Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 15 de maio

15.5.2012

CLIPPING

15 de maio de 2012

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assuntos:  Subdiretor da Deic

                     Delegado Vinicius Batista da Silva

 

DANÇA DAS CADEIRAS

Célio Nogueira, subdiretor da Deic nos últimos anos, vai ser substituído no cargo.

O nome mais cotado é o da delegada Ana Cláudia Pires.

 

 

COISAS DO DESTINO

Delegado Vinicius Batista da Silva, 33 anos, um dos sete policiais que morreram na queda do helicóptero da Polícia Civil de Goiás, havia passado no concurso para delegado em Santa Catarina. Ele chegou a fazer academia em Florianópolis. Aprovado também na seleção da Polícia Civil de Goiás, teria optado em trabalhar naquele Estado. Também por isso o trágico acidente, que por si só causou comoção, chocou alguns delegados e professores policiais catarinenses que o conheciam.

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Dique ficará pronto dentro de seis meses

 

Dique ficará pronto dentro de seis meses

Obra do Polder PI5 deverá evitar algamentos em bairros de BlumenauUma das obras mais esperadas em duas décadas pelos moradores da região da Fortaleza, o Polder PI5, o dique da Fortaleza deverá ser concluído em seis meses. A estrutura terá a função de bloquear, por meio de comportas, o Rio Itajaí-Açu na foz do Ribeirão Fortaleza, em caso de enchente, para que o ribeirão não ganhe volume nem provoque alagamentos.

Ao mesmo tempo, duas bombas farão a remoção da água excedente do ribeirão e escoarão para o Rio Itajaí-Açu. As obras começarão em 10 dias. Ontem, o governador Raimundo Colombo esteve em Blumenau para assinar o repasse de R$ 2,5 milhões. A prefeitura entrará com contrapartida de mais R$ 1 milhão para custear a obra do dique.

O dinheiro será aplicado na revisão e instalação das duas bombas – adquiridas por aproximadamente US$ 1 milhão –, análise do sistema elétrico que alimentará as bombas e implantação dos painéis de controle. A obra também contempla reforma estrutural do dique, instalado na Rua 2 de Setembro, cujas obras começaram há 16 anos.

O dique está cercado por um matagal e em 2002 chegou a ter todos os painéis do sistema hidráulico furtados, sem nunca ter operado completamente.

– O maior prejuízo é para a comunidade, que sofreu neste período uma série de calamidades que poderiam ter sido minimizadas se esta obra tivesse sido feita antes – considera o governador Raimundo Colombo.

Duas empresas foram contratadas, uma para reformar a estrutura e revisar as bombas e a outra para implantar o sistema elétrico. O prazo para execução dos serviços é de 180 dias. Secretário Municipal de Obras, Alexandre Brollo explica que o dique servirá para controlar o volume de água dos bairros Fortaleza, Fidélis e Itoupava Norte, diretamente atingidos pelo Ribeirão Fortaleza. Mas a área a ser atendida será ainda maior.

– Com exceção do Ribeirão Itoupava, todos os córregos da região Norte deságuam no Ribeirão Fortaleza. O dique vai ajudar a equilibrar o volume de água em caso de cheia – garante o secretário.

A proposta de construir o dique surgiu em 1992, após uma enchente em que o Rio Itajaí-Açu atingiu 12,80 metros, a mesma marca registrada em setembro do ano passado. Comerciantes da região se uniram e financiaram o projeto.

Para o dique da Fortaleza operar com eficiência, um pacote de obras foi necessário, para corrigir e ampliar a vazão do ribeirão, como a construção de galerias nas ruas Gustavo Lueders, Julio Kleine, Paula Hoeltgebaum e Samuel Morse, além da recuperação da galeria da Rua 2 de Setembro, que cedeu na tragédia de 2008. A Ponte da Rua Julio Michel também foi reconstruída em 2009.

 

 

Como vai funcionar

– O Polder terá o acionamento automático e será monitorado pela comunidade, com pessoas capacitadas pela Defesa Civil.

– Quando o Rio Itajaí-Açu sobe, invade o Ribeirão Fortaleza a partir da foz e impede a sua vazão. Se o Itajaí-Açu atingir oito metros, o polder fecha a comporta.

– Para a água do ribeirão não represar, as bombas são acionadas para escoar para o Rio Itajaí-Açu.

– Mas o sistema não é infalível. Se o nível do Itajaí-Açu atingir 14,5 metros, cota da Rua 2 de Setembro, se iguala ao nível do ribeirão e o sistema entra em colapso.

CAPACIDADE

Terá duas bombas, com capacidade de bombear 7,5 mil litros de água por segundo. Vai controlar a vazão da Bacia do Ribeirão Fortaleza, que tem 15 quilômetros quadrados.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Automóveis furtados

 

Deic pega esquema de adulteração

Quadrilha comercializou, em SC, ao menos 230 veículos esquentados com partes de carros acidentados vendidos em leilõesUma quadrilha que agia no Vale do Itajaí e Litoral Norte adulterou e comercializou em revendas pelo menos 230 veículos, a maioria furtada em Santa Catarina. Para legalizá-los, o bando comprava carros acidentados em leilões em outros estados e tinha a colaboração de uma empresa fabricante de placas de Balneário Camboriú credenciada pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

Os crimes foram apurados pela Divisão de Furtos e Roubos da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), da Capital. A ação resultou, até agora, em 12 mandados de prisão e 18 de busca e apreensão. Seis estão presos temporariamente, suspeitos de integrar o bando.

As ordens judiciais começaram a ser cumpridas na quinta-feira e continuaram na manhã de ontem em Balneário Camboriú, Brusque, Camboriú, Itajaí e Curitiba. Os presos foram levados para a Deic e não tiveram os nomes revelados.

Intitulada de Gol de Placas, a operação mobilizou equipes da Deic e dois delegados corregedores do Detran. Desde 2011, foram apreendidos 55 veículos adulterados. À tarde, alguns deles – a maior parte populares, o alvo principal da quadrilha – foram levados para o pátio da Secretaria de Segurança Pública, em São José.

Os policiais evitaram detalhar a ação da quadrilha porque o inquérito está em segredo de Justiça. As ordens de prisão são por cinco dias e, neste tempo, a polícia interrogará os presos em busca de novas informações.

Segundo o delegado Alexandre Carvalho, a investigação já dura 12 meses e a Deic espera apreender ainda 200 veículos identificados como adulterados e que seguem nas ruas.

A polícia afirma ter imagens e monitoramentos que comprovariam a atuação dos criminosos em furtos, clonagem, desmanches e uma série de modalidades criminosas para adulterar e esquentar veículos. A maioria dos furtos – de veículos com as mesmas características dos leiloados – acontecia em Joinville.

A Deic chegou ao grupo por meio de um laranja que tinha, em seu nome, mais de cem carros revendidos em lojas por preços de mercado. A polícia acredita que os compradores das revendas eram de boa-fé e foram lesados pela quadrilha. Os carros investigados têm restrição na documentação e, por isso, a polícia espera localizá-los rapidamente.

 

Checar chassis era insuficiente

A montagem dos carros adulterados era tão benfeita que alguns chegaram a passar por vistorias oficiais. Isto significa que, para a polícia descobrir que o veículo tinha origem ilícita, não bastava apenas a checagem do número do chassis.

Com a denúncia das fraudes em veículos batidos que tinham partes implantadas em carros furtados, a Deic passou a apurar também a origem dos lacres das placas.

– Eles vinham causando um problema sério no Estado – afirmou o diretor do Detran, Vanderlei Rosso.

O diretor disse que vai aguardar a conclusão do inquérito para abrir procedimento administrativo contra a empresa fabricante de placas de Balneário Camboriú. Se houver a confirmação de ação criminosa, Rosso afirmou que ela poderá ser descredenciada e fechada.

Quem suspeitar ter sido lesado na compra de algum desses veículos deve procurar uma delegacia e pedir uma perícia no carro.

 

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Crimes e ocorrências

 

Sete irão a júri popular em Joinville

Uma quadrilha acusada de cinco tentativas de homicídio irá a júri popular em Joinville. A decisão é da 2a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC). Sete pessoas, entre homens e mulheres, foram denunciadas pelo Ministério Público. Todas são membros da família Badalo.

Segundo a acusação, o grupo – além de exercer o tráfico de entorpecentes – formou uma estrutura organizada, com distribuição de tarefas, para a prática de diversos crimes. O líder da quadrilha teria encomendado os cinco assassinatos enquanto estava preso. Em todos os casos, as vítimas foram baleadas, mas conseguiram escapar com vida.

Três denunciados recorreram ao TJSC para não irem a júri, alegando, entre outros argumentos, que não havia provas da materialidade e autoria dos crimes. Mas os desembargadores tomaram a decisão com base no grande número de testemunhas.

– Há elementos suficientes que demonstram os indícios de autoria dos agentes nos crimes de tentativa de homicídio contra as vítimas – afirmou o desembargador substituto Francisco Oliveira Neto.

Dois integrantes da quadrilha morreram em conflito com a polícia. Não foi informada a data do júri.

 

Delegado é vítima de sequestro-relâmpago

Um delegado da Polícia Civil aposentado foi vítima de um sequestro-relâmpago, na tarde de ontem, no Centro de Florianópolis. Paulo Mendonça Souza, 68 anos, foi levado para Palhoça e ameaçado com um revólver durante uma hora e 30 minutos. O assaltante e um comparsa tentaram sacar dinheiro, mas erraram a senha e bloquearam o cartão. Um dos suspeitos foi preso menos de uma hora após liberar a vítima.

 

Dupla explode caixa eletrônico no Sul

Dois homens explodiram um caixa eletrônico do Banco do Brasil de Orleans, no Sul do Estado, às 21h de ontem. A ação dos bandidos aconteceu por volta das 21h, mas o alvo foi um equipamento de emissão de cheques, que geralmente não guarda dinheiro. De acordo com a Polícia Militar, após a explosão, vizinhos da agência bancária viram dois homens fugirem numa caminhonete preta.

 

____________________________________________________________________________Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Segurança

Assunto: Deic prende quadrilha

 

Deic prende quadrilha que legalizava carros furtados no Sul do país

Automóveis eram vendidos em cidades do Vale do Itajaí e Litoral Norte. Cinco pessoas foram presas na Operação

 

Investigadores localizaram 50 carros, outros 229 serão periciados

A Divisão de Furtos e Roubos de Veículos da Deic (Diretoria Estadual de Investigações Criminais) desmembrou uma quadrilha que regularizava carros roubados no Litoral Norte e Vale do Itajaí. Ao todo, 55 automóveis foram apreendidos e outros 229 serão periciados nos próximos dias. A Operação Gol de Placa começou na sexta-feira e terminou nesta segunda-feira (14). Uma empresa especializada na comercialização de placas foi fechada em Balneário Camboriú. O grupo agia em Santa Catarina e no Paraná.

A investigação e a operação correm em segredo de Justiça. O delegado Alexandre Carvalho informou que não pode se manifestar sobre o caso para não comprometer o trabalho. Em três dias, a equipe da Deic cumpriu 18 mandados de busca e apreensão e prendeu cinco pessoas envolvidas na fraude. A quadrilha era investigada há mais de um ano.

O esquema criminoso era feito em quatro etapas. O primeiro passo era a compra de veículos batidos em leilões, procedimento legal. Depois, os suspeitos furtavam automóveis com as mesmas características como cor, ano e modelo. Posteriormente, adulteravam o chassi na documentação e inseriam os automóveis no mercado. A empresa de Balneário Camboriú, credenciada pelo Detran (Departamento Estadual de Trânsito), fornecia as placas originais. Os carros eram vendidos em Blumenau, Timbó, Indaial, Pomerode, Brusque e Gaspar

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Hélio Costa

Assunto: Agentes penitenciários fazem curso básico de inteligência

 

Agentes penitenciários fazem curso básico de inteligência em Florianópolis

São 60h/aula na Academia de Justiça e Cidadania, onde participam catarinenses e paranaenses. Um dos objetivos é a troca de experiência

Inteligência

Agentes das unidades prisionais da região do Vale do Itajaí estão concluindo o 4º Curso Básico de Inteligência Penitenciária, na sede da Acadejuc (Academia de Justiça e Cidadania) em Florianópolis. Participam do evento agentes penitenciários, agentes socioeducativos e policiais militares. Servidores estaduais do Paraná também estão participando do curso. De acordo com o diretor da Acadejuc, Rodrigo Schneider, a iniciativa serve como oportunidade para a troca de experiências e a divulgação de ações coordenadas entre os órgãos que integram o sistema de segurança pública, justiça e cidadania. O curso tem carga horária de 60h/aula e está previsto para terminar na próxima quarta-feira. Louvável a inciativa da academia da Justiça em qualificar os servidores da área da inteligência que operam no sistema carcerário com técnicas inovadoras de investigação, pois é nos corredores das cadeias que muitos crimes são arquitetados.

.