Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 18 de julho

18.7.2012

 

CLIPPING

18 de julho de 2012

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assunto: Subcomandante do Corpo de Bombeiros Militar

 

PEDIU PRA SAIR

O subcomandante do Corpo de Bombeiros Militar, tenente-coronel Marcos Oliveira, deve assumir temporariamente o cargo de número um da corporação. O coronel José Luiz Masnik, comandante-geral, entregou ontem pela manhã ao governador Colombo sua carta de exoneração.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Bope explode bombas no norte da Ilha

 

 

Bope explode bombas no Norte da Ilha

Quatro bombas caseiras foram encontradas em um terreno próximo a uma quadra de esportes, no km 8 da SC-401, no Norte da Ilha, na noite de ontem. O Batalhão de Operações Especiais da PM, o Bope, foi chamado, e após o isolamento da área, foi realizada a detonação das granadas, com explosões controladas. As duas vias da SC-401 foram isoladas, durante 25 minutos. Cada granada tinha em média 20 centímetros de diâmetro, de acordo com o sargento Túlio Bueno, do Pelotão de Patrulhamento Tático do 21o Batalhão da Polícia Militar.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Gerais

 

Mulher dá à luz a bebê dentro de carro

Na noite de segunda-feira, por volta das 20h, Lincoln de Negreiros Teixeira e a mulher, Carla Ramos, 34 anos, grávida de sete meses e meio, viajavam de Paranaguá (PR), onde o marido trabalha, para Joinville, onde mora a família de Carla, quando ela entrou em trabalho de parto.

Em Pirabeiraba, a bolsa estourou. Lincoln resolveu parar no Posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), para pedir ajuda. Mas não foi preciso. A mulher, que estava no banco de trás do Fiat Uno, havia dado à luz a um menino, com o carro em movimento. Mãe e filho passam bem.

 

Sem feridos

O vídeo de um acidente que ocorreu no dia 9 de junho, na Avenida Prefeito Waldemar Grubba, em Jaraguá do Sul, captado por uma câmera de segurança foi divulgado no sábado pela Polícia Militar. A intenção da corporação em exibir as imagens foi conscientizar a população quanto ao uso do capacete como item importante de proteção.

A imagem é impactante, pois mostra a condutora da moto e a carona, uma criança de oito anos, lançadas para a calçada. Ninguém se feriu no acidente. A polícia indicou como causa do acidente falha humana e falta de atenção. Segundo a PM, dos 1.881 acidentes que ocorreram no primeiro semestre deste ano o número de motos envolvidas foi de 519.

Assista ao vídeo em www.diario.com.br.

 

 

Carro queima após colisão

O trânsito na SC-401 ficou congestionado no sentido Norte, em Florianópolis, na noite desta terça-feira. Um carro pegou fogo, próximo à entrada do Bairro João Paulo. Segundo o Corpo de Bombeiros, ninguém ficou ferido.

O veículo pegou fogo após colidir contra um ônibus e, em seguida, no meio-fio. De acordo com a Polícia Militar Rodoviária (PMRv), o trânsito foi liberado por volta das 20h após o veículo ser retirado da rodovia.

Com a pista molhada em função da chuva caiu durante todo o dia, as vias da cidade ficaram perigosas para transitar.

Depois das 21h, pequenas colisões entre veículos dificultaram ainda mais o fluxo no sentido Norte.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Moacir Pereira

Assunto: Pacto por SC

 

 

Pacto e as crises

Nestes dezoito meses de governo Colombo ocorreram atos políticos que procuravam dar nova dinâmica, lançamentos de projetos que não saíram do papel e anúncios sobre o aperto do cinto para contenção de despesas, em face da crise financeira. Para o público ficou a impressão de mais pirotecnia do que ação concreta para resolver os problemas.

O lançamento do Pacto por Santa Catarina, contudo, teve um diferencial mais concreto e positivo. Foram assinados editais no valor de R$ 719 milhões para obras e serviços já planejados. Entre eles, quatro setores prioritários: os 2 1.524 quilômetros de rodovias que serão restauradas, pavimentadas, alargadas ou retificadas num dos mais ambiciosos programas do gênero; os milhões de reais para ações contra a seca no Oeste; os recursos para as obras de contenção das cheias no Vale do Itajaí; e o início das obras do complexo penitenciário de Imaruí.

O governador fez um contundente pronunciamento. Confessou que nestes 18 meses vivia angustiado porque não tinha o controle da máquina. Agora, não! Diz que sabe tudo e tem o comando efetivo do governo, com domínio da estrutura, das despesas e da receita.

Para quem estranhou os dois fatos principais desta quinzena juliana – o arrocho determinado na reunião do secretariado em Lages e agora os milionários investimentos em quatro áreas prioritárias – Colombo ofereceu as explicações. Reiterou que a ordem é mesmo de usar lupa no controle dos gastos públicos e pisar no acelerador dos investimentos.

 

 

CRÍTICOS

O Pacto por Santa Catarina está na primeira etapa. Mas o setor Saúde, apontado pelos catarinenses como o principal problema, ali não está contemplado. Fato que gerou especulações, sobretudo, pela referência do governador ao secretário Dalmo Oliveira, que vem sendo fritado dentro e fora do governo. Colombo elogiou o esforço do secretário no corte das despesas. Poucos entenderam, pois no Centro Administrativo o titular da Saúde tem posição fragilizada. Buscou ontem blindagem na bancada do PMDB na Assembleia. Almoçou com os deputados e saiu do encontro com garantia de apoio político e solidariedade funcional.

E, no momento em que Raimundo Colombo se reunia em Brasília com o secretário do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, para tratar da renegociação da dívida de Santa Catarina no governo federal, vazou a notícia do pedido de exoneração do coronel José Luiz Masnik do comando geral do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina. De acordo com o Centro Administrativo, porque não aceitou corte nas horas extras pagas aos bombeiros.

 

Há outros segmentos claramente descontentes com os cortes em plena campanha eleitoral. São situações críticas que poderão se reproduzir em outros setores, contrários às duras medidas adotadas pelo governo.

 

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Política

Assunto: Caso Chiarello

 

Corpo de Chiarello retorna a Chapecó

O corpo do vereador Marcelino Chiarello, que foi exumado na quarta-feira passada e levado para São Paulo, foi sepultado novamente ontem à tarde no cemitério Jardim do Éden, em Chapecó. O enterro não teve nenhuma cerimônia religiosa. Demorou menos de uma hora e foi acompanhado apenas pelo advogado da família e policiais federais. O vereador foi encontrado morto no fim do ano passado.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Reportagem Especial

Assunto: Pacto por SC

 

Os quatro focos do Pacto por SC

Escolher como serão gastos R$ 5 bilhões e aproximar a administração pública do modelo de gestão da iniciativa privada são as duas principais atribuições do Pacto por SC . Ontem, foi lançada a primeira etapa, que conta com R$ 719 milhões – R$ 611 milhões em empréstimo do BNDES e contrapartida de R$ 108 milhões do Estado.

Investimentos de R$ 640 milhões focam em recuperação de rodovias, prevenção de cheias, combate à seca e construção da Penitenciária de Imaruí. Outros R$ 79 milhões serão aplicados para a coordenação do programa e em softwares.

A próxima etapa do pacto deverá ser anunciada em breve, com recursos de bancos de fomento internacionais, verbas para saneamento básico e R$ 3 bilhões liberados do BNDES como compensação pela aprovação da resolução que unificou o ICMS dos importados. Esta nova fase vai contemplar a saúde, educação, segurança pública e áreas sociais.

 

“As amarras ainda são muito grandes”

Murilo Flores – Secretário-executivo do Pacto por SCMurilo Flores era o homem em evidência na cerimônia de ontem. Foi escolhido pelo governador Raimundo Colombo para ser secretário-executivo do Pacto por SC. Caberá a ele não só fazer os projetos saírem do papel, mas também que respeitem o cronograma. A tarefa é considerada inglória por pessoas que frequentam o Centro Administrativo. Tanto que ele ganhou o apelido de desatador de nós. O secretário-executivo do pacto, que acumulará o novo posto com a presidência da Fundação do Meio Ambiente (Fatma), sabe que haverá muito trabalho e reclama do excesso de burocracia enfrentado. Promete buscar o consenso para solucionar os problemas que surgirem. Murilo conta, ainda, que vai trabalhar com um grupo enxuto de seis servidores públicos de carreira. Eles se juntarão ao homem que se formou em Agronomia, é doutor em Sociologia Política e, agora, tem a chance de se tornar “o cara” do Pacto por Santa Catarina.

 

 

Diário Catarinense – Por que o senhor acredita que foi escolhido pelo governador para esta função?

Murilo Flores – Tenho uma relação muito boa com o governador Raimundo Colombo, apesar de nos conhecermos somente há quatro anos, quando coordenei a companha dele. Acredito que seja uma afinidade crescente, por causa da forma de encarar a função pública.

 

DC – Como vencer a burocracia e fazer as obras do Pacto por SC saírem do papel?

Murilo – As amarras ainda são muito grandes, como a licitação. Vamos acompanhar tudo com um sistema informatizado e, sempre que houver sinais de que o cronograma não será cumprido, vamos interferir.

 

DC – Qual a fórmula para evitar que problemas em licitações atrasem o cronograma?

Murilo – Licitação sempre causa problemas, mas cabe aos órgãos públicos aperfeiçoarem os processos. Vamos usar a modernidade e, cada vez mais, usar os pregões eletrônicos, que conseguem valores menores.

 

DC – Qual vai ser a estrutura que o senhor vai contar para conseguir estes objetivos?

Murilo – Será um grupo de seis pessoas. Temos três nomes já escolhidos. São servidores jovens, preparados e com formação em contabilidade e engenharia. Eles não terão cargos comissionados. Ao serem convidados, disse que só ganhariam trabalho.

 

DC – O senhor vai apontar o dedo para os problemas. Como fazer isso sem criar atritos?

Murilo – Vamos resolver os problemas que aparecem com conversa e assim chegar a um consenso. Em 31 anos de carreira pública, nunca precisei bater na mesa para resolver as questões que aparecem. E o bom andamento dos projetos é importante para a economia catarinense. O governador Raimundo Colombo está apreensivo com a crise e acredita que, se acertarmos nos investimentos, a arrecadação volta a crescer.

 

DC – Quais devem ser os primeiros problemas a aparecer?

Murilo – O primeiro será a demanda pelo dinheiro da segunda etapa do Pacto por Santa Catarina. Vamos contar com R$ 3 bilhões em recursos que virão do BNDES e já recolhemos mais de R$ 5 bilhões em demandas. O primeiro pente fino que farei, antes mesmo de falar com o governador, é saber quais podem ser desenvolvidos em parcerias público privadas.

 

DC – Como serão encontrados os parceiros para estes projetos?

Murilo – Vou me reunir com a equipe do SCPar (órgão do Estado para parcerias com empresas privadas) para analisar quais projetos cabem neste dispositivo. Será a primeira peneirada que vamos fazer.

 

Mudanças no modelo de gestão

Aproximar o núcleo central do governo da execução das obras estaduais. Este será, em termos de gestão, a tarefa da equipe de coordenação do Pacto por Santa Catarina. Com o novo modelo, o acompanhamento dos projetos sairá do interior de cada secretaria do Estado e poderá ser acessado diretamente pelo governador Raimundo Colombo.

A equipe do Pacto, coordenada por Murilo Flores, terá mais seis integrantes, selecionados entre servidores efetivos, com perfil e formação em gestão. O grupo estabelecerá uma nova forma de gerenciamento das obras do Estado. Até então, cada secretaria do governo recebia os recursos, elaborava o projeto e executava a obra, centralizando todos esses dados.

A diferença é que agora, a equipe do Pacto por SC é quem fará esse acompanhamento, buscando informações, verificando como está o andamento das obras previstas, se o cronograma financeiro está sendo cumprido e, se necessário, também fará visitas in loco.

Além disso, o grupo também poderá prestar ajuda para resolver problemas, como a liberação de licenças e análise de documentação.

– Desta forma, essas informações não ficarão mais somente no âmbito das secretarias, mas em uma instância superior, ligada diretamente ao governador – explica o secretário da Casa Civil, Derly de Anunciação.

 

Referências nos governos de MG e PE

O Pacto por Santa Catarina é um dos braços do novo Modelo de Gestão do Estado lançado, em março, pelo governador. Na época, o aspecto mais divulgado foi o plano de contenção de despesas. A meta era economizar R$ 100 milhões no ano. A partir de softwares e sistemas, a ideia é ter controle sobre os gastos de cada pasta do governo.

Mas, segundo o coordenador do modelo de gestão, Derly de Anunciação, o projeto é bem mais amplo e tem outros eixos, como o Pacto por Santa Catarina, lançado ontem.

O novo modelo foi inspirado a outros modelos de gestão existentes, como os do governo de Minas Gerais e de Pernambuco e das prefeituras de Criciúma e de Curitiba.

O secretário Derly explica que foram pesquisadas referências que se alinhavam ao perfil e aos objetivos de Colombo. A meta é chegar a uma gestão pública tão eficiente quanto a iniciativa privada.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Artigos

Assunto: Defensoria Pública

 

Defensoria Pública, por Alessandro da Silva*

No dia 10 de julho, foi realizada na Assembleia uma audiência pública para discutir o PLC 16/2012, que cria a Defensoria Pública (DP) em Santa Catarina. A sociedade catarinense demonstrou de forma inequívoca e uníssona que o projeto enviado pelo Executivo não atende a mínimas expectativas. São vários os dispositivos passíveis de crítica, como o que garante que a DP não prejudicará o exercício da advocacia privada. Além de desnecessária, essa previsão ilustra uma constatação: o interesse corporativo permeia o espírito do projeto. Na mesma linha, foi mantida a possibilidade de serem firmados convênios com órgãos e instituições, prioritariamente com a OAB, o que seria compreensível em um processo de transição do sistema de defensoria dativa para a DP. Ocorre que somente está prevista a criação de 60 cargos de defensor, dos quais apenas 20 estariam disponíveis para provimento no primeiro concurso. Nosso Estado conta atualmente com 199 comarcas, de modo que o número de cargos criados não atenderá minimamente a essas necessidades.

 

Para termos uma ideia, a lei que recentemente criou a DP no Paraná previu 333 cargos de defensores. SC já foi considerada exemplo de desenvolvimento social, econômico e institucional. Nos últimos anos, contudo, temos experimentado retrocessos, como no caso do tratamento dos menores infratores, no qual de modelo passamos a figurar dentre os violadores contumazes dos direitos humanos. A renitente resistência à criação de uma verdadeira DP, a ponto de sermos o único Estado que ainda não o fez, é mais um episódio nessa triste trajetória em que o interesse público sucumbe à apropriação privada do Estado.

 

*Membro da Associação Juízes para a Democracia

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Raio X do semestre

 

Menos furtos e mortes, mais assaltos no Estado

Números estão em relatório da Secretaria de Segurança Pública (SSP), que também traz perfil dos crimes e dos criminosos

Um dos principais crimes que influenciam na sensação de insegurança da população, o assalto (roubo) registrou aumento oficial de 3,03% no primeiro semestre de 2012 em relação ao mesmo período de 2011, em SC. Foram 197 ocorrências a mais neste ano do que no mesmo período do passado. A média ainda é preocupante: uma ocorrência a cada 45 minutos.

Também houve reduções, o que aponta melhora no quadro da violência. Homicídios tiveram baixa de 8,84%; furto diminuiu 5,4%, e latrocínio caiu 6,06%.

Os dados são do Relatório Estatístico de Santa Catarina – Primeiro Semestre de 2012 com os principais indicadores de criminalidade do Estado, divulgado ontem pela Secretaria da Segurança Pública (SSP). O material foi organizado pelo Núcleo de Geoprocessamento e Estatísticas da Diretoria de Informação e Inteligência.

A comparação com o 1o semestre de 2011 mostra uma pequena migração do tipo de crime: caiu o roubo a comércios, mas aumentaram os ataques a carros (veja ao lado).

A Grande Florianópolis é a região que apresenta a maior incidência de roubos. São José, Florianópolis e Palhoça ocupam as primeiras posições nesse tipo de crime. A Capital, aliás, foi a que teve o pior desempenho em todos os crimes analisados pelos pesquisadores.

 

Na Capital, Centro é o bairro mais crítico

Segundo o relatório, o aumento do registro de ocorrências de roubo em Florianópolis, em parte, teve como fator o registro oficial da ocorrência pela Polícia Militar em decorrência da criação da Delegacia de Repressão a Roubos (DRR), em 2 dezembro de 2011.

Agora, a PM envia o B.O. de roubo diretamente para a DRR, assim como fazem todas as delegacias. Antes, a PM atendia a ocorrência, mas deixava para a vítima registrar o B.O.

 

LUIZ FELIPE ROSADO Delegado de Repressão a Roubos

“A instalação de câmeras minimizou o problema, mas não reprimiu.”

 

 

 

Pedestre é o alvo preferido

Titular da DRR, delegado Luiz Felipe Rosado concorda que o crescimento de roubos está diretamente ligado a nova logística de registro de B.O. Ele acredita que o aumento se deve também pelo policiamento ostensivo insuficiente.

– A instalação de câmeras minimizou o problema, mas não reprimiu. Falta efetivo da PM para ronda ostensiva. Nada como um policial fardado para evitar o crime. Na mente do criminoso, a câmera não serve como forma de impedir a ação. Ele pode praticar o roubo e sair correndo.

Segundo Rosado, o maior índice de roubo é contra o pedestre. O delegado lembra que são 200 mil pessoas passando pelo Centro por dia, e há muitos viciados em crack naquela região, que roubam para sustentar o vício.

Para o delegado, o fato de cerca de 20% dos roubos acontecerem na Avenida Paulo Fontes não é novidade. A presença dos mesmos crackeiros seria uma das principais causas.

O delegado destaca, ainda, a queda dos roubos a residência na cidade. Nos três primeiros meses do ano, duas quadrilhas com adolescentes praticavam roubo no estilo de amarrar as vítimas e fugir com os carros da família abarrotados de objetos. Os grupos foram desmantelados.

 

Secretário ordena reforço na Região

O secretário César Augusto Grubba já determinou ao Comando Geral da Polícia Militar que se intensifiquem o policiamento preventivo e ostensivo nas áreas centrais, como foco no Aterro da Baía Sul. Grubba também destacou a importância de ampliação do sistema de videomonitoramento nessas regiões.

 

Cinco presos por facilitação

Uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado(Gaeco) resultou na apreensão de pelo menos cinco pessoas suspeitas de envolvimento num esquema de facilitação para fugas e entrada de celulares e drogas no Presídio Regional de Joinville.

As investigações começaram há dois meses e apontam que o grupo, formado por um agente prisional, familiares de detentos e três presos, estariam organizando uma fuga, impedida pela ação da polícia.

Os policiais também fizeram busca e apreensão em duas residências e nos armários dos agentes prisionais. Na casa da mulher de um dos presos, foram apreendidas drogas, uma balança de precisão e munição. No presídio, foram encontradas drogas e outra balança. A polícia suspeita que outros funcionários estejam envolvidos na entrada de drogas e organização de fugas.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Morte de Ariana

 

Causa segue indefinida

Afogamento está sendo revisto pelos legistas, que devem concluir o laudo até a próxima semanaAs dúvidas da família de Ariana Donato Arndt, 16 anos, e da Polícia Civil se estenderão a até a próxima semana, quando o Instituto Geral de Perícias (IGP) de Blumenau irá concluir o laudo que aponta a causa da morte da adolescente.

Um relatório preliminar chegou a apontar afogamento como o motivo do falecimento, mas o documento final está sendo revisto pelo médico legista. O coordenador do IGP, Daniel Koch, preferiu não estipular prazo para a conclusão do laudo. A delegada responsável pelo caso, Stela Maris Antunes da Rosa, espera pelo documento para ter condições de encerrar o inquérito que investiga a morte da adolescente.

Encontrada morta na última segunda-feira, no Centro de Timbó, 24 dias depois de ter desaparecido, Ariana foi enterrada ontem de manhã no Cemitério Municipal, sob forte comoção e revolta de amigos e familiares. Salvelina Zatelli, diretora da escola Ruy Barbosa, onde Ariana estudava, deixou uma última mensagem para a adolescente antes do sepultamento:

Durante toda a cerimônia, os familiares pediam por Justiça. O namorado de Ariana, Johny Karsten, 22, foi preso e enviado para o Presídio Regional de Blumenau segunda-feira à noite, após a Polícia Civil conseguir um mandado de prisão preventiva.

Mesmo negando a participação no crime, Karsten é considerado o suspeito do homicídio pela delegada. Até o fim do inquérito, em 10 dias, Stela não descarta a possibilidade de que o namorado de Ariana seja ouvido novamente.

Desde o começo da investigação, ele prestou pelo menos seis depoimentos. No último deles, segunda-feira, calou-se diante das 40 perguntas da Polícia Civil.

 

O que diz o advogado de Johny Karsten, Reny Becker Filho

A reportagem tentou durante toda a tarde de ontem entrevistar o advogado, mas ninguém atendeu no escritório do defensor. Na noite de segunda-feira, logo após a prisão de Johny Karsten, Becker Filho afirmou que iria entrar com um habeas corpus pedindo a liberdade do jovem. Até ontem à noite, o rapaz permanecia detido no Presídio de Blumenau.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Cinco presos por facilitação

 

Cinco presos por facilitação

Uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado(Gaeco) resultou na apreensão de pelo menos cinco pessoas suspeitas de envolvimento num esquema de facilitação para fugas e entrada de celulares e drogas no Presídio Regional de Joinville.

As investigações começaram há dois meses e apontam que o grupo, formado por um agente prisional, familiares de detentos e três presos, estariam organizando uma fuga, impedida pela ação da polícia.

Os policiais também fizeram busca e apreensão em duas residências e nos armários dos agentes prisionais. Na casa da mulher de um dos presos, foram apreendidas drogas, uma balança de precisão e munição. No presídio, foram encontradas drogas e outra balança. A polícia suspeita que outros funcionários estejam envolvidos na entrada de drogas e organização de fugas.

____________________________________________________________________________ Veículo: A Notícia

Editoria: Polícia

Assunto: Presídio de Joinville

 

 

Suspeitos de facilitar fugas e entrada de celulares no Presídio de Joinville são presos em operação

Gaeco investigava há pelo menos dois meses a atuação dos bandidos e aponta agente prisional como participante do grupo criminoso

Uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado(GAECO) resultou na apreensão de pelo menos cinco pessoas suspeitas de envolvimento no esquema de facilitação para fugas e entrada de celulares e drogas no Presídio Regional de Joinville.

As investigações começaram há 60 dias e apontam que o grupo, formado por um agente prisional, familiares de detentos e três presos, estariam organizando uma fuga, impedida pela ação da polícia.

Além de cumprir cinco mandados de prisão, os policiais realizaram busca e apreensão em duas residências e nos armários dos agentes prisionais e celas. Na casa da mulher de um dos presos foram apreendidos drogas, uma balança de precisão e munição.

Já no presídio foram encontradas drogas e outra balança de precisão. A polícia suspeita que outros funcionários estejam envolvidos na entrada de drogas e organização de fugas.

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Hélio Costa

Assunto: Cel Masnik entrega o cargo

 

Coomandante geral do Corpo de Bombeiro, coronel Masnik entrega o cargo

Decisão seria uma resposta ao corte de investimentos para a corporação. Pedido de exoneração foi entregue ontem ao governador

Bombeiro sem comando

É preocupante o clima de descontentamento no comando do Corpo de Bombeiros, com a divisão do bolo.  O comandante, coronel José Luiz Masnik, não concordou com o corte de investimentos e pediu o boné.  O Corpo de Bombeiros de Santa Catarina é um dos melhores do Brasil, com referência em salvamentos e em outras missões de riscos, e não pode ter redução de custos. Aplicar neste setor não significa gastos, mas sim investimentos, pois os bombeiros são os anjos da guarda da população que de vez em quando se vê em apuros quando ocorrem desastres naturais. Aliás, não é somente o bombeiro.  A educação, segurança e saúde são pilares da sociedade que também merece mais atenção dos governantes. O descontentamento do comandante geral do Corpo de Bombeiros ocorreu justamente no dia em que o governador anunciou pacote de R$ 5 milhões para investir em hospitais, portos e novas penitenciárias do Estado.

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Paulo Alceu

Assunto: PEC dos Bombeiros

 

 

@ Continua repercutindo a primeira cobertura em tempo real pelo facebook, realizada pela Diretoria de Comunicação da Assembleia durante a votação da PEC dos Bombeiros. Essa é uma das tendências incluídas no projeto de reestruturação onde as mídias sociais serão melhor exploradas.

 

 

BLOGS

 

Moacir Pereira

 

Segurança emite nota sobre exoneração no Corpo de Bombeiros

É a seguinte a Nota Oficial divulgada pelo secretário Cesar Grubba sobre o pedido de exoneração do coronel José Luiz Masnik do comando geral do Corpo de Bombeiros:

“Nota oficial

O Governador Raimundo Colombo aceitou o pedido de exoneração feito pelo Coronel BM José Luiz Masnik, Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina. O pedido de exoneração foi entregue, no final da manhã de hoje, dia 17 de Julho, durante audiência que o oficial teve com o Governador. O Coronel BM José Luiz Masnik alegou motivos pessoais para se afastar do cargo. Seu substituto será anunciado em breve.

O Secretário César Augusto Grubba destacou o trabalho sério e compromissado do Coronel José Luiz Masnik, no período em que esteve à frente do Corpo de Bombeiros Militar.

César Augusto Grubba-Secretário de Estado da Segurança Pública.”

 

Grande Florianópolis: região mais violenta de SC

A região da Grande Florianópolis é a que apresenta a maior incidência de roubos em Santa Catarina. Os municípios de São José, Florianópolis e Palhoça ocupam as primeiras posições nesse tipo de crime. A Capital, aliás, foi a que teve o pior desempenho em todos os crimes analisados pelos pesquisadores do Núcleo Núcleo de Geoprocessamento e Estatísticas da SSP. O Centro da cidade é a região com maior incidência de registros, seguido dos bairros de Capoeiras e Estreito. A Avenida Paulo Fontes é o logradouro com maior incidência de roubo em Florianópolis, contabilizando 20% dos crimes desta modalidade, seguido pelo Avenida Mauro Ramos.

As informações, veiculadas pela Secretaria de Segurança, constam no documento “Relatório Estatístico em Santa Catarina – Primeiro Semestre de 2012” entregue ao secretário da Segurança Pública, César Augusto Grubba, com os principais indicadores de criminalidade do Estado. O material foi organizado pelo Núcleo de Geoprocessamento e Estatísticas, da Diretoria de Informação e Inteligência da Secretaria da Segurança Pública. O documeto informa. ainda, que houve redução no número de homicídios e latrocínios, maior repressão aos crimes de tráfico de drogas e furtos de caixas eletrônicos.

O secretário César Augusto Grubba já determinou ao Comando Geral da Polícia Militar que se intensifiquem o policiamento preventivo e ostensivo nessas áreas, como foco no Aterro da Baía Sul. Grubba também destacou a importância de ampliação do sistema de videomonitoramento nessas regiões. “Estes pontos foram mapeados pela área de estatística da SSP e é importante a manutenção de parcerias com o município para a instalação de mais câmeras de vigilância”, disse o secretário.

 

Exoneração do comandante do Corpo de Bombeiros

O pedido de exoneração do coronel José Luiz Masnick do Comando do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina não surpreendeu o Centro Administrativo.

Sua saída estava definida em acordo com o secretário de Segurança Pública e com o governador. O cel. Masnik comprometeu-se em só anunciar a saída dia 1º. de agosto.

Ele reagiu contra a decisão do governo de cortar horas extras dos integrantes do Corpo de Bombeiros.

Na reunião do Secretariado em Lages rebelou-se contra a medida, alegando que a instituição é a que tem a melhor imagem entre todas as corporações de Santa Catarina.

 

 

 

ACONTECEU NA ALESC

 

 

 

Bombeiros em crise

O deputado Sargento Amauri Soares (PDT) repercutiu a exoneração do coronel BM José Luiz Masnik do comando do Corpo de Bombeiros. Para Soares, a exoneração foi motivada pelo fato do ex-comandante não aceitar a redução de escalas de serviço, o que, na prática, reduz a quantidade de bombeiros trabalhando, bem como reduz o pagamento, pelo governo, de horas extras aos bombeiros militares.

Soares defendeu a manutenção de Masnik no comando. “A sociedade não pode ser sacrificada porque o governo não pode pagar horas extras. A segurança pública é prioridade”, argumentou. 

 

 

 

MÍDIAS DO BRASIL

 

 

Veículo: Portal G1

Editoria: Geral

Assunto: Assassinato entre jovens

 

Assassinatos entre jovens crescem 375,9% em 30 anos, aponta pesquisa

Alagoas e ES lideram taxa de homicídios entre crianças e jovens em 2010.

Mapa da Violência, divulgado nesta quarta, usa dados do governo federal.

A taxa de homicídios entre crianças e jovens com idades entre 1 e 19 anos cresceu 375,9% nas últimas três décadas, segundo o Mapa da Violência 2012- Crianças e Adolescentes do Brasil, divulgado nesta quarta-feira pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos (Cebela) com base em dados do Ministério da Saúde. (veja a íntegra do estudo em PDF).

O levantamento compara os números de 1980 com os de 2010 e aponta que, atualmente, os assassinatos possuem o maior peso dentre os fatores externos que provocam as mortes de jovens no país. Em 2010, os fatores externos (assassinatos, acidentes, suicídios) representavam 26,5% das mortes nessa faixa etária – em 1980 eram apenas 6,7% do total.

Dentre os fatores externos em 2010, os assassinatos tiveram o maior peso nas mortes: representaram 43,3% do total. Os acidentes de transporte representaram outros 27,2%.

Isoladamente, homicídios de crianças e adolescentes foram responsáveis por 22,5% das mortes dentre a faixa etária no país naquele ano, aponta o levantamento.

A comparação aponta que as mortes cresceram ainda mais na última década. Enquanto que, em 2000, a taxa de assassinatos dentre as crianças chegava a 11,9 por mil pessoas entre 1 e 19 anos, em 2010 a taxa chegou a 13,8. Segundo o censo do IBGE daquele ano, crianças e adolescentes representavam 31,3% da população.

Entre os estados, Alagoas e Espírito Santo lideram em 2010 a taxa de assassinatos de jovens: 34,8 e 33,8 para cada 100 mil, respectivamente. Já São Paulo e Piauí são os que melhor protegem suas crianças e adolescentes dos crimes, com taxas de 5,4 e 3,6 pro 100 mil, respectivamente, apontam os números.

Em comparação com o ano 2000, porém, Bahia e Pará foram os estados que apresentaram maior crescimento da taxa de assassinatos em 2010, com aumento de 576,7% e 351,3%, respectivamente.

 

Taxa de homicídios entre crianças e jovens por 100 mil habitantes

Estado Taxa 2010      Taxa 2000      % (2000/2010)

Alagoas           34,8    10,1    245,4

Espírito Santo  33,8    20,6    64,2

Bahia   23,8    3,5      576,7

Distrito Federal            22,9    23,9    -4

Amapá            22       20,4    8

Paraíba            21,6    7,5      186,5

Pernambuco   19,3    22,3    -13,3

Pará    19,2    4,3      351,3

Paraná            18,8    8,4      123,8

Rio de Janeiro 17,2    25,9    -33,3

Ceará  16,6    6,1      171,6

Goiás   15,1    8,5      77,4

Rio Grande do Norte  12,7    2,6      387,4

Rondônia         12,4    9,5      30,8

Amazonas       12,1    8,1      48,9

Mato Grosso   12,1    12       1,2

Sergipe            11,2    8,4      31,9

Mato Grosso do Sul    11,1    11,9    -7

Acre    10,8    9,9      9,2

Minas Gerais   10,7    5,2      106,7

Rio Grande do Sul      9,5      7,1      33,3

Roraima          8,7      19,7    -55,9

Tocantins        8,2      4,1      101,8

Maranhão        6,8      2,3      199,7

Santa Catarina            6,4      2,7      135,5

São Paulo       5,4      22,3    -76,1

Piauí    3,6      3,1      17,7

Brasil

13,8

11,9

15,8

* Fonte: Mapa da Violência – 2012: Crianças e Adolescentes do Brasil