Área do associado

Área do associado

Clipagem do dia 8 de maio

8.5.2015

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO DIA 08 DE MAIO

 

COLUNISTA RAFAEL MARTINI – Diário Catarinense

RETRATO DA VIOLÊNCIA

Cesar Grubba, secretário de Estado da Segurança Pública, entra em contato com a coluna para contestar os números de assassinatos de mulheres repassados pela bancada feminina da Assembleia Legislativa, que fala em mais de 300 mortes em 2014. Os dados oficiais da SSP revelam 110 homicídios, sendo 52 de violência doméstica no ano passado no Estado. A bancada reafirma que as tabelas foram repassadas pela própria secretaria. Mas o fato é que, independentemente de ser 110 ou 300 mortes, o número de mortes ainda é alto. E isso não é só um caso de segurança pública, mas de cunho cultural. Em todas as cidades, das pequenas até as maiores, existem crimes contra a mulher.

 

ASSUNTO: Violência no Sul

VEÍCULO: Diário Catarinense

Tropas vão às ruas em Criciúma

Trabalho especial das forças de elite das polícias Civil e Militar de Santa Catarina iniciado ontem pretende reduzir índices de crimes na cidade, que vêm crescendo nos últimos dias com aumento de homicídios

Criciúma Segura é como a Secretaria de Segurança Pública (SSP) denominou a força-tarefa entre as polícias Militar e Civil desencadeada ontem na cidade do Sul do Estado como a principal arma na tentativa de diminuir a violência. O governo do Estado disse que não irá divulgar o número de policiais destacados de Florianópolis por motivo de sigilo a fim de garantir o sucesso da ação nem o tempo que ela vai durar. O trabalho começou efetivamente ontem à noite, com abordagens nos bairros da cidade.
Ao pontuar que esse tipo de ofensiva já aconteceu em outras cidades, como Chapecó, no Oeste, o secretário da SSP, César Grubba, assinalou que a mobilização costuma durar de 30 a 90 dias.
– A operação vai durar o tempo que for necessário para voltarmos à normalidade e trazermos a sensação de segurança de volta que Criciúma merece – declarou o secretário Grubba.
Pela manhã, a reportagem viu a chegada de pelo menos seis viaturas com equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) na sede do 9º Batalhão da PM. Ainda vão se juntar PMs do Choque e Batalhão Aéreo, além de policiais civis, que devem ser da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic).

Tráfico é o motivo da maioria das mortes
Em entrevista coletiva na sala do comando do batalhão, Grubba, os chefes estaduais das polícias Militar e Civil, comandantes e delegados locais atribuíram ao tráfico de drogas e à ação de adolescentes infratores o aumento da violência na cidade. Segundo a SSP, dos 22 homicídios este ano, 20 estão ligados ao tráfico.
Aconteceram outros dois latrocínios (roubos seguidos de morte) e por isso são 24 pessoas que foram mortas desde janeiro, entre elas a médica Mirella Maccarini Peruchi, assassinada a tiros quando chegava em casa. Os bairros Renascer, Ana Maria, Boa Vista, Paraíso e Pinheirinhos são os que devem receber ações das polícias pelos índices de criminalidade. Serão feitas barreiras e incursões em horários não divulgados.
Policiais do Batalhão de Operações Especiais da PM chegaram ontem à cidade e vão ficar por tempo indeterminado

Adolescente é suspeito de matar para facção
A Polícia Civil de Criciúma não descarta que o adolescente de 16 anos suspeito de 10 mortes em Santa Catarina, sendo seis delas nos últimos 30 dias na cidade, possa ter agido a mando de criminosos ligados à facção Primeiro Grupo Catarinense (PGC). O garoto foi apreendido no começo da semana e encaminhado ao Centro de Atendimento para Adolescentes de Tubarão.
Ao admitir dificuldades para identificá-lo e apreendê-lo, os policiais civis locais acreditam estar diante de um – apesar da idade precoce – matador de aluguel usado pelo tráfico de drogas.
– Ele disse que mata traficante, ladrões, estupradores e quem furtava drogas dele e de traficantes. Mas não descartamos que tenha agido a mando – investiga o delegado Ulisses Gabriel, da Divisão de Investigação Criminal (DIC).
O garoto é do bairro Monte Alegre, em Camboriú, região que historicamente enfrenta problemas graves de violência e com ação do PGC. Lá, a Polícia Civil apurou que ele cometeu quatro assassinatos e então foi encaminhado para um centro em Criciúma, onde ficou um tempo até sair.
Para agravar a situação dos adolescentes infratores em Criciúma, o Centro de Atendimento Socioeducativo Provisório (Casep) do Estado em que eles deveriam ficar apreendidos para cumprir medidas judiciais está interditado há oito meses pela Vigilância Sanitária. O espaço está em reformas e a promessa é que em no máximo 15 a 20 dias seja reaberto enquanto não iniciar a construção em outro terreno.
O DC esteve no local ontem. Havia móveis colocados do lado de fora, alguns velhos e em péssimo estado. Dentro, havia movimentação de funcionários. A reportagem não conseguiu contato com a direção do Departamento de Administração Socioeducativo (Dease).

 

ASSUNTO: Artigo

VEÍCULO: Diário Catarinense

Justiça e vingança social, por Margareth da Silva Hernandes, Advogada - São José

A justiça possui o objetivo precípuo da paz social. Assim, o ordenamento jurídico tenta contemplar todas as lesões em desfavor do cidadão. Quando olhamos a justiça hoje, percebemos que ela se encontra muito distante do ideal. Por mais esforços que se faça para realizar uma boa jurisdição, haverá sempre o elemento humano permeando essas decisões.
Não há dúvidas de que temos magistrados competentes e ilibados, mas que não podem evitar sua dimensão humana e falível. Todavia, nós cidadãos sempre estamos em busca da justiça que nos favoreça, ou melhor, não só desta justiça, mas de um governo que atenda aos nossos interesses particulares – nunca que favoreça o outro. Exemplo claro disso: proclama-se que a cidade está suja, mas muitos são os primeiros a jogar papéis no chão, outros estacionam em lugares proibidos, furam-se filas. São cobradas obras do governo, mas sonegam-se os impostos, entre tantos outros procedimentos equivocados.
Isso nos diz como o conceito de justiça é deturpado. Ora, a justiça que serve para nós deve ser a que serve para outros. É fácil atirar pedras, difícil é ter telhados, janelas e portas blindados. A blindagem é cara e depende de renúncias, demanda atitudes generosas e éticas que não conseguiríamos nesta vida, mesmo que nos propuséssemos a tal. Percebe-se que a sede de justiça tão propalada está ligada mais a uma vingança pelo modo como a ufanam do que à própria justiça no seu sentido mais amplo. Sim, quando exercitamos o “eu quero que ele pague” mas “sou sempre inocente”, nosso conceito de justiça se torna vingança social.
Façamos uma reflexão e uma revisão de nossos conceitos de justiça e democracia. Assim constataremos algumas deficiências no nosso exercício particular desses institutos e, então, avaliaremos com mais parcimônia aquilo que está posto. Certamente, seremos mais suaves e brandos, sabedores que parte também de nós a dinâmica do poder, o exemplo de cidadania, compreendendo assim a falibilidade do nosso reino hominal, e nos uniremos para construir sim, uma sociedade mais justa e igualitária, mais ética e moral. É fácil atirar pedras, difícil é ter telhados, janelas e portas blindados.

 

ASSUNTO: PMESP

VEÍCULO: Notícias do Dia

Policiais detidos por suspeita de chacina em SP

O DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) de São Paulo prendeu, na manhã de ontem, um policial militar e um ex-PM suspeitos de participação na chacina na sede da torcida corintiana Pavilhão Nove, na zona Oeste da capital paulista, que deixou oito mortos no mês passado. Os presos são o soldado Walter Pereira da Silva Junior, que atua em Carapicuíba, na Grande SP, e o ex-policial Rodney Dias dos Santos.

O alvo dos assassinos, segundo a apuração policial, era apenas o ex-presidente da torcida Fábio Domingos, 34, traficante de drogas na região da Ceagesp (central de abastecimento), na zona Oeste. Os investigadores ainda apuram outras duas pistas. A primeira é que ele teria perdido um carregamento de drogas ao ser preso – na ocasião, teria sido libertado após pagamento de propina. Outra hipótese é que ele tenha pegado dinheiro emprestado com um agiota e, assim, acumulado uma dívida.

Domingos foi um dos corintianos presos em 2013 em Oruro, na Bolívia, sob a acusação de lançar um sinalizador que matou o torcedor boliviano Kevin Douglas Beltrán Espada, 14, numa partida do Corinthians pela Libertadores.

 

ASSUNTO: Troca de Comando

VEÍCULO: Portal da PMSC

Polícia Militar realiza passagem de comando do Bope

Na manhã da última terça-feira (5), a Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC) realizou a passagem de comando do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), em São José.
Na solenidade o comandante substituído, tenente-coronel Marcelo Cardoso, passou o comando para o novo comandante, major André Luís Binder, em cerimônia prestigiada e presidida pelo comandante-geral da PMSC, coronel Paulo Henrique Hemm, e que contou com a presença do subcomandante-geral, coronel João Henrique Silva, e do chefe do Estado Maior-Geral, coronel João Ricardo Busi da Silva. O novo comandante, major Binder, já foi chefe do P3 (planejamento e operações) e subcomandante do Bope.
Como se encontra cravado no próprio nome, Batalhão de Operações Policiais Especiais, o que o define são as missões de operações especiais executadas pelo batalhão. Atualmente, as missões do Bope estão definidas de acordo com a doutrina vigente e as normas que regem a PMSC, pela atuação em ocorrências de alto e altíssimo risco, ocorrências extraordinárias e exóticas. Para o cumprimento de tais missões, homens de operações especiais são aqueles que apresentam elevado padrão técnico de conduta, em razão de seu treinamento e equipamentos.
Durante a solenidade, o tenente-coronel Cardoso foi agraciado com a Moeda do Bope e uma placa de reconhecimento. Por ocasião do 9º aniversário do Bope, no ano de 2014, o batalhão cunhou suas primeiras moedas de operações especiais.
Desde sua criação, em 05 de maio de 1835, a PMSC sempre teve uma atenção especial aos atos de passagem de comando, por acreditar que este ato simboliza mais que uma simples norma, pois perpetua no tempo seus conceitos e tradições, oportunizando expressar o reconhecimento ao oficial que deixa o comando, além de apresentar e desejar as boas-vindas ao oficial que assume sua nova missão.
O comandante-geral da Polícia Militar, no uso das atribuições, concedeu a Medalha do Mérito por Tempo de Serviço, categoria ouro, ao tenente-coronel Cardoso, pelos 30 anos de serviço dedicados à polícia militar e a Comenda Barriga Verde, destinada a homenagear e galardoar oficiais e praças da Polícia Militar em razão de excepcionais serviços prestados.
Tradicionalmente as unidades da PMSC, como forma de valorizar os comandantes que passam a fazer parte da história das respectivas unidades, costumam manter uma galeria de fotos de seus ex-comandantes, assim sendo, na solenidade aconteceu o ato de descerramento do retrato do comandante substituído, para fazer parte da referida galeria.
O Comando Geral da Polícia Militar agradeceu as autoridades, policiais militares, familiares, convidados e imprensa que, com suas presenças, proporcionaram a este evento indelével e solene significado.

 

ASSUNTO: 180 anos da PMSC

VEÍCULO: Portal da PMSC

Homenagens e promoções na comemoração dos 180 anos da PMSC

Uma grandiosa solenidade realizada na noite de terça-feira, 5, no Centro de Ensino da PM, marcou o aniversário de 180 anos da Policia Militar de Santa Catarina. O evento foi prestigiado pelo governador João Raimundo Colombo, o secretário de Segurança Pública (SSP), César Augusto Grubba, o comandante-geral da PM, coronel Paulo Henrique Hemm, entre outras autoridades civis e militares, policiais militares e familiares.

A solenidade militar contou com diversos atos de homenagens. Teve a entrega do título honorífico e medalha “Amigo da Polícia Militar de Santa Catarina”, que agraciou a juíza de direito da 1ª Vara Criminal de Joinville, Karen Francis Schubert Reimer, o vereador de Canoinhas Renato Jardel Gustinski, o diretor administrativo e financeiro da SSP, Carlos Augusto Thives de Carvalho, e o jornalista Roberto Azevedo, em razão de serviços prestados que contribuíram para o engrandecimento moral ou material da PMSC.

A "Medalha do Mérito Policial Militar - Coronel Lopes Vieira" foi entregue ao promotor de justiça Raul Rogério Rabelo, e também a 31 policiais militares que se distinguiram por ato ou trabalho excepcional em prol da corporação ou da coletividade.

Já a "Comenda Barriga Verde da Polícia Militar", destinada a homenagear pessoas físicas e jurídicas civis, personalidades e órgãos públicos nacionais ou estrangeiros, militares estaduais e das Forças Armadas, que tenham contribuído para o engrandecimento da PMSC, foi entregue para as seguintes autoridades: Getúlio Corrêa, desembargador do Tribunal de Justiça de Santa Catarina; Edmundo José de Bastos Júnior, juiz auditor aposentado e historiador;

Coronel João Ricardo Busi da Silva, chefe do Estado Maior-Geral da PM;

Coronel Reinaldo Boldori, comandante da 3ª Região de Polícia Militar;

Coronel Flamariom Santos Schieffelbein, diretor de pessoal da PM; e

Coronel Carlos Eduardo Orthmann, corregedor geral da PM.

Outro importante ato da solenidade foi a promoção de policiais militares, sendo 39 oficiais e 486 praças no estado. No quadro de praças, foram promovidos 29 subtenentes, 101 1º sargentos, 74 3º sargentos e 282 cabos. Ainda foi promovido a cabo por ato de bravura, o soldado Anderson Félix Israel Mendonça.

No quadro de oficiais, o destaque foi a promoção de dois tenentes-coronéis ao último posto da carreira policial militar. Foram promovidos o coronel Rogério Marques e o coronel Sérgio Luís Sell.

“A PM é uma instituição que orgulha os catarinenses e vem ao longo desses anos servindo a sociedade e construindo uma história gloriosa de honra e princípios. Comemorar e reconhecer isso é um momento de glória para todos nós. E a promoção desses policiais é muito importante tanto para a corporação quanto para a vida profissional e pessoal de cada um deles”, disse Colombo.

Para o comandante-geral da PM, coronel Paulo Henrique, a PMSC vive um momento especial, pois completa 180 anos buscando, a cada dia, melhorar ainda mais em termos de resultados, e hoje comemora a data com policiais que construíram uma história e se empenham dia a dia em prol da sociedade catarinense. “Queremos agradecer aos catarinenses que abraçam a nossa instituição e, com isso, queremos retribuir em proteção para as pessoas”, destacou o comandante-geral.

Completando a noite de comemoração, o secretário Grubba entregou ao governador os projetos da Lei de Organização Básica (LOB), da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar, para encaminhamentos.

A lei tem o objetivo de definir a estrutura organizacional da instituição, estabelecendo e disciplinando áreas de competência, organograma, articulação territorial e princípios gerais de governança, com consolidação de sua organização política, jurídica e administrativa. “A ideia é corrigir um lapso temporal de 32 anos, visto que a atual lei de organização básica na corporação é de 1983. Já no Corpo de Bombeiros Militar, trata-se da primeira lei com finalidade principal de absorver todo o processo de evolução dos últimos anos, em cumprimento à Emenda Constitucional de sua emancipação política e administrativa”, explicou Grubba.

A festa de 180 anos da PMSC foi encerrada com desfile da tropa e queima de fogos em homenagens a todos policiais militares que escrevem a história da corporação, e dia a dia estão patrulhando as ruas do estado para cumprir a missão de servir e proteger cada cidadão.

 

ASSUNTO: LOB

VEÍCULO: Portal da SSP SC

Novo projeto da Lei de Organização Básica e promoções marcam aniversário de 180 anos da PM

PDF

Imprimir

E-mail

 

O governador Raimundo Colombo participou na noite desta terça-feira, 5, no Centro de Ensino da PM, em Florianópolis, da solenidade de aniversário dos 180 anos da Polícia Militar de Santa Catarina e da promoção de 39 oficiais e 486 praças. As programações em homenagem pelo aniversário da Polícia Militar de Santa Catarina seguem durante todo o mês. 

Na oportunidade, o secretário da Segurança Pública, César Augusto Grubba entregou ao governador os projetos da Lei de Organização Básica (LOB), da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar, para encaminhamentos.

“A PM é uma instituição que orgulha os catarinenses e vem ao longo desses anos servir a sociedade e construir uma história gloriosa de honra e princípios. Comemorar e reconhecer isso é um momento de glória para todos nós. E a promoção desses policiais é muito importante tanto para a corporação quanto para a vida profissional e pessoal de cada um deles”, disse Colombo.

No quadro de praças policiais militares receberam a promoção 29 subtenentes, 101 1º sargentos, 74 3º sargentos e 282 cabos. Além de 39 oficiais aos postos de tenente-coronel, major e coronel. Todos pertencem a diferentes regiões do Estado.

“É um momento especial fazer 180 anos em prol da sociedade catarinense buscando, a cada dia, melhorar ainda mais em termos de resultados e hoje poder estar aqui com policiais que construíram uma história. Queremos agradecer aos catarinenses que abraçam a nossa instituição e, com isso, queremos retribuir em proteção das pessoas”, destacou o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Paulo Henrique Hemm.

A Lei de Organização Básica (LOB) tem o objetivo de definir a estrutura organizacional da instituição, estabelecendo e disciplinando áreas de competência, organograma, articulação territorial e princípios gerais de governança, com consolidação de sua organização política, jurídica e administrativa. As novas legislações são resultado de estudos realizados nos últimos anos, com participação dos comandos, dos Estados-Maiores e da Secretaria de Estado de Segurança Pública.

“A ideia é corrigir um lapso temporal de 32 anos, visto que a atual lei de organização básica na corporação é de 1983. Já no Corpo de Bombeiros Militar, trata-se da primeira lei com finalidade principal de absorver todo o processo de evolução dos últimos anos, em cumprimento à Emenda Constitucional de sua emancipação política e administrativa”, explicou Grubba.