Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 25 de junho

25.6.2012

 

CLIPPING

25 de junho de 2012

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assunto: Testemunha de assassinato

 

ARQUIVO VIVO

Uma testemunha-chave é a esperança de policiais para solucionar o assassinato de Ivonete Mezari Genuíno, 24 anos, ocorrido no Sul do Estado em fevereiro. A ex-namorada do delegado de Araranguá Jorge Giraldi foi morta a tiros ao lado de sua filha, de dois anos.

Em maio, o inquérito foi enviado à Justiça sem indiciamento. Por enquanto, a pessoa decidiu manter silêncio total porque teme pela sua própria vida. Mas não seria o caso de inseri-la no programa federal de proteção a testemunhas?

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Fraude em concurso

 

Como uma candidata recebeu cola

Auxiliar de enfermagem fez a denúncia ao Ministério Público após entrar no esquema e receber gabarito da prova erradaUma candidata que recebeu a cola do gabarito em um concurso público realizado em Xaxim, em 5 de maio, revelou como foi o esquema para equipes do Fantástico, e Diário Catarinense. O inusitado nesse caso é que a denúncia foi motivada pela candidata ter recebido “cola errada”. Ela fez concurso para auxiliar de enfermagem, no dia 5 de maio, e recebeu o gabarito da prova de enfermagem. Resultado: as respostas geraram a nota 2.8 na prova dela. A candidata, indignada, procurou o Ministério Público e denunciou o vazamento do gabarito, no dia 17 de maio.

Em 1º de junho, uma força-tarefa apreendeu documentos na prefeitura, na SC Cursos e Treinamentos Ltda, empresa responsável pelo concurso, e na casa dos proprietários da empresa, Sandra e Emerson Dell’Osbel. Depois, foi realizada nova busca e apreensão, que encontrou papéis similares ao da cola na bolsa da assistente social do município, Eliane Perosa. O promotor Fabiano Baldissarelli informou que a assistente social e a primeira-dama Rita Vicenzi são suspeitas de participarem do vazamento.

 

 

“Participei, mas sou contra”

ENTREVISTA: auxiliar de enfermagem, participou e denunciou a fraudeDC – Como surgiu a cola?

Candidata – Trabalho na saúde há 12 anos e fiz vários processos seletivos em Xaxim. Em 2010, fiz concurso para auxiliar de enfermagem, mas não passei. Ouvi boatos que, em 2010, algumas pessoas foram favorecidas com a entrega de gabaritos. E as médias de quem passou foram altíssimas: nove, teve gente que tirou 10. Decici procurar alguém ligado à prefeitura. Encontrei um assessor do prefeito. Disse que não estava decidida a fazer a inscrição. que havia comentários de que alguns candidatos iriam ser privilegiados. Ele disse que era para me inscrever. Tentei depois e não consegui mais falar com ele. Então fui procurar outras pessoas.

 

DC – Como você recebeu a cola?

Candidata – Na véspera do concurso, a Rita Vicenzi, mulher do prefeito, me ligou. Era para ir a um local que uma pessoa iria me passar o gabarito. Fui até lá e encontrei a assistente social do município, a Eliane Perosa. Ela tirou uma folha de papel da agenda e foi me ditando a cola.

 

DC – Queriam algo em troca?

Candidata – Quando recebi o gabarito ela me falou: a gente tá te ajudando mas você sabe o que a gente quer com isso.

 

DC – Aí você decorou o gabarito e foi fazer a prova?

Candidata – Ela disse que era para decorar e jogar fora. Eu decorei, mas segurei a cola comigo. Fiz a prova e quando fui conferir o gabatiro na internet, não batia. Fiquei revoltada. Conferi com a prova de enfermeiro e o gabarito batia. Comecei a ficar desesperada. Me deram por engano. Pensei até que fosse armadilha. Comecei a ligar para as pessoas. Liguei para a Rita Vicenzi e ela demonstrou ficar apavorada. Disseram para eu ficar tranquila, que seria contratada.

 

DC – O que você fez, então?

Candidata – No dia 7 (de maio), às 15h30min, estava no meu trabalho e me ligou o assessor. Ele me chamou, disse que falava em nome do prefeito, Disse que eu iria ser contratada. Eu estava muito indignada, pois sabia que, com aquela nota, iria ficar em último lugar. Aí ele falou que iriam me passar. Disseram que eram quatro vagas e que iriam alterar minha nota. Eu disse que nunca ninguém tinha me ajudado e se fosse assim que tirasse meu nome da lista pois é muito humilhante ficar em último lugar no concurso.

 

DC – Quando você decidiu denunciar o vazamento do gabarito?

Candidata – Eu fiquei sabendo que meu nome não estava na lista no dia 17 pela manhã, quando uma colega ligou para perguntar quem passou e disseram que eu tinha tirado 2.8. Às 18h05min fui até o Fórum dizendo que tinha uma dúvida. Eu sabia que também tinha sido cúmplice de algo errado. Sei que o que eu fiz é ilegal e grave. No dia 18, conversei com um assessor do prefeito e ele falou que era para deixar tudo quieto que eu iria ficar trabalhando contratada. Mas aí já tinha decidido contar tudo.

 

DC – O que você achou de tudo?

Candidata – Achei uma grande injustiça. Participei disso mas sou contra esse tipo de coisa. As pessoas ajudadas dessa forma depois não tem desempenho bom no serviço público. Acabam sendo colocadas pessoas não capacitadas. Eu trabalho com saúde há 12 anos e preferia continuar contratada. Reconheço que errei.

 

DC – Está sendo ameaçada?

Candidata – Muitas pessoas ligadas à prefeitura disseram que eu deveria ter saído do município. Estou em tratamento psicológico pelo desprezo da própria equipe. Estou tomando medicamento controlado. Tenho chorado muito. O trabalho que venho fazendo é com amor.

 

DC – Você considera que denunciando o caso está reparando o erro que fez no início?

Candidata – Estou ciente que cometi um crime. Também não estou denunciando por questão política pois me filiei ao partido do prefeito no ano passado. Gostaria que as pessoas que passassem que fosse por mérito

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Gerais

 

Corpo de estudante é localizado

O corpo do estudante de Filosofia Bruno Braun Batista, 29 anos, foi encontrado no início da manhã de sábado em uma trilha entre as praias do Santinho e Ingleses pelo Grupo de Buscas e Salvamento (GBS) do Corpo de Bombeiros.

Ele estava desaparecido desde a tarde de quinta-feira, quando teria dito para a namorada que daria uma volta no Costão do Santinho. Ele não retornou mais.

Batista era natural de Santa Cruz do Sul (RS) e estudava na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Dezenas de amigos e familiares divulgaram o desaparecimento em redes sociais.

O fato também havia sido registrado na Delegacia de Polícia dos Ingleses. Segundo informações da Polícia Civil, os pais do estudante vieram do Rio Grande do Sul para acompanhar as buscas.

A causa da morte deverá ser confirmada pelo Instituto Médico Legal (IML) nos próximos dias.

 

Achado corpo de recém-nascido

Parto do bebê, uma menina com quase três quilos e aparência normal, teria ocorrido dentro do coletivo, segundo a polícia

Um bebê do sexo feminino foi encontrado morto dentro de um ônibus da empresa Santo Anjo ontem de manhã. O veículo partiu de Porto Alegre às 23h59min de sábado e chegou antes das 6h de domingo a Florianópolis.

Depois do desembarque dos passageiros no Terminal Rita Maria, Centro da Capital, o veículo foi levado até a garagem da empresa, no Bairro Capoeiras, na parte continental da cidade. Por volta das 6h30min, um dos mecânicos teria ido verificar uma poltrona quebrada no ônibus quando encontrou no chão o corpo embrulhado em um pano branco, coberto de muito sangue.

– Ele pensou que era um monte de papel. Quando viu que era um bebê, ficou chocado e foi embora – contou um funcionário da Santo Anjo, que preferiu não se identificar.

Havia sangue nas poltronas 5 e 6, e no chão em frente dos assentos, local onde estava o bebê. No boletim de ocorrência (BO), segundo as informações que constavam na lista de passageiros, estas poltronas estavam no nome de uma mulher, que já foi identificada e é considerada suspeita. Equipes da PM, da Delegacia de Homicídios e do Instituto Geral de Perícias atenderam à ocorrência. No BO consta que o bebê, a princípio, nasceu durante a viagem, mas não há nenhuma informação oficial que confirme esta versão. De acordo com o Instituto Médico Legal (IML), o corpo estava com 48 centímetros de comprimento e pesava 2,750 quilos. O bebê estava com aparência normal, boa formação e foi encontrado com cordão umbilical e placenta, e não apresentava lesões. Laudos complementares estarão prontos em até 40 dias e devem apontar a causa da morte. Até as 18h de ontem, nenhum familiar da criança havia identificado o cadáver. O corpo ficará no IML aguardando liberação. A Delegacia de Homicídios vai aguardar o laudo do IML para assumir ou não o caso. Se a menina morreu por morte natural, a mãe poderá ser indiciada por abandono de corpo.

 

Mulher poderá responder processo por infanticídio

Caso a mulher tenha dado à luz e na sequência matado a criança, poderá responder por infanticídio. Nesta situação, há possibilidade de ser enquadrada na semi-imputabilidade por ter se encontrado em estado puerperal, período pós-parto ocorrido entre a expulsão da placenta e a volta do organismo da mãe para o estado anterior a gravidez. Mulheres neste estado podem apresentar depressão, não aceitando a criança e, às vezes, podem ficar em crise psicótica, violenta, e até matar a criança.Os passageiros deverão ser interrogados pelo polícia para esclarecer o que afinal aconteceu dentro do ônibus.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Arara na cabine de incêndio dos bombeiros

 

 

“Presente” para os bombeiros

Diógenes André Rodrigues da Silva ficou surpreso ao chegar ao Corpo de Bombeiros Militar de Brusque, na manhã de sábado, por volta das 7h30min. O bombeiro encontrou uma arara abandonada na cabine do caminhão de incêndio da corporação.

A ave foi encaminhada ao Zoobotânico de Brusque para cuidados veterinários. Segundo Rodrigues, a arara, com características de ser domesticada, teria sido abandonada na madrugada de sábado, pois à meia-noite os caminhões foram ligados e aquecidos e a ave não estava lá dentro.

– Acreditamos que alguém estava com a ave de forma irregular e a abandonou para o Corpo de Bombeiros dar um destino adequado a ela – disse Silva.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Moacir Pereira

Assunto: Semana de decisões

 

Cenário imprevisível na semana de decisões

Convidado pelo governador Raimundo Colombo para uma conversa em Florianópolis no fim de semana, o deputado Kennedy Nunes (PSD) foi taxativo. Se o senador Luiz Henrique (PMDB) tiver sucesso nas articulações que vem fazendo para que o PSB venha a apoiar o empresário Udo Döhler (PMDB), ele retira a candidatura. E o PSD de Joinville passa a apoiar o deputado Marco Tebaldi, do PSDB. Se o PSB selar aliança com o PSD, Kennedy Nunes, já aprovado pelo diretório municipal, terá confirmada a candidatura na convenção do dia 28 de junho. O PSB deve indicar o delegado e ex-vereador Zulmar Valverde como vice de Kennedy.

O PSB atua em Santa Catarina como uma espécie de filial do PSD, partido fundado e liderado por Raimundo Colombo. Seu presidente é o ex-senador Geraldo Althoff, secretário da Defesa Civil. Portanto, o destino dos socialistas em Joinville depende da decisão do governador e das conversas com Luiz Henrique.

Em Blumenau, a situação também define-se esta semana. Estão colocadas três candidaturas. Segundo o Ibope, lidera a corrida hoje, pela oposição, a deputada Ana Paula Lima, do PT. Ela poderá ter o Partido Progressista como principal aliado. As últimas informações indicam que o candidato a vice deve ser João Pizzolatti Neto, presidente do diretório municipal. Quer dizer: o pacto PT–PP, respaldado por Lula e Maluf em São Paulo, incentiva reproduções em Santa Catarina.

 

 

TENDÊNCIAS

Correm como candidatos de situação o deputado Jean Kuhlmann, do PSD, e o vereador Napoleão Bernardes, do PSDB. Kuhlmann já conta com uma ampla coligação de nove partidos e Bernardes tem o reforço do DEM. Como fiel da balança nesta semana final o PMDB, que hoje tem o vice do prefeito João Kleinübing e faz parte do governo municipal. Dois líderes do PMDB, o ex-prefeito Renato Vianna e o senador Luiz Henrique, trabalham ativamente para que o PMDB feche acordo com o PSD de Kuhlmann.

Em Florianópolis, o terceiro município com eleição de dois turnos, tudo está praticamente definido. Falta apenas o Democratas decidir quem vai apoiar. O presidente Doreni Caramori Júnior terá, hoje, reunião com o presidente nacional do DEM, senador Agripino Maia. Maia defende candidatura própria para oferecer vitrina a Caramori. Quer vê-lo candidato à Câmara Federal em 2014.

Entre os maiores colégios eleitorais, outra deliberação que tende a influir nas eleições envolve o PSD de Criciúma. Suas lideranças decidiram apoiar a reeleição do prefeito Clésio Salvaro (PSDB). Mas o vice Eduardo Moreira reagiu, alegando que o PSD tinha compromissos com Romanna Remor, do PMDB.

O governador Colombo teve reunião ontem à noite, na Casa d’Agronômica, com parlamentares e dirigentes do PSD. Objetivo: definir a coligação em Criciúma.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Informe Político

Assunto: Semana de decisões

 

 

Jogo quase definido

Em uma semana, todas as chapas e candidaturas nas eleições estarão definidas. Bastará, tão somente, o registro no Tribunal Regional Eleitoral.

Em Florianópolis, há poucas dúvidas sobre o quadro. Com as decisões de PSDB, PV e do PPS em não ter candidatura própria, o DEM é a última grande noiva.

A decisão fica para hoje, quando Doreni Caramori Júnior e Paulo Gouvêa da Costa estarão com o presidente nacional da sigla, senador José Agripino Maia (RN), em Brasília. Duas são as alternativas: pedir a autorização para seguir com o PSD, que desmontou o DEM no Estado, ou bancar a candidatura própria, algo menos provável.

No mais, o PMDB, de Gean Loureiro, que mantém aberta a posição de vice, deve mesmo definir o professor Rodolfo Pinto da Luz, em chapa puro-sangue na aliança que pretende chegar a 10 siglas. Cesar Souza Junior (PSD) já tem o vereador João Amin (PP) como companheiro de chapa, em que pese alguns pepistas tentarem montar reações internas para fazer de conta que haverá disputa para o lugar na chapa. Nos últimos dias, além dos tucanos, os pessedistas encorparam a coligação com o PSC, que estará ao lado do PSB.

Angela Albino (PC do B) e Nildomar Freire (PT) estão entre os definidos há mais tempo. A aliança, que reabilita a Frente Popular, tem PRP, PRB e PR

____________________________________________________________________________ Veículo: A Notícia

Editoria: Polícia

Assunto: Operação Preditor

 

Policiais e chefe da cadeia são suspeitos de tráfico

Quatro PMs e advogada estão entre os 29 presos em operação que também combateu a prostituição

Começam a ser ouvidas hoje as 29 pessoas presas no sábado, no Meio-Oeste. A Operação Proditor (traidor, em latim), da Polícia Civil, cumpriu 29 dos 30 mandados de prisão e de busca em apreensão em Caçador, Lebon Régis e Santa Cecília. Quatro PMs, uma advogada e o chefe de segurança do Presídio de Caçador estão entre os detidos.

Os agentes de segurança estariam usando viaturas da PM para a cobrança de dívidas do tráfico e na escolta armada de traficantes. A operação também combateu prostituição e formação de quadrilha. Foram apreendidas armas, munições e drogas, em quantidades ainda não divulgadas. O esquema de utilização das viaturas seria intermediado pelos policiais presos. O delegado Daniel Régis, da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Caçador, disse que os suspeitos recebiam dinheiro para fazer escoltas quando outros integrantes da quadrilha viajavam para buscar drogas.

Eles também aproveitariam as viaturas da PM para cobrar dívidas do tráfico, na tentativa de intimidar os usuários. E atenderiam pedidos da advogada, considerada a chefe da quadrilha, para realizar prisões dos membros do bando que agiam de forma insatisfatória ao crime.

Embora um dos suspeitos trabalhasse no presídio, o delegado diz que não há nenhuma relação com possíveis entradas de drogas na unidade. A suspeita da polícia é de que a quadrilha atuasse na região desde 2004.

 

Cerca de 150 policiais participaram da ação

De acordo com o delegado Daniel Régis, a operação começou às 6h e envolveu cerca de 150 policiais civis.

– A maior parte dos presos foi localizada em suas casas ou em boates das cidades – contou Régis.

Além da DIC, os policiais da Diretoria Estadual de Investigação Criminal (Deic), de Florianópolis deram apoio. A mobilização contou ainda com sete cães de faro e o apoio de um helicóptero.

Os policiais, a advogada e o agente penitenciário foram encaminhados para Florianópolis. Os PMs estão presos no quartel. Os demais ficarão detidos provisoriamente na Deic. O depoimento deles deve acontecer apenas na semana que vem.

 

Monitorados há cerca de 90 dias

O comando da PM de Caçador sabia das investigações há cerca de 90 dias e acompanhou a Operação Proditor. O tenente-coronel Yukio Yamagushi, responsável pelo 15º Batalhão, afirma que os suspeitos sempre trabalharam de forma bastante ativa, inclusive na repressão ao tráfico de drogas, provavelmente para não levantar suspeitas no batalhão.

– Os policiais tinham, aparentemente, uma atuação positiva – disse.

As investigações que resultaram na prisão da quadrilha começaram há nove meses e foram fortalecidas há cerca de 40 dias, quando um homem foi preso em Balneário Camboriú e disse que fornecia drogas para os suspeitos detidos em Caçador.

Outras três pessoas que tinham relação com a quadrilha também haviam sido presas no último mês. Elas seriam responsáveis por repassar as drogas para os usuários. Mais prisões não estão descartadas pelo comando da operação.

A suspeita é de que todos os entorpecentes eram comprados em cidades do Litoral Norte de SC e distribuídos em Caçador, com a ajuda da advogada e dos policiais militares presos.

 

Estabelecimentos fechados eram vizinhos

Todas as nove casas de prostituição lacradas em caçador ficavam na mesma rua. Segundo a polícia, eram utilizados pela quadrilha que foi presa. Os suspeitos aproveitariam o local para traficar drogas e também para lucrar com a prostituição.

Conforme o delegado Daniel Régis, a quadrilha traria garotas de outras cidades brasileiras para se prostituir em Caçador, o que caracteriza crime de incentivo à prostituição. O trabalho das mesmas mulheres também seria utilizado no comércio de entorpecentes. Durante o cumprimento dos mandados, pelo menos seis pessoas da quadrilha foram detidas nestas casas de prostituição.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: B.O

 

 

PM e Civil ainda não concordam

Um novo formato de registro de boletins de ocorrência pela Polícia Militar (PM) mudou desde 14 de junho deste ano a rotina dos policiais e de cidadãos que precisam do serviço em Blumenau.

Lançado em julho do ano passado pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP), com o nome de Sistema de Atendimento e Despacho de Ocorrência (Sade). O sistema já atendia as regiões de Florianópolis e Joinville. O projeto permite que vítimas de crimes, atendidas por policiais militares, não tenham mais que ir até a delegacia para fazer outro registro de ocorrência. Mas a eficácia do novo sistema tem esbarrado, mais uma vez, na dificuldade de integração entre as polícias Civil e Militar.

Para a PM, o novo projeto é visto como um auxílio na apuração de crimes que permite uma resposta mais rápida à comunidade. Já a Polícia Civil acredita que os policiais militares deveriam ampliar o trabalho ostensivo de prevenção ao invés de assumir o registro de ocorrências. Uma discussão que já aconteceu nas cidades onde o sistema foi instalado.

Para o delegado da Divisão de Furtos e Roubos da Central de Polícia, Ronnie Esteves, o descontentamento dos policiais civis está voltado para os atrasos e falta de informações apuradas pelos PMs no momento de registrar os crimes.

 

_______________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Crimes e ocorrências

 

 

PM é morto com três tiros

Câmera de monitoramento flagrou o crime em frente a uma boate, onde o policial fazia segurança

O policial militar José Jadir Seabra, 41 anos, morreu após levar três tiros, na madrugada de domingo, em Chapecó. Ele estava de folga da corporação e estaria trabalhando como segurança em um clube no Centro da cidade.

A câmera de monitoramento próxima ao local flagrou o momento em que um adolescente de 15 anos fez os disparos. O soldado, pai de quatro filhos, será enterrado hoje pela manhã no cemitério da Linha Tomazelli, interior de Chapecó.

O crime foi por volta das 2h. A câmera da Polícia Militar, que fica a 30 metros do local, flagrou a ação. Um adolescente de 16 anos entregou a arma para outro de 15. Ele se afastou das pessoas que estavam na entrada do bar, escondeu a arma debaixo do casaco, voltou e efetuou os disparos. A ação não levou mais do que 10 segundos. O policial chegou a ser socorrido, mas não resistiu.

A arma do crime e os adolescentes foram apreendidos três horas depois. Eles foram encaminhados para a delegacia de polícia, onde prestaram depoimento e confessaram o crime para o delegado Alex Passos. Para o delegado, a banalidade assusta.

– Os dois disseram que o policial estava tirando onda deles e não poderiam deixar a situação assim.

Alex disse ainda que uma briga dentro do bar pode ter ocasionado o homicídio. Eles podem responder por homicídio duplamente qualificado, com motivo fútil e emboscada.

Após serem ouvidos pelo promotor do Ministério Público, Fabiano Baldissarelli, os adolescentes foram encaminhados para o Centro de Atendimento Socioeducativo Provisório (Casep) de Chapecó.

Hoje, eles devem ser apresentados ao juiz e ao promotor da Vara da Infância e Juventude. Em cinco dias, o promotor deve fazer a representação para dar início à ação de ato infracional.

 

Pena vai de advertência a internação de até três anos

– A medida a ser tomada pode ser desde uma advertência até três anos de internação em estabelecimento educacional – disse o promotor.

No final da tarde de ontem, a Polícia Civil prendeu Roberson Rodrigues Machado, 20 anos. Ele é suspeito de emprestar o casaco que escondeu a arma. Machado foi encaminhado para o Presídio Regional de Chapecó.

Segundo o irmão da vítima, Gelson Seabra, o policial trabalhava como segurança há quatro anos no local.

 

Corpo é encontrado por policial na rua

O corpo de Robson Rafael Golfieri, 27 anos, foi encontrado, na manhã de sábado, por um policial rodoviário estadual em Itapoá. Ele trafegava pela Estrada Cornelsen quando viu a vítima caída. Conforme a PM, o homem foi baleado quatro vezes. Próximo ao corpo foi encontrado um projétil, possivelmente de pistola. O corpo foi levado ao IML de Joinville e reconhecido pela família.

 

Homem é morto a tiros no Monte Cristo

Everton Leopoldo Gonçalves, 30 anos, foi encontrado morto a tiros no Bairro Monte Cristo, em Florianópolis. De acordo com a PM, o corpo estava próximo ao condomínio Panorama. O crime teria acontecido por volta das 4h de domingo. No mes