Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 17 de julho

17.8.2012

 

CLIPPING

17 de agosto de 2012

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assuntos: Amin fala sobre greves

                   Ex-prefeito Edson Olegário

                   Geral da PM em táxi

 

PROSELITISMO OLHO NO OLHO

Ao desembarcar no Hercílio Luz, vindo do Oeste, o deputado Esperidião Amin parou para conversar com o grupo de policias federais que fazia operação padrão. Disse que o slogan do governo federal deveria mudar de Brasil para Todos para Greve para Todos. E como solução da eterna reinvindicação das categorias por aumento salarial, lembrou da PEC 155, de sua autoria, que prevê o reajuste anual ao servidores federais, evitando paralisações.

 

CRIME E CASTIGO

O ex-prefeito de Camboriú Edson Olegário, o Edinho, vai concorrer novamente à prefeitura no Litoral Norte.

Ele foi preso em 2010 pela Deic, mas responde processo em liberdade. Edinho é acusado de mandar matar o deficiente Eneri de Souza e deverá enfrentar júri popular, conforme decisão recente do TJ.

 

GERAL NO TÁXI

Não estranhe se você estiver num táxi em Florianópolis e for parado para uma geral da PM, pois essa cena promete ser mais intensa a partir de agora, conforme diretriz do tenente-coronel Araújo Gomes, comandante do 4º Batalhão.

Isso porque aconteceram quatro assaltos em que os bandidos fugiram utilizando esse meio de transporte

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Professores decidem pelo fim de greve na UFSC

 

Professores decidem pelo fim da greve na UFSC

Os docentes retornam aos trabalhos hoje, mas o reinício das aulas ainda não está garantido

Depois de mais de um mês parados, os professores da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) retomam os trabalhos hoje. Eles decidiram pelo fim da greve em uma votação que aconteceu ontem nos centros do campus de Florianópolis e nos campi de Araranguá, Curitibanos e Joinville.

Ao todo, foram 958 votos, sendo 772 de membros da Associação dos Professores da UFSC (Apufsc-Sindical) e 186 de não sócios. Destes, 534 votaram pelo fim da greve e 418 pela manutenção do movimento.

De acordo com o presidente da Apufsc-Sindical, Carlos Wolowski Mussi, o fim da greve é resultado de um entendimento da maioria dos professores, mas que não quer dizer que a categoria esteja de acordo com a forma como o governo vem encaminhando as negociações.

– A maioria entendeu que a luta continua, mas com a retomada do trabalho. Continuaremos insistindo em questões que acreditamos que precisam melhorar – explicou o presidente.

Segundo Mussi, pontos como o enquadramento dos professores aposentados e o desmembramento de docentes com doutorado na carreira de professores auxiliares, bem como a progressão, ainda precisam ser revistos.

A retomada dos trabalhos pelos professores, porém, não garante o início das aulas. Isso porque o Conselho Universitário deverá se reunir para avaliar se é possível dar início ao segundo semestre sem os servidores técnico-administrativos que continuam parados. As aulas do segundo semestre deveriam ter sido retomadas no dia 6 de agosto.

Os servidores estão parados desde o dia 16 de junho, também em adesão a um movimento nacional. No domingo eles fecharam a Reitoria, permanecendo até terça-feira, quando a federação foi recebida pelo Ministério do Planejamento, em Brasília.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Servidores da Polícia Federal fecham a Beira-Mar

 

Grevistas fecham a Beira-Mar

Os servidores em greve da Polícia Federal, Ministério Público Federal e Justiça Federal fecharam a Avenida Beira-Mar, na altura da Casa D’Agronômica, residência do governador, por volta das 15h30min de ontem.

Foi apenas um minuto com a via bloqueada, mas o bastante para os movimentos comemorarem a visibilidade conquistada.

– Não queríamos prejudicar o trânsito – disse Paulo Roberto Koinski, coordenador geral do Sintrajusc.

Também à tarde, a Polícia Federal realizou uma operação padrão no Aeroporto Internacional Hercílio Luz. Todos os passageiros passaram pela fiscalização de bagagens e documentação na chegada de um voo internacional. Ao comentar o movimento grevista de policiais federais e policiais rodoviários federais, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse que “abusos e situações de ilegalidade não serão tolerados e terão as medidas necessárias”.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Cão treinado para voar de helicóptero

 

Treinado para voar de helicóptero

Graer de Joinville faz sua primeira simulação de perseguição de fugitivo com cachorro na aeronave

O cachorro, que já é considerado o melhor amigo do homem, a médio prazo pode se tornar também um grande amigo do Grupo de Radio Patrulhamento Aéreo da Polícia Militar de Joinville (Graer).

Ontem, na sede recreativa da Embraco, foi feita a primeira simulação de perseguição a fugitivos com o uso de cães dentro do helicóptero.

O comandante do Graer, capitão Nelson Henrique Coelho, explica que 95% das perseguições na região de Joinville acabam com os suspeitos embrenhados nas matas, o que faz com que a agilidade, a resistência e o olfato privilegiado dos cachorros possam ser determinantes na captura de suspeitos.

– Aumenta as chances de prender quem foge pela mata, facilita a apreensão de drogas e se utiliza uma ferramenta não letal – argumenta.

O instrutor de cães especializado na área policial, Gustavo Fleury, esclarece que os animais tem que passar por pelo menos seis meses de treinamento para ser seguro o uso deles nas ações da PM. No adestramento, os instrutores fazem com que o cachorro se acostume com o ambiente da aeronave e lide bem com o barulho, que para algumas raças pode ser estressante. O ideal é começar a treinar o cão com dois anos de idade, explica Fleury.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Operação Simbiose

 

Audiência será retomada hoje em Joinville

A última audiência do processo que tem Marcos Schoene e o filho, Rodrigo Schoene, como réus da denúncia apurada na Operação Simbiose colocará apenas Rodrigo no centro dos questionamentos de acusação e defesa.

Somente ele será interrogado hoje à tarde, no Fórum de Joinville, porque Marcos Schoene já prestou esclarecimentos em 20 de julho. A previsão era de que Rodrigo também fosse ouvido, mas a continuação daquela audiência teve de ser prorrogada.

Ambos são acusados de promover um esquema de favorecimento na emissão de licenças da Fundação do Meio Ambiente de Joinville (Fundema), entre 2009 e 2011, quando Marcos Schoene esteve na presidência do órgão – a suspeita é de que Rodrigo, como representante da empresa de consultoria Quasa Ambiental, ligada à família Schoene, tivesse preferência nos licenciamentos. Ficará a critério de Marcos decidir se acompanha o depoimento do filho.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Novo posto da PRF nas BRs 101 e 470

 

Novo posto da PRF nas BRs 101 e 470

A partir de hoje, os trechos da BR-101 e da BR-470 que passam por Itajaí e Navegantes serão responsabilidade de um novo posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF). A unidade está instalada na Avenida Contorno Sul, no antigo Posto de Informações Turísticas de Itajaí, próximo ao trevo da Rodovia Antônio Heil. A promessa é que a mudança traga agilidade no atendimento de ocorrências que, até então, estavam sob responsabilidade de outros postos.

Na BR-470, por exemplo, acidentes que ocorriam em Navegantes eram atendidos por agentes do posto de Barra Velha, que chegavam a rodar 40 quilômetros para chegar ao local da solicitação.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Gerais

 

Ônibus de empresa catarinense tomba

Um ônibus da Viação 1001, pertencente ao mesmo grupo da Viação Catarinense, tombou às 5h30min de ontem no km 196 da Rodovia Presidente Dutra, em São Paulo, e causou a morte de uma pessoa e ferimentos em 17. O acidente provocou bloqueio da faixa da direita da pista sentido São Paulo. Equipes dos bombeiros, do Samu e da Polícia Rodoviária Federal estiveram no local atendendo às vítimas.

A Viação 1001 informou que o acidente ocorreu porque o ônibus foi fechado por um caminhão, o que levou o motorista a perder o controle.

 

Automóvel é furtado em delegacia

Um surfista de 30 anos esperou ansiosamente para resgatar seu carro – furtado no último fim de semana – na 3a Delegacia de Polícia de Florianópolis, no Bairro Capoeiras, mas descobriu que o Renault Duster branco havia sido furtado novamente, desta vez no pátio da delegacia, na tarde de quarta-feira.

O furto ocorreu na Praia Mole, no sábado à tarde, enquanto ele surfava. Informado sobre a recuperação do carro no domingo à noite, por policiais da 3a DP, a vítima teve que aguardar a vinda da mãe – que mora em outra cidade –, pois o veículo está no nome dela, para poder resgatá-lo. Quando finalmente chegou à delegacia, foi surpreendido pela notícia de que o veículo havia sido levado e não estava mais no pátio.

– Eles não haviam percebido, e então me fizeram muitas perguntas, como se eu fosse suspeito pelo novo furto – relembrou, inconformado.

Segundo a vítima, que preferiu não divulgar o nome, o carro foi adquirido há quatro meses. A notícia da recuperação foi comemorada pelos familiares, mas a alegria durou pouco.

– Minha avó está bem doente, e quando eu falei para ela que haviam encontrado o meu carro, senti que ela reagiu muito bem, como uma nova motivação para a luta dela em se recuperar. Agora nem sei como falar o que aconteceu – lamentou.

A equipe da 3a DP garantiu ao rapaz que uma operação intensa é realizada para localizar o carro.

 

Ladrão morre após cair sobre cerca

Um homem ainda não-identificado morreu ontem depois de cair sobre as barras de ferro da cerca de uma casa que ele tentava furtar, na manhã de ontem, em Içara, no Sul do Estado. A dona da casa contou à polícia que flagrou o ladrão pronto para a fuga com um notebook e outros objetos. Ele tentou agredir a mulher com uma vassoura e depois se jogou em direção à calçada, mas calculou mal a distância do salto e caiu com o pescoço sobre uma barra de ferro da cerca. O corpo está no Instituto Médico Legal de Criciúma.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Pacto por SC

 

Desafio é vencer a burocracia

Passados 30 dias do lançamento do Pacto por SC, o desafio é vencer a burocracia para colocar em prática o plano de investimentos de R$ 719 milhões idealizado pelo governo. Somente a área de infraestrutura tem bons números para apresentar. Nos demais setores, os projetos engatinham. A justificativa é que não houve a liberação de verba federal. O secretário-executivo do Pacto, Murilo Flores, espera que em 60 dias a fase de contratação de empresas seja superada e as obras iniciem. Mas ele diz que no primeiro no mês se dedicou a colocar o programa em pé. Foi fechado o contrato com o BNDES para liberação de R$ 611 milhões e acertado os termos do empréstimo de US$ de 250 milhões do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Também foi montado programa de computador para gerenciar o pacto. O sistema será alimentado com os dados de investimentos, cronogramas e o que foi executado para permitir o controle e a cobrança em caso de atrasos. Está sendo montada uma equipe para ajudar as secretarias nos editais. Um engenheiro civil já foi recrutado e outros dois farão parte do grupo. Um técnico especialista também integrará o grupo. A meta é evitar que a burocracia atrapalhe a execução das obras e atrase os cronogramas.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Editoriais

Assunto: Operações-padrão da Polícia Federal e Polícia Rodoviária

 

OPERAÇÃO-ABUSO

Os milhares de brasileiros prejudicados pelas operações-padrão da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal nos aeroportos, portos, estradas e fronteiras do país têm novos motivos para exigir que o Congresso Nacional aprove logo a regulamentação das greves no serviço público. Não é possível que os cidadãos que sustentam a administração pública com seus impostos continuem reféns de servidores que se julgam donos do Estado e colocam seus interesses acima dos direitos coletivos. Mais preocupante ainda, porque implica autoritarismo e afronta às liberdades individuais, é o uso da força policial para a obtenção de um intento corporativo, por mais justo que possa ser.

É lamentável que a imagem de instituições respeitadas como as duas corporações referidas, de inestimáveis serviços prestados à nação, seja manchada por lideranças sindicais e por servidores que desrespeitam os demais cidadãos. Quem vai confiar numa polícia que perturba deliberadamente a vida e a rotina dos cidadãos apenas para pressionar o governo pelo atendimento de suas demandas? E onde estão os superiores desses manifestantes, que permitem a sublevação da ordem pública exatamente por quem deveria preservá-la? Ontem, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, chegou a admitir que algumas situações geradas pelo movimento “passaram do limite da legalidade”, mas não anunciou nenhuma medida concreta para coibir os abusos.

As reivindicações dos servidores públicos podem ser legítimas, e todos os cidadãos deste país, sejam eles funcionários do governo ou da iniciativa privada, têm o direito de paralisar suas atividades como assegura a Constituição – desde que, logicamente, arquem com as consequências de suas atitudes. Mas ninguém pode pretender que seus interesses se sobreponham aos dos demais brasileiros, que também têm necessidades, urgências, compromissos para cumprir, horários marcados e tantas outras ações desconsideradas pelos manifestantes.

Os manifestantes alegam que não se trata de greve, mas, sim, de operação-padrão, pois não deixaram de exercer suas obrigações profissionais. Trata-se, evidentemente, de uma hipocrisia. Ao dificultar a movimentação de pessoas nas estradas e aeroportos, eles promoveram, na verdade, uma operação-abuso, utilizando-se da própria autoridade para oprimir quem deveriam proteger e ajudar. Os bons servidores policiais, ainda que pleiteiem, talvez, justamente as mesmas causas, certamente não compactuam com tal comportamento.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Juiz marca audiência no caso do frei Back

 

Juiz marca audiência no caso do frei Back

Data não foi divulgada pelo magistrado para “evitar aglomeração e alvoroço” em frente ao Fórum

O juiz da Comarca de Forquilhinha, no Sul do Estado, Felippi Ambrósio, já determinou a data da primeira audiência com o frei Paulo Back, preso desde o dia 6 de julho e denunciado pelo crime de estupro a dois menores. O procedimento vai reunir, além do réu, testemunhas de defesa e de acusação, mas o dia exato é mantido em sigilo.

De acordo com o promotor que denunciou o pároco, Gabriel Ricardo Zanon Meyer, como o caso ganhou grande repercussão por envolver uma personalidade religiosa de destaque na cidade, o dia da audiência não será divulgado por questões de segurança.

– Isso causaria uma aglomeração e alvoroço em frente ao Fórum e seria uma situação desnecessária – argumenta o magistrado.

Como o caso corre em segredo de Justiça, detalhes do processo – como o conteúdo da resposta da defesa – não são divulgados. O advogado do frade, Marcelo Mello Filho, disse apenas que a inocência foi reafirmada e sustentada de diversas formas.

– Ele será inocentado – garante.

Frei Paulo Back está preso desde o dia 6 de julho, no Presídio Santa Augusta, em Criciúma, e, segundo o advogado, mantém o otimismo, embora apresente alguns momentos de desânimo. Por ser um ministro de confissão religiosa, ele tem direito a ficar numa cela especial, mas, como a unidade não dispõe deste tipo de instalação, o pároco permanece alojado em uma biblioteca.

Após a primeira audiência, o Ministério Público e a defesa terão cinco dias cada para replicar ou rebater os depoimentos das testemunhas.

– Podem ter outras audiências, mas acredito que será somente esta mesmo – alerta o promotor do caso.

A expectativa do Ministério Público é de que a sentença seja proferida até o início de outubro.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Operação Ágata

 

16 mil veículos vistoriados

Cerca de 16 mil veículos já foram vistoriados em 11 dias da Operação Ágata 5 somente em Santa Catarina. A operação está sendo feita pelo Exército nas faixas de fronteira dos três estados do Sul e Mato Grosso do Sul. Durante a operação já foram aprendidos 40 metros cúbicos de madeira ilegal, em Maravilha; R$ 40 mil em notas falsas, em São Lourenço do Oeste, além de dois revólveres, pequena quantidade de maconha e cocaína e mercadorias de contrabando e descaminho vindas do Paraguai.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Crimes e ocorrências

 

Dois ficam algemados em moto

A falta de comunicação entre as secretarias estaduais de Justiça e Cidadania e de Segurança Pública quando o assunto é vagas para presos provisórios na Grande Florianópolis se mostrou evidente, mais uma vez, com o episódio de dois presos algemados a uma moto. Os dois ficaram por cerca de 15 horas dentro da 1a DP de São José, na Grande Florianópolis, no Bairro Forquilhinhas por suposta falta de vagas no sistema prisional. O caso é semelhante a uma situação ocorrida no dia 28 de junho no mesmo local.

A carceragem da 1a DP está desativada desde 2005 e é objeto de uma ação civil pública do Ministério Público Estadual para que a situação seja regularizada naquela e em outras duas DPs do município.

O chefe da investigação da 1a DP, Sérgio Safanelli, contou que dois presos em flagrante foram encaminhados à delegacia por volta das 15h de quarta-feira e ficaram algemados em uma moto até cerca de 9h de ontem por falta de vagas no sistema. O policial disse que foram pedidas três vagas, mas que o Departamento de Administração Prisional (Deap) disponibilizou apenas uma.

 

Deap questiona procedimentos

O diretor do Deap, Leandro Lima, falou que havia vagas disponíveis na quarta-feira, mas que os presos não haviam sido levados ao sistema até às 19h, o último horário para ingresso, por medida de segurança.

O diretor do Deap questiona também o fato de os presos terem sido levados para o sistema prisional apenas às 11h de ontem, sendo que os detidos já haviam feito o exame de corpo de delito (procedimento obrigatório antes de uma pessoa entrar no sistema) no início da manhã.

– O Deap tem se esforçado para atender todas as vagas na Grande Florianópolis. No restante do Estado, vem atendendo a todos os pedidos. Admito que estamos superlotados, mas reconheço o grande esforço de todas as unidades para ampliar o trabalho de execução penal e, assim, gerar mais vagas – observou Lima.

O policial Safanelli diz que há muitos presos no município, e não há local adequado para eles.

– Toda delegacia de comarca que tem um fórum tem necessidade de ter uma central de triagem. São José não tem. Cada município tem que cuidar de seu preso – concluiu.

 

Bando é flagrado em ação no Vale

As dicas de segurança contra quadrilhas de caixa eletrônico repassadas pela polícia à população têm dado resultado. Moradores da cidade de Petrolândia, no Alto Vale do Itajaí, usaram o Disque-Denúncia (número 181) para contar que pessoas estranhas àquela localidade estavam circulando pelas ruas e perto da agência do Banco do Brasil.

Com a informação, uma operação foi montada com policiais militares e civis, que conseguiram antecipar e impedir a ação dos criminosos. As guarnições fizeram campana perto do banco e, por volta das 4h de ontem, prenderam em flagrante parte de uma quadrilha de caixeiros de Joinville. Todos têm passagem por furto a caixa eletrônico.

Murilo Costa Vieira, 30 anos, Alessandro da Costa, 34, e Odair Nelson Divo Raulino, 41, estavam com o maçarico ligado cortando o caixa eletrônico quando foram abordados. Houve troca de tiros, mas ninguém teria ficado ferido. Três foram presos na hora, e o quarto, ontem à tarde.

Participaram policiais de Petrolândia, Rio do Sul, Ituporanga, Blumenau e Porto União. Segundo a Polícia Civil, nos últimos meses, 122 pessoas envolvidas neste tipo de crime foram presas e seis morreram.

___________________________________________________________________________

Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Polícia

Assunto: Crimes e ocorrências

 

Homem de 88 anos é encontrado morto com as mãos e pés amarrados em Palhoça

Idoso morava sozinho em casa e foi encontrado por um familiar

Um homem de 88 anos foi encontrado morto com as mãos e pés amarrados, na cama da casa onde morava, no bairro Passa Vinte, em Palhoça. José Lino Lon morava sozinho e foi encontrado por um familiar, na tarde de quinta-feira.

Peritos estiveram no local e investigadores já começaram a ouvir os vizinhos para tentar descobrir a causa da morte. Há suspeita de latrocínio (roubo seguido de assassinato).

___________________________________________________________________________

Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Hélio Costa

Assunto: Delegacia que cobre o Norte da Ilha

 

Delegacia que cobre o Norte da Ilha não investiga ocorrências de furtos

Além da falta de investigadores, a 7º DP também está desfalcada de escrivão. Com apenas um policial nesta área, inquéritos ficam acumulados

Falta de investigação

Ontem comentei a falta de equipe de investigação na 2ª DP do Saco dos Limões, que abrange toda a extensão do Sul da Ilha. Calhamaço de boletins de ocorrências está engavetado, por falta de agentes para investigar. Hoje quero ressalta que na 7ª DP a situação é pior: além de não ter investigação também, também está desfalcada de escrivão. Havia dois, mas um está a caminho da Central do Norte da Ilha. Fontes oficiais afirmam que na 7ª DP existe mais de 700 inquéritos policiais para relatar. Boletins de ocorrência de furtos (com exceção de roubos encaminhados à especializada de Roubos, e os homicídios à Delegacia Homicídios) e outros delitos de menor gravidade, mas que incomodam a comunidade abarrotam as prateleiras da DP. Um agente comentou que se colocar um boletim sobre outro, o resultado é meio metro de altura. A Delegacia Geral necessita, urgentemente, de fazer uma reformulação no funcionamento das unidades policiais.

___________________________________________________________________________

Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Paulo Alceu

Assunto: Câmeras de videomonitoramento

 

@ Durante a entrega de 10 câmeras de videomonitoramento em São Bento do Sul, o secretário da Segurança, Cesar Grubba, que além de ajudar da prevenção e repressão do crime as imagens compartilhadas com a Policia Civil ajudam no trabalho de investigação.

 

 

 

 

MÍDIAS DO BRASIL

 

 

Veículo: Portal G1

Editoria: Geral

Assunto: PRF inicia greve

 

Justiça proíbe operações padrão de polícias Federal e Rodoviária

Pedido para proibir fiscalização mais dura foi apresentado pelo governo.

Na quarta, terminou sem acordo reunião com sindicato para reajustes.

O ministro Napoleão Nunes Maia Filho, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), deferiu a ação proposta nesta quinta-feira (16) pela Advocacia-Geral da União, que pediu a ilegalidade da operação padrão realizada pelas polícias Federal e Rodoviária Federal.

Na decisão, o ministro determina que as entidades “se abstenham de realizar qualquer operação padrão, que implique abuso ou desafio, de modo que mantenham o seu exercício profissional no nível da sua respeitável tradição”. O descumprimento da decisão implicará multa diária de R$ 200 mil aos sindicatos das categorias.

Nesta quinta, a PF intensificou a checagem de documentos e bagagens nos principais aeroportos do país. A PRF também havia endurecido a fiscalização nas estradas federais em protesto por reajustes salariais. A medida provoca filas e congestionamentos.

Em outro trecho da decisão, o ministro do STJ proíbe “cerceamentos à livre circulação de pessoas, sejam colegas do serviço público, autoridades ou usuários”. “Proíbo a realização de quaisquer bloqueios ou empecilhos à movimentação das pessoas, no desempenho de suas atividades normais e lícitas e ao transporte de mercadorias e cargas”, afirmou na decisão.

Mais cedo, o advogado-geral da União, Luis Inácio Adams, argumentou há um “desvio de finalidades dessas polícias e das competências dessas polícias”. Para o advogado, a operação padrão realiza “sabotagem à ação estatal e prejudica as pessoas colocando pessoas em situações inaceitáveis”.

“Não é mais tolerável, não é mais admissível que um servidor público, para o fim de pressionar o governo, abuse de sua competência, de sua autoridade”, disse o advogdo-geral da União.

O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Marcos Wink, afirmou que a entidade ainda não foi notificada pela Justiça. Ele questionou, contudo, a decisão do STJ. “Isso é muito discutível. Não é o STJ que vai dizer quantos policiais tem que ter no aeroporto, que vai dizer se o policial tem que fazer análise dos documentos de quem viaja em avião. A Constituição dá essa autonomia para a Polícia Federal”, disse Wink.

A reportagem não localizou as outras duas entidades citadas na decisão do STJ, o Sindicato Nacional dos Servidores do Plano Especial de Cargos da Polícia Federal (Sinpecpf) e a Federação Nacional dos Servidores da Polícia Rodoviária Federal (Fenaprf).

 

Sem acordo

Os policiais federais representados pela Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) decidiram entrar em operação padrão após uma reunião que terminou sem acordo nesta quarta-feira (15) com o secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça. Ele é o encarregado do governo em conversar com as entidades e, nesta semana, tem feito uma rodada de reuniões com o objetivo de por fim à onda de paralisações.

Segundo dados do Ministério do Planejamento, os policiais de segunda classe da Polícia Federal no início da carreira pedem reajuste de 139%, elevando a remuneração de R$ 7,885,99 para R$ 18.881,44. Para a segunda classe, o salário passaria de R$ 9.468,92 para R$ 21.319,72, salto de 125%. Já entre os policiais da classe especial passariam a receber R$ 24.014,69 contra os atuais R$ 11.879,08, aumento de 102%.

Já os policiais rodoviários federais, ainda de acordo com o Planejamento, reivindicam reajustes, entre diversas classes, que vão de 53,2% a 95,3%.

Segundo o advogado-geral, a ação não diz respeito à negociação salarial “a discussão de negociação salarial está fora desse espectro. Essa operação é ilegal, não está prevista como instrumento de greve”, afirmou.

Adams, contudo, criticou a pretensão salarial dos grevistas que, segundo ele, ultrapassa o teto constitucional. “Eles não estão promovendo o exercício da fiscalização e do controle da lei, mas usando uma competência legal para pressionar governo e sociedade a uma pretensão que, no nosso entender, é ilegítima, já que ela pretende aumentos que excedem até o teto constitucional”, declarou..