Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 3 de setembro

3.9.2013

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO DIA 03 DE SETEMBRO

 

COLUNISTA RAFAEL MARTINI – Diário Catarinense

Tropa de Elite

Policiais civis da Coordenadoria de Operações Policiais Especiais (Cope) estiveram na última semana no Vale do Itajaí participando de um treinamento para operações em ambiente rural. Os instrutores eram militares do 23º Batalhão de Infantaria, qualificados no Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs) da Amazônia, considerada a melhor unidade de combate na selva do mundo. Durante os cinco dias de atividades, tiveram apenas 10 horas para descanso, distribuídas ao longo da semana. Ou seja, duas horas de sono a cada 24 horas.

EU JÁ SABIA

Assim como no caso da camiseta apreendida do PGC, dentro da penitenciária de São Pedro de Alcântara, com cartas e estatutos do crime organizado recolhidos em celas dos presídios, o diretor do Deap, Leandro Lima, repete o comentário e diz que “já sabia” dos posts nas redes sociais dos trancafiados (até com trilha tirando onda da cara dos catarinenses). Com todo o respeito, mas só falta levantar o cartaz…

 

COLUNISTA HÉLIO COSTA – Notícias do Dia 01.09

Dinheiro pelo ralo

O espaço entre o largo da matriz e o largo da alfândega, coração de Florianópolis, é o quarteirão mais bem equipado do estado com segurança eletrônica – cinco câmeras, uma central exclusiva de videomonitoramento, além de dois postos policiais. Mas, no entanto, todo esse aparato apresentou falhas inadmissíveis e não impediu o furto dos bustos de Cruz e Sousa, Victor Meirelles, Jerônimo Coelho e José Boiteux. E o pior: a ausência dos ilustres na praça 15 foi notada 14 dias depois do furto. Então, para que gastar r$ 9 milhões no projeto bem-te-vi, com a instalação de centenas de equipamentos em quase todas as cidades catarinenses? Não é jogar dinheiro pelo ralo? Se a polícia militar não tem efetivo disponível, que entregue o controle da segurança eletrônica para os municípios. Eu insisto: tem que ter gente ligada 24 horas nas câmeras de vigilância. A segurança eletrônica é um excelente recurso, mas tem que saber usá-la.

 

COLUNISTA CARLOS DAMIÃO – Notícias do Dia 02.09

Ordem na casa

Fantástica a operação conjunta do 4º e do 21º Batalhão da Polícia militar, na noite de sexta-feira (30), pondo fim a uma festa rave que acontecia na região do Parque Estadual do rio Vermelho. Um bando de rapazes sem noção vinha perturbando o sossego dos moradores da área, inclusive da costa da lagoa, há muito tempo. O bom é que a ação não foi isolada: a PM vai continuar reprimindo esse tipo de baderna.

 

ASSUNTO: Carros clonados

VEÍCULO: Diário Catarinense

NOVA CONEXÃO: SC desponta na rota dos carros clonados

Pelo menos 20 carros com documentos falsos e placas frias de quadrilha com ramificações no Rio Grande do Sul foram apreendidos nos últimos dois meses

Santa Catarina desponta no mercado de carros clonados. Uma azeitada engrenagem entre quadrilheiros catarinenses e gaúchos – incluindo até policiais – tem trazido dezenas de veículos clonados para o Estado. São automóveis de luxo, esquentados com documentos e placas frias, revendidos com descontos de até 80% em relação ao valor de mercado. Nos últimos dois meses, pelo menos 20 carros foram apreendidos nessa situação pela Polícia Civil de Santa Catarina.
Os veículos são roubados por quadrilhas baseadas em Sapucaia do Sul (RS) com ramificações em uma dezena de cidades na Grande Porto Alegre e no Vale dos Sinos. Em oficinas clandestinas, os carros têm os sinais identificadores adulterados como o número do chassi e do motor. Ganham placas novas, com os mesmos algarismos e dígitos de um veículo de modelo semelhante, e documentos falsos em nome de laranjas.
Os criminosos fazem contato com quadrilhas de Florianópolis, onde os automóveis são revendidos até pela internet na Capital catarinense, cidades vizinhas e Litoral Norte, como Balneário Camboriú e Itapema. O comprador recebe uma procuração, que o permite rodar com o veículo. Precavidamente, ele não transfere a posse para o próprio nome. Caso fizesse isso, antes, teria de submeter o automóvel a uma vistoria, e a falsificação poderia ser descoberta, e o carro, apreendido.
Uma das evidências do aquecimento da conexão Porto Alegre-Florianópolis foi a captura de 26 pessoas, no começo de junho, pela Delegacia de Furto e Roubo de Veículos (DFRV) de Canoas (RS). O bando é suspeito de roubar, em Porto Alegre, 150 automóveis e caminhonetes de luxo – entre eles modelos como Edge, Cruze e Santa Fé – no primeiro semestre do ano e remeter grande parte deles para Santa Catarina, já clonados.
Rede criminosa possui contatos nos dois Estados
Conforme o delegado Thiago Lacerda, de Canoas, que comandou as prisões, quase diariamente ele recebe telefonemas de colegas policiais de Florianópolis, perguntando sobre a situação de placas de carros apreendidos em Santa Catarina.
– Como os sistemas e os bancos de dados não são integrados, eles ligam para a gente localizar o dono do carro e verificar se é caso de clone.
Conforme Lacerda, existe uma rede criminosa altamente articulada e com muitos contatos entre os dois Estados.
– É uma questão de mercado. No Rio Grande do Sul a oferta é maior, e os receptadores pagam menos. Como em Santa Catarina tem menos carros, o clone vale mais – avalia.

PMs são suspeitos de envolvimento

O esquema também conta com o envolvimento de policiais militares. Em 19 de agosto, agentes da DFRV de Florianópolis prenderam em flagrante por receptação um PM de Itajaí, no Litoral Norte. Ele seguia para o trabalho com um Civic clonado. O policial teria dito que estava com o carro desde o final de 2012. Três dias antes, em Palhoça, na Grande Florianópolis, agentes civis prenderam outro PM, com um Vectra, também clonado. Outros três colegas deles são investigados.
Nos últimos 45 dias, em duas operações, a polícia catarinense capturou quatro gaúchos que atravessaram o Rio Mampituba para entregar veículos clonados encomendados por quadrilheiros catarinenses. Uma dupla foi flagrada em Araranguá, no Sul de Santa Catarina, com um C4. Outra, pega com uma Tucson, em um shopping na Grande Florianópolis.
Segundo o delegado Rafael Werling, da Divisão de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV) da Diretoria Estadual de Investigações Criminais catarinense, um dos mais atuantes receptadores era um mato-grossense que vive em Florianópolis – já preso por tráfico de drogas e clonagem de cartões. Ele teria negociado mais de 50 veículos clonados em um intervalo de um ano.

Saiba mais

Caso você tenha dúvidas ao comprar um veículo:

– Informações sobre apreensões em Santa Catarina de carros furtados e roubados podem ser obtidas na Divisão de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV) da Diretoria Estadual de Investigações Criminais, em Florianópolis.

– O telefone de contato é (48) 3281 – 4200.

 

ASSUNTO: Segurança da UFSC

VEÍCULO: Diário Catarinense

PORTÕES DA UFSC: Comunidade se manifesta

Com o auditório do prédio da reitoria lotado de estudantes, professores e técnicos, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) realizou o primeiro de quatro fóruns consultivos com a comunidade universitária. O tema: a segurança no campus de Florianópolis.
Às 18h30min de ontem, diretor do Departamento de Segurança (Deseg), Leandro Luiz de Oliveira, a reitora Roselane Neckel, o tenente-coronel Araújo Gomes, comandante do 4o Batalhão da PM, e a administração da universidade ampliaram a discussão com estatísticas e possíveis ações.
Cartilhas contra a violência foram distribuídas e detalhes sobre o patrulhamento apresentados: 15 pessoas foram presas neste ano dentro do campus e todas já estão soltas, como demonstrou a Polícia Militar (PM).
Além dos números, a administração abriu o espaço para debate, onde todos puderam opinar sobre os temas polêmicos, como a instalação de portões nas três entradas principais e a regulamentação de festas para garantir mais segurança.
– O plano diretor da UFSC deveria comportar um espaço adequado com isolamento acústico e infraestrutura para os alunos realizarem suas festas, garantindo conforto à comunidade e segurança aos estudantes – disse Leandro Luiz de Oliveira, diretor do Departamento de Segurança Física e Patrimonial (Deseg).
A comunidade não votou, mas, segundo a reitoria, as recomendações e opiniões serão encaminhadas para o Conselho Universitário, que decidirá ainda neste mês se serão fechados ou não os portões da universidade.

 

ASSUNTO: Quadrilha na Serra

VEÍCULO: Diário Catarinense

CRIME FRUSTRADO: Policiais caçam bando na Serra

O sequestro de três gerentes de uma agência do Banco do Brasil em Lages e de familiares deles mobilizou um forte aparato de segurança. A suspeita é de que a quadrilha seja de fora do Estado e a busca pelos envolvidos continua. Pelo menos 10 pessoas integrariam o grupo e apenas dois bandidos haviam sido localizados e presos até a noite de ontem
É provável que os 9 mil habitantes de São José do Cerrito, a 40 quilômetros de Lages, na Serra, nunca tenham visto uma operação policial tão grande como a que presenciaram ontem. Tropa de elite, helicópteros e armas pesadas compuseram o cenário. Os moradores, acostumados à calmaria, estão assustados.
Era por volta de 11h quando um veículo furou uma barreira policial na entrada leste da cidade e deu início à operação. Os policiais procuravam os criminosos que, na noite anterior, haviam sequestrado três gerentes da agência do Banco do Brasil da Avenida Camões, no Bairro Coral, em Lages, e familiares deles (veja na página ao lado como foi o sequestro).
Tão logo soube da libertação dos reféns, a Polícia Militar recebeu a informação de que os criminosos se dirigiam em três veículos – um Chevrolet Spin, um Toyota Corolla e um Fiat Palio Weekend – pela BR-282, em direção ao Oeste do Estado.
A guarnição de São José do Cerrito foi orientada a montar uma barreira no trevo principal da cidade enquanto a equipe do Pelotão de Patrulhamento Tático (PPT) de Lages chegava para dar apoio. Mas os três carros suspeitos ignoraram o bloqueio e se separaram para despistar os policiais, que decidiram perseguir o Spin.
No caminho, disparos partiram do carro dos criminosos e um dos tiros acertou a lateral da viatura. Os policiais revidaram e, cerca de 10 quilômetros depois, na localidade de Santo Antonio dos Pinhos, o Spin saiu da rodovia e entrou em outra estrada. O motorista perdeu o controle do carro e bateu na cerca de uma propriedade rural.
Aparentemente sem ferimentos, ele efetuou mais dois disparos para espantar os moradores da casa e se embrenhou na grande mata de campos nativos e florestas de araucária. Os policiais, já com o reforço do PPT, chegaram logo em seguida e iniciaram a caçada pelo mato.
Medo na porta de casa
– Fiquei apavorada e não sabia o que fazer. Meu marido não estava em casa e minha filha de nove anos estava esperando o ônibus da escola na rodovia. Então os policiais me mandaram sair rápido e ir para um lugar seguro, porque aqui na minha própria casa era perigoso. Peguei meu filhinho de cinco meses e saí desesperada. Que Deus proteja a minha família desses bandidos – disse uma dona de casa de 31 anos que viu tudo e não quis se identificar por medo dos criminosos.
No veículo, com placas de Fazenda Rio Grande (PR), foram encontrados coletes à prova de balas e munições de pistola 9 milímetros, de uso restrito das Forças Armadas no Brasil.
A cada momento chegavam reforços das polícias Civil, Militar e Rodoviária Federal de várias cidades da região. Equipes da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) e do Batalhão de Operações Especiais (Bope), de Florianópolis, também se juntaram à operação, além dos helicópteros da PM e da Civil.
No fim da tarde, 20 policiais do Bope entraram na mata para reforçar as buscas a pé e, segundo o comandante do grupo, coronel Marcelo Cardoso, eles estão preparados, com equipamentos especiais para enfrentar as adversidades do terreno e do clima. Só encerrarão as buscas quando o bandido estiver algemado. E por toda a região os policiais abordarão e revistarão veículos e pessoas suspeitas até que os pelo menos 10 criminosos sejam presos.

Quadrilha seria de outro Estado

Depois das quase 15 horas de confinamento em um cativeiro no Centro de Lages, os 10 familiares feitos reféns – entre eles quatro crianças – passaram o dia na polícia para contar detalhes do sequestro, que teve troca de tiros e dois presos. Mais do que isso: precisavam receber apoio profissional de psicólogos, que foram cedidos pelo próprio Banco do Brasil.
As famílias foram abordadas em casa por volta de 21h no domingo. Os sequestradores se dividiram em três grupos. Um deles adentrou no apartamento da primeira gerente, no Bairro Sagrado Coração de Jesus, e manteve ela, os dois filhos, a mãe, a irmã e o cunhado sob a mira de revólveres. Enquanto isso, o outro bando invadia a casa de outro gerente, no Bairro Coral, obrigando ele, a mulher e uma filha a entrarem no próprio carro e seguir em direção ao apartamento da primeira refém. O último dos gerentes também foi rendido em casa, no Centro, e levado com a família – a mulher e dois filhos – para o mesmo apartamento. O carro da família também foi usado.
Embora ainda existam dúvidas, a polícia trabalha com uma certeza: os criminosos não são de Santa Catarina. Segundo o delegado da Divisão Antissequestro da Deic, Renato Hendges, não existem bandidos com este modo de ação no Estado, o que leva a polícia a suspeitar que sejam integrantes de quadrilha especializada vinda do Paraná.
A tese foi reforçada pelo fato do veículo Spin, abandonado pela quadrilha em São José do Cerrito, ter sido roubado em 29 de agosto em Curitiba. Outros dois fatores também devem confirmar a hipótese: os dois criminosos presos e o Corola em que estavam, apreendido na Delegacia de Fraiburgo.
A mesma quadrilha tinha outros planos. Na noite de domingo, simultaneamente ao sequestro, os ladrões tentaram agir em dois municípios próximos: um assalto a agência bancária de Curitibanos e tentativa de sequestro de outro gerente, em Ponte Alta.

“Eles eram profissionais”

As vítimas ficaram na sede da Divisão de Investigação Criminal de Lages até o fim da tarde de ontem para depoimento. Falaram com agentes e psicólogos, já que alguns estavam sob estresse. Não quiseram falar com a imprensa, mas ao serem liberados, o namorado da irmã da gerente do banco falou por cinco minutos com o DC. O nome dele não foi revelado porque a procura pelos sequestradores continua.

Diário Catarinense – Como foram as quase 15 horas no cativeiro?
Vítima – Estávamos em casa quando eles chegaram. Ficamos presos lá. No momento em que estavam com a gente, não nos sentimos realmente ameaçados. Eles não nos deixaram em pânico. Fomos tratados até com certa cordialidade.

DC – Teve alguma violência?
Vítima – Não. Só a violência psicológica mesmo. Pareciam estar acostumados com esse tipo de situação. Eles eram profissionais.

 

ASSUNTO: Artigo

VEÍCULO: Diário Catarinense

PEC 75, mobilização e política, por RODRIGO MOYA*

Primeiro proponho uma reflexão sobre a palavra político, no sentido mais amplo, como exercício nas relações interpessoais vislumbrando a persuasão para o alcance de um interesse. Muito falou-se sobre a polêmica PEC 37. Rejeitada, infelizmente não houve uma reflexão mais aprofundada sobre o tema que trouxe benefício classista. Por que não vimos a repercussão efetivamente dos benefícios à coletividade?
Ora, se o ente ministerial merece tanto poder, qual então o motivo de não adotarmos o modelo anglo-saxônico e centralizar as ações principalmente investigativas e criminais ao Ministério Público (MP) e tudo partir de sua delegação?

Efetivamente é prerrogativa do MP a fiscalização dos gastos públicos, mas qual a motivação que deixou o ente ministerial de fiscalizar os gastos públicos com a Copa?
Gastos de bilhões não detêm tanto interesse quanto enxovalhar delegados de polícia e mostrar que o MP é essencial. Mas esquecem que a manobra para galgarem seus objetivos deixa transparecer que menos de 10% dos delegados sofrem investigação ou mesmo são punidos/exonerados, muito embora se crie temor e desconfiança frente à instituição.
Quem fiscaliza o MP senão o próprio ente ministerial? Pior é que outra PEC, agora a de número 75, também aguarda votação. Tal PEC prevê a exoneração de membros do MP após o devido processo legal dos que exercem a profissão em desacordo à conduta que é sua obrigação, seu dever e sua prerrogativa. Hoje o que ocorre é a “aposentadoria forçada” por negligência ou erro, sem nenhuma sanção coercitiva.
Está na hora de começarmos a refletir antes de levantarmos bandeiras e tomarmos decisões, visto que todas as informações estão intrínsecas de juízo de valor. Analise, reflita, opine. Exercite o seu dever.
Por que o ente ministerial deixou de fiscalizar os gastos públicos com a Copa do Mundo?

*ADVOGADO E CONSELHEIRO SUPLENTE DA OAB DA SUBSEÇÃO BIGUAÇU

 

ASSUNTO: 8º Batalhão

VEÍCULO: Portal da PMSC

Joinville: Solenidade marca a assunção de Comando do 8º BPM

Aconteceu da manhã da última sexta-feira, dia 30 de agosto, a solenidade de Assunção de Comando do 8º Batalhão de Polícia Militar (BPM) de Joinville, pelo tenente-coronel Adilson Moreira. O então comandante interino do 8º BPM, major Jofrey Santos da Silva, permaneceu no cargo de subcomandante do Batalhão.
Estiveram presentes diversas autoridades, dentre elas ocomandante-geral da Polícia Militar, coronel Nazareno Marcineiro, asecretária de Estado do Desenvolvimento Regional (SDR) de Joinville, Simone Schramm, o comandante da 5ª Região de Polícia Militar (RPM), coronel Rogério Rodrigues, além de juízes, deputados, vereadores, representantes de órgãos municipais e estaduais, policiais e familiares.

A unidade, que passou de guarnição especial ao nível de batalhão em 1985, conta hoje com um efetivo de 381 policiais militares, possui um pelotão de comando e serviços e quatro companhias operacionais.

Na cerimônia, o tenente-coronel Adilson Moreira foi homenageado e recebeu votos de sucesso das autoridades presentes, disse estar feliz em assumir o 8ºBPM e que vai dar o melhor de si em seu comando.

Em sua fala, o comandante-geral da PM destacou a importância da renovação do Comando para melhoria da Segurança Pública. “A unidade passa a ter um grande comandante, que dará continuidade ao trabalho que já vem sendo realizado no batalhão”, destacou coronel Nazareno.

 

ASSUNTO: Ação dos bombeiros

VEÍCULO: Jornal A Notícia

Bombeiros encerram as buscas por pescador em Balneário Barra do Sul

Jovem está desaparecido desde a madrugada de sábado, Os bombeiros encerraram nesta segunda-feira as buscas por um pescador de 24 anos,vítima de um naufrágio de um barco no sábado, em Balneário Barra do Sul. O naufrágio aconteceu a 7 Km da Ilha Tamboretes, em Balneário Barra do Sul. A embarcação estava a 17 km da costa. Na tarde desta segunda, mergulhadores apoiaram as buscas, mas o jovem não foi encontrado. Outros dois rapazes que estavam na embarcação foram resgatados e passam bem.

 

ASSUNTO: PM encontra dinheiro em caixa eletrônico

VEÍCULO: Jornal O Sol Diário

Policial Militar encontra dinheiro perdido em caixa eletrônico, em Camboriú

Dinheiro foi encaminhado para a Polícia Civil, que investigará o caso

Um policial militar de folga achou R$ 620 em um caixa eletrônico do Banco Itaú, em Camboriú, na última sexta-feira. Perto do meio-dia, ele estava na fila e notou que o cliente que usava a máquina ficou irritado ao perceber que o sistema travou. Por isso, saiu sem confirmar se o saque havia sido efetuado.

O policial foi até o caixa e percebeu um barulho estranho. Foi quando R$ 620 saíram do lugar onde é efetuado o saque. Ele tentou procurar o homem que havia usado a máquina, mas não o encontrou. Foi então que ele ligou para a PM e uma viatura foi até o local para recolher o dinheiro.

Foi registrado um boletim de ocorrência e a Polícia Civil agora investigará quem é o dono do dinheiro.

 

ASSUNTO: Mais estrutura para Bombeiros

VEÍCULO: Notícias do Dia

Governador Celso Ramos. Corpo de Bombeiros garante atendimento no município

Socorro agora mais perto: A inauguração oficial do grupamento será ainda este mês.

Até habitantes e turistas de Governador Celso Ramos dependiam do socorro do Corpo de Bombeiros de outras cidades. Não raras vezes, São José e Palhoça se juntaram às equipes de Biguaçu e Tijucas para combater incêndios na cidade de 13 mil habitantes. Desde a instalação do grupamento com 11 homens no antigo Mercado Público do município, foram atendidas 80 ocorrências. Todas com deslocamento mais rápido.

O prédio de mais de 500 m² que abriga a corporação foi cedido pela prefeitura. O investimento do Funrebom (Fundo de Reaparelhamento dos Bombeiros) foi de R$ 110 mil. À corporação coube equipar o local e ofertar os homens para atuar no socorro às vítimas de acidentes, afogamentos, incêndio e outras ocorrências. Para as ocorrências marítimas, conta com uma singular vantagem: a saída dos botes e jet skis ocorre diretamente no mar, pois a porta dos fundos do antigo Mercado Público é voltada para a praia.

“Perdi um amigo porque não havia socorro aqui. O jeito que encontrei para homenageá-lo foi lutar pela mudança”, relatou o comandante local, Edson Valmor, ao detalhar que sua busca para instalar o Corpo de Bombeiro começou há oito anos. Ele antecipa que pretende usar a sala superior do prédio para abrigar a Defesa Civil.

Equipamentos disponíveis

2 Jet-skis

2 Botes

1 Quadriciclo

1 Ambulância- ASU- 159

1 Caminhão de combate a incêndio- ABS