Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 25 de julho

25.7.2012

 

CLIPPING

25 de julho de 2012

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assuntos: Mobilização na Lagoa da Conceição

 

Mais sossego na Lagoa da Conceição

Perturbação da ordem e barulho são alguns dos problemas que incomodam a comunidade

Perturbação do sossego é uma das principais queixas dos moradores da Lagoa da Conceição, em Florianópolis, em relação a segurança e a ordem pública.

Mais do que o tráfico de drogas, que costuma render ocorrências registradas na delegacia local, a 10a DP, o som dos carros nas alturas, de motorista buzinando, gritaria e algazarra de pequenos grupos embalados por álcool são situações que tiram o sono e causam transtorno para quem mora ou visita o local.

Algumas ações têm sido traçadas para amenizar o problema. Todas são fruto de uma união das polícias civil e militar com a comunidade. Esta parceria acontece por meio do Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) da Lagoa. Entre as ações estão a fiscalização de bares quanto ao horário de fechamento por parte da Polícia Civil e operações de ordem pela PM.

Um grupo com cerca de 15 moradores e comerciantes das proximidades da Avenida das Rendeiras e o comandante do 4o Batalhão de PM, Araújo Gomes, se reuniram, ontem, para tentar soluções para um problema pontual: um estacionamento em área pública no final das Rendeiras, onde ficam os carros com som alto e jovens consumindo álcool. Já houve denúncia de pessoas armadas no local.

 

Trabalho conjunto de moradores e Polícia Militar

A comunidade vai se mobilizar para melhorar a iluminação e a sinalização, e para restringir o acesso ao estacionamento nas Rendeiras após as 2h. A PM, por sua vez, ficou responsável por intensificar operações de choque de ordem com abordagens, identificação e apreensão de veículos irregulares, além de lavratura de termos circunstanciados (TCs) por perturbação do trabalho e sossego alheio.

As reuniões são abertas à comunidade e acontecem toda primeira terça-feira do mês, às 19h, na sede da Associação Comercial e Industrial (Acif), na Rua N. S. da Conceição, 30.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Contrabando

 

Cigarro lidera lista dos contrabandos

Produtos apreendidos pela Receita Federal somam R$ 40,4 milhões em SC

Na rota dos produtos ilegais que entram em Santa Catarina, o cigarro está no topo da preferência pelos contrabandistas. O tabaco supera aparelhos eletrônicos, de informática, brinquedos e bebidas. As apreensões mostram a ação de quadrilhas e atacadistas que agem no mercado interno e também como caminho para transportá-lo ao Rio Grande do Sul.

Em um levantamento divulgado ontem, a Receita Federal revelou também que o valor do total de contrabando apreendido em 2012 no Estado alcança US$ 19,2 milhões (R$ 40,4 milhões). O aumento foi de 4,9% em relação ao mesmo período do ano passado. O cigarro ilegal tirado de circulação chega a R$ 1,6 milhão. O inspetor-chefe da alfândega da Receita Federal em Itajaí, Luis Gustavo Robetti, acredita que a ascensão do cigarro se deve ao crescimento da produção no Paraguai, onde há dezenas de fábricas e algumas que atuam na falsificação.

– Elas não sofrem fiscalização e tributação e o custo lá também é bem mais baixo – assinala Luis Gustavo.

 

Estado é denominado de polo do consumo

Na última década, o consumo de cigarro paraguaio em Santa Catarina gerou protesto da Associação Brasileira de Combate à Falsificação, que o intitulou como polo no consumo do produto contrabandeado.

Na época, foi divulgado um laudo técnico que apontou a existência de insetos, inseticidas e capim entre os componentes utilizados pela indústria do país vizinho.

Os dados da Receita Federal mostraram também apreensões de cargas milionárias no porto de Itajaí de produtos em geral. Eles são listados como outros produtos e responsáveis por R$ 36,3 milhões em contrabando. Na relação constam itens como óculos de sol, pneus e peças.

Destaca-se ainda a apreensão de 4.897 unidades de medicamentos (frascos, cartelas e outros tipos de embalagens). Até lentes de contato ilegais e sem procedência estão entre os produtos apreendidos que entram ilegalmente no Estado.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Proposta reabre debate do comércio de armas

 

Proposta reabre debate do comércio de armas

Deputado de SC defende projeto que restabelece decisão de plebiscito que era favorável à venda

Com a intenção de facilitar o acesso da população a armas, o deputado federal Rogério Peninha Mendonça (PMDB-SC) é o autor de um projeto de lei na Câmara que, se aprovado, irá revogar o Estatuto do Desarmamento, de 2003.

Em abril, o texto começou a tramitar na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional. Ainda não há data para ser discutido em outras instâncias da Casa. A proposta reabriu o debate sobre armas no Brasil. O argumento do deputado é baseado no resultado do referendo realizado em 2005.

Previsto pelo Estatuto do Desarmamento, a população foi às urnas para decidir se o comércio de armas de fogo e munição deveria ser proibido no Brasil. Dos mais de 59 milhões de votantes, 63,94% dos eleitores decidiram pela manutenção da venda de armas e munição. O resultado do “não” alterou a realidade, prevalecendo a lei para comprar e registrar uma arma.

– O nosso projeto tem a ambição de restabelecer o direito de que todos os cidadãos de bem têm de comprar e registrar uma arma para defesa do seu patrimônio – comentou Peninha.

 

Redução do número de lojas no país

O parlamentar observou que, devido ao rigor do Estatuto do Desarmamento, houve redução de 2,4 mil para 200 no número de lojas de armas no país. O projeto reaproveita a maioria dos artigos da atual legislação, mas os torna mais flexíveis. Um dos apoiadores da proposta é o Movimento Viva Brasil (MVB), ONG paulista que tem como bandeira a garantia das liberdades individuais.

– A lei trata o cidadão como um marginal. Temos de acabar com isso – diz Bene Barbosa, do MVB.

Contra o projeto se alinham autoridades da segurança e organizações, principalmente no Rio de Janeiro, metrópole conflagrada pela violência urbana. Luiz Carlos Silveira, da Rede Desarma Brasil, ligada ao Viva Rio foi contundente ao criticar o projeto:

– A intenção é mutilar o Estatuto do Desarmamento. Muito embora sejam mínimas as chances desse texto ser aprovado.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Caso Ariana

 

 

Causa ainda está indefinida

Oito dias após os bombeiros terem encontrado o corpo de Ariana Donato Arndt, 16 anos, no Rio Benedito, em Timbó, o Instituto Geral de Perícias (IGP) de Blumenau finalizou a análise da causa da morte da garota.

Segundo o IGP, a adolescente morreu por afogamento. O documento foi entregue para a Polícia Civil de Timbó ontem. O inquérito policial deverá ser concluído na próxima semana.

Apesar da análise apontar que a garota se afogou, a delegada responsável pelo caso, Stela Maris Antunes da Rosa, avalia que a causa da morte foi inconclusiva. Stela afirma ainda que não houve como precisar se havia lesões no corpo.

– O médico legista sugeriu uma investigação mais minuciosa do caso, mas não há a necessidade de pedir uma nova análise – diz a delegada.

Atualmente, a polícia está concluindo os depoimentos e aguardando uma prova pericial que foi enviada para o IGP. Assim que o resultado da perícia chegar, o inquérito será concluído e enviado ao Fórum. Para Stela, ainda não é possível dizer o que ocorreu no dia 22 de junho, quando a garota saiu para ir à escola e foi vista pela última vez:

– Determinar o que realmente aconteceu, só se o indiciado falar.

Por enquanto, o namorado de Ariana, Johny Karsten, 22 anos, que está no Presídio Regional de Blumenau desde o dia 16, sob prisão preventiva, é o único suspeito de ter cometido o crime, de acordo com a delegada.

 

Entenda o caso

22 de junho

– Ariana Donato Arndt, de 16 anos, desaparece após sair de casa, a caminho da escola

4 de julho

– Os bombeiros percorrem o Rio Benedito, em Timbó, em busca de vestígios que levem à garota

6 de julho

– A Polícia Civil investiga o envolvimento do namorado, Johny Karsten, 22 anos, no desaparecimento

16 de julho

– O corpo de Ariana é encontrado no Rio Benedito, no Centro de Timbó. À noite, Johny Karsten é preso preventivamente pela Polícia Civil

17 de julho

– Ariana é sepultada em Timbó, sob forte comoção de amigos e familiares ____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Crimes e ocorrências

 

 

Assassinada com dois tiros na cabeça

Marli Fátima Cavalheiro, 38 anos, foi sepultada, ontem, em Chapecó, no Oeste catarinense. Ela foi assassinada com dois tiros na cabeça na noite da segunda-feira. O crime ocorreu na Rua Imperatriz, no Loteamento Dom José Gomes em Chapecó. De acordo com o delegado Danilo Fernandes, que atendeu a ocorrência, o suspeito já foi identificado.

 

Presos supeitos de homicídio no Norte

O furto de duas rodas de motocicleta teria sido o motivo de um crime brutal que chocou o Bairro Petrópolis, em Joinville, na última quarta-feira.

Os suspeitos do crime foram presos na manhã de ontem e, segundo a Polícia Civil, confessaram ter matado Damaceno Cardoso dos Santos, de 22 anos, espancado, a pauladas, por causa do roubo cometido pela vítima.

 

 

 

MÍDIAS DO BRASIL

 

 

Veículo: Portal G1

Editoria: Geral

Assunto:  Irmã de PM morta no Alemão faz críticas à preparação de policiais

 

Irmã de PM morta no Alemão faz críticas à preparação de policiais

Ela afirmou que PMs de UPP não são preparados e precisam do Bope.

Enterro foi nesta manhã, em Valença, com honras militares.

Minutos antes de enterrar o corpo de irmã, morta em um ataque de criminosos contra a sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Nova Brasília, no conjunto de favelas do Alemão, a também policial militar Luciana Souza, que é cabo do 10º BPM (Barra do Piraí), fez críticas, na manhã desta quarta-feira (25), à preparação dos policiais que trabalham em UPPs.

“Um fato lamentável. Ela acreditava na corporação, mas elas não são preparadas o suficiente para ir a um lugar desses sem o apoio do Bope ou sem o apoio do Batalho de Choque”, disse Luciana.

A soldado Fabiana Aparecida de Souza, de 30 anos, foi enterrada às 9h com honras militares, no cemitério Riachuelo, em Valença, no sul do estado do Rio. O cortejo foi acompanhado por cerca de 500 pessoas, entre parentes e amigos de Fabiana. No caminho, foi feita uma homenagem a soldado, com uma parada e uma salva de três tiros. Ao final do enterro, um helicóptero jogou pétalas de rosas.

Além de parentes e amigos, muitos policiais militares chegavam, por volta das 8h20 da manhã, ao velório da soldado Fabiana. O ataque à UPP Nova Brasília foi na noite de segunda-feira (23).

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Erir Ribeiro Costa Filho, foi ao enterro e afirmou que a soldado Fabiana estava preparada para trabalhar na UPP. A chefe da Polícia Civil, delegada Martha Rocha, também compareceu ao enterro. Ela disse que as investigações estão por conta da Divisão de Homicídios.

Entre os PMs que compareceram ao velório da soldado, está a primeira turma de mulheres policiais militares, formada em 1982. O grupo, formado pela capitã Dejair, pela subtenente Valéria Barbosa, subtenente Margarida e tenente Denise de Souza, é conhecido como Comissão das 36 mil, uma referência ao número de matrículas das policiais.

Segundo elas, essa foi a primeira vez que uma mulher morreu em combate. Já houve situações em que policiais teriam sido mortas fora de serviço, como em reação a assaltos, mas nunca em combate.

“Acho isso uma afronta, uma covardia tamanha. Embora a gente tenha consciência de que esse é o nosso trabalho”, subtenete Margarida. De acordo com a subtenente Valéria, todas as mulheres são muito orgulhosas da farda e mesmo 30 anos após ter ingressado na corporação, faria tudo novamente. O grupo se reformou no início deste ano, após cada uma completar 30 anos de serviço.

A rua onde fica localizado o cemitério Riachuelo foi fechada pela Guarda Municipal e a todo instante chegam carros de policiais militares.

 

Reforço no policiamento

O policiamento foi reforçado em todo o entorno do Alemão, na manhã desta terça. Circulam pelas principais vias da região patrulhas do 16º BPM (Olaria) e do 22º BPM (Maré). No interior da favela, homens do Bope vasculham ruas e becos atrás dos criminosos. Foram apreendidos um colete à prova de balas, cocaína, maconha e um artefato explosivo.

O coordenador das UPPs, coronel Rogério Seabra, disse, na manhã desta terça, que os coletes à prova de balas usados nas unidades não seguram tiro de fuzil. Segundo ele, os policiais das UPPs usam equipamentos adequados para ações cotidianas. Mas o oficial nega que ocorram mudanças no trabalho das UPPs daqui em diante.

 

Homenagem

Seabra disse que não pretende aumentar o efetivo na UPP, que hoje tem 240 policiais. Segundo ele, os mais de 1.200 homens de todas as UPPs são mais que suficientes para o trabalho que têm de executar.

Ele aproveitou para prestar uma homenagem à soldado morta, falando da importância da presença feminina nas UPPs.

“Presto minha homenagem e agradeço o empenho e a importância do trabalho das policiais femininas, que representam 9% dos policiais da PM e 11% do efetivo das UPPs. O trabalho da soldado Fabiana não foi em vão. Vamos continuar trabalhando para levar cidadania e segurança às pessoas da comunidade”, disse Seabra.