Área do associado

Área do associado

Pacote de investimentos do governo estadual prevê a compra de equipamentos individuais, viaturas e videomonitoramento

22.3.2013

Em 30 anos, é a primeira vez que todo o efetivo de policiais civis e militares de SC (hoje em 14,5 mil) ganhará equipamentos de proteção pessoal. É um dos investimentos na Segurança anunciados pelo governo, num montante de R$ 100 milhões.
O lançamento dos editais para a compra dos kits, viaturas e aparelhos de videomonitoramento está previsto para abril. Em cerimônia no Centro Administrativo, o governador Raimundo Colombo assinou os editais que deverão ser lançados até o início do próximo mês em regime diferenciado de compras, ou seja, ganha quem apresentar o menor preço. O investimento faz parte do Pacto por Santa Catarina, que prevê recursos de R$ 265 milhões para a área até 2014.
Nessa primeira etapa, a verba será usada na renovação da frota, incremento no sistema de videomonitoramento e na compra dos equipamentos de proteção para as polícias Civil e Militar e ao Instituto Geral de Perícias (IGP). Cada kit contém um colete balístico, uma pistola calibre .40, uma tonfa (cassetete) e um par de algemas. O IGP vai receber 120 coletes balísticos para peritos que trabalham em locais de crime e 26 veículos.
– É um dia histórico para a segurança. Vencemos a burocracia e já temos o dinheiro. Santa Catarina pode ter orgulho do seu corpo de segurança – observou o governador.
Nesse cenário, Colombo citou como exemplo a prorrogação de 97 prisões dos suspeitos de envolvimento nos ataques criminosos ao Estado. Disse ter sido um processo de qualidade, que mostrou eficiência.
– Nenhum policial deixará de ter seus equipamentos de segurança individual. Isso é inédito no país. Conseguimos vencer todas as barreiras e em breve esses equipamentos estarão chegando às unidades policiais – disse o secretário da SSP, César Grubba
Não há ainda previsão de quais as regiões serão beneficiadas com os novos veículos nem com o sistema de videomonitoramento. A definição ocorrerá a partir dos índices de criminalidade e da disposição das prefeituras em fazer parcerias com o governo para instalação dos pontos.

DO JORNAL DIÁRIO CATARINENSE DE 22.03.2013