Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 02 de setembro

2.9.2011
CLIPPING
02 de setembro 2011
 
MÍDIAS DE SANTA CATARINA
 
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Visor
Assunto: Audiência pública
 
 
CALMA, GENTE
Por pouco, mas muito pouco mesmo, a cuíca não roncou, quarta à noite, durante a audiência pública na Assembleia para discutir… a integração entre as corporações. A turma do deixa-disso teve que separar o presidente da Associação de Oficiais da PM (Acors), coronel Fred Harry Schauffert, e o presidente da Associação dos Delegados de Polícia, Renato Hendges. Será apenas mais um fato isolado, como gosta de justificar o governo do Estado?
 
 
A PROPÓSITO
Quem é que vai registrar o boletim de ocorrência por calúnia, difamação e tentativa de agressão?
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Geral
Assunto: Mudanças no Terminal de Fpolis
 
Prefeitura muda local de 15 linhas intermunicipais
A partir de amanhã, elas deixam o Ticen e passam a operar no Terminal Cidade de Florianópolis
A partir deste sábado, 15 linhas intermunicipais de ônibus que operam no Terminal de Integração do Centro (Ticen), na Capital, serão transferidas para o Terminal Cidade de Florianópolis. A ideia da prefeitura com a mudança é amenizar o movimento no terminal central e ocupar espaço no outro. Ontem, a prefeitura começou a divulgar as mudanças aos usuários (leia texto ao lado).
A decisão foi tomada pela Secretaria de Transportes, Mobilidades e Terminais, com o aval das empresas de transporte público.
– Das cinco plataformas do Terminal Cidade de Florianópolis, três estavam abandonadas. Recebemos muitas reclamações de que o local virou estacionamento de veículos particulares e, à noite, era usado por moradores de rua – diz o secretário João Batista Nunes.
Outra mudança será o ponto de partida das linhas do serviço executivo de Florianópolis. Todas elas terão saída e chegada no Terminal Cidade de Florianópolis, também a partir de sábado. Apenas a linha que faz o itinerário do aeroporto passará pela Avenida Rio Branco, para atender a maioria dos hotéis e o Terminal Rita Maria.
– Importante salientar que não existe nenhuma integração entre intermunicipal e o transporte municipal de Florianópolis. Ou seja, não muda nada a questão de integração – reforça João Batista.
 
Corrida contra o tempo para a divulgação
Desde que anunciou a transferência, a prefeitura corre contra o tempo para divulgar a mudança aos passageiros afetados. Ontem, funcionários passaram o dia distribuindo panfletos a quem aguardava nas filas.
Muitos foram surpreendidos pela notícia. Enquanto, para alguns, a mudança não irá fazer diferença na rotina, para outros, vai atrapalhar.
É o caso do eletricista Marcos dos Santos, 31 anos, que mora em São Pedro de Alcântara e trabalha na Tapera, Sul da Ilha. Todos os dias, ele sai de casa às 5h30min para dar tempo de pegar dois ônibus e estar no emprego às 7h. Com a mudança, ele terá que sair ainda mais cedo.
– Vou fazer uma experiência na segunda-feira, para saber quanto tempo vou levar – diz.
Por meio da assessoria de imprensa, o Departamento de Transportes e Terminais (Deter) – responsável pelos Terminal Rita Maria, por exemplo – informou que não irá se envolver no assunto, já que os terminais pertencem ao município. O antigo terminal deve receber uma reforma ainda este ano, com construção de banheiros e cercamento.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Política
Assunto: Deputadômetro
 
Facisc fecha parceria com Transparência
A Facisc firmou uma parceria com a ONG Transparência Brasil para estudar melhorias para o ranking do Deputadômetro.
Uma das ideias de mudança é criar um ranking interativo, em que os internautas possam indicar quais critérios devem ter mais peso na avaliação dos deputados. De acordo com o diretor-executivo da Facisc, Gilson Zimmermann, o desenvolvimento dessa ferramenta e a forma como ela pode ser colocada na internet estão sendo analisados.
Zimmermann garante que está mantido o prazo de 30 dias dado na semana passada para que o ranking volte ao ar. A Facisc estuda também usar tecnologias semelhantes às utilizadas pela Transparência Brasil para alimentar o site com as informações oficiais que são fornecidas pela Assembleia Legislativa.
O diretor da ONG, Cláudio Abramo, considerou a reunião com a instituição catarinense positiva, mas não quis adiantar detalhes da forma de parceria entre as duas entidades.
Elaborado pela Facisc, o site www.deputadometro.com.br entrou no ar em 17 de agosto. A classificação dos deputados em um ranking provocou a ira dos parlamentares.
Eles discordaram dos critérios utilizados, como participação em comissões e apresentação de projetos. Diante da contrariedade, o ranking foi tirado no dia seguinte.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Política
Assunto: PSD já pode pedir o registro no TSE
 
 
PSD já pode pedir o registro no TSE
Com decisões favoráveis dos tribunais regionais eleitorais (TREs) do Rio de Janeiro e de Mato Grosso, o PSD, sigla idealizada pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, conseguiu chegar a nove registros estaduais. Santa Catarina foi o primeiro Estado que obteve o registro.
Com isso, a sigla obteve o número mínimo de certificados exigidos para requisitar seu registro definitivo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Em tese, só a partir de hoje o PSD poderia ingressar no TSE, mas os advogados de Kassab lançaram mão da manobra para dar entrada no pedido de registro antes de obter os nove registros. Com a manobra, o partido ganhou tempo na tramitação do processo no TSE – ele corre contra o relógio, já que, para poder disputar as eleições municipais no ano que vem, o PSD precisa ser registrado no TSE até o início de outubro.
Agora, com os certificados dos TREs em mãos, o PSD precisará trabalhar para que o TSE reconheça as 492 mil assinaturas de eleitores em apoio à fundação da sigla. As assinaturas fazem parte da lista de exigências legais para a criação de um partido. Advogados do DEM e do PTB, siglas que travam batalha judicial para tentar impedir o registro do partido de Kassab até outubro, alegam que, somadas as assinaturas certificadas pelos nove TREs que o registraram, o PSD tem o apoio de 148.007 pessoas. Ainda segundo eles, mesmo que todos os 22 Estados nos quais a nova sigla pediu registro emitissem certificados, o PSD teria somente 338.452 assinaturas. O PSD afirma ter o número de assinaturas necessárias. É que, para ganhar tempo, a sigla passou a registrar listas de apoio diretamente no TSE.
Segundo os adversários do prefeito, trata-se de mais uma manobra para burlar o procedimento legal. Para eles, a resolução do TSE é clara ao dizer que as assinaturas devem ser apresentadas aos TREs, e não ao TSE.
 
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: PMs sob suspeita
 
Tiros de borracha e choque em rapaz são investigados
Segundo o inquérito, rapaz foi colocado em camburão e levado para local onde houve agressões
Um jovem de 22 anos teria apanhado e levado choques durante uma abordagem, em abril deste ano. Os agressores, que também teriam disparado tiros de balas de borracha, seriam policiais militares. A Polícia Civil abriu inquérito para apurar o caso. Uma perícia comprovou que houve agressão.
Conforme relato da vítima, ele e a mulher passavam de carro pelo Bairro Capoeiras, em Florianópolis, quando perceberam que uma viatura da PM se aproximava. Ele parou o carro e, em seguida, o para-brisa foi estourado por um disparo.
 
Ao descer do veículo, ele conta que levou um tiro com munição de borracha na perna. Foi quando teria iniciado a série de agressões. A vítima diz ter sido mandada para fora do carro. Depois deitou no chão. Em seguida, foi colocado dentro do camburão. Dois policiais seguraram suas pernas para que um terceiro lhe desse choque nos testículos.
A abordagem teria sido em virtude de um grupo que fazia manobras arriscadas de carro na Beira-Mar de São José. A vítima conta que esteve no local por volta das 23h do dia 16 de abril, mas quando viu que os motoristas estavam fazendo cavalo de pau resolveu deixar o local.
Conforme o depoimento do jovem, após as agressões em Campinas, ele foi levado no camburão de volta à Beira-Mar de São José com a intenção de “mostrar para outras pessoas o que eles fazem quando abordam um veículo”. Um policial dirigiu seu carro com sua mulher dentro até o local.
De lá, o grupo seguiu para o posto da PM, onde as agressões teriam continuado. O rapaz contou que os policiais tentavam gravar algum desacato para poder autuá-lo e ter provas. A vítima foi liberada do local por volta de 1h, mas seu carro foi apreendido.
Dois dias depois, a vítima registrou a ocorrência e foi encaminhada para exame de corpo de delito. O laudo do Instituto Geral de Perícias (IGP) confirmou que houve agressão. O documento afirma que o jovem estava com hematoma, edema e ruptura vascular do vaso da bolsa escrotal.
A 4ª DP de Florianópolis assumiu o caso. De acordo com o delegado Ilson Silva, os policiais serão intimados por meio do comando da PM a comparecerem para reconhecimento.
 
Comando nega a violência
O comando da Polícia Militar informou que a suposta vítima foi mesmo abordada no dia em questão porque estava em um local e fugiu ao ver a viatura. Ao ser parado, ele alegou que correu porque não estava habilitado. A PM também destaca que o caso deve ser registrado na Corregedoria para que possa ser apurado.
Para denunciar crimes cometidos por PMs, a vítima não precisa comparecer ao batalhão. A denúncia pode ser feita por meio do disque denúncia 0800-48-1717 ou net denúncia (www.pm.sc.gov.br)
O porta-voz da corporação, tenente-coronel Fernando Cajueiro, explicou, ainda, que é possível que quando chegar à fase judicial o procedimento seja encaminhado à Justiça Militar, responsável por investigar crimes cometidos por militares.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Chamada de 428 policiais civis pode começar
 
Chamada de 428 aprovados pode começar
Mais uma etapa foi aprovada para que a Polícia Civil melhore o seu efetivo em SC. A Secretaria de Segurança Pública (SSP) homologou os editais do concurso feito ano passado. Estão previstas 428 vagas, sendo 67 para as carreiras de psicólogo policial e 361 para as de agente de polícia.
 
ASSP não divulgou quando esses aprovados começarão a ser chamados. Essa decisão dependerá do conselho gestor do governo do Estado. Na semana que vem, o secretário da SSP, César Grubba, e o delegado-geral da Polícia Civil, Aldo Pinheiro D’Ávila, terão audiência com o governador Raimundo Colombo para definir o número de policiais a serem nomeados.
A homologação, para a carreira de escrivão ainda depende de decisão da Justiça em razão de recurso que anulou uma das questões da prova escrita. O déficit de policiais civis, na avaliação da atual chefia, é de pelo menos 2 mil policiais.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Crime sob encomenda
 
Mãe e filha contrataram rapaz para matar o pai
Elas alegaram violência doméstica. Polícia diz que vítima apenas discordava do namoro da menina
Um relacionamento amoroso precoce e intrigas familiares podem ter sido os motivos da morte de um aposentado de 57 anos, em Fraiburgo, no Meio-Oeste catarinense. Ele foi assassinado a tiros na noite de terça-feira, enquanto dormia. A mulher da vítima, de 50 anos, está presa preventivamente. A filha de 13 anos também foi apreendida. As duas confessaram ter encomendado a morte.
A polícia descobriu o envolvimento delas na execução ainda durante o velório da vítima. Um adolescente de 16 anos também foi apreendido e confessou participação no crime. Ele morava com a família há cerca de três meses. Ele era namorado da filha do aposentado. O casal estava junto havia cerca de dois anos.
Os três alegaram à polícia que encomendaram a morte do aposentado por conta de violência doméstica. A viúva disse em depoimento que era ameaçada e agredida pela vítima, que teria costume de consumir bebidas alcoólicas. Ela nunca havia registrado queixas contra o marido, com quem era casada há 31 anos.
Os familiares garantem que Itacir nunca se envolveu em nenhuma briga. Eles contam que o aposentado apenas discordava do relacionamento da filha com o adolescente, por conta da idade dos dois.
Segundo um dos filhos da vítima, a família já havia registrado um boletim de ocorrência contra o adolescente, por agressão. No documento, consta que ele teria batido na filha do aposentado.
A polícia confirma a versão e não descarta que os desentendimentos podem ter sido o motivo para que o trio encomendasse a morte. Um amigo de Itacir também revelou que o aposentado tinha um seguro de vida no valor de R$ 40 mil.
Conforme o delegado Jhon Endy Lamb, o crime estava sendo planejado há pelo menos uma semana. Na última quinta-feira, o trio teria contratado Fernando Conte, de 20 anos, para executar o crime. Ele confessou ter efetuado os disparos em troca de R$ 1 mil, que não chegaram a ser pagos, e é conhecido do genro da vítima.
Com ele, a polícia encontrou um revólver de calibre 32 utilizado no assassinato. A arma foi apreendida e teria sido comprada pela viúva da vítima, por R$ 700. Os dois suspeitos que venderam o revólver à família também foram presos preventivamente.
Todos foram encaminhados à Unidade Prisional. Os dois adolescentes serão internados, por recomendação do Ministério Público.
 
Escondida no banheiro na hora dos disparos
No momento do crime, que ocorreu por volta das 22h, o trio que confessou ter encomendado a morte do homem estava em casa e acionou a polícia logo após o assassinato. Segundo o delegado Jhon Endy Lamb, o rapaz contratado para a execução esperava na garagem de casa.
Quando o aposentado decidiu dormir, a viúva se trancou no banheiro. Ela teria dito ao aposentado que passava mal. Foi então que o genro da vítima, que estava na sala com a namorada, teria dado o sinal para que Conte entrasse na casa e cometesse o crime. Ele entrou encapuzando e com o revólver. Em seguida, disparou quatro vezes. mas acertou apenas dois. Um tiro acertou o braço e outro o tórax do aposentado, que morreu na hora.
A segunda tentativa em uma semana
Conforme o delegado, a vítima já teria sofrido uma tentativa de homicídio na semana passada, quando a família teria simulado uma tentativa de assalto. Os envolvidos podem ser os mesmos.
Mais detalhes desta ação ainda estão sendo investigados pela polícia e não foram revelados, porque poderiam atrapalhar a apuração.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Julgamento do PM
 
Alívio e dor após o júri
Hermelino Noé Caetano folgou ontem. Depois de sentar no banco do réus por 13 horas e meia quarta-feira e ser absolvido pela morte do jovem Rafael Mendonça, em 2003, o soldado da Polícia Militar passou o dia ao lado da família.
Comandante do Batalhão da Polícia Militar em Itajaí, o tenente-coronel Altair Derner Filho afirma que, por enquanto, Noé permanecerá na função de atendente das emergências no Copom, onde faz um bom trabalho, segundo o comandante.
– Eu avalio o resultado do júri como uma decisão soberana.
Apesar do pai de Rafael, Edson Braz Mendonça, afirmar que não pretende recorrer da decisão, o assistente de acusação, advogado Fernando Hugo Praun, ainda vai conversar com a família sobre a possibilidade.
– Vou explicar para eles como funciona o processo de recurso. A decisão do júri, ao meu ver, foi motivada pela dúvida gerada pela existência de outro processo do mesmo caso.
O sentimento de revolta marca o semblante de Edson Braz Mendonça, pai do estudante Rafael. Ontem à tarde, poucas horas após a absolvição do soldado Hermelino Noé Caetano, que foi levado a júri popular pela morte do jovem, ele estava inconformado com o resultado do julgamento, o pai diz que não quer mais lutar para achar culpados pela morte do filho.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Crimes e ocorrências
 
Funcionários feitos reféns em assalto
Um posto de combustível foi assaltado ontem, por volta das 14h, em Blumenau. De acordo com funcionários do estabelecimento, um homem armado entrou na conveniência e anunciou o assalto. O bandido usava boné preto e moletom. Durante a ação, o assaltante mandou todos ficarem calados, caso contrário ele iria atirar. Ele fugiu na contramão, em direção à Ponte do Salto, em uma moto Twister preta com registro de furto. O valor levado pelo assaltante não foi divulgado.
 
Sete acabam presos por decisão judicial
Durante a operação Tela Quente, sete mandados de prisão foram cumpridos em Videira, no Meio-Oeste de SC, durante todo o dia de ontem. Foram seis homens e uma mulher detidos. Os mandados foram expedidos porque todos eles descumpriram as condições impostas pelo Poder Judiciário na concessão de cumprirem o restante da condenação em prisão domiciliar. Segundo verificou a polícia, eles não estavam em casa após as 22h, como determina a Justiça.
 
250 gramas de crack nas mãos de casal
Jocielmo Ferreira do Nascimento, o “Tico”, 22 anos, e Sabrina Aparecida do Rosário, 28 anos, foram presos em flagrante por tráfico de drogas em Joinville. Durante a ação policial, foram apreeendidos 250 gramas de crack, o que poderia render cerca de 1,2 mil pedras da droga. A prisão aconteceu depois de denúncia anônima: Tico iria entregar a droga a Sabrina na rodoviária da cidade. A polícia monitorou os dois e os abordou no momento da entrega.
 
 
Assassinado com sete tiros
A cena poderia ter sido vista no cinema. Dois carros suspeitos impedem a passagem de um terceiro veículo e um dos ocupantes começa a atirar. O motorista morre no local.
A ação foi presenciada pelos moradores do Bairro Fátima, em Joinville, na manhã de ontem. Paulo Carlindo da Silva, 26 anos, dirigia um Vectra branco, e pode ter sido atingido por pelo menos 23 tiros. Os suspeitos do crime ainda não foram encontrados.
Os barulhos dos tiros assustaram moradores e crianças de uma escola da rua Fátima, por volta das 11h30min de ontem. De acordo com testemunhas, o Vectra guiado por Paulo foi cercado por outros dois carros. Um homem careca e de óculos escuros, que estava em um Gol vermelho, teria efetuado os disparos.
–Eu vi a cena e corri pra me esconder dentro de casa – contou uma moradora, que não quis se identificar.
Segundo ela os atiradores não fizeram questão de esconder o rosto.
Dentro do veículo, uma cadeirinha para bebê chamava a atenção. Paulo segundo a polícia, estaria indo buscar a filha na escola. O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML). Ele teria sido atingido por pelo menos sete tiros. De acordo com o delegado Luís Felipe Fuentes, o número pode ser ainda maior: 23 tiros. No carro da vítima, o IGP encontrou ainda oito marcas de tiros de munições de pistola 9 milímetros e 380.
Segundo o tenente da PM Militar Jair Pereira, pela forma como o crime ocorreu, poderia se tratar de um acerto de contas. Paulo estava em liberdade provisória do Presídio Regional de Joinville havia uma semana. Ele tinha várias passagens criminais, por homicídio, roubo e furto.
 
Polícia busca familiares da mulher morta
A Polícia Civil de Criciúma ainda procura por familiares de Crislaine dos Passos, de 35 anos, morta e esquartejada por um menor de 16 anos que confessou o crime na quarta-feira. A vítima é de Itu (SP) e não tem parentes em SC.
De acordo com o delegado Antônio Márcio Campos Neves, da Delegacia de Proteção à Mulher, Criança e ao Adolescente, vários contatos já foram feitos para que os restos mortais da mulher possam ser entregues à família. O corpo continua no Instituto Médico Legal (IML). O autor do homicídio está no Centro Social Educacional Provisório (Casep), de Criciúma.
Segundo a polícia, este é o terceiro homicídio assumido pelo menor em 2010. Por conta da suspeita do primeiro crime, ocorrido em fevereiro, ele respondia um ato infracional em liberdade, porém não comparecia às audiências no Fórum. Pela primeira vez, ele foi preso e internado.
Ontem continuaram as buscas das duas mãos e uma perna da vítima, que não foram encontradas no local onde estava o corpo carbonizado, em um matagal no Bairro Santo Antônio. Segundo a polícia, o rapaz chegou a exibir a cabeça da vítima aos vizinhos. Ele teria dito que aquilo servia de exemplo, caso alguém o denunciasse por tráfico de drogas.
____________________________________________________________________________
Veículo: Notícias do Dia
Editoria: Geral
Assunto: Protestos contra a corrupção no feriado de 7 de Setembro
 
Protestos contra a corrupção no feriado de 7 de Setembro
Mensalão da Jaqueline Roriz. Absolvição da deputada federal mobiliza sociedade em todo o país e três cidades catarinenses programam eventos
 
Indignados. Jovens de Florianópolis querem mudanças na política e vão às ruas
No próximo dia 7 de setembro, Dia da Independência, pessoas de todo o Brasil ocuparão as ruas para protestar contra a corrupção. O movimento, que ganhou força depois da absolvição da deputada federal Jaqueline Roriz (PMN-DF), disseminou-se de forma instantânea depois que um grupo de brasilienses lançou a ideia do ato por meio do Facebook, há duas semanas.
Até a noite de terça-feira, dia 30, mais de 9 mil internautas tinham confirmado presença.Em Santa Catarina, três cidades já marcaram seus encontros: Joinville, Jaraguá do Sul e Florianópolis, onde o evento deve atrair milhares de manifestantes depois que a estudante Júlia Herzmann Vieira, de 19 anos, engajou-se em ser a primeira a marcar o evento na Capital por meio do Facebook.
Ela, que é estudante de Turismo da Assesc (Associaçao de Ensino de Santa Catarina) e até então não se interessava tanto por política, planejou manifesto nos mínimos detalhes.
Escolheu o local, o Trapiche da Beira-mar Norte e o horário, das 14h às 17h. “Escolhi o trapiche porque é um local bem visível, onde muitas pessoas podem ver o movimento e se juntar no manifesto. Fizemos um check list do que iríamos precisar, quais pessoas teríamos que atingir para a divulgação, autorizações e segurança”, conta ela, que teve o apoio do coordenador do curso de Turismo da Assesc, Carlos Cappelini e de outros colaboradores como Bruno Negri.
Júlia Herzmann despertou para o tema depois de ver um filme na faculdade sobre os efeitos globais da política. Passou a dar mais atenção ao noticiário político, repleto de casos de corrupção. “Comecei a notar coisas que antes deixava passar batido. E aí é que começou a indignação maior em relaçao as falcatruas que estão fazendo com o povo”, reclama ela.
 
Promotor apoia a iniciativa
O ato contra a corrupção ganhou o apoio do coordenador da campanha nacional “O que você tem a ver com a corrupçao?”, idealizado pelo promotor Affonso Ghizzo Neto. Para ele, a mobilização popular é a maior arma para demonstrar revolta frente a casos como o da deputada Jaqueline Roriz, absolvida pela Câmara dos Deputados com uma larga vantagem de votos.
A deputada foi acusada de quebra de decoro após aparecer em vídeo recebendo dinheiro do operador do esquema de propina no governo do Distrito Federal, Durval Barbosa, quando era candidata a deputada distrital. Ela foi absolvida por 265 votos contra a cassação, 165 a favor e 20 abstenções. “O ato do dia 7 servirá para mostrar que a sociedade quer dar um basta. Que não quer mais este tipo de coisa”, disse ele, lembrando que o evento também deve servir para refletir sobre o sentimento de impunidade provocado pelo caso da deputada. “Será que o voto não fosse secreto ela seria absolvida? Acho que não. Afinal, os deputados iriam ter que enfrentar a opinião pública”, avalia ele.
 
Luta contra a impunidade
O promotor Affonso Ghizzo Neto também questiona porque a maioria dos deputados votou contra a cassação, 265. O primeiro grupo, avalia ele, envolve os parlamentares que também respondem a processos e podem, no futuro, viver a mesma situação. “Não querem abrir um procedente”. O segundo grupo não tem rabo preso com a Justiça, mas poderá tirar vantagens da manobra. “São as eventuais negociações por cargos, por exemplo”, avalia ele, que pede que o sentimento de impunidade não desanime. “Este sentimento acaba sendo um mecanismo de continuidade da própria impunidade. A realdiade está submetida à interferência do poder das massas. Quando mobilizada transforma”, observa.
____________________________________________________________________________
Veículo: Notícias do Dia
Editoria: Hélio Costa
Assunto: Ocorrências de roubo e furto podem ser maior do que as divulgadas pela SSP
 
 
Ocorrências de roubo e furto podem ser maior do que as divulgadas pela SSP
Nem todas as vítimas vão à polícia registrar boletins de ocorrência,observação é feita pelo comando do 4º BPM após reunião com comerciantes
 
Boletim de ocorrência
Passei no 4º BPM onde gravei matéria sobre flagrante das câmeras de monitoramento da PM e aproveitei o momento para conversar sobre segurança pública com o comandante do batalhão, tenente-coronel Araújo Gomes. Ele havia chegado de uma reunião com os comerciantes do Centro e disse ter ficado impressionado porque nem todas as vítimas de furto vão à polícia registrar boletim de ocorrência. Independente do prejuízo, as pessoas devem registrar b.o. por que o planejamento da segurança é feito de acordo com a incidência de crimes, locais e horários onde eles ocorrem. Gomes é um oficial dedicado e responsável pela segurança do centro nevrálgico da Capital. O efetivo à disposição dele é reduzido, como em todos os batalhões. Dos 465 PMs que vão sair da academia este ano, 30 serão destinados ao 4º BPM. Pelo que representa o centro da cidade, ele deveria receber o triplo de novos PMs.
 
 
BLOGS
 
Paulo Alceu
 
De repente a audiência na AL, quarta-feira á noite, sobre segurança pública virou um bate-boca entre as policias civil e militar. A proposta era discutir as reivindicações dos catarinenses que estão diante de um quadro de insegurança e o pior nutrindo esse preocupante sentimento. Algo tem que ser feito e rápido. Mas o que predominou foi o embate entre as policias, com problemas desde defasagem salarial, precariedade de equipamentos até o imbróglio das atribuições de cada instituição. Em determinado momento oficiais militares chegaram a considerar uma “patifaria” as colocações veementes do delegado Renato Hendges, que sublinhou o clima de insatisfação da categoria, além da confusão jurídica onde a Polícia Militar estaria adotando procedimentos reservados legalmente a Policia Civil. Hendges chegou a dizer que há uma linha de confronto e que se nada for feito acontecerá uma tragédia. O coronel PM, Harry Schauffer, muito irritado, pediu respeito a uma corporação de 196 anos e destacou que havendo irregularidades que sejam tratadas pela Corregedoria. Com certeza esses desencontros que estão recrudescendo tornam mais difíceis a intenção de unificação. E o pior se estão brigando entre eles é porque algo não está correto. E isso é natural está refletindo nas ruas. A tragédia que fala o delegado começa a atingir, isso sim, é a população. O momento não é de alimentar animosidades. Mas de buscar soluções. Prejuízo quem está tendo é o catarinense que tem o direito a segurança, como qualquer cidadão.
 
 
Cláudio Prisco
 
O comandante da Polícia Militar, coronel Nazareno Marcineiro, é um dos palestrantes do Seminário Nacional de Segurança, que está sendo realizado em Porto Alegre. A Polícia Comunitária em Santa Catarina foi o tema da palestra de Marcineiro.
O evento reúne 450 policiais civis, militares, rodoviários e federais. Na abordagem de ontem, o comandante de SC falou da importância da presença da PM nas comunidades, onde é possível restabelecer a ordem e conquistar a simpatia e confiança dos moradores.
Ao final de sua manifestação, o coronel Nazareno traçou um rápido painel com números e dados sobre a segurança pública no Estado.
A grave situação das polícias Civil e Militar foi o principal tema da reunião promovida pela Comissão de Segurança Pública da Assembleia, presidida interinamente pelo deputado Sargento Amauri Soares (PDT).
O encontro, que reuniu parlamentares, representantes das forças policiais, Ministério Público, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SC), conselhos comunitários de segurança e entidades de classe reforçou a convicção de que a raiz do problema está no conflito de atribuições surgido depois que a PM começou a elaborar boletins de ocorrência, o que a Associação dos Delegados não aceita.
O deputado Maurício Eskudlark, que já comandou a Polícia Civil no Estado, lamentou o clima de desentendimento instalado entre as forças policiais catarinenses, que impedem a melhoria do setor.
 
 
MÍDIAS DO BRASIL
 
 
Veículo: Agência Estado
Editoria: Brasil
Assunto: Sobe para 25 o total de cidades em emergência em Santa Catarina
 
Sobe para 25 o total de cidades em emergência em Santa Catarina
Defesa Civil contabilizou pouco mais de 285 mil afetados. Entre eles, há 872 desabrigados e 7.621 desalojados
Subiu para 25 o número de cidades em situação de emergência por causa do grande volume de chuvas em Santa Catarina. Há ainda duas cidades que decretaram estado de calamidade pública: Formosa do Sul e Anchieta. Em boletim divulgado no fim desta tarde, a Defesa Civil contabilizou pouco mais de 285 mil afetados. Entre eles, há 872 desabrigados (aqueles que perderam tudo e necessitam de abrigos públicos) e 7.621 desalojados (aqueles que podem contar com a ajuda de familiares e vizinhos).
Chuva e granizo danificam casas em SC e RS
Na noite de terça-feira, um rapaz de 28 anos morreu após um deslizamento de terra na rodovia SC-456, na altura do município de Anita Garibaldi. Em Lages, uma pessoa ficou ferida. Há diversos municípios nos quais os serviços básicos, como água, energia, transporte e comunicação foram afetados. Ao todo, 7.075 residências foram danificadas no Estado.
Além das chuvas, os moradores estão enfrentando baixas temperaturas. Na madrugada de hoje os termômetros marcaram -3,5ºC em São Joaquim e -5,2ºC em Urupema. Na capital, Florianópolis, foi registrada a mínima de 6,4ºC.
 
Volume atípico
Santa Catarina registrou em agosto de 2011 um dos meses mais chuvosos dos últimos anos, especialmente na faixa leste do Estado, onde a chuva foi até o triplo do esperado, segundo o Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hisrometeorologia (Ciram).
Em Lages e em São Joaquim, o volume de chuvas acumulado no mês foi o maior desde 1965. Em Indaial, Joinville, Major Vieira e Matos Costa, o acumulado superou as marcas de 1998. Já em Campos Novos, os 392,8mm de precipitação registrados neste mês só não foram mais altos do que o recorde em 1928 (485,4mm).
____________________________________________________________________________
Veículo: Último Segundo
Editoria: Brasil
Assunto: Policial civil agia como infiltrado da milícia na Corregedoria, diz MP
 
Policial civil agia como infiltrado da milícia na Corregedoria, diz MP
Agente recebia R$ 40 mil para repassar informações sigilosas à quadrilha e ajudar na prisão de rivais. Ele ainda está foragido
Um policial civil agia como infiltrado da milícia na Corregedoria Interna da corporação, segundo as investigações feitas pelo Ministério Público e da Draco (Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas) que culminaram na prisão de seis suspeitos de integrar a quadrilha nesta quinta-feira (1º), na zona oeste do Rio de Janeiro.
Segundo a denúncia do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do Ministério Público, o policial Anísio de Souza Bastos, que já está aposentado, faria parte da “Liga da Justiça”, uma das milícias mais poderosas da cidade e que foi fundada pelos ex-parlamentares Jerônimo e Natalino Guimarães, atualmente presos.
A Secretaria de Segurança informou à noite que Anísio ainda não foi preso. De acordo com a pasta, o advogado do policial está negociando a sua entrega.
O agente infiltrado fornecia aos comparsas informações sigilosas sobre as rotinas e operações policiais. Também seria incumbido de provocar a realização de operações contra a milícia rival (Comando Chico Bala) e de prender seus integrantes.
De acordo com o promotor Marcus Vinicius Moraes Leite, Anísio recebia cerca de R$ 40 mil por mês para repassar as informações.
No total, 18 pessoas foram denunciadas à Justiça e tiveram a prisão preventiva requerida pelo Gaeco. Os acusados responderão pelos crimes de formação de quadrilha para a prática de crimes hediondos. Dos denunciados, quatro já estavam presos. Dos seis detidos hoje, há um ex-PM e duas mulheres.
Além das prisões, foram recolhidos cerca de R$ 45 mil (R$ 33 mil em dinheiro e o restante em cheques), uma pistola, três carregadores de munição, um carro Ford Ecosport, computadores, máquina de contar dinheiro, documentos e material relacionado a caça-níqueis.
A milícia, de acordo com a denúncia, continua agindo em localidades da zona oeste como Campo Grande, Cosmos, Inhoaíba, Paciência e Santíssimo. Entre as atividades criminosas citadas estão homicídios qualificados, extorsões, espancamentos, sequestros, torturas e porte ilegal de armas de fogo.
 
A quadrilha, segundo o Gaeco, lucra com a cobrança de taxas de moradores, comerciantes e pessoas dedicadas ao transporte alternativo (vans e mototaxis). Monopoliza ainda o comércio de gás natural veicular (GNV), botijões de gás e TV a cabo (gatonet). Com o dinheiro arrecadado, foram comprados veículos de luxo, lanchas e imóveis, diz a denúncia.
 
Líder foragido
De acordo com a denúncia, o líder atual do bando é o ex-PM Toni Angelo Souza de Aguiar, conhecido como “Erótico”, também está entre os denunciados com prisão preventiva decretada pela 42ª Vara Criminal da Capital.
Atualmente foragido, Angelo é apontado como o responsável por coordenar a atuação dos demais, sem deixar de participar de empreitadas criminosas e homicídios. Michel Cunha de Carvalho (Michel Baleia), atualmente preso, é homem de confiança do ex-PM Ricardo Teixeira Cruz, o Batman, atuando no gerenciamento dos lucros e nas extorsões.
O promotor Marcus Vinicius ressaltou também que alguns integrantes do bando continuavam a gerenciar as atividades mesmo estando presos. Este seria o caso de Carlos Ari Ribeiro (Carlão), recentemente expulso da Polícia Militar. Ele foi preso em flagrante em junho de 2010 com uma pistola que, segundo exame balístico, foi usada em diversos homicídios.
De acordo com a investigação, ele e Ivo Mattos da Costa Junior (Tomate), também preso e expulso da corporação, fizeram ligações de dentro do Batalhão Especial Prisional (BEP) para coordenar extorsões.
 
Assassinato de testemunhas
Ao defender a necessidade da prisão preventiva dos denunciados, o Gaeco afirma que, após a deflagração de outra ação penal, em 2009, os denunciados e outros comparsas assassinaram a testemunha Leonardo Baring e chacinaram quatro membros da família da testemunha Vicente de Souza Junior (incluindo seu pai, de 90 anos, cujo cadáver foi encontrado em um cemitério clandestino, algemado e com sinais de tortura).
“Isso demonstra que tais indivíduos não medirão consequências para salvaguardar seus interesses escusos, ainda que à custa de muito sangue e do escárnio às Instituições”, diz o texto da denúncia.
“Além de extremamente violentas, as milícias provocam perda da confiança da população em relação ao poder público. A Operação pandora demonstra que a Secretaria de Segurança e o Ministério Público, por meio do Gaeco, não vão dar trégua no combate a estas organizações criminosas”, afirmou o titular da Draco, Alexandre Capote, durante a entrevista coletiva.