Área do associado

Área do associado

Clipping dos dias 28 a 30 de abril

30.4.2012

CLIPPING

28 a 30 de abril 2012

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Gerais

                  

Vítimas nem chegaram ao hospital

Pelo menos três pessoas morreram em acidente de trânsito sábado.O número refere-se a mortes no local do acidente em rodovias estaduais e federais. O primeiro registro foi uma colisão frontal entre um carro e uma moto na SC-405, km 2,2, em Florianópolis, que tirou a vida do motociclista Gustavo Dias Masutti, 26 anos. Ele morreu no local por volta da 1h.

O segundo acidente aconteceu na BR-470, km 49, em Blumenau. Um homem não identificado morreu atropelado. O acidente ocorreu às 5h. O condutor do veículo fugiu do local.

Em Vargem Bonita, Enio Morceli, 45 anos, que dirigia uma Saveiro com placas de Capitão Leonidas Marques, Paraná, morreu por volta das 14h45min, depois de bater contra um ônibus que fazia uma rota regional. O acidente foi no km 427 da BR-282. Outras três pessoas, que estavam no ônibus, ficaram feridas.

.____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Diário do Leitor

Assunto: Código Florestal

 

Código Florestal

A aprovação do Código Florestal, mantendo a obrigatoriedade de recompor com vegetação nativa a margem de rios com até 10 metros de largura, não significa derrota ou vitória para ninguém. Deixando de lado sentimentos mesquinhos e/ou egoístas, representa apenas a devolução à natureza de um dos recursos que proporciona condições de sobrevivência à raça humana.

Cláudio de Melo Silva

Por e-mail

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Reportagem Especial

Assunto: Caixas eletrônicos

 

Quadrilha tem elo com PCC

Em ação policial integrada, uma das quadrilhas mais perigosas do Estado foi presa no Litoral Norte. Houve perseguição e troca de tiros. Eles têm ligação com o PCC, afirma a elite da Polícia Civil em Santa Catarina

A facção criminosa paulista Primeiro Comando da Capital (PCC) está por trás dos principais e mais violentos ataques a caixas eletrônicos com dinamite em SC. A organização, que nasceu nas cadeias de São Paulo, responsável por rebeliões, atentados e assassinatos de policiais e de pelo menos um juiz em SP, seria a fornecedora de armamento pesado nas ações em SC, afirma a Deic. A primeira prisão de caixeiros catarinenses integrantes do PCC em SC foi no sábado, no Litoral Norte, na mais importante operação policial contra a onda de explosões no Estado até agora.

Policiais da Deic são unânimes ao afirmar que esta é a quadrilha mais perigosa e organizada presa até agora. Pelo armamento pesado que usam, por deixar as armas em locais separados antes e depois das ações, pela utilização de rádio copiando a frequência da polícia, pelo posicionamento tático, pela forma como fazem a segurança de área e o modo de carregar e manejar os fuzis.

– Nunca foi descartada a participação de militares ou policiais. Se não são, tiveram treinamento com alguém que soube ensinar bem – observou a delegada da Deic, Ana Ramos Pires.

O bando leva o nome de seu líder, José Luís Freitas, um dos cinco assaltantes presos na Operação Caixeiros, desencadeada no Litoral Norte de SC, na madrugada de sábado, pela Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic). A ação contou com cem policiais de todas as divisões da Deic e da Divisão de Investigações Criminais (DIC) de Brusque e de outras cinco cidades, além de equipes do Batalhão de Operações Especiais da PM (Bope).

A operação foi organizada assim que os mandados de busca e apreensão chegaram, na semana passada. A quadrilha era investigada pela Deic há pelo menos cinco meses.

Foram presos cinco dos sete membros do bando. O líder Freitas, os irmãos dele Jocemar de Freitas e Orlando Teske, Jonatan Rafael Fischer e Elias Santos Moraes. As prisões foram em Barra Velha e Itajaí, na casa dos criminosos. Foram apreendidos dinamite, armas restritas das Forças Armadas e das polícias, miguelitos (pregos usados para furar pneus), uniforme militar e coletes.

Teske foi alertado por seus cães quando os policiais se aproximaram. Ele tentou fugir, foi baleado na troca de tiros, hospitalizado e transferido para o Presídio em Joinville, onde deu depoimento. Elias foi liberado no sábado por falta de provas e o restante ficou detido na Deic. Todos têm passagem pela polícia por assalto, furto e porte ilegal de arma. Freitas estava com uma prisão preventiva em aberto. Ele teria baleado dois PMs. Teske e Jonatan foram presos em flagrante.

Dois carros roubados foram encontrados com a quadrilha. Um deles teria sido usado no ataque a Nova Trento, em 7 de abril. A quadrilha é suspeita de atuar em pelo menos seis ataques em SC.

 

Ainda atuantes

O Primeiro Comando da Capital (PCC) foi fundado em 1993 na Casa de Custódia de Taubaté (SP) para vingar a morte dos 111 detentos no Massacre do Carandiru. Em quase 20 anos, a facção se expandiu para outros estados, inclusive SC. Em 2006, matou 39 policiais e guardas municipais. Continua dominante em SP e praticamente monipolizou o tráfico de drogas na periferia paulista

 

Avanços importantes

Nos últimos meses, SC presenciou uma audaciosa onda de explosões a caixas eletrônicos. Em meio à cena de espanto da população ao ver os bandidos empunhando armamento pesado e saindo com sacos cheios de dinheiro nas mãos, a esfera policial viveu dias com uma só pergunta: como frear os ataques?

Foi preciso uma complexa investigação, onde técnicas de monitoramento pessoal e telefônico já duravam quase cinco meses. Um trabalho cercado de pressão e das críticas pela demora de resposta, enquanto os ataques não cessavam. Até o capítulo da caçada final, desencadeada na madrugada de sábado, a crônica policial de SC testemunhou dezenas de episódios. O principal foco estava na Deic, a elite da Polícia Civil, em Florianópolis. Na sede da diretoria, o clima era de inquietação, preocupação e nervosismo.

A demora na maior investida policial até agora foi antecedida por ações com êxito, como as prisões de quadrilhas em Penha e Piçarras. Mas também houve trapalhadas policiais, rachas internos com a cúpula da segurança, a exoneração do então diretor, delegado Cláudio Monteiro, e, no mais recente impasse, o desentendimento da velha divisão entre policiais militares e civis. Em Rio dos Cedros, no Vale do Itajaí, os bandidos conseguiram explodir uma agência do Banco do Brasil e fugiram da caçada depois que os policiais não conversaram sobre como deviam e deixaram de agir juntos.

No sábado, a Deic contou com apoio de mitares do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e o cerco foi integrado. Terminou com prisões e apreensões de armas longas, dinheiro e dinamite. Agora, resta saber por quais crimes e ataques a polícia conseguiu comprovar a participação dos detidos e até quando eles permanecerão atrás das grades.

 

Cinco prisões após batida

Em outra operação contra caixeiros, no Planalto Norte, cinco foram presos por suspeita de arrombarem dois caixas eletrônicos com maçarico.

A perseguição começou por volta das 8h, quando a PM de Itaiópolis recebeu a informação de que um grupo de pessoas havia acabado de arrombar e fugir de uma agência do Banco do Brasil. Na tentativa de impedir a fuga dos caixeiros, a polícia montou barreiras. Ainda na manhã de ontem, policiais de Mafra localizaram um Fiesta usado pelos ladrões.

Os três ocupantes tentaram fugir, mas acabaram batendo em um caminhão parado às margens da BR-116 e foram detidos. Ninguém se feriu. A outra abordagem aconteceu na BR-280, em São Bento do Sul, onde outros dois suspeitos de integrarem a quadrilha foram parados.

Eles estavam em um Gol e não ofereceram resistência, alegando que não tinham envolvimento com o caso. Mas os policiais também os prenderam ao constatar que a dupla tinha trocado telefonemas com os três detidos em Mafra, além de ter parentesco com eles. A suspeita é de que os suspeitos, com idades entre 17 e 30 anos, fizeram um primeiro arrombamento na cidade de Monte Castelo, também no Planalto Norte, antes de agir em Itaiópolis, na mesma madrugada de domingo.

 

Carcaça jogada na BR-101Um caixa eletrônico abandonado às margens da BR-101 em Içara, no Sul do Estado, apresentou-se como um inusitado mistério para a Polícia Civil. O furto com explosões ou uso de maçarico tem ocorrido com frequência, mas o descarte do equipamento é praticamente uma novidade.

O caixa eletrônico estava nas proximidades da localidade de Esplanada. Foi visto por um pedestre, que avisou a Polícia Militar. O equipamento foi recolhido e encaminhado à delegacia de polícia de Içara, mas as primeiras investigações pouco ajudaram a esclarecer a situação.

Pelo local onde foi feito o descarte, sabe-se que o caixa do banco Itaú era transportado por um veículo que trafegava no sentido Porto Alegre-Florianópolis. O equipamento com a numeração 34970 estava parcialmente amassado e quebrado, possivelmente pela queda. Tinha marcas de cortes feitos com maçarico no compartimento onde ficavam as cédulas.

– Não havia marcas de pneus na pista próximo ao local onde o caixa foi abandonado. Desconfio que isso tenha acontecido no sábado antes da chuva – diz o investigador Tadeu Polatto.

O fato de ser um caixa eletrônico do banco Itaú aumenta o mistério de Içara, pois quase todos os alvos da quadrilha que atua em Santa Catarina são do Banco do Brasil. Não está descartada a possibilidade do equipamento ter sido furtado de uma agência bancária do RS.

_________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Festa rave

 

Festa nem começou

Polícia de Garuva acaba com evento para coibir consumo de drogas no local

A Polícia Civil, com apoio da Polícia Militar, interditou uma festa rave na noite de sábado em Garuva, no Norte do Estado. A festa, que não tinha alvará de funcionamento, estava programada para começar às 22h, num parque aquático localizado na estrada de acesso ao Monte Crista. Os policiais chegaram ao local, por meio de denúncia anônima, antes mesmo que o evento começasse.

Por volta das 20h, a estrutura, que tinha capacidade para mil pessoas em área coberta, e os equipamentos de som já estavam prontos. Além dos funcionários contratados para organizar a festa, algumas pessoas já estava no local consumindo drogas, segundo a polícia.

Com dois homens, de 33 e 37 anos, a polícia apreendeu cinco buchas de maconha e duas de cocaína. Eles assinaram um termo circunstanciado por posse de entorpecentes. O dono do parque e o responsável pela festa foram notificados.

– A ação tem por objetivo proibir esse tipo de evento, onde ocorre o comércio e o consumo de drogas sintéticas – disse o delegado Eric Uratani.

Um fôlder de divulgação da festa, denominada “Divine House Festival”, informava que o evento seria regado a música eletrônica ao longo de 20 horas. A festa estava programada para acabar no final da tarde de ontem e 25 DJs haviam sido contratados para conduzir a rave.

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Mulher encontrada no mar

 

Mulher encontrada no mar

A Polícia Militar terá uma história curiosa para desvendar nesta semana. Dois pescadores encontraram na manhã de ontem, às margens da costa de Coqueiros, região continental de Florianópolis, uma mulher que teria sido jogada da Ponte Pedro Ivo Campos por um homem.

O soldado do Corpo de Bombeiros Ari Pessoa, que acompanhou o resgate, conta que, por volta das 8h30min de ontem, se depararam com a vítima, Leonice Gregório, 30 anos. Segundo o relato da vítima, ela teria sido empurrada da passarela da Ponte Ivo Campos às 2h e nadou para chegar à margem, machucou as mãos se segurando nas pedras e passou a noite à “deriva” no mar até ser encontrada por pescadores.

Segundo informações do boletim de ocorrência, Leonice teria saído de casa em busca de um primo, usuário de drogas. Com a foto do rapaz em mãos, teria pedido informações a um desconhecido no Largo da Alfândega, Centro. Os dois teriam seguido a pé até a passarela da ponte e no meio do caminho, por um motivo desconhecido, o rapaz teria empurrado a vítima.

Hoje, o delegado da 4º DP, Valter Figueiredo, deve solicitar as imagens das câmeras que monitoram a passarela 24 horas por dia (ontem o sistema estava fora do ar).

A polícia trabalha com a hipótese de tentativa de homicídio.

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Segurança

Assunto: Presa quadrilha suspeita de explodir caixas eletrônicos

            

Presa quadrilha suspeita de explodir caixas eletrônico em Santa Catarina

Foram apreendidos armamentos e dinheiro, todos foram autuados em flagrante

Acima, quatro dos cinco homens presos. Um foi baleado e está internado em hospital de Joinville

Uma operação da Deic (Departamento Estadual de Investigação Criminal) iniciada neste sábado (28) resultou na prisão de uma quadrilha que explodia caixas eletrônico no Estado.  A operação começou pior volta das 4h e contou com mais de 200 policiais da Deic, do Bope (Batalhão de Operações Especiais) e de delegacias das regiões de Itajaí e Balneário Camboriu. A suspeita é que os homens presos sejam responsáveis por pelo menos 80% das explosões dos caixas eletrônicos registradas no Estado.

A polícia cumpriu cinco mandados de busca e apreensão em cinco casa diferentes nas regiões de  Joinvile, Barra Velha, Ilhota, Penha e Itajaí. Um homem foi baleado em Barra Velha durante a operação e está internado em um hospital em Joinville.  Jonatas Rafael Fischer, 28, José Luiz Freitas, 34, Jucemar Freitas, 23, Elias Santos Moraes, 29, e Orlandinho Teske foram presos em flagrante. A maioria dos homens é de Santa Catarina, apenas um é do Rio Grande do Sul.

Nas casas investigadas foram encontrados 20kg de explosivos , munição, uma espingarda calibre 12, um fuzil Mini Ruge, um fuzil 762, veículos clonados e sete coletes balísticos. Na casa onde foi preso José Luiz Freitas havia grande quantidade de dinheiro enterrado, a polícia ainda não contabilizou o valor, mas garante que é dos caixas assaltados.

Segundo o delegado e diretor da Deic, Laurito Akira Sato, há 30 inquéritos policiais envolvendo crimes de explosões à caixas eletrônicos no Estado. Desde 2010 foram em média 65 explosões, segundo Akira até agora foram presos cerca de 70 suspeitos.  “Esta operação é resultado de uma força conjunta. A maioria já tem mandado de prisão anterior e agora foi autuada em flagrante”, afirmou

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Hélio Costa

Assunto: Caixas eletrônicos

 

 

Deic derruba a Gangue da Dinamite

Quadrilha era a mais organziada e também a mais violenta. Tinha fuzis – Fal 7.62 e Mini Ruger 1.30 – muita dinamite e dinheiro enterrado

 Gangue da Dinamite

A quadrilha presa neste fim de semana é considerada a mais bem articulada e a mais organizada nas ações de explosões a caixas eletrônicos. É também a mais violenta. O trabalho dos policiais da Deic (Diretoria Estadual de Investigações Criminais) foi perfeito. Souberam investigar e interagir com o Ministério Público e com a Justiça que forneceu as ordens de prisões em cinco endereços diferentes. Os tiras surpreenderam os assaltantes de manhã cedinho na cama. Foram algumas semanas de investigação para derrubar a quadrilha que tocava terror com dinamite, fuzis – Fal 7.62 e Mini Ruger, calibre 1.30 – espingarda calibre 12 automática e pistolas calibre 9mm. A prisão foi comemorada pelo diretor da Deic, Laurito Akira Sato. Ele cumpriu a palavra: quando assumiu, há duas semanas, disse que a prioridade número um era a prisão das quadrilhas que explodem caixas eletrônicos. Akira prendeu a mais violenta e entrou na Deic com o pé direito

____________________________________________________________________________

 

 

BLOGS

 

Moacir Pereira

 

Eleições terão Berger contra Colombo

 A decisão do PT de São José, por larga maioria de 248 votos a favor e 146 contra, de aliar-se ao PMDB para apoiar a reeleição do prefeito Djalma Berger,  consolida as previsões.  O maior adversário do governador Raimundo Colombo e seu PSD nas eleições municipais  será o prefeito Dário Berger.

O cenário da disputa fica cada vez mais claro.  Em Florianópolis, o governador está fechado com o deputado Cesar Souza Júnior, em coligação com o PP dos Amin, e o vereador João Amin de vice.  Chapa que terá um grande desafio:  vencer no primeiro turno.  Se for para o segundo turno, o risco é grande, qualquer que seja o adversário.   Por um motivo simples: a provável união das demais forças.

O prefeito de Florianópolis corre  com o deputado Gean Loureiro, do PMDB.  Seu vice é uma incógnita.  Se o PSDB desistir da candidatura João Batista para fechar com o PMDB, o projeto de Dário fica fortalecido.  Seu problema permanece na candidatura Gean Loureiro, que não consegue emplacar.

Dário Berger montou uma estratégia inteligente. Vai contar com um segundo trunfo:  a candidatura de Ângela Albino, do PCdoB, agora fechada com o PT, que indicará o vice-prefeito.  Quer dizer:  se Gean Loureiro for para o segundo turno, o PT – que está unido ao irmão Djalma em São José – vem com tudo para Florianópolis.     E se Angela Albino conseguir mais votos, passando para o turno decisivo contra Cesar Júnior, o PMDB de Florianópolis e São José, seguidor dos Berger,  une todas as forças.

 

            PSDB é fiel

Nas eleições de 2008,  o cenário de São José era totalmente distinto. Djalma Berger estava no PSB, que presidia no Estado.  Foi eleito com 36.506 votos.  O PT, que concorreu com o padre Ciro Vandresen, queria  o fígado do candidato socialista.  Ficou em terceiro lugar, com 22.638 votos.   Ciro pode ser agora o vice de Djalma.  Ou, então, Paulo Roberto Vieira, o Paulinho, presidente do Sindicato dos Comerciários, Secretário Municipal de Assistência Social. Ele ocupou o lugar da jornalista Lurian Silva, a filha de Lula  que promoveu a amálgama do PT com o PMDB em São José e abriu as portas de Brasilia para os Berger.   Adeliana Dal Pont, então filiada ao PMDB, levou 24.765 votos.  O ex-prefeito Fernando Elias, do PSDB, levou 20.604 sufrágios.

Djalma jogou acertadamente.  Somando seus votos aos do PT tem tudo para levar a eleição.  O problema é que Adeliana Dal Pont está agora ano PSD de Raimundo Colombo que removerá montanhas para derrotar os Berger.  A indicação de seu vice pode alertar o atual desequilíbrio de forças.  O PSDB é o fiel da balança.  Se os tucanos Gervásio Silva ou o secretário José Natal Pereira forem candidatos, o prefeito Djalma Berger terá uma reeleição mais que tranquila.   Mas se o PSDB indicar o vice de Adeliana, o cenário se modifica. 

Situação semelhante ocorre em Florianópolis.  O PSDB indicando o vice de Gean Loureiro cria uma nova perspectiva para Dário Berger.  Integrando-se a Colombo para apoiar Cesar Souza Júnior desenha uma situação francamente favorável ao governo.

O PMDB caminha assim, em duas direções distintas nas eleições municipais de outubro, que estarão dependendo dos resultados de Florianópolis e São José, o segundo e quarto maiores colégios eleitorais.   De um lado, Eduardo Pinho Moreira, afinado com Raimundo Colombo e Luiz Henrique, na reedição da tríplice aliança; de outro, Dário Berger, apoiado por Paulo Afonso Vieira, com candidatura própria.  Vencedor em Florianópolis e São José será candidato a governador em 2014 contra Raimundo Colombo.