Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 26 de julho

26.7.2012

 

CLIPPING

24 de julho de 2012

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assuntos: Detenta estrangeira

                   Formatura de 43 policiais militares

 

MISTÉRIO

Uma loira, estrangeira, que está sob a responsabilidade do Grupo de Diligências Especiais (GDE) da Deic está chamando a atenção de quem por lá passa. Simpática, anda pelos corredores de chinelo e moletom e aparece sempre na janela da sua cela (uma sala improvisada sem grades) para tomar sol. A janela dá para a rua e sempre que tem sol, lá esta a moça.

 

FORMATURA

A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), por meio da Polícia Militar de Santa Catarina, realiza hoje a solenidade de formatura de 43 policiais militares que irão atuar no batalhão de Ajuda humanitária. O grupo foi criado dentro do programa de Ajuda Humanitária da Polícia Militar, resultado de convênio celebrado entre a SSP e a Secretaria de Estado da Defesa Civil.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Gerais

 

Acidentes causam um acidente por dia

Os acidentes em parques de diversão foram responsáveis pela internação de um jovem de até 19 anos a cada dia em São Paulo, no ano passado, segundo levantamento da Secretaria Estadual de Saúde. Ao todo, foram 353 crianças e adolescentes hospitalizados devido a esse tipo de acidente em 2011. Se forem consideradas todas as faixas etárias, o total de pessoas internadas chega a 1.641, o que corresponde a quatro por dia.

 

Homem morre com queda de árvore

A queda de uma árvore resultou na morte de um homem em Xavantina, no Oeste de Santa Catarina. Dílson da Silva, 38 anos, e dois colegas estavam prestando serviço terceirizado de corte de eucaliptos para uma madeireira da cidade. Eles estavam cortando a árvore quando Dílson foi atingido.

 

O acidente foi terça-feira, na região da linha Sebastião, cerca de 30 Km do centro de Xavantina.

 

Mulher é feita refém e liberada em Irani

Uma fazenda que fica às margens da SC-455 foi assaltada na noite de terça-feira, em Campos Novos, no Meio-Oeste catarinense. Quatro homens armados invadiram o local, renderam cinco pessoas que estavam na casa e levaram uma mulher de 31 anos como refém. A vítima foi solta cerca de quatro horas depois da ocorrência, por volta da 1h de ontem, em uma rodovia de Apiúna, no Vale do Itajaí, distante mais de 200 quilômetros de Campos Novos. Ela passa bem

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Sade

 

 

“Sade será corrigido”, garante comandante

O comandante-geral da Polícia Militar em Santa Catarina, coronel Nazareno Marcineiro, afirmou ontem que a corporação está tratando das correções do Sistema de Atendimento e Despacho (Sade) de ocorrências com a maior brevidade possível. Uma nova versão do sistema será implantado nos próximos meses e a empresa que havia vencido a concorrência inicial, de São Paulo, será multada por descumprir itens do contrato.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Servidores

 

 

Sindicato vai recorrer de decisão

Entidade afirma que deve pedir ajuda, se necessário, até da Organização Internacional do Trabalho

O Sindicato do Trabalhadores do Serviço Público Federal no Estado de Santa Catarina (Sintrafesc) deve recorrer ao Ministério Público Federal e à Organização Internacional do Trabalho (OIT) para denunciar a atitude da presidente Dilma Rousseff de assinar o decreto que permite que servidores federais em greve sejam substituídos por equivalentes estaduais.

A decisão foi anunciada pela presidente do sindicato, Maria das Graças Gomes Albert. O decreto foi publicado no Diário Oficial de ontem.

– Ainda não fomos comunicados oficialmente sobre esta medida, mas iremos acionar a nossa assessoria jurídica para sabermos como proceder – explicou Maria das Graças.

De acordo com o sindicato, o decreto está passando por cima de um direito dos trabalhadores.

– Toda greve causa transtorno, mas é garantida pela Constituição. Normalmente é o último recurso que temos – destacou a presidente.

O Sintrafesc representa 46 órgãos no Estado e mantém contato com os sindicatos que também representam servidores federais. Estão parados servidores da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), do Instituto Nacional Colonização Reforma Agrária (Incra), da Fundação Nacional do Índio (Funai), do Distrito Sanitário Especial Indígena/Sul (Disei), do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o Instituto Brasileiro de Museus (Ibran), o Ministério do Trabalho e Emprego, a Defensoria Pública da União (DPU) e a Advocacia-Geral da União (AGU) também fizeram mobilizações, mas de um dia. Em Santa Catarina, a greve atinge, ainda, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e Previdência Social, Receita Federal, IBGE e servidores administrativos do Poder Judiciário.

O secretário da Administração do Estado, Nilton Martins, explicou que, em princípio, o Estado não conta com funcionários que possam ser disponibilizados, mas que, havendo necessidade, o governo faria um esforço para garantir a manutenção dos serviço essencias para a população.

A declaração foi ao encontro do que disse o ministro-chefe da Advocacia-Geral da União, Luis Inácio Adams. Ele explicou que o decreto tem por objetivo “garantir o funcionamento justamente de setores essenciais no País, que estão sendo afetados pela paralisação”.

 

GUILHERME LIRAO decreto prevê

1 – Promover, mediante convênio, o compartilhamento da execução da atividade ou serviço com estados, Distrito Federal ou municípios

2 – Adotar, mediante ato próprio, procedimentos simplificados necessários à manutenção ou realização da atividade ou serviço

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Destino dos novos policiais

 

 

O destino dos novos policiais no Estado

Regional de Blumenau é a que receberá o maior número de servidoresBlumenau, Joinville e Palhoça são as três regionais que mais receberão policiais da Academia da Polícia Civil neste semestre em Santa Catarina. A primeira formatura está marcada para terça-feira, quando 327 novos servidores serão habilitados para o trabalho.

O mapa da distribuição que o Diário Catarinense teve acesso ontem revela o destino de 426 novos policiais civis no Estado.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), além dos 327 policiais, outros 94 da segunda turma serão formados e nomeados em outubro. Do total, cinco deles não devem se formar com as turmas, mas já têm lotação definida.

A delegacia regional de Blumenau, no Vale do Itajaí, ganhará 26 policiais. Em segundo no ranking aparece a regional de Joinville, a maior cidade catarinense, que levará 25 policiais. A terceira é a regional de Palhoça, na Grande Florianópolis, para onde irão 24 policiais, sendo o maior número de delegados: 3.

Florianópolis, a cidade que teve 38 assassinatos registrados no primeiro semestre deste ano, o maior número em SC, receberá apenas 11 novos policiais e na relação não consta nenhum delegado. Os 27 novos psicólogos irão para delegacias de atendimento à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso.

– Eventualmente algum pequeno ajuste poderá se dar até segunda-feira – disse o delegado-geral adjunto, Valério Alves de Brito.

 

Critérios técnicos para a escolha dos locais

Para fazer a distribuição, a cúpula da Polícia Civil afirma ter utilizado critérios técnicos como a demanda de procedimentos, efetivo policial e o percentual de produtividade. Os 426 policiais darão fôlego a algumas delegacias, mas o histórico déficit de efetivo na instituição ainda está longe do ideal. Com a inclusão, a Polícia Civil ficará com 62% do quadro considerado ideal. Hoje, são cerca de 3,2 mil policiais. Conforme a SSP, deveriam ser 5.997.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Preso foge de hospital em Joinville

 

 

Preso foge de hospital em Joinville

A Polícia Militar permanece realizando varreduras dentro e fora do Hospital São José, em Joinville, em busca de Sandro José Ferreira Zocchetto, 23 anos, preso que estava em tratamento na unidade e fugiu na noite de terça-feira. A PM considera, inclusive, a hipótese do foragido ainda estar no hospital, já que ele estava com um dreno no pulmão.

De acordo com o 17o Batalhão, Zocchetto, que cumpria pena por furto, roubo, tentativa de homicídio e porte ilegal de arma no Presídio Regional de Joinville, fugiu da unidade em 24 de junho dentro de um latão de lixo. Em 20 de julho, conforme a assessoria de imprensa do São José, Zocchetto deu entrada no hospital apresentando carteira de identidade falsa, ele se queixava de fortes dores nas costas em decorrência de uma lesão no pulmão. Como não foi encontrado o nome apresentado por ele entre os registros do hospital, a equipe percebeu que havia algo estranho e comunicou à PM, que efetuou a prisão dele.

 

Algema teria sido serrada ao meio

Como o preso estava doente, permaneceu no São José fazendo o tratamento com a escolta de dois policiais militares. Nesse meio tempo, ele passou por uma drenagem no pulmão e, desde então, utilizava um dreno que precisa ser trocado a cada 24 horas.

Na noite de terça-feira, conforme a assessoria do São José, Zocchetto estava internado na ala JS. Às 19h, uma enfermeira esteve no quarto dele para aferir a pressão e medir a temperatura. Por volta das 19h45min, a mesma enfermeira teria retornado e não o encontrou mais. Na cama havia apenas uma parte da algema que o prendia ao móvel. A polícia ainda não esclareceu como o preso teria cortado a algema ao meio e nem se contou com a ajuda de alguém. Ontem, os policiais procuravam por imagens do monitoramento interno do São José que tragam respostas para o caso.

 

 

 

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Hélio Costa

Assunto: Transporte de roubos em táxi

 

Homem preso transportando roubos em táxi não é motorista profissional

Ele alugou um Corsa táxi de Palhoça, mas ao invés de trabalhar na praça como free-lance seguiu uma rota diferente com três jovens

Investigação

Motorista preso com um táxi de Palhoça, em Águas Monas, não é um taxista profissional. Se fosse um trabalhador sério, representando a categoria unida não faz o que ele fez. O istepô simplesmente alugou um Corsa táxi em Palhoça e ao invés de trabalhar na praça seguiu uma rota diferente: pegou três passageiros e foi para Águas Mornas, Grande Florianópolis, praticar crimes. Estive no município no último fim de semana e ouvi reclamações de vários moradores sobre a onda de arrombamento na região. Na segunda-feira à noite, o PM Douglas telefona dizendo que haviam prendido um “taxista” ladrão e mais dois comparsas, um deles adolescente, que roubaram na casa de um colono. O pai foi buscar o filho na DP e deu uma surra no garoto, reprovando as más companhias.  Aliás, todos eles deveriam levar uma surra, porque roubar em casa de agricultor enquanto ele está lavoura tirando o sustento para a família não tem cabimento.

 

Parada obrigatória

A partir de hoje, a Polícia Rodoviária Federal realiza comando educativo para informar motoristas profissionais sobre a nova legislação que determina o tempo de direção e o de descanso na condução de veículos de transportes – vans escolares e carretas que transportam peso bruto superior a 4,5 toneladas. O comando acontece em Biguaçu, das 9h ao meio dia. A nova legislação entra em vigor na próxima semana.

____________________________________________________________________________ Veículo: A Notícia

Editoria: Polícia

Assunto: Operação Agende Duplo

 

 

Mais dois funcionários do Presídio de Joinville são detidos pela Operação Agente Duplo

Um agente prisional e um vigilante são suspeitos de ajudar na fuga de presos

Mais dois homens foram presos nesta quarta-feira pela operação Agente Duplo, que investiga as constantes fugas no Presídio Regional de Joinville. Os detidos trabalhavam na segurança da unidade.

Ambos prestaram depoimento na Central de Polícia. Um dos agentes prisionais foi preso enquanto trabalhava. Na casa dele, os policiais encontraram uma espingarda. O outro suspeito, um vigilante, foi detido na própria residência, no bairro Parque Guarani.

Ele era contratado por uma empresa terceirizada e prestava serviços no presídio. A operação foi coordenada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e teve apoio da Polícia Militar, Civil e da corregedoria do

Departamento de Administração Prisional (Deap).

Foram emitidos cinco mandados de busca e apreensão e dois de prisão. Na semana passada, a operação resultou na detenção de mais um agente prisional e na fiscalização de celas, onde foram encontradas balança de precisão e drogas.

 

 

BLOGS

 

Moacir Pereira

 

Segurança terá formatura de 327 policiais

A Secretaria de Segurança Pública vai realizar na próxima terça-feira, dia 31, a formatura de 327 policiais – delegados, escrivães, agentes e psicólogos – para atuação na Polícia Civil de SC. No fim do ano serão formados mais 94 policiais. O ato será no Teatro Pedro Ivo, no Centro Administrativo do Governo. Esta será uma das maiores formaturas de policiais civis de Santa Catarina.

 

MÍDIAS DO BRASIL

 

 

Veículo: Portal G1

Editoria: Geral

Assunto: Homem que matou PM comemora no facebook

 

 

Homem que matou PM comemora no facebook

Identificado como Eduardo, rapaz foi levado para prestar esclarecimentos.

Policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Fazendinha, no Conjunto de Favelas do Alemão, na Zona Norte do Rio de Janeiro, detiveram, na noite desta quarta-feira (25) um homem que teria escrito comentários na rede social Facebook, comemorando a morte da PM

Segundo informações da polícia, identificado apenas como Eduardo, o homem foi localizado na Fazendinha e foi encaminhado para a 22ª DP (Penha) para prestar esclarecimentos. Em seguida, ele foi levado para a 38ª DP (Brás de Pina).

 No fim da tarde desta quarta, mais três homens foram presos na Vila Cruzeiro, suspeitos de participar do ataque à UPP de Nova Brasília. Até as 19h desta quarta, o Disque-Denúncia havia recebido 42 ligações com informações sobre o atentado. Quem tiver informações sobre o caso pode ligar para o telefone 2253-1177. O anonimato é garantido.

Segundo a polícia, a unidade onde a PM foi baleada já passou pela perícia. A polícia informou ainda que, desde terça-feira (24), 14 pessoas foram presas e quatro menores, detidos, em operações da PM.

Depois do ataque de criminosos à Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) de Nova Brasília, no Conjunto de Favelas do Alemão, na Zona Norte do Rio, que resultou na morte da PM, a Secretaria de Segurança Pública intensificou as operações na comunidade.

 

Ocupação do Alemão

O conjunto de favelas do Alemão foi ocupado pelas Forças de Pacificação em novembro de 2010 e provocou uma fuga em massa de traficantes. Em setembro do ano passado, houve o primeiro grande ataque dos criminosos. Disparos foram feitos de pontos diferentes da comunidade, ao mesmo tempo. O policiamento precisou ser reforçado. Na época, o Exército divulgou um vídeo que mostrava a venda de drogas na Vila Cruzeiro.

O Exército saiu da região no início deste mês e deixou a segurança sob responsabilidade da Polícia Militar. No Alemão, já estão instaladas as unidades do Adeus e da Baiana, da Fazendinha e Nova Brasília. Essas duas últimas ganharam sede definitiva há quinze dias.

Na Penha, já funcionam as UPPs da Chatuba e dos morros da Fé e Sereno.

Apesar da instalação das seis UPPs, os ataques dos traficantes não cessaram. Em junho, criminosos atiraram contra a UPP de Nova Brasília. Na semana passada, duas equipes de PMs foram atacadas na Fazendinha. Em um dos ataques, bandidos lançaram uma granada de fabricação caseira contra um carro da polícia. Ninguém ficou ferido.

 

____________________________________________________________________________ Veículo: Portal G1

Editoria: Geral

Assunto: Em 9 meses, número de mortos por PMs sobe 68% na capital paulista

 

Os dados sobre criminalidade divulgados nesta quarta-feira (25) pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) de São Paulo apontam que, além do aumento do número de homicídios dolosos no primeiro semestre de 2012, as mortes decorrentes de confrontos com policiais militares vêm apresentando seguidas elevações desde o terceiro trimestre de 2011.

Nos meses de julho, agosto e setembro do ano passado, por exemplo, foram contabilizados 92 mortos por PMs. Deste total, 45 ocorreram na capital. Em relação ao trimestre seguinte, houve aumentos destes índices de 12,7% no estado e de 26,6% na capital. Nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2011, policiais militares mataram 104 suspeitos no estado, sendo 57, mais da metade, na capital.

Depois de três meses, já em 2012, mais acréscimo nos índices: de 7,69% no estado e 12,2% na capital. Nos meses de janeiro, fevereiro e março, 112 pessoas morreram em confrontos com policiais no estado e 64, novamente mais da metade, na capital. E, finalmente, no segundo semestre deste ano, novas altas, principalmente nos índices da capital, 18,75% – no estado, foi de 4,46%. De acordo com a SSP, 117 suspeitos morreram ao enfrentar PMs no estado. Na capital, foram 76 mortos, mais de 53% do total contabilizado no período.

Levando-se em consideração para efeitos de compração o período de nove meses, as elevações são ainda mais significativas. Apenas na capital, a PM matou 68,8% a mais no período: saltou de 45 para 76 mortes. No estado, o aumento foi de 27,17%: de 92 para 117 pessoas mortas por policiais.

Desde abril do ano passado, após uma testemunha ter ligado para o Copom para falar sobre policiais militares que executavam um suspeito dentro de um cemitério na capital paulista, o governador Geraldo Alckmin determinou que ações policiais que resultassem em resistência à prisão seguidas de morte fossem investigadas pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e não somente pela Corregedoria da PM.

De acordo com Jorge Carlos Carrasco, diretor do DHPP, ao menos 35% dos inquéritos que investigaram mortes de civis em confronto com policiais foram concluídos até o final de maio deste ano, quando ele concedeu entrevista sobre seis suspeitos mortos em uma ação da Rota no estacionamento de bar na Penha, na Zona Leste da capital. Na ocasião, ele considerou que toda a ação dos integrantes do grupo de elite da PM “como legítima”, mas ressaltou que “havia indícios” de execução no caso de uma das vítimas dos policiais.

Homicídios dolosos

O total de homicídios dolosos (quando há a intenção de matar) cresceu 21% na capital paulista e 8,39% no estado de São Paulo no primeiro semestre de 2012, de acordo com as estatísticas divulgadas pela SSP.

No estado, o crescimento no número de homicídios se deve ao registro de 2.183 casos no semestre de 2012, contra 2.014 no mesmo período de 2011, um aumento de 169 ocorrências. Na capital paulista, o total de homicídios chegou a 585 no semestre, contra 482 nos seis primeiros meses do ano passado.

Se comparado os dados de homicídios registrados em junho do ano passado com o mês de junho de 2012, o aumento no número de assassinatos foi de 46,9%. A partir do número divulgado nesta tarde, São Paulo tem atualmente taxa de 10,3 casos de homicídios por cada 100 mil habitantes,  e saiu da faixa recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

O delegado-geral da Polícia Civil, Marcos Carneiro Lima, disse que o estado enfrenta uma “criminalidade muito violenta” e que parte do aumento nos números pode estar relacionada a vinganças praticadas por criminosos.

“É uma linha que a polícia está investigando, ainda não tem uma confirmação de 100% de todos os casos, mas a realidade é que tem uma criminalidade muito violenta”, disse.

“Tanto a Polícia Civil quanto a Militar não vão ceder nenhum espaço para o crime organizado. Esse enfrentamento gera a reação do crime organizado. Muitas vezes eles fazem ataques covardes, tentam atingir agentes do estado”, disse o delegado-geral.

“Muitas vezes, quando um determinado crime acaba ocupando um espaço maior na mídia, acaba estimulando criminosos a efetuar o crime. Isso tem um fenômeno que é entendido pela criminologia, que o ser humano acaba aproveitando a onda, são crimes oportunista”, avalia.

Muitas vezes, quando um determinado crime acaba ocupando um espaço maior na mídia, acaba estimulando criminosos a efetuar o crime. Isso tem um fenômeno que é entendido pela criminologia, que o ser humano acaba aproveitando a onda, são crimes oportunista”

Marcos Carneiro Lima,

delegado-geral da Polícia Civil

“Nós já verificamos que, em alguns crimes, pessoas para se vingar querendo debitar a conta no confronto entre polícia e crime organizado. Isso está sendo elucidado”, disse.

Latrocínios

No primeiro semestre, foram 55 casos de latrocínio (roubo seguido de morte) na capital paulista, 4% a mais do que o registrado no mesmo período do ano passado. No estado, houve queda de 1,14% nessa modalidade de crime: foram 176 casos no primeiro semestre de 2011 contra 174 em 2012.

Nos dados divulgados pela secretaria referentes a maio, foram registrados 16 casos de latrocínios e 10 casos de roubo a banco na capital paulista naquele mês. O total é o dobro do registrado no mês anterior nos dois tipos de crimes.

Os roubos tiveram alta de 5,55% no mesmo período: de 116.351 para 122.811 casos.

Roubo de carros

O aumento da violência se refletiu também no aumento do número de roubo de carros, tanto na capital quanto em todo o estado, na comparação entre os semestres. Em 2011, foram roubados 18.797 veículos na capital, contra 23.028 ocorrências deste tipo em 2012, uma alta de 22,5%. No estado, a elevação foi de 19,36%. No primeiro semestre do ano passado, 37.652 carros foram alvo de criminosos. No mesmo período deste ano, o número de casos atingiu 44.944.

 

Grande São Paulo

Na Grande São Paulo, em apenas três meses, o aumento do total de homicídios foi de 26,7%. No primeiro trimestre deste ano, foram registrados 258 homicídios, contra 327 nos meses de abril, maio e junho.

Na região que abrange os municípios da Grande São Paulo, os números relacionados a assassinatos apresentaram uma pequena alta, na comparação entre os semestres. Em 2011, foram 506 ocorrências, contra 523 em 2012, aumento de 3,35%. Na comparação com o primeiro trimestre deste ano, o crescimento no segundo trimestre foi menor: de 1,9%. Foram 259 casos contra 264.

 

 

CRIMES NA CAPITAL                       

1° sem 2011

1º sem 2012

Variação

Homicídio doloso

482

585

Aumento de 21%

Latrocínio

53

55

Aumento de 3,77%

Roubo a banco

78

53

Queda de 32,05%

Furto

98.112

96.273

Queda de 1,87%

Sequestros

13

11

Queda de 15,03%

Roubos

54021

39281

Queda de 27,28%

Roubo de carros

18.797

23.028

Aumento de 22,5%

 

 

CRIMES NO ESTADO                       

1° sem 2011

1º sem 2012

Variação

Homicídio doloso

2.014

2.183 casos

Aumento de 8,39%

Latrocínio

176

174

Queda de 1,14%

Roubo a banco

127

99

Queda de 22,05%

Furto

270.758

267.594

Queda de 1,17%

Sequestros

34

23

Queda de 32,35%

Roubos

116.351

122.811

Aumento de 5,55%

Roubo de carros

37.652

44.944

Aumento de 19,3%