Área do associado

Área do associado

Clipping dos dias 25 a 27 de fevereiro

27.2.2012

 

CLIPPING

25 a 27 de fevereiro de 2012

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assuntos: Divergência entre Polícia Militar e Polícia Civil

                   Extinta punibilidade do tenente-coronel PM

 

 

TEM CULPA EU?

A prisão de quatro suspeitos de tráfico de drogas no Morro do 25, sábado, expôs mais uma vez a divergência entre a Polícia Militar e a Polícia Civil catarinense. Eles foram conduzidos para lavrar o flagrante na Central de Polícia. A guarnição da PM defendia o enquadramento com base em gravações que comprovavam a ação deles na região, além da apreensão de uma pequena quantidade de drogas. Pouco tempo depois, todos já haviam sido liberados. De acordo com o delegado Egídio Klauck, havia dúvidas sobre a autoria do crime e foram utilizadas escutas não autorizadas pela Justiça, por isso não ficaram detidos. E nesta disputa do rochedo com o mar, sobra pro marisco, digo, população.

 

CADUCOU

O TRE julgou extinta, devido à prescrição do prazo, a punibilidade do tenente-coronel PM Renato Newton Ramlow em relação à suposta prática do crime eleitoral nas eleições de 2008. Era acusado pelo MP de usar estrutura pública.

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Acidentes

 

Quatro perdem a vida nas rodovias

Além das mortes, 28 ficaram gravemente feridos durante o final de semanaQuatro pessoas perderam a vida em rodovias federais e estaduais em Santa Catarina neste fim de semana. Os acidentes também deixaram 16 feridos graves em estradas federais e 12 nas rodovias estaduais.

No sábado, um acidente às 13h20min na SC-413, em Joinville, resultou na morte do motociclista Adriano Jaschke, 37 anos. O motorista do caminhão que bateu de frente com a moto, Dionísio Reginaldo Felipe, 52, saiu ileso.

No domingo, na SC-422, em Pouso Redondo, Vale do Itajaí, Alceu Camargo foi encontrado morto. A Polícia Militar Rodoviária de SC acredita que trata-se de um atropelamento. O veículo não foi identificado.

Nas rodovias federais, duas pessoas também morreram em acidentes, ambas no sábado. Uma vítima não identificada foi atropelada na BR-470 em Blumenau. No mesmo dia, na BR-101 em Capivari de Baixo, Sul do Estado, uma colisão entre uma caminhonete e uma moto resultou na morte da motociclista Ana Paula Inacia da Silva, 28 anos.

Um acidente às 11h30min de ontem, na SC-301, em Araquari, deixou seis pessoas gravemente feridas. Segundo informações da PMRv, um Corsa com placas de Jaraguá da Sul andava na contramão e, ao desviar de um Peugeot, bateu de frente com um Gol, com placas de Joinville.

 

Dois casais caem em rio e morrem

Quatro pessoas morreram, sábado, em um acidente em Imbituba. O carro onde eles estavam caiu no Rio Duna. Além do motorista João Batista João, 69 anos, estavam no veículo a mulher dele, Custódia Pacheco João, 59, e o casal José Felizardo, 58, e Eliete Bento Pereira Felizardo, 56. Todos morreram afogados.

De acordo com as informações do Corpo de Bombeiros, a balsa que faz a travessia no Rio Duna estava parada para o embarque no momento do acidente. O Fiesta não reduziu a velocidade, rompeu um dos elos da corrente de proteção e caiu no rio. Na queda, o para-brisa quebrou.

O Fiesta foi retirado por uma equipe de 10 bombeiros, que amarraram o veículo a um guincho. Eles desceram cerca de 10 metros e encontraram o carro na metade do leito do rio.

Para puxar o veículo até a superfície, a equipe de resgate fechou os vidros para evitar que as vítimas saíssem, o que dificultaria a busca pelos corpos. Estima-se que as pessoas estavam submersas há duas horas.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: FAB investiga as causas

 

FAB investiga as causas

Peritos estiveram sábado, em Corupá, recolhendo informações sobre a situação da aeronave

Os peritos do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa 5), da Força Aérea Brasileira (FAB), de Canoas (RS), estiveram sábado em Corupá para coletar informações sobre a situação da aeronave PT-XAB, que caiu na sexta-feira.

O piloto Giovani Rodegheri, 26 anos, sobreviveu à queda, mas teve uma fratura no nariz. Um funcionário da empresa dona do avião também esteve no local para fazer a remoção de peças do aeroplano.

O tenente-coronel aviador Marcos dos Santos Silva coordenou a equipe de perícia. Ele disse que com os dados coletados será feito um relatório técnico. Este levantamento também analisa aspectos como fator humano e material, por meio da análise da estrutura da aeronave.

Os peritos conversaram com o piloto. Santos Silva não quis revelar o conteúdo da conversa porque o caso está em fase de investigação.

– O depoimento fará parte do laudo. Ainda é cedo para dizer se houve falha humana ou mecânica.

O coronel disse que não há previsão de quando o laudo preliminar ficará pronto. Quando ele for finalizado, será encaminhado ao Centro de Prevenção e Investigação de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), que faz o relatório final do acidente, com todas as recomendações.

A queda do avião ocorreu na manhã de sexta-feira na região de Rio Paulo Pequeno, a 18 quilômetros do Centro do município do Norte catarinense. A aeronave era usada na pulverização do bananal do agricultor Ingo Schulz. O avião teria se desestabilizado e caído junto à estrada que leva à propriedade. A aeronave ficou de bico para baixo.

O piloto é funcionário da empresa Aerodinâmica, especializada em serviço aéreo na agricultura. O dono da empresa, Mario Augusto Mania, disse que o piloto tinha experiência nesse tipo de serviço, com cinco 5 mil horas de voo e sete anos na profissão ____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Operação Simbiose

 

Começa a maratona de audiências

Versões das testemunhas de acusação e de defesa envolvidas na Operação Simbiose – que trouxe à tona, em setembro passado, indícios de um esquema de favorecimento na emissão de licenças ambientais da Fundação do Meio Ambiente de Joinville (Fundema) – serão confrontadas em depoimentos que começam hoje, às 14h, na sala de audiências da 2ª Vara Criminal de Joinville.

Serão mais de cem testemunhas listadas pelo Ministério Público e pelos advogados de Marcos Rodolfo Schoene e do filho dele, Rodrigo Schoene. Este é um dos dois processos resultantes da operação em que são réus. Eles responderão perguntas que podem esclarecer se havia privilégios para a empresa de consultoria Quasa Ambiental no período em que Marcos esteve na presidência do órgão, entre 2009 e 2011.

Registrada em nome de duas filhas do engenheiro, a Quasa também tinha como representante o advogado Rodrigo Schoene. Segundo a denúncia do Ministério Público, o advogado Rodrigo oferecia privilégios a empresários que procurassem os serviços da Quasa. E ele ameaçava quem não aceitasse contratar a consultoria com a afirmação de que “teria trânsito livre na Fundema”. Marcos Schoene, conforme a denúncia, seria o mentor do esquema, determinando funções entre servidores da Fundema e funcionários da empresa para priorizar as licenças da Quasa.

 

Pai e filho ficaram preços por 18 dias em setembro

Pai e filho chegaram a ser presos em 27 de setembro do ano passado, quando ficaram 18 dias detidos. O Ministério Público entregou a denúncia contra eles e outros nove suspeitos de participação no suposto esquema: duas filhas de Marcos Schoene, Barbara e Monica; três funcionários já exonerados da Fundema; dois empresários da construção civil, além do presidente da Fundação Cultural de Joinville (FCJ), Silvestre Ferreira, e da ex-gerente de patrimônio da FCJ Elizabete Tamanini.

Para agilizar o andamento judicial, o juiz da 2ª Vara Criminal de Joinville, João Marcos Buch, decidiu criar um processo em separado para os outros nove réus. Assim, as audiências que começam hoje tratam apenas dos crimes apontados contra Marcos e Rodrigo Schoene – apesar disso, o que for apurado nesse processo pode ser aproveitado naquele segundo processo. Também réus, três ex-funcionários comissionados da Fundema foram convocados entre as testemunhas de defesa

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Diário do Leitor

Assunto: Polícia Rodoviária

                 Caixas eletrônicos

 

Polícia Rodoviária

Parabenizo a Polícia Rodoviária pelo trabalho que foi feito durante todo o Carnaval na BR entre Garuva e Guaratuba. O semáforo, que sempre é motivo de reclamação, desta vez foi desligado e os guardas rodoviários deram um exemplo de como se coordena um trânsito, coisa rara que não mais se vê. O comando está de parabéns pelo planejamento, pois os policiais descruzaram os braços e deixaram de ficar vendo as longas filas para tomar uma providência. Como pagador de impostos, fiquei contente de saber que tem alguém se preocupando com a segurança pública.

João Paulo de Oliveira Cunha

Por e-mail.

 

Caixas eletrônicos

Sugestão que vai dar certo para acabar com estes seguidos assaltos a caixas eletrônicos: colocar um segurança armado dentro da agência. E os bancos devem cumprir à risca esta determinação. Com certeza, um profissional destes intimida os meliantes. Vai gerar mais empregos e dar mais segurança à população.

Walter Lemos Filho

Florianópolis

 

Caixas eletrônicos

Se estiveres procurando emprego e tens algum problema com o SPC ou Serasa, fique ligado de agora em diante. O TST em Brasília deu poderes às empresas para consultar os órgãos antes de contratar um novo colaborador.

Jorge D. Hexsel

Florianópolis

 

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Informe Político

Assunto: Plano de Comando da Polícia Militar

 

Da caserna

Oficiais da Polícia Militar têm cumprimentado o comandante-geral da instituição por ele ter colocado em prática o seu plano de comando, caso que nem sempre vira regra.

 

A exemplo dos demais comandantes-gerais, o coronel Nazareno Marcineiro apresentou o seu plano ao assumir o cargo.

____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Política

Assunto: Política

 

Deputados retornam com pauta extensa

Depois de uma semana de feriado prolongado, deputados retornam ao Congresso com uma extensa pauta de votações. Na Câmara, o principal assunto da semana será a votação do projeto de lei que cria a Fundação de Previdência Complementar dos Servidores Públicos Federais (Funpresp). A discussão e o início da votação da Funpresp estão marcadas para amanhã. Governistas e oposicionistas fecharam acordo para aprovar o texto principal do projeto.

 

Reforma política vai ser votada no dia 21

O Senado marcou para 21 de março a votação em plenário de propostas da reforma política que já tiveram sua tramitação concluída. Vão ser avaliadas as propostas que tratam do financiamento público de campanha, da exigência de referendo para alteração no sistema eleitoral e de mudança na data de posse de presidente da República, governadores e prefeitos. Uma quarta proposição, que altera regras para coligações, ainda está na fase de discussão no plenário e pode entrar nessa primeira leva caso não receba emendas.

____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Reportagem Especial

Assunto: Tragédia na Antártica

 

 

Um golpe na trajetória do Brasil na Antártica

“Era um dia especial. Havíamos voltado do trabalho e tínhamos trabalhado bastante coletando sangue de 30 pinguins. À noite, estávamos cansados. Fizemos um jantar, fritamos alguns peixes, pescados por colegas. Ficamos todos por ali, comendo petiscos e conversando. Como tinha sido um dia cheio, até que todo mundo voltasse e tomasse banho, começamos a comer tarde, por volta da meia-noite. Foi quando teve uma queda de luz. Eu e um amigo físico, que observa ondas eletromagnéticas, saímos da estação para ver as estrelas, aproveitando que, sem iluminação, fica melhor de ver. Mas vimos um clarão…”

O relato do biólogo gaúcho Cesar Rodrigo dos Santos, 36 anos, um dos 30 pesquisadores presentes na Estação Comandante Ferraz, na Antártica, destruída por um incêndio que abalou a comunidade acadêmica e enlutou a família de dois militares mortos, revela os bastidores de uma das maiores tragédias científicas do Brasil.

A base no continente gelado opera desde fevereiro de 1984 em uma área de 2,5 mil metros quadrados. Tem alojamentos para abrigar cerca de 60 pessoas e conta com laboratórios, cozinha, refeitório, biblioteca, salas de estar, enfermaria e áreas para práticas esportivas. No grupo, além dos pesquisadores brasileiros e uma estrangeira – a especialista em aves Begoña Gimenez, espanhola que tem pesquisas em parceria com cientistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro –, havia 12 funcionários civis do Arsenal de Marinha, um representante do Ministério do Meio Ambiente, um alpinista e 16 militares da Marinha. O incêndio destruiu três décadas de trabalho.

 

Assustados com o clarão, Santos, em sua oitava visita à Antártica, e o colega retornaram para dentro da estação:

“Voltamos anunciando que havia fogo. Isso era por volta da 1h da manhã de sábado (2h em Brasília). O pessoal do grupo de combate a incêndio já foi colocando as roupas especiais, mas, na hora que a gente viu, o fogo já estava alto. Aí, reuniram todos os pesquisadores em uma sala. Tinha gente dormindo, porque muitos estavam cansados por causa do dia cheio que tivemos, e fomos acordar o pessoal. Já tinha muita fumaça, e isso deixou todo mundo apreensivo. Teve gente que saiu sem carteira, sem nada, só com a roupa do corpo.”

Do lado de fora, sob temperatura de -5Cº, os sobreviventes viram o complexo ser tragado pelo fogo. Algumas pessoas, vestidas apenas com pijamas, escaparam da hipotermia porque pesquisadores mantinham fora da estação estoques de roupa de frio e porque dois módulos da estação, isolados da estrutura consumida, serviram de refúgio.

De lá, acompanharam, via rádio, a atua-ção dos militares que arriscavam suas vidas tentando debelar as labaredas. Entre eles, estavam o suboficial Carlos Alberto Vieira Figueiredo e o sargento Roberto Lopes dos Santos. A situação dos homens que se expunham ao fogo naquele momento preocupava o grupo:

“Algumas das pessoas no combate às chamas estavam com hipotermia e com as roupas molhadas. Conforme iam chegando ao refúgio, que ficava a uns 200 metros da estação, os pesquisadores iam ajudando o pessoal do combate ao fogo. Na verdade, não era um refúgio, mas um laboratório de química que era mais perto e foi usado como abrigo. Sorte que estava sem vento. Estava frio, mas não um frio extremo. Isso ajudou, porque as pessoas pegaram algumas roupas, mas todos passaram um pouco de frio. Como eu sinto menos frio do que a Gabriela (Werle, mestranda em Biologia na Unisinos e bolsista), fiquei na rua fotografando, e ela foi para o refúgio.”

A perda do material de pesquisa, algo evidente àquela altura, abalava o grupo. Mas foi a notícia da morte de Figueiredo e do sargento Santos que nocauteou os pesquisadores:

“Mesmo com a perda de todo o material da pesquisa, estávamos felizes por não termos perdido ninguém. Mas depois veio a notícia da morte de duas pessoas do grupo base, que estava no combate às chamas, o Santinho e o Carlos Alberto. Eles iam completar um ano agora em março, quando já voltariam para casa. Estavam saudosos, mostravam fotos e comentavam das famílias. Estávamos há quase 30 dias na estação. Chegamos lá por volta do dia 5, 6 de fevereiro. Em seguida, quando fechasse um mês, já iríamos retornar para casa. Ficamos assustados. Nossa preocupação era que o fogo atingisse os tanques de óleo, usados no gerador de energia da estação, porque isso poderia causar uma explosão. Por isso, saímos da estação e fomos cada vez mais longe.”

Entre crises de choro pelas duas vítimas fatais, o grupo assistiu, impotente, ao ocaso de parte da história do Brasil no sul do mundo.

 

* Com agências de notícias

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Jipe rastreador da Polícia Militar

 

Jipe rastreador alcança área de até 10 quilômetros

Polícia Militar testou o novo veículo ontem, durante o jogo Avaí e Metropolitando, em FlorianópolisA mais nova ferramenta tecnológica de inteligência, vigilância e reconhecimento da Polícia Militar de Santa Catarina foi testada pela primeira vez ontem, durante o jogo entre Avaí e Metropolitano, em Florianópolis. O veículo off-road Stark IRV monitorou a parte externa e interna do estádio da Ressacada, no Sul da Ilha de SC.

Com alta tecnologia embarcada, o jipe possui sistema de radares capazes de rastrear pessoas em um raio de até oito quilômetros, e veículos em até 10 quilômetros.

Também possui câmera com sensor térmico, dotada de alta resolução, e consegue captar imagens a 7,5 quilômetros de distância.

– Na entrada da Ressacada, por exemplo, se todos estão caminhando na direção do portão e apenas uma pessoa está andando na direção contrária, o radar vai captar e a polícia poderá checar se há algo de errado. Outro exemplo de recurso é se todos estão sentados na arquibancada e apenas uma pessoa levanta. A inteligência artificial do veículo vai detectar – explicou o comandante do 4º Batalhão de Polícia Militar, tenente coronel Araújo Gomes.

 

Segundo ele, o Stark IRV passou no teste realizado ontem

– Verificamos sua potencialidade e alcance. Ele tem potencial para grandes eventos. Não detectou nada na Ressacada porque o jogo foi tranquilo, sem registro de ocorrências – observou o comandante Araújo Gomes.

O veículo de tecnologia avançada mantém um sistema de comando e controle, realiza vigilância com multissensores e designa alvos prioritários de atuação.

Ele pode ser usado no apoio a ações da PM de vigilância de fronteiras, suporte a missões de forças terrestres e na prevenção e controle da criminalidade.

 

Ferramenta foi desenvolvida por uma empresa de SC

Ontem à noite, o jipe inteligente continuaria sendo testado. Desta vez, em ambiente noturno e em comunidades do Maciço do Morro da Cruz, em Florianópolis. São locais considerados pela polícia de difícil acesso e críticos por causa da presença do tráfico de drogas.

A nova ferramenta da PM foi desenvolvida pela empresa catarinense TAC, montadora e revendedora de veículos off-road para uso em situações extremas, em parceria com a empresa israelense IAI Elta, que desenvolve e produz sistemas de defesa.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Polícia fala hoje sobre assassinato em Balneário Arroio do Silva

 

 

Polícia fala hoje sobre assassinato

A polícia civil de Criciúma vai se pronunciar hoje sobre o assassinato de Ivonete Mezari Genuíno, encontrada morta com quatro tiros no rosto, dentro de um carro, e ao lado da filha de um ano e meio, em Balneário Arroio do Silva, no Sul do Estado.

O crime foi descoberto na manhã de quinta-feira e o bebê nada sofreu.

– Estamos trabalhando no caso neste momento (ontem à tarde) e vamos deixar para informar sobre o desenrolar das investigações neste encontro com a imprensa – explicou na tarde de domingo o delegado Ari José Soto Riva.

Entre outras coisas, o delegado Luiz Vanderlei Sala, da Regional de Araranguá, deve definir com quem ficará o caso a partir do que já foi apurado. A delegacia de Homicídios, em Florianópolis, também trabalha na apuração do crime. Por jurisdição, a Homicídios pode dar apoio, mas não comandar.

Ivonete teve uma filha, no caso a menina que estava com ela na hora do crime, com o coordenador da Divisão de Investigação Criminal de Araranguá, Jorge Giraldi. Inicialmente, conforme a própria polícia, o Giraldi esteve envolvido nas investigações:

– Isso aconteceu porque todas as equipes policiais estiveram envolvidas, mas, hoje, Giraldi não tem mais participação – disse o delgado Ari José Soto Riva.

Até ontem, não havia decisão sobre o horário da entrevista coletiva. A expectativa é que os laudos da perícias estejam concluídos e possam nortear as explicações dos policiais.

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Geral

Assunto: Pedófilo com prisão preventiva decretada volta a atacar

 

Pedófilo com prisão preventiva decretada volta a atacar e fotografa menina de quatro anos nua

Denúncia foi feita pelos pais da criança,vizinhos do tarado no bairro Praça, em Tijucas, onde pedófilo foi preso

 Ao tentar fazer mais uma vítima, no bairro Praça, em Tijucas, na Grande Florianópolis, um homem com prisão preventiva decretada por estupro de vulnerável em Itajaí, no Litoral Norte, foi preso novamente pela Polícia Civil. Vicente Elizeu Pereira, 53 anos, foi denunciado pela família de uma criança de apenas quatro anos. Ele teria tentado fotografar as partes íntimas da menina.

Segundo a delegada Madge Branco, a tentativa de estupro começou a ser investigada assim que a família fez o boletim ocorrência. Pereira era vizinho da família e, de acordo com o depoimento dos familiares, na base da conversa e de convites para passear acabou levando a vítima ao seu apartamento. Chegando lá, depois de algum tempo, teria tirado a roupa da criança para fotografá-la. Foi a própria vítima que contou sobre a investida do acusado aos pais, que decidiram denunciar o caso. A investigação é coordenada pelo delegado Alan Amorin, que pretende juntar provas e indiciar Pereira, por tentativa de estupro de vulnerável.

Assim que foi denunciado pela família de Tijucas, o nome de Elizeu foi pesquisado no sistema de informações da Secretaria de Segurança Pública, onde foram encontrados três mandados de prisão expedidos contra ele. Dois por estupro e assédio sexual já estavam vencidos, mas havia um terceiro, de prisão preventiva também por estupro de vulnerável, na Comarca de Itajaí, ainda válido. Sabendo do endereço dele em Tijucas, a delegada foi até a casa e lhe deu voz de prisão. Pereira prestou depoimento sobre a acusação em Tijucas e foi encaminhado ao Presídio Regional de Tijucas. Nós próximos dias deve ser apresentado à Justiça de Itajaí.

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Hélio Costa

Assuntos: Operação veraneio

                  Investigação de chacina

                   Programa bem-te-vi

 

 

A Operação Veraneio está terminando, mas parece que ela nem aconteceu

Com exceção de algumas incursões bem-sucedidas da Deic, a Polícia Civil não executou operações planejadas e integradas com as delegacias

Operação Veraneio não fez a diferença

A Operação Veraneio, prestes a terminar, parece que nem aconteceu. Pelo menos na Polícia Civil. Com exceção de algumas incursões bem-sucedidas da Deic, a Polícia Civil não  executou operações planejadas e integradas com as delegacias da Grande Florianópolis. São poucas, mas muito poucas as unidades policiais onde se vê um ou dois agentes de interior que dizem estar reforçando as DPs do litoral. Talvez a Operação Veraneio da Polícia Civil tenha acontecido em outras cidades porque na Capital ela não fez a diferença. Por outro lado, veranistas e moradores das praias do Sul de Palhoça elogiaram o policiamento preventivo da Polícia Militar nas praias do Sul de Palhoça. São muitos os elogios para o 16º BPM, que cobre esta região. Os elogios chegam por e-mail para o programa Balanço Geral, da rádio Record, que apresento de segunda a sexta-feira e para jornal Meio Dia da RIC TV, que também apresento de segunda a sábado.

 

Delegado faz investigação perfeita e suspeitos chacina são denunciados pelo MP

O processo está bem “amarradinho”. Calculo que cada um dos acusados, que matou o pai e os dois filhos, deve pegar mais de 60 anos de cadeia

Investigação perfeita

Foi perfeita a investigação comandada pelo delegado de Palhoça, Atílio Guaspari Filho,  que botou na cadeia os assassinos do construtor Gelson Aparecido de Souza e de seus dois filhos: Victor e Jean. O levantamento pericial e a reconstituição do crime, não deixaram dúvidas para o Ministério Público oferecer denúncia contra acusados. Everaldo Rosa Nunes, Jerférson Nunes, Rogério Vaz da Silva e três adolescentes praticaram uma barbárie: Mataram a família com pé de cabra. A promotora Júlia Wendausen Cavallazi acatou, na íntegra, a conclusão do relatório final do delegado   Atílio que soube orientar sua equipe na busca de provas. O processo está bem “amarradinho” e acho que cada um dos adultos deve pegar mais de 60 anos de prisão. É bom lembrar que independente  do “tamanho condenação”, pelas leis brasileira,  ninguém pode ficar mais de 30 anos na cadeia.

 

Bem-te-vi

A Secretaria da Segurança Pública lança hoje à tarde o programa Bem-te-vi: ampliação do sistema de videomonitoramento no Estado, para 1.400 câmeras. Tal qual o pássaro que denuncia o que vê, os equipamentos também vão ajudar a polícia na investigação em tempo real. O lançamento acontece durante o I Seminário em Segurança Pública- Gestão e Capacitação em Videomonitoramento, na  Casa do Barão, rua Bocaiúva, 1750 Centro, a partir das 13h.

 

 

 

 

BLOGS

 

Paulo Alceu

 

Data marcada

Há uma grande aposta de que a Reforma Política, que começa a ser votada no mês que vem no Congresso, acabe proporcionando em parte a separação do joio do trigo.

Existe na verdade nessa expectativa uma certa pretensão e porque não dizer sonho. O voto pensado e responsável é a verdadeira qualificação para a escolha dos representantes no Parlamento. Mas são muitos os atalhos para tornar o voto ineficiente. Por isso a torcida pela reforma. Lá estarão propostas que tratam do financiamento público de campanha freando doações milionárias e colocando, pelo menos tentando colocar, todos nos mesmo patamar. Inclusive a mudança na data de posse, hoje no dia primeiro de janeiro, estará entre os temas debatidos. Propostas polêmicas, como a alteração das coligações partidárias, estarão na pauta de votação. Nesse caso querem manter a coligação somente na majoritária. Sobre a data de posse, os presidentes serão no dia 15 de janeiro e governadores e prefeitos no dia 10 de janeiro. Está tramitando também a redução de dois para um suplente de senador e que não tenha parentesco com o candidato titular. Mas o tema mais polêmico é a famosa lista fechada. Pode de repente nem ser votado nesse pacote. Além disso, ainda está em analise a justa causa para desfiliação partidária quando da criação de um novo partido. Foi excluída da comissão, mas acabou sendo reapresentada em emenda de Plenário. Vale destacar também que o fim da reeleição para presidente, governador e prefeito foi rejeitada, como também a PEC que acabava com a exigência de filiação partidária para candidatos em eleições municipais. Reeleição, por enquanto, continua valendo, mas em discussão.