Área do associado

Área do associado

Clipagem do dia 7 de maio

7.5.2014

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DE 7 DE MAIO

 

COLUNISTA CACAU MENEZES – Diário Catarinense

Abuso de liberdade

O episódio envolvendo a morte por linchamento de uma mulher em São Paulo, depois de ser acusada em uma rede social de sequestrar e matar crianças para rituais de magia negra, acusação que se mostrou absolutamente falsa, trouxe novamente à tona o debate sobre o controle e punição de casos de violência e intolerância na rede mundial de computadores. O advogado e professor Guilherme Coutinho lembra que o recém-aprovado Marco Civil da Internet definiu, como regra geral, a fim de proteger a liberdade de expressão, que os provedores não são responsáveis por danos decorrentes de conteúdo gerado por terceiros. Porém, há estipulação legal de que os provedores mantenham por seis meses a guarda dos registros de conexão, como forma de viabilizar a responsabilização direta dos usuários, inclusive em comentários em blogs e redes sociais.

Protesto

Hoje, 7 de maio, é o dia do oftalmologista, especialista em problemas na visão. Nesta data, centenas de agentes federais em todo o país vão protestar com vendas nos olhos contra a gestão míope da segurança pública brasileira.

Oficial em Baln. Camboriú

 

COLUNISTA CARLOS DAMIÃO – Notícias do Dia

Turma do asfalto

Aficionados das motocicletas Harley-Davidson – chamados de “harleyros” – foram acompanhar a posse do novo comandante da Polícia Militar de Santa Catarina. O coronel Valdemir Cabral também é harleyro, e ficou emocionado com a presença dos colegas de asfalto.

 

COLUNISTA MOACIR PEREIRA – Diário Catarinense

PSDB: conversações com Colombo

Os presidentes estaduais do PSD, Gelson Merísio, e do PP, Joares Ponticelli, não têm qualquer dúvida: os progressistas estarão compondo a chapa de Raimundo Colombo com o PMDB. Dizem mesmo que as detonações do senador Luiz Henrique e do vice-governador, Eduardo Moreira, contra Ponticelli e o PP fazem parte do jogo de cena.
– Não tenho qualquer preocupação – reiterou o presidente interino da Assembleia Legislativa sobre as especulações de que o PMDB mantém o veto sobre sua candidatura ao Senado na chapa de Colombo.
Nas bancadas do PMDB e do PSDB, o entendimento é exatamente o contrário. Seus líderes acham que o governador não terá cacife para exigir a presença do PP depois do tiroteio na pré-convenção do PMDB.
Colombo deu ontem o primeiro sinal de que pode ter o PSDB em sua companhia nas eleições deste ano. Recebeu a bancada tucana, presente o presidente de honra Dalirio Beber. A conversa girou em torno das eleições e da possibilidade de tucanos e pessedistas estarem juntos.
– Abrimos a porta. A partir de agora as conversações devem avançar – destacou um dos presentes ao encontro que durou uma hora.
Colombo admitiu que “o cenário politico está confuso e indefinido” e voltou a lembrar que em toda eleição “há uma reviravolta”.
O PSDB pode estar buscando um forte palanque para o presidenciável Aécio Neves, respaldado pelo PSD e PMDB. Já Colombo escancara as portas para os tucanos, em duas perspectivas: contar com o PSDB se o PP for vetado inapelavelmente na chapa; ou ter PSDB e PP, se o PMDB abandoná-lo na undécima hora. Mais um sinal de que até 30 de junho tudo pode acontecer.

 

ASSUNTO: Violência em Joinville

VEÍCULO: Diário Catarinense

CASO MARA TAYANA: Segurança dá versão contraditória

O delegado da Divisão de Homicídios da Polícia Civil de Joinville, Paulo Reis, não acreditou totalmente na versão apresentada pelo segurança Leandro Emílio da Silva Soares, 26 anos, sobre a morte da universitária Mara Tayana Decker, 19.
O suspeito confessou o crime em depoimento na noite de segunda-feira, mas se contradisse em vários detalhes sobre a história que causou comoção no norte do Estado.
– Ele criou uma versão fantasiosa que não bate com a realidade – explicou o delegado.
O segurança apresentou duas versões sobre a forma como teria enforcado a jovem dentro da própria casa, no bairro Guanabara, onde o corpo da vítima foi encontrado.
– Primeiro, ele disse que agarrou a moça pelo pescoço com o braço, com um golpe conhecido como gravata. Em seguida, disse que a enforcou com a gravata que faz parte do uniforme de trabalho – descreveu Reis.
Depois de matá-la, Leandro teria tirado a roupa da universitária para esquartejá-la e colocá-la dentro de uma mala, mas desistiu da ideia quando, segundo ele, “caiu na realidade”.
A história contada pelo segurança também deixa dúvidas sobre o relação dele com a vítima e, principalmente, o trajeto percorrido por ambos naquela noite.

 

ASSUNTO: Novo avião

VEÍCULO: Diário Catarinense

MADE IN ITAJAÍ: Avião econômico e luxuoso

Um sonho antigo de investir no mercado aeronáutico levou o empresário Nilton Góes ao projeto de um avião executivo feito em fibra de carbono. A aeronave, com capacidade para seis pessoas, será fabricada em Itajaí pela Galaxy Aero. O modelo, definido após dois anos de pesquisas, será voltado ao consumidor que procura aviões de luxo e chegará ao mercado pelo preço de US$ 1,35 milhões. O pré-lançamento do projeto está marcado para 24 de maio no Condomínio Aeronáutico Costa Esmeralda, em Porto Belo.
O monomotor, que ganhou o nome de Galaxy GA 620, foi projetado por um grupo de sete pessoas, entre engenheiros de São Paulo e técnicos que atuaram na Boeing. Segundo Góes, o uso da fibra de carbono em monomotores é inédito. O material, mais leve, deve garantir uma economia de 25% no consumo de combustível.
No lado de dentro, o projeto investe em conforto, poltronas espaçosas, sistema inteligente de comando de iluminação interna, som, TV e ar condicionado digital.
A expectativa de Góes é de que a empresa produza de 15 a 20 aeronaves por ano, a partir do ano que vem. Para isso, o empresário negocia uma área de 30 mil metros quadrados (necessária para a construção de pistas de decolagem e pouso) na zona rural de Itajaí, onde deverão ser gerados 1,5 mil empregos diretos.

 

ASSUNTO: Editorial

VEÍCULO: Notícias do Dia

Novos tempos para a segurança

Pelas primeiras declarações que fez, o novo comandante da Polícia Militar de Santa Catarina, Valdemir Cabral, mostra que não dará folga à criminalidade. É bom que seja assim, e que ele tenha dado seu recado logo após assumir, porque desta forma deixa claro que a corporação estará mais engajada no combate à ação dos bandidos. De cara, exigiu o comprometimento dos policiais e anunciou que cobrará resultados de seus comandados imediatos. Além disso, mostra-se otimista com a possibilidade de aumento do efetivo, uma necessidade que é do conhecimento de toda a sociedade catarinense.

Ao afirmar, no ND de hoje, que “nossos morros têm seus problemas, mas estão sob controle”, o comandante deu a entender que, se quiser, a PM pode dominar o crime e o tráfico nos pontos considerados mais críticos. A falta de estrutura e de pessoal é um empecilho, mas nada que um trabalho planejado e bem executado não possa resolver. A integração entre as polícias, que pretende estimular, seria um bom caminho para atingir as metas estabelecidas.

Posições polêmicas sobre os temas da maioridade penal e dos policiais em desvio de função não passaram ao largo da entrevista. O mais importante, contudo, é a disposição de cumprir as leis vigentes, adotar a transparência como regra e aumentar, na medida do possível, a execução da Lei Seca, o que poderia reduzir significativamente as perdas humanas no trânsito. A chegada do comandante pode mudar para melhor o nível de segurança em Santa Catarina.

 

ASSUNTO: Entrevista com Valdemir Cabral – comandante geral da PM

VEÍCULO: Notícias do Dia

Integração das polícias

Comandante geral da Policial Militar de Santa Catarina, Valdemir Cabral, 55, que há dois dias assumiu o cargo mais alto da corporação, defende a redução da idade penal. Para ele, se um jovem de 16 anos pode votar, também deve ser penalizado pelos atos ilícitos que pratica. Ex-comandante do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais), o oficial fez questão de colocar a caveira do batalhão especial em sua mesa, de onde comandará cerca de 11 mil policiais. Assim como a faca cravada na caveira, que simboliza o caráter de quem faz da ousadia sua conduta, o oficial pautará o dia a dia da tropa no sigilo das missões a serem cumpridas.

Cabral tem um bom trânsito na Polícia Civil e aposta todas as fichas na integração policial. Ele lembrou que Florianópolis é considerada o melhor destino turístico do Brasil, mas comentou que, infelizmente, com os turistas vêm os “oportunistas de plantão”. Por isso, a parceria com a Civil é importante no combate ao crime organizado.

Diferente de gestões de outros Estados, onde a violência assusta a população, Cabral afirmou que Santa Catarina apresenta um baixíssimo índice de homicídios dolosos. E ressaltou não haver necessidades de criar UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) nos morros da Capital, como fez a polícia carioca. “Nossos morros estão controlados”, afirma.

Homem de linha de frente, Cabral sempre ocupou cargos operacionais na Polícia Militar. Ele vai imprimir um policiamento aguerrido e cobrar resultados de comandantes de batalhões. “Os oficiais têm estatísticas e meios para combater a mancha criminal nas suas regiões”, diz. Leia abaixo os principais trechos da entrevista.

 

Ocupação de Morros

Não temos nenhum plano de fazer UPP. Unidade de Polícia Pacificadora é uma criação do Rio de Janeiro. Nossos morros têm seus problemas, mas estão sob controle. Não existe nenhum morro em Florianópolis que a Polícia Militar não tenha acesso.

Transparência Total.

Assim como sempre fui e sempre serei. Se o PM cometer uma transgressão ou um crime ele responderá por isso. As normas da corregedoria são legais. Se não existe ilegalidade em divulgar o nome do PM que praticou um crime ou uma transgressão ela não vai se furtar em fazê-lo. Agora, se a lei diz que todo mundo é inocente até que se prove o contrário, nós não podemos pegar o policial e botar ali como um marginal. O policial não é um marginal.

Desvio de função

Isso está na lei. Como administrador público eu cumpro o que está na lei. Se a lei diz que lá tem que ter 50 policiais prestando serviço de segurança, os 50 policiais estarão lá prestando segurança. Quem tem que mudar isso não sou eu, é a Assembleia Legislativa.

Blitz

Sou um fã ardoroso da Lei Seca. Só que às vezes a gente bate em problemas administrativos. Os bafômetros têm que estar aferidos pelo Inmetro. Às vezes os equipamentos têm que ir para o Rio de Janeiro, São Paulo, e o retorno deles demora uma semana e até um mês. Além disso, temos que fazer empenho, comprar… A cidade onde temos maior número de bafômetros é Blumenau. Lá deve ter em torno de 15 equipamentos.

Efetivo

“Estamos com mil policiais que vão se formar e mais 500 entrando na academia. No ano que vem teremos mais 1.500. Então vamos repondo o efetivo. Nosso efetivo está envelhecido. As pessoas estão indo embora. Até o fim do ano devem ir para casa uns 600, 700 policiais.

Maioridade penal

Todo policial clama que a maioridade penal seja reduzida. Não é possível alguém com 16, 17 anos que cometa um crime não possa ser penalizado. Se ele pode votar, ele também pode ser penalizado como os outros.

Guarda Municipal

Minha visão é congregar todo mundo que queira trabalhar em prol da segurança. Mas cada um dentro da sua função. A missão da Guarda Municipal é a proteção do patrimônio, cuidar dos colégios…

Integração policial

Pretendo fazer ampla, geral e irrestrita. Mudança nos batalhões Sempre tem ajustes. Tivemos agora promoção para 12 tenentes-coronéis. Nosso regramento não permite dois tenentes-coronéis no mesmo batalhão. Alguém vai sair. Mas não há caça às bruxas no comando do coronel Cabral.

 

ASSUNTO: Novo Comando-Geral

VEÍCULO: Portal da PMSC 06.05

Polícia Militar realiza grande solenidade em seus 179 anos

Ontem, às 17h00, foi realizada a grande solenidade comemorativa aos 179 anos da Polícia Militar, no Centro de Ensino da Polícia Militar (CEPM), na Trindade. O evento contou com a presença do governador do Estado, João Raimundo Colombo, o secretário de Segurança Pública em exercício, coronel RR Fernando Rodrigues de Menezes, o comandante-geral da PM, coronel Nazareno Marcineiro, o subcomandante-geral da PM, coronel Valdemir Cabral, o presidente da Assembleia Legislativa, Juarez Ponticelli, o presidente do Tribunal de Justiça, Nelson Juliano Schafer Martins, o procurador-geral de Justiça de Santa Catarina, Lio Marcos Marin, o comandante da 14ª Brigada de Infantaria Motorizada, general Richard Fernandez Nunes, além de representantes de demais poderes, oficiais, praças e familiares.

A Polícia Militar de Santa Catarina foi criada em 5 de maio de 1835 por Feliciano Nunes Pires e desde sua fundação tem como missão a proteção ao cidadão e ao patrimônio público e privado. A cada ano busca o aperfeiçoamento, com a ampliação de seu efetivo e aquisição de novas tecnologias e materiais que possibilitem a efetiva atuação dos policiais militares. Fundamentada nessa premissa que a solenidade alusiva ao seu aniversário é revestida de especial importância para a Corporação.

O comando geral da PM, como forma de agradecer amigos e instituições que muito tem contribuído para o sucesso de nossa instituição, conferiu o título honorífico “amigo da polícia militar” as seguintes pessoas:
 

1 – Ronaldo José Benedete – deputado federal

2 – Nelson Juliano Schaefer Martins – desembargador

3 – José Antonio Torres Marques – desembargador

4 – Victor José Sebem Ferreira – desembargador

5 – Décio Menna Barreto de Araújo Filho – juiz de direito da vara do juizado especial criminal – comarca de Joinville

6 – Edmar Leopoldo Schlosser – juiz de Direito da comarca de Brusque

7– Ozéas Mafra Filho – assessor parlamentar

8 – Cesar Luiz Belloni Faria – vereador e presidente da câmara de vereadores de Florianópolis

9 – Alcioneu Osvaldo da Silva – gerente de arrecadação de fundos da secretaria de turismo esporte e laser.

10 –Reginete Régia Panceri – diretora de planejamento e avaliação da SSP

11 – Maurício Fernandes Pereira– presidente do Conselho Estadual de Educação

12 – Charles Schonorr – bombeiro comunitário

13 – Ricardo Campos – presidente do Conseg centro e conselheiro do CDL

14 – Carlos Alberto de Oliveira – prático do porto de São Francisco do Sul

15 – Jaime Pacheco Alves – empresário de Imbituba

O título honorífico, simbolizado pela entrega do diploma e da medalha amigo da Polícia Militar foi instituído através da lei n°6.463, de 1984, e confere a faculdade ao comandante-geral de concedê-lo aos militares, policiais militares de outras corporações, civis e instituições, que em razão de serviços prestados tenham contribuído para o engrandecimento moral ou material da PM.


1 – Coronel Valdemir Cabral – subcomandnte-geral da PMSC
2 – Coronel Catalício de Oliveira – corregedor-geral da PMSC
3 – Coronel RR João Schorne de Amorim – ex-chefe do estado maior geral
4 – Tenente-coronel Carlos Alberto de Araújo Gomes Júnior – comandante do 4º BPM; 
5 – Major Julival Queiroz de Santana, BPChoque
6 – Major Emerson Fernandes – Bope
7 – Câmara de vereadores de Florianópolis, na pessoa do senhor Cesar Luiz Belloni Faria, presidente da Câmara. 
 

A medalha do mérito Policial Militar coronel Lopes Vieira foi instituída através da lei n°6.463 de 1984, e destina-se a homenagear e galardoar oficiais e praças da polícia militar militares das forças armadas e policiais militares de outras corporações nacionais ou estrangeiras, que sejam consideradas credoras de homenagem extraordinária da corporação em razão de excepcionais serviços prestados.

O terceiro ato da solenidade foi a entrega dos espadins aos cadetes da Academia da Polícia Militar da Trindade (APMT). O espadim visa firmar o compromisso dos cadetes com a academia, berço de sua formação policial militar, jurando obediência, zelo, respeito e disciplina no seu aprimoramento físico, moral e intelectual.O cadete Rômulo Rocha dos Reis recebeu do governador do Estado, João Raimundo Colombo, do comandante-geral da PM, Nazareno Marcineiro e do comandante da APMT, tenente-coronel Marcos Vieira o espadim, por ser o primeiro colocado no concurso de ingresso do curso de formação de oficiais (CFO) da sua turma. As madrinhas e familiares fizeram a entrega aos demais cadetes, que posteriormente prestaram o compromisso e a continência perante o pavilhão nacional.

A promoção de oficiais e praças foi um momento singular do evento, pois se reveste de importância para a Polícia Militar e para a vida pessoal de cada policial, que lhe permite galgar postos ou graduações, indispensáveis ao seu sucesso profissional. Nessa data, 23 oficiais e 230 praças estão sendo promovidos em todo o estado. O tenente-coronel Aldo Antonio dos Santos Júnior foi promovido ao posto de coronel, juntamente com mais oficiais e praças da capital.

O último e mais importante ato da solenidade foi a passagem de comando, momento em que o comandante-geral, coronel Nazareno Marcineiro passou o cargo ao subcomandante-geral, coronel Valdemir Cabral.

Troca do comando geral marca solenidade de 179 anos da PMSC

O maior ato solene da Polícia Militar de Santa Catarina, a passagem de comando geral, marcou a solenidade de aniversário de 179 anos da corporação. Após três anos e quatro meses no comando da PM catarinense, o coronel Nazareno Marcineiro entregou o cargo de comandante-geral ao coronel Valdemir Cabral, que esteve ao seu lado como subcomandante-geral durante o período de comando.

O ato de passagem de comando teve início com a leitura do ato de exoneração do coronel Nazareno. Em seguida, como forma do Governo do Estado manifestar todo seu agradecimento ao coronel Nazareno Marcineiro pela sua dedicação e pelo seu excelente desempenho frente ao comando da PMSC, o governador João Raimundo Colombo entregou ao oficial a medalha do mérito Anita Garibaldi, maior honraria do Estado de Santa Catarina.

Na sequência, após a leitura do ato de nomeação do coronel Valdemir Cabral para o cargo de comandante-geral da PMSC, e do currículo do oficial, aconteceu o ato da passagem do comando geral da Polícia Militar, que foi presidido pelo governador João Raimundo Colombo.

Seguindo o ritual do cerimonial militar, o ex-comandante-geral, coronel Nazareno, entregou ao coronel Cabral a espada símbolo do cargo de comandante-geral. Em seguida, os dois passaram em revista tropa, e depois o novo comandante se apresentou ao governador do Estado.

Marcando a despedida, o ex-comandante-geral, coronel Nazareno, fez o uso da palavra. Muito emocionado, o coronel iniciou falando que 5 de maio é sem sombra de duvida, a data mais significativa da história da instituição, que evoca uma trajetória grandiosa de feitos prestados à sociedade catarinense. “Considerando a importância desta data, tomei a decisão de deixar o comando nesta data, junto à solenidade comemorativa de 179 anos da PMSC”, disse o oficial.

O coronel ainda discorreu sobre os avanços da corporação nos últimos anos, do crescimento significativo que deixam nele o sentimento de “Dever cumprido, expressão reinante em minha mente, foi buscada no amor aos valores que meus pais me repassaram”. Enfim, emocionado e com lágrimas nos olhos, agradeceu o apoio da família, dos amigos e de cada policial militar. “Acalento um profundo sentimento de gratidão a cada um dos policiais que tive sobre meu comando, da lealdade e do comprometimento em todas as batalhas travadas contra tudo que se opôs ao desejo de proteger cada catarinense”.

Após o discurso, o coronel Nazareno, acompanhado da esposa Ingrid Schlickmann Rottgers Marcineiro, do comandante-geral, coronel Cabral, com a esposa Heloísa Crescenti Abdalla Freire, e do governador Colombo, realizou o descerramento do seu retrato que posterior será fixado, no salão nobre do Quartel do Comando Geral.

Em seguida, aconteceu o ato de posse da função do novo subcomandante-geral e do chefe do Estado Maior-Geral, com a apresentação e leitura da nomeação dos oficiais.

Assumiu o cargo de subcomandante-geral da PMSC, o coronel Paulo Henrique Hemm. Natural de Porto União, o coronel foi declarado aspirante-a-oficial em 02 de dezembro de 1982, e as principais funções desempenhadas na corporação foram de comandante do Pelotão de Choque (Canoinhas), comandante do 2º Batalhão de Polícia Militar (Chapecó), comandante da 4ª Região Policial Militar (Chapecó) e gerente de Relações Institucionais da Secretaria de Segurança Pública.

Como chefe do Estado Maior-Geral assumiu o coronel João Ricardo Busi da Silva. Natural de Florianópolis, o oficial foi declarado aspirante-a-oficial em 30 de novembro de 1984, e como principais funções na PMSC destacam-se:chefe da Diretoria de Tecnologia e Sistemas de Informação e diretor da Diretoria de Apoio Logístico e Financeiro (Dalf).

Em seguida, o coronel Cabral fez o seu primeiro pronunciamento como comandante-geral da Polícia Militar. Falou sobre sua história na corporação, da passagem pelo Corpo de Bombeiros, assim como familiares que também seguiram a carreira militar. Destacou que seu gabinete estará sempre de portas abertas para receber do aluno soldado ao subtenente, do cadete ao coronel mais antigo, assim como quem precisar falar com ele. Estará à disposição. Ainda destacou que não tolerará por parte dos integrantes da corporação comportamentos que fujam da conduta que condiz a um policial militar, mas também que será o primeiro a defender um PM que for maltratado, desrespeitado ou que sofra qualquer abuso por seus pares. Sobre a segurança da população, disse que vai trabalhar forte contra a criminalidade, com policiamento mais ostensivo nas ruas.

O coronel Valdemir Cabral é natural de Florianópolis. Foi declarado aspirante-a-oficial em 02 de dezembro de 1982, e entre as funções desempenhadas na PMSC destacam-se: comandante do Batalhão de Operações Especiais (Bope); diretor interino da Diretoria de Apoio Logístico e Financeiro (Dalf); comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar; comandante da 1ª Região de Polícia Militar e subcomandante-geral.

Também fez o uso da palavra o secretário de Segurança Pública em exercício, coronel RR Fernando Rodrigues Menezes, que destacou os avanços e os investimentos do Governos do Estado na área da segurança pública, tanto em equipamentos, como na contratação de pessoal.

Já o governador João Raimundo Colombo falou do desafio da segurança pública no país, e do orgulho de Santa Catarina ter uma Polícia Militar que se aperfeiçoou ao logo do tempo. “Uma corporação com profissionais qualificados” destacou o governador. Também discorreu sobre o trabalho desenvolvido pelo coronel Nazareno frente ao comando da corporação, e destacando que “teve um desempenho que orgulha a todos nós”. E finalizou destacando que com certeza o coronel Cabral também terá muito êxito frente ao comando da PMSC e poderá contar com todo o apoio do governo.

A grandiosa solenidade de 5 de maio foi encerrada com desfile da tropa em continência ao novo comandante-geral da Polícia Militar de Santa Catarina, coronel Valdemir Cabral.

Na sequência, o comandante-geral, coronel Cabral, o subcomandante-geral, coronel Paulo Henrique, e o chefe do Estado Maior-Geral, coronel Busi, com seus familiares receberam amigos em um coquetel, por adesão, na Associação Barriga Verde dos Oficiais.