ACORS define estratégias a serem tomadas contra a Lei 16.773/2015 (com origem na MP 202/2015) e a Lei Complementar 661/2015

     A diretoria da ACORS esteve reunida nesta quarta-feira, 13 de janeiro, para tratar dos principais pleitos de 2016. Na presença do presidente, Cel Fred Harry Schauffert, dos vice-presidentes Ten Cel Flávio Graff e Maj Wallace Carpes, do presidente do Conselho Fiscal, Cel Marlon Jorge Teza, diretores e assessores, foram debatidos temas como as Eleições da entidade, a reforma estatutária – já aprovada em Assembleia -, novas estratégias de comunicação, previdência e banco de horas.

     Sobre a Ação Coletiva contra a MP 202/2015 (transformada na Lei 16.773/2015), os diretores deliberaram pela manutenção dos esforços para reverter na Justiça a decisão que extinguiu a ação proposta, bem como a interposição de medida cautelar pela suspensão dos efeitos da atual Lei, paralelamente a um mandado de segurança junto ao Tribunal de Justiça.

     Em relação à Lei Complementar 661/2015, foi solicitado à Feneme promover a interposição de Ação Direta de Inconstitucionalidade junto ao Supremo Tribunal Federal por sua flagrante inconstitucionalidade. No âmbito estadual, também será promovida medida judicial adequada justificando porque a Lei Complementar não deve ser aplicada aos militares estaduais.

 

* Publicado em 14.01.2016.

Notícias Recentes:

Entidades realizam reunião para definir ajuste final da proposta de valorização institucional
Presidente da ACORS apresenta entidade aos novos integrantes do CFO da PMSC
Entidades representativas da Segurança Pública se reúnem para apoiar projeto de valorização institucional
ACORS lança segunda edição do Programa de T&D em Liderança