Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 03 de maio

3.5.2012

CLIPPING

03 de maio de 2012

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assunto: Queda de ultraleve

 

Pane no motor derruba ultraleve

Um ultraleve caiu ontem à tarde próximo do Aeroclube de Santa Catarina, em São José, na Grande Florianópolis. Do acidente resultaram duas pessoas feridas sem gravidade, Julio Martins Vieira e Cristian Silva, tripilantes da aeronave.

A aeronave caiu no Sertão do Imaruim, próximo à cabeceira da pista e destruiu um galpão de uma propriedade onde se criam animais. O helicóptero Arcanjo foi acionado e socorreu as vítimas para o Hospital Regional. O acidente ocorreu por volta das 16h30min e teve Nazareno da Silva, proprietário do galpão, como testemunha:

– O avião vinha voando baixo, mas imaginei que pudesse livrar alguma coisa. No fim, levou tudo pela frente – contou, ainda sem saber calcular o prejuízo.

Silva cria 70 cabeças de gado, da raça nelore, e o galpão com cerca de 200 metros quadrados era usado para dar sal, tratar e vender os animais. O voo era experimental e os pilotos faziam um teste no motor, o qual sofreu uma pane.

Acidentes com aeronaves de pequeno porte têm ocorrido com frequência no Estado desde o início do ano. Em 27 de fevereiro, um monomotor utilizado para instrução de pilotos saiu da pista no mesmo aeroclube quando realizava manobras de pouso e decolagem, provocando ferimentos leves no instrutor e no aluno.

Outros dois acidentes foram registrados com aviões agrícolas que estavam fazendo pulverizações em bananais nos municípios de Corupá e Luis Alves. Os pilotos sofreram ferimentos leves. Em março, outro avião monomotor caiu em município de Luis Alves, com dois passageiros, que tiveram ferimentos graves.

No início do mês de abril, em Araranguá, foi registrada a queda de um ultraleve que provocou a morte dos dois tripulatantes.

 

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Cacique é afastado

 

Cacique é afastado do comando

O cacique da Aldeia Toldo Chimgangue, em Chapecó, Idalino Fernandes, foi afastado do cargo por um ano. A decisão ocorreu ontem em audiência realizada na Justiça Federal, com a presença do juiz Narcizo Leandro Xavier Baez, representantes do Ministério Público, Fundação Nacional do Índio e lideranças indígenas.

O cacique, eleito em 15 de abril, foi afastado por causa de uma briga no último domingo. O conflito resultou em uma morte, um baleado, uma pessoa com a mão decepada e vários feridos.

A briga teria iniciado entre simpatizantes do cacique eleito, Idalino Fernandes, e aliados do candidato derrotado, Valmir Fernandes, que também já foi cacique. Segundo o juiz federal, Narciso Baez, a liderança não tem condições de continuar no cargo:

– A situação está tensa e o afastamento vai evitar mais conflitos.

Três pessoas escolhidas pelo conselho estadual dos caciques irão comandar a aldeia durante o período em que Idalino ficará suspenso.

Idalino está sendo investigado por envolvimento no homicídio. A Polícia Federal de Chapecó continua monitorando a movimentação na aldeia.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Multas em SC

 

Feriado rápido demais

Excesso de velocidade resultou em 1,6 mil notificações de sexta a terçaOs flagrantes de imprudência nas rodovias federais de Santa Catarina resultaram em mais de 1,6 mil multas por dia por excesso de velocidade durante o feriadão do Dia do Trabalhador.

Entre sexta e terça-feira, foram cerca de 8 mil registros com os radares da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Além disso, 18 motoristas foram flagrados dirigindo embriagados.

O salto trágico ficou por conta das cinco mortes nas BRs catarinenses no período. Somados aos óbitos nas estradas estaduais, pelo menos 10 mortes foram registradas no trânsito durante o último feriadão em todo o Estado.

Apesar dos dados negativos, o balanço da PRF destaca redução nos índices diários de violência no trânsito na comparação com a média diária anual registrada ao longo de 2011. Segundo a PRF, a média diária, no ano passado, foi de 52,6, contra 43,4 em cinco dias de operação durante o feriado. Mesmo com a diminuição dos números, a PRF salienta que vários acidentes poderiam ter sido evitados com medidas básicas de segurança. O excesso de velocidade, ultrapassagens indevidas e embriaguez ao volante são apontados como os principais causadores de acidentes.

No feriado de Páscoa, de quinta-feira a domingo, foram registrados 10,1 mil flagrantes de excessos de velocidade no Estado. Em um dia comum, em média, são registrados de 1,5 mil a 2 mil.

No início da operação, foram registrados grandes congestionamentos na BR-101, principalmente na Grande Florianópolis, Laguna, Tubarão e Balneário Camboriú. Já na tarde de terça-feira, a PRF esperava grande movimento nas rodovias, mas ocorreram apenas congestionamentos na região do Morro dos Cavalos, em Palhoça.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Segurança Pública

 

Ações visam a reduzir violência

Comitê levanta prioridades, entre elas, a necessidade de reeducação de adolescentes e tratamento para usuários de drogasReduzir as mortes de jovens por causa de drogas, os roubos, furtos e crimes sexuais, e articular integrações para melhorias na segurança na Capital.

Estes foram os desafios elencados pelo movimento Floripa Te Quero Bem, em reunião realizada ontem, na Capital. No encontro, que durou três horas, participaram integrantes do comitê do movimento e representantes das polícias Civil e Militar. As propostas discutidas serão encaminhadas aos candidatos à prefeitura.

No começo, os participantes puderam conhecer alguns indicadores de Florianópolis, entre eles os relacionados à população, questão social, educacional e renda. Depois, foram apresentados dados sobre a criminalidade. Entre os que mais chamaram a atenção estão os que apontam a banalização das mortes, tanto pelos assassinatos quanto pelas mortes geradas pela imprudência no trânsito.

O coordenador do Fórum dos Conselhos Comunitários de Segurança (Consegs) de Florianópolis, Carlos Thadeu Lima Pires, manifestou a preocupação com a falta de um local para a reeducação dos adolescentes infratores após o fechamento do Centro Educacional São Lucas. Comentou sobre a falta de instituições de tratamento de usuários de drogas.

Para o padre Vilson Groh, líder comunitário com atuação contra a violência na Capital, discutir segurança passa pela necessidade de se ter políticas públicas focadas. O comandante -geral da PM em SC, coronel Nazareno Marcineiro, destacou o engajamento de forças. O comandante do 4º Batalhão da PM, coronel Araújo Gomes, destacou ações como o combate aos “crimes de rua” em Florianópolis.

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Cacau Menezes

Assunto: Liberação das drogas

 

Menos ou mais tiros?

O país com a política mais liberal em relação às drogas na Europa é Portugal e não a Holanda. Desde 1º de julho de 2001, a aquisição, a posse e o consumo de qualquer droga deixou de ser crime para os portugueses. Os viciados deixaram de ser presos para serem tratados. Após a descriminalização, o consumo de drogas caiu no país. Portugal também não se tornou um destino turístico para quem quer apenas aproveitar a lei: a venda de drogas continua sendo crime.

Já os holandeses, para impedir o turismo da droga, acabam de proibir a venda para estrangeiros. Os cafés para fumar maconha, agora, são só deles. Ao contrário do que andam dizendo, a Holanda não está arrependida da política pioneira de liberação das drogas. Estão muitos satisfeitos que o consumo de drogas não ande de mãos dadas com o crime organizado do país. O que querem é acabar com o turismo das drogas.

Em Santa Catarina, volta e meia a polícia anuncia a apreensão de quilos e quilos de drogas. É bom para o currículo desse ou daquele policial. Mas qual o reflexo disso nos números da segurança do cidadão? Vinte quilos de maconha retirados de circulação significa redução de quanto nos índices de violência urbana? Quantos assaltos a menos?

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Política

Assunto: Segurança

 

Os dramas da segurança

Tráfico de drogas e trânsito. Esta as duas causas principais do aumento da insegurança pública em Florianópolis e na maioria dos municípios catarinenses. O tema esteve em evidência na Capital e em Blumenau. Na sede da OAB/SC, reuniram-se os integrantes do movimento Floripa Te Quero Bem para avaliar a situação da segurança pública, a partir de vários indicadores e desafios. Na Câmara Municipal de Blumenau, por iniciativa de seu presidente, Jovino Cardoso, para buscar um diagnóstico e propostas para amenizar o dilema do aumento da violência e melhorar a segurança da população.

Nos dois debates – e certamente em todos os que estão ocorrendo neste momento em outras regiões de Santa Catarina –, a questão da segurança pública passa, primeiro, por políticas públicas nas áreas da educação e da saúde.

Investimentos do poder público são imprescindíveis nas áreas sociais mais fragilizadas para garantir escolarização aos jovens, evitando que caiam na rede de traficantes, atraídos pelo dinheiro fácil. E, depois disso, com a efetiva oportunidade de emprego, assegurando a continuidade de efetiva socialização.

Com a mesma intensidade, a criação ou ampliação de instituições que possam tratar dos drogados, recuperando-os para o efetivo exercício da cidadania. Hoje, na maioria dos casos, os bairros ou comunidades de maior incidência criminal não contam com escolas em tempo integral para as crianças e os jovens. E as cidades não oferecem clínicas de tratamento médico para os drogados.

Uma terceira questão que acaba resultando em mais violência e criminalidade está ligada ao efetivo policial militar, à legislação branda e à impunidade geral que assola o país, a partir dos péssimos exemplos de Brasília.

 

OS NÚMEROS

Em 1998, a cidade de Blumenau tinha uma população urbana de pouco mais de 200 mil pessoas. Contava com 380 policiais militares. Hoje, a cidade é habitada por 320 mil pessoas e dispõe de apenas 260 policiais militares. Ao invés do aumento do efetivo houve, ao contrário, redução drástica, o que, na prática, se reflete na pouca visibilidade do policiamento ostensivo fardado. Em relação à Polícia Civil, a situação não é muito diferente, segundo registrou o presidente da Câmara de Blumenau, Jovino Cardoso. “Blumenau tem 6,5 mil habitantes para um policial militar”, acusou.

A situação de Florianópolis é melhor do que no Vale do Itajaí, mas os números do efetivo militar também ficaram defasados nos últimos anos. Conta hoje com o mesmo efetivo de 2003, além dos prejuízos com o desvio de funções, com oficiais e policiais destacados para funções burocráticas no Executivo e nos demais poderes. De acordo com o professor Valério Turnes, especialista em segurança pública da Udesc, a ONU recomenda a relação de um policial para cada grupo de 250 habitantes. Em Florianópolis, esta proporção é de um para 319 pessoas.

Outro dado tratou da violência no trânsito, com dados trágicos. Em Florianópolis, morre mais gente no trânsito do que em homicídios. No Brasil, a situação é igualmente sanguinária. O número de mortes por acidentes é 2,5 vezes maior do que nos Estados Unidos e 7,7 vezes do que na Europa. Sendo que nos Estados Unidos a frota é três vezes maior do que a brasileira.

Outra constatação feita durante o encontro na OAB/SC: o número de homicídios é bem maior nas comunidades carentes, entre jovens e pelo tráfico, enquanto mortes no trânsito envolvem faixa de maior renda e com melhor escolarização

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Política

Assunto: Caso Chiarello

 

PF ajuda nas investigações sobre a morte de vereador

Apoio da instituição ao Ministério Público catarinense foi confirmada pelo Ministério da JustiçaA Polícia Federal está dando apoio ao Ministério Público Estadual (MPSC) nas investigações da morte do vereador Marcelino Chiarello, ocorrida no dia 28 de novembro do ano passado, em Chapecó. A informação foi confirmada, ontem, pelo delegado federal Oscar Biffi.

A participação dos policiais federais foi decidida pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, em despacho publicado no Diário Oficial da União em 18 de abril. Ele determinou que a PF apure as circunstâncias e causas da morte depois que o MPSC pediu a colaboração.

O delegado solicitou os laudos para o Poder Judiciário e, assim que receber a documentação, vai buscar peritos dentro da própria polícia ou de fora para fazer a análise do material.

– Primeiro temos que ter conhecimento do que já existe – explicou.

Ele afirmou que a atuação da polícia é apenas para auxiliar no MPSC, na tentativa de esclarecer o caso. O inquérito da Polícia Civil apontou que a morte do vereador foi por enforcamento, mas não foi conclusivo se houve homicídio ou suicídio.

Por isso, o MPSC instaurou um procedimento de investigação criminal para dar sequência ao trabalho. Jackson Goldoni, um dos três promotores que foram designados para o caso, disse que a intenção é conseguir um apoio técnico da PF. Ele afirmou que o Grupo de Apoio e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) está auxiliando nos trabalhos.

O delegado que conduziu o inquérito, Ronaldo Moretto, disse que a Polícia Civil não pode se pronunciar sobre os desdobramentos do caso, pois já encerrou o trabalho. Mas afirmou que pode auxiliar a promotoria.

Ontem, o juiz da 1a Vara Criminal de Chapecó, Jefferson Zanini, informou que vai buscar apoio do Instituto Médico Legal de São Paulo para que analise as provas do caso.

O magistrado justificou o pedido de uma terceira opinião em virtude das contradições entre os laudos do médico-legista de Chapecó, Antonio de Marco, e seus colegas do Instituto Geral de Perícias (IGP) da Capital.

Para o deputado federal Pedro Uczai, que era amigo do vereador, a inclusão da PF no caso não é o suficiente. Apesar de destacar que confia no MPSC, ele defende a federalização do caso, para que a instituição assuma a condução das investigações.

 

Contradições

– O vereador petista Marcelino Chiarello (foto) foi encontrado morto no final da manhã do dia 28 de novembro, no quarto de visitas de sua casa, em Chapecó, pela mulher e pelo filho.

– Ele estava enforcado na janela, aparentando suicídio. A Polícia Civil no entanto, avaliou, inicialmente, que o suicídio teria sido forjado.

– O primeiro laudo do médico-legista de Chapecó, Antônio de Marco, apontava para homicídio, em virtude de alguns ferimentos na cabeça e nariz e dois sulcos nos pescoço. Mas laudos complementares de peritos do Instituto Geral de Perícias (IGP) de Florianópolis apontaram suicídio como causa da morte do vereador.

– Após três meses de investigação, os delegados da Polícia Civil concluíram o inquérito apontando como causa da morte o enforcamento, mas não concluiu se houve homicídio ou suicídio.

– O Ministério Público decidiu continuar as investigações em virtude das dúvidas entre os laudos.

– O PT pediu a federalização do caso para que a Polícia Federal assuma o comando das investigações. Para isso aconteça, é necessário que o procurador geral da República, Roberto Gurgel, faça um pedido formal ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

– Lideranças do PT já fizeram esse pedido ao procurador

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário do Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Reféns por 90 minutos

 

O drama da família refém de assalto dentro de casa

Empresário de São José, a mulher, a sogra e os quatro filhos foram rendidos por quatro bandidos

O jantar agradável em casa, ao lado da mulher, da sogra e dos filhos de seis meses e de dois, oito e 11 anos teve um sabor amargo quando quatro assaltantes armados pularam o muro e aterrorizaram a família por uma hora e meia, na segunda-feira. O empresário de São José foi forçado a ficar de cuecas e teve a família ameaçada.

O bebê de seis meses, batizado um dia antes, foi amarrado junto da mãe e trancado no banheiro com o pai, a avó e o irmão que completa dois anos hoje. Os outros filhos foram obrigados a ficar junto com os assaltantes, enquanto eles vasculhavam a casa e escolhiam o que queriam. Segundo a menina, eles foram ríspidos, mas não chegaram a agredi-la.

– Eles pisaram no pé do meu irmão e me ameaçaram, mas não chegaram a encostar em mim. Eu fiquei com muito medo porque tive que ajudá-los e eles apontaram a arma.

Mas os bandidos agrediram um dos filhos e ameaçaram o bebê.

– Queriam colocar uma fita na boca do bebê, que não parava de chorar. O outro foi agredido com a arma, mas não se machucou. Mas o meu maior desespero eram os outros dois filhos, que não ficaram conosco. Ameaçaram me matar, estuprar minha menina e cortar meu dedo para tirar a aliança. O alívio foi ouvir o carro e a moto deixando a casa.

 

Três já foram encontrados

Os ladrões levaram um carro, uma moto, roupas e tênis, inclusive das crianças, relógios, notebook, computador, forno elétrico, micro-ondas, máquina digital, óculos escuros e R$ 1,4 mil que o comerciante pretendia usar para pagar o aluguel da loja onde funciona seu estabelecimento.

Três suspeitos foram presos e reconhecidos pelas vítimas. Dois deles irmãos, Thiago Castanheiro, 20 anos, e Felipe Castanheiro, 21. O terceiro, também de São José e com várias passagens na polícia, é Felipe Hoefling, 20 anos.

Eles foram localizados no restaurante onde foram almoçar com o carro do comerciante, um Audi A3, no Bairro Real Parque.

O quarto autor do assalto, e que seria o mais violento, segundo a vítima, teria fugido na tarde de ontem quando policiais encontraram seu paradeiro.

Na quitinete, no Bairro Potecas, os agentes recuperaram fornos e outros pertences das vítimas. A dona do apartamento, uma garota de 20 anos que seria namorada de um dos suspeitos, também foi presa.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Câmera cria banco de DNA

 

 

Câmara cria banco de DNA

A Câmara dos Deputados aprovou, ontem, um projeto de lei que cria um banco de DNA de criminosos. A ideia é auxiliar nas investigações de crimes praticados com violência. A proposta foi aprovada pelo plenário e segue para sanção da presidente Dilma Rousseff.

A nova medida vale para criminosos condenados por violência dolosa, ou seja, intencional, e para crimes como estupro, sequestro, latrocínio, entre outros.

Pelo projeto, haverá uma unidade central gerenciadora de vestígios genéticos deixados em locais de crimes, como sangue, sêmen, unhas, fios de cabelo ou pele.

 

Dados coletados serão sigilosos

Os dados do banco de DNA serão sigilosos. A lei prevê que quem utilizar as informações para qualquer fim diferente daquele determinado pela Justiça responderá civil, penal e administrativamente.

Os perfis genéticos deverão seguir normas internacionais de direitos humanos, sem revelar traços somáticos ou comportamentais, apenas o gênero do investigado ou do condenado. A identificação do perfil genético será regulamentada pelo Executivo.

Segundo o autor do projeto, o senador Ciro Nogueira (PP-PI), o projeto aprovado ontem formaliza o que já vem sendo testado no Brasil, denominado Sistema de Indexação de DNA Combinado.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Caixa Eletrônico

 

Grupo furta equipamento no Sul de SC

Seis homens encapuzados arrombaram uma cooperativa de crédito da localidade de Estação Cocal, em Morro da Fumaça, no Sul do Estado, e furtaram o caixa eletrônico da instituição durante a madrugada de ontem. A quantidade de dinheiro que havia no equipamento levado não foi revelada pela agência.

De acordo com o investigador Gilberto de Souza, da Polícia Civil de Morro da Fumaça, a ação aconteceu por volta das 3h de ontem. Não foram encontrados vestígios do uso de explosivos na ação.

Os seis homens flagrados pelas câmeras de vigilância da cooperativa de crédito estavam em um veículo Fiorino de cor branca que havia sido furtado duas horas antes no município de Jaguaruna, também no Sul.

Numa ação que durou poucos minutos, o grupo quebrou o vidro da cooperativa, retirou o caixa eletrônico e o colocou na carroceria fechada do veículo. A Fiorino foi encontrada abandonada, nas primeiras horas da manhã de ontem, próximo à BR-101 em Içara, no Litoral Sul.

 

Máquina tinha pouco dinheiro

Um outro veículo usado pela quadrilha aparece nas imagens registradas pelo sistema de segurança da cooperativa de crédito, mas não foi possível fazer a identificação.

Segundo o investigador, a máquina furtada não deveria ter muito dinheiro, pois a última reposição de cédulas do equipamento havia sido feita na última sexta-feira.

Até o fechamento desta edição, nenhum suspeito de participação no furto havia sido preso.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Crimes e ocorrências

 

Homem é preso com 600 pedras de crack

Jorge Roberto da Silva, 32 anos, foi preso em flagrante pela Polícia Militar com cerca de 600 pedras de crack, por volta de 22h30min da última terça-feira, no Bairro Monte Cristo, em Florianópolis. Segundo o Centro de Operações da Polícia Militar (Copom), ele foi flagrado com a droga na localidade conhecida como grota, mas estava sem nenhuma arma. As 600 pedras de crack estavam dentro de uma mochila que ele carregava no momento da prisão. Juntas, renderiam cerca de R$ 3 mil, de acordo com a Polícia Civil.

 

Pai agride filho de 15 anos com enxada

Um adolescente de 15 anos foi agredido com uma enxada pelo próprio pai, em Itajaí. O caso ocorreu na tarde de terça-feira no Bairro São Vicente. O homem de 43 anos acabou preso por tentativa de homicídio. O menino, que sofreu um corte na cabeça e tinha vários machucados pelo corpo, passa bem. Segundo a Polícia Militar, o homem alegou que agrediu o filho porque o menino estaria o ameaçando. Na Delegacia de Polícia foi constatado que já existiam vários boletins de ocorrência contra o pai, todos por agressão.

 

Médico é suspeito de injúria racial

A polícia investiga a denúncia de que o médico Heverton Menezes, 62 anos, teria praticado crime de injúria racial contra uma atendente de um cinema de Brasília, na tarde do último domingo. A intimação para o depoimento do médico foi feita na manhã de ontem, e ele deve depor ainda nesta semana.

O advogado de Menezes, Aldo Zago, nega as acusações.

– Ele não praticou toda essa ofensa. Pode ter ocorrido uma discussão, como se tem diariamente com a secretária ou o porteiro do prédio, mas não a título de humilhar a pessoa.

Irritado com o início da sessão e sem um ingresso ainda comprado, ele teria dito a Marina Serafim, 25 anos, que ela deveria “estar morando na África, cuidando de orangotangos”. Diante da reação dos demais clientes, que aguardavam para ser atendidos, ele fugiu do shopping, segundo mostram câmeras de segurança do lugar.

– Ele começou a falar que eu era muito grossa e por isso eu era dessa cor. E que eu estava no lugar errado e não deveria estar lidando com gente, mas com animais – disse Marina.

Segundo o delegado Marco Antonio de Almeida, o médico deve responder por injúria racial, com pena de um a três anos de prisão e multa. Segundo Almeida, o médico esteve envolvido em ocorrência semelhante em 2002, quando discutiu com uma mulher numa fila para votar.

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Hélio Costa

Assunto: Atuação do PCC

 

A Polícia fala da atuação do PCC nas explosões, mas não mostra a prova

Assim como ela derrubou a quadrilha “treinada pelo PCC” deveria frear a violência na Capital, onde casas de família são alvos de ladrões

Evolução criminosa

É de se estranhar a participação do PCC (Primeiro Comando da Capital) facção criminosa criada nos presídios paulistas, nos ataques aos caixas eletrônicos em Santa Catarina. A Diretoria Estadual de Informações Criminais não informa como descobriu a ligação da facção paulista com os caixeiros catarinenses que usam dinamites.  Com exceção de um gaúcho, os demais presos, no último fim de semana, são catarinenses de Brusque. É bom lembrar que as explosões a caixas eletrônicos foi uma evolução da gangue do maçarico, que nasceu em Joinville. Independente da polêmica, a polícia fez uma investigação perfeita, tirando de circulação bandidos que aterrorizavam com explosivos e armas longas. Assim como ela derrubou esta quadrilha organizada e violenta, também deveria frear a onda de assaltos na Capital, onde jovens armados invadem casa de trabalhador. Estes suspeitos não são organizados como a gangue da dinamite da dinamite e “nem treinados pelo PCC”, mas deixam muitas famílias apavoradas.

 

 

 

 

BLOGS

 

 

Moacir Pereira

 

Blumenau: efetivo da PM caiu03 de maio de 2012

 Em 1998, a cidade de Blumenau tinha uma população urbana de pouco mais de 200 mil pessoas. Contava com 380 policiais militares. Hoje, a cidade é habitada por 320 mil pessoas e dispõe de apenas 260 policiais militares. Ao invés do aumento do efetivo ou, ao contrário, redução drástica, o que, na prática, se reflete na pouca visibilidade do policiamento ostensivo fardado. Em relação a Policia Civil, a situação não é muito diferente, segundo registrou o presidente da Câmara de Blumenau, Jovino Cardoso. ¿Blumenau tem 6.500 habitantes para um policial militar¿, acusou.

A situação de Florianópolis é melhor do que no Vale do Itajaí, mas os números do efetivo militar também ficaram defasados nos últimos anos. Conta hoje com o mesmo efetivo de 2003, além dos prejuízos com o desvio de funções, com oficiais e policiais destacados para funções burocráticas no Executivo e nos demais Poderes. De acordo com o professor Valério Turnes, especialista em segurança pública da Udesc, a ONU recomenda a relação de um policial para cada grupo de 250 habitantes. Em Florianópolis, esta proporção é para um para 319 pessoas.

Outro dado tratou da violência no trânsito, com dados trágicos. Em Florianópolis, morre mais gente no trânsito do que de homicídios. No Brasil, a situação é igualmente sanguinária. O número de mortes por acidentes é 2,5 vezes maior que nos Estados Unidos e 7,7 vezes que na Europa. Sendo que nos Estados Unidos a frota é três vezes maior que a brasileira.

Outra constatação feita durante o encontro na OAB-SC: o número de homicídios é bem maior nas comunidades carentes, entre jovens e pelo tráfico, enquanto mortes no trânsito envolvem faixa de maior renda e com melhor escolarização.

 

 

Blumenau: efetivo da PM caiu03 de maio de 2012

Em 1998, a cidade de Blumenau tinha uma população urbana de pouco mais de 200 mil pessoas. Contava com 380 policiais militares. Hoje, a cidade é habitada por 320 mil pessoas e dispõe de apenas 260 policiais militares. Ao invés do aumento do efetivo ou, ao contrário, redução drástica, o que, na prática, se reflete na pouca visibilidade do policiamento ostensivo fardado. Em relação a Policia Civil, a situação não é muito diferente, segundo registrou o presidente da Câmara de Blumenau, Jovino Cardoso. ¿Blumenau tem 6.500 habitantes para um policial militar¿, acusou.

A situação de Florianópolis é melhor do que no Vale do Itajaí, mas os números do efetivo militar também ficaram defasados nos últimos anos. Conta hoje com o mesmo efetivo de 2003, além dos prejuízos com o desvio de funções, com oficiais e policiais destacados para funções burocráticas no Executivo e nos demais Poderes. De acordo com o professor Valério Turnes, especialista em segurança pública da Udesc, a ONU recomenda a relação de um policial para cada grupo de 250 habitantes. Em Florianópolis, esta proporção é para um para 319 pessoas.

Outro dado tratou da violência no trânsito, com dados trágicos. Em Florianópolis, morre mais gente no trânsito do que de homicídios. No Brasil, a situação é igualmente sanguinária. O número de mortes por acidentes é 2,5 vezes maior que nos Estados Unidos e 7,7 vezes que na Europa. Sendo que nos Estados Unidos a frota é três vezes maior que a brasileira.

Outra constatação feita durante o encontro na OAB-SC: o número de homicídios é bem maior nas comunidades carentes, entre jovens e pelo tráfico, enquanto mortes no trânsito envolvem faixa de maior renda e com melhor escolarização.

 

 

Trânsito é o que mata mais em Florianópolis03 de maio de 2012

Tráfico de drogas e trânsito. Esta as duas causas principais do aumento da insegurança pública em Florianópolis e na maioria dos municípios catarinenses. O tema esteve em evidência na Capital e em Blumenau. Na sede da OAB-SC, reuniram-se os integrantes da Ong ¿Floripa te quero bem¿ para avaliar a situação da segurança pública, a partir de vários indicadores e desafios. Na Câmara Municipal de Blumenau, por iniciativa de seu presidente Jovino Cardoso, para buscar um diagnóstico e propostas para amenizar o dilema do aumento da violência e de melhorar a segurança da população.

Nos dois debates – e certamente em todos os que estão ocorrendo neste momento em outras regiões de Santa Catarina ¿ a questão da segurança pública passa, primeiro, por políticas públicas nas áreas da educação e da saúde.

Investimentos do poder público são imprescindíveis nas áreas sociais mais fragilizadas para garantir escolarização aos jovens, evitando que caiam na rede de traficantes, atraídos pelo dinheiro fácil. E, depois disso, com a efetiva oportunidade de emprego, assegurando a continuidade de efetiva socialização.

Com a mesma intensidade a criação ou ampliação de instituições que possam tratar dos drogados, recuperando-os para o efetivo exercício da cidadania. Hoje, na maioria dos casos, os bairros ou comunidades de maior incidência criminal não contam com escolas em tempo integral para as crianças e os jovens. E as cidades não oferecem clínicas de tratamento médico para os drogados.

Uma terceira questão que acaba resultando em mais violência e criminalidade está ligada ao efetivo policial militar, à legislação branda e à impunidade geral que assola o país, a partir dos péssimos exemplos de Brasilia.

 

 

Segurança chamará 167 concursados da Policia Civil

A Secretaria de Segurança Publica enviou a Secretaria da Administração a lista de 167 concursados da Policia Civil. A nomeação vai depender de autorização do grupo gestor do governo.

Dos 512 concursados chamados pelo governo, 345 foram nomeados. Os 167 que não compareceram já haviam assumido outros cargos ou desistiram.

 

 

ACONTECEU NA ALESC

 

Deputado Reno reafirma voto pela aprovação da PEC dos Bombeiros Voluntários

O segundo secretário da Mesa da Assembleia Legislativa, deputado Reno Caramori (PP), contestou as informações repassadas por alguns parlamentares de que a PEC 1/2012, de autoria da Mesa e assinada por 17 outros parlamentares, contenha texto que vá de encontro à Constituição do Estado de Santa Catarina. De acordo com Reno, a PEC foi construída a partir de consultas feitas à Procuradoria Geral do Estado, ao secretário de Estado da Fazenda, Nelson Serpa, ao desembargador e ex-deputado João Henrique Blasi, ao consultor legislativo da Alesc, Gerson Pamplona. Reno relembra que, em recente reunião da Comissão de Constituição e Justiça – CCJ da Assembleia, a promotora de Justiça Walkyria Ruicir Danielski, do Centro de Apoio Operacional do Controle de Constitucionalidade (CECCON), do Ministério Público, bem como o procurador-geral do Estado, João dos Passos Martins Neto, declararam em depoimentos que o texto da referida PEC não fere os princípios constitucionais. Para o procurador-geral, a referida PEC apenas vai delegar aos prefeitos um direito que já lhes é previsto constitucionalmente. A PEC 1/2012 confere aos prefeitos o direito de firmarem convênio com os bombeiros voluntários de seus municípios, para fins de execução de vistorias nos sistemas de segurança, o que já é feito em muitos municípios tanto pelos militares, quanto pelos voluntários.

Há cerca de duas décadas acompanhando o trabalho dos bombeiros voluntários em Santa Catarina, o deputado Reno reúne vários argumentos em defesa da aprovação da Proposta de Emenda à Constituição em questão.

Com relação ao mérito da proposta, Reno espera que quem ainda não se decidiu a favor da aprovação da matéria entenda que os bombeiros voluntários prestam serviços no mesmo nível de qualidade dos militares, que o Estado se declara impossibilitado financeiramente para instalar bombeiros em todos os municípios e que a preocupação maior é com os mais de 170 municípios catarinenses que precisam desse tipo de assistência e não podem contar.

Incisivo, o parlamentar classifica como “burrice” pensar que a população vá aceitar que se coloquem bombeiros militares em municípios como Concórdia, onde os voluntários estão há 40 anos, em Caçador, há 41 anos, Jaraguá do Sul, 45 anos, e Joinville, onde são pioneiros e atuam há 121 anos.

 

 

MÍDIAS DO BRASIL

 

 

Veículo: Último Segundo

Editoria: Geral

Assunto: Caixa eletrônico em SP

 

Quadrilha é presa quando tentava arrombar caixa eletrônico em SP

Ação dos criminosos foi flagrada pelas câmeras de segurança da agência. Polícia foi acionada e houve tiroteio com os assaltantes

Três homens foram presos quando tentavam arrombar um caixa eletrônico de uma agência Banco do Brasil, em São Miguel Paulista, zona leste de São Paulo, na noite de terça-feira (1º). A Polícia Civil informou que o crime ocorreu na avenida Marechal Tito, por volta das 23h.

Quando os assaltantes tentavam abrir a máquina, eles já estavam sendo monitorados pela empresa de segurança do banco. Com imagens das câmeras de segurança, os vigilantes acionaram o centro de operações da Polícia Civil, o Cepol. Equipe foi até o local e surpreedeu os criminosos. Houve troca de tiros.

Parte da quadrilha, que estava em um veículo do lado de fora da agência, foi presa. Os autores dos disparos fugiram. Ferramentas e um maçarico foram apreendidos. O caso é investigado pelo 22º DP, de São Miguel Paulista.