Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 26 de setembro

26.9.2012

 

Clipping do dia 26 de setembro

 

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assunto: Doação de sangue

                 Bombeiros militares

                 Blitz

 

Sangue bom

 O coronel BM Marcos de Oliveira, comandante-geral (foto) da corporação, gostou tanto do slogan Bombeiro Doador: salvar vidas está no nosso sangue, que mandou a corporação adotar o texto. A sacada partiu dos próprios cadetes da corporação.

 

ALIÁS

Hoje, os bombeiros militares completam 86 anos em SC. Um dos presentes foi a doação de um terreno de 20 mil metros quadrados, pertencente à União, para que seja construída a base do Batalhão de Operações Aéreas, BOA, próximo da UFSC.

 

 

BLITZ CONTRA EXPLORAÇÃO

 O Conselho Tutelar de Biguaçu participou ontem de uma blitz no posto da Polícia Rodoviária, na BR-101, para distribuir panfletos com orientações sobre como agir ao saber de casos de violência ou exploração sexual de crianças e adolescentes. Só em 2011, o Ministério Público de Santa Catarina recebeu, por meio do Disque 100, 478 denúncias de abuso contra menores no Estado.

_____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Gerais

 

Granizo danificou casas

Até parecia neve, de tão bonito o cenário. Mas, se fosse, a chuva de granizo que atingiu parte de Pirabeiraba na manhã de ontem, por 15 minutos, talvez não tivesse provocado tantos estragos no distrito da zona Norte de Joinville.

O fenômeno, registrado às 6h30min, formou pedras de gelo do tamanho de bolas de golfe. Elas despedaçaram telhados, atingiram carros e comprometeram plantações em áreas agrícolas. Na Rua Alfredo Klug, 53 casas ficaram expostas após o temporal. A maioria das coberturas com telhas de amianto não resistiu às pedras. Hoje, às 9h, a Defesa Civil do município e o prefeito em exercício, Ingo Butzke, reúnem-se para discutir a possibilidade de decretar estado de emergência.

O temporal de granizo ainda passou pelas estradas Guilherme, Mildau, Rio da Prata, alcançando também o Centro da cidade, mas com menos intensidade, deixando 15 famílias desalojadas.

O número de casas atendidas com lonas pela Defesa Civil de Joinville chegou a 130 – 220 foram atingidas. Treze salas do Hospital e Maternidade Bethesda tiveram infiltrações por causa do excesso de água na cobertura do prédio. O gelo bloqueou as calhas e impediu o escoamento. Apesar dos problemas, a rotina não foi alterada.

 

 

Polícia espera que suspeito se apresente

O motorista de 32 anos que atropelou uma mulher e dois filhos dela no domingo, em Joinville, deve se apresentar à Polícia Civil nos próximos dias. Havia a expectativa de que ele fosse ontem à Delegacia de Trânsito, que abriu inquérito para investigar o caso, mas ele não apareceu.

A mulher atropelada, Naí Lopes Teixeira da Silva, e o filho Marcos, de quatro anos, continuam internados e sem previsão de alta.

– O inquérito deve ser fechado nos próximos dias. Dependemos apenas dos laudos médicos sobre o estado de saúde da mulher e dos filhos e a gravidade dos ferimentos – disse o delegado Abel Mantovani Bovi.

As imagens do acidente possibilitarão calcular a velocidade aproximada do automóvel na hora do atropelamento, importante para determinar por quais crimes o suspeito será indiciado, caso seja confirmado que ele estava dirigindo o veículo.

 

Quatro mortes em menos de 24 horas

Um acidente aconteceu em Chapecó e outros dois na Grande Florianópolis

Quatro pessoas morreram em acidentes de trânsito, ontem, em Santa Catarina – três na Grande Florianópolis e uma no Oeste do Estado, onde houve o primeiro registro do dia.

Em Chapecó, o motorista Vilian Neumann, 22 anos, bateu contra uma árvore, no km 544 na BR-282, às 5h40min de ontem e morreu no local. O passageiro Ederson Andre Cristofolo, 21, sofreu lesões graves.

Às 5h55min, na mesma rodovia, uma batida entre um caminhão e uma moto matou dois. O acidente ocorreu no km 25, no município de Santo Amaro da Imperatriz. As vítimas estavam na moto, que pegou fogo e explodiu.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a colisão ocorreu quando a moto, de Ituporanga, tentou fazer uma ultrapassagem arriscada. O caminhão transportava material de obra e ia para Alfredo Wagner.

O condutor da moto não foi identificado. O passageiro, que também morreu no local, é Daniel Espíndola, 20 anos. Os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) – um deles ficou carbonizado. O motorista do caminhão saiu ileso. O trânsito ficou lento, mas normalizou após a retirada dos veículos.

À tarde, uma colisão entre um caminhão e uma caminhonete perto do trevo de Alfredo Wagner deixou um morto. No acidente, às 14h na BR-282, uma pessoa ficou gravemente ferida. Segundo os bombeiros, as vítimas ficaram presas nas ferragens. Para atender a ocorrência, a rodovia ficou bloqueada nos dois sentidos.

 

Duas ocorrências na Grande Florianópolis

Dois incêndios foram registrados na Grande Florianópolis ontem. Ninguém ficou ferido nas duas ocorrências, de acordo com informação do Corpo de Bombeiros. O primeiro aconteceu 12h43min, no Jardim Eldorado, na Palhoça. Quatro casas de madeira pegaram fogo. Quatro viaturas levaram uma hora para controlar as chamas. O segundo incêndio foi por volta das 15h37min, em uma casa no Morro do Horácio, em Florianópolis. De acordo com os bombeiros, o fogo foi logo controlado. O foco teria sido um curto-circuito.

_____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Política

Assunto: Código Florestal

 

Código Florestal passa no Senado e só espera sanção

Texto agora vai para o Palácio do Planalto, que deve vetar todas as mudanças aprovadas com apoio da bancada ruralista

O Senado aprovou, ontem, a medida provisória (MP) que complementa o Código Florestal sem mudanças em relação ao texto votado pela Câmara na semana passada.

A MP segue para sanção da presidente Dilma Rousseff (PT), que deve vetar as alterações feitas pela bancada ruralista. Parlamentares que são ligados ao agronegócio flexibilizaram regras que fortaleciam a proteção ao meio ambiente.

Da tribuna do senado, o relator, senador catarinense Luiz Henrique da Silveira (PMDB) falou em “dia histórico” para o Congresso e gradeceu a Dilma pelo grande avanço proporcionado pela MP e disse que o Brasil terá “a legislação ambiental mais avançada do mundo”.

A mudança mais importante foi no sistema proporcional de recuperação de matas destruídas em beiras de rio. A proposta original previa que, em propriedades médias, a recuperação das matas ciliares seria de 20 metros na beira de rios com até dez metros de largura. Os ruralistas conseguiram que essa metragem de recomposição passasse a ser aceita também em grandes propriedades. Ou seja, áreas menores serão reflorestadas.

Para integrantes do governo, essa mudança penaliza principalmente médios proprietários, os quais terão que praticamente cumprir as mesmas regras dos grandes.

Parlamentares discordaram sobre resultado da votação

Com os vetos à MP que Dilma deve fazer, devem ser abertas lacunas na legislação ambiental. O governo planeja supri-las com normas como decretos, portarias e instruções.

Se esse cenário se confirmar, a votação de hoje terá sido a última da tramitação do novo código, que desde 2010 teve uma longa passagem por Câmara e Senado.

Só Randolfe Rodrigues (PSOL-PA), Roberto Requião (PMDB-PR), Lindbergh Farias (PT-RJ) e Paulo Davim (PV-RN) foram contra a proposta.

– O texto é muito pior do que o original – disse Randolfe.

– A partir da sanção presidencial, teremos segurança jurídica neste país – comemorou a senadora ruralista Kátia Abreu (PSD-TO).

 

“A lei de SC está mais restritiva”

ENTREVISTA: Enori Barbieri, presidente da Cidasc

O presidente da Cidasc, Enori Barbieri, acompanhou toda a discussão do Código Florestal e avalia os resultados da nova regra em Santa Catarina.

 

Diário Catarinense – Qual o impacto no Estado?

Enori Barbieri – A lei catarinense se tornou mais restritiva que a da União e é necessário que a Assembleia Legislativa faça uma mudança urgente para não prejudicar o produtor catarinense.

 

DC – Qual o principal prejuízo?

Enori – Nossa lei acrescenta a margem do rio uma área correspondente ao tamanho do rio, mecanismo que não existe na legislação federal;

 

DC – As culturas de altitude, como a maçã na serra, serão afetadas pelas novas regras?

Enori – Elas não serão atingidas. A não ser que infrinjam áreas de proteção permanente, tudo ficará normal.

 

DC – Qual a consequência para os produtores com o fim do impasse?

Enori – Haverá segurança jurídica.

 

DC – A lei estabelece que prazos para recuperar as áreas?

Enori – Em média, cinco anos. Mas nas áreas acima de quatro módulos o prazo é de dois anos, ou seja, menos tempo justamente para quem terá mais despesas. Nas grandes propriedades, a situação é menos complicadas porque são poucas propriedades acima de 15 módulos. Além disso, elas estão na região do Planalto e na Serra do Mar, onde é praticamente impossível produzir e, por isso, não há muito por fazer.

 

Discussões e polêmicas

O texto que volta à presidente é menos exigente quanto à proteção de florestas e matas nativas, o que tem motivado a reação daqueles que atuam em defesa do meio ambiente e manifestações de autoridades do governo em favor das regras previstas inicialmente na MP.

As alterações no texto original foram decididas em acordo no fim de agosto na comissão mista que fez a análise prévia da matéria e confirmadas, na íntegra, pelos plenários do Senado, ontem, e da Câmara, na semana passada.

A MP tramitou por quase 80 dias na comissão mista, em meio a polêmica e muita negociação. A bancada ruralista tinha maioria de votos, semelhante à correlação de forças existente na Câmara.

O impasse foi superado quando parlamentares que defendem maior proteção ao meio ambiente cederam para garantir o retorno da proteção a rios não perenes, que havia sido retirada por emenda dos ruralistas.

_____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Moacir Pereira

Assunto: Câmara dos Deputados

 

O casuísmo da discórdia

A Câmara Municipal de Florianópolis está mergulhada em uma nova polêmica. Provoca fortes reações, levanta suspeitas e sofre um desgaste político. Na origem, a misteriosa aprovação de cinco projetos que alteram o Plano Diretor, incluindo a liberação de gabarito de prédios em áreas preservadas, como Cacupé e Santo Antônio de Lisboa. São zonas de colonização açoriana e que não têm os graves problemas de engarrafamentos de outras áreas da cidade porque impediram as selvas de pedra. O gabarito de construções é de dois pavimentos. Com a alteração dos projetos casuísticos, não há limite.

Singularidade estranha: dos 16 vereadores, 12 votaram pela aprovação das matérias, dois não participaram da votação e dois estavam ausentes. Não houve um só voto contrário. Deram aval vereadores de todos os partidos.

O vereador Acácio Garibaldi (PP), que não votou na sessão, entrou com requerimento pela anulação da sessão. Alega que os cinco projetos não constavam da ordem do dia e aponta ilegalidades. O Ministério Público de Santa Catarina pediu informações sobre o rumoroso caso. O prefeito Dário Berger (PMDB) enfatizou que se as mudanças forem aprovadas em segunda votação, como determina o regimento da Câmara de Vereadores, ele vetará na hora.

– Isto é um deboche com Florianópolis. Isto tem cheiro de corrupção. Como vão alterar gabarito a 10 dias das eleições? – perguntou.

Em Blumenau, mudanças de gabarito só com aprovação do Conselho Municipal de Planejamento e depois de audiências públicas, informou o prefeito João Paulo Kleinübing (PSD). Nem o prefeito tem poder de mudar.

Na cidade de Joinville, o novo Conselho da Cidade, com 60% da sociedade civil, tem o poder de impedir mudanças casuísticas, garantiu o prefeito Carlito Merss (PT), que luta pela aprovação da Lei do Ordenamento Territorial – etapa posterior ao Plano Diretor, aprovado na cidade ainda em 2008.

Mudanças tão radicais às vésperas de uma eleição marcada pela falta de grana? Tem gato na tuba!

_____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Artigo

Assunto: Bombeiros Militares

 

 

Bombeiros Militares de SC: 86 anos, por Marcos de Oliveira *

O Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC) está completando 86 anos de serviços prestados. Começou em 26 de setembro de 1926 com 27 integrantes, na então Força Pública, sob o comando do tenente Waldomiro Ferraz de Jesus.

No início, a corporação atuava apenas em Florianópolis no combate a incêndios. Hoje, está em 107 cidades do Estado e os serviços incluem o trabalho preventivo, como a análise de projetos e vistorias, a educação pública, a extinção de incêndios, o resgate veicular, o atendimento pré-hospitalar e de emergência com produtos perigosos, etc.

Recentemente, englobamos novas especialidades para enfrentamento e resposta efetiva aos desastres naturais extremos, por meio de forças-tarefa especializadas em incêndio florestal, inundações e deslizamentos.

Estamos sempre nos preparando para o futuro, por isso precisamos definir as estratégias, ou seja, o conjunto de escolhas que proporcionarão singularidade e estabelecerão o crescimento sustentável consistente com a missão e valores organizacionais.

Sei que a corporação tem objetivos importantes a conquistar. Entre eles, a aprovação da lei de fixação de efetivo e a aquisição de viaturas pesadas, embarcações e equipamentos de proteção pessoal para garantirmos plano de carreira e trabalho motivado e seguro para o efetivo.

O futuro é desafiador, mas acredito no compromisso de apoio do Secretário de Estado da Segurança Pública, César Grubba e do governador Raimundo Colombo, bem como na disciplina e no comprometimento de cada um dos bombeiros militares, comunitários e funcionários civis do CBMSC. Por isso, conclamo para continuarmos firmes e unidos em defesa da vida e de um futuro que honre e dignifique a corporação. Parabéns àqueles que compõem esta nobre e digna corporação militar.

 

* Coronel e comandante-geral do CBMSC

_____________________________________________________________________________

Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Geral

Assunto: Ventos fortes

 

Ventos fortes causam quedas de árvores e destelhamentos na Capital

Não houve registro de ocorrências com feridos ou desabrigados

Os fortes ventos, que segundo o site da Ciram (Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina) chegaram a 60 quilômetros por hora, causaram estrago em Florianópolis, de acordo com a Defesa Civil da Capital.

Segundo o diretor da entidade, Eduardo Machado, houve várias quedas de árvore, a maioria em via pública, sendo que uma delas pode ter atingido a Escola Desdobrada Municipal Osvaldo Galupo, no alto do Morro do Horácio, bairro Agronômica. Também houve pelo menos dez casos de destelhamento em casas localizadas no Maciço do Morro da Cruz.

No entando, o diretor ressalta que não houve ocorrências com feridos ou desabrigados.

_____________________________________________________________________________

Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Eleições

Assunto: Polícia Federal conclui inquéritos de candidatos em Governador Celso Ramos

 

 

Polícia Federal conclui inquéritos de candidatos em Governador Celso Ramos

Inquéritos contra Marcelo Cunha (PMDB) e Juliano Duarte (DEM) foram encaminhados para os órgãos competentes

A Polícia Federal concluiu os inquéritos que investigam irre­gularidades dos dois candidatos à prefeitura de Governador Celso Ramos. De acordo com o delegado da PF, Roberto Cardoso, o inqué­rito contra o atual vice-prefeito da cidade e candidato pelo PMDB, Marcelo Cunha, acusado de rece­ber propina do empresário Rodri­go Censi para liberar a viabilidade de construção em um terreno da cidade, foi encaminhado ao Tribu­nal de Justiça e para o TRE. Órgão que também recebeu o inquérito do candidato democrata, Juliano Duarte, acusado de compra de vo­tos nas eleições de 2010, ano em que trabalhou como cabo eleitoral do deputado federal Onofre Agos­tini (DEM) e do então candidato a Assembleia Legislativa, Marcelo Greuel.

De acordo com o candidato do DEM, a investigação da PF não in­terfere na corrida eleitoral. “Não fui candidato e pelo que sei, pedir voto não é considerado crime elei­toral”, afirmou Juliano, ressaltan­do não temer surpresas nas urnas em função do ocorrido, pois tem certeza que os eleitores o conhe­cem o suficiente para saber que a acusação é falsa.

Já o candidato Marcelo Cunha acredita que a PF comprovará a sua inocência na ação. “Ao longo de todo processo mostramos trans­parência e mais do que ninguém, queremos que isso seja soluciona­do o mais depressa possível”, afir­mou Cunha.

_____________________________________________________________________________

Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Hélio Costa

Assunto: Demolição do São Lucas

 

Eu já havia previsto as consequências que a demolição do São Lucas causaria

Justiça dá prazo de um mês para o governo iniciar a reconstrução do prédio para menores infratores cumprirem medidas socioeducativas

Violência anunciada

Agora todo mundo se manifesta sobre um local para abrigar adolescentes infratores. Com os garotos em conflito com a lei nas ruas, desde dezembro de 2010, quando o São Lucas foi demolido, a violência aumentou consideravelmente.  A ação ocorreu em função de denúncias de maus-tratos e das condições precárias de funcionamento. O estado gastou R$ 250 mil na demolição. Se o prédio fosse reformado, este valor cobriria os gastos. Desde a época da implosão, eu venho alertando para o problema que esta decisão ocorreria. Fiz esta projeção com base nos assaltos protagonizados por menores na Capital. Estamos nos aproximando do verão, época em que a violência tende a aumentar e não acredito que o governo vai ter condições de construir um local, ainda nesta temporada, para conter os menores infratores. Eles continuarão sendo apreendidos, liberados pela Justiça e continuando roubando e morrendo em confronto com a polícia.

 

_____________________________________________________________________________

Veículo: Jornal de Santa Catarina

Editoria: Geral

Assunto: Polícias do Vale do Itajaí farão blitze durante Oktoberfet

 

Polícias do Vale do Itajaí farão blitze no trânsito da região durante a Oktoberfest 2012PM diminuirá 20% do efetivo dentro da festa para colocar nas ruas

A Polícia Militar (PM) de Blumenau colocará em prática na Oktoberfest deste ano o projeto estabelecido em agosto passado que destina 20% do efetivo usado pela corporação dentro da festa a fazer blitze em diversos pontos da cidade para controlar o uso do álcool aliado à direção. Para isso, contará com o apoio de outras polícias e da Guarda de Trânsito na ação.

A Polícia Militar Rodoviária (PMRv) definiu que fará abordagens nas três principais rodovias estaduais da região, que dão acesso a Blumenau. Da mesma forma, o 10º Batalhão da PM em Blumenau, que atende outros nove municípios do Vale do Itajaí, fará blitze nas entradas e saídas de Pomerode, Timbó e Indaial.

Segundo o comandante do 10º Batalhão, tenente-coronel Cláudio Roberto Koglin, nas cidades da região, as abordagens devem ser feitas por volta das 2h e 3h, quando os foliões estarão voltando para casa.

— O número de policiais que vamos colocar nas blitze ainda será definido, mas teremos um reforço de todo o Estado de 220 policiais, que serão divididos entre os 19 dias de festa — explicou o comandante.

Além da Guarda de Trânsito e da PMRv, a PM ainda espera fechar parcerias com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), que faria abordagens na BR-470, e a Polícia Civil, que ajudaria com uma delegacia móvel, possibilitando o registro das ocorrências no local das blitze.

 

 

 

MÍDIAS DO BRASIL

 

 

Veículo: Portal G1

Editoria: Geral

Assunto: Homicídios aumentam em agosto na capital paulista

 

Homicídios aumentam em agosto na capital paulista, segundo secretaria

No mês, foram registrados 106 assassinatos, contra 92 em julho.

Alta é de 15,2%, mesmo índice em comparação com agosto de 2011.

 

Os homicídios tiveram uma alta de 15,2% no mês de agosto em relação a julho na capital paulista, de acordo com dados divulgados pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) nesta terça-feira (25). Em agosto, foram cometidos 106 assassinatos na cidade de São Paulo, contra 92 no mês anterior.

A alta é a mesma em comparação ao mesmo mês do ano passado, também 92 assassinatos registrados: 15,2%. No acumulado do ano, o total é de 785 mortes violentas na capital. De janeiro a agosto de 2011, 680 homicídios tinham sido registrados. A elevação na comparação entre os dois períodos é de 15,44%.

Casos de homicídios dolosos em acidentes de trânsitos passou de apenas um em julho para dois em agosto, de acordo com a SSP. Em todo o Estado, o número de homicídios dolosos subiu 12,4 % em agosto de 2012 em relação ao mesmo mês de 2011. Foram 417 vítimas em agosto de 2012 contra 371 no mesmo mês do ano passado.

 

Roubo de carros também continua a crescer na capital. Em agosto, 3667 veículos foram roubados na cidade, contra 3380 no mês de julho, uma alta de 8,5%. Em comparação a agosto de 2011, que registrou 3702 ocorrências deste tipo, houve uma pequena queda no índice, de 0,9%. No acumulado do ano, já foram roubados 30075 carros. No mesmo período de 2011, 25919 veículos foram alvo de criminosos. Desta forma, a alta deste tipo de crime em São Paulo é de 16,03% na comparação entre os períodos.

Em relação ao furto de veículos na capital, a alta é ainda mais expressiva, de 13,8%. Em agosto, foram furtados 4030 carros, contra 3541 em julho de 2012. Em agosto de 2011, 3987 tinham sido furtados. No ano, 29864 já foram furtados, contra 28732 furtos deste tipo até agosto do ano passado, uma elevação de 3,9%.

Em contrapartida, os latrocínios (roubo seguido de morte) caíram pela metade na cidade de São Paulo em agosto em comparação com o mesmo período de 2011. Foram quatro ocorrências registradas em agosto de 2012 contra oito no mesmo mês do ano passado, uma queda de quatro casos ou 50%. Em relação ao mês de julho de 2012, com 12 casos registrados, a queda é ainda maior, de 66,67%.

Outro indicador que apresentou relevante diminuição na capital foi o roubo a banco. Esta modalidade de crime apresentou queda no comparativo mensal, no acumulado dos oito primeiros meses do ano, com 73 casos registrados. Em julho, foram 13 casos, contra os 7 de agosto. Até agosto de 2011, 112 ocorrências deste tipo de crime tinham sido registradas.