Área do associado

Área do associado

Clipagem do dia 19 de março

19.3.2015

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO DIA 19 DE MARÇO

 

COLUNISTA HÉLIO COSTA – Notícias do Dia

Deslizamento

Um grupo de 26 integrantes da Força Nacional de Segurança está em Santa Catarina  para o curso de busca, resgate e salvamento em desastres urbanos, oferecido pelo Corpo de Bombeiros. Eles recebem instruções nas áreas de mecânica dos solos, técnicas de busca e atuação segura em áreas deslizadas.

 

COLUNISTA PAULO ALCEU – Notícias do Dia

Exagero

Não se combate a violência e a criminalidade armando a população. É um caminho perigoso. Demonstra, isso sim, a falência do Estado e a incapacidade de enfrentar essa insegurança que explora a sociedade. O projeto de lei do deputado João Rodrigues permitindo a taxistas e caminhoneiros que andem armados extrapola o bom senso. Tem razão o parlamentar ao afirmar que não é crime ter uma arma de fogo em casa desde que esteja registrada. Mas há limites.

 

ASSUNTO: Levante do Bosque

VEÍCULO: Diário Catarinense

LEVANTE DA UFSC SOB OUTRA ÓTICA

Um ano depois da ação das polícias Militar e Federal no campus da UFSC, em episódio que ficou conhecido como o Levante do Bosque, será a vez da universidade apresentar sua versão sobre os fatos. O relatório da comissão formada para apurar o caso e propor encaminhamentos será apresentado na próxima quinta-feira, dia 26. O trabalho foi coordenado pelo professor Paulo Pinheiro Machado, um dos 36 denunciados pelo Ministério Público Federal à Justiça. O curioso é que Machado foi exatamente um dos que mais tentaram apaziguar os anônimos no dia do confronto, colocando-se entre os estudantes e os policiais. Mas pelo jeito, à luz da lei, nem isso pode.

 

ASSUNTO: Acidente da Reunidas

VEÍCULO: Diário Catarinense

Motorista está na lista da Interpol

PASSADOS 15 ANOS do acidente na Serra da Santa, o condutor do veículo está foragido

Condenado por homicídio doloso pelo acidente que matou 39 pessoas há 15 anos na Serra da Santa, na BR-470, em Pouso Redondo, o motorista argentino Victor Hugo Jaime está na lista de procurados da Interpol e integra a denominada Difusão Vermelha, que alerta agências de imigração e polícias internacionais sobre o mandado de prisão em aberto. Ele conduzia o veículo que se perdeu numa curva, tombou na pista contrária e bateu de frente em um ônibus da Reunidas que fazia a linha Florianópolis – São Miguel do Oeste.
Os encaminhamentos à Interpol foram determinados pela juíza titular da 2a Vara Criminal de Trombudo Central, Tatiana Cunha Espezim. Desde que assumiu o processo, em abril de 2013, ela nunca teve contato com advogado do réu, que está foragido.
Com 26 anos, Jaime foi preso em flagrante. Um laudo da Polícia Rodoviária Federal apontou imperícia dele ao conduzir o ônibus da empresa Giménez Viajes com excesso de velocidade – o tacógrafo do veículo argentino marcava 82 km/h e no trecho a velocidade máxima permitida era de 40 km/h. Ele ficou preso preventivamente no Presídio Regional de Rio do Sul, mas um mês depois foi solto para responder o processo em liberdade.
Mudou-se para Balneário Camboriú e foi condenado em 2003 a sete anos, 10 meses e 15 dias de prisão em regime semiaberto, mas nunca cumpriu a pena. Desde então, a Justiça de Trombudo Central pediu diversas vezes às polícias Civil e Militar da cidade do litoral e aos representantes da Interpol em Santa Catarina que o acusado fosse procurado, mas ele nunca mais foi encontrado.

 

OUTRO ACIDENTE NO MESMO LOCAL
Considerado a segunda maior tragédia envolvendo ônibus no Estado, o acidente na BR-470 aconteceu na madrugada do dia 12 de janeiro de 2000, no quilômetro 196 e matou 38 turistas argentinos e o motorista da Reunidas, João Teodoro Campos, 55 anos. Outras 44 pessoas ficaram feridas. O ônibus da Giménez Viajes vinha de San Miguel de Tucumán, na região Oeste da Argentina, em direção a Balneário Camboriú, quando se perdeu na descida da serra. No sentido oposto, o ônibus da empresa Reunidas bateu com o veículo tombado.
Menos de 30 horas depois, cinco turistas argentinos morreram no capotamento de um ônibus da Mayorista de Turismo, exatamente no mesmo local. O motorista do veículo, Horácio Candido Sotelo, foi preso em flagrante e condenado a quatro anos, cinco meses e 25 dias de detenção por homicídio culposo – quando não há intenção de matar.

 

ASSUNTO: Caso Bernardo

VEÍCULO: Diário Catarinense

Justiça rejeita pedido de habeas corpus de madrasta

A Justiça negou ontem pedido de habeas corpus de Graciele Ugulini, madrasta do menino Bernardo Boldrini, morto em abril de 2014. Com isso, a enfermeira seguirá detida na Penitenciária Estadual Feminina em Guaíba. A soltura da madrasta foi negada por unanimidade pela 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça.
A ação de habeas corpus encaminhada pela defesa da enfermeira também contemplava um pedido de autorização para que a mulher recebesse a visita da filha na prisão. No entanto, os magistrados optaram por não julgá-lo, já que esse tipo de ação visa apenas o pedido de liberdade.
Na solicitação da enfermeira, argumentou-se não ser necessária a manutenção da prisão, já que a investigação está encerrada, e restam apenas testemunhas de defesa para serem ouvidas. Também foi ressaltado que Graciele é ré primária e está há quase um ano na prisão.
O relator do caso, desembargador Julio Cesar Finger, considerou que a soltura de Graciele pode comprometer o julgamento, já que algumas testemunhas relataram receio de represálias por parte dos acusados.
A madrasta está detida desde abril do ano passado, suspeita de participar da morte de Bernardo.

 

ASSUNTO: Morte de cinegrafista

VEÍCULO: Diário Catarinense

Soltos acusados por morte de cinegrafista

A Justiça do Rio autorizou ontem que os acusados da morte do cinegrafista Santiago Andrade, durante protesto no centro do Rio, em fevereiro de 2014, sejam soltos e monitorados por meio eletrônico, com uso de tornozeleiras. Caio Silva de Souza e Fábio Raposo não poderão participar de manifestações nem ficar na rua à noite, entre outras medidas cautelares. A liberdade dos dois ativistas será possível porque o Tribunal de Justiça (TJ) atendeu recurso da defesa e desclassificou o crime de homicídio triplamente qualificado. Foi mantida a acusação de explosão seguida de morte, com pena que pode chegar a oito anos de prisão.

 

ASSUNTO: Mulher morta pelo namorado

VEÍCULO: Notícias do Dia

Patrícia Machado Weigartener, 32, morta a facadas pelo namorado, Édson Barreto de Souza, 31, terça-feira à noite, vinha sendo agredida nos últimos dias. Ela conheceu Souza há seis meses, em um frigorífico de São José, onde também trabalhava.

Na quarta-feira da semana passada, Patrícia teria levado uma surra. Segunda-feira as agressões se repetiram, e a proprietária de uma confecção na Colônia Santana, em São José, Magda de Souza, onde Patrícia era funcionária, orientou-a a ir à polícia e até deu folga, terça-feira à tarde, para ela registrar boletim de ocorrência.

Magda soube, mais tarde, que Patrícia não foi à polícia porque o dinheiro que ela havia separado para pegar o ônibus fora desviado pelo namorado. Então, Patrícia tomou remédio e dormiu a tarde toda. À noite, o casal voltou a brigar. No calor da discussão, Souza levou a enteada de seis anos, filha de Patrícia, para a casa da madrinha da menina e retornou para discutir com a namorada.

Depois de matar a mulher com quatro golpes de faca, Souza ficou desesperado e pediu socorro para a vizinha, que chamou os Bombeiros. Enquanto Patrícia era levada para o hospital, Souza permanecia sentado ao lado da casa, com as mãos na cabeça, num gesto de arrependimento.

Ele foi preso pela Polícia Militar e levado para a central de São José, onde foi autuado em flagrante por homicídio doloso. No interrogatório, Souza não falou sobre o motivo do crime, mas o irmão de Patrícia, Emerson de Oliveira, 39, disse que o casal estava com as relações estremecidas. Na noite do crime, a mala do agressor já estava pronta, na sala da casa, onde ela foi encontrada morta. Patrícia tem apenas mãe e um irmão, Emerson, que ficou com a guarda da criança. Na cela da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso de São José, onde aguardava para ser transferido para a Central de Triagem da Agronômica, Souza alegou que ocorreu uma discussão de marido e mulher: “Ela tomava remédios, era depressiva”.

 

ASSUNTO: Caso Ricardinho

VEÍCULO: Notícias do Dia

Familiares depõem em processo que investiga conduta do soldado Mota

O Inquérito Policial Militar que apura as circunstâncias em que o soldado Luis Paulo Mota Brentano matou o surfista Ricardo dos Santos, o Ricardinho, há dois meses, na praia da Guarda do Embaú, em Palhoça – além de outras denúncias na Justiça Militar –, precisará de mais tempo para ser concluído.

O trabalho começou há pouco mais de um mês e, de acordo com o corregedor-geral da PM, coronel Carlos Eduardo Orthmann, o processo está na fase de instrução de testemunhas, coleta de depoimentos, provas documentais e uma série de atos para avaliar a postura ético-disciplinar e conduta do soldado enquanto esteve na corporação. O PAD (processo administrativo disciplinar) definirá se Mota permanece na PM.

Hoje serão ouvidos o avô e o tio de Ricardinho, Nicolau dos Santos e Mauro da Silva, que foram intimados a depor. Orthmann diz que a fase de instrução do processo deve durar mais 30 ou 40 dias. Depois, há prazo para alegações finais da defesa e então a decisão em primeira instância. “A preocupação da PM é fazer o trabalho com toda lisura e o mais célere possível, para efetivamente apurar a conduta do soldado, que tem direito de ampla defesa. Isso demanda muita objetividade e imparcialidade na apuração dos fatos”, afirmou. O comandante-geral da PM, coronel Paulo Henrique Hemm, é quem vai decidir o futuro do soldado na instituição. A corregedoria acompanha o PAD contra Mota.

 

ASSUNTO: Força Nacional

VEÍCULO: Portal do CBMSC

CBMSC CAPACITA BOMBEIROS DA FORÇA NACIONAL EM XANXERÊ, NO OESTE

     

 

Vinte e seis integrantes da Força Nacional de Segurança Pública estão participando durante esta semana em Santa Catarina do Curso de Busca, Resgate e Salvamento em Desastres Urbanos – especialização em Deslizamentos, oferecido pelo Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC).

As instruções teóricas e práticas iniciadas na segunda-feira (16/03) são ministradas no Centro de Referência em Desastres Urbanos da Corporação catarinense localizado em Xanxerê, no Oeste. A estrutura inaugurada em 2013 é a única do país a realizar treinamentos para salvamentos em deslizamentos de terra e a primeira do estado para capacitações na área de desastres naturais urbanos.

A Corporação utiliza o centro para a formação específica dos integrantes da Força-Tarefa do CBMSC, a estrutura especializada para a pronta resposta a eventos críticos (desastres naturais extremos, deslizamentos, incêndios florestais, etc).

Segundo o Major BM Walter Parizotto, comandante da 3ª Companhia BM em Xanxerê e coordenador do Serviço de Cães do CBMSC, a Força Nacional procurou a Corporação Catarinense para especializar seu efetivo de bombeiros por entender que a formação oferecida no Estado é atualmente referência para o resto do país na área.

O treinamento com os bombeiros da Força Nacional vai até o próximo sábado (21/03). Até lá, os militares provenientes de diferentes Estados do país receberão instruções nas áreas de mecânica dos solos, técnicas de busca e atuação segura em áreas deslizadas. Durante o treinamento serão simuladas situações reais, nas quais os participantes serão submetidos a provas práticas sob chuva (artificial), frio, cansaço e falta de recursos – condições comuns em ambientes reais de desastres deste tipo.

Além da formação de Bombeiros Militares, o CRDU em Xanxerê também é utilizado para a formação de cães de resgate, que da mesma forma desenvolvem um trabalho reconhecido nacional e internacionalmente na busca de pessoas desaparecidas e corpos soterrados.