Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 15 de agosto

15.8.2013

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO DIA 15 DE AGOSTO

 

BLOG MOACIR PEREIRA

A Aprasc e a Segurança

A Diretoria da Aprasc emitiu nota sobre as decisões do governo na área da Segurança Pública e as negociações salariais:

“As edições dos jornais desta semana  alardeiam os R$ 11 milhões anunciados pelo governo para a compra de equipamentos para a  Operação Verão 2013/2014. Aplaudido pela imprensa, porque garante a “segurança” e a posição de “destaque” de Santa Catarina como um dos estados mais “seguros” e de “melhor qualidade de vida” do país, o anúncio é um deboche para as “pessoas” que operam os equipamentos: policiais e bombeiros. “A aquisição dos equipamentos certamente contempla reivindicação que a Aprasc tem feito continuamente de melhores condições de trabalho. É positivo, claro, tanto para as corporações quanto para a sociedade. Mas, nem só de equipamento vive o BM ou a PM. Não adianta ter equipamentos se o profissional é desvalorizado, recebe uma diária de R$100,00. É ridículo!”, dispara o presidente da Aprasc, Elisandro Lotin. Em entrevistas para as Rádios Araranguá na tarde de segunda-feira e para a Rádio Cidade, de Brusque (em programa que vai ao ar nesta terça pela manhã), Lotin falou sobre as negociações salariais dos praças e abordou o assunto.”

 

COLUNISTA RAFAEL MARTINI – Diário Catarinense

BARRACA ARMADA

O tenente-coronel Márcio Luiz Alves é o novo chefe do Parque do Rio Vermelho e já chamou as ONGs locais para em conjunto reativar o camping no Norte da Ilha. A ordem é deixar tudo pronto para final do ano, quando começa a temporada de verão. No Facebook, já tem grupo de amigos do camping, incluindo até mesmo turistas argentinos, pedindo a reabertura.

 

COLUNISTA CACAU MENEZES – Diário Catarinense

Avanço

Os Estados Unidos deram um importante passo para reduzir os danos causados pela política proibicionista em relação às drogas. O procurador-geral Eric Holder anunciou mudanças na legislação federal criminal. Quanto aos crimes relacionados a entorpecentes, a orientação de Holder foi para que pessoas detidas pela polícia portando drogas, não violentas, sem ligações com gangues ou cartéis, não sejam mais enquadradas na chamada Lei da Pena Mínima.
Será que vamos aprender com os americanos a não perder mais tempo nem dinheiro com os fumantes de maconha?

 

COLUNISTA HÉLIO COSTA – Notícias do Dia

Segurança      

Vinte e oito policiais civis se formam hoje, às 14h, na academia da polícia Civil, Florianópolis. São mais 26 escrivães e dois agentes que vão reforçar o efetivo nas delegacias da polícia Civil. A instituição estava desfalcada de escrivães. Com esta turma, o quadro da polícia salta para 3.461 policiais. O secretário de segurança pública, César Augusto Grubba, e o delegado geral Aldo Pinheiro d’Ávila, participam da cerimônia.

 

ASSUNTO: Massacre do Carandiru

VEÍCULO: Diário Catarinense

Associação dá R$300 mil para defesa de réus

Os policiais acusados de participação no massacre de Carandiru terão parte de suas despesas com advogados paga pela Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo. A entidade vai disponibilizar R$ 300 mil para o pagamento dos honorários. “O que ganhamos mal dá para comer, ainda temos que pagar advogados, não dá”, disse o cabo Wilson Morais, presidente da associação. Segundo ele quem pagou os advogados até agora foram os próprios réus, em cotas que variam de R$ 500 a R$ 1 mil, dependendo da patente do acusado.

 

ASSUNTO: Manifestações de policiais

VEÍCULO: Diário Catarinense

Policiais em greve queimam caixões

Policiais civis mineiros, em greve parcial há pouco mais de dois meses, promoveram ontem um protesto na Praça Sete de Setembro, no Centro de Belo Horizonte, onde queimaram caixões representando a instituição. Os grevistas interditaram por cerca de duas horas o tráfego no cruzamento das duas das principais de Belo Horizonte.

 

ASSUNTO: Bombeiro admite tortura

VEÍCULO: Diário Catarinense

Coronel admite ter participado de tortura

O coronel reformado do Corpo de Bombeiros do Rio Walter da Costa Jacarandá admitiu ontem ter participado de sessões de tortura no Destacamento de Operações de Informações-Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), em 1970, durante a ditadura militar. Jacarandá prestou depoimento em uma sessão conjunta das comissões Estadual e Nacional da Verdade. A sessão aconteceu no plenário da Assembleia do Rio.

 

ASSUNTO: Homicídio em Palhoça

VEÍCULO: Diário Catarinense

Morto jovem com mais de 50 passagens

Jonas Alves de Souza, mais conhecido por “Xeroquinha”, morreu ao levar dois tiros, no Bairro Caminho Novo, em Palhoça, na manhã de ontem. O rapaz de 20 anos possuía mais de 50 passagens pela polícia por diversos tipos de crime, incluindo furto e porte ilegal de arma.
O crime aconteceu perto do campo de futebol de um conjunto habitacional do bairro. Segundo moradores dos arredores, dois homens de bicicleta se aproximaram de Jonas e dispararam cinco vezes contra ele.
O jovem, que estava em uma carroça no momento em que foi atingido, já havia sobrevivido a três tentativas de homicídio. Ontem, após ser atingido pelos tiros, ele correu entre as casas do Bairro Caminho Novo. Acabou morrendo ao tentar invadir a residência de um pedreiro, enquanto tentava se abrigar. Ele não resistiu aos ferimentos. A polícia tem pistas sobre os autores.

 

ASSUNTO: Parlamentares condenados

VEÍCULO: Diário Catarinense

AVANÇA NA CCJ: Senado vota perda de mandato

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou ontem proposta de emenda constitucional (PEC) que estabelece a perda imediata dos mandatos dos parlamentares condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), última instância da Justiça.
A proposta ainda precisa ser votada em dois turnos pelo plenário do Senado e depois ser encaminhada para discussão da Câmara. O projeto também não deverá ter efeito retroativo. Dessa forma, as novas regras não devem atingir, por exemplo, os parlamentares condenados no processo do mensalão, nem o deputado Natan Donadon (sem partido-RO), que, apesar de estar preso desde o fim de julho, ainda detém o mandato.
De acordo com o texto, a perda imediata do mandato ocorrerá após a comunicação do Poder Judiciário ao Congresso, mas somente quando os ministros do STF determinarem a cassação do parlamentar. As novas regras também se aplicam apenas aos crimes de improbidade administrativa, quando imposta a pena de perda do cargo ou da função pública ou para a condenação criminal que tenha por efeito a privação do cargo.
– A perda de mandato será uma simples comunicação à mesa da Câmara e do Senado ao plenário e mais nada. Não virá a votação do plenário nestes casos – afirmou o relator da proposta, senador Eduardo Braga (PMDB-AM).
PEC determina votação aberta para cassação
Segundo Braga, nos casos em que o STF condenar um congressista e não determinar a perda de mandato, caberá ao Senado ou à Câmara decidir sobre a cassação do parlamentar em votação aberta no plenário.
No dia 7, o STF condenou, por unanimidade, o senador Ivo Cassol (PP-RO) pelo crime de fraude a licitações ocorridas quando ele foi prefeito de Rolim de Moura, Zona da Mata Rondoniense, entre 1998 e 2002. Na ocasião, a Corte entendeu que cabe ao Senado decidir sobre a perda de mandato de Cassol, alterando dessa forma posição firmada durante o julgamento do mensalão.
O novo entendimento ocorreu após mudança na composição do Supremo com ingresso dos ministros Teori Zavascki e Roberto Barroso. Conforme a PEC, também deverá ficar a cargo de uma decisão do plenário do Congresso, com votação aberta, os casos em que os parlamentares sejam condenados para crimes considerados de menor potencial.

 

ASSUNTO: Incêndio em Blumenau

VEÍCULO: Jornal de Santa Catarina

Casa pega fogo no Bairro Salto do Norte, em Blumenau

Uma casa pegou fogo no Bairro Salto do Norte, em Blumenau, na tarde desta quarta-feira. Os bombeiros foram acionados e conseguiram controlar as chamas, mas o imóvel ficou destruído. Não houve nenhum ferido.

 

ASSUNTO: Novo comandante no 8º BPM

VEÍCULO: A Notícia

Novo comandante assume 8º Batalhão da Polícia Militar de Joinville no fim do mês

Adilson Moreira volta à cidade natal para comandar um dos O 8ª Batalhão da Polícia Militar de Joinville, responsável pelo policiamento na região Norte da cidade, terá uma prata da casa em seu comando a partir do fim deste mês. O tenente-coronel Adilson Moreira, nasceu em Joinville e que atualmente comanda o 6º Batalhão de Lages, na região Serrana, vai voltar à cidade natal para comandar um dos mais importantes batalhões do Estado.

É em melhorias do próprio batalhão que Moreira espera encontrar os maiores desafios do cargo. Ele reconhece a necessidade de reequipamento constante e de mais efetivo e diz que quer aprimorar a estrutura para que a polícia dê respostas mais rápidas à sociedade na segurança pública.

— Em relação aos crimes, a primeira ação será de diagnóstico, de compreender a dinâmica atual da cidade e da criminalidade para traçar estratégias de ação sobre os problemas — afirma.

Apesar de ir a voltar semanalmente ou a cada 15 dias da Serra para ver a família, que mora em Joinville, Moreira diz ter ficado um pouco distante das ações da PM de Joinville nos últimos dois anos e meio, tempo em que atua na região Serrana. Mesmo assim, ele tem um histórico de passagens pelo 8º Batalhão e já conhece a estrutura.

Uma de suas contribuições para a cidade foi a coordenação da implantação da Central de Emergências em 2009, órgão que unificou o atendimento da Polícia Militar, dos Bombeiros e do Samu em um mesmo local, facilitando os contatos da população com cada serviço. A central de Joinville foi a primeira do Estado neste modelo.

O coronel irá passar o comando do 6º BPM de Lages a outra pessoa no dia 22 deste mês e aguarda comunicado da Polícia Militar no Estado para saber o dia em que assume definitivamente em Joinville. Moreira tem 48 anos e está na Polícia Militar há 28 anos.

Guarda municipal

Adilson Moreira diz que vê com bons olhos a iniciativa da cidade ter criado a Secretaria de Proteção Civil e Segurança Pública (Seprot), desde que a Guarda Municipal a ser criada dentro dela não fira princípios constitucionais que hoje são do Estado.

— Há questões que competem ao Estado, por meio da PM, e há questões em que é preciso a participação do município. Estamos abertos para aprimorar essa relação, desde que os serviços não se sobreponham — opina.

Moreira diz que vê a Seprot com bons olhos, porém, se ela vier a ser uma mediadora entre os diferentes órgãos da segurança pública, o que diz ser uma necessidade da área.

 

ASSUNTO: Alternativa para combate a incêndios

VEÍCULO: Notícias do Dia

Bombeiros: Sargento cria sistema para combater incêndio com jet ski

Em 2009, o sargento Cláudio Cácio Jaques começou a trabalhar num dispositivo que pudesse transformar o jet ski em instrumento de combate ao fogo. A ideia era simples, mas inovadora, e consistia em utilizar o próprio motor do jet para jorrar água do mar, lagoa ou laguna. Foram quase cinco anos de experimentos, até que o dispositivo finalmente ficasse pronto.

Jaques, o sub-tenente da reserva da PM Hamilton Fernandes dos Santos e o sub-oficial da marinha Sérgio Luiz, também da reserva, testaram e aprovaram o dispositivo na Lagoa da Conceição. Seu principal uso será o de combater incêndios em embarcações, mas, conforme demonstrou Jaques, a válvula acoplada ao jet ski pode ter inúmeras outras utilidades. “É possível apagar incêndio no mar, mas também é possível usar o mesmo dispositivo para remover combustíveis de um costão ou para encher uma cisterna”, explica.

Com vasta experiência em salvamento, os três dizem que a principal sacada do novo DCI (dispositivo de combate a incêndio) é o custo-benefício e a agilidade no uso. “O maior caminhão dos bombeiros aqui de Florianópolis comporta 8.000 litros, e para se deslocar a qualquer região levaria muito tempo. Com o jet ski não existe limite de litros e ele pode rapidamente ir de um lugar para o outro”, diz o marinheiro Sérgio Luiz. Ele cita como exemplo as centenas de marinas espalhadas pelo Litoral catarinense. Em qualquer princípio de incêndio bastaria deslocar as motos aquáticas para o combate. A vazão do equipamento é de 723 litros de água por minuto, semelhante a um caminhão pipa tradicional.

 

ASSUNTO: Crime em SP

VEÍCULO: Notícias do Dia

Denunciados pela cabo Andreia Regina Bovo Pesseghini serão alvo de investigação

A Polícia Militar de São Paulo vai investigar quem são os policiais militares que teriam chamado a cabo Andreia Regina Bovo Pesseghini, 36, morta com a família na semana passada, para

participar do roubo de caixas eletrônicos. Anteontem, o deputado Olímpio Gomes (PDT), major da reserva da PM, denunciou o caso à Corregedoria da corporação. O político disse que a policial chegou a denunciar os colegas na época ao seu superior, o capitão Fábio Paganoto. Porém, conforme o deputado, o capitão tentou apurar o fato e acabou sendo transferido para outro batalhão.

Em nota a PM informou hoje que a transferência de Paganoto não tem “qualquer relação com a suposta denúncia”. A cabo Andreia foi assassinada no último dia 5. A investigação da Polícia Civil aponta que o principal suspeito do crime é seu filho, o estudante Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, 13. Conforme os investigadores, o jovem se matou após assassinar a tiros quatro familiares a mãe, o pai (que também era policial militar), a avó e uma tia-avó.

Na quarta-feira da semana passada, o tenente-coronel Wagner Dimas, então comandante do 18º batalhão, disse que a policial havia delatado colegas envolvidos em roubo a caixas eletrônicos e que não acreditava que o menino fosse o responsável pelas mortes.

No dia seguinte, ele foi chamado para depor na Corregedoria da PM e desmentiu os fatos. Na ocasião, o policial disse que não foi claro ao se expressar ao repórter que o entrevistava.

Dimas foi afastado anteontem do comando do 18º batalhão. A reportagem apurou que ele foi deslocado para fazer trabalhos administrativos no batalhão responsável por planejar ações de policiamento comunitário. Ontem, em nota, a PM informou que o coronel Dimas está em tratamento de saúde.