Área do associado

Área do associado

Clipagem de 25 e 26 de agosto

26.8.2014

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO DIA 25 DE AGOSTO

 

COLUNISTA RAFAEL MARTINI – Diário Catarinense

REFORÇO NA ESTRADA

Amanhã deve ser oficializada a incorporação de 96 agentes da Polícia Rodoviária Federal no efetivo da corporação que atua em Santa Catarina, um reforço de quase 20%. São 48 da turma recém-formada na academia e outros 48 que serão transferidos para o Estado de outras unidades.

ALIÁS

O atual efetivo tem pouco mais de 500 policiais rodoviários em SC para cuidar de uma das mais perigosas malhas rodoviárias do país.

MAIS SEGURANÇA

Espera-se que, com reforço, repitam-se mais vezes operações como a Rebite Zero, no sábado, em Tubarão. Em uma das abordagens, um caminhoneiro de 42 anos foi flagrado com 62 comprimidos para driblar o sono. Um perigo ambulante.

 

COLUNISTA CACAU MENEZES – Diário Catarinense

VAI DAR ROLO

O caso da violência na praia do Campeche promete esquentar. O surfista Alessandro Castro, o Rato, contratou o renomado escritório de advocacia Caon Associados para auxiliar a Polícia Civil, a Polícia Militar e a Polícia Federal a identificar os indivíduos que lhe agrediram naquele dia, bem como as pessoas que presenciaram a triste cena.

 

ASSUNTO: Sistema prisional

VEÍCULO: Diário Catarinense

Preso pede para ficar na cadeia

HOMEM DE 64 ANOS, detido há quatro anos em Joinville, recusou o regime semiaberto e solicitou ao juiz a permanência no Presídio Regional. Ele chegou a sair, mas como não tinha para onde ir e nem onde ficar, preferiu retornar à cela

Os portões do Presídio Regional de Joinville se abriram e tudo que o detento Pedro Paulo Cunha, 64 anos, quis fazer foi voltar para a cela. No segundo dia do regime semiaberto, ele não resistiu à liberdade e retornou à prisão.
Pedro não tinha para onde ir nem onde ficar. Escreveu, então, uma carta de próprio punho ao juiz de direito da Vara de Execuções Penais da Comarca de Joinville, João Marcos Buch. No manuscrito, o detento solicitou a suspensão das saídas temporárias por não ter local para onde ir.
– Ele teve consciência de voltar. Muitos ficariam perdidos e foragidos – salientou Buch.
ESTADO PRECISA DE CASA DO EGRESSO, DIZ JUIZ
No regime semiaberto, o detento pode sair da prisão durante sete dias, cinco vezes ao ano. Pedro recusou mais de um mês de liberdade a cada ano de detenção, diante dos quatro que já passou encarcerado.
– Da última vez, dormia como? Como eu estava, esticava um papelão e deitava. É claro que lá fora é melhor, mas na situação que eu estava, na situação que eu estou, é aqui dentro – disse o preso em entrevista à RBS TV.
O crime de estupro o levou para o outro lado das grades, de onde escreveu, há mais de dois meses, a carta que se tornou combustível de crítica à sociedade.
O juiz define pessoas como Pedro de “prisionalisadas”, que desaprenderam a viver em liberdade e temem ser estigmatizadas na saída e perder o vínculo familiar.
Buch afirma que os detentos perdem o contato com mundo na prisão e não sabem onde estão postos de saúde ou como devem pegar um ônibus. Muitos não têm nem para onde ir.
No caso de Pedro, Buch analisou a situação de forma técnica e profissional e lamentou a falência do sistema prisional.
Para o magistrado, é preciso haver uma casa do egresso no Estado, o que tornaria menos impactante a transição da prisão à liberdade.

 

ASSUNTO: CRIME EM JURERÊ

VEÍCULO: Diário Catarinense

Preso em 2012 vai a julgamento

ACUSADO DE MATAR homem com tesoura em assalto está na pauta do Tribunal do Juri amanhã

O Tribunal do Júri vai julgar amanhã, em Florianópolis, um homem que está preso há dois anos por um homicídi que aconteceu em Jurerê Internacional, no dia 8 de janeiro de 2012.
O autor do crime, Adriano Mateus, 31 anos, abordou de madrugada um grupo de cinco pessoas no estacionamento próximo a uma festa. De acordo com a Polícia Civil, ele pretendia roubar pessoas no local.
A vítima, Dijone Deschamps, 27 anos, teria reagido e levou um golpe de tesoura no pescoço. Dijone foi socorrido, mas morreu no hospital.
Mateus foi preso em flagrante na época pela Polícia Militar caminhando na praia. No momento da abordagem, estava com uma tesoura com vestígios de sangue em sua mochila. Inicialmente, ele negou a autoria do crime e disse que estava embriagado. Depois, conforme consta no processo, confessou a morte.
De acordo a Vara do Tribunal do Júri, o julgamento começará às 13h30min, no Fórum da Capital.

 

ASSUNTO: Atendimento nas DPs

VEÍCULO: Notícias do Dia

Bom senso de delegados determina horário de atendimento

Enquanto o governo não editar a medida provisória que disciplinará o horário de trabalho dos policiais, a escala de plantão da Polícia Civil funciona de acordo com o bom senso dos delegados. Nas duas únicas delegacias de Palhoça e Biguaçu, delegados e escrivães só aparecem para trabalhar depois das 13h, comprometendo o atendimento ao público. Em algumas delegacias, o atendimento à noite é feito somente com a porta entreaberta.

Outras fecham por falta de funcionários, como a 3a DP do bairro Kobrasol, em São José. Apesar de toda essa discrepância, o delegado-geral Aldo Pinheiro D’Ávila afirma que as delegacias não podem fechar à noite e ameaça punir os policiais com a corregedoria.

O titular da Delegacia Metropolitana, Juarez da Silveira, fará rondas diárias e noturnas nas unidades para verificar o horário de funcionamento. Ele não concorda com os delegados começarem a trabalhar a partir das 13h.

A escala ficou flexível por causa do subsídio, que acabou com o pagamento de adicional noturno e hora extra, assim o policial não pode mais ultrapassar 40 horas semanais. Agentes afirmam que sem hora extra é impossível cumprir as escalas com plantões de no mínimo dois policiais no período noturno.

D’Ávila sabe das limitações e da falta de efetivo no Estado, mas não entende porque uma delegacia com menos policiais produz mais que outras com mais servidores.

“Em 2013, as três DPs de Chapecó, onde trabalham 14 agentes e quatro delegados, produziram 4.642 procedimentos – inquéritos, termo circunstanciado e ato infracional – enquanto São José, com 54 agentes e seis delegados, produziu 3.723 procedimentos.

Para o presidente do Sindicato dos Policiais Civis, Anderson Amorim, a disparidade pode estar no grau de conhecimento de gestão de cada delegado. “Não é necessário ser formado em direito e fazer academia para administrar uma delegacia. É preciso ter noções básicas de gestão pública”

 

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO DIA 26 DE AGOSTO

 

COLUNISTA RAFAEL MARTINI – Diário Catarinense

ESCANCARADO

O problema na 2a DP de Florianópolis parece ser mesmo durante os fins de semana. Neste último simplesmente carregaram mais de 50 quilos de maconha e três escopetas sem que ninguém do plantão percebesse o arrombamento. Há 15 dias, levaram um carro que tinha sido furtado, depois recuperado e estava na frente da DP aguardando o dono para buscar o veículo na segunda pela manhã. Só que… levaram!

ENQUANTO ISSO…

A discussão entre Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) e Delegacia Geral se dá em torno da falta do efetivo e da aplicação da política de subsídio para a remuneração dos agentes.

POR UM FIO

Demorou, mas finalmente a Guarda Municipal e fiscais da prefeitura, com apoio da Polícia Militar, resolveram atuar na origem da onda de furtos da fiação elétrica na região continental de Florianópolis. Foram até o Monte Cristo, no limite com São José, e interditaram nove estabelecimentos que funcionavam ilegalmente na compra e venda de todo o tipo de ferro-velho.

 

ASSUNTO: ARROMBAMENTO em DP

VEÍCULO: Diário Catarinense

Polícia apura sumiço de armas em delegacia

ALÉM DE TRÊS carabinas, foram furtadas do local maconha, crack e cocaína apreendidas na DP

Uma equipe de policiais civis escolhida pela Delegacia Geral da Polícia Civil está investigando o sumiço de armas e drogas da 2a Delegacia de Polícia, no bairro Saco dos Limões, em Florianópolis.
Foram furtadas três carabinas (duas calibre 12 e uma calibre 38) da polícia e drogas apreendidas em operações, entre elas 50 quilos de maconha, crack e cocaína.
O delegado-geral da Polícia Civil, Aldo Pinheiro D´Ávila, disse que o sumiço aconteceu entre sexta-feira e domingo e que os policiais de plantão não viram nada.
– É um fato grave e sem precedente – avaliou o delegado-geral.
Foram abertos um inquérito policial para investigar os furtos e um procedimento administrativo na Corregedoria da Polícia Civil, ação comum nesse tipo de caso a fim de avaliar se houve ou não falha administrativa dos servidores.
Segundo Aldo, dois policiais civis por plantão estavam designados para atuar na delegacia em cada dia do fim de semana.
De acordo com a delegada da 2a DP, Ester Coelho, havia marcas de arrombamento na porta da sala dela, de onde foram levadas as três carabinas, e os objetos estavam todos revirados.

Delegado acredita que houve falha no plantão

A cúpula da Polícia Civil na Grande Florianópolis considera que houve falha do plantão policial que não percebeu o sumiço de armas e drogas da 2a Delegacia de Polícia. A investigação para esclarecer o fato envolve uma equipe de delegacias especializadas.
– No mínimo houve falha no plantão. Tem que ser apurado, é um fato muito grave invadirem uma delegacia – disse o diretor da Polícia Civil na Grande Florianópolis, delegado Juarez de Souza Medeiros.
Foram mobilizados para força-tarefa de investigação policiais das delegacias de Repressão a Roubos, Combate às Drogas e Homicídios, que contarão com apoio da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) e da Coordenadoria de Operações Policiais Especiais (Cope).

 

ASSUNTO: Sistema prisional

VEÍCULO: Diário Catarinense

Presos teriam publicado fotos em rede social

PRESÍDIO DE CRICIÚMA apura se detentos tiveram acesso a celular com internet nas celas

O Presídio Santa Augusta, em Criciúma, investiga a suspeita de que presos estão utilizando aparelhos eletrônicos com internet no local. Isso porquê imagens que vazaram ontem teriam sido feitas de dentro da cadeia e divulgadas em redes sociais com o uso de aparelhos celulares.
Ao menos três presos teriam publicado as fotos no Facebook. A denúncia foi feita pela colunista social Dani Niero, de Criciúma.
As imagens, acessíveis em uma página na rede social, mostram um homem com roupas laranjas, em frente ao que parece ser um varal com um lençol pendurado. Em outra foto, o homem aparece somente de bermuda deitado em um colchonete.
O diretor do presídio, Jovino Zanelato, disse à reportagem ontem que, por enquanto, não dará declarações com relação ao ocorrido para não atrapalhar investigações que estão sendo conduzidas. Informações devem ser divulgadas ao longo da semana.
Zanelato reconheceu, entretanto, que o presídio não conta com um bloqueador de sinal para evitar esse tipo de problema. O único equipamento disponível para a prevenção da utilização de celulares no Santa Augusta é um detector de metais.

 

ASSUNTO: CRIME EM JURERÊ

VEÍCULO: Diário Catarinense

Família virá de Gaspar para acompanhar o júri

AMIGOS E PARENTES de jovem que foi morto com uma tesourada em 2012 pedem justiça e temem que acusado do crime seja absolvido e solto

Familiares e amigos de Dijone Deschamps, 27 anos, assassinado em Jurerê Internacional há dois anos, vão acompanhar hoje o julgamento do acusado pela morte, Adriano Mateus, 31, no Fórum de Florianópolis. Segundo o pai de Dijone, o gerente de produção Pedro Paulo Deschamps, 57 anos, um grupo vai sair de Gaspar, no Vale do Itajaí, a cidade da vítima, para assistir ao júri.
O crime aconteceu no dia 8 de janeiro de 2012. Segundo a Polícia Civil, o autor do crime, Adriano Mateus, abordou um grupo de cinco pessoas (quatro mulheres e um homem) no estacionamento próximo a uma festa para roubar.
PRESO EM FLAGRANTE PELA PM
A vítima, conforme familiares, teria reagido e levado 20 golpes de tesoura. Dijone, que era natural de Gaspar e morava em Florianópolis, foi socorrido, mas morreu no hospital.
Mateus foi preso em flagrante na época pela Polícia Militar caminhando na praia. No momento da abordagem estava com uma tesoura com vestígios de sangue em sua mochila.
Ele negou o crime ao ser detido, mas depois confessou a morte, conforme consta no processo. O Diário Catarinense não conseguiu contatar a defesa de Mateus, que segue preso. O réu é natural de Marialva (PR), estava na cidade há duas semanas e afirmou que trabalhava como tatuador.
O julgamento começará às 13h30min, no Fórum da Capital, será presidido pelo juiz Marcelo Pons Meirelles e na acusação atuará o promotor Geovani Tramontin.

 

ASSUNTO: PRF

VEÍCULO: Diário Catarinense

BR-282 é foco das vagas

A RODOVIA QUE tirou a vida de 114 pessoas em 2013 no Estado vai receber o reforço de 35 novos profissionais para prevenção e fiscalização

O Oeste catarinense vai receber 66% do efetivo da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que começou a se apresentar ontem em Santa Catarina. Dos 53 novos profissionais, 26 vão trabalhar em Joaçaba e nove em Chapecó, cidades por onde passa a BR-282 – a segunda mais perigosa do Estado.
A inspetora Maíta Berti, do setor de comunicação da PRF-SC, explíca que a concentração de 26 novos agentes em Joaçaba se deve ao efetivo defasado de policiais nos postos, chegando em alguns a apenas dois servidores e ao número elevado de acidentes na rodovia.
Segundo dados da PRF, a rodovia com maior número de acidentes ainda é a BR-101, com 9.641 ocorrências. Porém, na proporção, a via mais fatal é a BR-282, com 114 mortes em 3.174 casos registrados em 2013.
– A maior parte do trecho é pista simples e os acidentes são causados por ultrapassagens indevidas e excesso de velocidade – lembra Maíta.
UNIDADES DO ESTADO VÃO RECEBER 103 POLICIAIS
A PRF também confirma que outros dois profissionais vão trabalhar em Lages e 16 em Mafra. Outras cidades devem ser contempladas com agentes realocados de outros Estados que começam a chegar nos próximos dias.
Ao todo, Santa Catarina vai receber 103 novos policiais rodoviários federais. 48 vagas são relacionadas ao último concurso público, cinco estavam sub judice e outros 50 serão realocados de outros Estados. Com eles, o efetivo da PRF-SC chega a 600 agentes. Os servidores terão o prazo de 30 dias para tomar posse e posteriormente 15 dias para começar a trabalhar.
Em todo o país, foram chamados 500 aprovados no concurso do ano passado. Outros 500 já fizeram o curso na academia da PRF esperam a convocação.

Profissionais preenchem metade das convocações prometidas

Marcelo Ávila, que mora em São José, na Grande Florianópolis, foi um dos convocados em maio deste ano para se formar na academia da PRF. A promessa, segundo ele, era a de apoiar na Copa do Mundo. Agora, ele está na lista dos 500 classificados que continua esperando a convocação.
– Estou morando com meus pais. Sorte que minha esposa não saiu do emprego. Do treinamento já esqueci muita coisa. Se a PRF sabia que o orçamento era só para os primeiros 500, porque chamou todos os classificados para fazer o concurso? – questiona.
A PRF afirma que aguarda autorização do Ministério do Planejamento para convocar os demais classificados. Sobre ao curso de formação, a PRF ressalta que o realizou com base na autorização inicial para o concurso com previsão de mil vagas.
O Ministério do Planejamento esclareceu que autorizou as nomeações dentro do número original de vagas previsto em edital e dentro do período de validade de cada concurso, que neste caso é até maio de 2016. Segundo o órgão federal, o preenchimento dos cargos restantes deverá ocorrer no âmbito da Lei Orçamentária Anual de 2015.

 

ASSUNTO: Sistema prisional

VEÍCULO: Diário Catarinense

ACORDO EM CASCAVEL: Transferência encerra motim no Paraná

Acabou ontem, no final da tarde, a rebelião no Presídio Estadual de Cascavel, no oeste do Paraná, que deixou pelo menos quatro mortos – sendo dois decapitados. A assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos informou que pelo menos 600 detentos serão transferidos para prisões de outras cidades.
Devem permanecer no presídio de 150 a 300 presos, no máximo, dependendo das condições das celas. Os dois agentes feitos reféns, segundo a secretaria, passam bem, mas só deverão ser liberados quando o processo de realocação – que seria iniciado ainda ontem à noite – terminar. As autoridades não descartam a possibilidade de que haja mais vítimas além dos quatro mortos, mas só confirmariam a hipótese depois de concluí- da a vistoria na penitenciária.
De acordo com a Polícia Militar, ao menos 600 dos 1.040 detentos do local participaram do motim. Os presos rebeldes atearam fogo a colchões e subiram no telhado dos pavilhões, onde estenderam uma faixa da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Eles reclamavam de más condições do presídio e de uma suposta agressividade dos agentes.

 

ASSUNTO: Muay Thai

VEÍCULO: Diário Catarinense

A busca pela proteção na prática de muay thai

CASO DE LUTA que deixou jovem de 20 anos em estado vegetativo liga o alerta para a preocupação com as condições da prática do esporte no país

Uma luta realizada fora dos padrões mínimos de segurança mantém há três anos uma jovem de Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre, em estado vegetativo. O caso lança um alerta sobre os riscos de praticar artes marciais sem precauções – ponto que chama atenção também em Santa Catarina, onde o número de adeptos do esporte é crescente. Maria Luiza Ramos, então com 20 anos, treinava há apenas três meses quando participou de uma luta amadora de muay thai em outubro 2011.
Repetidos golpes na cabeça desprotegida de capacete, desferidos por uma oponente faixa preta em taekwondo, deixaram a menina em uma cama, inconsciente, até hoje. Há 10 dias, a Polícia Civil indiciou oito pessoas pelo caso.
Para o professor de muay thai em Florianópolis Rangel Farias, o aluno deve ter, no mínimo, uma preparação de nove meses antes de enfrentar uma luta.
– E não pode ser algo forçado, ele tem de demonstrar vontade. Com três meses, o aluno ainda não está preparado para subir no ringue – afirma o professor.
Farias conta que em alguns locais existem campeonatos clandestinos e por isso algumas regras não são respeitadas.
– A fiscalização é difícil de ser feita, o que torna perigoso, principalmente se os adversários não são do mesmo nível – acrescenta.
Para evitar os riscos, a principal recomendação é o aluno procurar profissionais habilitados para poder aprender a arte marcial.
Competições clandestinas e academias de luta que operam à margem de federações preocupam autoridades e esportistas. O problema é atribuído à falta de uma legislação específica, que conceda poderes de fiscalização às entidades federativas.
O esporte ganha muitos adeptos, principalmente crianças e adolescentes que ingressam sem consciência dos riscos nas aulas. A principal orientação dos que defendem o esporte é buscar referências dos profissionais envolvidos.

 

ASSUNTO: SAMU

VEÍCULO: Diário Catarinense

Médico é tratado como herói após salvar família

NIXON BATISTA RECEBE agradecimentos de vítimas e amigos nas redes sociais pelo salvamento de domingo, mas diz que só cumpriu sua obrigação

Um dia depois de ter prestado os primeiros socorros à família que sofreu um acidente de carro na BR-101, em Laguna, enquanto estava de folga, o médico socorrista do Samu, Nixon Batista, foi reconhecido como herói nas redes sociais. Surpreso com a repercussão, afirma que não fez nada de excepcional. O acidente ocorreu domingo à tarde, no trevo da Praia do Sol. O Renault Fluence da família de Tubarão trafegava no sentido sul quando parou no congestionamento e foi atingido por um caminhão que não conseguiu parar, além de colidir com uma carreta à frente.
BATISTA DIZ QUE TEVE SORTE PARA PERCEBER AS VÍTIMAS
Para o médico, foi sorte ter parado para ajudar. Ao ver o pé da mãe dos meninos no pára-brisa do carro percebeu que as vítimas ainda estavam presas às ferragens.
– Tendo condições de prestar um bom atendimento, temos a obrigação de ajudar – afirma Batista.
Na cadeirinha atrás do banco do motorista, o menino Lucas, de sete anos, apresentava parada respiratória e estava sem pulso, com muito sangue no nariz e na boca. O médico fez massagem cardíaca para reanimá-lo dentro do veículo.
Outros motoristas ajudaram a retirar o pai, Felipe Felisbino, ex-secretário de Educação de Tubarão. Batista pediu aos bombeiros o resgate por helicóptero de Lucas, que foi levado ao Hospital Infantil Joana de Gusmão, onde, até ontem à noite, seguia internado na UTI.
Chefe do serviço de urgência e emergência do Samu de Tubarão, não foi a primeira vez que Batista prestou socorro fora do expediente, mas este foi o mais grave.
– Digo sempre: a gente não salva ninguém. Temos a obrigação de, pelo menos, confortar e aliviar a dor. Quem salva é Deus – finaliza.

 

ASSUNTO: Violência no Córrego Grande

VEÍCULO: Notícias do Dia

Ex-segurança baleado com nove tiros

O ex-segurança Willian Iguape Horn, 34, foi atingido por nove tiros de pistola, na frente do filho de 12 anos. O crime ocorreu domingo à noite, no pátio de um posto de combustível em que ele trabalhou, na rua João Pio Duarte, Córrego Grande, em Florianópolis. Até a tarde de ontem, a vítima estava em coma no HU (Hospital Universitário), na Trindade.

O suspeito Elder Ferreira da Silva Macedo, 24, que tinha uma rixa com a vítima, deixou o Vectra estacionado em frente ao posto e aguardou Willian chegar. O alvo mora perto e foi com o filho mais velho limpar o Fiat Uno da família, no pátio do posto de combustível em que ele trabalhou. “Meu filho tirou o primeiro tapete e quando Willian se abaixou para tirar e limpar o segundo foi alvejado pelas costas”, contou a mulher Graciele Silva, 32.

Graciele disse que o menino está traumatizado, não sai de casa e não quer se alimentar. Ela ressaltou que o marido foi submetido a uma cirurgia para retirada do baço e, infelizmente, está em coma. De acordo com Graciele, o motivo do assassinato foi vingança. “Há cerca de um ano e meio, quando meu marido trabalhava de segurança no posto de gasolina, ele evitou um assalto em um estabelecimento comercial, em frente, protegendo o dono e surrando o suspeito, Elder, com um porrete”, contou Graciele.

Ela ressaltou que, depois desta tentativa de assalto, o ladrão passou a procurar Willian. “Ainda bem que ele não encontrou nossa casa. Temos três filhos pequenos, de cinco, nove e 12 anos”. Graciele ressaltou que ultimamente o marido trabalha com o irmão, que é caminhoneiro.

Autor é autuado em flagrante

Logo após a tentativa de assassinato, por volta das 23h de domingo, muitas pessoas correram até o posto para tentar salvar Willian, que se arrastava pelo pátio pedindo socorro. O filho da vítima descreveu as características físicas do suspeito para policiais militares e disse que no volante do Vectra havia um outro homem.

Guarnições do 4º BPM realizaram buscas na região e localizaram o suspeito no Morro do Quilombo. De acordo com a PM, Elder tem várias passagens policiais. Levado à Central de Plantão Policial de Florianópolis, ele foi autuado em flagrante por tentativa de homicídio. Ainda, de acordo com a polícia, a vítima também responde inquérito por invasão de propriedade, lesão corporal e ameaça de morte.