Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 15 de fevereiro

15.2.2013

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO DIA 15.02

 

 

ASSUNTO: Atentados em SC

VEÍCULO: Diário Catarinense

EDITORIA: Geral

ATAQUES EM SC: Força Nacional atuará na transferência de presos

Pelo menos 350 policiais devem chegar ao Estado e trabalhar também dentro dos presídios para evitar rebeliões

A Força Nacional de Segurança vai atuar na ofensiva contra os atentados que atingem o Estado há duas semanas. As tropas deverão cuidar da transferência dos presos líderes da facção criminosa Primeiro Grupo Catarinense (PGC) a presídios federais e também evitar supostas tentativas de rebelião de detentos nas prisões.
Na manhã de hoje, haverá reunião entre autoridades estaduais e federais da Segurança Pública e Justiça para decidir estratégias de ações nos próximos dias. A chegada da tropa federal ao Estado é aguardada para as próximas horas, com pelo menos 350 homens.
O reforço federal foi acertado em reunião na noite de quarta-feira, na Capital, entre o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o governador Raimundo Colombo.
Autoridades estaduais ou federais não quiseram se manifestar sobre a vinda do reforço. À tarde, em uma reunião fechada com vereadores na Câmara, a secretária da Justiça e Cidadania, Ada De Luca, teria confidenciado que as tropas estavam a caminho, o que negou mais tarde aos jornalistas.

O DC conversou com seis integrantes dos dois governos, que confirmaram a vinda do grupo. Eles devem apoiar as transferências dos líderes do PGC para prisões federais.
Pelo menos 20 criminosos da facção ficarão isolados no regime disciplinar diferenciado. Os presos estão principalmente na Penitenciária de São Pedro de Alcântara, na Grande Florianópolis. Em 2009, 40 foram transferidos, mas retornaram ao Estado depois de dois anos. A Força também deve guarnecer os presídios. Isso porque há temor de que a ida dos líderes do PGC para fora de SC desencadeie rebeliões.
Um dos locais que poderão servir como alojamento é o Centro de Ensino da PM, na Trindade, em Florianópolis. Ainda não houve manifestação oficial dos governos federal ou estadual sobre quanto tempo a tropa deverá permanecer em SC. Eles tratam o reforço em sigilo, mas há grupo que defende a divulgação como forma de amedrontar os criminosos que estão nas ruas cumprindo as ordens do PGC. Desde o dia 30 de janeiro, ocorreram 98 ataques.
O Ministério da Justiça disse que não irá comentar a vinda da Força nem as declarações da secretária Ada.

 

ASSUNTO: Atentados em SC

VEÍCULO: A Notícia

EDITORIA: Geral

Polícia ouve seis presos agredidos

Amanhã, delegado falará com agentes prisionais de Jaraguá do Sul e Barra Velha

O delegado responsável pela investigação criminal da operação pente-fino no Presídio Regional de Joinville, Fábio Estuqui, ouviu ontem seis presos que teriam sido agredidos pelos carcereiros e um agente prisional que participou da ação. A polícia investiga se houve excesso por parte dos agentes do Departamento de Administração Prisional (Deap) na ação do dia 18 de janeiro. “A Notícia” divulgou o vídeo, com exclusividade, no último dia 2.
Três dos seis presos ouvidos foram atingidos com tiros de munição de borracha. Outros dois teriam sido atingidos pela granada de efeito moral. o sexto preso, que é paraguaio, deslocou o ombro por causa de um golpe que levou de um agente. Com o auxílio das imagens, o delegado pôde observar o golpe. O carcereiro teria saltado no meio do grupo de 60 presos agachados no pátio para tentar conter dois deles que estariam incitando uma reação dos detentos. Ao pular, acabou atingindo o paraguaio com os pés.
O relato dos presos foi o mesmo. Eles contaram ao delegado que os agentes chegaram ao pavilhão bem cedo, por volta das 7 horas. Alguns estavam tomando café, enquanto outros dormiam. Os carcereiros chegaram dando tiros com munições de borracha e fazendo uso de gás de efeito moral, conforme o depoimento dos detentos. A ordem era para que todos ficassem nus e paralisados. Um por vez foi encaminhado ao pátio para que as celas fossem vistoriadas. Nas celas, os agentes encontraram maconha e celulares.
Os presos alegaram ainda que não tentaram reagir. Mas confessaram que proferiram gritos de repúdio à ação dos agentes. “Eles começaram a gritar chamando os agentes de covardes”, contou o delegado. Os detentos disseram ainda que os atentados em Santa Catarina nada têm a ver com o que aconteceu no presídio de Joinville. Eles afirmam que escreveram duas cartas relatando a ação dos agentes apenas aos familiares e ao juiz.
O agente prisional que prestou depoimento atuava em Joinville e seria responsável por saltar entre os presos. Ele afirmou que não estava armado e retirou dois presos do grupo porque estariam incitando reação dos demais.
Amanhã, o delegado irá ouvir agentes prisionais de Jaraguá do Sul e Barra Velha que participaram da operação. Os demais agentes lotados em Florianópolis serão ouvidos na segunda-feira.

 

ASSUNTO: Atentados em SC

VEÍCULO: A Notícia

COLUNISTA CLÁUDIO PRISCO

Repercussão

A onda de ataques criminosos em Santa Catarina voltou a ser destaque na sessão de ontem da Assembleia. Em meio aos pronunciamentos, diversos deputados destacaram a necessidade da vinda da Força Nacional de Segurança em apoio à força policial do Estado.

Os poderes e instituições públicas, na visão do deputado Amauri Soares (PDT), devem superar desavenças e agir de forma coordenada, visando a solucionar o problema. O líder do PP, Valmir Comin, acrescentou que o auxílio federal de tropas e serviços de inteligência não pode ser encarado como demérito às forças policiais catarinenses.

Já para Dirceu Dresch e Luciane Carminatti, ambos do PT, a situação expõe um grave problema no setor de segurança, agravado pela falta de ação das autoridades estaduais.

 

ASSUNTO: Atentados em SC

VEÍCULO: Portal da Alesc

Deputados defendem vinda da Força Nacional de Segurança a SC

A onda de ataques criminosos em Santa Catarina voltou a ser destaque na tribuna na sessão ordinária realizada na manhã desta quinta-feira (14). Em meio aos pronunciamentos, diversos deputados destacaram a necessidade da vinda da Força Nacional de Segurança em apoio à força policial catarinense.

Os poderes e instituições públicas, na visão de Sargento Amauri Soares (PDT), devem superar desavenças e agir de forma coordenada, visando solucionar o problema. “O estado precisa sair da defensiva. As instituições públicas devem deixar de lado vaidades e intrigas e cumprir o papel constitucional de proteger o cidadão. Não vejo qual a dificuldade em aceitar a ajuda da Força Nacional de Segurança ou até mesmo a convocação da reserva remunerada de policiais militares”.

Valmir Comin (PP) acrescentou que o auxílio federal em tropas e serviços de inteligência não pode ser encarado como demérito às forças policiais catarinenses. “Temos uma causa maior que é a segurança e o bem-estar da população. Quando se busca essa parceria, dentro de uma forma integrada, também se divide o ônus e o bônus”.

Para Dirceu Dresch e Luciane Carminatti, ambos do PT, a situação expõe um grave problema existente no setor de segurança, agravado pela falta de ação das autoridades estaduais. “Tem que ter essa soma, que já está vindo tarde. Já em novembro do ano passado denunciamos esta situação. Era claro que os ataques voltariam, pois o sistema prisional de Santa Catarina é extremamente corrupto”, disse Dresch. “Precisamos investir em inteligência e na integração das polícias, inclusive utilizando tropas do Exército, que podem muito bem estar nas ruas, garantindo a segurança das pessoas”, destacou Carminatti, citando o exemplo da Estratégia Nacional de Segurança Pública nas Fronteiras (Enafron). “Já existe uma ação do governo federal para integrar as forças de segurança nas fronteiras. Por que não usar esta experiência no nosso estado?” disse.

 

ASSUNTO: Penitenciária do Vale

VEÍCULO: Jornal de Santa Catarina

EDITORIA: Geral

Jogo de empurra

Depois de o Estado pedir área para penitenciária, prefeitos querem que governador defina o local

A definição da cidade em que será construída a Penitenciária do Médio Vale do Itajaí entrou em um jogo de empurra. Cinco meses depois de o Departamento de Administração Prisional (Deap) anunciar que estão garantidos R$ 27 milhões para a construção da unidade e exigir que os municípios cedessem um terreno onde será erguida a obra, os 14 prefeitos da região decidiram que precisam de uma reunião com o governador Raimundo Colombo para discutir o assunto. O grupo cobra que o Estado apresente a política de segurança planejada para o Médio Vale.
Ontem de manhã, em reunião da Associação dos Municípios do Médio Vale do Itajaí (Ammvi), os representantes aprovaram por unanimidade a audiência com o governador. Esperam que seja explicado a eles qual a estrutura de segurança pública será instalada na região, além da penitenciária. Por isso, entendem que quem deve definir a cidade e o local ideal para receber a estrutura é o próprio Estado.
– Os problemas de segurança pública são muito maiores do que a construção de um presídio. Trabalhamos assim nas cidades e queremos saber qual é o projeto que o governador tem para o Médio Vale do Itajaí. Não somos contra a obra, mas queremos saber quais são os encaminhamentos para a região – explicou o presidente da Ammvi e prefeito de Timbó, Laércio Schuster Jr.

Associação pede estudo técnico para definir o local
Antes questionados pelo Deap e Tribunal de Justiça, que pediam uma área aos prefeitos, agora os municípios querem que a decisão venha do governador.
– Com base nos estudos técnicos, onde ele (governador) definir, será o local que vamos acatar – garantiu Schuster Jr.
Para o presidente da Associação Empresarial de Blumenau (Acib), Ronaldo Baumgarten Jr., a decisão de passar a responsabilidade para o governo estadual deixa Raimundo Colombo com a “faca e queijo na mão”:
– Temos que aproveitar o momento e fazer a penitenciária o mais rápido possível. Concordo com os prefeitos que exigem saber a contrapartida do Estado. Com essa decisão, deram a carta branca ao governador para decidir o local – afirmou.
O Deap se manifestou por meio de David Santana, assessor do diretor Leandro Lima. Segundo Santana, com a decisão dos prefeitos, o debate será feito com a Secretaria de Justiça e Cidadania e o governador. O assessor destacou que não há perigo de a verba ser perdida.
– Faremos todos os esforços possíveis para iniciar logo a obra. Assim como nas outras regiões, serão feitas audiências públicas nas cidades cogitadas a receber a unidade – garantiu Santana.

 

ASSUNTO: Paralisação Comcap

VEÍCULO: Diário Catarinense

EDITORIA: Geral

PARALISAÇÃO: 24 horas sem coleta de lixo

Em meio aos transtornos do transporte coletivo causados pela redução dos horários de ônibus em decorrência dos ataques dos últimos dias, os moradores de Florianópolis tiveram ontem de lidar com um outro problema.

Não houve coleta de lixo na cidade por 24 horas por decisão do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Florianópolis (Sintrasem) – a coleta volta ao normal às 7 horas de hoje.
As principais exigências dos trabalhadores são a manutenção dos postos de trabalho dos funcionários do estacionamento da empresa no Aterro da Baía Sul, que será fechado amanhã, a implantação de um plano de aposentadoria e a implementação do Plano de Resíduos Sólidos.
O presidente da Comcap, Ronaldo Freire, lamenta a decisão de paralisar os serviços por 24 horas. Segundo ele, os três itens da pauta da assembleia que deliberou pela paralisação na manhã de ontem já haviam sido previamente tratados pela direção da empresa, em rodadas de negociação com o Sintrasem. Freire também diz que não há motivos para uma greve. Deliberou-se, ainda, que dentro de 15 dias será realizada nova assembleia. Há indicativo de greve por tempo indeterminado se até lá as reivindicações não forem atendidas.
Depois da assembleia, os funcionários saíram em passeata em apoio à assembleia dos motoristas de ônibus e seguiram para o gabinete do prefeito Cesar Souza Júnior.

 

ASSUNTO: Salários Justiça Trabalhista

VEÍCULO: Diário Catarinense

COLUNISTA CACAU MENEZES

Mais farra

Depois do auxílio-moradia dos deputados, outro rega-bofe ganha destaque. A Justiça Trabalhista foi flagrada pelo Tribunal de Contas da União fazendo injustas doações de R$ 2,4 bi a seus funcionários e magistrados, sob o pretexto de pagar dívidas. Os fiscais descobriram que apenas a metade desse valor seria de fato devida, mas R$ 1,5 bi já foram pagos.

 

ASSUNTO: Polícia Ambiental + Ada de Luca

VEÍCULO: Diário Catarinense

COLUNISTA RAFAEL MARTINI

AMBIENTAL SEM TETO

Os fiscais da Secretaria do Continente também embargaram a obra da nova sede da Polícia Militar Ambiental, que estava em andamento no Parque Aventura, Bairro Itaguaçu. A construtora não apresentou alvará e o projeto sequer tem licença para execução.

CANSOU

Homem de confiança que já passou por outras pastas no primeiro escalão do governo Colombo rompeu com a titular da Justiça Ada de Luca, a quem se refere apenas como “aquela senhora”.

ALIÁS

Quando é que a bancada do partido da secretária, que também é deputada estadual, pretende fazer uma manifestação oficial em defesa do trabalho dela?

 

ASSUNTO: Recursos para a Segurança

VEÍCULO: Diário Catarinense

COLUNISTA MOACIR PEREIRA

Dinheiro para a segurança

O secretário do Planejamento, Murilo Flores (PSB), anuncia para os meses de março, abril e maio, o lançamento de editais para compra de 1,6 mil novas viaturas policiais, 10 mil kits (pistolas, algemas e coletes) e sistemas de comunicação. Tem R$ 500 milhões para construção de novos presídios e penitenciárias, dentro do Pacto pela Segurança. Prontas, abrirão 7 mil novas vagas no Estado.

– Em Lages, primeira parada da caravana da lideranças do PSDB estadual, o ex-vice-prefeito Luis Carlos Pinheiro foi lançado pré-candidato a deputado estadual. Estavam lá o senador Paulo Bauer e o ex-governador Leonel Pavan.

 

ASSUNTO: Presidente em SC

VEÍCULO: A Notícia

COLUNISTA CLÁUDIO PRISCO

Dilma em SC

Em ritmo de pré-campanha eleitoral, a presidente Dilma Rousseff (PT) determinou que sua assessoria agende uma visita a Santa Catarina no dia 10 de maio, quando aproveitaria para inaugurar o novo prédio da administração da UFSC em Florianópolis.
O investimento federal foi de R$ 33 milhões.
Se as obras de duplicação da BR-101 estiverem avançadas e o novo campus da UFSC em Araranguá devidamente instalado, Dilma poderia se deslocar ao Sul do Estado. Vale lembrar que o prefeito de Araranguá é o petista Sandro Maciel.

 

ASSUNTO: Redes sociais

VEÍCULO: Notícias do Dia de 13.02

COLUNISTA CARLOS DAMIÃO

Fogo…

Pegou fogo na terça-feira (12) no Twitter um debate entre comandantes militares e o capitão do Corpo de Bombeiros Diogo Losso. Até o comandante geral, coronel Nazareno Marcineiro, entrou na discussão pela rede social. “Esperamos de você participação e não só reclamação, mesmo assim, obrigado”, foi o pito do comandante, encerrando a polêmica, bem de acordo – nervosa – com os tempos atuais.
… na rede
Tudo começou com uma observação de Diogo Losso: “Cadê a fiscalização na SC-402, próximo ao Stage, veículos trafegando pelo acostamento”. Chama atenção também o que disse o tenente-coronel Silvio Ribeiro, comandante do 21º Batalhão da Polícia Militar (Norte da Ilha): “Ainda a registrar que a Ilha não tem infraestrutura para tantas pessoas, veículos e eventos”.

 

ASSUNTO: Auxílio Moradia

VEÍCULO: Diário Catarinense

EDITORIA: Política

RENDA EXTRA: Deputados com imóveis na Capital recebem auxílio

Pesquisa do DC mostra que 18 parlamentares que declararam ter apartamentos na região recebem R$ 4,3 mil para moradia

Dezoito deputados estaduais que declararam à Justiça Eleitoral ter imóvel na Grande Florianópolis receberam o auxílio-moradia de R$ 4,3 mil na última folha.
O valor é o mais alto pago nas assembleias do país e é transferido sem a necessidade de apresentar qualquer tipo de comprovante de gasto.
Na lista dos 42 parlamentares que aparecem na última folha – que incluem dois licenciados que são secretários – seis têm como base a Grande Florianópolis. Outros 16, do interior, também têm imóveis na região. Os dados estão nas declarações de bens ao TRE nas eleições de 2010 e 2012.
Uma das justificativas de quem recebe o auxílio e tem imóvel na Capital é a de que a verba é legal. Outro argumento é o de que outros poderes também pagam.
–  Alguém está fazendo alguma coisa ilegal? O auxílio foi feito para quem tem base no interior. Posso ter imóveis aonde eu quiser – fala o deputado Romildo Titon (PMDB), que é de Campos Novos.
– Tenho que manter duas casas, uma em Florianópolis e outra em Chapecó. O auxílio serve para pagar minhas despesas básicas com condomínio e IPTU na Capital – afirma Gelson Merisio (PSD).
Neodi Saretta (PT) fala em rediscutir o pagamento. Em 1999, quando o benefício foi criado, o petista abriu mão da verba extra, que na época era de R$ 2,4 mil.
– Poderia ser até extinto – diz.
Na quarta, o presidente Joares Ponticelli (PP) admitiu a possibilidade rediscutir o auxílio-moradia. Com base em Tubarão e proprietário de um apartamento na Capital, ele recebe a verba de R$ 4,3 mil.
Dois deputados informaram que não usam ou não têm mais o imóvel declarado. Pedro Baldisserra (PT) disse que vendeu o apartamento no final de 2012. E Dado Cherem (PSDB) explicou que um erro incluiu o apartamento na lista de bens enviada ao TRE em 2010.
– É da minha mulher e está alugado. Nunca usei. Quando preciso, vou para o hotel – disse.

 

ASSUNTO: Salário PM / Rio de Janeiro

VEÍCULO: Portal Globo.Com

Coronel Erir Ribeiro, comandante-geral da PM, processa o estado para aumentar o seu salário

Enquanto policiais militares são avaliados nas ruas e obrigados a cumprir metas para receber uma bonificação a cada seis meses, o atual comandante-geral da Polícia Militar, coronel Erir Ribeiro Costa Filho, buscou, com seus advogados, um caminho nem sempre tão acessível a seus praças e oficiais. Em novembro do ano passado – quando já ocupava o cargo máximo da corporação – Erir recorreu de uma sentença desfavorável da Justiça em que pleiteava o recebimento de uma gratificação paga administrativamente a 57 coronéis em 1994.

O valor desse adicional, hoje, é de R$ 2.420, mas advogados já discutem que deveria ser superior a R$ 4 mil. Um comandante da PM recebe vencimentos brutos superiores a R$ 20 mil. Só de bônus pelo cargo, Erir ganha mais de R$ 9 mil.

Ele já vinha processando o estado desde 2010, ano em que comandou o 2 Comando de Policiamento de Área (CPA), na Zona Oeste. Na ocasião, não comunicou oficialmente ao Estado-Maior da PM que ingressaria com a ação judicial – norma prevista, para qualquer praça ou oficial, no artigo 49 do Estatuto dos Policiais Militares.

Enquanto Erir passou uma virada de ano mais feliz financeiramente, até a última quarta-feira seus praças e oficiais que fizeram bico no réveillon para a própria Polícia Militar – programa conhecido como RAS – não tinham sido pagos. Eles fizeram turnos de até 12h.

São 4.155 servidores à espera de valores máximos que vão de R$ 225 (no caso de praças) a R$ 375 (oficiais). Segundo a PM, o dinheiro deve levar até cinco dias para sair. Para quem trabalhou em janeiro para o RAS, o dinheiro também ainda não saiu.

Encargos especiais

O adicional pleiteado por Erir é a Gratificação de Encargos Especiais (GEE). Foi concedida, em 1994, pelo governo, a alguns coroneis. Segundo o advogado Domingos Sávio, da Assinap – Associação de Ativos e Inativos da PM e Bombeiros, que é pioneira nessas ações – o percentual é de 60% sobre o soldo e algumas gratificações, o que daria cerca de R$ 4 mil.

– Mas o estado parou de fazer a atualização monetária em 2005 – explica ele.

Gratificação

A Gratificação de Encargos Especiais (GEE) foi incorporada aos vencimentos de 57 coronéis em 1994. A concessão foi feita por meio de um processo administrativo. Os coronéis ocupavam cargos importantes. Segundo o advogado Domingos Sávio, o percentual era de 60% sobre a soma do soldo e duas gratificações. A partir de 1995, a gratificação parou de ser concedida.

Ações na Justiça

Outros coronéis – inclusive inativos e pensionistas de PMs – passaram a ingressar na Justiça.

Súmula

Em maio de 2005, no entanto, o TJ uniformizou a questão, com a Súmula 78, deixando de fora os demais militares

Atualização

O governo do estado parou de atualizar os valores da Gratificação de Encargos Especiais em 2005. O valor ficou congelado em R$ 2.420. Policiais reivindicam, no entanto, R$ 4 mil – valor atualizado.


ASSUNTO: Mudanças na Alesc

VEÍCULO: Portal da Alesc 14.02

Novos líderes

A renovação das lideranças é outro ajuste que está em curso nas bancadas. O deputado Dirceu

Dresch (PT) passou a liderança do partido para a deputada Ana Paula Lima (PT) na quarta-

feira. No mesmo dia, o deputado Sílvio Dreveck (PP) despediu-se da liderança progressista,

assumida pelo deputado Valmir Comin (PP). O novo líder do PSDB também já foi anunciado: o

deputado Dóia Guglielmi (PSDB) vai substituir o deputado Dado Cherem (PSDB). Na terça-feira,

a deputada Luciane Carminatti (PT) assumiu a presidência da Bancada Feminina da Assembleia

Legislativa, composta por ela e pelas deputadas Ana Paula Lima, Angela Albino (PCdoB) e Dirce

Heiderscheidt (PMDB).

 

ASSUNTO: Prefeitura de Baln. Camboriú

VEÍCULO: O Sol Diário

EDITORIA: Política

Procurador eleitoral recomenda cassação de Piriquito e Dalvesco

Prefeito e vice de Balneário Camboriú teriam cometido irregularidades em campanha

Um parecer da Procuradoria Regional Eleitoral recomenda a cassação do diploma do prefeito de Balneário Camboriú, Edson Piriquito (PMDB), e do vice Cláudio Dalvesco (PR) por supostas irregularidades na campanha eleitoral de 2012. O processo diz respeito a um comício ocorrido em setembro do ano passado no Bairro Vila Real, em que teriam sido usadas máquinas da prefeitura e servidores públicos para limpeza do espaço. O parecer é levado em conta no julgamento do processo pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que ainda não tem data para ocorrer.

A ação foi movida pela coligação adversária, representada pelo candidato Rubens Spernau (PSDB) com base na lei eleitoral, que proíbe o uso de equipamentos e serviços públicos em campanhas. Foram juntadas ao processo fotos que comprovariam a limpeza do local após o comício, inclusive com a presença da guarda municipal.

Em primeira instância, a Justiça Eleitoral de Balneário Camboriú multou Piriquito e Dalvesco. Mas a coligação recorreu ao TRE pedindo a cassação. O parecer da Procuradoria Regional Eleitoral antecede o julgamento no TRE e demonstra a posição do Ministério Público sobre o caso.

 

ASSUNTO: Morre ex-ministro da Justiça

VEÍCULO: O Sol Diário

EDITORIA: Política

Morre o ex-ministro da Justiça Fernando Lyra

O ex-deputado federal e ex-ministro de Justiça do Brasil, Fernando Lyra, faleceu na tarde desta quinta-feira no Instituto do Coração (Incor) na cidade de São Paulo, em decorrência de complicações no quadro de infecção urinária, agravada pelos problemas cardíacos que o ex-ministro apresentou ao longo dos anos

O corpo de Fernando, que é irmão do vice-governador do estado João Lyra, será transferido ainda nesta quinta-feira para o Recife, onde será velado na Assembleia Legislativa de Pernambuco. O sepultamento vai ocorrer possivelmente no cemitério Morada da Paz, nesta sexta-feira, às 17h. O governador do estado, Eduardo Campos, já decretou luto oficial de três dias.
Fernando Lyra foi internado no Real Hospital Português na última semana antes do Natal de 2012 por conta de problemas com o coração. Ele foi liberado para passar o Natal com a família, mas dias depois voltou a passar mal e foi internado novamente com um quadro de infecção urinária. Fernando Lyra vinha fazendo tratamentos neste hospital há cerca de 15 anos.