Área do associado

Área do associado

Clipping dos dias 25 a 27 de agosto

27.8.2012

 

CLIPPING

25 a 27 de agosto de 2012

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assuntos: Juiz autoriza o instituto da maconha

 

Juiz autoriza o instituto da maconha

Grupo de universitários de SC havia pedido a cartório o direito de operar como entidade socialUma decisão judicial em Florianópolis autorizou um cartório a conceder registro de estatuto social à entidade criada por estudantes universitários chamada de Instituto da Cannabis, a planta conhecida como maconha.

O grupo afirma atuar na pesquisa, estudo, debate e também o uso recreativo, industrial e medicinal da droga. A sentença, que saiu no mês passado, é do juiz Alexandre Morais da Rosa, da 4ª Vara Criminal.

O magistrado fez uma única ressalva: que o instituto mude a sua sigla “InCa” para evitar alguns transtornos – Inca é a sigla oficial do Instituto Nacional de Câncer, órgão ligado ao Ministério da Saúde.

Na decisão, o juiz afirma que há necessidade de se manter a liberdade de manifestação. Ele cita o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, um dos defensores da descriminalização da maconha, que nem por isso foi processado por apologia.

O promotor Henrique Limongi se diz inconformado com a autorização do registro ao instituto e entrou com recurso no Tribunal de Justiça (TJSC), ainda não julgado.

Limongi diz que a autorização é absurda e a define como uma aberração, pois na sua visão a entidade estaria dedicada à disseminação e incentivo ao uso da maconha.

A intenção do instituto em oficializar a sua criação gera discussão na Justiça desde o ano passado. Foi quando o grupo formalizou um pedido de registro de estatuto social no cartório Faria, no Centro, que ficou em dúvida e consultou a Justiça.

Na época, o promotor determinou o envio a uma das promotorias criminais. Os integrantes do instituto negam apologia à droga e afirmam que a intenção do grupo é fazer pesquisas sobre o entorpecente e que o registro possibilitaria a busca por recursos para os estudos.

 

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assuntos: BOA recebe novo equipamento para salvamento e resgate

                   Delegado Eduardo Senna

 

 

O Batalhão de Operações Aéreas (BOA) do Corpo de Bombeiros Militar de SC recebeu um novo equipamento para salvamento e resgate. É um cesto, com capacidade para o transporte de até três pessoas, desenvolvido para a retirada rápida de vítimas em locais de difícil acesso, especialmente aquelas isoladas em pontos elevados em casos de alagamento, inundações, incêndios e em áreas de mata densa. Só entre janeiro e agosto, foram 73 ocorrências de buscas e resgate entre as 1.772 missões do BOA no Estado.

 

OI, OI, OI

Delegado Eduardo Senna é o número 2 na COP, o grupo de elite da PC em SC. Só que nem mesmo a hierarquia rígida da equipe isentou de ser chamado pelos colegas de “Seo Leleco”, o da Avenida Brasil. Quem vê, jura que ele e Marcos Caruso foram separados na maternidade.

__________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Pit Bull morto por PM

 

A morte de um cão da raça pit bull, baleado por um policial militar na manhã da última quinta-feira, virou alvo de denúncia e investigação em Joinville. O PM era vizinho da casa onde vivia o animal.

O episódio veio à tona nas redes sociais da internet ontem, depois que o dono do cão, morador do bairro Costa e Silva, registrou queixas na Polícia Civil, no Ministério Público e na corregedoria da PM. Ele admite que o animal recebeu os tiros na rua, porque o portão foi esquecido aberto.

O policial militar não quis se manifestar publicamente e disse que daria justificativas apenas à corregedoria da PM e à Justiça. Falou apenas que o cão estava solto e, portanto, representava risco aos moradores.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Castigo em escola será investigado

 

Castigo será investigado

A Polícia Civil de Blumenau abriu inquérito para verificar a conduta de um professor de uma escola estadual que teria aplicado castigo a alunos.

Segundo os boletins de ocorrência registrados, os estudantes teriam escrito uma mensagem de carinho a uma das professoras da escola. Porém, ao entrar na sala, o professor não teria gostado e, conforme a polícia, teria submetido nove alunos a diversos castigos e constrangimentos.

De acordo com o boletim de ocorrência, o professor teria ordenado que, caso os estudantes quisessem tomar água, precisariam pedir ajoelhados. O fato ocorreu na quarta-feira.

A gerente de Educação da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Blumenau, Maria Isabel Porto Paes Schulz, confirmou que o professor se reunirá com a gerência nesta segunda-feira à tarde para esclarecer o fato. Ele pode receber uma notificação ou até ser demitido. Na Polícia Civil, o delegado Juraci Darolt pretende ouvir a direção da escola, os alunos, os pais e o professor. O inquérito deve ser concluído em até 30 dias.

____________________________________________________________________________

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Moacir Pereira

Assunto: Eleições

                  

As prestações de contas e as impugnações em SC

Fato inédito no processo eleitoral: as prestações de contas de todos os candidatos estão disponíveis na Internet, a partir desta semana. É a primeira vez que a transparência acontece antes das eleições.

Uma medida saneadora que contribui para aprimorar o processo eleitoral e fortalecer a cidadania diante de conhecidos abusos do poder econômico. Santa Catarina teve exemplos robustos em vários municípios sobre candidatos com campanhas milionárias e depois do pleito apresentando contas franciscanas. Sinal de que prevaleceu o “caixa 2”, uma prática delituosa que começa a ser combatida e agora visível pelo julgamento do mensalão no Supremo.

Cumpre assim, a Justiça Eleitoral mais uma etapa na longa trajetória do aprimoramento das campanhas. Qualquer cidadão pode, a partir desta salutar providência, questionar, politica e judicialmente, todos os excessos. E se na disputa municipal este controle – mais visível, mais próximo e agora mais transparente – não acontecer, nas eleições gerais é que estas afrontas deixarão se merecer exemplar punição.

Esta semana terá, também, decisões de repercussão política em todo o Estado, algumas com reflexos no pleito de 2014. É o caso, por exemplo, do recurso contra a impugnação do prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro, do PSDB, enquadrado na Lei da Ficha Limpa. Seu advogado Péricles Prade tem enfatizado que ele possui documento da própria Justiça Eleitoral atestando a recuperação plena dos direitos políticos. Criciúma é o quinto maior colégio eleitoral do Estado.

 

 

JULGAMENTOS

Ninguém ousa prever, contudo, o que vai ocorrer no julgamento do processo pelo Tribunal Regional. Revogada a impugnação, Salvaro ganha mais fôlego; mantida, sofre prejuízos eleitorais. Ou a pendência do prefeito de Joinville, Carlito Mers, do PT, com o registro da candidatura cassada, por abusos na propaganda da Prefeitura. Está confiante em reverter a cassação no TRE-SC, mas as perdas políticas são notórias.

O PSDB joga tudo nas campanhas de Marco Tebaldi no norte e Clésio Salvaro, alicerces principais para as eleições ao governo em 2014.

Há outros processos de menor impacto estadual, mas importantes no pleito. A decisão sobre Tanara Cidade, do PT, candidata à Prefeitura de Laguna. Ou de seu colega, o prefeito petista Celso Zuchi, de Gaspar, que também está pendurado na Justiça Eleitoral. Ou o impedimento do deputado Ciro Roza, do PSD, outra incógnita.

Todos eles claro, mesmo impugnados, estarão em plena campanha, sempre na expectativa de vitória e de reversão de resultados desfavoráveis em novos recursos ao Tribunal Superior Eleitoral.

Concluído o julgamento dos 579 processos, o TRE-SC entra em nova fase, com recursos tratando de pedidos de direito de resposta e de decisões de juízes sobre a propaganda eleitoral obrigatória, contendo abusos no rádio e na televisão.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Política

Assunto: Candidatura de Carlito é cassada por juíza eleitoral

 

Candidatura de Carlito é cassada por juíza eleitoral

Prefeito de Joinville teria extrapolado em despesas de publicidade no primeiro trimestre deste ano. Defesa vai recorrer hojeAs candidaturas do prefeito Carlito Merss (PT) e do seu candidato a vice, Eni Voltolini (PP), foram cassadas pela Justiça Eleitoral na noite de sábado.

Na ação, a juíza Hildemar Meneguzzi de Carvalho, da 19° Zona Eleitoral de Joinville, considerou que o atual prefeito teria extrapolado o valor médio gasto com publicidade institucional da prefeitura de Joinville no primeiro semestre de 2012 no comparativo com os valores dos anos de 2009, 2010 e 2011. Pela lei eleitoral, o gasto com propaganda em ano eleitoral não pode ultrapassar a média dos três anos ou do ano anterior à eleição, prevalecendo o menor.

O advogado da coligação Joinville Melhor Para Todos (PT/PP/PR/PRB/PCdoB/PTdoB), Mauro Prezotto, confia que irá reverter a decisão judicial. Enquanto o recurso não for julgado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SC), a campanha de Carlito continua.

Segundo a decisão da juíza, a prefeitura de Joinville gastou entre 1° de janeiro e 6 de julho de 2012 o total de R$ 7,3 milhões. Isso superaria a média máxima permitida para os seis meses, que seria de R$ 3,2 milhões, segundo o documento. Para calcular a média de gastos, foi usado como critério o valor pago em 2009 (R$ 6,1 milhões), 2010 (R$ 7,5 milhões) e em 2011 (R$ 8,3 milhões).

Ainda segundo a decisão da juíza, a prefeitura teria utilizado o dinheiro público para benefício do candidato Carlito quando enviou para 130 mil residências encartes com a propaganda “Joinville Agora Tem”.

 

Propaganda institucional deve sair de circulação

A decisão judicial ainda aplica multa de R$ 45,4 mil a Carlito. Além disso, deu o prazo de 24 horas para a retirada de qualquer material de propaganda institucional que tenha os dizeres “Prefeitura Informa: Em Joinville, Agora Tem” ainda existente para distribuição na cidade. O advogado Prezotto diz que a publicidade institucional já foi retirada de circulação nos últimos meses.

 

Entrevista – Carlito MerssO petista disse, ontem, que desde o início do ano tem feito reuniões para alertar sobre limites de gastos.

 

Diário Catarinense – O que essa decisão interfere na campanha?

Carlito Merss – Agenda normal. Só matei a primeira agenda da manhã desde domingo para tratar deste assunto com o advogado. Desde o início do ano, fizemos várias reuniões com as secretarias, alertando sobre o ano eleitoral e que não poderíamos ultrapassar os limites de gastos. Estou absolutamente tranquilo quanto ao cumprimento da legislação.

 

DC – Como recebeu a notícia?

Carlito – Levei um susto. Ontem à tarde, estava no meio de uma missa. Pensei: “Ah, meu Deus, o que fizemos de errado.” Mas aí nos reunimos neste domingo e tudo foi esclarecido.

Advogado confia na reversãoO advogado da coligação Joinville Melhor Para Todos (PT/PP/PR/PRB/PCdoB/PTdoB), Mauro Prezotto, se reuniu ontem de manhã, no comitê do PT, com Carlito e o candidato a vice Eni Voltolini (PP) para tratar da defesa. Prezotto deve protocolar hoje o recurso na 19ª Zona Eleitoral.

Segundo ele, houve um equívoco na interpretação da juíza Hildemar de Carvalho e do promotor eleitoral Ricardo Paladino, autor da ação, na quantia paga este ano em publicidade institucional.

– Valor empenhado não é valor pago. A juíza e o promotor se equivocaram ao considerar que essa quantia ultrapassa a média dos últimos três anos. Na verdade, gastamos menos. A decisão é completamente reversível – afirma o advogado.

Enquanto o recurso não é julgado, a campanha de Carlito Merss e o vice Eni Voltolini pode continuar.

 

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Crimes e ocorrências

 

Discussão termina em ocorrência

Uma discussão na noite de sábado em um condomínio no Bairro Pantanal, em Florianópolis, terminou em ocorrência policial.

O jornalista e morador do residencial Parco Reale, Paulo Arenhart, 52 anos, afirma que foi ameaçado e agredido com uma coronhada na cabeça pelo policial rodoviário federal Bernardo Oliveira, que também é morador e síndico do prédio.

Paulo diz que o motivo foi uma reclamação que fez sobre a proibição da entrega de jornais na porta dos apartamentos. O jornalista relatou que, por volta das 20h30min, bateu na porta do síndico e policial para reclamar da proibição. O síndico fechou a porta, mas ele insistiu na reclamação. Nesse instante, diz o jornalista, o síndico apareceu apontando uma pistola na sua direção, da sua mulher e do seu filho de seis anos e o agrediu com uma coronhada na cabeça.

O DC contatar o síndico e policial por telefone na tarde de domingo. Ele afirmou que não daria declaração.

 

Homem é morto a tiros

Um homem de 26 anos foi morto com pelo menos três tiros na manhã de domingo, em Araquari. De acordo com a Polícia Militar, Carlos Padilha Alves foi assassinado dentro de uma casa da Rua São Benedito, no Itinga. A rua ficou tomada de moradores e curiosos que acompanharam o trabalho da polícia e do Instituto Geral de Perícias.

Segundo vizinhos, o homem teria invadido a casa da ex-namorada e teria sido morto pelo irmão dela. Um amigo da família disse que Alves fazia ameaças à mulher. O suspeito do crime, informou a polícia, avisou pelo 190 que irá se entregar assim que o período da prisão flagrante acabar.

O corpo de Alves foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Joinville. O caso será investigado pela Polícia Civil de Araquari.

 

Casal é acusado de matar recém-nascido

Corpo foi encontrado dentro de uma mochila em um terreno baldioUm casal foi preso no sábado em Balneário Piçarras, no Litoral Norte, após a morte de um bebê recém-nascido. A Polícia Civil suspeita que a criança teria sido assassinada logo após o parto, na madrugada de sexta-feira para sábado porque o marido, Alécio Cordeiro de Souza, 32 anos, suspeitava que o filho não fosse dele.

No fim da noite de sexta-feira, Jaqueline Vanessa Hortelan, 30 anos, procurou uma unidade de saúde da cidade alegando que tinha sofrido um aborto.

Como o caso parecia grave, a médica de plantão encaminhou a mulher para o Hospital e Maternidade Marieta Konder Bornhausen, em Itajaí. Lá, a equipe médica que a atendeu constatou que, na verdade, com nove meses de gestação, Jaqueline tinha entrado em trabalho de parto e a criança teria nascido.

A Central de Polícia Civil de Itajaí foi acionada para atender o caso. Em seguida, a Polícia Civil de Balneário Piçarras foi à casa de Alécio para tentar descobrir onde estaria o bebê. Mas, na residência, os policiais só encontraram muitas manchas de sangue. Foi somente durante o segundo depoimento aos policiais que Jaqueline confessou que o marido tinha saído da prisão em abril e não sabia da gravidez.

 

Sem visitas íntimas durante a prisão

Ela também contou que durante o tempo em que esteve preso, eles não tiveram visitas íntimas, o que aumentaria a desconfiança de Alécio com relação à paternidade.

Em seguida, Jaqueline informou que o corpo da criança estava escondido dentro de uma mochila e jogado em um terreno baldio próximo à sua casa. No entanto, a mulher continua afirmando que não matou a criança.

Os policiais decretaram a prisão do casal sob a acusação de homicídio doloso. Jaqueline teve alta do hospital ontem e aguarda vaga na Penitenciária Regional de Itajaí.

 

À espera de vagas em presídios da região

Alécio, que havia cumprido pena por ser acusado de tráfico de drogas, também está detido na delegacia de Piçarras à espera de uma vaga em presídios da região. O Instituto Médico Legal (IML) de Itajaí, que atendeu a ocorrência, ainda prepara o laudo sobre a morte do bebê.

Conforme informações preliminares à Polícia Civil a criança estava tinha respirado antes de morrer. A perícia também está fazendo um exame de DNA para tentar comprovar a paternidade do bebê.

 

 

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Catarinense dá aulas a policiais chineses

 

 

Catarinense dá aulas a policiais chineses

Tony Eduardo é o único brasileiro que teve acesso à academia de polícia de um dos países mais fechados do mundo

Até hoje, um único brasileiro teve acesso ao restrito círculo da academia de polícia chinesa. Tony Eduardo de Lima e Silva, um catarinense de 31 anos foi quem conseguiu o feito.

Ele recebe, em setembro, o coordenador da polícia da China, Jiu Sun Yong, para treinamento de tiro e defesa pessoal na Capital. As aulas serão na escola de tiro da família, a .38, fundada há 20 anos pelo pai de Tony e até hoje é a única no Estado.

No ano passado, ele treinou os professores da academia de polícia da China nas técnicas do jiu-jítsu. Os guardas de rua não usam armas de fogo, e as técnicas de defesa e neutralização de um transgressor repassadas pelo mestre Tony seriam a grande solução para profissionais que, muitas vezes, rolam no chão e não conseguem se livrar de cidadãos infratores e inoportunos.

– Fico feliz em saber que minhas técnicas vão ajudar aqueles profissionais e outros moradores, pois lá é muito comum briga de rua, confusões e, com jiu-jítsu, o domínio é facilitado – comenta.

Fazer treinos e reuniões durante refeições foi outra forma de conquistar ainda mais a confiança e a admiração dos policiais chineses. Segundo Tony, eles negociam e consomem bebidas alcoólicas ao mesmo tempo, pois acreditam que, assim, se manifestam com mais sinceridade.

Tony está em contato com os chineses desde 2008, em Shangai. Com um amigo executivo, investiu numa academia onde o coordenador conheceu o trabalho dele.

– Este meu amigo de Orlando (EUA) montou a academia e me convidou. A ideia deu tão certo que, desde então, ele largou os negócios nos EUA para cuidar somente da empresa na China.

 

Treinos para tropas de elite

A paixão pelos esportes de luta e tiro que herdou do pai – que montou a escola de tiro há 20 anos, que ele e o irmão administram – garante o potencial técnico e a competência precisa a Tony Eduardo.

Ele começou a lutar com 11 anos, e a atirar com 12. Fez educação física na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e, há mais de 10 anos, começou a viajar para fazer treinamentos e iniciar alunos. Neste período, morou em cinco países, a maior parte do tempo nos EUA.

– Estive em mais de 10 países para ministrar seminários e treinamentos para todos os tipos de alunos, de executivos a lutadores do UFC, e policiais de elite e militares de várias partes do mundo, como SWAT, Army Rangers, Navy Seals, entre outras. Visitei países árabes em conflito, e treinei uma equipe do exército norte-americano nos EUA e em outros países. Aprendi muito enquanto ensinava e tinha contato com culturas tão diferentes.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Sequestro a gerente do Banco do Brasil

 

 

Um pesadelo de 15 horas

– Ainda estou assimilando tudo o que aconteceu. Cabisbaixo, abatido e em apenas uma frase, o gerente do Banco do Brasil na Lagoa da Conceição, em Florianópolis, resumiu a razão que o levaria a ficar em silêncio e a não querer relembrar as 15 horas de terror que viveu nas mãos de bandidos.

Rendido quando chegava a pousada, gerente passa a noite ameaçado de morte por bandidos, que o obrigam a abrir a agência da Lagoa da Conceição, de onde levam cerca de R$ 500 mil

Ao lado do advogado do banco, o gerente, que pediu para não ser identificado, conversou rapidamente com o DC na saída da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), no Estreito.

Passava das 18h de ontem e ele havia prestado depoimento de mais de duas horas ao delegado Anselmo Cruz, na tentativa de revelar detalhes que possam levar à prisão da quadrilha que o sequestrara na quinta-feira.

O gerente havia passado a noite em poder de assaltantes em um quarto da Pousada do Lima, na Rua Osni Ortiga, na Lagoa. Além da ameaça de armas, os bandidos o amedrontaram psicologicamente, prendendo uma suposta bomba em sua cintura desde o momento em que foi rendido. Vigiado de perto a noite toda, o gerente não conseguiu dormir.

De manhã, foi levado à agência, onde os bandidos pegaram o dinheiro do cofre e dos caixas eletrônicos. Estima-se que tenham roubado R$ 500 mil. Fugiram pelo morro da Lagoa, em direção ao Centro. Passaram por câmeras de vigilância, mas conseguiram escapar, pois a polícia demorou a ser acionada.

O sequestro seguido de roubo chamou a atenção por ter ocorrido justamente no dia em que a polícia anunciou a prisão, no RS, do assaltante de bancos Enivaldo Farias, o Cafuringa, especialista nesse tipo de crime. Sua quadrilha cometeu este ano assaltos semelhantes no Sul catarinense. Ainda há integrantes do grupo que estão foragidos.

Para a polícia, a quadrilha não é da Grande Florianópolis, pois esse modo de agir, vigiando antecipadamente os alvos, não é comum na região. Um dos ladrões tinha sotaque nordestino. O bando agiu mais com a intimidação do que com violência. Na hora de colocar a suposta bomba no corpo do gerente, simulavam que poderia explodir e a prenderam devagar. Para retirar, puxaram com força.

 

 

BLOGS

 

Moacir Pereira

 

 

Denúncias nas redes sociais contra ex-Secretário Ronaldo Benedet

Fato politico deste fim de semana com comentários nos meios politico do sul do Estado e na Capital envolvem o ex-secretário de Segurança Pública e atual deputado federal Ronaldo Benedet, do PMDB. Detalhes constam do blog do Canga, de Florianópolis. Reproduções ocorrem em várias redes sociais e meios de comunicação do sul.

 

Confira:

“”O vereador e candidato a Prefeito do novo município de Pescaria Brava, e esta sendo investigados pela Polícia Federal e pelo DEIC de Santa Catarina, por suspeita de envolvimento com crimes e tráfico de drogas.

A Delegacia da Polícia Federal de Criciúma realizou escutas telefônicas autorizadas pela justiça, escutas esta que estão em um processo que tramita em segredo de justiça, no qual Deyvisonn da Silva e o Deputado Federal Ronaldo Benetet, na época Secretario de Estado de Segurança Pública (SSP) são identificados como informantes da maior rede de narcotráfico montada na região de Tubarão – SC, fornecendo aos traficantes informações sobre locais e datas das atuações da Polícia em batidas cujo objetivo seria a apreensão de grande quantidade de entorpecentes.”

O deputado federal Ronaldo Benedet declarou-se indignado com o que está sendo denunciado, contestando com toda veemencia o conteúdo das conversas e denúncias. Disse que estão querendo prejudicar o vereador Deyvison da Silva, seu amigo pessoal há tempo e candidato a prefeito de Pescaria Brava.

O parlamentar já apelou ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, acionou a Procuradoria da Camara Federal, que pediu uma investigaçao rigorosa. Foi descoberto que a primeira versão partiu de um site do Canadá.

— Não tenho que dar explicações,por se tratar de pura calúnia. Não sei de nada, não me envolvi com coisa nenhuma. Tudo denuncia fria em época de eleição — disse Benedet. Até a Embaixada do Canadá no Brasil foi acionada para tentar tirar o site do ar, segundo o ex-secretário.

 

Cláudio Prisco

 

Volta

Deputado Mauricio Eskudlark (PSD) retorna hoje aos trabalhos na Assembleia, depois de licença de dois meses em que atuou no lançamento e fortalecimento de candidaturas a prefeito e vereador do partido, sobretudo na região do Extremo-Oeste, sua base eleitoral original.

No período, atuou no Legislativo o suplente Nilso Berlanda (DEM), empresário radicado no Oeste catarinense.

 

 

MÍDIAS DO BRASIL

 

 

Veículo: Portal G1

Editoria: Geral

Assunto: PM de folga é morto na Zona Leste de São Paulo

 

 

PM de folga é morto na Zona Leste de São Paulo

Vítima estava em moto com o filho de 10 anos na garupa.

Testemunha diz que policial foi abordado por quatro homens, no domingo.

Do G1 SP

O policial militar Joaquim Carlos de Menezes foi morto a tiros, no domingo (26), na Zona Leste de São Paulo. Ele estava de folga e havia saído para buscar um lanche em um restaurante. Segundo a polícia, a vítima voltava para casa de moto com o filho de 10 anos na garupa quando o crime aconteceu.

O irmão do policial, que também seguia em uma moto, teria visto o crime. Em depoimento, ele contou que Joaquim foi rendido por quatro homens armados em duas motos.

De acordo com a polícia, os criminosos tiraram o menino da garupa, mandaram o policial descer, atiraram e fugiram. A vítima foi levada para o Hospital Santa Marcelina, também na Zona Leste, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.