Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 12 de novembro

12.11.2012

 

Clipping do dia 12 de novembro

 

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assuntos: Cela no Presídio de Blumenau

                   FAB

 

COHAB É LUXO

Uma cela no Presídio Regional de Blumenau, com 30 metros quadrados, abrigava 35 presos em recente inspeção realizada por autoridades judiciais. Não precisa ser matemático para saber que cada um deles “usufruía” de menos de um metro de área privativa.

 

DEFESA NACIONAL

A Comissão de Relações Exteriores aprovou requerimento do senador Luiz Henrique (PMDB-SC) para ouvir em audiência pública o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro Juniti Saito. O objetivo é conhecer os projetos estratégicos e estruturais da FAB.

_____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Avião sai da pista em Congonhas

 

Avião sai da pista no pouso

Três pessoas estavam no avião que decolou de Florianópolis e era pilotado por dono de empresa de táxi aéreo de Porto Seguro (BA)

Um avião que partiu de Florianópolis para São Paulo não conseguiu parar durante o pouso e saiu da pista, parando próximo ao muro que separa o aeroporto de Congonhas da Avenida dos Bandeirantes. As três pessoas que estavam a bordo sobreviveram, duas delas com ferimentos leves. Os nomes não foram divulgados.

A aeronave envolvida no acidente é um jato executivo Cessna Citation operado pela empresa de táxi aéreo Tropic Air, que tem sede em Porto Seguro (BA). De acordo com a Tropic Air, o avião era pilotado pelo dono da empresa. A mulher dele e um co-piloto também faziam a viagem. Eles foram levados para o Hospital das Clínicas e para o Hospital Santa Paula. A empresa de táxi aéreo não soube informar ontem os motivos da vinda à Florianópolis.

O escritório da Infraero no Aeroporto de Congonhas informou que a aterrissagem ocorreu às 17h27min na pista auxiliar. O Citation deveria parar 120 metros antes do final do asfalto, mas avançou a cabeceira e desceu um barranco. Os bombeiros agiram rápido e cinco equipes espalharam espuma para evitar um incêndio.

 

Voos atrasaram também no Hercílio Luz, na Capital

A assessoria de imprensa da Aeronáutica emitiu uma nota anunciando que uma equipe de investigação começou a trabalhar para descobrir as causas do acidente. Não existe um prazo específico nem foi fixada uma estimativa para a entrega do relatório apontando os fatores que impediram a aeronave de parar. A justificativa é que são inúmeras circunstâncias para as equipes analisarem.

As duas pistas de Congonhas foram fechadas durante uma hora e seis minutos para o trabalho das equipes de socorro. Os voos foram remanejados para Guarulhos e Viracopos (Campinas), mas a medida não evitou atrasos em 18 voos.

A Infraero de Florianópolis informou que a cidade foi afetada pelo acidente. Três aviões chegaram ao Aeroporto Hercílio Luz, na Capital, mais tarde que o horário previsto. O problema se repetiu no trajeto contrário e duas aeronaves com destino a São Paulo decolaram atrasadas.

_____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Política

Assunto: ONG catarinense é citada em denúncia de desvios

 

 

ONG catarinense é citada em denúncia de desvios

Dono de microempresa diz ao Estadão que 90% de verba para programa social iria para políticos

O dono de uma empresa subcontratada para fornecer alimentos a crianças atendidas por um programa de esportes do governo federal diz que cerca de 90% dos R$ 4,65 milhões que recebeu dos cofres públicos entre 2009 e 2010 foram desviados para políticos de Brasília, Santa Catarina e Rio de Janeiro.

A reportagem foi publicada na edição de ontem do jornal O Estado de S.Paulo. “Era tudo roubo. Vi maços de dinheiro serem distribuídos”, diz o dono da JJ Logística Empresarial Ltda., João Batista Vieira Machado.

Machado diz que foi usado em um esquema montado para fraudar o Segundo Tempo, programa do Ministério do Esporte que atende crianças em atividades físicas em horário extraescolar. A microempresa sediada no município de Tanguá, na região metropolitana do Rio de Janeiro, foi subcontratada pelo Instituto Contato, entidade sem fins lucrativos com sede em Florianópolis que mantinha dois convênios com o Ministério do Esporte. Machado tinha de fornecer lanches para as crianças.

O dono da JJ Logística, porém, afirmou ter fornecido alimentos cujo valor atingiu apenas R$ 498 mil. Os outros R$ 4,15 milhões saídos dos cofres públicos federais que teriam de ser usados para o fornecimento de lanches para as crianças acabaram desviados “para fins políticos”, segundo Machado.

Irregularidades no Programa Segundo Tempo já custaram o cargo do então ministro do Esporte Orlando Silva, demitido pela presidente Dilma Rousseff em outubro do ano passado – a pasta hoje é comandada por Aldo Rebelo, também do PC do B.

O dono da JJ Logística aponta como responsáveis pelos desvios a ONG catarinense que a subcontratou e o empresário José Renato Fernandez Rocha, o Zeca. “O dinheiro vinha do Ministério do Esporte para a ONG de Santa Catarina, que passava para cá. Daqui sacava o dinheiro e mandava de volta para Brasília e Santa Catarina. Retornava o dinheiro todo”, afirma o empresário. “O José Renato (Fernandez Rocha) sacava o dinheiro, colocava numa sacola e levava tudo embora para Brasília e Santa Catarina”, diz o dono da JJ Logística, que alega não saber exatamente para quem o dinheiro era enviado.

O dono da JJ Logística afirma que se apresentará hoje à Polícia Federal para prestar depoimento. Machado também promete levar documentos para as autoridades: notas fiscais, contrato social e alterações e cópias de cheques emitidos.

 

“Quero botar eles na cadeia”

Contrato social da empresa mostra que foi Fernandez Rocha quem fundou a JJ Logística em abril de 2005. Mesmo depois que a transferiu para João Machado, em fevereiro de 2008, teria continuado a assinar os cheques. Além de atuar na JJ Logística, Fernandez Rocha também é sócio da MLH Comercial Ltda.

Machado diz ter decidido denunciar o esquema por ter sido enganado por Fernandez Rocha. “Éramos amigos, mas quero botar eles na cadeia. Peguei empréstimos de R$ 280 mil e agora me viraram as costas”, disse o empresário ao Estadão.

 

ONG também foi citada nas denúncias de 2011

Não é a primeira vez que o Instituto Contato aparece em denúncias. Em outubro do ano passado, o policial militar do Distrito Federal João Dias Ferreira denunciou Orlando Silva de envolvimento em um esquema de desvio de recursos do Programa Segundo Tempo, que provocaram a queda do então ministro do Esporte.

O Segundo Tempo foi criado no início do governo Lula para oferecer a crianças e jovens carentes prática esportiva no contra turno escolar. Na época, em Santa Catarina havia 71 cidades com unidades do Segundo Tempo, sendo que o projeto era tocado pelo Instituto Contato, coordenado por integrantes do PC do B.

Desde 2006, a ONG teria recebido R$ 12 milhões para os núcleos do programa em Santa Catarina. A Controladoria Geral da União (CGU) apontou irregularidades em contratos do Instituto com o Ministério dos Esportes. Em nota, na época, o Instituto Contato disse que nunca tinha tido uma prestação de contas rejeitada pelo ministério. Também apresentou certidão do TCU atestando que os contratos referentes a 2006 estavam regulares.

O Diário Catarinense não localizou, ontem, os integrantes do instituto para comentarem a nova denúncia.

_____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Artigos

Assunto:  Arquitetura e desastres naturais, por Priscila Besen*

 

 

Arquitetura e desastres naturais, por Priscila Besen*

Tudo parecia muito bem preparado para o Furacão Sandy, que passou por Nova York há dez dias. Passada a tempestade, esperava-se que tudo voltasse ao normal. O furacão já estava a quilômetros de distância, mas os problemas ficaram.

Toda parte sul de Manhattan ficou sem energia por quase cinco dias. Para os norte-americanos, passar uma semana sem água e sem energia foi uma experiência de outro mundo. Saber poupar recursos foi outra tarefa difícil. Logo que as luzes se apagaram, todos usaram seus computadores até a bateria acabar. Depois, foram para o celular, e também gastaram tudo que tinham. Quando perceberam, estavam sem nenhum meio de comunicação.

Também se percebe o quanto os edifícios da cidade são dependentes da rede elétrica. Iluminação, aquecimento de água, fogão, calefação, nada funcionava sem energia. Fica evidente a necessidade de se ter uma arquitetura mais eficiente, com o uso de iluminação natural, aquecimento solar, captação de água da chuva. É muito mais fácil passar por essas situações em uma edificação autossuficiente.

Na escala da cidade, nota-se o descaso dado às redes de abastecimento. Nova York se moderniza aparentemente, mas sua infraestrutura no subsolo continua a mesma há décadas. Vale a comparação com Florianópolis, cujo abastecimento de água depende de uma tubulação projetada para a cidade de anos atrás, quando a demanda era menor. Alguns bairros sofrem com falta de água, e no verão, o problema é generalizado.

Essas situações revelam a fragilidade das grandes metrópoles: basta que algo não funcione para que se inicie o caos. Com a população concentrada em centros urbanos, é preciso investir em infraestrutura, edificações mais eficientes e contribuir com ações para não acelerar o processo de mudanças climáticas. É hora de se acostumar com esses eventos e não tratá-los como eventualidades.

 

*ESTUDANTE DE ARQUITETURA DA UFSC E BOLSISTA DO PROGRAMA CIÊNCIAS SEM FRONTEIRAS EM NOVA YORK

_____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Mundo

Assunto: Queda de general

 

 

Poder, amor e espionagem agitam política americana

Ex-diretor da CIA deixa o cargo após investigação do FBI descobrir que a amante dele usou seu e-mail

Um general de quatro estrelas no auge da carreira. Duas mulheres e os segredos de uma agência de espiões em jogo. Somam-se ao enredo imagens de guerra no Iraque e no Afeganistão e a disputa pelo governo da maior potência mundial. Roteiro de filme? Não. Ainda não.

Os elementos que levaram o chefe da Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês), David Petraeus, a pedir demissão três dias depois de Barack Obama ser reeleito presidente dos EUA conduziam na sexta-feira apenas a um triângulo amoroso especialmente indigesto para políticos americanos. O caso, porém, ganhou dimensões de escândalo político que abafa a vitória do democrata.

Petraeus deixou o posto dizendo-se “sem juízo” por ter traído sua mulher, Holly, com quem é casado há 37 anos. Mas a desistência não seria fruto de uma crise de consciência. Ele fora investigado pelo FBI, a polícia federal americana, após um alerta feito por Jill Kelley, que conhece Petraeus e se disse intimidada por e-mails ameaçadores.

O FBI desconfiava da possibilidade de que o correio eletrônico da autoridade tivesse sido hackeado – uma ameaça à segurança nacional. A investigação acabou revelando o affair entre ele e sua biógrafa, Paula Broadwell, casada e mãe de dois filhos. A escritora, desconfiada que ele teria outra amante, acessou conteúdo da conta privada do militar no Gmail. Ontem, o Washington Post revelou detalhes de supostas imprudências cometidas por Petraeus e que violam os procedimentos de segurança da CIA.

_____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Segurança

Assunto: Entrevista com Comandante geral da PM

 

“Os ataques devem ser punidos severamente”

Nazareno Marcineiro, Comandante geral da PM

Presidente do Conselho Nacional dos Comandantes-gerais das Polícias Militares e dos Corpos de Bombeiros e comandante-geral da PM de SC, coronel Nazareno Marcineiro fala dos ataques em SP, cuja autoria investigada seria da principal facção criminosa paulista, em que pelo menos 95 agentes de segurança foram mortos este ano. Ele considera que não há correlação com SC.

 

Diário Catarinense – Qual a motivação para o que o senhor chama de “guerra silenciosa” em SP?

Nazareno Marcineiro – O que ocorre em São Paulo é que se instalou uma reação do crime contra a atuação das forças regulares do Estado. Um desrespeito às instituições públicas por parte de criminosos que se consideram acima do Estado.

 

DC – Quais mecanismos que o Conselho está buscando para que criminosos de SP suspeitos pelos ataques não fiquem impunes?

Marcineiro – Fazer com que esses ataques sejam punidos com muita severidade. É por isso que estamos buscando incluir entre os crimes hediondos ataques a agentes da lei, por meio do abaixo-assinado do movimento Reaja Brasil (o link é www.peticaopublica.com.br/peticaoassinar.aspx?pi=reaja.bra). Estamos obtendo resultados bastante expressivos em todo o país.

 

DC – A guerra em SP também está acontecendo em SC?

Marcineiro – Não percebo isso, não. Nós temos o caso do ataque contra a agente penitenciária, o atentado ao policial civil no Norte da Ilha e disparos contra a base da Polícia M na Vila Aparecida. Mas nenhum dos três casos têm relação entre si.

 

DC – Como o senhor acha que a organização criminosa catarinense pode ser combatida?

Marcineiro – Não tenho como afirmar que há uma organização criminosa atuando. Mas sei que os presídios devem ser lugares de reclusão de criminosos. Lá dentro, a comunicação com o mundo externo deve ser restringida o máximo possível. Contato com familiares e advogados deve ser devidamente monitorado. Comunicação com uso do celular com o mundo externo é extremamente comprometedora para a segurança pública.

 

DC – Profissionais da segurança dizem que se a facção criminosa catarinense não for combatida, SC vai se tornar SP nos próximos anos. O senhor concorda?

Marcineiro – Penso que o Estado que tenha uma facção criminosa atuando de forma livre e solta chega sim, sem dúvida nenhuma, a um estado de desrespeito à instituições de segurança como é o caso de São Paulo. Não estou afirmando que em SC há uma organização criminosa.

_____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Segurança

Assunto: Visitas continuam proibidas na Penitenciária São Pedro de Alcântara

 

Visitas continuam proibidas na unidade

As visitas de parentes de presos da Penitenciária de São Pedro de Alcântara continuam suspensas. Familiares de diversas regiões de SC fazem vigília 24 horas, em forma de revezamento, perto da unidade prisional desde quarta-feira. Naquele dia, um motim foi registrado na penitenciária e denúncias de tortura contra detentos vieram a público. Desde então, as visitas não são permitidas. Na madrugada de ontem, enquanto rezavam, cerca de 30 mulheres acenderam velas nos dois lados da estrada que leva até a penitenciária.

_____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Segurança

Assunto: Crimes e ocorrências

 

Homem é encontrado morto dentro de carro

Um veículo foi encontrado capotado no bairro Saco Grande, na Capital, na noite de sábado. Dentro dele, o corpo de Edegar Ageu Furtado, 18 anos, apresentava marcas de tiros. Uma das hipóteses da investigação é de que a vítima tenha fugido da tentativa de um assalto, perdido a direção e capotado com o carro. Segundo a PM, moradores disseram que os disparos teriam partido de um Corolla branco. A PM informou que Furtado não possuía antecedentes criminais. Nenhum suspeito havia sido preso até ontem à noite.

 

Jovem de 16 anos é detido por tráfico

A Polícia Civil liberou o adolescente de 16 anos detido com um quilo de pasta-base de cocaína e um quilo de crack no Terminal Rodoviário Rita Maria, na Capital, sábado à noite. A carga seria levada de SC para o RS. A apreensão foi realizada pela agência de inteligência do 7o Batalhão de PM com apoio do Pelotão de Patrulhamento Tático do 7o BPM. A droga foi apreendida e o rapaz encaminhado à 6a DP da Capital. O adolescente foi enquandrado por tráfico de drogas, crime em que não há ameaça contra a vida, e depois liberado.

_____________________________________________________________________________

Veículo: A Notícia

Editoria: Geral

Assunto: Homem morre afogado em Guaramirim, Norte de SC

 

 

Homem morre afogado em Guaramirim, Norte de SC

Vanderlei Felisbino, conhecido como Mazzo, será enterrado nesta segunda-feira

 

 

 

 Vanderlei Felisbino, de 32 anos, o Mazzo, morreu afogado por volta das 8 horas deste domingo. O rapaz, conhecido em Guaramirim, no Norte de SC, pelas imitações de Michael Jackson, entrou no rio Itapocu para molhar o cabelo, escorregou e foi puxado pela correnteza. Como não sabia nadar, desapareceu em um local com profundidade estimada de quatro metros.

Cinco mergulhadores do Corpo de Bombeiros de Guaramirim e Jaraguá do Sul trabalharam nas buscas. O corpo de Mazzo foi encontrado por volta das 12 horas. Ele era solteiro e morava com os pais.

No Facebook, a fanpage chamada “Mazzo Facts”, com 157 fãs, traz a seguinte descrição: “Uma homenagem ao mito, ao ícone da dança e da cultura guaramirense que atende pela simples alcunha de Mazzo!”

O velório está previsto para começar às 17 horas deste domingo, na Capela Bom Jesus (ao lado da Igreja Matriz de Guaramirim) e o sepultamento será às 16 horas de segunda-feira, no Cemitério Municipal.

_____________________________________________________________________________

Veículo: A Notícia

Editoria: Geral                               

Assunto: Criadora do Diário de Classe no Facebook diz que não sai de casa sozinha

 

 

Criadora do Diário de Classe no Facebook diz que não sai de casa sozinha

Isadora Faber contou em entrevista à Folha de S.Paulo que a vida mudou após criar a página no Facebook

A criadora da página Diário de Casse no Facebook, Isadora Faber, disse que os pais não a deixam mais sair sozinha pelas ameaças que a menina está sofrendo. A estudante catarinense afirmou em entrevista à Folha de S.Paulo que enfrenta represálias de colegas na Escola Municipal Maria Tomázia Coelho, de Florianópolis, onde cursa a 7ª série.

— Tem bastante aluno que me xinga, que diz que vai me bater, me pegar na saída. Mas não tenho medo porque meus pais estão sempre lá — disse a garota em entrevista para a Folha.

Isadora diz que ficou surpresa com a repercussão da página. Ela afirmou que fica feliz que a escola esteja recebendo reformas, mas se preocupa com a reação negativa que recebe. Segundo a Folha, o Ministério Público acompanha a situação da estudante para saber se ela não está sendo constrangida na escola.

Desde que criou o Diário de Classe, em julho, a menina faz postagens todos os dias sobre temas relacionados à escola, desde a estrutura quanto à atuação de professores. Um deles acabou demitido após Isadora reclamar que ele não conseguia controlar a turma. Outra professora, citada em um post, registrou um boletim de ocorrência que levou a menina a prestar depoimento na delegacia. Na semana passada, a casa de Isadora foi apedrejada.

_____________________________________________________________________________

Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Hélio Costa

Assuntos: PRF

                 São Pedro de Alcântara

 

PRF deveria fiscalizar as condições de veículos em trânsito nas rodovias

Se ela foi criada para cuidar do trânsito por que não executa vistorias preventivas? Assim, muitos acidentes seriam evitados

Fiscalização zero

A tragédia na BR-376, divisa entre Paraná e Santa Catarina, onde um caminhão sem  freio colidiu em sete veículos e matou  sete pessoas, poderia ser evitada se a Polícia Rodoviária Federal fiscalizasse as condições de veículos em trânsito e que também realizasse inquéritos policiais sobre acidentes rodoviários. No governo Collor, 1991, os patrulheiros, antes vinculados ao Ministério dos Transportes, passaram a ser subordinados ao o Ministério da Justiça cuja atribuição ficou restrita ao comando de trânsito e  serviços operacionais contra o crime organizado. Ocorrências de acidentes  são apuradas pela Polícia Civil  que apenas houve as partes envolvidas e sequer realiza a perícia em veículos para constatar se os freios estavam funcionando quando ocorreu o sinistro. Se a  PRF foi criada para cuidar do trânsito ela  deveria ter peritos e executar vistorias, preventivas, detalhadas, nos veículos em trânsito.  Assim muitos acidentes fatais seriam evitados.

 

O que está acontecendo em São Pedro de Alcântara?

Depois da execução da mulher do diretor da penitenciária, o clima continua tenso nas galerias da maior casa de detenção de Santa Catarina

São Pedro de Alcântara

Se a motivação do assassinato da agente prisional Deise Fernandes  seria uma retaliação dos presos de São Pedro de Alcântara, descontentes com o regime linha dura imposto pelo diretor da penitenciária Carlos Antônio ele jamais deveria permanecer no comando durante as investigações. Deise era mulher dele. No dia do crime Carlão estava em São Paulo.  Os vidros do carro do casal são revestidos com película escura e o atirador imaginou que o diretor estaria ao volante do veículo. Se a ordem veio de dentro do presídio, Carlão  deveria ficar numa “quarentona”, longe da penitenciária. No meio da semana houve pente fino e as visitas foram cortadas. Companheiras de detentos surpreendidas com a medida no portão denunciaram que três presos teriam sido agredidos. A direção desmentiu.   Afinal, o que está ocorrendo na casa de detenção?

 

 

MÍDIAS DO BRASIL

 

 

Veículo: Portal G1

Editoria: Geral

Assunto: PM determina prisão de 5 policiais suspeitos de matar homem em SP

 

 

PM determina prisão de 5 policiais suspeitos de matar homem em SP

Policiais afirmam que corpo foi encontrado em viela após perseguição.

Imagens mostram que rapaz estava vivo ao ser dominado por policiais.

 

O comandante geral da Polícia Militar do estado de São Paulo, Roberval Ferreira França, determinou neste domingo (11) a prisão de cinco policiais suspeitos de participação no assassinato do servente Paulo Batista do Nascimento, de 25 anos.

O homem aparece vivo, cercado por policiais em uma rua do bairro do Campo Limpo, periferia da Zona Sul de São Paulo, em um vídeo feito por um vizinho e mostrado em reportagem do Fantástico deste domingo. Assista no vídeo ao lado.

No vídeo, após levar um tapa e um chute dos PMs, o servente é levado para o carro da polícia. Na imagem, um policial ergue os braços em posição de tiro. Não é possível ver disparos, mas logo a seguir ouve-se um barulho. Quando a câmera volta a mostrar a rua, dá para ver a movimentação de alguns policiais.

No boletim de ocorrência, PMs relataram que o corpo foi encontrado em uma viela pelos policiais.

São Paulo vive uma onda de violência nos últimos meses, com mais de 90 policiais mortos desde o início do ano. Segundo investigações do Ministério Público, há indícios de que a onda de violência foi desencadeda por uma operação da Rota, a tropa de elite da PM (saiba mais). Em 28 de maio, policiais da Rota mataram seis suspeitos de pertencerem a uma facção que se reuniam no estacionamento de um bar na favela Tiquatira, na região da Penha, Zona Leste. Em junho, como represália, 11 policiais foram assassinados.

 

Outra reportagem do Fantástico exibida neste domingo mostra: autoridades sabiam há três meses que os ataques a policiais iriam ocorrer e não avisaram a tropa. Assista no vídeo ao lado.

Flagrante

No caso do servente morto, segundo a Polícia Militar, dois policiais tentaram abordar um carro que havia sido roubado, mas foram recebidos a tiros. De acordo com o Boletim de Ocorrência, Paulo Batista do Nascimento estaria no veículo com outros dois passageiros. Houve troca de tiros durante a perseguição e, segundo a polícia, Nascimento teria conseguido fugir.

O Boletim de Ocorrência não dá detalhes sobre o que aconteceu com o homem depois. O documento apenas relata que o corpo foi encontrado em uma viela pelos policiais.

Os policiais afirmam ter socorrido Nascimento, que deu entrada às 21h40 no hospital. Outro ferido na mesma ocorrência tinha sido deixado no hospital uma hora antes.

O rapaz assassinado já havia sido condenado por receptação, roubo e falsificação de documentos.

 

Afastamento

Após uma reunião de emergência neste domingo, o comandante da PM pediu a prisão dos policiais envolvidos. Outros 25 policiais que participaram da ocorrência, mas não aparecem no vídeo, foram levados para um quartel e serão liberados depois de prestar esclarecimentos.

“Tão logo tomamos conhecimento dos fatos, determinamos a prisão de todos os policiais militares envolvidos. A Polícia Militar vai apurar rigorosamente e, de acordo com as provas que forem carregadas ao inquérito, ao processo, esses policiais militares deverão ser processados, demitidos ou expulsos da corporação”, afirmou França.