Área do associado

Área do associado

Clipagem de 10 a 12 de maio

12.5.2014

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DE 10 DE MAIO

 

COLUNISTA ROBERTO AZEVEDO – Notícias do Dia

COLUNISTA HÉLIO COSTA – Notícias do Dia

Segurança

O prefeito de São Miguel do Oeste, João Carlos Valar, se comprometeu em doar terreno de 9,5 mil m² para a construção do Complexo da Polícia Civil. O protocolo de intenções foi assinado em Florianópolis, na sala do delegado geral da Polícia Civil Aldo Pinheiro D’Ávila. O terreno está localizado na avenida Salgado Filho, no bairro Sagrado Coração de Jesus. A previsão do início das obras é para o segundo semestre de 2015.

 

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DE 11 DE MAIO

 

ASSUNTO: Sistema prisional

VEÍCULO: Diário Catarinense

BLUMENAU: Presídio vive 12 meses em meio ao caos

Um ano depois da visita dos defensores públicos, a superlotação e a higiene pioraram na unidade

Considerada pela Justiça e pelo próprio Estado a pior unidade de Santa Catarina, o Presídio Regional de Blumenau vive uma realidade mais crítica do que no ano passado, quando recebeu a Força Nacional de Defensores Públicos.
Na época havia 882 presos e uma série de falhas de infraestrutura e falta de higiene. Em uma das alas, não havia vaso sanitário e os presos tinham de usar um cano para fazer as necessidades fisiológicas. Em outro ponto, uma tubulação de esgoto jorrava fezes e urina.
Ao invés de reduzir, o problema aumentou: sexta-feira havia 1.113 detentos, entre condenados e provisórios, e a construção do Complexo Penitenciário, apontado como solução, pouco caminhou. Só tem o terreno para a obra.
A maior ajuda que a unidade recebe, segundo o chefe de segurança do presídio, Rangel Luiz Bavaresco, vem do município, que disponibiliza servidores na área administrativa e de saúde. O Estado pouco fez.
Pela assessoria de imprensa, o Departamento de Administração Prisional (Deap) informou que o excesso de presos não é exclusividade do Presídio Regional de Blumenau e que “estratégias para conter a superlotação ou situações de anormalidade são coordenadas e monitoradas por uma equipe especializada e não são divulgadas por segurança”. A maior dificuldade, além da estrutura precária, é a falta de agentes penitenciários. São 37 no total, cinco em cada plantão.

Falhas levam à reincidência

Sentados em círculo em frente a uma televisão, homens e mulheres que estão em liberdade condicional e em regime semiaberto do Presídio Regional de Blumenau discutem sobre o primeiro passo após reconquistar a liberdade. Conhecem muito bem a realidade dentro do Presídio Regional de Blumenau e sabem que os que recomeçam são poucos.
Para a coordenadora da Central de Apoio à Execução Penal de Blumenau, Lúcia Maria Pegoraro, com a falta de dignidade e condições do presídio, muitos dos que saem da unidade voltam a cometer crimes:
– São poucos os que mudam de vida. Quem sai de lá fica muito desmotivado, desacreditado.
A psicóloga da organização cristã Cruz Azul do Brasil, Sirlene Andrade Zermiani, ouve todos os dias as histórias que ocorrem no presídio. Lá dentro, segunda ela, eles vivem em ociosidade e não têm apoio psicológico nem assistência social para recuperar a vida do lado de fora.
– Tudo isso mexe na subjetividade e no emocional dos presos. O que vamos recuperar neles com este tipo de tratamento? – questiona.
Para a presidente do Conselho da Comunidade, Marilu da Rocha Ribas, uma das soluções é a ocupação com o trabalho. Ela diz que presos que estão no regime semiaberto trabalham em empresas locais e há probabilidade de mais vagas nos próximos meses.

“Houve inércia por parte do Estado” – Marcelo Scherer, defensor público de Blumenau

Desde que visitou o Presídio de Blumenau durante o mutirão da Força Nacional de Defensoria Pública, em abril de 2013, o defensor público testemunha a mesma realidade no local.

Agência RBS – O que aconteceu após a visita em 2013 que resultou o relatório da Defensoria Pública?
Marcelo Scherer da Silva – O objetivo do relatório era informar aos órgãos a situação que se encontrava o presídio. A partir dali a ação deveria ser político-administrativa e teriam de ser feitos investimentos em infraestrutura. Mas não houve. Houve uma inércia por parte do governo e da Secretaria de Justiça e Cidadania.

Agência RBS – Um dos principais problemas foi a falta de higiene. Continua essa situação?
Silva – A situação permanece a mesma, exceto em uma ala onde havia alagamento, que foi consertada. Mas no resto, não houve avanço. No início do mês, durante uma visita, encontrei uma cela com 11 ou 12 presos que dividiam a mesma colher.

 

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DE 12 DE MAIO

 

COLUNISTA RAFAEL MARTINI – Diário Catarinense

Entrevista explosiva

O superintendente interino da Polícia Federal Paulo César Barcelos Cassiano Júnior concede coletiva hoje pela manhã para falar sobre o inquérito do episódio conhecido como Levante do Bosque, na UFSC.
A julgar pelas declarações do delegado da PF à época do incidente, vem chumbo grosso por aí. Serão intimadas pelo menos 40 pessoas, entre estudantes e professores, para prestar depoimento na superintendência.

Enquanto isso… O superintendente da Polícia Federal está… de férias.

Operação Presença

O Batalhão de Polícia Militar Rodoviária intensificou a fiscalização nos principais acessos aos bairros de Florianópolis ao longo da SC-401, a rodovia mais movimentada do Estado.

 

COLUNISTA MOACIR PEREIRA – Diário Catarinense

As causas da confusão na UFSC

O delegado Paulo Cassiano Junior, da Polícia Federal, continua prestigiado na instituição. Caberá a ele anunciar hoje os professores e estudantes que responderão a inquérito sobre o Levante do Bosque.
O bloqueio da professora Sônia Maluf é apontado como causa do confronto. E a forte nota assinada pela reitora Roselane Neckel a responsável pela polêmica entre as duas instituições.

Diretas

Diretoria de Investigações Criminais (Deic) passará a se chamar “Delegado Renato Hendges”, se aprovado projeto do deputado Mauricio Eskudlark (PSD).

 

COLUNISTA HÉLIO COSTA – Notícias do Dia

Lavanderia

Cento e vinte policiais concluíram na última sexta-feira o Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro, realizado na Academia da Polícia Civil. Segundo o gerente de Pesquisa e Extensão da Acadepol, delegado Fernando Faveri, dezenas de policiais tiveram a oportunidade de conhecer um pouco mais a respeito das tecnologias de investigação de crimes complexos, sempre em busca do aperfeiçoamento de suas atividades, especialmente em relação à lavagem de dinheiro.

 

ASSUNTO: Capacitação dos Bombeiros

VEÍCULO: Portal do CBMSC

ABERTAS INSCRIÇÕES PARA NOVOS CURSOS DE CAPACITAÇÃO

     

 

A Diretoria de Ensino (DE) do CBMSC está com inscrições abertas até 15 de maio para a seleção aos Cursos de Busca, Resgate e Salvamento em Desastres Urbanos – Deslizamentos (CBRSDU-D) e de Formação de Condutores Navais (CFCN).

Para o CBRSDU-D são oferecidas 18 vagas destinadas a Bombeiros Militares do efetivo do 1º, 4º,8º, 7º, 10º e 13º Batalhões de Bombeiro Militar que integram os grupos locais da Força-Tarefa. A capacitação será realizada entre 1ª a 7 de junho no Centro de Referência em Desastres Urbanos (CRDU) do CBMSC, localizado em Xanxerê. Para mais informações, acesse o edital: AQUI.

O Curso de Formação de Condutor Naval a ser realizado no Grupamento de Busca e Salvamento (1ºBBM/Florianópolis) será disponibilizado a 20 participantes (todo o efetivo do CBMSC). As instruções teóricas e práticas serão disponibilizadas entre os dias 19 e 30 de maio. Leia o edital completo: AQUI

 

ASSUNTO: Corrupção na polícia

VEÍCULO: Portal Globo.com

MP acusa tenente-coronel da PM de chefiar bando na Tijuca

Segundo inquérito, esquema gerava ganho mensal de R$ 100 mil a policiais e traficantes

Ex-comandante do Batalhão de Choque da Polícia Militar, o tenente-coronel Márcio de Oliveira Rocha é acusado pelo Ministério Público (MP) estadual de chefiar um esquema de cobrança de propina a mototaxistas e motoristas de transporte alternativo do Morro da Casa Branca, na Tijuca. A comunidade tem uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). O promotor Marcos Kac, da 9ª Promotoria de Investigação Penal, pediu a prisão preventiva de 30 pessoas supostamente envolvidas no esquema, em 14 de outubro passado.

Conforme revelou o jornal O Dia, neste domingo, o esquema rendia R$ 100 mil mensais a policiais comandados por Rocha, à época à frente do 6º BPM (Tijuca). Traficantes também teriam participação na contravenção. A 20ª Vara Criminal determinou o encaminhamento da denúncia à Auditoria Militar. O MP entrou com recurso e agora caberá à 6ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça avaliar de quem é a competência para julgar o crime.

O promotor Marcos Kac questiona a lentidão no trâmite da ação penal e diz ter provas contundentes de que as propinas eram pagas em um bar em frente ao batalhão, na Rua Barão de Mesquita. De acordo com o inquérito, além de 12 policiais, três comerciantes, um representante de depósito e 14 traficantes recebiam propina.

– O MP e a Polícia Civil fizeram a sua parte. Queremos ver esses sujeitos condenados pelos crimes que cometeram – disse o promotor Marcos Kac.

Em, nota a Polícia Militar informou que a corregedoria interna da corporação “abriu procedimento apuratório”. Caso seja comprovada a participação dos policiais, eles serão punidos administrativamente.

 

ASSUNTO: Corrupção nos bombeiros

VEÍCULO: Portal Globo.com

Bombeiro vende ingressos para a Copa por até R$ 9 mil em quartel

Estatuto do Torcedor proíbe a venda de um ingresso por preço superior ao indicado no bilhete. A pena prevista é de até quatro anos de cadeia.

Três semanas de investigação mostram o lado triste de uma história. O Fantástico descobriu que muita gente caiu no conto da página falsa da Fifa e pagou por um ingresso que não existia. E sabe de onde o cambista que vendeu ingresso para o repórter Carlos de Lannoy comanda seus negócios? De dentro de um quartel no Rio de Janeiro.

Nem o carro de polícia intimida os cambistas.

No Rio, eles atuam sem disfarce, a poucos metros do Centro de Distribuição de Ingressos da Fifa, numa área nobre. Um deles se apresenta como bombeiro. “Tem muita gente aí. Você está querendo vender ou está querendo comprar?”, pergunta.

Mais tarde, por telefone, voltamos a conversar com ele.

Fantástico: Você disse que tinha de Fortaleza e Natal?
Cambista: É, Natal e Fortaleza. Natal é Uruguai e Costa Rica. Fortaleza é Uruguai e Itália.

Em outro telefonema para o mesmo homem, mostramos interesse também por jogos em São Paulo.

Cambista: Tenho uns amigos meus em São Paulo que podem lhe mostrar.
Fantástico: Você vai me dar o telefone do rapaz em São Paulo?
Cambista: Eu vou dar o dele para você.

Passamos o número para a nossa equipe de São Paulo.

Fantástico: Você tem ingresso?
Cambista: Tenho, tenho.
Fantástico: Você tem para o jogo Uruguai e Inglaterra?
Cambista: Tenho, tenho.

Marcamos encontro com o cambista. Ele pede alto pelos ingressos de Uruguai e Inglaterra, na Arena Corinthians.

Cambista: Quantos ingressos você está precisando?
Fantástico: Quarenta mais ou menos.
Cambista: Está mil dólares cada um.
Fantástico: Mil dólares cada um?
Cambista: Cada um.

Mil dólares são cerca de R$ 2.200. O ingresso oficial mais caro para Uruguai e Inglaterra custa R$ 350. Mas, na última hora, o cambista de São Paulo desiste de vender os ingressos que afirmava ter.

No Rio, a negociação foi em frente. “Tenho para todos os jogos. Tenho Argentina e Bósnia, Espanha e Chile, Rússia e Bélgica, França e Equador”, diz o cambista.

O Fantástico acertou a compra de um ingresso com o cambista bombeiro, que se apresentou como sargento Rogério. Ele marcou o encontro no quartel central do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro.

A equipe encontrou o cambista à paisana. Ele leva a equipe até uma sala no primeiro andar, a poucos metros da sala do comandante-geral. Rogério tira um bolo de ingressos do envelope. Manuseia dezenas de bilhetes. Várias opções de jogos.

“França e Equador, 25 de junho, estádio Maracanã”, afirma Rogério.

O ingresso de R$ 60 é negociado por R$ 1.200 – 20 vezes o valor original.

O Estatuto do Torcedor proíbe a venda de um ingresso por preço superior ao indicado no bilhete. A pena prevista é de até quatro anos de cadeia.