Área do associado

Área do associado

Clipagem dos dias 6 e 7 de abril

7.4.2014

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DE 06.04.2014

 

COLUNISTA RAFAEL MARTINI – Diário Catarinense

O cara

A atuação do delegado Paulo César Barcellos Cassiano Júnior no caso da UFSC foi celebrada pelos colegas durante o VI Congresso dos Delegados de Polícia Federal na última semana, em Vitória (ES). Muitos fizeram questão de parabenizá-lo pessoalmente.

Alô, candidatos

Cresce na Polícia Civil a expectativa da adoção de eleição interna para a composição de lista tríplice à escolha do próximo delegado-geral. A definição final seguiria a cargo do governador do Estado.

 

COLUNISTA CACAU MENEZES – Diário Catarinense

Moeda Verde

Maior ação da Polícia Federal já realizada em Florianópolis, a Operação Moeda Verde promete novos e inesperados desdobramentos ainda no primeiro semestre de 2014. Deflagrada em maio de 2007, a operação levou à carceragem da PF 22 pessoas, entre empresários e políticos, resultou na cassação de dois vereadores – pela primeira vez na história da Câmara –, e escancarou uma briga de bastidores entre o Ministério Público Federal e a Justiça Federal. Agora, depois de ir ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), por conta do indiciamento do então prefeito Dário Berger, e ao TRF-1, por causa da eleição do empresário Carlos Amastha (um dos denunciantes) à prefeitura de Palmas (TO), o caso foi desmembrado em Brasília.

Desde o mês passado, o inquérito da PF está de volta ao Ministério Público Federal de Florianópolis. Os procuradores da República que atuam no caso estão debruçados na elaboração da denúncia, última fase antes do julgamento dos acusados. Entendidos garantem que o desfecho é para logo, resta saber quem será ou deixará de ser denunciado.

 

COLUNISTA MOACIR PEREIRA – Diário Catarinense

Ameaças

O cenário é tão delicado no sistema penitenciário estadual que, no desespero, presos chegaram a ameaçar partir para atos de violência. Circularam informações de que planejariam matar outros detentos para chamar a atenção do Brasil se a situação se estendesse.

Prisões

É gravíssima a situação do sistema prisional de Santa Catarina com o greve dos agentes penitenciários, que deram uma trégua de 48 horas neste final de semana. Os presos ficaram três semanas sem sair para o pátio, sem visitas de familiares e sem contato com advogados. Até o Ministério da Justiça e Conselho Nacional de Justiça manifestaram apreensão com o que ocorre em Santa Catarina.

 

ASSUNTO: Arma em escola

VEÍCULO: Diário Catarinense

PERIGO NA AULA: Jovens levam arma para escola

A comunidade da Escola Básica Alcuíno Gonçalo Vieira, no bairro Tabuleiro, em Camboriú, Litoral norte de SC, foi pega de surpresa com a apreensão de dois adolescentes que levaram uma arma para a instituição.
A Polícia Militar apreendeu um revólver calibre 38 na mochila de um adolescente de 15 anos na sexta-feira. No entanto, outro jovem, de 16 anos, assumiu que a arma era dele. Segundo a PM, os dois teriam levado o revólver à escola pois estariam sendo ameaçados por colegas. A diretora Cintia Regina Mendes diz que só soube do fato quando a viatura chegou.
– Esses adolescentes se envolveram numa discussão por causa de uma namorada no início da semana, mas nós conversamos com eles e achávamos que estava tudo resolvido até que os policiais chegaram. Eles foram até a turma, questionaram se tinha algo errado e os dois se entregaram – conta.
Os dois jovens, que não possuem passagens pela polícia, foram encaminhados à delegacia para prestar esclarecimentos sobre o caso. Conforme o delegado responsável pelo caso, Rodrigo Coronha, em depoimento, o jovem de 16 anos disse que teria adquirido a arma no bairro Vila Real, em Balneário Camboriú, por R$ 1 mil.
A polícia agora investigará quem é o proprietário da arma por meio da numeração do revólver.

 

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DE 07.04.2014

 

COLUNISTA SÉRGIO DA COSTA RAMOS – Diário Catarinense

Falta Estado

É inadmissível que o poder coercitivo do Estado não controle um presídio, seja de segurança máxima ou mínima, com bloqueadores de celular. Empresas privadas conseguem monitorar os lares dos cidadãos honestos para rastrear novos “pontos de TV a cabo”, por exemplo. Mas as telefônicas não conseguem bloquear o sinal de celulares em presídios que interagem com o exterior no comando do crime.
Nos países onde a prestação de serviço público mediante concessão é coisa séria, bloqueadores estão incluídos nos conteúdos contratuais. Não há concessão sem o bloqueio a presídios. E a interdição funciona só no perímetro da prisão. Aqui, não é incomum o cidadão honesto da vizinhança ser castigado com o bloqueio indevido.

 

COLUNISTA RAFAEL MARTINI – Diário Catarinense

Plano B

O governo do Estado já trabalha com a perspectiva de pedir novamente o reforço da Força Nacional para ajudar a conter a onda de rebeliões no sistema prisional e também os ataques a ônibus. Esta semana será decisiva para bater o martelo.

 

COLUNISTA CARLOS DAMIÃO – Notícias do Dia

Antes que o caos se generalize

A insegurança gerada em Santa Catarina pela greve dos agentes prisionais exige uma intervenção firme e definitiva do Estado. Não é possível que voltemos a ficar à mercê de atentados criminosos – cinco ônibus incendiados em apenas 24 horas no fim de semana – ou de atitudes radicais e injustificáveis, como o bloqueio da rua Lauro Linhares, em Florianópolis, por familiares de presos. Tanto a destruição de coletivos quanto a interrupção de uma via pública configuram graves agressões à cidadania que paga vultosos impostos e espera do Estado, no mínimo, o retorno em saúde, educação e segurança pública. Todo esse clima, causado pela paralisação dos funcionários públicos, não pode mais perdurar. As determinações impostas pela Justiça ao Sintespe, o sindicato dos servidores estaduais, precisam ser acatadas de forma definitiva, sob pena de a entidade perder completamente o respeito da sociedade e da massa de trabalhadores do serviço público catarinense que pretende representar. Cabe ao governo, de sua parte, resolver de vez essa pendência com os grevistas, antes que o caos se generalize em Santa Catarina, mais uma vez.

 

COLUNISTA PAULO ALCEU – Notícias do Dia

Greve

Meu Deus…ninguém esta tirando o direito de greve, sagrada e legal. Instrumento do trabalhador na busca de conquistas. Mas no momento em que a Justica, que interpreta as leis e as aplica, avalia que um determinado movimento é ilegal, passa a ter outro tratamento. Existem greves que a Justica não interfere. São legais e legítimas. Outras são julgadas ilegais, por mais legítimas que sejam. Nada contra uma categoria que merece e deve ser atendida. Sei que o governo está em dívida e não cumpriu alguns itens do que foi acordado ano passado com os agentes prisionais, embora o principal esteja sendo atendido, que é o reajuste salarial. Com a terceira etapa de cinco sendo paga mês que vem. Mas a greve é ilegal perante as leis podendo provocar responsabilidades criminais, atingindo toda uma categoria. É isso, pelo amor de Deus, não se permita ser massa de manobra de sindicatos de discurso manipulador e difuso. Mas se é mais conveniente achar que estou defendendo o governo por apontar a ilegalidade de uma paralisação, com base em uma decisão judicial, vá em frente caro agente prisional, pois lamento que não saiba o alcance de um descumprimento judicial.

 

ASSUNTO: NOVOS ATENTADOS

VEÍCULO: Diário Catarinense

Segurança acende o alerta

Ônibus queimados no fim de semana causam preocupação sobre uma nova onda de crimes vinda de dentro dos presídios

Os cinco atentados a ônibus no fim de semana e as rebeliões em cadeias e presídios nos últimos dias chamam atenção para uma nova ação do crime organizado em Santa Catarina.
Um ano e dois meses depois de transferir líderes para prisões federais, requisitar a vinda da Força Nacional de Segurança e deflagrar uma megaoperação contra o Primeiro Grupo Catarinense (PGC), neste momento, as autoridades de segurança são cautelosas ao determinar qual seria a causa da nova onda de violência nas ruas e dentro das cadeias.
Mesmo afirmando não ter a informação concreta dos setores de inteligência que associe os fatos a ordens do crime organizado, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) determinou o alerta nas unidades das polícias Civil e Militar. A situação difere dos episódios do passado, quando interceptações e informantes detectaram o “salve-geral” (ordem para delitos em sequência) deflagrado pela facção.
O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Nazareno Marcineiro, anunciou o estado de alerta e determinou que cada comando local tome medidas estratégicas para evitar novos ataques. Mesmo assim, a corporação trata os casos ocorridos no fim de semana, como vandalismo. Para a Polícia Civil, no entanto, não se descarta a possibilidade de que os incêndios tenham sido orquestrados pelo crime organizado:
– A mobilização prevê 24 horas de monitoramento pela Deic. A ação está sendo compartilhada em todo Estado – explicou o delegado-geral da Polícia Civil, Aldo Pinheiro D’Ávila.
Segundo o Secretário de Justiça e Cidadania, Sady Beck Junior, caso a paralisação não se encerre, medidas serão tomadas pela segurança nas cadeias. Entre as noites de sexta-feira e de sábado, cinco ônibus foram incendiados em ataques semelhantes aos ocorridos ano passado. Um princípio de rebelião e duas tentativas de fuga ocorreram ontem no Presídio Regional de Araranguá, no Sul de SC. O tumulto começou depois que dois presos tentaram fugir durante o horário de visitas, fazendo com que familiares tivessem que deixar o prédio.
 

As mazelas do sistema prisional

SEM NOVAS CADEIAS

O governo não consegue construir novas prisões, mesmo com recursos garantidos com o governo federal. Há dois casos emblemáticos: a penitenciária de Imaruí, no Sul, e a Central de Triagem da Grande Florianópolis. Em Imaruí havia desde 2012 a quantia de R$ 57 milhões em recursos para construção da cadeia com 1,3 mil vagas. A prefeitura a rejeita e não libera o alvará. Desde então, há uma batalha judicial entre Estado e município. Nos últimos tempos, a situação incomodou tanto o governador Raimundo Colombo que assessores afirmam que ele desistiu de construir em Imaruí. Na Grande Florianópolis, prefeitos também recusam a unidade prevista para receber presos em flagrante na região. O espaço substituiria o problemático Cadeião do Estreito, uma unidade que fica em área residencial e poderia abrigar 80 detentos, mas que chegou a ter 200. O governo deseja construir em São José, onde diz ter área, mas até agora a prefeita Adeliana Dal Pont não liberou o alvará de construção.

SUPERLOTAÇÃO

Celas superlotadas, com estrutura antiga, sem condições de higiene. No sistema prisional catarinense há 17.862 presos (incluindo o regime aberto, que tem 1,7 mil) para um total de 11.132 vagas. O déficit é de cerca de 5 mil vagas. Há situações críticas, como o Complexo da Agronômica, em Florianópolis, e o Presídio de Blumenau. O maior déficit, de 1,3 mil vagas, está no Oeste. Em seguida vem o Vale do Itajaí (1.088) e o Sul (1.036).

FALTA DE AGENTES

Os servidores relatam tensão em cada turno pela falta de agentes. São 1,6 mil profissionais. No presídio de Blumenau, durante a semana, cinco plantonistas cuidavam de 920 detentos, ou seja, um agente para quase 200 presos. Além do ambiente de risco, isso piora o quadro de saúde do servidor, que tem de administrar a rotina de trabalho ao lado dos funcionários terceirizados. Estes, segundo os de carreira, não possuem o treinamento ideal.

CRIME ORGANIZADO

As ações das maiores quadrilhas do crime organizado que agem no Estado partem de dentro das prisões. A mais temida delas, o PGC, foi enfraquecida após as duas ondas de atentados, com 40 líderes transferidos para presídios federais. Mas alguns deles estão retornando aos poucos para SC. Após os atentados de 2013, Raimundo Colombo prometeu construir uma unidade com Regime Disciplinar Diferenciado no Estado, onde ficariam os criminosos mais perigosos integrantes de facções. Mas a medida não saiu do papel. Nas ruas, ainda há outros envolvidos que continuam planejando delitos a mando de facções. O crime organizado também costuma aflorar nas ruas quando há problemas nas cadeias, como violência contra detentos ou falta de direitos básicos, como as visitas suspensas desde o começo da greve dos agentes, há três semanas.

 

ASSUNTO: Sistema prisional

VEÍCULO: Diário Catarinense

Reunião trata o fim da greve

Suspensa desde sexta-feira, a greve dos agentes prisionais no Estado pode terminar definitivamente hoje. Às 10h, o governo se reúne com a categoria para discutir uma nova proposta. Pela primeira vez, o diretor do Departamento Estadual de Administração Prisional (Deap), Leandro Lima, deve estar presente na mesa de negociação.

Os agentes têm uma assembleia hoje às 14h, na qual devem deliberar se voltam em definitivo ao trabalho. Em Florianópolis, os familiares de detentos afirmaram que não irão fechar hoje a rua Delminda Silveira, em frente ao Complexo Penitenciário da Agronômica. Uma das líderes do grupo, Juliete da Silva Castro disse que isso só ocorrerá se não houver acordo entre agentes e governo.

Falta de vagas aguarda solução

O déficit de vagas no sistema penitenciário do Estado reflete diretamente a atual situação das cadeias de Santa Catarina: superlotadas, parte delas em condições insalubres e origens de facções criminosas.
Segundo dados do Departamento Estadual de Administração Prisional (Deap), atualmente faltam 4.990 vagas para solucionar a superlotação nas unidades. Ou seja, mesmo que sejam construídas até o fim do ano que vem, os 4.220 lugares projetados pelo governo estadual (veja no mapa) não serão suficientes para acabar com o déficit no sistema prisional catarinense.
O maior problema, de acordo com os números de fevereiro deste ano, está no Oeste de SC, onde faltam 1.340 vagas. A Grande Florianópolis – que não tem contabilizado no levantamento o fechamento de 80 espaços da Central de Triagem do Estreito, na Capital –, carece de 604 lugares. Para solucionar o problema do Oeste, o governo projeta até o fim de 2015 a construção da segunda unidade da penitenciária de Chapecó, com 600 vagas.
Por outro lado, o Estado esbarra na negociação com municípios para construir novos presídios. Na Grande Florianópolis, por exemplo, estão programadas 404 vagas do local que substituirá a Central de Triagem. O problema é que a prefeitura de São José, cidade escolhida para receber o prédio, não concede alvará para a obra. O mesmo ocorre em Imaruí, no Sul, onde seriam criados 1,3 mil lugares em uma nova penitenciária.
Para sanar o problema, o Deap aposta em outra frente, que não prevê somente a construção de estruturas. O tratamento diferente a crimes de menor potencial ofensivo, como tentativa de furto, é um exemplo disso.
– Precisamos de mais medidas cautelares, penas e medidas alternativas pra evitar o ingresso nas unidades – avalia o diretor do Deap, Leandro Lima.
Na opinião da coordenadora dos defensores públicos de Florianópolis, Fernanda Rudolfo, o sistema prisional precisa repensar a forma como se trata a instalação de prisões em SC.
– Ou Estado muda essa mentalidade, ou investe em estabelecimentos prisionais. Uma opinião bem pessoal é de que deveriam ser construídos vários e pequenos estabelecimentos.

 

Novos ataques

A superlotação dos presídios associada à tensão gerada pela falta de acordo entre agentes e o governo pode ter gerado os atentados nos últimos dias em SC

SEXTA-FEIRA, 18H30MIN

– O primeiro ataque ocorreu em Criciúma. O ônibus tinha 15 pessoas a bordo e ninguém saiu ferido. Um grupo de homens com rostos cobertos por camisetas forçou o motorista a parar e ateou fogo com gasolina

SEXTA-FEIRA, 19H

– O fogo destruiu um ônibus no bairro Monte Cristo, em Florianópolis. Um homem armado e usando uma máscara cirúrgica teria entrado no ônibus e dito para as pessoas descerem. Depois, incendiou o veículo

SEXTA-FEIRA, 20H

– O segundo ocorreu no bairro Vila Manaus, em Criciúma. Havia 20 pessoas no veículo e não houve feridos

SÁBADO, 0H10MIN

– O terceiro ônibus foi incendiado em Criciúma no bairro São Sebastião. O fogo teria sido ateado por pessoas que estavam em uma moto

SÁBADO, 19H30MIN

– Um ônibus foi incendiado em Joinville. Cerca de 40 pessoas estavam no veículo. Três homens colocaram fogo

 

 

Contraponto

O diretor do Departamento Estadual de Administração Prisional, Leandro Lima, creditou a dificuldade na construção de penitenciárias e outras unidades à imposição dos municípios em conceder alvará para construção das cadeias.

– Não há dificuldade da nossa parte. Temos recursos do Pacto Por Santa Catarina e os projetos. Mas temos dificuldade com os municípios – argumentou.

Para acabar com a superlotação, o diretor acredita que não será somente com a abertura de vagas no sistema que haverá solução ao problema:

– Não se vai solucionar a superpopulação carcerária somente com abertura de vagas no sistema prisional. Já abrimos 2.726 vagas e vamos abrir mais 3.362. São editais que vão abrir quase 2 mil vagas ainda neste semestre. Temos que trabalhar a questão do crime de uma outra ótica. A entrada do preso precisa ser discutida, precisamos aumentar o uso de medidas cautelares – destacou.

 

ASSUNTO: Assalto em Rancho Queimado

VEÍCULO: Diário Catarinense

NOITE DE HORROR: Bandidos fazem arrastão em hotel

Grupo armado invadiu estabelecimento na Grande Florianópolis e levou pertences dos hóspedes e do local na noite de sábado

A cidade de Rancho Queimado, na Grande Florianópolis, passou por momentos de tensão na noite de sábado. Entre oito a 10 homens, alguns armados, assaltaram um hotel fazenda do município. Cerca de 30 pessoas estavam no local quando aconteceu a ação.
O crime ocorreu por volta de 20h30min, quando os hóspedes jantavam no Hotel Fazenda Águas Claras. Os homens renderam os funcionários e os hóspedes do hotel e anunciaram o roubo. Eles ficaram cerca de duas horas no estabelecimento, fizeram um arrastão nos quartos e roubaram todos os pertences dos hóspedes – como dinheiro, cartões de crédito, eletrônicos, documentos e joias – e do proprietário, além de arrombarem o cofre do hotel.
De acordo com um dos hóspedes, que não quis se identificar, oito crianças estavam no hotel na hora do crime. Três homens, armados com fuzis, revólveres e facões, pediram para que todos deitassem no chão e não olhassem para cima. As pessoas foram revistadas e os homens procuraram por armas, celulares e pelas chaves dos quartos.
Os bandidos aparentemente tinham entre 20 e 45 anos. O hóspede afirma que o mais velho, que vigiou o salão enquanto os outros entravam nos quartos, contou que o crime se tratava de acerto de contas com o dono do hotel. Procurado pelo DC, o proprietário preferiu não se manifestar.
– Eles foram pacientes com o choro das crianças. Graças a Deus não machucaram ninguém. Mas foram duas horas e meia de terror – comentou o hópede.
Segundo ele, apenas um funcionário do hotel foi vítima de coronhada, porque reagiu ao assalto. Os assaltantes fugiram em três carros, do proprietário do hotel e de hóspedes, que foram abandonados em seguida, perto da região. Até o fechamento desta edição, a polícia não havia localizado os assaltantes nem tinha pistas de quem poderiam ser os supeitos.

 

ASSUNTO: Assalto em Penha

VEÍCULO: Diário Catarinense

TENTATIVA FRUSTRADA: Nova explosão à caixa de banco em SC

A agência do Banco do Brasil no Centro de Penha, Centro-Oeste de SC, foi alvo de criminosos de novo ontem. Dinamites foram armadas em dois dos caixas eletrônicos do local, mas apenas as de um detonaram. Os suspeitos fugiram antes da chegada da polícia.
A ação foi percebida por um morador por volta das 5h. Ele comunicou à polícia que havia pessoas dentro da agência, mas quando os policiais chegaram eles já haviam fugido. A dinamite instalada em um dos caixas explodiu e danificou o equipamento, no entanto as cédulas não foram liberadas.
O restante do explosivo estava em outro equipamento e permaneceu intacto. O Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar foi acionado, removeu o explosivo e fez a detonação em um local seguro.
Em fevereiro, a agência central já havia sido alvo de caixeiros e no ano passado criminosos armaram explosivos nos caixas do local por pelo menos duas vezes. Em uma das ocorrências, o Bope retirou um quilo de dinamite dos três caixas. Os casos ainda estão sendo investigados.

 

ASSUNTO: Exército no RJ

VEÍCULO: Diário Catarinense

Complexo ainda abriga traficantes

Alvo de uma operação de segurança que ontem completou uma semana, o complexo de favelas da Maré, na zona norte do Rio de Janeiro, ainda abriga traficantes. A informação é do comandante da Força de Pacificação, general de brigada Roberto Escoto. Desde sábado, 1,7 mil agentes estão envolvidos na ação (2,5 mil militares e 200 policiais civis).
Segundo ele, os criminosos que permanecem na Maré estão sendo procurados tanto pelos militares que fazem policiamento ostensivo nas 15 favelas do complexo como por agentes do setor de inteligência, que têm monitorado suspeitos.
O primeiro episódio de violência entre facções rivais após a ocupação dos militares aconteceu sábado. Claudio de Brum dos Reis, 22 anos, foi espancado e jogado em uma vala. Acionados por moradores, os militares chamaram uma ambulância para prestar socorro ao rapaz. Nesse momento, integrantes de facções rivais se reuniram e houve uma tentativa de confronto, segundo o Exército.
Para evitar a briga e dispersar a confusão, os militares dispararam tiros para o alto e usaram gás de pimenta. Ninguém foi preso.
O comandante afirmou que as diferentes facções e as milícias existentes no local tornam o trabalho diferenciado das outras operações de paz que o Exército já comandou.
– Aqui são três: as duas ligadas à exploração do tráfico de drogas em si e a milícia. Nossa missão é proteger a população e suprimir a liberdade com que essas facções exercem suas atividades criminosas – disse.

 

ASSUNTO: CFO 2014

VEÍCULO: Portal da PMSC

Comandante-geral ministra aula inaugural do CFO 2014

Na manhã da última terça-feira (1º), o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Nazareno Marcineiro, esteve no Centro de Ensino da Polícia Militar (CEPM), em Florianópolis, onde ministrou a aula inaugural do Curso de Formação de Oficiais (CFO) 2014-1. O evento contou também com a presença do diretor de Instrução e Ensino (DIE), coronel José Aroldo Schlichting, do comandante da Academia de Polícia Militar da Trindade (AMPT), tenente-coronel Marcos Vieira, além dos 20 novos cadetes que estarão cursando o bacharelado em Ciências Policiais, titulação abarcada ao final do Curso de Formação de Oficiais.

O comandante-geral da PMSC enalteceu o papel que os futuros policiais militares exercerão frente às atividades da caserna bem como o comprometimento que deverão incorporar para com a sociedade. Reafirmou também que o Bacharelado em Ciências Policiais visa no decorrer dos dois anos desenvolver no futuro oficial da PM a capacidade de estimular a pesquisa científica, a identificação de novos horizontes e perspectivas da atuação policial militar dentro de uma filosofia de proximidade, proatividade, de pronta resposta, ações sobre a causa e parcerias.

Ao final da aula, coronel Nazareno foi formalmente agraciado pelo diretor de Instrução e Ensino (DIE), coronel José Aroldo Schlichting, e pelo comandante da Academia de Polícia Militar da Trindade (AMPT), tenente-coronel Marcos Vieira.

 

ASSUNTO: Farra-do-boi

VEÍCULO: Portal da PMSC

BPMA desenvolve ações de educação ambiental para mitigação da farra do boi

Entre os dias 18 de março e 04 de abril, estão sendo ministradas palestras sobre a prática da “Farra do Boi” nas escolas da rede municipal e estadual de ensino (para alunos do 6º ano – 11 anos), nos municípios que tiveram maior número de ocorrências registradas da Farra do Boi em 2013 pela PMSC.
Esta ação de educação ambiental, desenvolvida pelo Batalhão de Polícia Militar Ambiental, conta com o auxílio dos monitores do Programa Protetor Ambiental, adolescentes formados em 2013 nos municípios de Florianópolis e Governador Celso Ramos.

Durante os encontros com os alunos, os monitores falam sobre a preservação do meio ambiente, o cuidado com os animais e a importância de cada um fazer a sua parte para a preservação da vida. Também repassam um vídeo, especialmente desenvolvido para mostrar a problemática da Farra do Boi.

Durante as palestras está sendo divulgado o Concurso de Redação sobre o tema da Farra do Boi. A seleção das redações será até 09 de abril, sendo que a premiação das melhores redações está prevista para o dia 14 de abril, às 14h, no Comando Geral da Polícia Militar, em Florianópolis.

As palestras e o concurso ocorrerão nos municípios de Biguaçu, Bombinhas, Florianópolis, Governador Celso Ramos e Itapema.

O Ministério Público de Santa Catarina apoia e participa diretamente desta ação de educação ambiental, realizando a correção e seleção das melhores redações para a premiação.

VÍDEO NO LINK: http://www.pm.sc.gov.br/noticias/bpma-inicia-acoes-de-educacao-ambiental-para-mitigacao-da-farra-do-boi-.html

 

ASSUNTO: Novo Quartel CBM

VEÍCULO: Portal do CBMSC

AVANÇAM TRATATIVAS PARA CONSTRUÇÃO DE QUARTEL EM ITÁ

     

 

 

O comandante do 6º Batalhão de Bombeiros Militar, Tenente-Coronel BM Júlio César da Silva, e representantes BM da região reuniram-se na quinta-feira (03/04) com a prefeita de Itá, Leide Mara Bender, e secretários municipais para tratar do projeto de implantação do quartel Bombeiro Militar no município da região Oeste.

As tratativas seguem o ritmo adequado, com o comprometimento do Poder Público municipal e da Corporação para a viabilização da unidade operacional e o início da prestação dos serviços de bombeiros à comunidade.

Na reunião de quinta-feira, na qual participaram ainda os Secretários Municipais de Administração e Turismo e Desenvolvimento Econômico, Jair Moschetta e Andriano Stadtlober, respectivamente, foram apresentadas pela prefeitura duas áreas que podem ser cedidas pelo município à Corporação para a construção do quartel.

Após o encontro na prefeitura, os participantes seguiram para uma visita in loco aos terrenos. Um deles localiza-se no acesso à cidade, junto ao quartel da Polícia Militar. A outra área disponibilizada, que acabou escolhida, fica próximo à praia do lago de Itá.

“Temos preferência pelo terreno próximo ao lago, onde teremos a oportunidade de instalar uma marina para acesso rápido de embarcações em situações de emergência, melhores condições de oferecer atividades preventivas aos usuários do lago e condições para treinamentos específicos na área de salvamento”, explicou o Tenente-Coronel BM Júlio. A partir da definição do terreno, a prefeitura agora prosseguirá com os procedimentos para a cessão da área ao Estado.

A partir de agora, o 6ºBBM segue com os estudos e desenvolvimento do projeto do novo quartel, que deverá ser construído em três níveis (entre a rodovia de acesso e o lago de Itá). A previsão é ativar o quartel de Itá em 2015.

 

ASSUNTO: Concurso no IGP

VEÍCULO: Portal da SSPSC

SSP autoriza realização de concurso público para o Instituto Geral de Perícias

 

 

 

 

Uma boa notícia para o Instituto Geral de Perícias foi dada pelo Secretário Cesar Grubba durante reunião na tarde desta quinta-feira: a realização de concurso público para contratação de auxiliares criminalísticos e laboratoriais para serem incorporados à instituição. Serão oferecidas 150 vagas, sendo 147 de auxiliares criminalísticos e 3 de auxiliares laboratoriais.

Os cargos de auxiliares criminalísticos serão divididos entre os institutos de criminalística (com 16 vagas) e de identificação, (131 vagas). De acordo com o Secretário da Segurança Pública, Cesar Augusto Grubba, as vagas serão distribuídas de acordo com a necessidade, em todos os núcleos de perícia do estado. Com exceção aos auxiliares laboratoriais, que atuarão na Capital.