Área do associado

Área do associado

Clipping dos dias 11, 12 e 13 de maio

13.5.2013

 

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DE 11.05

 

COLUNISTA RAFAEL MARTINI – Diário Catarinense

Adeus ao carro

O último resquício da onda de atentados foi retirado do estacionamento do Centro Administrativo, nesta sexta-feira. Agora, vai para o leilão de sucatas do Estado.

 

COLUNISTA CACAU MENEZES – Diário Catarinense

Que bucha!

Terminou na Justiça a eleição para a nova diretoria do Sindicato dos Policiais Civis, o Sinpol. O agente de polícia Augusto Júnior, o Juninho Mamão, da Deic, candidato derrotado, não poupa críticas ao apresentador de TV Roberto Salum, que também é policial e integra a diretoria da chapa de oposição. Afirma que Salum utilizou-se daquele espaço de comunicação em massa para alavancar a candidatura da chapa adversária, pedindo votos declaradamente para o seu grupo. Mamão diz inclusive que o apresentador o humilhou e que vai buscar seus direitos na Justiça. Além disso, quer a impugnação do pleito de 30 de abril.

Morador de rua

Elogiável a Cartilha Cidadã nº 01, distribuída nas ruas de Floripa por policiais militares. É uma ação do Conselho Comunitário de Segurança do Centro de Florianópolis, abordando este “Personagem Solitário e Anônimo”. São várias as entidades parceiras que se dispuseram a enfrentar esta triste realidade do morador de rua.

 

COLUNISTA MOACIR PEREIRA – Diário Catarinense

Entre a tradição e a novidade

Herdeiro de uma tradição política que remonta à criação da Arena em 1965 pelo regime militar, o PP catarinense meteu-se uma uma encruzilhada inédita em sua história. A convenção que escolheria o novo diretório do partido, marcada para hoje em Florianópolis, foi cancelada na véspera. A justificativa: as duas chapas teriam irregularidades.
Com isso, perde-se a chance de ver dois grupos de 287 nomes enfrentarem-se em um legítimo tudo ou nada. Quem perdesse, estaria fora do diretório. Para que se tenha uma dimensão da confusão, até o sempre dividido PSDB catarinense conseguiu montar uma chapa única para seu diretório estadual. A briga, que acabou em intervenção da direção nacional, é para a executiva do partido e o cargo de presidente.
No caso do PP, é a luta entre a tradição do partido, capitaneada pelo atual presidente Joares Ponticelli, e uma espécie de renovação liderada pelo deputado federal João Pizzolatti. Depois de compor e aceitar uma das vice-presidências na eleição passada, Pizzolatti decidiu apostar alto e encarar uma disputa por todo o diretório. A posição pegou de surpresa as demais lideranças, que acreditavam na conciliação de última hora. Ponticelli nem preparou uma chapa completa, apresentando os 287 nomes que representariam o consenso, incluindo Pizzolatti. O adversário questionou, ameaçou pedir a impugnação. Nomes que apoiam Ponticelli foram localizados na lista do deputado federal, o que justificou o adiamento – já com vários prefeitos hospedados na Capital.
Ponticelli questiona a intransigência de Pizzolatti, que rebate chamando a decisão de ontem de “antidemocrática”. O deputado federal já fez reclamação oficial ao diretório nacional pedindo intervenção e afastamento do secretário-geral Aldo Rosa, que teria encaminhado e-mails a prefeitos dizendo que ele estava na chapa oficial. A executiva nacional, em sua próxima reunião, vai decidir a data da nova convenção. Do jeito que está, o PP se encaminha para medir forças. Impasse na escolha do diretório deve fazer lideranças do PP medirem forças.

Greve em Joinville

Em uma assembleia com cerca de 2 mil pessoas, os servidores de Joinville aprovaram greve a partir de segunda-feira. A prefeitura oferece 4% de reajuste em maio e 1,5% em novembro. Os servidores querem 7,16% e mais 5%. Udo Döhler (PMDB) falou com o presidente do sindicato, Ulrich Beathalter, na assembleia, mas disse que não poderia dar mais.

 

ASSUNTO: Fraudes IPTU

VEÍCULO: Diário Catarinense

DÍVIDAS APAGADAS: Polícia investiga fraude em computadores da prefeitura

Máquinas foram invadidas para clonar senhas que eram utilizadas para alterar débitos de IPTU no sistema em Florianópolis

As fraudes descobertas pela prefeitura de Florianópolis em senhas de acesso aos sistemas de controle do IPTU podem significar a prática de crime contra o patrimônio público. A suspeita é de que, por trás do cancelamento de dívidas, haja uma quadrilha que cobraria propina por esse serviço em um mercado paralelo. Levantamento preliminar das investigações aponta que os débitos de mais de 150 imóveis teriam sido adulterados por meio desse esquema fraudulento até agora. Uma dívida de R$ 190 mil poderia sumir, por exemplo, por uma comissão bem menor. As investigações estão sendo conduzidas pelo setor de Crimes contra a Administração Pública da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic). O delegado Renato Hendges explica que ainda não há um valor consolidado do tamanho da fraude aos cofres públicos, mas afirma que em apenas cinco imóveis, uma dívida de R$ 1 milhão foi cancelada.

– Não tenho dúvida de que alguém recebia para fazer esses cancelamentos. Quem baixa um débito de um valor desse tamanho, é lógico que recebeu uma propina de alguém por isso – afirma.

Vírus espião teria dado acesso a hackers

O primeiro contato da prefeitura com a polícia para informar a ilegalidade foi feito com Hendges. Ele orientou a administração municipal a oficializar o pedido de investigação da fraude envolvendo 300 senhas da prefeitura que foram canceladas. O problema foi identificado quando um funcionário do serviço da prefeitura Pró-cidadão foi checar uma operação que tinha realizado anteriormente e identificou que havia várias outras operações que ele não tinha realizado e fora do seu horário de trabalho. Ele avisou seus superiores e a prefeitura foi percebendo que que isso estava acontecendo em outros setores da prefeitura. Um computador do Pró-cidadão estava contaminado por um vírus espião, que entregou para a quadrilha as senhas de acesso do funcionário e de seu supervisor, que tem que autorizar na mesma máquina do atendimento as operações realizadas. Essa prática pode ter se reproduzido em vários outros computadores da administração municipal. Esses acessos ilegais aos sistemas estariam relacionados com o cancelamento das dívidas de diversos imóveis e também em outra modalidade de fraude para evitar o pagamento de impostos. Imóveis eram transferidos para o nome da prefeitura durante determinado período de tempo, o que, no sistema, conferia isenção de impostos durante o período de cobrança. Em seguida, voltavam para o nome dos proprietários, sem ter gerado a dívida correspondente do IPTU.

 

ASSUNTO: Greve funcionalismo Joinville

VEÍCULO: Diário Catarinense

SERVIDORES EM GREVE

Em assembleia ontem à tarde, os servidores municipais de Joinville recusaram a proposta da prefeitura de reajuste de 4% retroativo ao salário de maio e 1,56% a partir de novembro e decidiram manter o início da greve. Está marcado um ato em frente à sede do governo, na segunda, a partir das 9 horas. A prefeitura argumenta que a proposta é a única que garante o pagamento integral e não compromete o orçamento.

 

ASSUNTO: Segurança na UFSC

VEÍCULO: Diário Catarinense

MEDIDA NA UFSC: Polícia será acionada para conter violência

Reitoria reconhece a necessidade de apoio para combater onda de crimes

Casos de violência têm sido um dos maiores problemas no campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, desde que começou o ano letivo de 2013. Diante desse cenário, a reitora Roselane Neckel afirma: chamará, sempre que necessário, as polícias Militar e Civil para garantir segurança no local.
Segundo ela, o Departamento de Segurança (Deseg) da instituição não tem estrutura para combater diretamente o crime e, por isso, a polícia deve ser chamada para atender ocorrências de assalto, roubo, furto ou de lesão física registradas no campus. Como a universidade é terreno federal, a polícia estadual não fará ronda e só atuará em situações de emergência.
O orçamento geral da UFSC foi diminuído em 10% neste ano. Mas segundo a reitora, a segurança não foi afetada. Mesmo que sejam contratados mais agentes para a Deseg, não há a garantia de que haverá efetivamente uma redução no número de delitos no campus.
Estudante discorda da medida anunciada
Com menos de um mês de aulas, o primeiro semestre já registra três assaltos à mão armada, cinco arrombamentos a carros e um computador furtado de um laboratório.
A afirmação da reitora de que as forças policiais serão acionadas quando necessário desagrada estudantes. Kauê Hahn Turnes, do Centro Acadêmico do Curso de Educação Física, localizado em uma área do campus com problemas de iluminação, não concorda com a decisão de chamar as polícias Militar e Civil para atuar dentro da UFSC.
– O Deseg não tem estrutura. Poderíamos melhorar a segurança do campus, a iluminação, o monitoramento por câmeras e resolver grande parte desses problemas. Se a polícia não consegue garantir a segurança das comunidades nos arredores, como vai atuar aqui dentro? – questionou o estudante.

 

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DE 12.05

 

COLUNISTA RAFAEL MARTINI – Diário Catarinense

TREM DA ALEGRIA?

Encontra-se em gestação no Tribunal de Justiça de SC o projeto para equiparar a remuneração dos cargos de técnico judiciário auxiliar (nível médio) com os de analistas jurídicos (nível superior), num simples passe de mágica.

ABANDONO

O Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) contabilizou pelo menos 23 prédios abandonados apenas no Centro de Florianópolis. Território perfeito para consumo de drogas e, por consequência, aumento da criminalidade na região.

FAZ SENTIDO

O leitor Claudio José Morozo Junior, de Chapecó, ficou encucado com as 12 Harley Davidson entregues à Polícia Rodoviária Federal de SC. Entendido no riscado, diz que elas não são nada ágeis e não têm condições de trafegar nas nossas rodovias. E mais, imagina o custo da revisão ou da troca de peças. Afinal, questiona, é para passear ou trabalhar?

ARTE PARA TODOS

Apenados da Penitenciária Estadual de Florianópolis visitaram o Museu de Arte de SC. Eles fazem parte da primeira turma da retomada do Projeto Construindo

 

COLUNISTA CACAU MENEZES – Diário Catarinense

Não é bem assim

A rapidez continua inimiga da perfeição. Muitos dos que se apressam em defender a redução da maioridade penal não querem justiça. Pedem vingança. Em lugar nenhum o aumento da pena ou a redução da idade penal significam solução para o índice de criminalidade. Se assim fosse, nos países em que há pena de morte, não existiriam crimes.

 

ASSUNTO: Legislação de drogas

VEÍCULO: Diário Catarinense

PROJETO DE LEI: Pena para tráfico é mantida

O governo federal fechou o texto da parte penal do projeto de lei que altera a legislação de drogas no Brasil.
Em reunião entre o relator da proposta, deputado Gilvado Carimbão (PSL-AL) e representantes do Ministério da Justiça e da Casa Civil, prevaleceu a proposta de que só haverá pena mínima de oito anos para traficantes que chefiem organizações criminosas. Já para o pequeno traficante fica mantida pena mínima, que hoje é de cinco anos.
Pela proposta original, de autoria do deputado Osmar Terra (PMDB-RS), o tempo maior de prisão valeria para qualquer condenado por tráfico, ponto rechaçado pela pasta da Justiça sob argumento de que o aumento do número de encarcerados não se reflete na diminuição do comércio ilegal de drogas.
O projeto de lei, que tramita em regime de urgência, estava previsto para ser votado na quarta-feira na Câmara, mas o impasse em torno da MP 595, a chamada MP dos Portos, trancou a pauta na Casa.
De acordo com o deputado Jorge Silva (PDT-ES), o texto deve ser colocado em votação ao longo das próximas duas semanas.

 

ASSUNTO: Julgamento assassinato PC Farias

VEÍCULO: Diário Catarinense

CASO PC FARIAS: Militares são absolvidos

A Justiça absolveu no final da noite de sexta-feira os quatro militares que foram acusados pela morte do empresário Paulo César Farias e da namorada Suzana Marcolino.
O casal foi encontrado morto a tiros em junho de 1996, em Guaxuma, no Litoral Norte de Alagoas, onde Farias tinha uma casa de praia. Os jurados rechaçaram a tese de suicídio de Suzana e concluíram que houve duplo homicídio no caso.
Os policiais militares Adeildo Costa dos Santos, Reinaldo Correia de Lima Filho, Josemar Faustino dos Santos e José Geraldo da Silva eram acusados pelo Ministério Público de envolvimento do crime e de omissão. Eles faziam a segurança do local.
Existiam duas teses na condução das investigações da morte de PC Farias e da namorada. Conforme a primeira, sustentada pela defesa e pela polícia alagoana, Suzana teria matado o empresário e depois cometido suicídio, por motivação passional.
Para promotoria, a morte de PC Farias foi queima de aquivo
Pela segunda, defendida pelo Ministério Público, o casal teria sido vítima de duplo homicídio, com envolvimento dos quatro PMs arrolados como réus. Para a promotoria, a morte de PC Farias foi queima de arquivo.
– Eles (os militares) tinham a missão de salvaguardar a integridade física do PC Farias e, se assim não o fizeram, ou é porque sabiam que o crime seria cometido e não se movimentaram para impedi-lo ou, talvez, tenham participação direta nas mortes.
O empresário foi tesoureiro da campanha presidencial do hoje senador Fernando Collor (PTB-AL), era réu em processos por crimes financeiros e foi o centro das denúncias de corrupção que resultaram no impeachment do presidente, em 1992.
O juiz determinou ainda que sejam encaminhadas ao Ministério Público denúncias feitas contra o ex-deputado federal Augusto Farias, irmão de PC. Durante o julgamento, dois delegados afirmaram que um porta-voz de Augusto ofereceu suborno a eles.
O juiz entendeu que o crime não prescreveu. Augusto Faria chegou a ser apontado como mandante do assassinato do irmão, mas o inquérito foi arquivado em 2002. O advogado de Augusto, o mesmo dos réus inocentados, disse que ainda não há denúncias contra ele.

 

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DE 13.05

 

COLUNISTA CACAU MENEZES – Diário Catarinense

Acidentes de trânsito

Segundo reportagem que está na última edição da maior revista de carro do país, a Quatro Rodas, a maior causa de acidentes de trânsito no Brasil é a falta de atenção dos motoristas (80%). O que significa isto? Significa que “excesso de velocidade” representa menos de 20% das causas de acidentes. Tudo o que se diz sobre excesso de velocidade ser a principal causa de acidentes é um mito que se espalhou para justificar os malditos radares. Policiais ficam à espreita, em lugares estrategicamente posicionados, para autuar. A cidade toda, como todas no Brasil, estão congestionadas, não dá pra rodar, tá tudo trancado e, nos poucos pontos onde é possível rodar, eles ficam à espreita para te “pegar” e multar a 81 km/h.

Tudo parado

Fui conferir sexta e sábado pessoalmente, andando por todos os lugares. Pelo segundo final de semana consecutivo, após a realização de blitz da Lei Seca pela Guarda Municipal, numa cidade que tinha essa situação sob controle, o movimento nas casas noturnas e nas ruas de Florianópolis caiu quase 80%. Ninguém mais sai, com medo de ser preso. Como não temos táxi à altura nem metrô, a turma tá preferindo o delivery. O que quer, pede de casa. Pizza, bebida, mulher, remédio, droga…

 

COLUNISTA PAULO ALCEU – Notícias do Dia 10.05

Falência anunciada

O que acontece hoje, e não é privilégio de Santa Catarina, é de que ações voltadas ao sistema prisional estão a reboque de omissão do passado. Eram governantes embalados apenas por promessas. A mesma mentalidade do político que evitava investir em saneamento, porque era obra debaixo da terra, e o eleitor não via, é semelhante a relação com os presídios. Os governantes alimentaram, desta forma, a falência do sistema prisional e agora estão correndo atrás. Além disso, vale registrar que o sistema punitivo da pena a cada medida aprovada no Congresso, em nome dos direitos humanos, começa a se perder. Também foi eliminada a disciplina presidiária. Estamos diante do caos, infelizmente, sem exageros.

Digital

Nem começaram a trabalhar efetivamente, mas parece que os defensores públicos, que entraram recebendo R$ 8 mil, vão pedir equiparação com os promotores, coisa de R$ 24 mil. Vai cair no colo do governador.

Uma parte

O curso de oitenta horas de capacitação de gestão pública ministrado pela Escola Nacional de Administração, foi concluído ontem pelos 45 defensores públicos. Eles estão prontos, mas ainda não há estrutura física nos locais de atuação para que comecem as atividades. Tem gente reclamando, pois não tem sala, mesa, computador, ou seja, não há condições de trabalho.

 

ASSUNTO: Licenças no Senado

VEÍCULO: Diário Catarinense

NÚMEROS ALTOS: Licenças médicas desfalcam Senado

Dados apontam que cada trabalhador afastou-se, em média, 14 dias por algum motivo de saúde no período de dois anos

Entre os anos de 2011 e de 2012, servidores efetivos e funcionários comissionados do Senado tiraram 87,5 mil dias de licenças médicas.
Os dados, obtidos pelo jornal O Estado de S.Paulo, apontam que, desde o início da atual legislatura, cada trabalhador da Casa afastou-se por motivo de saúde em média por 14 dias. O Senado não forneceu à reportagem os dados dos quatro primeiros meses de 2013 – Renan assumiu em fevereiro, depois de suceder a José Sarney (PMDB-AP).
O levantamento revela que a imensa maioria das licenças em 2011 e 2012 foi tirada por servidores efetivos – que ingressaram por concurso público ou foram incorporados ao quadro por estarem na Casa antes de 1988, ano da Constituição. De cada dez dias de licença, praticamente nove foram desses servidores.
Gasto de R$ 50 milhões por período não trabalhado
No período, os efetivos tiraram 78,4 mil dias de licenças. Considerando o salário médio desses servidores em abril – de R$ 19 mil, segundo a folha de pagamento que consta no Portal da Transparência –, o Senado gastou cerca de R$ 50 milhões por dias não trabalhados por seus servidores efetivos. Os comissionados do Senado tiraram 9,1 mil dias de licença.
Proporcionalmente, a diferença é gritante. Os 3,1 mil efetivos ficaram afastados por 25 dias de trabalho em média no biênio, enquanto aqueles nomeados livremente pelos senadores ou pela administração da Casa, menos de três dias entre 2011 e 2012.
Confrontados com os números, senadores se espantaram com o volume de licenças e defenderam a realização de uma auditoria.
Em reportagem publicada em janeiro deste ano, o Diário Catarinense mostrou que em 2012 o governo catarinense perdeu 13,2% de sua força de trabalho com servidores afastados por problemas de saúde. Educação, saúde e segurança pública são os setores que mais tiveram licenças.

 

ASSUNTO: Novas regras aposentadoria

VEÍCULO: Diário Catarinense

TROCA DA APOSENTADORIA: Pensionista também pode ser beneficiado

Quem possui uma pensão gerada pela aposentadoria de segurado que continuaram trabalhando também pode ser beneficiado com a troca de aposentadoria, aprovada no STJ (Superior Tribunal de Justiça) na quarta-feira. Segundo o advogado Daisson Portanova, a viúva pode pedir a renúncia da primeira aposentadoria e pedir o recálculo com as novas contribuições até 2012. Com isso o valor da pensão será maior. Por exemplo, no caso de uma pensão gerada pelo benefício de um trabalhador que se aposentou em 2005 e que continuou trabalhando até morrer, em 2012, também pode ser revisada

 

ASSUNTO: Sistema prisional

VEÍCULO: Diário Catarinense

IMPASSE PRISIONAL: Estado admite abrir mão de Imaruí

Batalha judicial travada desde janeiro pode fazer com que o governo busque uma outra cidade do Sul para erguer penitenciária

Na mesma semana em que bateu o martelo para erguer um Complexo Penitenciário em Blumenau, o governo estadual admitiu que estuda desistir da construção uma unidade prisional em Imaruí, no Sul. Como motivo para a mudança nos planos está a guerra judicial que vem sido travada desde janeiro.
A preocupação do Executivo é que demore mais tempo para conseguir as autorizações na Justiça do que fazer um novo projeto, segundo análise do próprio governador Raimundo Colombo já afirmada a seus interlocutores. A construção da Penitenciária de São Pedro de Alcântara é tomada como exemplo. Na época, foi precedida por 10 anos de recursos nos tribunais até que o começo das obras fosse autorizado. E a promessa da prefeitura de Imaruí é fazer uma via crucis judicial semelhante para emperrar o projeto da cadeia.
A resistência é tão grande que a eleição do ano passado virou um verdadeiro plebiscito sobre o projeto e o primeiro ato do vencedor, Manoel Viana (PT), foi um decreto anulando o alvará de construção da penitenciária. As sucessivas medidas levaram o Estado a discutir a substituição, mas não há decisão formal sobre o tema.
Caso a mudança se confirme, a unidade prisional permanecerá em uma cidade do Sul do Estado. Até o momento não há área escolhida e a intenção é anunciar a nova penitenciária somente quando houver consenso com a prefeitura do local eleito, a mesma estratégia usada na semana passada em Blumenau.
Tendência seria vender terreno já adquirido
Uma eventual confirmação deixará o governo do Estado com a tarefa de decidir o que fazer com o terreno pelo qual desembolsou R$ 1,7 milhão. A tendência é a venda.
O secretário adjunto de Justiça e Cidadania, Sadi Beck Júnior, defende o projeto, afirmando que tem uma concepção mais moderna do que a de São Pedro de Alcântara e acrescentou que a experiência anterior não gerou a criação de bolsões de pobreza perto da cadeia, mas sim um incremento na economia, com abertura de mercados e lanchonetes para atender o fluxo de pessoas em dias de visita.
Caso o projeto em Imaruí seja abandonado, fica mais distante a desativação do Complexo da Agronômica, em Florianópolis.

Especialistas apontam erros

A discussão sobre a Penitenciária de Imaruí tem erros dos dois lados, afirmam especialistas. O professor de Direito Penal da UFSC Antônio Carlos Brasil critica a prefeitura por politizar a questão. O professor de Direito Penal da Univali Alceu de Oliveira Pinto Júnior concorda e acrescenta que as diretrizes do Ministério da Justiça não limitam as unidades de segurança máxima a 300 detentos – um quarto do projeto de Imaruí.
O professor da UFSC entende a resistência porque, segundo ele, cadeia é como aterro sanitário: todas as cidades têm problema, mas nenhuma aceita abrigar a estrutura para resolver a situação. Brasil recordou que os mesmos questionamentos foram feitos em São Pedro de Alcântara. As previsões catastróficas não se materializaram e os indicadores de violência não explodiram. Afirmou que a penitenciária deve sair do papel e que o descontentamento de um município é menor do que o interesse da sociedade.
Unidades menores são mais fáceis de serem defendidas
Para o professor da Univali seria mais fácil se o Estado optasse por unidades menores. O impacto é proporcional ao tamanho e fica mais fácil convencer as comunidades. Alceu ressaltou que penitenciárias pequenas em diferentes cidades permitem ao preso cumprir a pena perto da família e também uma separação por grau de periculosidade. Hoje, o único critério de separação é por sexo e facção. Foi misturando assaltantes de bancos com caixeiros que os criminosos inventaram a tática de explodir caixas eletrônicos, por exemplo.

 

ASSUNTO: Mãe esfaqueia filho usuário de drogas

VEÍCULO: Portal Globo.com

Para se defender, mãe esfaqueia filho usuário de drogas em Joinville, SC

Homem de 25 anos bateu no pai e na irmã de 14 anos e ia agredir a mãe.

Filho estava alterado e foi encaminhado para o Hospital São José.

Uma mãe esfaqueou o próprio filho na madrugada deste domingo (12), Dia das Mães, emJoinville, Norte de Santa Catarina. De acordo com relatório de ocorrência da Polícia Militar (PM), o homem de 25 anos era usuário de drogas e estava alterado. Ele bateu no pai e na irmã de 14 anos e ia agredir a mãe.

Segundo o relatório, a ocorrência foi na residência dos pais, no bairro Boehmerwald. O homem chegou na casa sob efeito de drogas e exigiu aos familiares que dessem dinheiro para ele. O pedido não foi atendido e o rapaz ficou agressivo e começou a quebrar objetos da residência. O pai, de 54 anos, tentou deter o filho, que o acertou com golpes no rosto.

A irmã do agressor, então, tentou segurá-lo, mas também acabou levando socos na face. Quando o homem tentou agredir a mãe, ela, com uma faca, deferiu golpes no braço esquerdo e no tórax dele, ainda segundo o relatório.

O rapaz ainda tentou fugir, saindo da residência, mas acabou caindo, conforme relatório da PM. Ele foi encaminhado para o Hospital São José, em Joinville, pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). A mãe, o pai e a irmã foram levados para a Central de Polícia. No hospital, o homem está sob custódia da Polícia Militar.