Área do associado

Área do associado

Clipping de 21 de novembro

21.11.2013

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO DIA 21 DE NOVEMBRO

 

COLUNISTA CACAU MENEZES – Diário Catarinense

Abuso de autoridade

A Polícia Militar quer fazer na Guarda do Embaú, reduto de gente jovem e que procura divertimento, o que não faz em cidade nenhuma: acabou com um show do grupo Dazaranha na segunda música sábado passado num bar que recebia, pelo fato de ser feriadão, um público lindo e numeroso que pagou R$ 40 pelo ingresso de um show que não houve. Palhaçada.

 

ASSUNTO: TRÂNSITO

VEÍCULO: Diário Catarinense

CAI O NÚMERO DE MORTES NAS ESTRADAS DE SC

Polícias rodoviárias atribuem queda nos índices à maior conscientização dos motoristas, à multa pesada para quem for pego dirigindo embriagado e à intensificação das fiscalizações

Motoristas catarinenses estão mais conscientes. É o que aponta o comparativo dos últimos três anos nas rodovias estaduais e federais do Estado. Pelos números das polícias Rodoviária Federal (PRF) e Militar Rodoviária (PMRv) de 2011 e 2013, a média mensal de mortes caiu 11%. A previsão é que o número final de 2013 encerre como o menos violento nas rodovias nos últimos três anos.
A boa conduta dos motoristas, a tolerância zero da Lei Seca e a intensificação da fiscalização são os principais fatores apontados para a redução das mortes. Segundo a agente de comunicação da PRF Maíta Berti o aumento do valor da multa (R$ 1.915) para quem for pego embriagado ao volante a partir de dezembro de 2012 tem mantido motoristas em alerta, principalmente nos feriadões, quando a fiscalização é intensificada.
Apesar dos avanços, a conscientização e o respeito às leis ainda são fundamentais para que o trânsito em SC possa ocupar uma posição melhor no cenário nacional. O comandante do BPMRv, tenente-coronel José Norberto de Souza Filho, observa que a o relevo catarinense também é complicador, principalmente para motoristas de outros Estados. Com base nas últimas operações, o comandante acredita que 2013 terminará com números de acidentes e mortes abaixo dos registrados em 2012 e 2011. Os dados do feriadão da Proclamação da República, de 2011 a 2013, ilustram esta tendência.

 

ASSUNTO: ELETROCUSSÃO EM BLUMENAU

VEÍCULO: Diário Catarinense

Polícia investigará morte de menino

A Polícia Civil investigará a morte de Moacir Sikorski, oito anos, que morreu eletrocutado ao meio-dia de ontem na Rua Cristiano Karsten, na Itoupavazinha, em Blumenau. O menino sofreu parada cardiorrespiratória ao encostar numa cerca eletrificada da propriedade vizinha. Conforme o delegado Bruno Effori, o local do incidente foi examinado pelo Instituto Geral de Perícias (IGP).
– Não existe proibição para se instalar esse tipo de cerca eletrificada, o que existem são normas técnicas para esse tipo de equipamento – reforça Effori.
Se for comprovada imprudência na instalação da cerca, o proprietário pode ser indiciado por homicídio.

 

ASSUNTO: ROUBO DE POLIÉSTER

VEÍCULO: Diário Catarinense

Carga do PR é localizada pela polícia

Material avaliado em R$ 260 mil foi encontrado em um caminhão na BR-101, em Navegantes

Uma carga de poliéster, avaliada em R$ 260 mil e roubada no interior do Paraná, foi encontrada ontem às margens da BR-101, em Navegantes. Policiais da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), que apuram a ação de quadrilhas especializadas neste tipo de ação, apreenderam o caminhão, que continha 24 toneladas do produto.
Nos últimos dias, a Divisão de Furtos e Roubos da Deic, de Florianópolis, vem investigando a ação desses tipos de bandidos. Na semana passada, uma carga com 100 mil garrafas de bebida foi recuperada em uma distribuidora de Balneário Camboriú. Três suspeitos foram presos.
O delegado da Deic em Florianópolis Rodrigo Bortolini diz que outras pessoas já foram identificadas e agora está tomando as medidas necessárias para conseguir deter os demais envolvidos.
– Temos nomes mapeados, tanto de assaltantes como de receptadores, aqui em Santa Catarina e nos Estados vizinhos – disse o delegado.
Ligação entre roubos não está descartada pela polícia
Bortolini acredita que há ligação entre os bandidos que roubaram a carga de bebidas na semana passada e a de poliéster. Ele afirma que, segundo as investigações, as cargas geralmente são levadas para empresas, cujos responsáveis também podem ser punidos. Segundo o delegado, a suspeita é de que a carga apreendida em Navegantes iria para uma fábrica de tecido, mas foi recuperada antes de chegar ao possível destino.
– Além de responderem por receptação, que pode resultar em pena de três a oito anos de prisão, os envolvidos também podem ser acusados por crimes fiscais, já que venderiam produto sem pagar os devidos impostos.

 

ASSUNTO: Tráfico de drogas

VEÍCULO: CLIC RBS

Traficantes que aterrorizavam moradores do Morro do 25, em Florianópolis, são presos pela Deic

Operação Sul América foi comandada pelo delegado Cláudio Monteiro e contou com 40 policiais civis

Às 6h10min desta quinta-feira, dia 21, o comboio formado por viaturas da Polícia Civil subiu a Rua João Carvalho, principal acesso ao Morro do 25, em Florianópolis. Começava a Operação Sul América, comandada pelo titular da Divisão de Repressão a Entorpecentes (DRE) da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC), delegado Cláudio Monteiro.

O combate ao tráfico de drogas no Morro do Xeca-Xeca, localizado dentro do território do Morro do 25, foi o objetivo da investigação que começou há dois meses e resultou na operação batizada com o nome do campinho de futebol da comunidade, onde o próprio delegado Monteiro nasceu e se criou.

Referência no combate ao narcotráfico em Santa Catarina, Cláudio Monteiro prendeu nesta manhã traficantes que conheceu na infância.
— Eu vi muitos deles crescerem e lamento que tenham seguido esse caminho. Mas estou aqui para fazer o meu trabalho. A ideia é tirar armas de circulação e prender esse pessoal que vinha aterrorizando os moradores. Sei de pessoas que foram expulsas do morro pelos traficantes. Eles não respeitam ninguém — afirmou o delegado da Deic.

Clientes do tráfico
Ao longo dos dois meses de investigação, incluindo dias e noites de campana, os policiais da DRE filmaram os principais fomentadores do comércio de entorpecentes: os usuários.
Empresários, estudantes de colégios públicos e particulares, professores de Ensino Fundamental, comerciantes do próprio Bairro da Agronômica subindo o morro de carro e a pé, durante o dia e à noite para comprar cocaína e maconha, as principais drogas vendidas pela quadrilha.
— Vários desses usuários foram surpreendidos comprando droga. Essas mesmas pessoas são aquelas que cobram da polícia quando acontecem episódios de violência. Não que eu me preocupe com cobrança. Muito pelo contrário. A cobrança me estimula. Mas são os usuários que fomentam o tráfico — observou o delegado Monteiro.

Tráfico familiar
O comércio de entorpecentes no Morro do Xeca-Xeca (Morro do 25) é mantido há três gerações da mesma família. O patriarca, Nelson de Oliveira, o Xeca-Xeca, era da “velha escola” de traficantes que vendiam apenas maconha para jovens da Capital. Morreu em 2005 e o negócio ficou em família.

Traições e mortes fazem parte da história dessa família, uma das mais antigas da comunidade. Atualmente, os traficantes vendem cerca de 100 quilos de maconha e aproximadamente 10 quilos de cocaína por mês, conforme informação do delegado Claudio Monteiro.

Homens que trabalham na gerência e como vapores da quadrilha local foram presos preventivamente por tráfico de drogas e associação para o tráfico, nesta manhã. São eles: Márcio da Silva de Oliveira, 31 anos, Alex Cristian Coelho, 20 anos, Jairo Cardoso Pereira, 45 anos, e Nikolas Felipe do Nascimento, 18 anos.

Os dois últimos também foram presos em flagrante por tráfico. Jairo estava com cerca de meio quilo de maconha em casa e Nikolas com cerca de um quilo de maconha e uma pistola .45 com munição, arma restrita das forças policiais. Ele também responderá por posse ilegal de arma. Todos foram encaminhados para a Deic.

Os policiais também apreenderam R$ 2.392 em dinheiro picado decorrente do tráfico, pequenas porções de maconha e cocaína, balança de precisão, celulares, máquina fotográfica e documentos comprovando a negociação de drogas. O Ministério Público já fez a denúncia contra o bando e o processo corria segredo de Justiça.

Participaram da operação cerca de 40 policiais civis de diferentes divisões da Deic, da Delegacia de Repressão à Roubos da Capital (DRR), da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Palhoça, e equipe da Cãofiança que emprestou o cão Marley.

Faro de Marley é imbatível

Diversos policiais civis se espalharam pelos becos e casas para cumprir os mandados de prisão e de busca e apreensão da Operação Sul América. Enquanto os traficantes eram presos, policiais foram em busca das drogas.

O cão Marley, da raça Golden Retriever, deu um apoio importante. Ele encontrou cocaína e maconha em esconderijos em cima de portas e embaixo de tijolos. Até um retentor de pistola ele achou. A peça que serve para travar partes da arma havia sido manipulada por alguém que teve contato com droga e por isso Marley o encontrou. O cão de sete anos de idade tem seu uniforme próprio.

Marley é da escola de adestradores Cãofiança, que tem uma parceria com a Polícia Civil para apoiar operações. No morro, chamou atenção até dos cães vira-latas que se aproximaram dele durante os intervalos entre uma busca e outra para que bebesse água. As crianças também se encantaram com Marley, que adora cafuné.

Uma parte dos entorpecentes encontrada pelo cão foi na casa onde os gerentes “picam” a droga, ou seja, cortam a maconha em pequenas partes e separam a cocaína em trouxinhas para a venda. A droga chega em partes maiores e sai pronta para ser comercializada.

A casa invadida pelo tráfico fica na Rua José Pedro Gil. Era de uma velhinha que faleceu e acabou ficando abandonada. Fica a cerca de 10 metros de uma creche. Os traficantes fazem toda a movimentação na frente das crianças e dos demais moradores da comunidade.

 

ASSUNTO: Negociação salarial

VEÍCULO: Portal da Alesc

Deputados sinalizam apoio e restrições aos projetos que reajustam salários dos servidores

Os deputados Sargento Amauri Soares (PSOL), Luciane Carminatti (PT) e Angela Albino (PCdoB) manifestaram-se na sessão desta quarta-feira (20) sobre os projetos do Executivo que atendem pleitos dos servidores públicos. “Todo projeto que tenha o acordo das categorias de base nós apoiamos, não tem o menor perigo de este parlamentar prejudicar a aprovação”, declarou Soares, ponderando todavia que tem ressalvas no caso dos policiais militares, “sem falar na questão do teto, que beneficiará cerca de 2.200 servidores”.

Luciane Carminatti informou que pretende apresentar emendas adiantando a integralização de gratificações, previstas para serem pagas em até dois anos e meio, além de analisar com cuidado a proporção entre o maior e o menor salário dos policiais militares. “A lei diz que a proporção é de quatro vezes, não 10 vezes mais”, explicou.

A representante de Chapecó ainda observou que os professores estaduais não foram contemplados em nenhum dos 11 projetos enviados pelo Executivo e cobrou solidariedade entre os servidores. Angela Albino também ponderou o fato de que pequenos grupos conquistam melhorias, enquanto outros, não. “Precisamos de política de estado”, declarou.