Anedotário de Ficha de Ocorrência

Este anedotário é obra de um Tenente Coronel da PM-MG, que recentemente


expôs o conteúdo de seu livro no Programa do Jô Soares, salientando que


todas as frases foram originalmente coletadas dos livros e relatórios de


registro policial.


 


Eis alguns erros notórios escritos por policiais em ocorrências:


 


“Senhor delegado, deu entrada no Pronto-Socorro Municipal o cidadão,


vítima de ‘gargalhada’. Gargalhada no peito, no rosto e nas costas.


Segue anexo um ‘gargalho’ de garrafa.”


 


“O veículo, durante o acidente, teve amassamento no pára- choques e


nos


pára-lamas dianteiros, sendo quem não pudemos colher melhores dados,


devido


à vítima haver fugido a galope.” (Era um atropelamento de cavalo).


 


“O condutor foi preso em flagrante por estar dirigindo em velocidade


‘incombatível’ com o local.”


 


“Ocorreu um ‘abalroamento de pessoas.” “Os conduzidos, além da


algazarra, ainda xingavam a todos com palavra de baixo escalão”.


 


“Demos cobertura à ambulância na condução de um ‘débito mental’ até


o PSM”.


 


“O condutor do veículo colocava em risco a segurança das pessoas,


pois


estava dando ‘cavalo de Paulo’ na rua.”


 


Chegando ao local, encontramos a vítima caída ao solo, aparentando


ter cometido um homicídio contra si mesmo.”


 


“No histórico da ocorrência, constava como objeto apreendido: duas


latas de cera ‘Odd’ e uma lata de cera PPO.” (Uma das latas estava de cabeça


para  baixo).


 


“Formava uma ‘língua de fogo que lavava a rua’.”


 


“O cidadão machucou o ‘membro do rosto’.”


 


“O conduzido, que foi preso em flagrante, disse que era inocente na


acusação e que não estava passando de ‘bode respiratório’.”


 


“O sujeito estava vestido com uma calça Jeans e uma camisa


‘destampada’.”


 


“…os indivíduos tentaram resgatar o autor do nosso domínio através


do uso de força ‘anônima’.”


 


Essa é a melhor:”O cadáver apresentava sinais de estar morto.”


 


“Foi apreendido um quilo de lingüiça ‘perfumada’.”


 


“Atendemos à ‘solicitação do solicitante’, que nos narrou que o


autor praticava ‘atentado violento’ ao pudor, pois exibia para os transeuntes


os ‘órgãos sanitários’.”


 


“Após discutir com a vítima, o autor desferiu um forte soco no rosto


da  mesma, que de tão violento, ‘soltou a tampa de seu nariz’.”

Notícias Recentes:

Entidades realizam reunião para definir ajuste final da proposta de valorização institucional
Presidente da ACORS apresenta entidade aos novos integrantes do CFO da PMSC
Entidades representativas da Segurança Pública se reúnem para apoiar projeto de valorização institucional
ACORS lança segunda edição do Programa de T&D em Liderança