Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 22 de maio

22.5.2012

CLIPPING

22 de maio de 2012

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assunto: Associação dos Delegados

 

CONVESCOTE

A diretoria da Associação dos Delegados de Polícia ofereceu um jantar, dia desses, para o presidente da Assembleia Legislativa, o deputado Gelson Merisio; ao presidente da Celesc, Antônio Gavazzoni, e ao publicitário Fábio Veiga. No cardápio para um grupo tão eclético, colocaram à mesa três pedidos: aprovação da PEC da carreira jurídica, independência funcional da PC e lista tríplice para delegado-geral.

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Reportagem Especial

Assunto: Dilma em SC

 

A ponte chamada Anita Garibaldi

Um pedido dos catarinenses foi atendido, ontem, pela presidente Dilma Rousseff: a ponte estaiada do Canal Laranjeiras será batizada com o nome de Anita Garibaldi, a heroína de dois mundos, que nasceu em Laguna. O anúncio foi feito durante a visita presidencial, que durou 50 minutos, para assinar a ordem de serviço da obra, que faz parte do conjunto da duplicação do trecho Sul da BR-101.

Dilma também anunciou que é decisão do governo federal a construção do túnel do Morro dos Cavalos, em Palhoça, e a duplicação das BRs 280 e 470.

A presença da presidente Dilma Rousseff na assinatura da ordem de serviço da ponte estaiada sobre o Canal Laranjeiras, em Laguna, demonstra a exigência sobre o consórcio liderado pela Camargo Corrêa em concluir um dos três últimos gargalos da duplicação da BR-101 Sul em julho de 2014. E isso um ano antes do prazo contratual. Coincidência ou não, a data solicitada é três meses antes da próxima eleição presidencial, a qual Dilma poderá concorrer à reeleição. No palanque, a presidente decidiu aclamar o pedido dos catarinenses e garantiu o nome da ponte como Anita Garibaldi, a heroína que lutou no Estado e na Itália.

Independente da intenção, a postura de de determinação da presidente sobre um dos três maiores gargalos da duplicação da BR-101 Sul, depois de três anos de atraso, trouxe satisfação aos políticos catarinenses e à população presente.

Cerca de 2,5 mil pessoas estiveram no evento. No momento da assinatura do contrato, quem estava perto do palanque viu Dilma dar um tapinha no ombro do representante da Camargo Corrêa, Marcelo Bisordi. Longe do microfone, teria parabenizado e lembrado da expectativa de acelerar a obra.

Em seu discurso, Dilma lembrou de quando vivia no Rio Grande do Sul e costumava passar pela BR-101 para visitar o litoral catarinense, em um tempo que o congestionamento não era intenso como hoje. Comentou que conhece o Estado há 40 anos. Ela demonstrou surpresa com um vídeo feito este ano pelo diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), general Jorge Fraxe.

 

Dilma lembra das viagens pela 101

– Seguia o hábito gaúcho de passar férias em Santa Catarina. Muitas vezes passei de carro por aqui. É uma honra decidir pela construção da ponte. Fraxe gravou o congestionamento na região. Deu para perceber como estava grave o fluxo de veículos, que se estreitava na ponte – afirmou.

A presidente usou o exemplo da construção da obra de R$ 540 milhões (o valor original era de R$ 597 milhões, mas sofreu redução de preço nos últimos dias) para falar sobre o momento econômico brasileiro, que ela considera em franca expansão, ao contrário do que ocorre atualmente na Europa e nos Estados Unidos. Dilma afirmou que, enquanto as grandes potências estão com o freio de mão puxado em investimentos, o Brasil optou por injetar recursos em infraestrutura e criar empregos. No caso da Ponte Anita Garibaldi, a expectativa a gerar 1,5 mil postos de trabalho direto e 5 mil indiretos.

– Nos últimos anos, cuidamos para criar um conjunto de armas contra crises externas. Antigamente, o mundo espirrava lá fora e nós pegávamos uma pneumonia. Na crise de 2009, fomos atingidos, mas muito pouco. Agora, temos US$ 370 bilhões de reserva enquanto naquela época tínhamos US$ 205 bilhões, e isso garante proteção ao que quer que aconteça fora do país – anunciou com orgulho a presidente.

Na segunda vez que Laguna, uma cidade de 51,5 mil habitantes, recebem um presidente da República – o primeiro foi Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006 – populares foram ver de perto as promessas de Dilma. A prefeitura decretou ponto facultativo.

 

Palanque eclético

Não só os integrantes da base de apoio no Congresso, PT e PMDB, mas até uma deputada federal do PPS, sigla oposicionista, compunha o palanque que recepcionou Dilma Rousseff em Laguna. Junto aos dois senadores do PMDB que acompanharam a solenidade ao lado do governador e da presidente, a representatividade política não deixava dúvida da relevância do que se anunciava em relação à ponte sobre o Canal Laranjeiras, que resolve um dos gargalos da duplicação do trecho Sul da BR-101. O espírito republicano da solenidade terá repercussões nas eleições municipais. Favorecerá, de forma direta, os postulantes do PT, como o prefeito de Laguna, Célio Antônio, que ganhou a cena ao sugerir e receber integral apoio à proposta de dar o nome da heroína Anita Garibaldi à tal ponte estaiada. Mas, acima de questões sucessórias, dará ao Estado uma oportunidade de resolver um interminável e trágico quadro estatístico de mortes em nossas principais rodovias.

O simbolismo da obra não poderia ser melhor. Há em construção uma nova ligação entre o Centro Administrativo e o Planalto, estrutura que andou bastante abalada depois da edição da Resolução 72, que unificou as alíquotas do ICMS sobre produtos importados em 4%, em nome do fim da guerra fiscal entre os estados, e deixou Santa Catarina com um rombo projetado na arrecadação. Até isso deve ter levado a presidente a olhar com outros olhos o relatório do general Jorge Fraxe, diretor-geral do Dnit, que não deixou de lado as críticas à conduta do órgão federal e percorreu de carro os piores trechos das BRs 101, 280, e 470.

Por todas estas variáveis, a expectativa é de que Dilma Rousseff cumpra, em próximas viagens, a grata missão de agilizar obras e dar ao Estado a contrapartida que há tanto aguarda da União.

 

Morro dos Cavalos e BRs 280 e 470 na mira

A presidente anunciou, em Laguna, que é decisão do governo federal construir o túnel em Palhoça e fazer a duplicação das BRs.

Embora a assinatura de Dilma tenha sido apenas para a nova ponte em Laguna, a presidente se comprometeu com outras obras importantes para Santa Catarina. A duplicação da BR-280, entre São Francisco do Sul e Jaraguá do Sul, no Norte do Estado, entrou para o discurso. Mas a presidente não falou em prazo de conclusão.

– Também é uma decisão construir o túnel do Morro dos Cavalos, além das obras na BR-470 (entre Indaial e Navegantes, no Vale) e na BR-280. Esse conjunto de obras é crucial para o desenvolvimento na região – apontou a presidente.

Na semana passada, Dilma já tinha batido o martelo para o túnel duplo em Palhoça e a duplicação da BR-470. O relançamento do edital da obra na BR-280 tinha sido prometido para setembro pelo ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, mas ganha força com o anúncio de Dilma.

A duplicação é reivindicada há 15 anos. Em 2008, a própria Dilma Rousseff, então ministra da Casa Civil, havia garantido que, naquele ano, máquinas trabalhariam no trecho. Alvo da maior polêmica do Dnit no governo Lula, a duplicação do trecho de 74,6 quilômetros da rodovia foi cancelada em junho do ano passado, depois que a revista Veja denunciou que as empresas concorrentes da execução da obra eram previamente escolhidas. Agora, o projeto executivo da BR-280 foi revisto, e a construção continua orçada em R$ 1,1 bilhão. A obra será dividida em quatro lotes.

No caso do túnel duplo no Morro dos Cavalos, em Palhoça, a construção precisa de licença prévia ambiental para concluir o projeto executivo e poder ter o edital de licitação da obra lançado.

Após o evento, o superintendente do Dnit em Santa Catarina, João José dos Santos, disse estimar que a tramitação no Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) perdure até o fim do ano.

A presidente Dilma afirmou que uma estrada secundária será construída para receber o fluxo da BR-101 durante os trabalhos. A expectativa do Dnit é lançar o edital para a obra alternativa até agosto, mas depende da avaliação do Ibama.

A BR-470 tem licitação da obra prevista para outubro. O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, anunciou o adiantamento do projeto executivo entre Gaspar e Indaial, que seria finalizado em setembro, e agora ficará pronto em julho. Os projetos de outros dois lotes devem ficar prontos em setembro. No total, serão duplicados 74 quilômetros. O custo é de R$ 1,7 bilhão.

 

Tangerinas para a presidente

Vitória Perini da Silva, 78 anos, largou sua enxada na lavoura em que trabalha todos os dias em Timbó, no Vale do Itajaí, para viajar 173 quilômetros e realizar um sonho: conhecer pessoalmente a presidente da República, Dilma Rousseff.

Infelizmente, a agricultora não conseguiu ver a presidente, que embarcou em um helicóptero logo após aterrissar no Aeroporto Internacional Hercílio Luz, em Florianópolis, por volta das 14h.

Dilma seguiu com a comitiva para Laguna, no Sul do Estado, onde assinou ordem de serviço para a ponte sobre o Canal Laranjeiras, no trecho Sul da BR-101

– Queria encontrar com ela. Ela é uma grande mãe de todos. Queria dar um presente de minha horta, que são essas tangerinas – contou a agricultora Vitória.

No caminho para Laguna, Dilma sobrevoou o Canal Laranjeiras, onde se planeja construir a ponte. Por volta das 14h30min, o helicóptero da comitiva chegou ao terminal pesqueiro da cidade, escoltado por outra aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB).

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Abuso sexual

 

É preciso apoiar e acreditar no que as crianças relatam

Ministra dos Direitos Humanos destacou a importância das revelações feitas por Xuxa no domingo

Ministra de Direitos Humanos, Maria do Rosário conversou por telefone com a Agência RBS sobre a importância que o depoimento da apresentadora Xuxa, veiculado domingo no quadro O Que Vi da Vida, no Fantástico.

Maria do Rosário ressaltou que estudos mostram que a violência sexual produz dores psicológicas e citou o que considera três principais pontos da revelação da apresentadora:

– Em primeiro lugar, representou o que muitas pessoas já sofreram e nunca tiveram coragem de falar. Em segundo lugar, chamou a atenção para o fato de esse problema acontecer, muitas vezes, dentro da própria família ou na comunidade na qual a criança está inserida. E, em terceiro, acredito que o que ela pediu foi que as pessoas acreditem no que as crianças dizem. Isso é fundamental. Ela disse que não contou porque achava que não iriam acreditar nela e achariam que era culpada. As crianças precisam ter certeza de que os adultos vão acreditar nelas.

A ministra se disse muito sensibilizada com a revelação.

– Xuxa e eu trabalhamos juntas há muito tempo, ela é uma das principais colaboradoras do Disque 100. Ela representou muito bem as pessoas que ainda não tiveram coragem de falar. Gosto ainda mais dela por isso.

Maria do Rosário também salientou a importância da Lei Joanna Maranhão, que entrou em vigor na sexta-feira. A lei altera as regras sobre a prescrição do crime de pedofilia e também o estupro e o atentado violento ao pudor praticados contra crianças e adolescentes. Agora, a contagem de tempo para a prescrição só começa na data em que a vítima fizer 18 anos, caso o Ministério Público não tenha, antes, aberto ação penal contra o agressor. Até então, a prescrição era calculada a partir da data do crime. O entendimento é que, alcançada a maioridade, a vítima ganha condições de agir por conta própria.

A legislação leva o nome em homenagem à nadadora Joanna Maranhão, que denunciou os abusos a que foi submetida durante a infância por um treinador.

Na terra natal, não se fala em outra coisa

Em Santa Rosa (RS), terra natal da Xuxa, a entrevista exibida no Fantástico foi um dos principais assuntos ontem. Também causou alvoroço nas redes sociais. Muita gente se manifestou no Facebook e Twitter.

Entre os taxistas, a entrevista também foi assunto.

– Acho que se isso realmente aconteceu, é uma coisa muito grave e difícil pra ela – opina o taxista João Vanderlei.

Familiares de Xuxa que moram em Santa Rosa foram procurados, mas evitaram comentar sobre o assunto. Pela manhã, foi a própria apresentadora quem usou o Facebook para falar sobre o assunto.

 

XUXA MENEGHEL

Postagem de ontem no Facebook

“Eu não me sinto muito bem falando mais desse assunto. Espero que vcs entendam e aceitem minha decisão. Eu não quero mais falar. Eu queria ajudar crianças que passam ou passaram pelo que eu passei, que elas falem, denunciem, não fiquem se sentindo culpadas.

 

Um crime silencioso

Como saber se uma criança foi vítima de abuso? Esta é uma pergunta que angustia os pais. De alguma forma, a criança sempre mostra, de algum modo, que passa por uma situação de abuso sexual. Isso pode ser pela fala ou por meio de sinais, como desenhos, utilização de um linguajar sexualizado impróprio para a idade, pesadelos e medos incomuns. Pode ser, também, através de sintomas físicos ou resistência para ver determinadas pessoas.

Geralmente, a criança se sente culpada e preocupa-se com as consequências da denúncia para si e para toda a família.

– Penso que toda forma de falar no assunto é importante, pois a criança e o adolescente se sentem encorajados a falar. Além da culpa que carrega, muitas vezes a vítima acaba se sentido na obrigação de “proteger” o abusador – observa Scheila Thomé, conselheira tutelar há seis anos em Florianópolis.

Além disso, recomenda, acolher a criança que sofre abuso é o primeiro passo para minimizar o impacto do problema.

Professores e profissionais de saúde também podem ajudar. Por estarem na ponta dos serviços de atendimento, médicos e enfermeiros podem identificar e notificar situações de violência sexual. Eles podem observar sinais que indiquem situação de negligência, agressões físicas ou abuso sexual e encaminhar os casos à rede de proteção local.

Da mesma forma, os professores também têm papel importante: o comportamento do aluno pode ser um indicador de que o estudante esteja sendo vítima de violência.

Outra dúvida frequente dos pais é se é possível orientar a criança sobre o que seria um abuso sexual.

Alguns especialistas consideram que aos cinco anos já é possível orientar a criança sobre a abordagem sexual imprópria por parte de adultos, colegas muito mais velhos ou pessoas próximas.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Artigos

Assunto: Inteligência de segurança

 

 

Inteligência de segurança, por Tércia Ferreira da Cruz*

As ações de inteligência têm sido desencadeadas de forma sistêmica em muitas áreas da atividade humana. A inteligência competitiva, por exemplo, é um item indispensável que auxilia as empresas a mapear e monitorar o ambiente de negócios. Através de análise sobre o mercado, fornece informações preciosas aos executivos para a tomada de decisão. Na área da segurança pública, a atividade de inteligência também tem se tornado uma ferramenta cada vez mais útil.

Com as ações da inteligência, os órgãos de segurança pública buscam analisar tendências, identificar comportamentos e fazer leitura de cenários que lhes permitam se antecipar aos fatos delituosos. No combate ao crime, através das técnicas de inteligência e atuação de profissionais capacitados e o uso de tecnologias, as ações têm sido muito mais exitosas, evitando confronto e exposição desses profissionais e da população.

Existem muitas pesquisas e desenvolvimento de produtos com tecnologia agregada que são grandes aliados no trabalho da inteligência policial, e algumas já estão à disposição dos nossos policiais, tais como softwares de identificação de pessoas e de placas de veículos, sistemas integrados de capturas e análise de dados.

Há também iniciativas aparentemente simples que podem trazer resultados bastante positivos nesta área. Em Florianópolis, por exemplo, uma unidade da Polícia Militar instalou um mural eletrônico em local onde todos os policiais, ao assumirem o turno de serviço, recebem informações atualizadas pelos agentes de inteligência sobre as ocorrências que estão acontecendo, com a identificação de suspeitos e foragidos, placas e características de veículos furtados e outros dados importantes para o serviço policial.

Em contrapartida, chegam para a inteligência, através das guarnições de radiopatrulha, dados e informações que agregam conhecimentos. Uma boa prática de inteligência de segurança pública a ser seguida.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Gripe A

 

Blumenau registra segundo caso

Homem de 50 anos está no Hospital Santa Isabel e existem mais quatro pessoas no mesmo local com suspeita de contaminaçãoA confirmação do segundo caso de gripe A, na manhã de ontem, em Blumenau veio ressaltar a importância da vacinação para se proteger contra o vírus H1N1. Além do homem de 50 anos, que está internado no Hospital Santa Isabel, existem outras quatro pessoas internadas, entre elas um adolescente e uma gestante. Os resultados do exames devem ser divulgados ainda hoje.

No Estado, já são 23 casos, contra apenas cinco do ano passado. Três pessoas morreram. Em alerta desde a morte da primeira pessoa contaminada na sexta-feira, um caminhoneiro de 52 anos, a Vigilância Epidemiológica informa que a população não precisa se preocupar, mas que deve tomar certos cuidados de higiene, como lavar as mãos, não ficar em ambientes fechados e com grande quantidade de pessoas, usar álcool gel para limpar as mãos e procurar postos de vacinação até sexta-feira para se imunizar contra três tipos de gripe: comum, H1N1 e Influenza B. A vacina é trivalente e estimula a produção de anticorpos.

 

Automedição pode mascarar sintomas

De acordo com a gerente de Vigilância Epidemiológica de Blumenau, Lizandra Junges, este segundo caso não tem relação alguma com o primeiro caso confirmado na semana passada. Mas a Vigilância está fazendo uma investigação e mapeando os possíveis locais onde ele possa ter contraído a doença.

Todas as pessoas que tiveram contato com o doente e apresentarem sintomas da gripe serão medicados.

– É importante que as pessoas não se automediquem quando apresentarem febre alta, tosse e falta de ar, pois remédios podem mascarar os sintomas da doença e atrasar o diagnóstico. O ideal é procurar um médico, pois a doença evolui rapidamente – explica Lizandra.

Desde o começo do ano, 11 casos na cidade foram notificados para a Vigilância. Do total, dois casos foram confirmados, quatro estão em observação e em cinco o exame deu resultado negativo e as pessoas já tiveram alta. Todos os casos de suspeita de gripe A são notificados quando o paciente dá entrada no hospital.

Durante todo o ano de 2011, foram diagnosticados apenas cinco casos de pacientes contaminados pela Gripe A em Santa Catarina. Até agora, duas pessoas morreram em decorrência da gripe A no Estado. A primeira morte foi no início do mês. Uma criança de dois anos, moradora de Itajaí, morreu dois dias depois de ter sido diagnosticada com o vírus.

Até sexta-feira, ocorre a Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe. Cerca de 22 mil pessoas já foram imunizadas em Blumenau.

 

Pouca adesão em Chapecó

Em Chapecó, apenas 58% da meta da campanha nacional de vacinação contra a influenza foi atingida até a manhã de ontem.

A meta é chegar a 80%, mas será difícil alcançar, pois faltam apenas três dias para o encerramento da primeira etapa.

A meta da Secretaria Municipal de Saúde é vacinar 25 mil pessoas, entre crianças de seis meses a dois anos, gestantes, pessoas com 60 anos ou mais, trabalhadores da saúde, indígenas e população carcerária.

Deste número, apenas 14.460 pessoas procuraram os postos de saúde. A campanha, que começou no dia 5, termina na sexta-feira, dia 25.

Segundo a coordenadora de Vigilância Epidemiológica, Paula Senna da Silva, muita gente não está procurando os postos de saúde da cidade e região por medo de possíveis reações ao tomar a vacina.

– As pessoas não precisam temer. Até o momento não foi registrada nenhuma reação – disse.

Todos os postos de saúde do município estão abertos das 7h30min às 11h30min e das 13h30min às 17h. Os postos da Efapi, Cristo Rei, Leste e Santo Antônio estão com atendendo a noite das 18h às 22h.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Gerais

 

Reconciliação interrompida

Colisão em Pomerode impediu que Nair e Ademar reatassem o casamento, como haviam combinadoO grave acidente envolvendo um automóvel Corsa e um Tucson, no último domingo à tarde, na SC-418, em Pomerode, no Vale do Itajaí, que matou seis pessoas, separou para sempre o casal Nair Aparecida Ramos e Ademar Cardoso de Souza.

Ela, 29 anos, empregada doméstica. Ele, 36, tecelão da Malwee. Casados há uma década, viviam em Jaraguá do Sul com a filha Tarsila, 11 anos, e o caçula Thiago, de seis. Mas há três meses, Nair e Ademar se separaram. Grávida de oito meses do terceiro filho, ela foi morar em Balneário Piçarras. Ademar ficou em Jaraguá com Thiago e Tarsila. Ele dividia a casa de aluguel no Bairro Barra do Rio Cerro com o irmão Adair, 35 anos, e a esposa dele, Angelita, 34.

No sábado, os irmãos foram a Salete para visitar os pais Sebastião e Marlene, e levaram Angelita e as crianças. Depois do almoço de domingo, decidiram voltar. Mas quando estavam no km 7 da SC-418 em Pomerode, foram atingidos de frente pelo Tucson que vinha no sentido contrário. Os cinco ocupantes do Corsa e o motorista do Tucson, Marcos Konel, 39 anos, morreram.

Além das seis vidas, o acidente interrompeu uma história de reconciliação que estava por surgir. Dias atrás, Ademar e Nair admitiram não resistir à saudade causada pela separação e planejaram a volta para domingo que vem. Era o dia em que Nair retornaria para Jaraguá do Sul. O casal seu uniria para comemorar, em junho, o nascimento de Maria Vitória.

Ontem, Nair e os pais de Ademar e Adair estavam inconsoláveis pela perda repentina dos familiares. Adair, Ademar, Thiago e Tarsila foram velados na Casa Mortuária Municipal de Salete. O local recebeu amigos e parentes distantes comovidos pela perda. O enterro ocorreu às 17h30min, no cemitério municipal.

Os quatro foram transportados do IML de Blumenau para o Alto Vale ainda na madrugada de ontem. Apenas o corpo de Angelita Aparecida Carneiro, de 34 anos, permanecia ontem à noite no IML, aguardando a identificação de familiares do Paraná, que ainda não haviam chegado.

 

 

Nevoeiro atinge o Estado

O nevoeiro nas primeiras horas de ontem, em várias cidades do Estado, que chegou a fechar os aeroportos de Joinville e Navegantes, deve se repetir hoje no mesmo período, mas com menos força.

A dica para quem irá viajar hoje é ligar para a companhia de aviação ou para o aeroporto para se informar antes. Pela estrada, a recomendação é a mesma. Neste caso, os motoristas que irão trafegar por rodovias federais podem ligar para o 191 da Polícia Militar Rodoviária.

– Mas não há como prever onde estará mais forte e em qual horário do dia. O certo é que ao amanhecer de terça-feira ele poderá ser visto em todo o Estado – explica a meteorologista do Epagri/Ciram Noeli Brito.

Outro fenômeno que chamou a atenção no Estado ontem foi a ressaca, que deve prosseguir até amanhã. As ondas chegaram a três metros e o mar avançou sobre calçadas, ruas, casas e trouxe muito lixo e entulho.

Em Itajaí, a Praia de Cabeçudas foi a mais atingida pela força do mar. Durante a tarde, agentes de trânsito chegaram a bloquear a passagem de veículos pela beira-mar devido ao avanço da água e areia sobre a pista.

Na Praia Central, em Balneário Camboriú, a água chegou a bater na mureta de proteção, mas não atingiu a Avenida Atlântica. Em Barra Velha, o mar invadiu ruas, trazendo muita lama e entulhos, como galhos e madeira. Em São Francisco do Sul, na região da Enseada, o mar tomou toda a faixa de areia e por pouco não atingiu a calçada. Em Itapoá, o mar revolto não chegou a causar danos nas ruas e calçadas. Invadiu apenas a faixa de areia da extensa orla da cidade.

 

Mulher fura blitz e atropela um agente

Uma mulher atropelou um agente de trânsito da Conurb, em Joinville, ao furar uma blitz quando seguia por uma rua do Bairro Bucarein. Segundo a Polícia Militar, a motorista cortou a frente de um carro que passava pela blitz, desacatou um sargento e desobedeceu à ordem de parada. Ela teria avançado o carro contra o policial, que se esquivou, e o agente de trânsito Roberto Budal, que foi atingido. Ele foi levado ao hospital e liberado. A mulher foi detida e poderá ser enquadrada nos artigos 303 e 305 do Código de Trânsito Brasileiro, que preveem pena de seis meses a dois anos de prisão.

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Caixas eletrônicos

 

Dupla usa maçarico em arrombamento

Alvo da vez foi um equipamento em Capivari de Baixo, no Sul do EstadoDepois de quatro tentativas anteriores sem sucesso, bandidos conseguiram arrombar o caixa eletrônico do Banco do Brasil no Centro de Capivari de Baixo, no Sul de Santa Catarina.

A Polícia Civil já analisou as imagens e está investigando o caso, que aconteceu na manhã do último domingo. O valor levado pelos bandidos ainda não foi divulgado.

De acordo com o chefe do setor de investigação da delegacia de polícia de Capivari de Baixo, Márcio de Souza, as imagens mostram quando dois homens chegam em uma motocicleta, por volta de 8h40min, e descarregam um tubo de oxigênio e um maçarico pequeno. A dupla sai da agência depois de 30 minutos.

Neste intervalo, as imagens registram a chegada de três clientes, que ignoram a ação. O último deles é barrado e chega a ser subornado pelos criminosos. Um dos assaltantes retira um punhado de dinheiro e entrega ao cliente, que sai sem avisar a polícia.

O quarto homem a entrar na agência durante a ação dos bandidos é um militar sem farda, que chama os policiais. Eles viram no local “apenas um pequeno buraco, que mal cabe uma mão”, detalha Souza.

Depois de analisadas ainda no interior da agência, a Polícia Civil deve requisitar o vídeo gravado pelas câmeras de monitoramento. A Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) está recebendo as informações e pode ser acionada também.

– A ação poderia ser mais rápida se o primeiro cliente tivesse chamado a polícia, mas o cidadão tem medo de se comprometer, e isso prejudica o nosso trabalho.

Como a cidade tem uma população de aproximadamente 22 mil habitantes, o cliente que recebeu dinheiro foi facilmente identificado e localizado. Os policiais recolheram R$ 140 que estavam com ele.

As três primeiras tentativas de arrombamento ocorreram em 2011. A ação mais recente foi em 21 de abril, quando um policial militar de folga chegou à agência e frustrou o assalto.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Gangue da motocicleta

 

Quatro detidos em Lages

A Polícia Civil, com auxílio da Polícia Militar de Lages, prendeu, na manhã de ontem, quatro pessoas que fariam parte de uma quadrilha que vinha praticando assaltos em pequenos estabelecimentos de Lages. Além das prisões, foram apreendidos vários produtos e três motocicletas.

A operação foi chamada de Gangue da Motocicleta, pois todos os envolvidos utilizavam-se do meio de transporte para assaltar. A Polícia Civil já investigava a quadrilha há alguns meses. Silvano Garcia de Oliveira, 28 anos, que seria o comandante do grupo, já havia sido preso.

Além dele, foram presos Bruno Janssen Bareta, 22 anos, e Cristiano Pimentel Portela, 19. Dois adolescentes que fazem parte da quadrilha também foram apreendidos. Os cinco são moradores dos bairros Caravagio e Ferrovia e foram presos em casa.

O pai de Silvano, Joaquim Hélio de Oliveira Motta, 56 anos, também foi preso em flagrante e, em sua mercearia, a polícia encontrou cigarros contrabandeados e uma espingarda calibre 22 sem registro.

Nas casas, a polícia ainda apreendeu vários maços de cigarros, motos, celulares, capacetes, motosserras e máquinas furadeiras.

Segundo o delegado Márcio Schutz, os detidos seriam levados ao Presídio Regional de Lages, e os adolescentes, para um centro socioeducativo.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Celular na cadeia

 

Transação penal paga bloqueador

Por proposta do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), R$ 15 mil obtidos a título de transação penal foram utilizados para a aquisição de sistema de bloqueio de telefonia celular no Presídio Regional de Caçador, no Meio-Oeste.

Desde a implantação dos bloqueadores, em 28 de novembro passado, não foi registrada nenhuma apreensão de aparelho celular, o que antes ocorria rotineiramente.

Segundo o promotor de Justiça Jadson Javel Teixeira, titular da 3a Promotoria de Justiça da Comarca de Caçador – com atribuição na área da execução penal e do juizado especial criminal –, para adquirir o sistema e respectivos aparelhos foi necessário acumular 25 transações penais.

De acordo com Teixeira, a opção para o investimento no sistema foi proposta em função das carências do presídio local, que conta com poucos funcionários e logística insuficiente para impedir a constante entrada de celulares, tornando rotineiras as apreensões pelos agentes penitenciários.

Após a instalação do sistema de bloqueamento, conforme Teixeira, o índice de apreensão de celular no presídio reduziu 100% – não foi encontrado nenhum aparelho nas operações “pente fino”.

– A instalação fez diminuir o número de faltas graves cometidas pelos apenados e o número de processos instaurados para apurá-las. Fez, ainda, com que os apenados deixassem de ter acesso indevido ao mundo exterior – afirmou o promotor.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Caso ferro-velho

                                                                   

Deic revela hoje lista de indiciados

Os delegados Alexandre Carvalho e Rodrigo Green pretendiam finalizar ainda ontem à noite o relatório final da investigação sobre o desvio de peças do complexo administrativo da Secretaria da Segurança Pública (SSP), em São José, na Grande Florianópolis.

A relação dos indiciados ainda não foi divulgada pelos policiais, que são da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) da Capital. Eles prometem entregar o resultado da investigação ainda hoje. O relatório do inquérito deve ser enviado à tarde para o Fórum de São José.

Pelo menos seis pessoas figurariam entre os indiciados pelo desvio de motores e fraude na licitação, que previa destinação de sucata do complexo para trituração e reciclagem em uma empresa multinacional do Rio Grande do Sul.

O material acabou sendo encontrado em um ferro-velho de Joinville, no final do ano passado, onde seria comercializado. As peças foram devolvidas. O contrato com a multinacional está suspenso. Em sindicância interna, a SSP concluiu que houve irregularidades e afastou os integrantes da Comissão de Leilões do Detran.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Crimes e ocorrências

 

Duas meninas sofrem abuso em hospital

A Polícia Civil gaúcha prendeu, na madrugada de ontem, em Porto Alegre, um homem suspeito de invadir o quarto de um hospital público infantil e abusar sexualmente de duas meninas – uma de seis e outra de 11 anos – que estavam internadas.

Segundo o Hospital da Criança Conceição, onde aconteceu a prisão, o funcionário de uma empresa terceirizada que atua no local aproveitou que a mãe de uma das pacientes estava no banheiro para cometer o crime.

Ao voltar ao quarto, a mãe encontrou o funcionário com as duas meninas, que contaram a ela o que o homem havia feito. O funcionário, que não teve o nome divulgado, foi detido com a ajuda de seguranças do local. Ele tem 31 anos e trabalhava havia 20 dias na empresa.

 

PM prende suspeito de estelionato no Norte

A Polícia Militar de Jaraguá do Sul, no Norte do Estado, prendeu, na tarde de ontem, um homem suspeito de praticar estelionato na cidade. Ele foi indiciado por sete golpes envolvendo a venda de carros. Segundo a polícia, o homem enganava pessoas que queriam vender veículos que ainda não estavam totalmente pagos. Ele forjava um documento de quitação das parcelas e apresentava ao dono, que transferia o carro, mas continuava com a dívida. O suspeito já tinha sido indiciado no ano passado, mas foi solto por falta de provas. A pena varia de um a cinco anos de prisão.

 

Dupla invade festa e é morta

Os corpos dos dois assaltantes mortos durante um assalto a uma casa em Piçarras, no Litoral Norte, foram levados, ontem, para Guarapuava (PR). Eles foram identificados como Anildo Keche, 29 anos e Edson Luis de Souza, 32.

Segundo a Polícia Militar, os dois homens teriam invadido uma festa, às 21h de sábado, numa casa no Bairro Norte, e anunciado o assalto. Os bandidos, armados de revólver e pistola, renderam alguns convidados.

Um PM, que estava de folga no local, teria feito os disparos. Os dois chegaram a ser atendidos, mas não resistiram aos tiros.

O delegado Rodolfo Farah, que assumiu o caso, ainda não ouviu o PM.

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Segurança

Assunto: Escola depredada

 

Alunos de escola depredada retomam às aulas nesta terça-feira

Unidade escolar na Barra da Lagoa sofreu ações de vandalismo na tarde de domingo. Polícia investiga o caso

Os 560 alunos da Escola Básica Acácio Garibaldi São Tiago, na Barra da Lagoa, retornam as aulas hoje. Ontem, o dia foi dedicado a limpeza e conserto das instalações depredadas por vândalos, no domingo. Vidros, portas, telefone público, sistema de alarme e quadro destruídos em plena luz do dia. O levantamento inicial é que a brincadeira de mau gosto custou R$ 4 mil para a instituição. A polícia investiga o caso.

A diretora da escola, Luciane Machado de Oliveira, contou que o vigia percebeu o ato de vandalismo por volta das 19h do domingo, quando chegava para o trabalho. Durante o dia não há vigilância.

A polícia ainda não sabe quantas pessoas passaram à tarde no interior do colégio. Para Luciane, o prejuízo poderia ser maior. “Eles ligaram a iluminação de Natal e deixaram a água escorrendo. A intenção era colocar fogo na escola”, avaliou a diretora. Os estudantes da unidade não puderam ver os estragos. A direção permitiu apenas a entrada dos pais.

As aulas foram canceladas durante o dia. No período da noite, a unidade é cedida ao governo do Estado. São 260 estudantes no ensino médio. Essa foi à segunda ocorrência na escola neste mês. Há 15 dias, o vestiário foi arrombado. Os criminosos furtaram o material esportivo utilizado nas aulas de educação física e inutilizaram a câmera de segurança do prédio.

Policiais civis estiveram na unidade durante à tarde para iniciar a investigação. A diretora acredita que alunos e ex-alunos sejam responsáveis pelo vandalismo. “Temos alguns estudantes complicados. Agora, estamos inseguros”, disse.

A Escola Básica Acácio Garibaldi São Tiago tem vigilância patrimonial apenas durante a noite. Segundo a diretora Luciane Machado de Oliveira, ampliar o horário de atendimento é uma reivindicação antiga. Amanhã, às 8h30, professores, pais e alunos pretendem realizar uma passeata, pedindo mais segurança à Secretaria Municipal de Educação.

Segundo a polícia, os moradores do entorno da unidade não presenciaram o ato de vandalismo. Os autores da depredação entraram pelos fundos da unidade. Luciane explica que os pais ficaram chocados com a atitude.  “Nossa escola é aberta  à comunidade. Atendemos também pais e irmãos dos nossos alunos. Só precisamos de alguém no domingo, que é o único dia livre”, avaliou

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Hélio Costa

Assunto: DPs para adolescentes

 

Governador deve se manifestar sobre criação de cinco DPs para adolescentes

Não adianta cumprir apenas a “pauta”. Faltam investimentos nesta área. Para que construir delegacia se não há local para abrigar os garotos?

Delegacia de Menores

O governador Raimundo Colombo deve se manifestar hoje sobre a proposta da Procuradoria-Geral de Justiça de criar cinco delegacias especializadas no tratamento ao adolescente: três na apuração de crimes praticados contra crianças e adolescentes em Florianópolis, Joinville e Chapecó; e outras duas para investigar atos infracionais cometidos por adolescentes, em Florianópolis e Joinville. A iniciativa do Ministério público é excelente. Agora, o governo não deve apenas “cumprir a pauta”.  Também terá que abrir este leque de políticas sociais voltada aos menores.  Não adianta o Estado construir delegacias para investigar e apreender adolescentes, se não oferece estrutura para investir na ressocialização.  Depois que o São Lucas foi implodido, no final do ano passado, muitos garotos de Florianópolis em conflito com a lei estão sendo encaminhados à Casa Lar. A Casa Lar foi feita para abrigar apenas vítimas, mas nunca infratores.

 

 

ACONTECEU NA ALESC

 

 

Dos Gabinetes – Eskudlark afirma que o problema da segurança não está na polícia e sim na legislação

Continuando o roteiro de audiências públicas sobre a segurança pública no estado de Santa Catarina, a região serrana esteve em debate na noite de quinta-feira (17), na Câmara de Vereadores de Lages. Apesar da baixa presença do público, muitos assuntos foram abordados no encontro que teve a participação dos deputados Maurício Eskulark (PSD), Gilmar Knaesel (PSDB), Elizeu Mattos (PMDB) e Sargento Amauri Soares (PDT).

Um dos maiores incentivadores para a realização destas audiências no estado, o deputado Maurício Eskudlark, membro da comissão de segurança pública, destacou que as reuniões em geral têm mostrado que existe falta de efetivo, mas que este não é o real problema da segurança em Santa Catarina. “Sabemos que precisamos fazer mais concursos, remunerar melhor o nosso policial, mas mesmo nessa situação temos os menores índices de criminalidade do Brasil, graças a nossa polícia que é eficiente, bem equipada e muito preparada, temos visto que nosso maior problema é a legislação”.

Eskudlark, que foi chefe da polícia civil e delegado durante mais de 30 anos, destacou que infelizmente a polícia prende os bandidos, mas que no dia seguinte eles estão nas ruas cometendo os mesmos delitos. “Se a lei realmente fosse cumprida não teríamos problemas, e o mais assustador é que ao invés de ser mais rigorosa existem projetos para afrouxar a lei, infelizmente para alguém permanecer preso precisa cometer vários delitos ou algo muito grave”, concluiu o deputado.

 

 

MÍDIAS DO BRASIL

 

 

Veículo: Portal G1

Editoria: Geral

Assunto: Casos de abuso sexual

 

País tem poucas salas especiais para ouvir crianças vítimas de estupro

Apesar de recomendação de 2010 do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) para a instalação de salas especiais para ouvir crianças vítimas de abuso sexual, existem atualmente no país pouco mais de 70, segundo dados da organização Childhood Brasil obtidos pelo G1.

Tribunais absolvem acusados de sexo com menor, apesar de nova leiTJ-SP absolve homem de estupro porque menino de 13 anos consentiuProposta para mudar estupro na lei ‘chama coisa pelo nome’, diz relatorDe acordo com a ONG, Minas Gerais e Rio de Janeiro ainda não possuem nenhuma sala. O Rio Grande do Sul, pioneiro na experiência no país, com a primeira sala especial instalada em 2003, ainda possui a maior parte: 50% do total.

Segundo a recomendação 33 do CNJ, de novembro de 2010, os tribunais foram orientados a implementar “sistema de depoimento videogravado”, em ambiente separado da sala de audiência e com a participação de profissional especializado para atuar nessa prática.

Conforme os dados da ONG, o número de salas especiais vem crescendo, mesmo que lentamente. Em 2011, eram 43. O levantamento da organização com os dados de 2012 ainda está sendo finalizado. “Esse número deve ser um pouco maior, estamos levantando. Só São Paulo tem previsão para instalar mais 25 salas em 2012”, afirma Itamar Gonçalves, gerente de programas da Childhood Brasil.

No domingo (20), a apresentadora Maria da Graça Meneghel, a Xuxa, afirmou, em depoimento no quadro “O que vi da vida”, do Fantástico, que sofreu abusos sexuais até os 13 anos de idade. Emocionada, disse que luta para que “nenhuma criança sofra” algo parecido. O desabafo da apresentadora, que participa de uma campanha contra o abuso sexual de crianças, fez com que a discussão sobre o assunto voltasse à tona.

 

Como funciona

Na sala especial, a vítima menor é interrogada apenas por uma psicóloga, que fica com um ponto eletrônico no ouvido. Cada estado possui uma estrutura própria. Alguns realizam a oitiva com um assistente social. Em Pernambuco, por exemplo, as crianças são ouvidas por pedagogos.

As perguntas são feitas e acompanhadas de outro local, por promotor, juiz e advogados. A ideia é que tudo ocorra em tempo real, com a transmissão por meio de microfones, câmera de vídeo e um monitor de televisão. “Não é somente o espaço, tem toda uma dinâmica, um método para receber a criança. Tem cartilha para a família”, explica Gonçalves. “A criança tem direito à voz e fala. Para garantir isso como um direito humano, temos que fazer de forma protegida.”

Sala do juiz e sala especial no Fórum Criminal Ministro Mário Guimarães, na Barra Funda, capital paulista; o sistema de transmissão informatizado ainda não foi instalado, por isso, as duas salas ainda não estão ligadas (Foto: Raul Zito/G1)No Rio Grande do Sul, a experiência começou com o nome de “depoimento sem dano”, que depois foi padronizado pelo CNJ como “depoimento especial”. “Sem dano nunca foi, por mais que se tome cautela, quando se toca em determinados assuntos com crianças vitimadas, sempre algum dano acontece. Por isso a mudança de nome”, afirma o desembargador Antonio Carlos Malheiros, coordenador da Infância e Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo. “O que a gente quer é diminuir o máximo possível o sofrimento dela.”

 

‘Juiz não é preparado’

Para isso, afirma o desembargador, a intenção do TJ de São Paulo é instalar o equipamento em todas as varas do estado, que conta hoje com quatro instalados: no Fórum Barra Funda, na capital paulista, e nas Varas de Infância de Atibaia, Campinas e São Caetano do Sul. “É uma pretensão nossa, os recursos viriam do governo federal, que aprova esse projeto”, diz Malheiros.

“Para nós todos esses equipamentos são importantíssimos. Dependendo do juiz, pode assustar a criança. O juiz não é preparado. Vai ter juiz, por exemplo, que ao falar de uma penetração que a criança teve, é capaz de perguntar isso na lata. Aquela ferida que já está mal cicatrizada se abre. Porque na verdade a criança vai ter a marca disso o resto da vida. Não tem remédio”, completa.

Na Barra Funda, no entanto, o sistema ainda não está funcionando. O G1 foi até o fórum conhecer a sala especial (foto abaixo), que está no 1º andar junto à Vara de Violência Doméstica. O recinto já possui brinquedos, mas, por enquanto, serve apenas para um interrogatório não informatizado, feito pela psicóloga.

.

Criança mais segura

Para juízes que já colocam em prática a experiência, o depoimento especial ajuda a diminuir o trauma das vítimas e também contribui para a tomada de decisões mais justas nos processos envolvendo o estupro de vulnerável.

“O depoimento especial foi muito importante, porque com a mediação de um profissional, um psicólogo, humaniza mais o depoimento, a criança fica mais à vontade, num ambiente mais próprio, se sente mais segura. Sem prejuízo da segurança jurídica”, afirma o juiz Romário Divino Faria, titular da 2ª Vara da Infância e da Juventude de Rio Branco, no Acre.

O depoimento especial existe na Vara desde 2010. Segundo o juiz, a técnica envolve um processo de aproximação da criança, por exemplo, abordando aspectos de sua vida, para deixá-la à vontade. Ela é ouvida por uma psicóloga em uma sala com decoração lúdica, monitorada por equipamentos de som e imagem.

Se a criança não consegue contar o que houve, a psicóloga também utilizada instrumentos auxiliares, como fantoches e bonecos. “No ambiente formal, a criança fica inibida, não tem muita espontaneidade na fala”, afirma o juiz.

Sala especial já funciona na Vara de Infância e Juventude de Rio Branco, no Acre (Foto: Divulgação/TJ-AC)“Muitas delas não conseguiam falar da violência sofrida. Já com o método do depoimento especial, teve caso que foi submetida a novo depoimento, já teve mais espontaneidade e revelou o abuso”, diz o magistrado. “Desde então já foram feitos centenas de depoimentos com bastante sucesso.”

 

Por que a Justiça?

O representante da Childhood afirma que a organização decidiu encampar a instalação das salas junto ao Judiciário depois de constatar, em um estudo feito em 2007, que uma criança era ouvida em média 7 vezes em um processo judicial –sem incluir os depoimentos anteriores, como os feitos à polícia e ao Conselho Tutelar.

Segundo Gonçalves, nesse quesito “o Brasil está bastante atrasado em relação aos outros países”. “Os EUA têm uma experiência de quase 30 anos”, afirma.

 

Salas especiais no Brasil em 2011

 Sul

 25 (Paraná e Rio Grande do Sul)

 Sudeste

 7 (São Paulo e Espírito Santo)

 Nordeste

 6 (Rio Grande do Norte, Pernambuco, Sergipe, Ceará, Maranhão e Paraíba)

 Centro-Oeste

 3 (Distrito Federal, Goiás e Mato Grosso)

 Norte

 2 (Acre e Pará)

 

Total

43 (23 apenas no RS)

Fonte: Childhood Brasil 2011

 

“No entanto, desde 2010 essa questão vem ganhando uma dimensão nacional, principalmente, depois da recomendação do CNJ. O que tem não é suficiente. Todas as Varas de Infância deveriam ter, pelo menos, uma sala”, completa.

“Se para um adulto já é difícil, para uma criança essa situação é muito pior. Um espaço frio, sisudo, na frente de adultos que ela não conhece. Elas acabavam desistindo. Diziam que tinham mentido”, afirma. “A apresentadora Xuxa levou mais de 40 anos para revelar um caso desses. Imagine uma criança comum.”

Estudo do CNJ em parceria com o Ipea mostra que apenas 64 das 2.682 comarcas do país possuíam Vara exclusiva da Infância e Juventude até julho de 2010. Segundo publicação da ONG, a entrevista de crianças de forma protegida em salas especiais é aplicada em 28 países.

 

Casos extremos

Levantamento do G1 junto às decisões de segunda instância de todo o país em casos de estupro de vulnerável, ou seja, vítimas menores de 14 anos, mostra que juízes nem sempre estão preparados para interrogar crianças.

Em Campinas, um juiz chega a ser advertido por um desembargador sobre o modo como interrogou uma menina de 11 anos, que acusava um homem de 64 de molestá-la. “(…) advertiu-a [a vítima] diversas vezes, além de utilizar termos chulos com a garota”, escreveu o relator do caso, Silmar Fernandes.

O desembargador transcreveu parte das perguntas feitas pelo juiz: “Ele queria que você pusesse a boca no p… dele? ‘L: Não.’ (…) Ele chegou a por o p… pra fora da calça dele?” O réu estava em regime semiaberto, mesmo condenado a pena de 8 anos, quando a regra é o inicial fechado. O nome do juiz não aparece na decisão.

 

Silêncio

Outros depoimentos de vítimas mostram dificuldade ainda maior do que o constrangimento e o medo de denunciar nesse tipo de interrogatório. Em São Paulo, uma menina de 11 anos tentou dizer à mãe que havia sido vítima do tio, mas apenas sua professora conseguiu entendê-la. A menina era deficiente auditiva e tinha dificuldade na fala.

Eu falava para ele parar, que eu ia contar pra minha tia, aí ele falava para eu não contar, porque senão a minha tia ia separar dele. Eu não contava na hora, porque eu ficava com medo da minha tia separar dele e ficar triste”Criança de 10 anos, vítima de estupro em processo no TJ do Distrito FederalNo depoimento ao juiz, ela foi auxiliada por uma intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais). Segundo o processo, ela disse que sua tia entrou no quarto, viu a cena, brigou com o acusado, mas não fez nada, pedindo para que ela ficasse quieta.

“Ao voltar para casa chorava muito e contou para sua mãe, mas não conseguia se expressar direito e sua mãe não entendia a linguagem de sinais; afirmou que o réu usou de violência física para segurá-la e o lençol ficou sujo de sangue”. O homem foi condenado a 10 anos, 10 meses e 20 dias de reclusão.

Em outros casos, os depoimentos foram cruciais para condenar o réu. Em Samambaia, Distrito Federal, o depoimento de uma criança de 10 anos ajudou a condenar seu tio a 6 anos de reclusão. “Eu falava para ele parar, que eu ia contar pra minha tia, aí ele falava para eu não contar, porque senão a minha tia ia separar dele. Eu não contava na hora, porque eu ficava com medo da minha tia separar dele e ficar triste”, disse a menina ao juiz.

Procurado pelo G1, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais informou que ainda não possui sala especial e, até a publicação desta reportagem, não informou se há previsão para a instalação. O TJ do Rio de Janeiro informou, por meio de nota, que está providenciando o espaço, recursos materiais e pessoais para implementar o serviço, mas que é preciso fazer licitações para compra de material e pessoas qualificadas e treinadas para este fim.