidentes envolvendo os caminhões. A que o senhor atribui isso?
Corrêa – Apesar de muitos motoristas serem experientes, eles não têm o comportamento adequado na direção. O excesso de horas de trabalho, além das permitidas, e o uso de álcool e drogas para poder dirigir por mais tempo são exemplos.

DC – Na sua avaliação, o que deveria ser feito para acabar com este tipo de problema? É possível chegar à meta de zero acidentes, como propõe o seminário?
Corrêa – É possível fazer uma mudança radical neste quadro. Não é só a questão de reforçar o policiamento e endurecer as leis. Precisamos do comprometimento de empresas de transporte, sindicatos e sociedade. É um trabalho de mudança a longo prazo. Os números não têm diminuído porque não tem sido feito nada para mudar. É um problema crônico. É fundamental a mobilização de todas as lideranças e do governo para que se enfrente o problema. Precisamos de educação e repressão, levar para sociedade programas de informação e estimular o debate.

 

ASSUNTO: VERÃO

VEÍCULO: Notícias do Dia

Civil avalia Operação Veraneio

A comissão que vai planejar a operação Veraneio 2014/2015 ainda está indefinida, mas devido à falta de efetivo e da escala restrita na qual nenhum policial pode fazer mais do que 40 horas semanais, o delegado-geral da Polícia Civil de Santa Catarina, Aldo Pinheiro D’Ávila, sabe que será necessário um planejamento rígido para reforçar o litoral sem desguarnecer o interior. De acordo com Aldo, como ocorre todos os anos, a ideia é convocar cerca de mil policiais para a temporada de verão. “Vamos convocar cerca de 300 agentes por etapa, num total de três convocações”, diz.

Apesar do reforço, Aldo afirma que não mudará a escala de trabalho dos policiais civis. “O expediente de delegados e escrivães começa após as 13h. Fora deste período eles terão que ficar de sobreaviso. O mesmo vale para agentes. As horas excedentes vão para o banco de horas”, explica. Como o Sindicato dos Policiais Civis ganhou na Justiça o fim do banco de horas, vedando eventuais convocações para o trabalho além das 40 horas semanais, Aldo informa que nos próximos dias deverá ser publicada uma medida provisória anulando a decisão judicial.

Segundo o delegado, está em estudo aumentar a diária dos agentes de R$ 110 para R$ 156, o mesmo valor que recebem os delegados. Questionado sobre a possibilidade de os criminosos se aproveitarem da remoção de policiais para o litoral para promoverem novos atentados contra ônibus e bases policiais, Aldo foi sucinto: “Aí teremos que fazer uma reavaliação”.

O chefe de gabinete da Delegacia Geral, Marlus Malinverni, disse que a comissão da Operação Veraneio será criada após o segundo turno das eleições, com a previsão de que a primeira reunião possa acontecer no início de novembro. “Praticamente já temos 90% do planejamento pronto. Temos know how de anos anteriores”, diz.

 

 

Notícias Recentes:

ACORS se reúne com a presidência do IPREV para tratar do SPSM
Diretoria Executiva da ACORS se reúne para deliberação de ações da associação
Comissão divulga cartilha para composição de chapas para as eleições da ACORS
Prestação de contas da ACORS é aprovada por unanimidade