Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 20 de setembro

20.9.2012

 

CLIPPING

20 de setembro 2012

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Gerais

 

Susto no Morro da Lagoa

Um caminhão tombou na descida do Morro da Lagoa, na tarde de ontem, em Florianópolis. De acordo com informações dos Bombeiros, o veículo atravessou a pista e caiu em um barranco.

Os dois ocupantes do veículo não sofreram ferimentos graves e foram atendidos pelo Samu no local do acidente. Por causa do trabalho de remoção do veículo, feita com guindaste e com previsão de acontecer nesta noite, houve formação de filas no trânsito desde o Bairro Itacorubi, segundo informações da Polícia Militar Rodoviária. Ninguém ficou ferido.

 

Fogo se alastra e assusta

Morador pretendia apenas queimar galhos secos de eucaliptos, mas o vento espalhou as chamas

A pratica corriqueira de queimar lixo em um terreno por pouco não provocou um incêndio de grandes proporções ontem, em Joinville. Um morador do Bairro Itinga, que havia feito o corte de eucaliptos colocou fogo em alguns galhos secos.

O que ele não imaginava é que o fogo se alastraria com o vento, de maneira alarmante. Em pouco tempo, toda a vegetação rasteira, numa área de 2 mil m² foi queimada. Os bombeiros foram acionados para controlar as chamas e evitar que o fogo pudesse atingir a mata ou residências vizinhas.

A Fundação Municipal de Meio Ambiente (Fundema) também foi chamada. De acordo com a Fundema, o morador foi notificado e multado em R$ 985,70.

De acordo a coordenadora de fiscalização da entidade, Luciele Saragossa, as queimadas são responsáveis por 60% das denúncias que chegam à Fundema.

O problema é tão frequente que motivou um cidadão a iniciar uma campanha. Cansado de ver moradores do bairro Petrópolis, onde mora, queimarem lixo em seus terrenos, Agnaldo Augusto Xavier começou a campanha de conscientização. Ele investiu na impressão de 800 panfletos, que estão sendo distribuídos na vizinhança, e já planeja expandir a ação, com apoio de patrocinadores, para outros bairros da cidade onde a prática é comum.

 

Adolescente desaparece no mar

Barco com 11 pessoas a bordo vira e 10 tripulantes são resgatados três horas após o acidentes. Buscas pelo garoto seguem hoje

Muita pessoas acompanharam nas praias de Passo de Torres, no extremo Sul, e Torres, no Rio Grande do Sul, as buscas por Lucas Rocha dos Santos, 17 anos, que desapareceu no mar após o naufrágio do barco pesqueiro Kailany na madrugada de ontem.

Outros 10 pescadores conseguiram se salvar depois de serem resgatados por outra embarcação. O barco onde estava o adolescente, que fazia a primeira viagem ao mar, saiu de Passo de Torres na manhã de terça-feira. Apesar do temporal e vento forte que atingiu parte do RS e SC, os tripulantes asseguram que havia segurança para a viagem. Por volta das 3h30min uma onda atingiu o Kailany que virou e jogou ao mar seus 11 tripulantes.

– O mar estava calmo – conta Alexandre Marques, proprietário da embarcação.

 

 

ENTREVISTA: Lucimar Dutra Severo, padrasto de Lucas

O pescador Lucimar Dutra Severo segurou o enteado Lucas por 45 minutos, até não ter mais forças, soltando o adolescente.

 

Diário Catarinense – Como aconteceu o naufrágio?

Lucimar – Fomos pegos de surpresa, o mar estava calmo e o barco virou. Acho que foi uma onda. Foi uma fatalidade.

 

DC – O que vocês fizeram quando a embarcação virou?

Lucimar – Depois que caíamos na água voltamos ao redor do barco, que ficou com o casco para cima. Segurei o Lucas, que é um filho para mim pois criei ele desde os sete anos, por uns 45 minutos, mas depois não tive mais forças.

 

DC – Qual foi o pior momento?

Lucimar – Foi quando ele escapou e gritou para mim “pai, por favor, não me deixa morrer”. Por mais anos que possam se passar nunca mais vou esquecer ele falando.

 

DC – O senhor tem esperanças dele ser encontrado vivo?

Lucimar – Nenhuma esperança, meu filho está morto e sei disso. Só quero o corpo dele de volta.

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assunto: Caso diário de Classe

                 Programa Crack

                 Salário policiais civis

 

DIÁRIO DA CLASSE

A OAB/SC está nomeando um observador no caso da menina Isadora Faber, que criou o Diário da Classe e que foi chamada para depoimento em uma delegacia de Polícia. Segundo o vice-presidente, Márcio Vicari, é no mínimo surpreendente o fato de terem convocado uma menor de idade para depor em uma delegacia que não a da Proteção à Infância e Adolescente.

 

EPIDEMIA DA PEDRA

Números apresentados durante reunião do programa Crack, é Possível Vencer, do governo federal, mostram que 98% dos menores infratores em SC (cerca de mil adolescentes) e 75% dos apenados (17 mil pessoas) têm envolvimento com drogas. O crack assumiu características de epidemia. Na área da Segurança Pública, 80% dos crimes de furto e roubo são praticados para sustentar o vício da droga. Santa Catarina aderiu ao programa no mês passado e a coordenação é da SSP.

 

PANELA DE PRESSÃO

Movimento dos policiais civis que brigou por melhorias salariais no ano passado promete voltar com força. Amanhã à noite, o Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) discute a mobilização durante jantar no Iate Clube, na Capital.

Aguardam do governo resposta sobre a compactação das classes. Vão analisar a atual conjuntura da PC, definir a eleição da nova diretoria do Sinpol e a velha proposta de unificação dos sindicatos da categoria.

 

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Feriado no RS

 

 

Previsão de pouco movimento em SC

Fluxo no trecho Sul da 101 aumenta, mas deve ficar abaixo do 7 de setembro

O movimento no trecho Sul da BR-101 em Santa Catarina começou a se intensificar na noite de ontem. No entanto, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) do Rio Grande do Sul não aposta em um grande fluxo de carros em direção às praias catarinenses, ao contrário do que ocorreu no feriado de 7 de Setembro. Hoje, aniversário da Revolução Farroupilha, é feriado no RS.

Apoiado em dados do pedágio da freeway de Santo Antônio da Patrulha (RS), que até as 19h registrava 4 mil veículos em direção ao Litoral gaúcho, o inspetor João Antônio Brasil, do núcleo de comunicação social da PRF do Rio Grande do Sul, disse acreditar que o movimento será baixo rumo a Santa Catarina.

– Está bem menos do que o esperado. Acreditamos que muita gente não terá feriadão ou não irá viajar para a praia – disse.

 

PRF catarinense não terá operação especial

Sem estimativa de quantos veículos devem se deslocar para Santa Catarina, a PRF catarinense não organizou operação especial para o feriado estadual gaúcho.

O chefe da comunicação social da polícia rodoviária federal em Santa Catarina, Luiz Graziano, ressalta que os postos de Araranguá, Tubarão, Paulo Lopes e Palhoça trabalham normalmente, com um efetivo de três ou quatro policiais e duas viaturas em cada trecho:

– Não temos uma previsão de quantos veículos devem vir, mas não acreditamos que tenha o mesmo movimento de 7 de setembro. Deve ser bem mais tranquilo.

Na noite de ontem, os pontos de maior lentidão foram registrados no km 330, em Tubarão, no Sul do Estado, onde há um estreitamento de pista; próximo à ponte de Laguna, também no Sul, onde a fila chegou a cerca de 10 quilômetros; e em Paulo Lopes, na Grande Florianópolis, onde a carga de um caminhão acidentado pela manhã ficou espalhada pela pista durante todo o dia, gerando 12 quilômetros de congestionamento.

 

 

FERIADO NO RS

Tráfego fechado no Lote 29

A passagem de veículos pelo lote 29 da rodovia BR-101, altura do km 434, em Sombrio, Sul de SC ainda não foi liberada. O trânsito nos dois sentidos está passando por um desvio lateral. A liberação das duas pistas com duas faixas de rolamento cada deve acontecer no final da tarde de amanhã. A informação é da assessoria de imprensa do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

O atraso na liberação, segundo a assessoria, aconteceu por causa da chuva que caiu em Santa Catarina ontem e anteontem.

O lote 29 está passando por obras de duplicação. O trecho começa em Araranguá e termina em Sombrio, no Sul de SC. São 26 quilômetros que começam no km 411 e seguem até o km 437. Uma passagem de pedestre está em construção na altura do km 434. Segundo a assessoria do Dnit, a passagem está pronta e falta sinalizar.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o trânsito no lote 29 estava lento ontem de manhã, intenso à tarde e fluindo normalmente no início da noite até o fechamento desta edição.

Os principais trechos normalmente lentos na BR-101 estavam com trânsito normal, às 22h de ontem. Segundo a PRF, fora a carreta que tombou em Paulo Lopes, de manhã, nenhum acidente grave foi registrado ontem na rodovia. A PRF estima que o movimento na BR-101 deve aumentar um pouco hoje de manhã, a partir das 7h, por causa do feriado no Rio Grande do Sul.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Moacir Pereira

Assunto: Ação contra Carlinhos Cachoeira

                

 

Holofote

O ministro catarinense Jorge Mussi acaba de receber um dos mais polêmicos e pesados processos criminais desde que assumiu vaga no Superior Tribunal de Justiça (STJ). A partir desta semana é o relator da ação contra o poderoso Carlinhos Cachoeira, processo que estava com ministro Gilson Dipp. Mussi já relata, também, o processo de Fernandinho Beira Mar.

 

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Segurança

Assunto: Operação Catimbó

 

 

Dez réus são condenados

Três joinvilenses seriam, conforme denúncia, os comandantes de uma rede internacional de tráfico

A investigação do esquema que teria articulado uma ponte aérea clandestina entre o Brasil e a Bolívia para promover um negócio milionário no tráfico internacional de drogas garantiu a condenação de 10 acusados presos na Operação Catimbó, da Polícia Federal (PF).

Entre os réus, apontados como membros do núcleo principal do grupo, estão os joinvilenses Lourival Pires Ribeiro e seu filho Robson Pires Ribeiro, além do empresário Jideon Pereira Simas, que chegou a manter negócios com uma escolinha de futebol na zona Norte de Joinville.

Somadas, as penas deles e dos outros sete acusados totalizam 164 anos de prisão. As prisões do grupo ocorreram em junho do ano passado, quando a Polícia Federal divulgou detalhes da ação que apreendeu mais de uma tonelada de cocaína em fazendas do Mato Grosso – o produto renderia cerca de R$ 10 milhões.

Conforme a PF, não há notícia de joinvilenses envolvidos em outros esquemas do mesmo porte até hoje. A denúncia indica que Lourival controlava fazendas no Mato Grosso, por onde a droga chegava em aviões vindos da Bolívia. Depois, com o apoio do filho Robson, organizava a distribuição.

Jideon teria negócios de fachada para também financiar e lucrar com as ações, assim como outros acusados que pertenceriam a um segundo escalão no esquema. O terceiro escalação seria formado por quem transportava, escondia e armazenava as grandes quantidades de cocaína.

“Cabe destacar que Lourival e Robson não comprovaram o exercício de atividades lícitas compatíveis com o grande número de viagens e estilo de vida adotado para o período tratado na denúncia, entre maio de 2010 a junho de 2011”, observou o juiz federal Tiago do Carmo Martins na sentença.

Segundo palavras do juiz, “os réus formaram uma sofisticada associação especializada no crime de tráfico internacional de drogas em larga escala”. O documento foi publicado ontem. Todos os 10 réus terão o direito de apelar da sentença, mas apenas dois poderão recorrer em liberdade.

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Segurança

Assunto: Família Szczepanik

 

 

Começa hoje o julgamento nos EUA

A Justiça dos Estados Unidos começa a julgar, hoje, os acusados pela morte do empreiteiro catarinense Vanderlei Szczepanik, sua mulher Jaqueline – ambos de 43 anos – e o filho deles, Cristopher, de sete. Os réus Valdeir Gonçalves dos Santos, 31 anos, José Carlos Coutinho e Elias Lourenço Batista, todos eles brasileiros, trabalhavam para Szczepanik.

A família do empreiteiro desapareceu em dezembro de 2009, na cidade de Omaha, Estado de Nebraska. Oito meses depois, foi encontrado apenas o corpo do garoto Cristopher, após Valdeir confessar a participação nos crimes e apontar onde os corpos teriam sido jogados no Rio Missouri.

A confissão de Valdeir veio após um acordo com a promotoria, que desistiu de pedir a pena de morte dele. Quem corre o risco de pegar a pena capital é Coutinho, suspeito de ter planejado o crime.

O outro réu do processo, Elias Batista, teoricamente também corre este risco, mas, como ele foi deportado para o Brasil – a polícia não tinha, inicialmente, provas da participação dele nos crimes –, dificilmente seria executado. É que a Constituição Federal do Brasil proíbe a extradição de brasileiros para serem julgados em outros países.

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Segurança

Assunto: Crimes e ocorrências

 

Suspeito confessa o assassinato

Um homem suspeito de matar a florista Iva Justino Marcolino, 71 anos, na semana passada, em Criciúma, foi preso ontem no município de Sangão, no Sul do Estado, e confessou ter sido o autor do assassinato.

De acordo com o delegado Vitor Bianco, o suspeito, de 31 anos, foi preso pela Polícia Militar e, na Central de Polícia, admitiu o crime.

O homem – que vivia nas ruas e recebia ajuda constante de Iva – disse que foi até a floricultura para pedir dinheiro, mas, diante da negativa, pegou a bolsa da florista e tentou pegar à força qualquer quantia. Quando ela tentou fugir, o morador de rua golpeou a vítima na cabeça com uma machadinha. Foram mais dois golpes na cabeça até a florista morrer.

 

Homem teria cometido outro crime em Torres

O homem admitiu ter pegado R$ 300 e usado parte do dinheiro para tomar um táxi até Lauro Müller, também no Sul. Depois seguiu para Orleans, Braço do Norte, Tubarão, onde comprou drogas, e Sangão, onde acabou preso.

O acusado também é suspeito de um assassinato ocorrido em Torres. Ele foi encaminhado ao Presídio Santa Augusta, de Criciúma.

____________________________________________________________________________Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Segurança

Assunto: Policial do Bope é baleado na  mão

 

Policial do Bope é baleado na mão ao reagir a assalto na comunidade Chico Mendes, em Florianópolis

Assaltante era um adolescente de 17 anos, que também ficou ferido

Um policial do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) foi baleado na mão ao reagir a um assalto no início da manhã desta quinta-feira na comunidade Chico Mendes, em Florianópolis. Segundo a Polícia Militar o policial, que estava de folga, passava pelo local quando foi abordado pelo assaltante, por volta das 6h. O policial reagiu e foi baleado na mão.

 

O assaltante, um adolescente de 17 anos também ficou ferido: o policial conseguiu acertá-lo com um tiro nas nádegas. O policial foi levado para o Hospital Regional de São José e o adolescente para o Hospital Florianópolis.

____________________________________________________________________________Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Segurança

Assunto: Polícia Federal começa a investigar flagrante de tentativa de compra de votos em Joinville

 

 

 

Polícia Federal começa a investigar flagrante de tentativa de compra de votos em Joinville

Indícios de supostos crimes eleitorais motivaram promotoria a abrir inquérito. Candidato registra boletim de ocorrência contra o irmão

Três fatos decorrentes da veiculação de um flagrante de uma tentativa de compra de votos em Joinville ocorreram ontem. O candidato a vereador José Cardozo (PPS) registrou um boletim de ocorrência contra seu irmão e assessor, Airton Cardozo, que aparece em um vídeo tentando convencer uma produtora da RICTV Record – que se fez de interessada – a fazer parte do esquema. O flagrante foi registrado na tarde de terça-feira passada (11)

O diretório municipal do PSOL, por meio do presidente da sigla e candidato a prefeito Leonel Camasão, protocolou ontem à tarde na Justiça Eleitoral denuncia por abuso de poder econômico e compra de votos contra o candidato José Cardozo e seu irmão, Airton Cardozo.

A pedido do promotor da 19ª Zona Eleitoral de Joinville, Ricardo Paladino, um inquérito foi aberto na Polícia Federal, que também passa a investigar o caso como indício de crime eleitoral. O prazo para a conclusão das investigações é de 30 dias.

Após comprovada a denúncia, os envolvidos podem ser enquadrados por crime eleitoral e o candidato pode responder também por improbidade administrativa. Cardozinho é atualmente segundo suplente de vereador e já assumiu vaga de titular no Legislativo este ano. Caso vença a eleição, o candidato corre o risco de perder a diplomação.

Ele afirmou novamente que não conhecia o esquema no qual o irmão foi flagrado e disse que não se pronunciará mais sobre o caso. O candidato afirmou que seguirá com sua campanha e não pensa em desistir da candidatura.

O presidente do diretório municipal do PPS, Wanderlei Battisti, estava indignado com a conduta do assessor e destacou que o PPS sempre foi contra qualquer ato de corrupção. “O PPS sempre repudiou condutas como as divulgadas nas imagens. Na minha opinião, o assessor agiu sem consultar o candidato”, observou.

Recentemente, Cardozinho teve problemas com a Justiça Eleitoral por não ter justificado o voto no segundo turno das eleições de 2010. Somente depois de regularizada a situação é que ele teve reconhecido seu registro de candidatura para as eleições deste ano.

Suplente de vereador, José Cardozo assumiu a cadeira na Câmara de Vereadores em 6 de abril de 2011. Na época, ele assumiu a vaga no lugar de Sidney Sabel, convidado a continuar à frente da Secretaria Distrital de Pirabeiraba.

Sabel, primeiro suplente do PPS, havia assumido a cadeira na Câmara quando o vereador Sandro Silva foi convidado para a presidência do Deter (Departamento de Transportes e Terminais). Cardozinho obteve 2.600 votos na eleição de 2008 e já foi gerente regional da Fatma (Fundação do Meio Ambiente).

 

EMTENDA O CASO

– Airton Cardozo foi flagrado em um vídeo prometendo dinheiro a uma produtora da RICTV Record em troca do voto para o irmão José Cardozo

– Ele convida a produtora a fazer parte do esquema. Cada pessoa cadastrada ganharia R$ 50 para votar no candidato. O dinheiro seria pago uma semana antes das eleições deste ano

– Para os envolvidos no esquema, caso o candidato seja eleito, além do pagamento, o assessor prometeu sorteio de prêmios em um jantar

– O candidato alegou desconhecer os atos do irmão e o afastou das funções de assessor. Ontem Cardozinho registrou boletim de ocorrência contra o irmão

– O diretório municipal do PSOL denunciou o caso ao Ministério Público Eleitoral

– Polícia Federal passa a investigar o caso

____________________________________________________________________________Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Segurança

Assunto: TJSC decide que tatuagem não pode excluir da Polícia Militar candidato aprovado em concurso

 

 

TJSC decide que tatuagem não pode excluir da Polícia Militar candidato aprovado em concurso

Aspirante entrou na Justiça ao ser impedido de continuar Curso de Formação de Soldados da PMSC

A exclusão de candidato aprovado em concurso da Polícia Militar, por ser tatuado, foi considerada discriminatória

 A 3ª Câmara de Direito Público do TJSC (Tribunal de Justiça de Santa Catarina) decidiu por unanimidade que ter uma tatuagem não é motivo para excluir um candidato aprovado em concurso público da Polícia Militar.

A deliberação confirmou a sentença de mandado de segurança impetrado por um candidato excluído na quarta fase de Curso de Formação de Soldados da PMSC. Ele tinha sido impedido de continuar o curso em 2010 por ter uma tatuagem.

O relator do processo, desembargador Cesar Abreu, destaca que a exclusão de candidato de concurso público, baseada no simples fato de possuir uma tatuagem é discriminatória. “Além disso, contraria os princípios constitucionais da razoabilidade e da proporcionalidade”, acrescentou.

 

 

BLOGS

 

Moacir Pereira

 

Hiran Melo: “Campanha de Gean Loureiro virou caso de Policia”

Publicitário Hiran Pessoa de Melo envia e-mail para relatar o que ocorreu com as imagens de sua equipe de produção. Título que deu: “a invasão do desespero”.

Texto:

“O troca-troca de comando na campanha de Gean Loureiro virou caso de polícia!

Na madrugada de segunda-feira, algumas pessoas ligadas ao candidato do PMDB, comandadas por Ana Bárbara, secretária de Gean Loureiro, invadiram a atual produtora, abriram arquivos na ilha de edição e simplesmente copiaram os materiais produzidos por toda a equipe, contratada pelo Sr. Dário Elias Berger, logo após o rompimento com Wilfredo Gomes.

Todas as medidas judiciais estão sendo tomadas pelos advogados do marqueteiro Hiram Pessoa de Melo, que comanda a equipe de Curitiba, bem como o registro de um boletim de ocorrência.”

 

Bancada de SC aplaude novo Código

Deputados federais de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul chegaram no evento de apresentação do presidente do grupo RBS, Eduardo Sirotsky Melzer, em Brasilia, comemorando a decisão da Câmara de aprovar a medida provisória do novo Código Florestal.

Os catarinenses Carmem Zanotto, Celso Maldaner, Esperidião Amin, Jorginho Melo e Ronaldo Benedet, foram unanimes em destacar que o Código é bom para os pequenos e médios agricultores de Santa Catarina, que não terão prejuízos. Admitiram que a presidente Dilma venha a vetar alguns artigos das mudanças aprovadas, mas salientaram que eles não atingirão os catarinenses, porque dizem respeito as grandes propriedades.

 

 

 

 

MÍDIAS DO BRASIL

 

Veículo: Portal G1

Editoria: Geral

Assunto: Rocinha ganha UPP

 

 

Moradores da Rocinha acreditam que UPP só terá efeito a longo prazo

Saúde, educação e infra-estrutura estão entre queixas da população.

Rocinha consta como a 3ª região com maior índice de tuberculose no Rio.

 

Rocinha tem quase 70 mil moradores, segundo censo do IBGE (Foto: Janaína Carvalho/G1)

Submetida ao descaso do poder público e ao domínio do tráfico durante décadas, a população da Rocinha ainda olha com descrença à instalação da UPP da comunidade, que acontece nesta quinta-feira (20). Para muitos, a garantia de uma vida melhor para os moradores só acontecerá a longo prazo.

Problemas relacionados à saúde, cultura, educação e infra-estrutura são queixas constantes de quem cresceu na comunidade. Natural do Rio Grande do Norte e moradora da comunidade há cerca de 40 anos, Francisca Elisa de Medeiros, mais conhecida como Elisa da Rocinha, acredita que as mudanças não sejam imediatas.

“Preciso esperar uns 20 anos para dizer se deu certo. Você encurrala a bala e a violência em um lugar e diz que mudou. Na verdade, não mudou nada. De nada adianta a segurança se a mudança não começar pela educação. O problema do pobre não é a violência, o problema do pobre é social”, afirma Elisa, que há 40 anos alfabetiza as crianças da Rocinha.

saiba mais

 

Soldado da PM é morto a tiro durante patrulhamento na favela da Rocinha

Após décadas à mercê do tráfico, Rocinha é ocupada pela polícia

No começo, segundo ela, as crianças eram alfabetizadas em um barracão. “Essa era a única forma que os filhos de moradores da Rocinha tinham para aprender a ler e a escrever. Ainda tenho sonho de fazer uma escola para adultos, pois ainda tem gente aqui que não é alfabetizada”, afirma.

Hoje em dia, a escola de Elisa tem 10 salas de aula, onde recebe cerca de 200 crianças, cujos pais dão contribuições voluntárias à escola. Além das educadoras da comunidade, atualmente a Rocinha possui 2 creches e 4 escolas municipais, que atendem 2.262 alunos. No entorno da comunidade também há outras escolas, tanto da rede municipal, como da rede estadual, que atendem cerca de 3 mil alunos.

 

Elisa da Rocinha alfabetiza crianças da

comunidade há 40 anos (Foto: Janaína Carvalho)

Outro grave problema que a comunidade enfrenta é na área da saúde. A Rocinha consta como a terceira região do Rio com maior incidência de tuberculose da cidade. Segundo dados da secretaria municipal de Saúde, em 2011 foram registrados 261 casos na comunidade, que ficou atrás apenas de Campo Grande e Bangu.

De acordo com a secretaria, a taxa de cura no bairro, que chegou a ter a pior incidência da cidade, hoje é de 84%. Os resultados estão associados à ampliação da cobertura de Saúde da Família na região, que é de 100%, segundo a secretaria.

Na maior favela do Brasil, segundo o último censo do IBGE a Rocinha tem 69.161 habitantes, ainda se vê valões onde o esgoto corre a céu aberto. “Mesmo sem o tráfico e atividade bélica, o poder público ainda não chegou junto. Mas você já começa a perceber uma mudança no ensaio de olhares”, diz o jornalista Carlos Costa, 49 anos, que nasceu na comunidade na época em que as mulheres pegavam água em bicas d’água.

 

Crescimento da comunidade

O grande boom da Rocinha aconteceu na década de 70, mesmo época em que o tráfico de drogas começou a crescer. “A lógica do enfrentamento mudou muito ao longo dos anos. Dependia sempre de quem estava no comando da comunidade. O período do Bem-Te-Vi foi muito pauleira e isso para o morador é complicado porque acaba a ‘regra’. Você não sabe o que pode acontecer e aonde. Não sabe quando o cara vai amanhecer tranquilo e não quer confronto ou não”, lembra Carlos.

 

O traficante que dominou a Rocinha por um maior período foi Denir Leandro da Silva, conhecido como Denis. Ele ficou 20 anos à frente da comunidade, foi preso em 1987 e assassinado no presido Bangu 1 em 2001. A execução teria sido ordenada por Fernandinho Beira-Mar após Denis negar um pedido do traficante para abrigar um depósito de drogas na comunidade. Depois de Denis a Rocinha ganhou outros “donos” como Naldo, Dudu, Lulu, Bem-Te-Vi e o Nem.

 

Antes sob a mira das armas dos criminosos, agora convivendo com as armas dos policiais, os moradores ainda não se sentem despreocupados com a presença da polícia na favela. “Antes passava por uma rua onde ficavam os traficantes. Hoje, depois da ocupação, passo pelos policiais. Se não é a arma de um, é de outro”, afirma o historiador Fernando Ermiro, que faz parte de projetos culturais da comunidade, como a criação do Museu Sankofa na Rocinha.

Segundo Fernando, há um longo caminho a ser percorrido para a realidade da comunidade mudar totalmente. “Se você tem uma vala na frente da sua casa, você vai pensar na vala, vai falar sobre a vala, vai filosofar sobre a vala. Essa é a realidade e se isso não for mudado, a mentalidade das pessoas também não muda”, afirma o historiador.

Com mais de 6.529 estabelecimentos comerciais, além de 4 agências bancárias, a Rocinha passa por um reordenamento da atividade econômica e ainda deve passar por várias mudanças. De acordo com Ronaldo Batista do Nascimento, integrante do Fórum Cultural da Rocinha, o grande questionamento dos moradores neste momento é com relação ao futuro. “A população ainda está insegura, sem saber ao certo o que acontecerá”, diz ele.