Área do associado

Área do associado

Clipagem do dia 19 de novembro

19.11.2014

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO DIA 19 DE NOVEMBRO

 

ASSUNTO: Roubos em Laguna

VEÍCULO: Diário Catarinense

VIZINHANÇA EM ALERTA: Onda de furtos assusta moradores

MAIS DE 15 apartamentos de sete prédios em Laguna foram arrombados em dois meses

Os moradores da orla do Mar Grosso, em Laguna, no Sul do Estado, estão em alerta com a quantidade de furtos a edifícios de luxo que assolou a região entre outubro e novembro. Foram mais de 15 apartamentos arrombados em sete prédios entre os dias 2 de outubro e 6 de novembro, segundo a Polícia Civil de Laguna.
Entre as semelhanças dos crimes estão a falta de câmeras de monitoramento nos edifícios e o fato de nenhum prédio ter sinais de arrombamento nas portas de acesso à rua, o que indica que as pessoas envolvidas tiveram acesso fácil aos alvos. Já nos apartamentos os ladrões removeram os miolos das fechaduras e levaram televisores, roupas, jóias, dinheiro e até tapetes.
A moradora de um prédio furtado, que não quis se identificar, foi abordada por uma integrante da quadrilha quando voltava do trabalho. Ela descreve que uma moça loira, forte, que vestia roupas de ginástica na ocasião, parecia querer distraí-la:
– Ela perguntou se ali só morava veranista e eu disse que não, que eu moro aqui (no prédio). Quando ela viu que eu fiquei com medo, me intimidou para ir para o elevador, disse que o elevador tinha chegado, me apressou.
A moradora ainda lembra que quando subiu para o apartamento, o filho apontou da janela que a moça e outras pessoas carregavam objetos para um carro estacionado em frente ao prédio. Com um aparelho celular, os moradores gravaram imagens dos suspeitos e entregaram à polícia.
– Ela (suspeita) queria evitar que as pessoas passassem pela escada, por onde o furto era realizado, e encaminhava as pessoas para o elevador. Minha vizinha sugeriu que a gente subisse para averiguar e então nós vimos os apartamentos arrombados. Tinha um que não tinha mais nada dentro – lamentou a moradora.
CÂMERAS DA ORLA FALHARAM NO PERÍODO
Segundo o delegado Flávio Costa Gorla a polícia está ouvindo as vítimas de todos os furtos para verificar se uma ou mais quadrilhas estão envolvidas.
O que agravou o problema, segundo Gorla, foi a falta de funcionamento das câmeras de vigilância da orla, que estavam desativadas no período dos crimes.
De acordo com a Polícia Militar de Laguna, os equipamentos de vigilância da orla do bairro, que dependem de convênio municipal, apresentaram problemas técnicos por um período, mas já foram consertadas e estão funcionando normalmente.

 

ASSUNTO: INTERVENÇÃO MILITAR

VEÍCULO: Diário Catarinense

Carta polêmica gera suspensão

PROCURADOR DA REPÚBLICA em Joinville, Davy Lincoln Rocha, publica texto na internet e é afastado das atividades por 90 dias, além de responder a processo administrativo disciplinar ao Conselho Nacional do MP

Um artigo postado na internet levou o procurador da República Davy Lincoln Rocha, que atua no Ministério Público Federal em Joinville, a responder a um procedimento administrativo disciplinar (PAD) aberto pelo plenário do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). A decisão, tomada segunda-feira à noite, também afasta o procurador por três meses (90 dias).
O procedimento foi aberto por causa do texto Carta aberta às forças armadas brasileiras, que foi postado em seu perfil pessoal do Facebook há um ano e dois meses. O material acabou sendo reproduzido por vários sites e comentado a partir de redes sociais durante a campanha eleitoral.
O afastamento do procurador está condicionado à instauração da portaria do procedimento administrativo disciplinar pelo conselheiro que for designado relator, que terá o prazo de 72 horas após o recebimento do processo para encaminhar o documento à publicação.
O Conselho Nacional também vai encaminhar o processo ao procurador-geral da República, que vai analisar o caso sob o aspecto penal. O plenário do Conselho decidiu pela abertura do procedimento em resposta ao pedido do conselheiro Luiz Moreira, que leu o texto.
De acordo com o conselheiro, ao sugerir a intervenção militar no Brasil e que esta conte com a participação dos Estados Unidos, o membro do Ministério Público Federal “utiliza de suas prerrogativas para manchar o regime democrático e a soberania nacional”. Moreira chegou a levantar a hipótese de ter ocorrido crime contra a ordem democrática e a ausência de decoro pessoal.
Davy Lincoln disse que ainda não foi informado oficialmente da abertura do procedimento. Ele considerou que houve um mal entendido:
– Escrevi o texto há mais de um ano, na condição de cidadão. Em momento nenhum me identifiquei como procurador.

“Golpe militar não é dado a partir de uma carta”

O senhor esperava que houvesse essa repercussão e até a posição do Conselho Nacional?
Davy Lincoln Rocha – O que eu posso dizer é que isso é um mal entendido porque eu publiquei uma carta há mais de um ano no meu Facebook, na condição de cidadão. A primeira frase diz, inclusive, ‘eu, cidadão brasileiro’. Em momento nenhum me identifiquei como procurador. Em momento algum incitando golpe. Fiz o uso do direito de expressão.

Qual o motivo da manifestação?
Rocha – Acho que no Brasil há uma situação em que as Forças Armadas ficaram com uma marca de cânhamo. É como se até hoje você fosse na Alemanha e olhasse enviesado o povo alemão por causa do holocausto nazista.

Mas há um histórico...
Rocha – Todos os generais, comandantes que realmente estavam no comando na ditadura já morreram ou estão de pijama, bem velhinhos. As Forças Armadas de hoje são outras Forças Armadas. A instituição não pode ser vista hoje como uma ameaça, um perigo da ditadura, de golpe. Quem está hoje no comando, inclusive ocupando ministérios, os três comandantes do Ministério da Defesa, que são da alta assessoria da Presidência da República, tem muito conselho bom a dar, muita participação, sentar na mesa democrática e participar.

O texto tem menções ao golpe de 1964.
Rocha – Nunca fui adepto de qualquer tipo de subtração da ordem constitucional. Se eu quisesse buscar essa coisa de golpe, eu teria secretamente buscado instituições, buscado cartas, tudo o que nunca fiz. Nunca entrei em contato com instituição militar, não conheço nenhum comandante militar. Lamento que o debate político e social brasileiro não tenha a participação maior, mais gente na mesa, inclusive com as Forças Armadas. Não é só chamar as Forças Armadas para fazer ponte, construir estrada, duplicar estrada. Existe um preconceito arraigado, injustificado na maior parte das vezes. Um mito de que as Forças Armadas são quase que um inimigo à beira de tomar o poder. As Forças Armadas estão aí para nos defender.

A repercussão saiu do controle?
Rocha – Gerou um equívoco. Essa carta começou a se reproduzir, foi parar em vários sites onde diziam que foi escrito por “Davy Lincoln Rocha, procurador da República”, mas não foi nessa qualidade que escrevi.

 

ASSUNTO: TRON

VEÍCULO: Portal do CBMSC

TREINAMENTO OPERACIONAL PARA DESASTRES NATURAIS É CONCLUÍDO NO CEBM

     
 

Encerrou-se nesta terça-feira (18/11) o Treinamento Operacional para Desastres Naturais – TRON, do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina. Cerca de 300 alunos e alunas, dos cursos de formação de oficiais, sargentos, cabos e soldados, cumpriram mais essa etapa de suas formações. Há mais de dez dias as equipes já estavam mobilizadas e de prontidão para atender a uma ocorrência simulada de grandes proporções, sendo o início oficial no dia 16/11.

A ação em ambiente natural tem uma abordagem diferenciada neste ano, considerando as características de desastres naturais que impactam o Estado. Trata-se de um grande simulado de operações de socorro para populações atingidas por estas calamidades. É também considerada matéria curricular dos alunos, pois foram avaliados por meio de de provas específicas.

No TRON foram colocados em prática os conhecimentos práticos e teóricos, adquiridos durante o período de formação, experimentando as condições de operações em caso de ocorrências reais. As regras do serviço e equipes dos atendimentos emergenciais diários são modificadas para uma lógica diferenciada de serviço: trabalho multidisciplinar, risco extremo de segurança e ausência de conforto individual.

Os futuros bombeiros, nesta experiência operacional, sentem um pouco do que muitas pessoas que eles socorrerão irão passar, por isso o evento contou com oficinas de treinamento dos tipos: resgate em enxurradas, busca de pessoas soterradas, noções de cartografia e orientação por sistemas de posicionamento global, ações de assistência humanitária, operações noturnas em situações de crise, segurança de instalações públicas em áreas de desastres, entre outras atividades.

Entrega das Fardas

Após o árduo treinamento os alunos cadetes do 1° período do Curso de Formação de Oficiais (CFO) e do Curso de Formação de Soldados poderão agora utilizar suas fardas operacionais, entregues em uma cerimônia especialmente preparada para coroar o êxito no TRON.

O 63° Batalhão de Infantaria do Exército Brasileiro apoiu a ação durante todos os dias. Desta forma, o agradecimento por parte do Centro de Ensino Bombeiro Militar foi materializado na entrega de um mimo ao comandante da unidade, Tenente Coronel de Infantaria Wagner Alves de Oliveira.

O Comandante-Geral do CBMSC, Coronel BM Marcos de Oliveira, procedeu pessoalmente com a entrega dos fardamentos, acompanhado das autoridades militares que prestigiaram o evento - o Secretário Adjunto da Segurança Pública, Coronel PM RR Fernando Rodrigues de Menezes; o Diretor Municipal da Defesa Civil, Coronel BM RR José Cordeiro Neto; oficiais e praças do CBMSC.

 

ASSUNTO: Reivindicação

VEÍCULO: Notícias do Dia

Oficiais de Justiça fazem mobilização

Oficiais de Justiça da comarca de Florianópolis realizaram uma manifestação relâmpago ontem, nas escadarias do Tribunal de Justiça, reivindicando mais segurança no trabalho, principalmente nos locais controlados por traficantes.

Nos últimos 13 anos, cinco oficiais sofreram atentados. As regiões mais problemáticas são o Morro do Horácio, comunidade Chico Mendes, Vila União, Morro da Caixa e Morro da Nova Descoberta.

A manifestação de ontem seguiu a orientação da Federação Nacional dos Oficiais de Justiça do Brasil, em memória ao assassinato de Francisco Ladislau Neto, 25, em Barra do Piraí (RJ), e, sobretudo, para refletir sobre o risco em que hoje se encontra a categoria. Em Florianópolis, a ocorrência mais recente envolveu Paulo Roberto da Costa, 60, atingido por um tiro na perna em outubro, na Comunidade Chico Mendes.