Área do associado

Área do associado

Clipping dos dias 19 a 21 de novembro

21.11.2011

CLIPPING

19 a 21 de novembro 2011

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assuntos: Polícia Civil e Militar

                   Proerd

                  Trânsito no sul da ilha

                   Paralisação da Polícia Civil

                   Presos beneficiados com saída temporária

                   Penitenciária

 

CAMPANHA UNIFICADA – As associações dos Oficiais e dos Praças (Acors e Aprasc) colocam na rua segunda-feira a campanha unificada das duas categorias. Pretendem encaminhar ao governo do Estado, na próxima semana, a pauta de reivindicações que busca beneficiar todos os policiais e bombeiros militares de SC.

 

MOBILIZAÇÃO

Coronel Giovani Pacheco, coordenador do Proerd em Santa Catarina, relata que a cada 300 pais convidados a participarem das reuniãos sobre drogas e violência, apenas uma média de oito comparecem aos encontros. Sem envolvimento, também, fica difícil!

 

 

BANDEIRA BRANCA

O mais novo capítulo na eterna disputa entre Polícia Civil e Polícia Militar é para ver qual categoria faz mais barulho por aumento de salário. Cá entre nós, depois do esforço do governo do Estado para bancar 8% e tentar atender a todos os servidores, uma trégua dos movimentos sindicais não seria de todo ruim neste momento, né, não? Afinal, o que conta é o dinheirinho na conta.

 

ALIÁS

Definição da Polícia Militar Rodoviária (PMRv) sobre o trânsito no Sul da Ilha, sábado pela manhã, para a CBN Diário: desesperador. O congestionamento chegou até o trevo da Tapera. O motivo? Nada especial…

 

COINCIDÊNCIA!

É claro que é tudo uma simples coincidência, mas é a mais pura verdade. Desde o dia 16 de novembro, quando começou a paralisação da Polícia Civil, não é registrado homicídio em Florianópolis. O último assassinato na região aconteceu em São José e foi motivado, é claro, por rixa entre traficantes.

 

ASSIM FICA DIFÍCIL!

Dos nove assaltantes de bancos presos pela Força Tarefa da Secretaria da Segurança Pública neste final de semana, em continuidade à Operação Rastro, três, isso mesmo, três, estavam em liberdade, beneficiados por saída temporária de sete dias concedida pela Justiça. Ou seja, os caras deixaram a prisão autorizados e foram praticar crimes. Tudo numa boa, na maior tranquilidade. Assim fica difícil, né?

 

P DA SORTE

Prefeito Ronério garante que o “P” virou sua letra da sorte. Conseguiu a transferência da Praça de Pedágio do meio de Palhoça para a o limite com Paulo Lopes e o Presídio e a Penitenciária também não vão mais para Palhoça.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Biguaçu vai ter 10 pontos com câmeras

 

Biguaçu vai ter 10 pontos com câmeras

Um sistema de vídeo-monitoramento urbano desenvolvido pela Secretaria Estadual de Segurança Pública será implantado em 10 pontos de Biguaçu, no primeiro semestre de 2012. A prefeitura encaminhou à Câmara um Projeto de Lei autorizando o Executivo a firmar convênio com o governo estadual para a instalação e manutenção do equipamento.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Incêndio, afogamentos, acidentes

 

Encontrado corpo na Praia Grande

O corpo do homem que estava desaparecido no mar desde quinta-feira em Governador Celso Ramos, na Grande Florianópolis, foi encontrado na manhã de ontem, na Praia Grande. Ele foi identificado como Marcelo Darci da Silva, 47 anos.

Três mergulhadores do Grupo de Busca e Salvamento (GBS), que trabalhavam no local desde o incidente, localizaram a vítima por volta das 8h30min a cerca de quatro de quilômetros da costa. No sábado, o corpo do adolescente de 12 anos foi encontrado perto ao ponto onde eles entraram na água, na Praia Grande.

As vítimas estavam com um grupo de pessoas que comemorava o aniversário de uma mulher. Eles e mais dois rapazes entraram no mar e foram arrastados pela correnteza.

Um deles nadou contra a maré e voltou à beira da praia. O outro precisou ser resgatado pelo helicóptero Águia 2 da Polícia Militar. E os outros dois se afogaram.

O corpo de Marcelo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML). Ele morava em Biguaçu, no Bairro Bom Viver.

 

Fogo destrói grande parte de distribuidora de cereais

Toda a equipe do Corpo de Bombeiro de Chapecó e reforços foram acionados para conter as chamas

Um incêndio na tarde de sábado destruiu grande parte de uma cerealista e distribuidora de Chapecó. A empresa fica na rodovia Plínio Arlindo De Nês, acesso de Chapecó à BR-282. O fogo começou por volta das 16h.

De acordo com o aspirante a oficial Ilton Schpil, do 6º Batalhão de Bombeiros de Chapecó, parte da estrutura ficou comprometida e há riscos de risco de desabamento dos galpões até para a realização da perícia, que será feita hoje. Ontem foi realizado apenas um levantamento fotográfico no local.

O proprietário Flávio Alberto Bringhenti estava no escritório quando um amigo ligou avisando que havia muita fumaça nos pavilhões da empresa.

– Quando saí do escritório vi as chamas – contou.

Foram chamadas todas as equipes de Chapecó – cerca de 20 bombeiros que trabalharam sete horas – para combater o fogo. A fumaça preta podia ser vista em toda a cidade. Dois caminhões trabalhavam para conter as chamas enquanto outros dois buscavam água, com o auxílio de mais um caminhão particular. Um sexto veículo veio de Pinhalzinho para auxiliar no combate ao fogo.

– Quando chegamos, as chamas já tinham tomado um dos galpões. Tentamos bloquear o fogo para que não chegasse no segundo galpão – disse o soldado Fábio Fregapani.

No primeiro galpão, de 750m2, onde havia alimentos como feijão, arroz, óleo e até um pouco de álcool, tudo ficou destruído. Parte da parede e o teto desabaram. O teto do segundo também começou a pegar fogo. Os bombeiros molharam a estrutura para evitar que as chamas se alastrassem. Enquanto isso, funcionários da empresa retiravam materiais.

O dono da empresa estima um prejuízo de R$ 3 milhões. Ele havia se mudado para o local há menos de um ano e ainda estava finalizando as obras para depois fazer o seguro.Ontem os bombeiros tiveram que ser chamados outras três vezes, pois iniciaram novos focos de incêndio.

 

Dez mortos durante o final de semana

Quatro pessoas perderam a vida em acidentes nas rodovias catarinenses

Das dez mortes registradas no trânsito catarinense, neste final de semana, quatro foram em rodovias estaduais. Na SC-456, em Fraiburgo, dois jovens morreram ontem, depois que o carro em que estavam capotou.

O acidente foi por volta da 0h40min. Morreu Richard Bruno Angeli, 18 anos, motorista da Palio Weekend que capotou no km 1,7. A passageira Cristina Rosseti, 16, também não resistiu ao acidente.

Outros três jovens estavam no carro. Eles foram atendidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Um deles, Luiz Hernandes dos Santos, 17 anos, estava em estado grave e foi encaminhado para o Hospital Divino Salvador, em Videira. Os policiais rodoviários suspeitam que o grupo estivesse voltando de uma festa.

Outras duas pessoas morreram na SC-438, em Orleans, no Sul do Estado, por volta das 0h15min de ontem. Gustavo Cataneo, 19 anos, dirigia uma motocicleta que bateu de frente em um Toyotta, no km 168. Ao contornar uma curva, ele teria se perdido e atingido o carro. O carona da motocicleta, Darlan Gregorio, 17 anos, também morreu. Os dois eram moradores de Urussanga.

No sábado, o motociclista Abilio Dias Castro, 51 anos, morreu depois de bater contra um Ford Ka, na SC-444, em Içara, no Sul do Estado. O acidente foi por volta das 22h30min.

 

 

Outras mortes

ÁGUAS MORNAS

Um motociclista morreu na tarde de ontem, na BR-282. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, ele tentava ultrapassar um caminhão, mas não conseguiu. O nome da vítima não foi divulgado.

JARAGUÁ DO SUL

Por volta das 9h50min de sábado, a ciclista Aline Lunelli, 13 anos, foi atropelada por um Fiesta, no Bairro Rio Cerro. A adolescente não resistiu aos ferimentos e morreu no local. O corpo dela foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML).

INDAIAL

Dois homens morreram em acidentes na BR-470, neste fim de semana. Na madrugada de ontem, Tiago Martins Souto morreu atropelado por uma motocicleta. Jonatan Schmoeller Antunes, 17 anos, morreu sábado em um acidente envolvendo a moto em que estava e um Bora.

IRANI

O motociclista Rogério Signor, 32 anos, morreu em um acidente no sábado, na BR-153. Ele conduzia uma motocicleta quando bateu na lateral de uma carreta.

 

Pai e filho se afogam na Galheta

Um homem e o seu filho de 11 anos morreram afogados no fim da tarde de ontem na Praia da Galheta, em Florianópolis. Outro filho, de 12 anos, foi resgatado por populares e encaminhado ao Hospital Universitário (HU) pelo helicóptero da polícia.

O homem de 50 anos foi tirado do mar por banhistas, mas teve parada cardiorrespiratória e morreu a caminho do hospital. Enquanto faziam o atendimento do menino de 12 anos, os guarda-vidas da Praia Mole souberam que o outro filho também estava na água.

Mergulhadores, jet ski e helicóptero do Corpo de Bombeiros da Capital foram usados para procurar a criança, mas o corpo acabou sendo levado pela maré para a faixa de areia. A equipe de salvamento tentou reanimar o menino, mas ele não resistiu e morreu logo após o resgate.

Este ano, a Operação Veraneio contará com 1,5 mil guarda-vidas para prevenção e resgate em todo o litoral catarinense. Em Florianópolis, o efetivo será de cerca de 230 pessoas.

Na temporada passada, o corpo de bombeiros registrou 27 mortes por afogamento em Santa Catarina.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Homenagem aos militares boinas azuis

 

Homenagem aos militares boinas azuis

Depois de servir a Pátria em missões de paz, os militares conhecidos como boinas azuis foram homenageados em Joinville.

Os ex-soldados aposentados da cidade e de outros Estados estiveram presentes na inauguração do Monumento às Forças de Paz das Organizações Unidas (ONU), no Parque da Cidade, no sábado.

– Há cinco anos reivindicávamos um local como esse – comenta o representante dos boinas azuis joinvilenses, Bento Gastaldi, de 72 anos, que serviu na Faixa de Gaza entre 1963 e 1964.

A Praça da Paz, no setor Sambaqui, foi o local escolhido para receber a escultura. A comemoração teve início com apresentações musicais de alunos da rede pública de ensino, que fazem parte do projeto Cantando na Escola, e de membros da Associação Joinvilense para Integração dos Deficientes Físicos. Em seguida, a banda e os boinas azuis do 62º Batalhão de Infantaria se uniram aos militares aposentados para executarem juntos o Hino Nacional.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Fantasmas de Colombo

 

Fantasmas de Colombo

A ação direta de inconstitucionalidade por omissão, impetrada pelo Diretório Estadual do PP em 2009, visando assegurar a reposição salarial dos servidores públicos, está pronta para ser julgada no Supremo Tribunal Federal. Poderá se constituir em nova bomba de efeito retardado a explodir no colo do governador Raimundo Colombo. A Adin está fundada no artigo 37, inciso X, da Constituição Federal, que determina revisão anual geral de salários na administração pública, sempre na mesma data e sem distinção de índices. Tem como relator o ministro Ricardo Lewandowski. Requer o pagamento de reposição salarial ao funcionalismo no prazo entre 10 de setembro de 2004 até dezembro de 2009, o que totaliza 32,75%. Naquele período, o governador Luiz Henrique concedeu um único reajuste linear ao funcionalismo, de 1%. Ocorreram, nos dois mandatos, várias reposições e aumentos setoriais, alguns considerados muito bons. Tanto que a folha totalizava R$ 2,2 bilhões em 2002 e hoje está em cerca de R$ 6 bilhões. A ação já tem pareceres favoráveis da Procuradoria Geral da República e da Advocacia Geral da União. Está conclusa para julgamento desde o mês de abril.

Decisão favorável do Supremo representará mais um problema a ser resolvido pelo atual governo. No fim de semana, o ex-governador Esperidião Amin emitiu nota mencionando este polêmico processo como uma das “heranças” que Raimundo Colombo recebeu de governadores do PMDB.

 

NOVO PISO

Entre os processos bilionários de maior impacto no Tesouro, o deputado progressista mencionou as famigeradas Letras, precatórios considerados ilegais emitidos no governo Paulo Afonso, cuja negociação sob a forma de federalização volta a ser cogitada. Tem também os títulos da Invesc, lançados naquela gestão, lastreados por ações da Celesc, fulminados com recursos na época em que o advogado Antonio Gavazzoni era secretário da Fazenda, mas que continuam em discussão na Justiça. Há, ainda, a ação de indenização da Linha Azul, empresa do grupo Engepasa, que executou o projeto de duplicação da SC-401, em Florianópolis, com vitórias em várias instâncias da Justiça Federal.

No cenário estadual, ficaram duas pendências que estarão na mesa de negociações. A primeira, na segurança pública, começa a ser examinada amanhã, durante reunião dos técnicos das secretarias da Fazenda e Administração com as entidades policiais para avaliar suas reivindicações.

O governador Colombo garantiu a incorporação do adicional de permanência para os que pedirem aposentadoria e admitiu a hipótese de incorporar os abonos em valores fixos, e não percentuais anuais de 25%, como anunciado.

A segunda pendência está na área da educação. O próprio governo não se entende sobre o aumento linear de 8%. O secretário adjunto da Educação, Eduardo Deschamps, apresentou a versão oficial sobre a matéria. Disse que todos os professores terão aumento nos salários de 8% no mês de janeiro. Incidirá sobre o piso e sobre todos os vencimentos na carreira.

No primeiro semestre do próximo ano, o governo fará uma avaliação sobre o novo piso salarial do magistério. Projeto de lei 3.776, que trata da matéria, tramita na Câmara Federal. Passou por todas as comissões, faltando apenas a de finanças. Definirá se o piso será reajustado com base no INPC ou índice do Fundeb. A vigência poderá ficará para maio. Assim, naquele mês serão feitos os cálculos e atualizados os salários dentro do novo piso. A Comissão da Educação volta a se reunir hoje para estudar aplicação do piso na carreira do magistério.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Cacau Menezes

Assunto: Novas manifestações salariais

 

Novas manifestações salariais

O Sindicato dos Trabalhadores na Educação (Sinte) lançou nota oficial, neste final de semana, para dizer, em síntese, que não deixa de apoiar algumas questões que já defendia, como a unificação da data-base dos servidores e a luta histórica pelo reajuste do vale-alimentação que chamava de coxinha , mas reagiu ao reajuste linear de 8%, concedido a todas as categorias. A entidade pondera que o acordo feito com o magistério prevê uma indexação aos valores do piso salarial da categoria, algo diferente do anúncio do Centro Administrativo.

O Sinte está correto, mas terá uma surpresa ao ouvir, por exemplo, o secretário estadual da Administração, Milton Martini, que declarou à coluna que os tais 8% são para todo o funcionalismo e não têm a ver com o piso nacional dos professores.

– Isso é outra questão – afirmou Martini na última sexta-feira, antes da manifestação do Sinte.

Desde que o governador Raimundo Colombo apresentou a nova política salarial à sociedade, na última quarta-feira, pipocaram versões em diversas áreas do serviço público. Na essência, a maioria se posicionou favorável a pontos como o da data-base e o reajuste dos valores do vale-alimentação em 100% até julho do ano que vem. Os sindicatos e associações mantiveram o discurso do interesse individual em relação à cláusula salarial.

Antes mesmo que se avalie a alteração da mecânica de reajustes, percebe-se que são os representantes dos servidores estaduais que terão que reposicionar sobre a negociação em conjunto. A ainda incipiente atuação em bloco fortalecerá posições ou deixará escancarado que é cada um por si..

____________________________________________________________________________ Veículo: Notícias do Dia

Editoria: Hélio Costa

Assunto: Dia D para os policiais civis

 

Primeiro de dezembro será o dia D para os policiais civis que podem até parar

Se nesta data o governo não apresentar uma proposta que atenda os anseios da categoria, ela está decidida a boicotar a Operação Veraneio

Dia D para a Polícia Civil

Servidor público que fica 13 anos sem reajuste salarial não tem outra saída, a não ser discutir com o  governo as perdas salariais.  A reivindicação dos policiais civis é justa porque há muito tempo que a categoria vive numa penúria. O que se percebe nos corredores das delegacias é o descontentamento geral. Eles  estão engajados nesta luta e mostraram isso durante as duas assembleias gerais que pela primeira vez na história da instituição uniu delegados e agentes. O governo precisa entender que segurança pública não é gasto é investimento.  A categoria,  que havia paralisado por 72 horas, atendendo somente casos graves, retorna ao trabalho hoje com as atenções voltadas para o dia primeiro de dezembro:  O dia D.  Se o governo não apresentar uma contraproposta que satisfaça o anseio da categoria, os servidores da segurança pública boicotarão a Operação Veraneio, agendada para 15 de dezembro e entregarão os cargos comissionados. 

 

 

 

BLOGS

 

Moacir Pereira

 

Salários: os avanços e as dúvidas

Sob o título “Cortina de fumaça”, Aloisio Antoin envia e-mail com váias considerações sobre a nova politica salarial do governo catarinense. Leia:

“Prezado jornalista: Considerando seu blog ser caixa de ressonância dos anseios e angústias das duas classes mais sofridas de funcionários públicos estaduais: Magistério e Segurança Pública, mister se torna prestigiá-lo , tanto pela sua leitura como por comentários que o enriquecem.

Os avanços salariais proclamados pelo governador Colombo , semana passada , representam um significativo reencaminhamento da posição governamental. A mudança de comportamento do “Grupo Gestor”, que durante a greve do magistério mostrava-se arrogante e intransigente, pelo que se notou, reconheceu em parte suas incoerências e sinalizou para a racionabilidade e justiça . Pelo que foi sentido nesta mudança de atitudes, parece que alguns membros deste grupo fizeram refeições por R$6,00 e pelo visto sentiram fome perto das 15 horas e terrivel ronco do estômago pelas 17 , ainda que ammenizado por não precisarem carregar uma pilha de cadenos e trabalhos para casa. Outros provavelmente procuraram viver alegremente com o salário de um policial , calvário também amenizado por não precisarem viver o duro cotidiano das ruas, enfrentando bandidos e ofensas de filhinhos de papais cujas mesadas superam em vários trocados seu minguado salário.

Reconhecemos os avanços, que foram significativos: Vale refeição , incorporação dos penduricalhos e data base foram ações corretas dignas de apluso. Ficam entretanto dúvidas que precisam de esclarecimento: a) O vale refeição que passará para R$10,00 e depois para R$12,00 valerá somente para os que já estão de regime alimentar há muitos anos ou atingirá também a classe rica do funcionalismo, que com seus altíssimos salários facilmente poderia complementar seus banquetes com recursos próprios. b) Os reajuste de 8% para o magistério , será acrescido ao acordo firmado após a greve e à imposição legal o Piso Nacional? O SINTE emitiu uma posição e correm pelos bastidores outras versões.Há necessidade de esclarecimento antes do final do ano, pois os professores precisam se organizar, ou para começar um ano letivo tranquilo no caso de cumprimento do acordo que colocou fim à paralização de 62 dias ou para o reinício de uma greve desgastante cuja duração será difícil prever.

A postura do governo em reorganizar o aspecto salarial é tempestiva e necessária. Entretanto há dúvidas quanto ao reajuste linear, seja cinco, oito, dez ou cincoenta por cento…Ficam as enormes diferenças entre funções e níveis salariais. Sem uma correção ficará sempre um horizonte nebuloso. Aloisio Antoni / Videira-SC.”

 

Delegado Geral de Policia e a politica salarial

O Delegado Geral de Policia, Aldo d’Avila, está enviando oficio a todos os policiais civis sobre a nova politica salarial do governo Colombo. Veja”

“Srs(as) Policiais Civis,

Venho a presença de todos informar de forma clara e objetiva o acompanhamento e as recentes ações que a Delegacia Geral da Polícia tem realizado em relação ao movimento Policial Civil que objetiva a melhoria das condições de trabalho e de salário:

Desde o início dos movimentos da ADEPOL, SINPOL e SINTRASP, a DGPC tem recebidos e acolhido a todos, atendendo aos pleitos institucionais de forma indistinta. A DGPC não administra uma ou outra categoria, administra a Instituição.

No dia 16-11-2011, em seguida ao anúncio da nova política salarial para o funcionalismo público, solicitamos nova reunião com o Sr. Governador do Estado e Vice-Governador, juntamente com o Secretário da Segurança Dr. Cesar Grubba. Fomos atendidos e foi agendada, por nossa solicitação, outra reunião com os técnicos do governo e representantes dos sindicatos para explanação dos números relativos à recomposição salarial do funcionalismo público estadual.

Efetuada a reunião acima, ante o descontentamento com a proposta, no mesmo dia 16-11-2011, a noite, reunimo-nos novamente com o Sr. Governador e Vice-Governador, quando foi definida uma nova reunião para o dia 17-11-2011, às 11h30min, com técnicos do governo e representantes das entidades representativas da Polícia Civil, com a presença do Governador, Vice-Governador e Secretário da Segurança Pública.

Nesta última reunião, explanamos ao Sr. Governador do Estado a necessidade de se estender à Polícia Civil TODAS as vantagens que outras categorias funcionais do grupo Segurança Pública (PM, BM e IGP) possuem, sendo determinado pelo Sr. Governador que apresentássemos imediatamente as distinções existentes detalhadas em quadro comparativo para os devidos ajustes. Dentre estas distinções de todos conhecidas, destacamos a incorporação do adicional de permanência à aposentadoria (5% por ano trabalhado, além do tempo de aposentadoria limitado a 25%), proposta esta acolhida pelo Sr. Governador do Estado ante a sugestão da DGPC efetuada perante todos os órgãos sindicais representativos da PCSC.

Na mesma oportunidade, presentes a ADEPOL, SINPOL e SINTRASP, foi pelos entes sindicais reiterada de forma enfática a necessidade da implementação do subsídio e compactação dos níveis na carreira policial civil, gerando a determinação de uma nova reunião para o dia 22-11-2011, com estudos já projetados para a possível integralização dos abonos e horas extras nos salários sob a forma de subsídio.

Assim, temos de concreto, além da política salarial citada:

1) Retorno imediato do adicional de permanência com incorporação nos proventos da aposentadoria e atendimento da proposta da DGPC para extensão dos benefícios das demais categorias da Segurança Pública para a Polícia Civil;

2) Formação de grupo técnico, com a participação de um membro por entidade classista da Polícia Civil e da DGPC, direcionado à formatação de projeto para integralização dos vencimentos na forma de subsídio e estudos sobre a compactação dos níveis da carreira.

3) Imediata nomeação de todos os Policiais Civis aprovados no concurso anterior, e não mais em quatro etapas como era o projetado inicialmente;

Desta forma, a Delegacia Geral da Polícia Civil explicita a todos os Policiais Civis, de forma clara, concisa e precisa, a participação institucional no processo hoje em curso, sempre tratando com respeito e urbanidade nossos representantes classistas e nossos Policiais Civis. Sabemos que o apresentado não é o desejado, mas acreditamos firmemente na evolução do diálogo para que se chegue a melhor composição possível para a Polícia Civil.

Nas reuniões com o Governador Raimundo Colombo estiveram presentes o Vice-Governador Dr. Eduardo Pinho Moreira, o Secretário da Segurança Pública Dr. Cesar Grubba, e representantes da ADEPOL, SINPOL, SINTRASP e Delegacia Geral.

A DGPC tem respeitado as manifestações individuais e coletivas, desde que pautadas na ética, na verdade e na civilidade, características típicas da imensa maioria dos Policiais Civis Catarinenses e do Estado Democrático.

Temos levado a efeito nossa missão junto aos nossos Policiais Civis sem propaganda ou marketing pessoal, nãe é de nossa índole. Não vamos fazer promoção pessoal com os diversos instrumentos de trabalho adquiridos e com entrega prevista para antes do final do ano, e que permitirão aos nossos Policiais Civis a avaliação concreta do resultado da gestão da DGPC neste ano de 2011.

Forte abraço a todos,Aldo Pinheiro D’Avila-Delegado Geral da Polícia Civil