Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 31 de julho

31.7.2012

 

CLIPPING

31 de julho de 2012

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assuntos: Homofobia

 

INTOLERÂNCIA

Foram contabilizados 278 assassinatos ligados a homofobia no ano passado no Brasil, conforme dados da Secretaria de Direitos Humanos. Levantamento ainda está sendo finalizado. Entre outras fontes, a pesquisa considerou ligações ao Disque Direitos Humanos (Disque 100) e à Central de Atendimento à Mulher (Disque 180).

____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Gerais

 

Incêndio destrói loja de brinquedos

A loja Color Brinquedos, na Rua Reinoldo Rau, em Jaraguá do Sul, foi completamente consumida pelo fogo por volta das 2h. Mais de 15 bombeiros de Jaraguá do Sul e Guaramirim trabalharam na operação. De acordo com o comandante dos Bombeiros Voluntários de Jaraguá do Sul, Jean Carlos Walz, a equipe da corporação levou mais de três horas para conter o fogo da loja

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Cacau Menezes – Thiago Moon interino

Assunto: PM aprende 487 quilos de maconha

 

Da lata (2)

Por volta de 0h30min desta segunda, na altura de Joaçaba, a Polícia Militar apreendeu 487 quilos de maconha espalhados na BR-282. A droga estava em 520 tabletes de um Honda City que capotou. Mas nada de inverno da lata.

Um homem em um bar próximo foi flagrado com quatro tijolos e a polícia incinerará o restante. Ninguém deve fazer livro, disco, filme ou versinhos em referência.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Moacir Pereira

Assunto: Segurança Pública

 

 

Tensa a situação na segurança pública

O governador Raimundo Colombo nomeou o promotor Cesar Grubba para o cargo de secretário de Segurança Pública para evitar o desastre da interferência partidária na estrutura policial. Fatos ocorridos revelam, contudo, que surgiram nos últimos meses, novos conflitos entre as policias civil e militar e entre os delegados e o Ministério Público.

A crise começou com as denúncias da Deic de que o cel. Fernando Menezes estava envolvido no desvio de motores e peças de veículos para um desmanche de Joinville (18 toneladas). Ao ser inteirado das denúncias, com fotos, o cel. Menezes disse a dois promotores que a ação da Deic fazia parte de um esquema para “derrubar o secretário”.

A Policia Civil contestou a acusação e a Deic avançou nas investigações sobre o ferro velho, que envolvia a Comissão de Licitações do Detran. Para evitar o afastamento do coronel Fernando Rodrigues da Secretaria Adjunta, o secretário Cesar Grubba dissolveu toda a Comissão de Licitação.

O clima continuou tenso depois que a Deic exibiu novas provas de desvio de outra carreta de ferro-velho. Denunciou, ainda, cúpula de esvaziamento da Diretoria, com a proposta de retirada do “guardião”, equipamento de escuta telefônica considerado peça chave nas investigações.

O confronto seguinte veio com o indiciamento, pelos delegados Alexandre Carvalho e Rodrigo Green, do secretário adjunto, cel. Fernando Rodrigues, do ex-presidente da Comissão de Licitações do Detran, cel. José Teodósio de Souza, e mais quatro servidores da secretaria.

 

JUSTIÇA

O inquérito policial foi entregue à Justiça de São José e encontra-se com a promotora Márcia Arendt há mais de dois meses. Os delegados questionam o prazo transcorrido para apresentação ou não da denúncia. Falam até em suspeição, pois a promotora foi secretária adjunta da Justiça.

O clima voltou a ficar tenso com a decisão do diretor da Deic, Akira Sato, de remover o delegado Alexandre Carvalho, fato interpretado como retaliação política por ter indiciado autoridades da segurança. Sato disse que o colega estava sendo transferido por falta de produtividade.

Combustível novo foi fornecido pelo Tribunal de Justiça. A 2a Câmara Criminal decidiu, por unanimidade, rejeitar pedido arquivamento do inquérito e suspensão da quebra de sigilo fiscal, bancário e telefônico, requerido em “habeas corpus” pelo coronel José Teodósio de Souza, ex-presidente da Comissão de Licitações. No acórdão, o desembargador Sérgio Heil enfatiza que há “possibilidade de grave prejuízo à administração pública, que vendeu material como ser ‘ferroso triturado’, mas possibilitou à empresa executora evidente lucro com a subcontratação”.

Os três desembargadores refugaram, também, parecer do Ministério Público, que se pronunciou favorável à pretensão do oficial militar.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Saída de delegado

 

Saída de delegado gera nova onda de insatisfação

Grupo que contesta afastamento de Alexandre Carvalho repassou dados sobre processos contra um dos novos delegados

A Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), a elite da Polícia Civil, em Florianópolis, convive mais uma vez com o clima de vazamento de informações e de resistência a medidas superiores. O motivo foi a saída do delegado Alexandre Carvalho, que atuava havia três anos e seis meses na Divisão de Furtos e Roubos.

Além de contestarem a saída de Alexandre, atribuindo razão política à medida, um grupo de policiais experientes ligados à ele na Deic vazou ontem informações sobre um dos três novos delegados que estão sendo deslocados para atuar na diretoria. O grupo, que não quer ser identificado, informou sobre processos envolvendo o delegado Procópio Batista Silveira Neto como forma de questionar a sua carreira policial e a ida para a Deic.

Procópio, que estava em Balneário Camboriú, foi convidado pelo diretor da Deic, delegado Akira Sato. A reportagem apurou que Procópio responde a três processos na Justiça, sendo dois por abuso de autoridade, em São Bento do Sul e Rio Negrinho, e um terceiro relacionado a trânsito.Ele enfrentou outros dois processos, também por abuso de autoridade. Um deles prescreveu. No outro, foi absolvido.

– O fato de responder não significa que seja culpado. Quem está na rua atuando acaba sujeito e respondendo a processo. Não cometi crime algum. Já fui absolvido. Há dois processos em trâmite ainda e também espero ser absolvido – disse Procópio.

O diretor da Deic disse que os processos não mancham a conduta e o profissionalismo que motivaram o convite.

– Pelo que tenho conhecimento, em nenhum desses crimes houve dolo (intenção) e ele está sendo absolvido na maioria deles. E qualquer deslize que venha a cometer vai ser apurado.

O delegado-geral da Polícia Civil, Aldo Pinheiro D’Ávila, afirmou que o diretor da Deic tem plena autonomia e que confia nas suas escolhas. Aldo comentou que irá conversar com Akira sobre a situação de Procópio. Aldo declarou também que o policial está sujeito a processos por abuso de autoridade, mas que não é algo normal na conduta do policial responder a um processo do tipo.

 

Delegado

Alexandre Carvalho diz que ficou surpreso com o afastamento e afirma que sob seu comando a delegacia teve os melhores resultados

“Se estou saindo agora foi pelo excesso de resultado”Três dias depois de ser comunicado de seu afastamento da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), na sexta-feira, o delegado Alexandre Carvalho falou com a imprensa ontem, em sua sala, ainda como titular da Divisão de Furtos e Roubos de Veículos, onde está há três anos e meio. Ele comentou a entrevista do diretor da Deic, delegado Akira Sato ao DC, publicada ontem. Na matéria, Sato negou que o afastamento tenha fundo político, mas policiais que trabalham na Deic, e que preferiram não se identificar, disseram ontem que não têm dúvidas de que a exoneração tem relação com o inquérito conduzido pelo delegado Alexandre sobre o desvio de peças do pátio da Secretaria de Segurança Pública. O secretário-adjunto da SSP, coronel Fernando de Menezes foi um dos indiciados no inquérito, que está em análise na Moralidade Administrativa de São José. Já entre os policiais há, inclusive, quem acredite que o afastamento é mais um episódio para enfraquecer a Deic.

 

Diário Catarinense – O senhor esperava ser afastado depois do Caso Ferro-Velho?

Alexandre Carvalho – Não, de jeito nenhum. Fiquei sabendo na sexta-feira. Foi uma surpresa. Estou muito triste de deixar a Deic. O sonho da minha carreira é trabalhar aqui. Saí da Polícia Federal porque queria trabalhar na Deic, onde a gente consegue combater o crime organizado com mais tempo, equipe e logística especializada.

 

DC – O senhor foi comunicado da exoneração pelo delegado Akira Sato? Como foi?

Carvalho – Ele estava de férias, a adjunta (delegada Ana Ramos Pires) estava viajando. Ele (Sato) veio só para isso. Eu não quis falar sobre os resultados, nem me defender. A decisão já estava tomada. Ele disse para eu me apresentar ao Chefe de Polícia e terminar os inquéritos. Falou que está reestruturando a Deic.

 

DC – Na reportagem, o delegado Sato disse que sua equipe produziu muito mais durante suas férias e que o seu comando no grupo não o agradou. Como o senhor analisa esse comentário?

Carvalho– Em três anos e meio, não cometi nenhuma falta grave nem obtive poucos resultados. Pelo contrário, se estou saindo agora foi pelo excesso de resultado contra o crime organizado. Meu objetivo sempre foi prender desde os criminosos que executam as ordens até os chefões do crime organizado. Foram muitos veículos apreendidos, quadrilhas desmanteladas e pessoas indiciadas, seja delegado ou coronel. Minha consciência está tranquila.

 

DC –O senhor se refere ao inquérito do ferro-velho?

Carvalho – Não posso achar nada, só analisar fatos. E o fato é que sempre mostrei resultados. Este ano, inclusive, foi o que mais deu resultado. Sou técnico da equipe, não sou insubstituível, mas a equipe está ganhando. Nesta reestruturação da Deic, por que tirar o técnico de uma das equipes que mais dá resultados?

 

DC – Policiais da Deic disseram que o verdadeiro motivo é político, por causa do inquérito que indiciou o segundo homem da SSP.

Carvalho – Só posso dizer que acredito muito na Justiça catarinense. Existem indícios concretos do cometimento de crime por parte de todos os indiciados.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Corporação forma 324 novos policiais

 

 

Corporação forma 324 novos policiais

Um grupo de 324 policiais da Academia da Polícia Civil se forma hoje à noite. A solenidade será às 20h, no Teatro Pedro Ivo Campos, junto ao Centro Administrativo do Governo do Estado. São 209 agentes de polícia, 65 escrivães, 27 psicólogos e 23 delegados de polícia. Os novos policiais civis terão um período de 15 dias até se apresentarem e começarem a atuar nas delegacias.

 

 

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Crimes e ocorrências

 

Casal praticava furtos com dois adolescentes

Um casal, suspeito de praticar um furto com a ajuda de dois filhos adolescentes, de 12 e 14 anos, foi preso na madrugada de ontem, em Garuva. De acordo com o delegado Éric Issao Uratani, o casal foi surpreendido pela Polícia Militar. A família alegou que estaria caçando na mata, mas testemunhas teriam visto os dois arrombando a empresa. Os adolescentes também são suspeitos.

 

Joaçaba apreende volume recorde

Divididos em 520 tabletes, a Polícia Militar apreendeu 487 quilos de maconha espalhados na pista da BR-282, em um dos trevos de acesso a Joaçaba, no Meio-Oeste, depois que um Honda City sofreu uma capotagem. O acidente foi por volta de 0h30min de ontem. O motorista não foi localizado.

De acordo com a Polícia Militar, pessoas que estavam próximas ao local da capotagem informaram sobre o acidente. Assim que os policiais chegaram, viram o carro com placas de Blumenau tombado e os tabletes espalhados. No porta-luvas foi encontrada uma pistola carregada. Todo o material foi recolhido e encaminhado para a Delegacia de Polícia.

A polícia suspeita que o carregamento tenha sido comprado no Paraguai e seria levado ao Litoral catarinense. Conforme o delegado Davyd Girardi, a polícia deve investigar o dono do carro para saber se ele tem relação com o tráfico. A maconha será incinerada.

Girardi acredita que parte da droga tenha sido levada antes da chegada da polícia. Um inquérito será aberto. Essa foi a maior apreensão dos últimos cinco anos na região.

Logo após o acidente, a polícia prendeu em flagrante um homem de 26 anos, que estava em um bar próximo de onde ocorreu a capotagem. Ele não teria relação com o transporte, mas havia furtado quatro tijolos da droga que estavam no veículo.

O suspeito havia escondido a maconha dentro do próprio carro e foi encaminhado ao Presídio Regional de Joaçaba. Vai responder por tráfico de drogas.

 

Um flagrante de crueldade

Câmera de segurança registrou agressão a um vigia de 63 anos durante assalto no terminal de ônibus, no centro de Brusque

Quatorze. Este foi o número de pancadas com um bastão, a maioria na cabeça, que um vigia do terminal de ônibus no Centro de Brusque recebeu de um assaltante na madrugada de ontem. O crime ocorreu por volta das 2h, quando Arlindo Zunino, 63 anos, estava fazendo rondas no local.

Ele foi surpreendido por um homem que estava escondido embaixo da escada. Toda a ação foi registrada por uma câmera de vigilância do terminal. Zunino foi encaminhado em coma ao Hospital Arquidiocesano Consul Carlos Renaux, onde permanecia até ontem à noite. Segundo o delegado da Divisão de Investigações Criminais (DIC) de Brusque, Alex Bonfim Reis, a polícia está atrás de testemunhas e outras imagens que possam identificar o agressor.

– O assaltante estava visivelmente alterado por alguma substância, álcool ou entorpecente. As pancadas foram muito além do necessário para render a vítima – relata Reis.

O criminoso usou o braço ou a mão para quebrar o vidro da janela onde fica o caixa com o dinheiro das vendas de passagens e, com isso, perdeu muito sangue no local. A polícia procura em hospitais e postos de saúde pessoas com este tipo de ferimento. A polícia coletou o sangue e enviou para perícia junto com o bastão.

O secretário de Administração de Brusque, Rogério Ristow, informou que a estratégia de segurança do terminal será revista.

– Na madrugada o local é apenas um prédio público, pois não há grandes valores. À noite, os vigias são instruídos a nunca reagir, já que não estão armados, e avisar a polícia em qualquer situação – explica Ristow.

Zunino é natural de Major Gercino e exerceu a profissão de taxista durante muitos anos em São Paulo, mas, para fugir da violência, mudou-se há cerca de 10 anos para Brusque.

– Há mais de um ano ele cuidava do terminal, mas, nos últimos meses, estava ficando preocupado com a segurança, pois tinha muita entrada de dinheiro. Ele não podia deixar de trabalhar, pois vai aposentar no ano que vem – disse a filha do vigia, Daniele Maria dos Santos Gonçalves.

Até ontem, o criminoso filmado praticando o ataque não havia sido identificado. A polícia procura por homens com ferimentos nos braços ou mãos

 

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Geral

Assunto: Diretor da Deic nega motivos políticos no afastamento do delegado

 

Diretor da Deic nega motivos políticos no afastamento do delegado Alexandre Carvalho

Akira Sato alega decisão técnica

Carvalho deixa a Deic, onde trabalhou por mais de três anos

 “Só fica quem for compromissado, dedicado e proativo”. Esta foi a frase do titular da Deic (Diretoria Estadual de Investigações Criminais), Laurito Akira Sato, para tentar explicar o afastamento do delegado Alexandre Carvalho de Oliveira, que até o fim da tarde de sexta-feira era o chefe da Divisão de Furtos e Roubos de Veículos. Há quatro meses na direção da Deic, Akira afirmou que neste período observou os delegados que comandam as sete divisões da especializada, e percebeu que “faltava algo mais profundo nas investigações realizadas pelo delegado Alexandre Carvalho”.

Akira ressaltou que a decisão foi puramente técnica, tomada por ele na condição de gestor e sem nenhuma conotação política. Alexandre Carvalho, há nove anos atuando como delegado em Santa Catarina, dos quais três anos e meio dedicados à Deic, será substituído por Rafael Werling, que atualmente coordena a DIC (Divisão de Investigação Criminal) de Joinville, e é homem de confiança e da mesma cidade de Akira.

Além de Werling no lugar de Alexandre Carvalho, mais dois delegados estão sendo preparados para integrar o time de Akira Sato na Deic. Antônio Cláudio Jóca, atualmente na 8ª DP, em Ingleses, Norte da Ilha, e Procópio Batista Silveira Neto, que vem de Balneário Camboriú.

 

Decepcionado e sem saber para onde ir

Fora dos planos do diretor Akira Sato, o delegado Alexandre Carvalho de Oliveira passou na manhã de segunda-feira na sala que ocupava na Deic para se despedir dos colegas e da equipe de investigação com quem vinha trabalhando recentemente. Também orientou a escrivã da Divisão de Furtos e Roubos de Veículos, Telma Cristina Pinto Lopes, sobre os principais inquéritos em andamento.

Sem esconder decepção e tristeza, Alexandre Carvalho disse que ficou surpreso quando Akira o chamou para conversar, às 18h de sexta-feira. “Confesso que não sei o motivo. Por falta de resultados ou por faltas graves, eu garanto que não foi”, repetiu o delegado.

O delegado afastado ainda não sabe em qual delegacia vai trabalhar. Disse que aguarda uma manifestação oficial do delegado geral, Aldo Pinheiro D’ Ávila.

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Hélio Costa

Assunto: Final de semana violento

 

Mulher esfaqueada, menino assaltante baleado e perseguição cinematográfica

Foram fatos que marcaram o fim de semana como um dos mais violentos, do primeiro semestre deste ano, na Capital.

Mulher esfaqueada

O último final de semana de julho foi um dos mais violentos do primeiro semestre deste ano na Capital. Teve de tudo: desde a incompreensiva exoneração do delegado Alexandre Carvalho, da Diretoria Estadual de Investigações Criminais, que ocupava cargo de confiança na Divisão de Furtos e Roubos de Carros, até um garoto de 12 anos baleado quando assaltava uma padaria. O sábado sangrento começou com uma mulher esfaqueada, no Norte da Ilha, pelo marido que a levou para o hospital. Em São José um homem foi assassinado. No bairro Coqueiros, ladrões que tentavam abrir um caixa eletrônico com maçarico se assustaram com o disparo do alarme da Comcap  e fugiram sem levar nada.  Mas a ocorrência mais impressionante foi assistida pelos moradores de Coqueiros às 10h da manhã de domingo, na principal rua do bairro, onde ladrões de carros e  PMs se envolveram em tiroteio. Espectador é que não faltou. Muita gente filmou toda a ação pelo celular.