Área do associado

Área do associado

Clipagem dos dias 9 e 10 de abril

10.4.2015

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO DIA 09 DE ABRIL

 

COLUNISTA PAULO ALCEU – Notícias do Dia

Reunião

Acompanhado do deputado Maurício Eskudlark, o novo presidente da Adepol-SC, Ulisses Gabriel, e parte da diretoria estiveram na Assembleia buscando o apoio da presidência para que o governo do Estado envie um projeto pela lista tríplice na escolha do delegado geral. Ocorre que a proposta do deputado Leonel Pavan poderá ter vício de origem. Tem que partir do Executivo.

 

ASSUNTO: Poder Judiciário

VEÍCULO: Diário Catarinense

Servidores paralisam as atividades a partir de hoje

Depois de reuniões com os órgãos patronais que terminaram sem consenso, agentes penitenciários e socioeducativos e servidores do Poder Judiciário param as atividades a partir de hoje. A mobilização total dos funcionários da Justiça afetará os serviços básicos nos cartórios e fóruns de todas as comarcas. Entre os agentes prisionais a paralisação será parcial, com a suspensão dos plantões extras nas prisões.
No Judiciário, uma reunião ocorreu ontem para tentar evitar a greve. O Tribunal de Justiça apresentou uma contraproposta, mas não avançou no principal ponto de impasse. O sindicato da categoria queria que o projeto do Novo Plano de Cargos e Salários fosse encaminhado à Assembleia Legislativa em no máximo 30 dias, mas o TJ manteve a posição de enviar o texto à presidência da Casa até 29 de maio, para só então a proposta ir às comissões.
Já entre os agentes, a negociação com o governo também teve avanços quanto às reivindicações, mas assim como no Judiciário, uma das principais questões ficou de fora. O sindicato dos trabalhadores defende o pagamento dos reajustes em três parcelas semestrais começando ainda neste ano, mas o governo propõe oito parcelas semestrais, com início em maio de 2016. Os agentes vão reduzir as atividades até quarta, quando uma assembleia geral decide sobre a paralisação.

 

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO DIA 10 DE ABRIL

 

COLUNISTA RAFAEL MARTINI – Diário Catarinense

VÂNDALOS DESTROEM POSTO GUARDA-VIDAS

O posto de Guarda-Vidas da Praia da Galheta, na costa leste da Ilha de SC, foi incendiado por vândalos e o material de sinalização e resgate totalmente destruído. Entre os equipamentos estavam três flutuadores, duas bolsas com itens de primeiros socorros, além de bandeiras, balizas, fitas demarcatórias e um binóculo. Nas fotos dá pra ver como era o posto e o que restou. Detalhe: em 2013, logo depois do fim da temporada, uma ação idêntica já tinha sido praticada.

O TENENTE-CORONEL FLÁVIO GRAFF, COMANDANTE DO 1o BATALHÃO DE BOMBEIROS MILITAR, RESPONSÁVEL PELA ÁREA, DIZ QUE AGORA SERÁ REPENSADA A NOVA ESTRUTURA, MAS CRITICA A IRRESPONSABILIDADE DOS AUTORES. “O MARGINAL QUE FEZ ISSO NÃO PENSOU NA UTILIDADE PÚBLICA DO SERVIÇO.”
SOMENTE NO ÚLTIMO VERÃO, O POSTO ATENDEU SEIS PESSOAS VÍTIMAS DE ARRASTAMENTO DE ONDAS, RECUPEROU OUTRAS DUAS DE AFOGAMENTOS E CUIDOU DE 1.227 PESSOAS QUE SOFRERAM LESÕES (DE LEVE A GRAVE) EM DECORRÊNCIA DE CONTATO COM ÁGUA-VIVA.

BICO SECO

Artur Nitz, delegado-geral da Polícia Civil, entra em contato com a coluna para informar que não existe falta de papel higiênico na Central de Polícia da Capital, como informou este Visor na edição de ontem. E o desabastecimento de água mineral já foi contornado com um pregão de compras. Então, tá.

 

COLUNISTA HÉLIO COSTA – Notícias do Dia

Banco de Horas

O famigerado banco de horas está “quebrando” a Polícia Civil. Quem trabalhar mais do que 40 horas semanais vai para casa compensar as horas excedentes. Além de quebrar a continuidade da investigação, o antipático banco de horas está esvaziando as DPs. Aplicar valores em segurança não é gasto, é investimento. O que não pode é obrigar o policial a pagar para trabalhar. Recentemente, uma equipe viajou para o Norte do Estado e pagou hospedagem e alimentação na esperança de ser reembolsada. Porém, foi pedido para os policiais assinarem um documento abdicando o reembolso. Infelizmente, a segurança pública está descaracterizada, está comprometida e vulnerável. É inconcebível que um tira que prestou 30 anos de serviço de rua, dando o sangue para a instituição, se aposente com um vencimento menor do que o agente, bem mais novo na polícia e que presta serviços burocráticos. Este servidor mais novo tem mais tempo de fazer cursinhos pela internet, requisito essencial para a promoção, e alcançar com facilidade o nível 8, o máximo na carreira, que rende um melhor salário, enquanto o veterano de rua chega apenas ao nível 6.

 

ASSUNTO: Servidores do Judiciário

VEÍCULO: Diário Catarinense

Tribunal de Justiça de SC avalia hoje mobilização

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina vai se manifestar hoje sobre a greve dos funcionários. Ontem, o Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário (Sinjusc) afirmou que o primeiro dia de paralisação teve adesão de 80% nas 11 comarcas do Estado. Segundo o Sinjusc, todos os serviços básicos em fóruns e cartórios foram afetados, com atendimento normal só em casos urgentes. Nesta categoria se enquadram processos como os que envolvem menores e Lei Maria da Penha.
O TJ informou que aguarda dados encaminhados pelas comarcas para comentar a mobilização. Sobre as negociações, o Tribunal reforçou, via assessoria, que a deflagração da greve suspende as tratativas.

 

ASSUNTO: Carros militares

VEÍCULO: Notícias do Dia

Feira Viva a Cidade terá atrações extras

Atração que movimenta parte do Centro Histórico todos os sábados, a Feira Viva a Cidade, realizada pela CDL de Florianópolis, com apoio da prefeitura, terá programação inédita amanhã, das 9h às 16h. O evento oferece exposições com antiguidades, atrações musicais e artísticas, a criativa gastronomia dos restaurantes e bares locais e recreação para as crianças. Como atração extra, a feira terá a participação de food trucks, que servirão comidas especiais e artesanais. Também estará montada a exposição “Indestrutíveis”, com veículos militares antigos.

 

ASSUNTO: Desabamento

VEÍCULO: Notícias do Dia

Homem morre soterrado após desabamento

Um grave acidente foi registrado por volta das 11h de ontem em Tijucas. Um galpão que estava sendo construído no loteamento Mata Atlântica, no bairro Universitário, desabou e matou uma pessoa soterrada. O corpo foi retirado por volta das 14h30 e encaminhado ao IGP (Instituto Geral de Perícias) para identificação. Centenas de pessoas estiveram no local acompanhando o trabalho dos bombeiros, que trabalharam no resgate da vítima por mais de duas horas.

Peritos do IGP também acompanharam o trabalho, que precisou da ajuda de uma máquina para retirada dos escombros. O helicóptero Arcanjo, do Corpo de Bombeiros, chegou a ser acionado, mas já retornou à base devido ao longo período de soterramento da vítima, o que levou à conclusão de que ela já teria morrido.

Segundo o coordenador da Defesa Civil de Tijucas, Alissandro Monteiro, que acompanhou o resgate, pelo menos três pessoas estavam trabalhando na obra no momento do acidente, sendo que somente uma delas ficou soterrada.

De acordo com informações de populares que trabalham perto do local da obra, os outros dois operários estavam em horário de descanso, um pouco mais afastados do galpão, e, por isso, não se feriram. “Até o momento, o responsável pela obra, ou seja, o proprietário do galpão não foi identificado nem se apresentou no local”, afirmou o coordenador da Defesa Civil na tarde de ontem.

 

ASSUNTO: Campus da UFSC

VEÍCULO: Portal da UFSC

Comissão Permanente de Segurança da UFSC trabalha para intensificar ações no campus de Florianópolis

A Comissão Permanente de Segurança da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) reuniu-se na quarta-feira, 1º de abril, para discutir as ações a serem desenvolvidas para se reforçar a segurança na Universidade. A comissão, nomeada em novembro de 2014, é formada por membros da Administração Central e por representantes discentes indicados pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE).

Durante o encontro, foram informadas as tratativas das reuniões anteriores, realizadas em dezembro de 2014 e fevereiro de 2015. O presidente da comissão, Antonio Cezar Bornia, apresentou as propostas do grupo para intensificar as ações de segurança na UFSC, como o fechamento de portões após o horário de funcionamento da Universidade, a implantação das Rotas Seguras, investimentos em videomonitoramento e vigilância, além do diálogo da Administração Central com órgãos de segurança pública.

 “Uma das ideias é utilizarmos placas de sinalização para indicar à comunidade as rotas com mais câmeras, mais monitoramento, iluminação melhor e maior circulação de pessoas”, salienta Bornia, que destacou, ainda, a recente contratação de 102 porteiros, o que deverá liberar funcionários terceirizados da vigilância para intensificarem as rondas externas.

Algumas das propostas estudadas pela comissão já foram apresentadas em audiência pública em maio de 2014. Na ocasião, a Prefeitura Universitária (PU) solicitou à comunidade que informasse as áreas cuja iluminação carecia de manutenção, por meio do endereço Esta imagem contém um endereço de e-mail. É uma imagem de modo que spam não pode colher.. O projeto Monitore a Iluminação continua em vigor, e a PU segue pedindo a participação da comunidade. O prefeito universitário, Nailor Novaes Boianovsky, esclarece que a PU possui uma equipe de manutenção elétrica para o período noturno, que vem atuando principalmente na revitalização da iluminação externa dos Centros de Ensino e de áreas com maior circulação de pessoas, como os estacionamentos, as quadras poliesportivas e as paradas de ônibus. “Construímos novos postes e instalamos projetores, ou holofotes, nos postes novos e antigos, buscando intensificar a iluminação”, explica Boianovsky.

Normatização das atividades de segurança

O diretor do Departamento de Segurança Física e Patrimonial da UFSC (Deseg), Leandro Luiz Oliveira, apresentou a proposta de portaria normativa que deverá ser revisada por todos os membros da comissão até a próxima reunião, prevista para o dia 15 de abril. A proposta de normativa é uma reivindicação dos trabalhadores do Deseg de regulamentação da atividade de segurança da UFSC e foi avaliada pela Procuradoria Federal junto à Universidade. Após a análise da comissão, o documento deverá ser levado ao Conselho Universitário.

Oliveira falou, ainda, a respeito dos encaminhamentos do Seminário sobre Segurança nas Universidades Públicas, realizado pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), no qual os reitores e reitoras debateram problemas em comum a todas as universidades. “A ideia é encaminhar uma consulta ao Fórum de Procuradores-Chefe das universidades brasileiras com questionamentos a respeito da possibilidade de efetuar contratações de servidores para a segurança universitária, além da questão do porte de armas, a qual, até onde sabemos, demanda alteração na Lei 10.826/2003, o Estatuto do Desarmamento”, explicou o diretor do Deseg.

A comissão priorizou a análise da proposta de portaria normativa para a próxima reunião. A nova legislação, que dependerá da aprovação do Conselho Universitário, especifica a atuação dos agentes de segurança universitária, além de tratar de ações do grupo tático, do uso de equipamentos de segurança, entre outras atividades.