Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 06 de janeiro

6.1.2012

 

CLIPPING

06 de janeiro 2011

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assunto: Agentes temporários bilíngues

 

TURISMO

Agentes temporários bilíngues, com domínio nos idiomas espanhol e inglês, começam a trabalhar nas centrais regionais de emergência e bases operacionais móveis da Polícia Militar. Os 40 agentes vão atuar no atendimento às ligações feitas para os números 190 e 193, apoiando os operadores, enquanto que nas bases operacionais vão auxiliar os policiais na tradução das conversas com turistas estrangeiros.

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: SC Saúde

 

Adesão ao plano é até hoje

Governo diz ter 1,8 mil inscritos. Entidades alertam para abrangência de atendimento e especialidades

O prazo de adesão dos médicos ao novo plano SC Saúde termina hoje. O governo afirma ter 1.897 profissionais credenciados. A quantidade é considerada expressiva, mas as entidades médicas alertam para a necessidade de abrangência de atendimento e especialidades, que o Estado ainda não divulgou.

O secretário de Administração, Milton Martini, afirmou que “2 mil médicos” é um número bom. SC tem 14 mil médicos. Ele vai aguardar até segunda-feira para fazer um balanço dos números finais. Garantiu que ninguém deixará de ser atendido e que, no período de mudança de planos, as internações, por exemplo, serão analisadas individualmente.

– Posso garantir que o plano será tão bom quanto o que existe hoje (da Unimed) – disse Martini.

O governo não atendeu à reivindicação do Conselho Superior das Entidades Médicas de SC (Cosemesc), que queria valores da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM).

Sem nova proposta, o Cosemesc manteve a recomendação aos médicos de não aderir ao plano. Para o presidente do Sindicato dos Médicos do Estado de SC (Simesc), Cyro Veiga Soncini, há dúvidas sobre a dimensão do credenciamento até agora, de acordo com as informações divulgadas pela Secretaria da Administração.

– Será que todos esses médicos estão com contrato assinado? São de que região? Há variedade de especialidades garantidas? – indaga Soncini.

O presidente do Simesc entende a preocupação do Estado em manter o equilíbrio financeiro, mas diz que há risco de não haver clínicas para atendimento em fevereiro. Os médicos ainda não marcaram nova assembleia para analisar a situação.

O SC Saúde vai atender a 180 mil pessoas, entre servidores públicos estaduais e seus dependentes. Ontem, foram contratados o Hospital de Caridade, Laboratório Santa Luzia, Núcleo de Atenção à Saúde da Unimed do Centro da Capital e do Bairro Kobrasol, em São José; Climama e Clínica Tio Cecim, em Florianópolis.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Cacau Menezes

Assunto: Guarda municipal

 

É sério

Segundo o leitor Idaulo José Cunha, em nome de centenas que se manifestaram com indignação, os guardas municipais agiram com irracionalidade, desumanidade e forte prepotência na prisão do marinheiro do Iate Clube de Jurerê que conseguiu salvar, com um bote, um jovem ambulante que se jogou no mar para não ser preso e que, sem saber nadar, quase morreu afogado. E lembra: A responsabilidade pelos atos deve ser compartilhada desde o topo da cadeia de comando, exercida pelo prefeito de Florianópolis, seguido em responsabilidade pelo coordenador da Guarda Municipal, até os guardas (funcionários) que praticaram os atos insanos, a saber: abuso de autoridade e de afronta à razão; provocar o quase-afogamento de um cidadão que podia estar apenas cometendo o descumprimento de norma administrativa municipal; e tratar animalescamente um profissional do ICSC que praticou um ato lastreado em costumes pétreos dos que operam no mar e rios salvar os que correm perigo e risco de vida …

O comando da Guarda Municipal, sem muito o que dizer nessa hora, enviou ao colunista ocorrência feita pelos seus subordinados, dizendo que no final uma mochila foi apreendida. Não muda nada. Sobrou abuso de autoridade e faltou sensibilidade. O clube entrou com ação judicial contra a GM.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Caso Daniele

 

Os 350 metros que ela deveria ter feito

Menina de seis anos desapareceu após sair da casa das primas em Joinville

Depois de ter se divertido durante toda a tarde de quarta na piscina das primas de segundo grau, Danielle Tobler Esser, de seis anos, teria que andar 350 metros para chegar em casa.

Após sair da água, ela colocou uma roupa de uma das priminhas e foi para a casa com uma sacola na mão. A pé, ela saiu pela Rua João de Souza Mello, no Bairro Paranaguamirim, em Joinville, logo depois das 17h30min, e não foi mais vista.

 

A rua onde moram as primas é de chão e pouco movimentada. No trajeto, há somente casas sem calçadas, além de uma lojinha de roupas e quatro terrenos baldios encobertos por mato. Danielle seguia pela rua quando uma das residências lhe chamou a atenção. Em frente à casa, dois balanços, um pequeno campo de futebol e um escorregador, com algumas crianças brincando.

– Eu lembro dela. Ela parou e ficou olhando aqui, por isso eu gravei o rosto dela – disse a babá Michelle Alves, 27 anos.

Os brinquedos na casa de Michelle se justificam: ela cuida de algumas crianças da região enquanto os pais trabalham.

– A menina estava com uma sacolinha na mão e seguiu em frente logo em seguida – afirmou Michelle.

Poucos metros depois, um primo de Danielle passou de moto por ela. Como estava perto de casa, ele presumiu que ela chegaria bem. E é a partir deste ponto que a família não sabe mais o que aconteceu. Quem cuidava de Danielle antes disso acontecer era outra prima dela, Paula Fernanda de Souza, 25 anos, mãe das priminhas de segundo grau com quem a menina brincava na piscina.

– Quando eu vi, ela já estava de maiô aqui em casa brincando na piscina. Até perguntei se a mãe dela tinha deixado. Ela falou que sim.

Segundo a prima, as crianças brincaram entre as 13h e as 17h. Na hora de ir embora, Danielle vestiu a camisa branca e a bermudinha roxa emprestada de uma das meninas da casa.

O que aconteceu do portão para fora é um quebra-cabeça de informações desencontradas. Até ontem, a principal pista da polícia era o depoimento do funcionário de uma sorveteria que garante ter visto Danielle acompanhada de um jovem, que ainda não foi identificado.

 

Sem hipóteses para o sumiço da garota

O delegado Zulmar Valverde afirmou que não há hipóteses confirmadas para o sumiço. O sequestro está descartado e, até por este motivo, ele não acionou e não vê necessidade em acionar a Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic).

– Estamos ouvindo as pessoas e investigando as informações que nos passam – afirmou.

Por enquanto, disse o delegado, qualquer informação repassada à polícia será levada em consideração pelos investigadores. O que tem dificultado a precisão das informações, aponta Valverde, são as características físicas de Danielle.

– É uma menina de aparência comum, fácil de ser confundida.

Até o momento, os pais, familiares e conhecidos da criança foram ouvidos pela polícia. O caminhoneiro Wilmar Esser, 41 anos, pai da menina, e a mãe dela, Gislaine Regina Tobler Antero, 22, prestaram depoimento novamente ontem para que a polícia tivesse mais detalhes do comportamento de Danielle. Os dois estão separados há cerca de três semanas, quando Gislaine mudou-se de Garuva com Danielle e outros dois filhos para morar em Joinville.

Além do sorveteiro, moradores disseram ter visto uma menina com as mesmas características.

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Moacir Pereira

Assunto: Política

 

PSDB protege Tebaldi

Durante almoço realizado no Floph Hotel, a bancada estadual do PSDB firmou uma posição firme em relação à reforma do secretariado que o governador Raimundo Colombo começa a examinar na próxima semana, no retorno dos Estados Unidos.

Os tucanos não aceitam a substituição do deputado federal Marco Tebaldi na Secretaria da Educação. Alegam que ele cumpriu as diretrizes do governo, em especial, na municipalização e no ensino integral, e que está sendo fritado pelo próprio Centro Administrativo.

A reunião teve a presença de Tebaldi, do ex-presidente Dalírio Beber e do secretário do Desenvolvimento Social, Serafim Venzon, que, pela análise dos parlamentares, também estaria sendo tragado pelo esquema oficial.

A bancada só tratou deste assunto. Foi unânime a manifestação de desconforto e de insatisfação com o governo Colombo e, sobretudo, com as notícias que mencionam mudanças nas secretarias da Educação e do Desenvolvimento Social.

Marco Tebaldi está sendo pressionado para concorrer à prefeitura de Joinville. Indagado pela bancada sobre qual a melhor opção, afirmou que preferia permanecer na secretaria. A mesma questão foi colocada ao deputado Serafim Venzon, cogitado para disputar a prefeitura de Brusque. Respondeu também que gostaria de ficar. Chegou a mencionar que durante 2011 procurou arrumar a casa, que recebeu uma pesada herança e que agora tentaria deslanchar. Tebaldi completou dizendo que além de arrumar a casa, teve que enfrentar uma longa greve dos professores.

Os dois secretários revelaram que, antes de viajar, Raimundo Colombo não fez qualquer referência a mudanças nas duas secretarias.

 

 

ESTRATÉGIAS

– Os dois secretários são imexíveis – sentenciou um dos deputados fechados com a permanência dos correligionários. Outro chegou a afirmar que se Colombo quer colocar o PP no colegiado estadual que busque uma vaga no PSD, seu partido.

Ficou claro também que Marco Tebaldi só volta para a Câmara Federal se for para concorrer em Joinville. Uma condição que bate de frente com a estratégia de Luiz Henrique e Raimundo Colombo nas articulações para reedição da tríplice aliança.

A bancada estadual chega a se irritar quando lê notícias sobre a provável coligação do PSD de Colombo com o PP da família Amin na disputa da prefeitura de Florianópolis. Identifica um movimento tático que tem por alvo a sucessão estadual.

– A eleição municipal deste ano é o primeiro tempo da disputa majoritária de 2014 – tem declarado o deputado Marcos Vieira.

Nos meios políticos, os agrados recíprocos entre o PP e o governador fariam parte de uma nova estratégia. Colombo está convencido de que o PSDB lançará candidato ao governo na sua sucessão. O nome já listado pelo comando nacional é do senador Paulo Bauer, que, em 2014, nada terá a perder e marcaria posição. O PP viria a suceder o PSDB para fortalecer a aliança governista.

Neste caso, já existem até novas projeções sobre o ingresso do PP neste projeto de reeleição de Raimundo Colombo. O PMDB continuaria no esquema, com Eduardo Moreira repetindo a vice e a ex-deputada Angela Amin concorrendo a vaga do Senado. Outro nome ao Senado citado é do deputado Joares Ponticelli, o mais forte secretariável do PP neste início de ano.

O PSDB vive hoje um dos piores momentos de sua história. Rachado e em conflitos permanentes no plano nacional entre José Serra e Aécio Neves, perdido como oposição. E sem comando e atividades em Santa Catarina, pela frágil situação do presidente Leonel Pavan.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Política

Assunto: Prefeito de São Joaquim é cassado

 

Prefeito de São Joaquim é cassado pelos vereadores

José Nérito de Souza foi afastado da função por sete votos, em sessão que durou quase oito horas

Depois de quase oito horas de sessão, no Tribunal do Júri da Comarca de São Joaquim, sete vereadores contra dois votaram pela cassação do prefeito José Nérito de Souza (PSD).

Após uma denúncia feita pelo cidadão joaquinense Marcelo Aquis Nunes, que relatava a contratação de uma empresa de segurança sem licitação, o processo foi iniciado pelo presidente da Câmara de Vereadores, Sérgio Oliveira de Souza.

A sessão havia sido marcada para o dia 11 de dezembro do ano passado, e não aconteceu porque Nérito conseguiu uma liminar que suspendeu a sessão, remarcada para ontem. Na terça-feira, dia 3, o desembargador Volnei Celso Tomazini descartou a possibilidade de uma nova liminar para o adiamento da sessão. Segundo ele, Nérito teve direito de defesa e não quis usufruí-lo. Dessa forma, perdeu o direito de conseguir outra liminar.

A sessão que resultou na cassação do prefeito não contou com a presença do prefeito nem de seu advogado, Ivo Carminatti. O presidente da Câmara nomeou, então, em nome da OAB, o advogado Bruno de Oliveira para representar Nérito. O advogado baseou sua defesa na incompetência da Câmara para investigar o Executivo e na ideia de que a contratação da empresa de segurança teria sido feita no mandato anterior ao de Nérito, sendo apenas renovada pelo acusado.

Nérito e seu advogado afirmaram, em várias ocasiões, não ter havido nenhuma irregularidade na contratação da empresa de segurança, e que tudo teria sido feito dentro da lei e com licitação.

Seis vereadores tiveram direito a falar ontem. Uladimir Demeciano, presidente da comissão parlamentar processante, afirmou que a denúncia é só uma das muitas em que o prefeito está envolvido. Segundo ele, a comunidade já entendeu a culpa de Nérito pelo fato de não comparecimento na sessão e por ele ter se negado várias vezes a dar explicações sobre o caso.

– É por causa de advogados como o Carminatti, que se julgam bons profissionais, que nosso país tem lidado com políticos corruptos e ladrões como Nérito – disse Demeciano. Com a cassação do prefeito, imediatamente a vice-prefeita Marlene Kaiser (PP) foi nomeada e deverá assumir o gabinete a partir de hoje.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário do Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Garoto permanece na UTI

 

Garoto permanece na UTI

O estado de saúde do garoto baleado na cabeça na noite de segunda-feira, no Bairro Monte Cristo, região continental de Florianópolis, é gravíssimo. Ele está na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Infantil Joana de Gusmão.

Omenino tem entre 11 e 13 anos. Segundo a Delegacia de Homicídios, o irmão dele, morto em 2011, tinha envolvimento com o tráfico de drogas. Policiais suspeitam que o garoto foi atingido por causa de outro crime, na madrugada de domingo, na comunidade Chico Mendes.

De acordo com a polícia, Douglas Alexandre dos Santos, 22 anos, foi baleado na Rua Joaquim Machado, na Chico Mendes, que fica no Bairro Monte Cristo. Ele foi encontrado morto pela mulher depois que moradores a avisaram do ocorrido.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, a morte de Douglas foi o primeiro homicídio na Capital em 2012. Outro jovem, identificado apenas como Ivan, também foi baleado no mesmo fato. Ele sobreviveu, mas está internado em estado grave no Hospital Celso Ramos. A polícia investiga a motivação do crime, que estaria ligado a desentendimentos.

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Política

Assunto: Eleições 2012

 

Parceiros da tríplice estão distantes na Capital

Possibilidade de repetição da coligação estadual na disputa pela prefeitura é considerada difícil pelas lideranças de PSD e PMDB. Lançamento do nome de Gean Loureiro como pré-candidato peemedebista expõe problema na tríplice aliança e acelera negociações

Parceiros no governo do Estado, PSD e PMDB só concordam em um ponto quanto à possível repetição da aliança na disputa pela prefeitura da Capital. Ela é considerada “muito distante” para o pré-candidato Cesar Souza Junior (PSD) e “improvável” na opinião do nome do PMDB, o secretário municipal Gean Loureiro.

De olho na divisão das forças das duas principais siglas da administração estadual, os partidos se articulam para montar um quadro que ainda parece indefinido.

O lançamento do nome de Gean como pré-candidato peemedebista explicitou a divisão. Com o governador Raimundo Colombo (PSD) de férias nos Estados Unidos, o vice Eduardo Pinho Moreira (PMDB) foi o anfitrião do evento realizado na noite de quarta-feira. Entre os principais convidados, o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) e o prefeito de Florianópolis, Dário Berger (PMDB).

Todos discursam pela unidade e assinaram uma nota dizendo que o partido não abre mão da cabeça d chapa e nem de Gean, atualmente secretário municipal de Governo.

O ato é um tentativa de encerrar as conversas de bastidor que apontam nomes alternativos no PMDB de Florianópolis ou o apoio à candidatura de Cesar Souza Junior. O próprio Dário Berger, que vinha sendo reticente nas declarações públicas, fez um discurso enfático por Gean. Curiosamente, o senador Luiz Henrique da Silveira (PMDB), que veraaneia em Itapema, não foi convidado para o evento. Ele é um dos maiores entusiastas pela repetição da aliança estadual em Florianópolis e Joinville.

Separados, PMDB e PSD forçam as articulações. Gean deu demonstração de força na quarta-feira ao levar 40 pré-candidatos a vereador pelo PMDB e representantes de PDT, PTB e PHS – que já estariam fechados com sua candidatura.

 

PSDB e DEM aparecem como noivas cobiçadas

Com Dário e Gean de um lado, o PSD de Cesar Junior se volta ao tradicional adversário dos peemedebistas para fortalecer sua chapa. As conversas com o PP de Angela Amin estão adiantadas. Embora a ex-prefeita lidere as pesquisas divulgadas até agora, a derrota na disputa pelo governo do Estado em 2010, quando também largou na frente, fez com que ela e o marido, o ex-governador Esperidião Amin, passassem a defender a necessidade de alianças mais amplas.

Nesse quadro, o vereador João Amin (PP), filho do casal, poderia ser o vice de Cesar. O PSD também está em contato com PPS e PSC.

A terceira via surge com o nome da deputada estadual Angela Albino (PCdoB). Os comunistas conversam com partidos da base de apoio ao governo Dilma, como o PR e o PRB, e sonham com uma aliança com o PT.

Por enquanto, os petistas se preparam para a prévia marcada para 29 de janeiro. Os nomes da disputa são o médico Ricardo Baratieri e o vereador Márcio de Souza – que representa a ala minoritária do partido que defende apoio a Gean. A ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti (PT), principal nome da sigla no Estado, tem dito que o PT da Capital deve apoiar Gean ou Angela Albino.

Nesse quadro, o PSDB e o DEM também surgem como noivas cobiçadas. Ambos têm pré-candidatos, filiados ano passado, o vice-prefeito João Batista Nunes (PSDB) e o empresário Doreni Caramori (DEM).

Os tucanos estão mais próximos do PMDB, mas não fecham as portas para o PSD e o PP. O presidente estadual, Leonel Pavan (PSDB), teve encontros recentes com Angela Amin, por exemplo. Caramori é assediado por pepistas e por Gean..

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Reportagem Especial

Assunto: Cinto de segurança

 

 

Melhor usar pela vida e para não doer no bolso

Falta de utilização do equipamento é a segunda maior infração de trânsito, com a aplicação de 1.707 multas nas operações de fim de ano das polícias rodoviárias nas estradas estaduais e federais de SC

Não usar cinto de segurança foi a segunda causa de multas emitidas nas operações de fim de ano das estradas estaduais e federais de Santa Catarina. Ignorar a proteção no banco de trás é a infração mais recorrente verificada pelos policiais rodoviários.

Das cerca de 13,3 mil multas emitidas pela Polícia Rodoviária Federal, 1.247 foram por falta de cinto de segurança. A campeã é o excesso de velocidade, que gerou 5.338 infrações. Nas estradas estaduais, de 2.085 multas, 460 foram pela ausência de cinto. Na soma, são 1.707 multas pela não utilização do equipamento.

O inspetor da Polícia Rodoviária Federal Luiz Graziano observa que, nas BRs, a ausência do cinto no banco de trás é maioria:

– Já foi muito pior. Antes dava para afirmar que 100% não usavam o cinto atrás. Hoje, já percebemos que cerca de 30% têm usado. No banco da frente, o uso fica entre 90% e 95%. Parece que o uso atrás não pegou.

Para ele, afivelar o cinto no banco traseiro é tão ou mais importante do que no dianteiro. Em um acidente, o passageiro que fica atrás pode ser arremessado para frente, bater contra o vidro ou atingir o próprio motorista ou a pessoa que vai no banco do carona. O diretor de medicina de tráfego ocupacional da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), Dirceu Rodrigues Alves Júnior, acrescenta que a pessoa jogada pode até mesmo matar quem está ao volante ou ao lado dele. São comuns as lesões cervicais entre motoristas atingidos.

– Usar o cinto diminui entre 25% e 75% o risco de morte para quem está atrás, dependendo da colisão. Sem falar que reduz as chances de todos os tipos de lesões – explica o médico.

Dados da Abramet mostram que, no país, o uso do equipamento no banco de trás não passa de 7%, enquanto 97% dos ocupantes dos assentos dianteiros afivelam o cinto.

A coordenadora de educação do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) de SC, Rosângela Bittencourt, acredita que falta uma conscientização da população sobre a importância do dispositivo. Para virar um hábito, como aconteceu com o cinto no banco dianteiro, Rosângela aposta em uma campanha ampla.

– A importância do uso deveria ser divulgada mais na mídia, até mesmo em novelas. O cinto de trás deveria ser sempre lembrado – observa.

Ela ainda sugere que os veículos venham com algum alerta, que funcione até o passageiro do banco traseiro colocar o cinto, como já acontece com quem não usa a proteção na frente. Outra questão levantada por ela é que os cintos de trás estão sempre escondidos sob o banco.

O psiquiatra forense Rogério Cardoso sugere uma fiscalização constante para mudar essa cultura.

– Antes, na década de 1980, poucos usavam o cinto de segurança na frente. Houve mudança na legislação, fiscalização, e o cinto passou a ser usado pelo motorista e pelo passageiro ao lado. Mas é preciso reforço permanente – afirma Cardoso.

A analista de segurança viária do Centro de Experimentação e Segurança Viária (Cesvi), Patrícia Gejer, afirma que em todos os estados o uso no banco traseiro é raro.

– A fiscalização é focada em quem trafega na frente. Se isso não mudar, vai ser difícil criar uma nova culturapara o uso no banco de trás – diz ela.

Mesmo a legislação sendo de 1997, não faltam desculpas de motoristas e passageiros para não usar a proteção como: “não sabia que era lei”, “eu só ia até ali”. O que o major da Polícia Militar Rodoviária Fábio José Martins mais ouve é “acabei de sair” ou “esqueci”. Apesar de os passageiros do banco de trás serem os campeões em ignorar a lei, ele também flagra muitos motoristas, principalmente no verão, que não usam o cinto.

– Alguns dizem que estão molhados depois de saírem da praia, ou por causa do calor. Muitos deixam de usar – afirma.

 

Sem cadeirinha não pode andar

Quem vê os gêmeos Lauriana e Mauro Jesus Wolfart, de quatro anos, correndo, brincando e falando sem parar, nem imagina que a pouco mais de um mês eles sofreram um acidente grave na BR-282, em Lages. Os dois podiam ter sido vítimas fatais, ou sofrido lesões graves, mas saíram ilesos do carro, por que estavam na cadeirinha e com cinto de segurança.

O acidente foi no dia 2 de dezembro, às 21h30min, próximo ao cemitério Parque da Saudade. A empresária e mãe dos gêmeos, Iolanda de Moraes Leite Wolfart, de 34 anos, conta que ela, a babá e os filhos voltavam do mercado quando viram que um veículo que vinha fazendo ultrapassagens perigosas na pista contrária a deles.

– Lembro que eu disse, olhe só o que esse doido está fazendo – afirmou Iolanda.

Em seguida, o veículo desgovernado colidiu com um caminhão, depois com um outro veículo e por final, duas vezes no carro em que a empresária estava. O carro dela capotou.

O motorista responsável pelas colisões morreu na hora. A babá quebrou o pulso e Iolanda o braço, que continua sem conseguir movimentar. As crianças, por estarem na cadeirinha e com cinto, não sofreram lesões.

– Sem a cadeirinha eles teriam sido arremessados para frente e se ferido. Não há dúvidas que a cadeirinha salvou eles – disse Iolanda.

A empresária conta que há dois anos, quando seu cunhado e a babá levavam as crianças para a escola, foram parados e multados pela Polícia Militar. O motivo foi o fato de as crianças estarem na cadeirinha, mas sem o cinto de segurança. Iolanda disse que até hoje os gêmeos cobram o tio e a babá, dizendo que sem cinto criança não pode andar.

– O uso da cadeirinha é para evitar que a dor que eu senti e ainda sinto no meu braço, não seja sentida nem pelos meus filhos, nem pelos de ninguém – disse Iolanda.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Ação gera impasse entre delegados e cúpula da SSP

 

Ação gera impasse entre delegados e cúpula da SSP

Secretaria pediu que promotor acompanhe investigação da Deic para garantir “legalidade” ao processo

Uma investigação da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) sobre desvio de peças encontradas num ferro-velho de Joinville gerou mal-estar entre delegados e a cúpula da Secretaria de Segurança Pública (SSP). A razão principal foi o fato de a SSP ter pedido que o Ministério Público acompanhe o inquérito para garantir “legalidade, moralidade, impessoalidade, transparência e regularidade do processo”.

O impasse começou na manhã de 28 de dezembro. Foi quando uma equipe da Deic da Capital rastreou uma carreta que saiu do complexo administrativo de São José, na Grande Florianópolis, onde ficam carros apreendidos, e parou num ferro-velho de Joinville.

As peças fariam parte de um lote vendido para destruição e reciclagem numa licitação milionária da SSP. Entre o material transportado, a Deic encontrou motores com numeração raspada que não poderiam estar lá nem ser comercializados.

Em entrevista ao DC, o coronel Fernando Rodrigues de Menezes, secretário-adjunto da SSP e presidente da comissão de gerenciamento do complexo, reconheceu que algumas peças não deveriam estar no caminhão e que alguma coisa havia acontecido.

 

O coronel então divulgou nota negando problemas na licitação da sucata, garantindo que o fato seria apurado e pedindo ao secretário César Grubba a participação de um promotor do MP na investigação da Deic.

Após a ação da polícia em Joinville, Grubba chamou os envolvidos no processo para uma reunião, entre eles dois delegados da Deic. Ontem, a Associação dos Delegados de Polícia de SC (Adepol) divulgou nota criticando a forma como a cúpula da SSP conduziu os desdobramentos do episódio. No texto, a Adepol afirma que o pedido de participação de um promotor na investigação foi desrespeitoso com os delegados.

– Não somos contra a presença dos promotores, mas sim quanto à forma como foi feito o pedido. Ouvimos da cúpula que a ação da Deic seria um movimento do grupo de delegados para derrubar o secretário, o que não é verdade – disse o presidente da Adepol, delegado Renato Hendges.

O DC procurou a SSP, que informou que não se manifestaria sobre a nota da Adepol. A SSP ainda não abriu sindicância interna para apurar a suposta irregularidade no complexo administrativo com as peças. A secretaria informou que o procedimento será aberto na próxima semana, pois ainda aguarda documentos.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Concessionária fará laudo sobre passarela

 

Concessionária fará laudo

Está previsto para ser divulgado na semana que vem o laudo técnico do acidente na passarela do km 184,7, da BR-101, em Biguaçu. O acidente aconteceu na noite de quarta-feira e foi provocado por uma carreta, que estava com a caçamba levantada.

Uma das pistas ficou fechada até as 9h40min de ontem. Somente depois de quatro horas e meia, à tarde, o trânsito foi liberado nos dois sentidos.

Depois do problema causado pela caçamba, um caminhão colidiu no concreto que caiu sobre a pista. Não houve feridos. O acidente bloqueou a rodovia nos sentidos sul e norte (Palhoça e Curitiba).

A Autopista Litoral Sul, concessionária da rodovia, acionou guindastes para a retirada das cerca de 50 toneladas de concreto da viga que caiu na pista. O local precisou de reforço de sinalização.

Engenheiros da concessionária continuavam ontem no local e realizaram avaliações para emitir o laudo técnico, que deverá ser concluído na próxima semana. Após análise da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), medidas serão tomadas pela concessionária.

 

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Hélio Costa

Assunto: Delegacias no continente

 

Continente tem 120 mil habitantes e apenas duas delegacias de polícia

A Delegacia Geral deveria reabrir a 8ª e a 9ª DPs, fechadas há nove anos, mas a direção da PC prentende apenas centralizar a 3ª DP na região

3ª DP vai mudar de endereço

O endereço da 3ª DP, atualmente na rua Santos Saraiva, bairro Capoeiras, região continental de Florianópolis, vai mudar porque o proprietário do imóvel quer o prédio. Como no Continente há apenas duas delegacias, estrategicamente mal localizada, para atender 120 mil habitantes (censo de 2011 do IBGE) o diretor de Delegacia Metropolitana, Ilson Silva, pretender transferir a unidade policial  para uma região mais centralizada. Ele lembrou que a outra DP do Continente, 4ª DP, funciona no bairro Coqueiros, muito distante da 3ª DP. A posição geográfica entre as duas delegacias  causa um transtorno muito grande às vítimas roubadas no bairro Jardim Atlântico, próximo a São José, que hoje tem que se deslocar até Capoeiras para registrar boletim de ocorrência. Por isso, Ilson quer centralizar os serviços da 3ª DP na região continental.   Em minha opinião o delegado deveria reabrir a 8ª e 9ª DP, que funcionavam nos bairros Capoeiras e Jardim Atlântico, respectivamente, fechadas há nove anos.

 

BLOGS

 

 

Moacir Pereira

 

Bombeiros: 265 mil ações de salvamento

O Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina  realizou mais de 265 mil  ações pela Operação Veraneio nesta temporada, segundo informa o comando da corporação.  Nota distribuida hoje informa:  “A maioria dos casos é de prevenção a afogamento, mas há registros que vão de insolação a lesões por água-vivas/caravelas. Além dos bombeiros, a Operação Veraneio envolve as polícias Civil e Militar em uma integração promovida pela Secretaria da Segurança Pública (SSP), lançada em dezembro de 2011. Ao todo, o investimento é de cerca de R$ 15 milhões na execução da Operação Veraneio 2011/2012, mais os aportes financeiros dos projetos Forçatur (R$ 7,5 milhões) e Salvatur (R$ 10,2 milhões), resultados de parcerias entre a SSP e a Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte. A operação se estende até 5 de março de 2012.  Nessa temporada, a Operação Veraneio, por parte do Corpo de Bombeiros Militar, está presente em 137 praias, em 33 municípios, com 1.450 guarda-vidas. Há ainda à disposição dos militares 34 viaturas de ronda, 14 embarcações tipo bote inflável, 11 quadriciclos, 24 motonáuticas (jetski)  e o apoio do helicóptero Arcanjo. Os recursos de R$ 10,2 milhões do Salvatur possibilitaram a contratação de guarda-vidas civis que correspondem a 96% do contingente em operação e a construção de 30 novos  postos.

No total, foram registradas 265.246 ocorrências pelo Corpo de Bombeiros dentro da Operação Veraneio até o dia 2 de janeiro. Os casos de prevenção

a afogamento somam 263.851. “Essas ações consistem em um alerta ao banhista para que ele se afaste de um local de risco”, explica a tenente

Ivanka. Também foram realizados 45 atendimentos com recuperação em água salgada e outros cinco em água doce, e registradas 22 mortes por

afogamento. Houve ainda 150 situações de crianças encontradas perdidas nas praias, 297 lesões por água viva e oito resgates de embarcações a deriva.

 

 

MÍDIAS DO BRASIL

 

Veículo: Folha Online

Editoria: Geral

Assunto: Policiais civis se reúnem com procurador-geral de Justiça do CE

 

 

Policiais civis se reúnem com procurador-geral de Justiça do CE

O presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) no Ceará, Waldetário Monteiro, juntamente com representantes dos policiais civis na manhã desta sexta-feira com o procurador-geral de Justiça do Estado, Fernando Oliveira. Eles entregarão uma nova proposta, mais resumida, com as reivindicações básicas da categoria.

PM e bombeiros voltam ao trabalho; polícia civil paralisa

Em greve desde a última quarta-feira, o principal ponto da reivindicação da Polícia Civil é salarial. Os policiais querem que o rendimento inicial da carreira seja equivalente a 60% da remuneração dos delegados, que recebem cerca de R$ 8.000.

O governo já havia prometido uma resposta até a tarde de quinta-feira (5). Segundo assessores, uma reunião foi realizada entre o secretário de Segurança Pública e outros secretários do Estado, mas na parte da tarde a reunião passou para “uma esfera superior”.

De acordo com o Sindicato dos Policiais Civis, um grupo do Exército tentou invadir a praça onde a categoria estava mobilizada durante a noite, mas não há confirmação. As assessorias do governador, do secretário de Segurança Pública e de Planejamento e gestão foram procuradas, mas não se posicionaram em relação ao assunto.

Essa é a terceira greve da Polícia Civil do Ceará registrada em menos de um ano. O sindicato da categoria já havia promovido greves em julho e em outubro de 2011.

____________________________________________________________________________ Veículo: Portal G1

Editoria: Brasil

Assunto: Governo e Polícia Civil realizam nova rodada de negociação no Ceará

 

 

 

Governo e Polícia Civil realizam nova rodada de negociação no Ceará

Governo, intermediadores e policiais reúnem-se na Procuradoria.

Os representantes do Sindicato dos Policiais Civis do Ceará (Sinpoci), do Governo do Estado e da OAB-CE se reúnem nesta manhã na sede da Procuradoria Geral de Justiça, para discutir a nova proposta da Polícia Civil.  O sindicato diz que se a proposta for assinada e aceita pelo governador, no prazo de 24 horas será encerrada a paralisação da Polícia Civil. Durante a madrugada houve tumulto entre policiais entre o Exército e policiais civis concetrados na Delegacia Geral no Centro da cidade.

A proposta elaborada pelo Sinpoci nesta quinta-feira (5) pede a não punição ao policial civil que participou do movimento grevista desde julho de 2011; devolução do dinheiro dos 199 policiais civis que tiveram seus salários descontados no início do mês de dezembro de 2011; alteração do artigo 35, referente às promoções a policiais civis que tenham nível superior; hora-extra constitucional; extinção do serviço extraordinário e reajuste salarial para que policiais civis ganhem o equivalente a 60% do subsídio de um delegado, que é R$ 7.500.

O Sinpoci orientou a categoria a parar 100% dos serviços na última terça-feira (3), poucas horas antes do fim da paralisação dos policiais militares, iniciada no dia 29 de dezembro. Segundo a presidente do Sindicato dos Policiais Civis do estado (Sinpoci), Inês Romero, a paralisação vai continuar firme. “Por que os PMs têm a pauta atendida e a gente não? Vamos continuar sim”, disse Inês, informando que não foi avisada sobre a reunião entre governador.