Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 06 de julho

6.7.2012

 

CLIPPING

06 de julho de 2012

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assuntos: Gerais

 

Sindicância termina até quarta que vem

Prefeitura apura baixas de dívidas de três boxes feitas sem o pagamento

A sindicância que apura a suspeita de fraude na quitação das mensalidades de uso de boxes de Mercado Público de Florianópolis deve ser concluída até a próxima quarta-feira. Essa foi a promessa do procurador do município, Jaime de Souza, na coletiva à imprensa concedida na tarde de ontem, após o DC publicar, com exclusividade, a investigação do esquema.

A prefeitura confirmou que o cancelamento indevido das dívidas de três estabelecimentos foram realizadas de dentro Pró-cidadão.

O procurador não quis informar quais são os boxes que estariam envolvidos. Apenas afirmou que um deles tem uma dívida superior a R$ 80 mil. Segundo Souza, o prefeito Dário Berger teria recebido denúncia sobre a prática e solicitado uma análise dos pagamentos dos donos de boxes que quitaram ou negociaram as dívidas. Em junho, a prefeitura ameaçou lacrar as portas dos 42 maus pagadores. A dívida dos comerciantes ultrapassava R$ 2 milhões.

– Três casos tiveram o cancelamento do débito sem o devido pagamento – confirmou Souza.

Na sexta-feira passada, a supervisora de atendimento do Pró-cidadão Evelise Lemos Brasil, foi afastada do cargo por ser suspeita de, pelo menos, ter facilitado o esquema. Concursada, Evelise continua atendendo como servidora, pois não poderia ser exonerada definitivamente antes de concluída a investigação. Ela depôs ontem na sindicância.

– O cancelamento (da dívida) se deu com a utilização de entrada (senha) do sistema que era particular dela – afirmou Souza.

O procurador disse que Evelise informou ter repassado a informação sigilosa a um atendente da Fundação de Apoio à Educação, Pesquisa e Extensão da Unisul (Faepesul), que gerencia o Pró-cidadão. Esse técnico teria executado o cancelamento.

– Ela não poderia ter passado senha para ninguém, por isso perdeu o cargo de supervisora. Ela confirmou que tinha repassado a senha para outra pessoa. O cancelamento foi feito ali dentro – acrescentou o secretário de Receita, Sandro Fernandes.

 

Pinguins encontrados em Bal. Barra do Sul

Dois pinguins foram resgatados pela equipe do Corpo de Bombeiros do Balneário Barra do Sul, mas um não conseguiu sobreviver. O outro continua sendo alimentado pela corporação e ganhou apelido de Corintiano. O primeiro animal foi encontrado por moradores da Praia de Salinas. Já Corintiano foi encontrado perto da banca dos pescadores da Barra, no Centro da cidade.

 

Mulher morre após ser atingida por carro

Uma motociclista de 19 anos morreu em um acidente por volta das 13h de ontem na BR-470, em Campos Novos, no Meio-Oeste catarinense. Mayara Parize conduzia uma Honda Biz quando foi atingida por um Fiat Palio, no km 323. Ela morreu na hora. O motorista, de 62 anos, não se feriu. Segundo a PRF, ele teria invadido a pista contrária. Um teste de bafômetro comprovou que o condutor estava alcoolizado no momento do acidente.

___________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Greve dos servidores

 

Grevistas fecham acessos à UFSC

Correntes impediram a entrada de veículos no campus Trindade, em ação que também marcou a adesão dos servidores do HUOs servidores técnico-administrativos da Universidade Federal de Santa Catarina fecharam os portões do campus Trindade, na Capital, na manhã de ontem, e impediram o acesso de veículos. Durante a madrugada, o comando de greve colocou correntes nos três locais.

Os acessos ficaram fechados até as 18h. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores da UFSC (Sintufsc), a medida foi tomada para chamar a atenção para a greve nacional, que completa 25 dias.

No início da tarde, após uma confusão entre grevistas e alunos e um professor, que tentaram furar o bloqueio, o servidor Joel de Assis foi ferido na testa por uma corrente e encaminhado para a emergência do HU.

 

Na UFSC, os servidores aderiram ao movimento no dia 11 de junho.

– Estamos defendendo não só a classe escolar, mas um bem público – afirmou o coordenador geral do Sintufsc, Celso Ramos Martins.

A ação de ontem também marcou a adesão dos trabalhadores do Hospital Universitário (HU) à greve. Parte dos servidores do ambulatório não prestou atendimento. As consultas foram suspensas na segunda-feira.

– A greve no HU será de forma gradativa, sempre com a preocupação de não prejudicar os pacientes e a comunidade – explicou Martins.

Na quarta-feira, a reitoria havia discutido com os grevistas a paralisação do ambulatório. Segundo a assessoria de imprensa da UFSC, os grevistas asseguraram a continuidade de alguns “serviços críticos realizados no ambulatório”, como quimioterapia, hemodinâmica e de cateterismo cardíaco, atendimento à gestação de alto risco e câncer de mama”.

Na semana passada, o Conselho Universitário decidiu que vai manter o calendário acadêmico e finalizar o semestre letivo no dia 11 de julho.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Política

Assunto: Combate ao crack

 

 

SC no combate ao crack

O combate ao crack em Santa Catarina será feito com R$ 56 milhões. O investimento foi anunciado ontem durante a assinatura do termo de cooperação entre prefeitura da Capital, governo do Estado e federal.

Os recursos serão aplicados na aquisição de equipamentos e treinamento de pessoal das áreas da saúde, assistência social e segurança pública. Para as diversas ações desenvolvidas em Florianópolis, por onde o programa se inicia, serão destinados R$ 11,3 milhões.

Participaram do evento, no Centro Integrado de Cultura, as ministras Tereza Campelo, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; Ideli Salvatti, das Relações Institucionais; o governador Raimundo Colombo e o prefeito Dário Berger. Também foi anunciado o Plano Santa Catarina Sem Miséria. Com ele, o governo estadual se compromete a pôr em prática ações para erradicar a miséria.

O programa se chama Crack, é Possível Vencer e tem custo de R$ 4 bilhões em recursos federais.

– Vamos tratar diferentemente o traficante e o usuário – defendeu a ministra Tereza Campelo, ao explicar que as ações policiais de combate ao crack no país.

 

Orçamento será maior

Sobre o Plano Santa Catarina Sem Miséria, o governador Raimundo Colombo deu uma boa notícia: disse que para 2013 o governo vai aumentar o orçamento da área social. Explicou que a parceria com o governo federal que irá permitir o complemento de renda para os beneficiados com o Bolsa Família e demais programas é rápido e eficiente e chega as pessoas não apenas no aspecto financeiro, mas também com emprego.

– Hoje, falar em paternalismo é coisa do passado. Precisamos criar mecanismos para que às pessoas possam se tornar independentes, isso com a ajuda do Estado – disse.

Os números apontam que Santa Catarina tem 115 mil pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Operação Simbiose

 

Acusados têm o depoimento adiado

Testemunhas faltam, e Marcos e Rodrigo Schoene só serão ouvidos dia 20Não será hoje que Marcos Schoene e o filho, Rodrigo Schoene, darão depoimentos no Fórum de Joinville. Como uma testemunha não foi à audiência de ontem, o interrogatório deles foi remarcado para o dia 20.

Eles são acusados de favorecer a empresa Quasa Ambiental, ligada à família Schoene, enquanto Marcos esteve à frente da Fundação Municipal do Meio Ambiente de Joinville (Fundema), entre 2009 e 2011.

Ao contrário dos últimos quatro dias de depoimentos, que contaram apenas com testemunhas de defesa, ontem foram ouvidas duas mulheres intimadas pelo Ministério Público.

Cássia Regina Freiberger da Cruz, dona de uma oficina de carros, afirmou ter sido procurada pela Quasa, representada por Rodrigo, após ter problemas para obter a renovação de um licenciamento ambiental com outra empresa de consultoria.

Segundo a empresária, o laudo foi emitido pela Fundema cerca de dois meses depois. Rodrigo teria cobrado R$ 5 mil pelo trabalho. Conforme o depoimento, os papéis que constavam na licença também apontavam serviços feitos pela consultoria anterior. Outras cinco testemunhas de defesa disseram não ter presenciado os fatos narrados na denúncia.

O advogado de Rodrigo, Paolo Farris, contesta a acusação de cobrança por serviços não realizados.

– Aquele licenciamento tem três registros de serviços assinados pelo Rodrigo. Ele foi procurado por uma pessoa que trabalhava para a oficina e intermediou esse contato – garante o defensor de Rodrigo.

 

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Moacir Pereira (Interino Mário Pereira)

Assunto: Jovens infratores

 

PARA FIM DE PAPO

Dados revelados pelo presidente da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados, Efraim Morais Filho (DEM-PB), são assustadores: 70% dos jovens infratores no país estão envolvidos com drogas; o consumo de crack cresceu 700% em quatro anos; há mais de 500 mil mandados de prisão esperando para serem executados. E la nave va…

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Família feita refém dentro de casa

 

Família feita refém dentro de casa

Ladrões invadiram a residência às 9h de ontem, amarraram o pai, a mãe e o filho e fugiram levando o carro, dinheiro e objetos

Um casal de idosos e o filho foram mantidos reféns enquanto um trio de assaltantes armados revirava a casa de dois andares da família, ontem pela manhã, numa rua transversal à rodovia SC-401, perto da entrada para Santo Antônio de Lisboa, no Norte da Ilha.

Por 30 minutos, assaltantes encapuzados procuraram objetos de valor, deixando o pai, 64 anos, a mãe, 63, e o filho, 30, amarrados com fios de telefone e cadarços, na cozinha.

A família conta que os criminosos surgiram do meio do mato, a pé, às 9h. Pai e filho estavam na cozinha. A mãe foi alertada de que algo estava errado, mas desceu para ver o que acontecia e também foi amarrada.

– Eles diziam para a gente ficar em silêncio e colocavam tudo abaixo – recorda a mulher.

 

Segundo assalto em menos de seis meses

Este foi o segundo assalto à casa em menos de seis meses. No início do ano, os três foram mantidos reféns, em condições semelhantes, por outro grupo que invadiu o imóvel. A casa é cercada por árvores e fica vulnerável pela localização isolada.

– É muito triste que isso esteja acontecendo – lamenta a mãe.

O trio levou apenas objetos pequenos ou fáceis de carregar, como roupas, relógios, celulares, documentos, uma pequena quantia em dinheiro e joias, além de um revólver antigo, calibre 38, do dono da casa. Eles fugiram no carro da família – um Peugeot 206 – em direção ao Centro.

Os reféns se soltaram e chamaram a Polícia Militar, que encontrou o veículo, abandonado, no Bairro João Paulo. Até o fechamento desta edição, ninguém havia sido preso.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Sumiço de armas

 

 

Dez policiais investigados no 8º Batalhão

A Polícia Militar (PM) já começou a cumprir mandados de busca e apreensão em casas de possíveis envolvidos no sumiço de cem armas do 8o Batalhão da Polícia Militar, em Joinville.

Segundo a chefe da Comunicação Social da PM, tenente-coronel Claudete Lehmkuhl, 10 policiais com acesso às armas são investigados. Todos já foram afastados das atividades ligadas à reserva de armamentos.

– Por enquanto, nenhuma arma foi encontrada. As imagens das câmeras de segurança também já foram analisadas e não apontaram nenhum indício de irregularidade. Por isso, até o momento, nenhuma prisão foi decretada – diz a oficial.

Segundo ela, é a primeira vez que um número tão grande de armas desaparece de dentro de um batalhão. A corporação já acionou as polícias Civil e Federal e o Ministério Público para ajudar nas investigações.

– Como esse relatório é mensal, as armas devem ter sido roubadas do quartel durante este último mês, mas também não está descartada a hipótese de que pode ter ocorrido algum erro administrativo, no registro das armas – diz Claudete.

De qualquer forma, a tenente-coronel explica que qualquer indício de crime leva, obrigatoriamente, à abertura de inquérito policial – instaurado na última terça-feira –, que deve ser concluído dentro de 40 dias.

 

 

 

BLOGS

 

Cláudio Prisco

 

Avanço

A Assembleia aprovou na quarta-feira, em dois turnos, a proposta de emenda à Constituição, que reconhece a carreira do delegado de polícia como atividade essencial na defesa da ordem jurídica. A iniciativa, de autoria do deputado licenciado Maurício Eskudlark (PSD), construída em consenso com a Associação dos Delegados e com emendas dos deputados tucanos Dado Cherem e Doía Guglielmi, contempla uma antiga reivindicação da categoria.

Eskudlark justifica que o projeto também resgata uma importante prerrogativa funcional da categoria.  A PEC vai agora para sanção do governador.

 

 

MÍDIAS DO BRASIL

 

 

Veículo: Folha Online

Editoria: Brasil

Assunto: PM de SP retira das ruas quase 3.000 policiais em 4 anos

 

 

 

PM de SP retira das ruas quase 3.000 policiais em 4 anos

Desde 2008, quase 3.000 policiais militares deixaram as ruas para trabalhar em funções administrativas no Estado, enquanto cresceram os principais índices criminais, com exceção do homicídio doloso (intencional).

 

‘Choque de gestão’ levará 21 mil PMs às ruas, diz comandante

A conclusão é do TCE (Tribunal de Contas do Estado) no relatório de análise das contas de 2011 do governador Geraldo Alckmin (PSDB), aprovadas há uma semana.

Segundo o órgão, em 2008, havia 60.347 PMs atuando nas ruas, número que caiu no ano passado para 57.630. Já o efetivo administrativo aumentou de 20.542 para 23.301.

O relatório cita a “diminuição do efetivo existente (…) em contraponto ao aumento dos indicadores de criminalidade” e pede “melhor aproveitamento dos recursos humanos à disposição da PM”.

“Há uma interpretação superficial de dados”, afirma o comandante-geral da PM, coronel Roberval França, que cita o fato de o TCE contar como administrativos 2.000 PMs que atuam nos Copoms (centros de emergência que recebem chamados da população). “A operação não existe se você não tiver o Copom.”

Apesar disso, a transferência de contingente administrativo para as ruas é uma das prioridades de França, que assumiu o cargo há 90 dias.

Ele apresentou a Alckmin um plano que prevê transferir 7.000 policiais do setor administrativo para as ruas neste ano. Até 2015, a ideia é redirecionar 21 mil homens.

 

Especialistas divergem sobre o impacto de ter menos policiais atuando nas ruas.

Para o pesquisador da FGV e ex-diretor da Secretaria Nacional de Segurança Pública, Guaracy Mingardi, a redução é prejudicial. “Como o Estado não vive uma redução da criminalidade, principalmente os crimes patrimoniais, não tem sentido tirar PM da rua.”

Já para Daniel Cerqueira, do Ipea, não dá para dizer que, quanto maior o policiamento ostensivo, menor é a taxa criminal. “O policiamento é só um dos fatores que interferem na redução da criminalidade.”

 

POLÍTICA

Para o deputado estadual Olímpio Gomes (PDT), major da reserva da PM e membro da Comissão de Segurança Pública da Assembleia, o contingente administrativo foi inflado pela influência política.

Segundo ele, “por questões de politicagem”, foram criados ao menos 16 batalhões nos últimos anos na Grande São Paulo. Um batalhão exige estrutura administrativa mínima. “O governo faz anúncio de siglas. Aumenta o número de caciques e diminui o de índios.”

“A tropa reclama. Comandantes não se manifestam por questões de carreira, hierarquia e disciplina.” Mingardi concorda e diz que a escolha de locais para batalhões ou delegacias é puramente política. “Não tem lógica. Atende quem tem mais influência.”