Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 5 de julho

5.7.2013

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO DIA 5 DE JULHO

 

COLUNISTA CACAU MENEZES – Diário Catarinense

Escondidinho

Os mais informados sabem que em Balneário Camboriú funcionam vários cassinos clandestinos em que a grana corre ligeira. Outro dia a PM interditou um que existia em imóvel alugado na Rua 3.122. Foram apreendidas 19 máquinas caça-níqueis. A proprietária do apartamento permitiu a ação policial.

Aquele lugar

Antigo prédio de Atendimento ao Consumidor da Celesc, desativado há três anos, na Praça Pio XII, vem sendo ocupado por craqueiros e moradores de rua.
O local é enorme, superbem localizado e vem sendo depredado com o total descaso da PM, que já foi acionada e nada fez. Que tal dar um destino útil àquele prédio? Uma sede de algum órgão de segurança, um museu, uma escola de música etc.
Afinal, o que diz a Celesc?

 

COLUNISTA MOACIR PEREIRA – Diário Catarinense

Ameaças

O presidente da Associação dos Magistrados Catarinenses, Sérgio Junkes, lançou nota de repúdio a duas emendas constitucionais que tramitam no Congresso Nacional. São as PECs 53 e 505, que, segundo a nota, visam abolir garantias consideradas essenciais ao exercício da magistratura e do Ministério Público.
As PECs tratam do fim da aposentadoria compulsória de juízes como forma de punição.

Mudanças que não surpreendem

Nenhuma surpresa nas três mudanças que estão acontecendo esta semana no governo estadual. O deputado Renato Hinnig (PMDB) entregou o cargo de secretário de Desenvolvimento Regional da Grande Florianópolis depois de avisos emitidos desde o início da gestão de que estava insatisfeito. Faltava orçamento. Até recebeu um reforço de caixa, mas veio este ano o esvaziamento geral das SDRs. Hinnig foi alertado pelas entidades que o ajudaram em sua eleição para deputado de que na Assembleia Legislativa teria mais visibilidade. Convenceu-se de que para alavancar o projeto de reeleição deveria deixar o governo e acertou com o PMDB o nome de seu sucessor. Será o vereador Amauri dos Projetos, ex-presidente da Câmara de São José.
O médico Dalmo Claro de Oliveira (PMDB) vinha sofrendo um pesado processo de fritura política na Secretaria da Saúde. A reforma da pasta está sendo executada sem sua participação. Reuniões oficiais e entrevistas à imprensa nos últimos meses ficaram com o adjunto Acélio Casagrande (PMDB). O crescente desgaste poderia esvaziar seu projeto eleitoral para 2014, quando pretende concorrer à cadeira na Assembleia. Quando soube que a ex-vereadora Tânia Ebehardt, de Joinville, estava sendo consultada para ocupar sua vaga, viu o sinal amarelo e saltou da frigideira. Alegava dificuldades, burocracia demais, centralização exagerada e máquina pesada.
O presidente da Fundação Catarinense de Cultura, Joceli de Souza (PSDB), foi derrubado pelas intrigas internas do poder e – gota d’água – pela interdição do Centro Integrado de Cultura, em Florianópolis. Com fama de “tocador de obras”, foi pego no contrapé da insegurança no Teatro do CIC – objeto de inauguração político-eleitoral, ressalte-se, às vésperas da saída de Cesar Souza Junior (PSD) da Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte para concorrer à prefeitura da Capital.
As três alterações não têm relação com a voz das ruas. Se o governador Raimundo Colombo ouvi-las, as mudanças não ficam por aí.
Baixas no governo estadual são resultado de projetos políticos e intrigas internas.

 

ASSUNTO: TROCA NO GOVERNO

VEÍCULO: Diário Catarinense

Desgate tira Joceli e Dalmo de cena

As saídas de Joceli de Souza da presidência da Fundação Catarinense de Cultura (FCC) e de Dalmo de Oliveira da Secretaria da Saúde eram aguardadas nos bastidores do Executivo
Desgastado pela interdição do Centro Integrado de Cultura (CIC), Joceli de Souza deixou a presidência da Fundação Catarinense de Cultura (FCC). A informação, antecipada pelo colunista do Variedades, Marcos Espíndola, foi confirmada após uma série de conversas no governo estadual e na Assembleia Legislativa que resultaram no consenso para que Joceli pedisse demissão, evitando ser demitido.
Reaberto em setembro de 2012 depois de três anos e R$ 17 milhões investidos em reformas, o CIC não recebeu o alvará dos bombeiros depois de vistoria feita em fevereiro deste ano.
Novas vistorias foram realizadas no local. Joceli havia informado que uma nova avaliação seria realizada ainda ontem, numa tentativa de reabrir o teatro. Os bombeiros negaram que o pedido tivesse sido feito, o que piorou a situação do presidente.
A interdição do CIC acabou sendo a gota d’água na passagem de Joceli pela FCC, iniciada em 2011. É atribuída a seu estilo de comando e à existência de desgastes com setores da classe artística, prefeitos e do próprio governo estadual. As críticas feitas diretamente ao governador eram frequentes e vinham de diversas áreas. Joceli creditava essas críticas à suposta perseguição por parte de setores da imprensa e da classe artística.
Após conversas, Joceli aceitou pedir demissão
Com a decisão de que Joceli deveria deixar o comando da FCC, o secretário Beto Martins (PSDB), de Turismo, Cultura e Esporte, foi à Assembleia Legislativa conversar com o deputado Gilmar Knaesel (PSDB), ex-secretário da pasta e padrinho da indicação.
O deputado foi comunicado de que Joceli seria convidado a demitir-se e não pressionou por sua manutenção. Em reunião com o governador, o secretário e o deputado, foi dada a Joceli a opção de pedir demissão. Ele mostrou-se surpreso, mas aceitou a proposta.
Com uma carta de demissão endereçada ao governador Raimundo Colombo (PSD), chegou ao fim ontem pela manhã a passagem do médico joinvilense Dalmo Claro de Oliveira (PMDB) pela secretaria estadual de Saúde.
Considerada prioridade “número um, número dois e número três” do governo pessedista, a pasta passará a ser comandada a partir da próxima semana pela atual secretária de Assistência Social de Joinville, Tânia Eberhardt (PMDB), que, ainda não formalizada no cargo, deve ser anunciada por Colombo nos próximos dias.
Desgastado e isolado pelo primeiro escalão do Executivo, que passou, nos últimos meses, a fazer reuniões e eventos sem a presença do secretário, Dalmo diz que sua decisão foi tomada na hora certa.
– Considero um bom tempo os dois anos e meio que permaneci à frente da secretaria. Acredito que saindo agora também dou um tempo razoavelmente bom para o próximo secretário inteirar-se das ações da pasta – afirma.
Oficialmente, o médico alega que a burocracia, a falta de recursos e as dificuldades em promover avanços pesaram em sua decisão. Nos bastidores, interlocutores do governo dizem que a demissão foi um ato de dignidade do agora ex-secretário e que sua trajetória lembra o processo de fritura pelo qual o deputado federal Marco Tebaldi (PSDB) passou no início de 2012, quando deixou a Educação.
Governador viajou ao Japão pensando na troca
Cientes do estilo indireto do governador, havia consenso no governo de que Dalmo não fazia mais parte da equipe desde que o secretário da Fazenda, Antonio Gavazzoni, iniciou os estudos sobre o novo modelo de gestão dos hospitais regionais e que sua permanência seria questão de dias.
Antes de embarcar para o Japão, em junho, o governador passou a sondar nomes que pudessem ocupar o cargo – preferencialmente alguém de Joinville e do PMDB.

 

ASSUNTO: Artigo

VEÍCULO: Diário Catarinense

A eleição do desembargador cidadão, por JOÃO DE BONA FILHO*

Hoje, dia 5 de julho, o Conselho da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SC) escolherá os nomes dos advogados catarinenses que comporão a lista sêxtupla para a vaga de desembargador do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, naquilo que é conhecido no meio jurídico como quinto constitucional.
Dos integrantes da mais alta corte da Justiça catarinense, o representante escolhido pela advocacia é o legítimo representante do povo junto ao poder Judiciário.
A vaga do quinto pelos advogados é a ascensão do homem comum ao poder Judiciário, diferentemente daqueles que – magistrados de carreira ou oriundos do Ministério Público – iniciaram sua caminhada profissional mediante o concurso público.
O advogado militante – aquele que luta incessantemente pelo Direito, pela Justiça e pelo seu cliente –, por ter passado boa parte da sua vida profissional do “outro lado do balcão”, tem exata noção daquilo que necessita ser corrigido e melhorado na prestação jurisdicional.
Para tanto, faz-se necessário o seu compromisso não apenas com os princípios da advocacia, mas também com a população do seu Estado.
Ele deve estar atento às mudanças da sociedade disseminando entre seus pares a constante evolução do Direito e sua aplicação. Por isso, os nossos representantes na OAB/SC, neste dia 5 de julho possuem a obrigação de serem justos com a sociedade catarinense e de escolherem entre os candidatos aqueles que irão representar com honradez não apenas a classe dos advogados mas o povo de Santa Catarina.
Que Deus abençoe e ilumine esta escolha. Os catarinenses agradecem.

*ADVOGADO ESPECIALISTA EM DIREITO DA ECONOMIA E DA EMPRESA, MORADOR DE FLORIANÓPOLIS

 

ASSUNTO: Mobilizações no país

VEÍCULO: Diário Catarinense

O BRASIL VAI ÀS RUAS: Dia tumultuado

Invasão de integrantes do Movimento Passe Livre à central que vende bilhetes de ônibus ao lado do Terminal de Integração do Centro e paralisação relâmpago de motoristas e cobradores causaram transtornos ontem para quem depende do transporte público em Florianópolis
A ocupação da sede do Sindicato das Empresas do Transporte Urbano de Florianópolis (Setuf) ao lado do Terminal de Integração do Centro (Ticen) no início da tarde de ontem foi apenas o começo de um dia tumultuado para quem depende do transporte coletivo em Florianópolis.
No meio da tarde se juntou a paralisação sem aviso de motoristas e cobradores de ônibus ao bloqueio feito por integrantes do Movimento Passe Livre que impediam a venda de passagens. Foram duas horas sem circulação na cidade, que culminaram com ameaça de uma greve para o início da próxima semana.
A invasão do prédio ocorreu de forma articulada e silenciosa. Os manifestantes foram entrando de três em três e pegando senhas. Ao serem chamados não se dirigiam ao balcão. Quando estavam num grupo de aproximadamente 30 pessoas, ordenaram que os funcionários desligassem os computadores e avisaram que não tinham disposição de deixar o local. Chegaram a ser 300 durante o dia. Mudaram de ideia no início da noite, oito horas após a invasão, depois de uma assembleia, mas saíram prometendo voltar hoje.
Assim que desocuparam o Setuf, dividiram-se em pequenos grupos e passaram a incentivar a população a não pagar para entrar no terminal, movimento que ganhou o nome de catracaço.
No começo de cada mês, aproximadamente 3 mil pessoas procuram o Setuf, boa parte delas para desbloquear créditos do vale-transporte. É o caso de Samanta Alves, analista de Recursos Humanos em uma empresa de segurança do Centro da Capital, que tentou liberar o cartão de seis funcionários.
– Estou apavorada. Não sei o que fazer com os funcionários. Vou ter de decidir entre entregar dinheiro para eles ou buscá-los e levá-los em casa – disse.
Empresa mudou saídas alegando insegurança
Incidentes pontuais foram registrados. Um deles foi a tentativa de invação de ônibus na plataforma que não opera no sistema integrado. Por volta das 22h, a Biguaçu, que atende bairros continentais, passou a não obedecer os horários e a sair logo após encostar na plataforma e pegar os passageiros que ali estavam. Os ônibus da empresa foram os únicos que não sofreram com o catracaço, já que policiais escoltavam as portas traseiras dos veículos, impedindo a entrada de manifestantes.

 

ASSUNTO: Prisão de delegada

VEÍCULO: Diário Catarinense

PREVENTIVA: Delegada é presa em São Bento do Sul

A delegada regional da Polícia Civil de São Bento do Sul, Angela Teresa Bork Roesler, e uma policial cuja identidade não foi informada pelo Ministério Público de Santa Catarina, foram presas ontem à tarde acusadas de envolvimento em 76 crimes. Elas ficarão detidas na Deic, em Florianópolis. Um terceiro policial foi afastado.
Angela foi presa preventivamente por uma denúncia apresentada pelo promotor de Justiça Marcio Gai Veiga. Ele apontou, ainda, o envolvimento de outras oito pessoas, todas de São Bento do Sul. Os crimes envolvem formação de quadrilha, peculato, compras ilegais, desvio de dinheiro público e até escutas telefônicas ilegais, que teriam ocorrido entre janeiro de 2012 e maio de 2013.
A operação teve o apoio de policiais do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas de Joinville, uma força-tarefa formada pelo MP e policiais civis e militares. Angela e a agente foram ouvidas ontem no Fórum de São Bento do Sul e seriam encaminhadas à Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), em Florianópolis.
Entre os indícios apurados estão: desvio de recursos do convênio de trânsito de São Bento do Sul (o dinheiro teria sido desviado para uma oficina mecânica que prestava serviços à delegacia), desvios de recursos na compra de equipamentos eletrônicos, recebimento indevido de um seguro e quebra de sigilo de ligações telefônicas com fins não autorizados.

 

Contraponto

O que diz o advogado que defende Angela Teresa

O advogado Arão dos Santos, que defende a delegada Angela Teresa Bork Roesler, preferiu não se manifestar ontem sobre a prisão. Ele também não informou quando ou se pretende entrar com recurso para revogar a prisão preventiva.

 

ASSUNTO: Assalto em Jurerê

VEÍCULO: Diário Catarinense

À MÃO ARMADA: Assaltantes fogem com 10 mil dólares

Vítima estava em casa, em Jurerê Internacional, quando foi surpreendida

A TV estava ligada na casa em Jurerê Internacional. O cão começou a latir diferente. Dois jovens encapuzados entraram pela varanda aberta. Ameaçaram atirar no cão se ele não parasse de latir. A pessoa de 54 anos que mora na casa começou a chorar e pegou seu animal de estimação no colo. Este foi o começo dos 60 minutos de pânico vividos pela vítima, que não quis se identificar. Ninguém foi preso.

O mais recente assalto em um dos bairros mais caros de Florianópolis ocorreu às 22h45min de quarta-feira. A dupla estava com areia nos pés. A vítima acha que chegaram pela praia.

– Queremos dinheiro. Onde está o cofre? – perguntou um dos assaltantes.

– Dinheiro eu tenho pouco. Cofre eu não tenho – respondeu a vítima.

– Uma casa grande dessas não tem cofre? – rebateu o rapaz.– Ninguém mais guarda em casa. Guarda no banco – disse a pessoa.

No quarto, a vítima sentou na cama com o cachorrinho no colo. Os ladrões colocaram a arma sobre a cama e foram direto na caixa de bijuterias e joias. Não pararam de cochichar.

– Ainda pensei em pegar a arma, mas achei que podia ser de brinquedo e eles me baterem –disse a vítima.

Os dois abriram gavetas e bolsas. Encontraram 10 mil dólares. Levaram também eletrônicos e cerca de R$ 50 mil em joias, como a preferida da vítima: uma Nossa Senhora de brilhantes, que mandou fazer quando perdeu um filho.

– Fiquei em pânico. Queria tanto que eles fossem embora que perguntei se eles não queriam levar meu carro – contou.

Os ladrões trancaram a vítima e o cachorrinho no closet. Comeram laranjas e levaram algumas na mochila. A pessoa conseguiu se destrancar e chamou a PM, que chegou rápido.

– Vacilei em deixar a porta da varanda aberta. Achamos que nunca vai acontecer com a gente. Não vou sair daqui, mas me cercarei de cuidados – falou a vítima.

 

ASSUNTO: PGC

VEÍCULO: Diário Catarinense

COMBATE A ATENTADOS: Polícia faz ações regionais contra o crime organizado

Com a estratégia, 12 pessoas foram presas em dois dias por envolvimento com PGC no Sul do Estado

Ações regionalizadas são a nova estratégia da polícia para impedir que o crime organizado volte a promover atentados em Santa Catarina. No Sul, em dois dias, foram mobilizados 200 policiais civis e militares em prisões ligadas a delitos ordenados de dentro de presídios e relacionados ao tráfico de drogas e a tentativas de homicídios.
As operações em Criciúma e Tubarão foram lideradas por policiais da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de cada uma das cidades. O saldo até ontem à tarde era de 12 pessoas presas e 40 mandados de busca e apreensão cumpridos e drogas, armas e dinheiro recolhidos.
O diretor da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), delegado Akira Sato, afirma que as ações pontuais das DICs pelo Estado são de extrema importância para estancar a facção e evitar novas ondas de ataques.
– Só a Deic, em razão do efetivo, não dá conta. Temos 30 DICs pelo Estado. Se cada uma delas prender 10 pessoas, as 100 prisões do PGC que fizemos viram 400. Então há sim a nossa expectativa dessa ação regionalizada estadual ser intensificada – reconhece Akira.
Em Tubarão, a polícia apura denúncias de que criminosos ligados ao PGC estão à frente de empresas lícitas, que na verdade são de fachada e utilizadas para lavar dinheiro do crime.
Enfraquecer o tráfico e o aliciamento de menores
Nas duas operações ficou evidente a necessidade do combate ao tráfico de drogas por delegacias especializadas, a de conter adolescentes infratores recrutados pelo crime e a de melhorar ações para evitar a comunicação de detentos e criminosos nas ruas.
– Os líderes de outras regiões, do Norte, Capital e Itajaí, se misturaram com os presos daqui do presídio e da Penitenciária de Criciúma. Das cadeias, acabavam se comunicando com os criminosos de fora para cometer os crimes, principalmente o tráfico – ressaltou o delegado da DIC de Criciúma, André Milanese.
Entre novembro e março, SC enfrentou mais de 170 ataques criminosos, entre ônibus queimados e tiros contra prédios públicos e automóveis.
 

Por dentro das operações

EM TUBARÃO

Desencadeada ontem, envolveu 46 policiais civis, sendo 11 delegados e 20 policiais militares. Teve relação principal com a onda de tentativas de homicídios, quando dois grupos de traficantes rivais entraram em guerra. Foram cumpridos 10 mandados de busca e dois mandados de prisão temporárias, apreendidos R$ 13,6 mil, cartas e aparelhos de informática. Os presos não tiveram nomes divulgados, têm 22 e 25 anos e são do PGC, um deles era o “disciplina” (espécie de gerente da facção).

EM CRICIÚMA

A ação aconteceu na quarta-feira com 130 policiais civis. Foram cumpridos 29 mandados de busca e apreensão e seis de prisão temporária. Ao todo, 10 pessoas foram presas com ligação a facções criminosas e suspeitas de ataques registrados em Criciúma e Sul, em fevereiro. Uma das prisões mais importantes foi a de Johnny Fernando Vera, 25 anos, de Foz do Iguaçu (PR), considerado pela polícia o líder do tráfico de drogas na cidade.

 

 

ASSUNTO: Reajuste Ministério Público

VEÍCULO: Portal da Alesc

Assembleia aprova reajuste de 7,22% para servidores do Ministério Público

Os deputados estaduais aprovaram na sessão ordinária desta quarta-feira (3) o Projeto de Lei Complementar 18/13, do Ministério Público, que reajusta o piso salarial do quadro de pessoal do MP em 7,22%. Segundo o dispositivo legal, o piso do MP passará a ser R$ 797,95.