Área do associado

Área do associado

Clipping dos dias 17 a 19 de setembro

19.9.2011
CLIPPING
17 a 19 de setembro 2011
 
MÍDIAS DE SANTA CATARINA
 
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Visor
Assuntos: Trânsito na SC-401
                   Derrota judicial para o delegado
 
SAMBA DE UMA NOTA SÓ
Basta um show ou evento na região de Jurerê Internacional para que todo o acesso ao Norte da Ilha pela SC-401 vire uma terra sem lei. Ontem à tarde não foi diferente. No Twitter, muita gente reclamando que ficou até duas horas parada no trânsito. A causa, desta vez, era o Exaltasamba no Stage Music Park.
Para completar, a já deficiente estrutura da rodovia, acrescente os transtornos causados pelas obras de duplicação, flanelinhas agindo por conta e a ausência de policiamento. Está pronta a receita para o trânsito parar, os motoristas se estressarem e ninguém saber quem é que manda naquela bagunça. Ah, na volta foi pior.
 
NÃO LEVOU
Mais uma derrota judicial para o delegado de polícia Marco Aurélio Marcucci, ex-delegado regional de Joinville, ex-vereador da cidade e candidato a deputado estadual pelo PSDB nas últimas eleições. A 1ª turma do Supremo Tribunal Federal (STF) não conheceu o recurso impetrado por ele em embargos de declaração e determinou a baixa imediata dos autos para o TJ.
***
Com a decisão, os autos retornam ao juízo de origem, no caso, Santa Catarina, onde o réu já foi condenado a perder o cargo de delegado. Marccuci, que hoje atua na comarca de Barra Velha, foi preso em 2005 acusado dos crimes de peculato (apropriar-se de dinheiro ou bem móvel em razão do cargo) e prevaricação (retardar ou deixar de praticar a lei).
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Geral
Assunto: Chuva em SC
 
Famílias vão receber caixa que vira casa
Desabrigados de Rio do Sul receberão 242 kits com utensílios para casa e barracas utilizadas em catástrofes. A distribuição das shelter box deve começar na quarta-feira
A enchente que deixou Rio do Sul em estado de calamidade pública colocou a cidade numa lista mundial de vítimas de catástrofes. Uma organização internacional com sede na Inglaterra ofereceu ajuda aos atingidos pela tragédia no Alto Vale do Itajaí e, nesta semana, os desabrigados terão acesso ao que mais precisam: um lugar para morar.
A Shelter Box (caixa de abrigo) é uma organização não governamental (ONG) sem fins lucrativos ligada ao Rotary Club International e que distribui kits de sobrevivência cujo principal item é uma barraca com capacidade para 10 pessoas, resistente a ventos, chuvas e temperaturas extremas.
No Brasil, a shelter box já foi usada por mais de 15 mil pessoas que perderam suas casas em enchentes e deslizamentos de terra no Nordeste e no Estado do Rio de Janeiro em 2010 e 2011.
Cada caixa custa cerca de US$ 1 mil (R$ 1,7 mil) e é custeada pela ONG, que sobrevive de doações em dinheiro e destina 90% à compra e distribuição dos kits. Elas são distribuídas sem nenhum custo às famílias. Toda a logística, do transporte à montagem das barracas, é providenciada pela ONG. É atribuição do poder público identificar as famílias que precisam do benefício.
O representante da ONG na Inglaterra, David Hatcher, que esteve em Rio do Sul no fim de semana, diz que neste momento existem 242 kits disponíveis no Brasil e todos serão destinados a Rio do Sul. As caixas devem chegar à cidade até quarta-feira. A prioridade é que as barracas sejam instaladas no ambiente familiar das pessoas. Não havendo essa possibilidade, a sugestão é criar acampamentos em estádios.
 
 
258 famílias em abrigos
Até a tarde de ontem, 913 pessoas de 258 famílias continuavam nos 23 abrigos públicos espalhados por Rio do Sul. Cada uma com suas histórias e seus dramas, mas todas na mesma situação: sem um lugar para viver.
Um dos maiores abrigos fica no galpão de uma fábrica no Bairro Barragem, um dos mais atingidos. No local, que chegou a ter 400 pessoas, 120 ainda vivem de forma improvisada com as poucas roupas e móveis que conseguiram salvar ou que receberam de doações.
Gente de todas as idades, como Cauana, de sete meses, que enfrentou a primeira enchente da sua vida e está refugiada no galpão com a avó, a costureira Neusa Teresinha Berri, de 53 anos; e o aposentado Tercílio Hager, de 80 anos, que está sozinho, mas conhece a maioria das pessoas que estão no abrigo.
Na quarta-feira, o prefeito Milton Hobus irá a Brasília pedir rapidez na liberação de recursos a fim de beneficiar as famílias que perderam tudo na enchente. O município vai doar os terrenos. Como a Caixa Econômica Federal já tem projetos e as obras podem ser contratadas em regime de urgência, o prefeito acredita que em seis ou sete meses os novos imóveis já estejam prontos.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Geral
Assunto: Oito mortes no trânsito
 
Final de semana com oito mortes
Do total de ocorrências nas rodovias, cinco envolveram motociclistas
Oito pessoas morreram no trânsito, neste final de semana, em Santa Catarina. Deste total, quatro acidentes foram registrados em rodovias federais, dois em rodovias estaduais e outros dois em perímetro urbano. Das oito ocorrências, cinco envolveram motociclistas.
Ontem à tarde, duas pessoas morreram em dois acidentes diferentes na BR-470, em Ilhota, no Vale do Itajaí. O primeiro foi registrado às 16h45min, no km 23,2 da rodovia, e envolveu três veículos. Um Corsa, uma caminhonete S-10 e um Monza bateram de frente, provocando a morte de Albertina Clara Schulz, 46 anos, que era passageira do Corsa. A condutora do veículo, Roseane da Silva, 40 anos, foi hospitalizada com lesões graves. Cerca de duas horas mais tarde, outro acidente grave ocorreu na mesma rodovia, em Indaial. Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), houve uma colisão frontal, no km 66,7, envolvendo um Monza e um Vectra. O passageiro do Vectra, João Babitonga, 73 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu no local. Os demais envolvidos sofreram apenas ferimentos leves.
Ainda no domingo, um pedestre não identificado morreu atropelado na BR-101, em São José. Por volta das 14h, a vítima foi atingida por uma caminhonete no km 200,1, no Bairro Serraria. De acordo com a PRF, o homem aparentava ter mais de 70 anos. Outro acidente com vítima fatal foi registrado por volta das 4h de domingo, na Rua Baldicero Filomeno, no Ribeirão da Ilha, em Florianópolis. O Instituto Médico Legal (IML) identificou a vítima como Gilberto Alcides Martins, mas não confirmou a idade.
No sábado, um motociclista morreu na Rua Marquês de Olinda, em Joinville. Segundo testemunhas, Robson Odwazny, 27 anos, teria batido em um carro ao tentar uma ultrapassagem. Com o impacto, o motociclista e a moto foram lançados, sendo que o veículo acabou pegando fogo. Robson era campeão de jiu-jítsu.
Também no sábado, às 13h20min, o motociclista Danilo da Silva Pereira, 19 anos, morreu em um acidente envolvendo três veículos na SC-450, em Passo de Torres, no Sul do Estado. Outro acidente grave ocorreu em Içara, também no Sul, e provocou a morte de uma jovem de 19 anos. Por volta das 2h de sábado, uma moto e um Corsa bateram de frente no km 9 da SC-444. Juliana Floriano Claudino, que conduzia a moto, não resistiu aos ferimentos. Ainda no sábado, um acidente entre quatro veículos provocou a morte de um motociclista na BR-116, em Capão Alto, na Serra catarinense. Elton Cagliardi de Oliveira, 28 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu no local.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Geral
Assunto: Assuntos Gerais
 
Pela liberação da maconha
Cerca de 200 pessoas participaram da Marcha da Maconha, no Centro de Joinville, na tarde de ontem. Com faixas e tambores, eles tomaram a avenida Hermann Lepper e a Beira-rio para protestar contra a proibição do uso da erva, o que, segundo eles, só fortalece o tráfico e a violência. A concentração terminou na Praça da Bandeira, com apresentações de maracatu e o rap da banda Acesso Restrito.
 
Interrupção provoca fila na SC-405
O trânsito ficou complicado na tarde de sábado no Sul da Ilha, em Florianópolis. Por uma hora, o tráfego foi interrompido na SC-405 para a detonação de rocha. Os trabalhos ocorreram das 16h às 17h, período que gerou congestionamento desde a Via Expressa Sul, no sentido Centro-bairro e desde a Avenida Pequeno Príncipe, no Campeche.
Às 15h, os moradores das casas próximas ao local da detonação tiveram que abandonar suas residências. A detonação de rochas ocorreu para a construção da terceira faixa da rodovia, que deve estar pronta até o início da temporada de verão.
 
 
Apenas o maquinário escapou das chamas
Um incêndio, no começo da manhã de ontem, consumiu parte de uma indústria têxtil na Rua Buenos Aires, no Bairro Tapajós, em Indaial. Cerca de mil metros quadrados foram atingidos pelas chamas. Apenas o maquinário da empresa escapou ileso. Aproximadamente 80 mil litros de água foram usados para conter o fogo.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Política
Assunto: Venda das ações da Casan
 
Assembleia vota amanhã venda das ações da Casan
Governo afirma que vai investir em saneamento, e a oposição quer manter plebiscitos para a operação
O futuro da Casan vai ser decidido terça-feira na Assembleia Legislativa. Pela manhã, as comissões de Constituição de Justiça e de Finanças votam em conjunto as propostas que acabam com a necessidade de plebiscito para a venda de ações da empresa e autorizam o governo a negociar 49% da estatal para um sócio privado. À tarde, o plenário deve votar as mudanças, sob protestos já anunciados de sindicalistas e funcionários da Casan.
São dois os projetos que devem viabilizar a aposta do governador Raimundo Colombo (DEM-PSD) para capitalizar a Casan e avançar os índices de saneamento básico no Estado – hoje apenas 16% dos catarinenses tem acesso a esgoto, 13% se for levada em conta a área atendida pela estatal. O primeiro projeto altera a Constituição para que deixe de ser obrigatória a realização de plebiscito para venda de ações da empresa. O outro autoriza o negócio em si.
Ambos os projetos receberam caráter de urgência para serem analisados e serão votados juntos na terça-feira. Relator da proposta de emenda constitucional (PEC), Dado Cherem (PSDB) já tem o relatório pronto. O tucano mudou o texto para preservar o plebiscito para venda de ações da Celesc – incluída no projeto pelo governo estadual. Para a Casan, o plebiscito seria necessário apenas se resultassem em perda do controle acionário da empresa.
– Em 49% das ações, o governo vai ter liberdade para trabalhar e buscar parceiros privados ou públicos – afirma Dado Cherem.
O relator do projeto que autoriza a venda das ações é José Nei Ascari (DEM-PSD). Ele já deu parecer favorável à legalidade do negócio e hoje analisa as três emendas apresentadas por outros deputados.
Uma delas, de Dado Cherem, pede que fique claro no texto aprovado o compromisso da Casan com a universalização do atendimento de água e esgoto e com o menor preço possível das tarifas. Polêmica maior devem gerar as emendas apresentas pelos deputados de oposição. As bancadas do PT, do PC do B e do PDT assinam o pedido para que a venda das ações da Casan só possa ser feita para outras empresas públicas.
– A CCJ não pode mergulhar na análise do mérito da proposta. Mas como a emenda foi apresentada na comissão, vou analisar. Tenho dúvidas se essa restrição à participação de empresas no leilão é constitucional. A tendência é a rejeição – diz Ascari.
O deputado Amauri Soares (PDT) apresentou emenda à PEC mantendo os plebiscitos para qualquer venda de ações da Casan e da Celesc e ampliando a restrição para todas as estatais catarinenses. Ele admite que não acredita na aprovação das alterações, mas garante que a pressão sobre os deputados governistas será forte.
– Teremos mobilização de funcionários da Casan e da Celesc, além de outros setores, como os funcionários da saúde – afirma Soares.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Política
Assunto: Aposentadoria por invalidez
 
Servidores devem se apresentar
A Assembleia começa a convocar hoje os 16 aposentados por invalidez que foram considerados saudáveis pela junta médica estadual nas perícias feitas entre julho e setembro.
A decisão foi tomada na sexta-feira pelo presidente Gelson Merisio (DEM-PSD) assim que teve acesso aos relatóriosdo Instituto de Previdência de Santa Catarina (Iprev).
Os nomes dos 16 inválidos convocados (veja quadro abaixo) foram apurados pela repórter Giovana Perini, da RBS TV. Segundo Merisio, eles devem se apresentar para não terem os pagamentos suspensos. Após a apresentação, vão passar por inquéritos administrativos para apurar possíveis irregularidades na concessão das aposentadorias. Os relatórios serão encaminhados ao Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), que vai avaliar se cabe ação judicial.
A Assembleia vai esperar pelos processos do Iprev sobre outros 96 aposentados que tiveram indícios de irregularidade constatados pelos peritos. Caso as suspeitas sejam confirmadas, os servidores devem ser convocados. O presidente do Iprev, Adriano Zanotto (PMDB) concorda com a medida tomada por Merisio.
– Cada órgão tem seu papel. O do Iprev é constatar a irregularidade e o da Assembleia é buscar as medidas saneadoras – diz Zanotto.
A única questão aberta é a possibilidade de aposentados com mais de 60 anos poderem voltar ao trabalho. Dos 16, 10 ultrapassaram a idade.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Cincos adolescentes são liberados de delegacia
 
Cinco adolescentes são liberados de delegacia
Prazo de cinco dias para eles ficarem em DP venceu e não havia local para interná-los na Capital
Por falta de vagas, a Justiça mandou soltar cinco adolescentes que estavam detidos na 6ª DP, na Capital. O problema deve continuar porque a única unidade em Florianópolis que recebe menores infratores provisoriamente está em reforma desde junho. O Plantão de Atendimento Inicial (PAI), no Bairro Agronômica, que seria reinaugurado hoje, não tem data para abrir.
Os jovens foram liberados na madrugada de domingo, quando expirou o prazo máximo de cinco dias para que ficassem detidos em uma delegacia, de acordo com o que determina o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
Na sexta-feira, dia 16, a única cela da 6ª DP da Capital, com capacidade para duas pessoas, estava com 12 adolescentes infratores.
– Uma bomba prestes a explodir – disse um servidor da Secretaria de Justiça e Cidadania que preferiu não se identificar.
Dos 12 adolescentes, cinco foram soltos na madrugada de domingo, dois conseguiram vaga em unidades de Itajaí e Joinville. Com a prisão de mais quatro adolescentes, por um assalto no Norte da Ilha, nove chegaram a ocupar a cela. Mas os pais foram chamados e os garotos, liberados.
A reportagem confirmou que nenhum dos envolvidos no assalto estava entre os recém-liberados da delegacia. Mas pelo menos dois deles têm passagem por assassinato.
Enquanto isso, o Pliat segue de portas fechadas. Comparado, em 2010, a uma masmorra da Idade Média pela comissão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o local foi interditado por determinação judicial em junho passado. A titular da pasta, Ada de Lucca, chegou a assegurar a reabertura para hoje. Mas, na sexta-feira, a SJC informou que as obras ainda estão em fase de acabamento e que não há data definida para a reinauguração.
Na tarde de sexta-feira, o promotor da 10ª Promotoria de Justiça, Marcílio de Novaes Costa, e a juíza Brigitte Remor de Souza May, titular da Vara da Infância e Juventude da Capital, fizeram uma vistoria na obra. Eles solicitaram adequações como a colocação de tela na área de recreação e a construção de cintas de concreto na pia dos adolescentes.
Apesar do impasse entre monitores e o gerente da unidade Júlio Olegário dos Anjos, ele será mantido no cargo. Os monitores fizeram um curso de um mês. Alguns haviam sido denunciados por tortura.
– O curso aconteceu para mudar a visão que o CNJ apontou e para dar condição a um trabalho com ideias novas – disse diretora Socioeducativa da SJC, Bernardete Sant’Anna.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: PM condenado por agressão
 
PM condenado por agressão
Um policial militar denunciado por agredir um suspeito algemado na Central de Polícia de Joinville, em dezembro do ano passado, foi condenado na sexta-feira a dois anos e quatro meses de prisão pelo crime de tortura.
A sentença, assinada pelo juiz da 2ª Vara Criminal, João Marcos Buch, determina que o policial Sandro Robson Fernandes, 41 anos, cumpra a pena em regime fechado e também seja afastado do cargo.
Por ser réu primário, o PM poderá recorrer da decisão em liberdade – a perda do cargo também só terá efeito quando não houver mais possibilidade de apelação na Justiça. Sandro agrediu o suspeito Heverton Luis Rodrigues, 34 anos, depois de ele ter sido detido com a suspeita de participar de um assalto.
Assim que Heverton pisou na entrada da cela, outros policiais militares pediram para a imprensa se afastar dali. Foi quando o policial Sandro, que não estava envolvido naquela ocorrência, passou a dar socos e pontapés no suspeito.
Além da equipe do Diário Catarinense, repórteres, fotógrafos e cinegrafistas testemunharam as agressões. Em depoimento, o policial militar que espancou homem justificou as agressões dizendo que “estava com a cabeça quente” porque Heverton havia assaltado a mulher dele.
Mas a alegação não convenceu o juiz de que o PM pudesse ter agido somente por impulso.
Heverton foi condenado em abril a 11 anos e cinco meses de prisão pelo assalto. Ele continua preso.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Duas fugas da Colônia Penal Agrícola de Palhoça
 
Duas fugas em 24 horas
Em menos de 24 horas, seis presos fugiram da Colônia Penal Agrícola de Palhoça, no Bairro Bela Vista, unidade com 316 detentos.
Até às 19h30min de ontem, cinco continuavam foragidos. O sexto detento foi baleado em troca de tiros com os agentes da unidade e a PM. Ele foi encaminhado para o Hospital Regional de São José. Presume-se que eles estava armado dentro da prisão.
A primeira fuga aconteceu às 6h de sábado, quando dois regalias que trabalhavam na horta e dormiam fora da prisão, fugiram por “livre e espontânea vontade”, segundo o chefe de segurança da Colônia, José Leal.
Por volta das 4h30min de domingo aconteceu a segunda fuga. Um agente ouviu um barulho na rua e foi checar. Viu quatro homens do lado de fora e achou que eram conhecidos dos presos que costumam passar drogas para dentro da unidade. De repente, o agente viu um deles fugindo e aí começou o tiroteio, que atingiu o quarto detento, atendido pelo Samu. Os outros três conseguiram fugir.
Os quatro fugitivos estavam presos no alojamento B, onde ficam 20 homens. Eles fugiram por um buraco na grade do alojamento.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Crimes e ocorrências
 
Equipamento retinha depósitos de clientes
Aparelhos que serviam para interceptar e segurar envelopes de depósito em caixas eletrônicos foram apreendidos em Joinville, no sábado. Os 14 equipamentos foram encontrados em oito agências na cidade. Algumas agências chegaram a ser fechadas pela Polícia, que, até ontem à noite, não havia divulgado informações sobre clientes lesados.
 
 
Suspeito é detido após matar um rapaz
Um homem foi morto com dois tiros no peito, em São Francisco do Sul, no Norte de SC. Moradores ouviram os disparos e acionaram a polícia e os bombeiros, que encontraram a vítima em estado grave, nos fundos de uma área com materiais de construção. Gelson Ramos,30 anos, foi socorrido, mas chegou sem vida ao pronto-atendimento. Lincon Diego Nascimento da Costa, 18 anos, foi reconhecido por duas testemunhas e preso minutos depois.
 
Quatro são presos suspeitos de furto
Ação que envolveu policiais civis de quatro cidades do Oeste prendeu quatro pessoas por suspeita de furto e roubo de veículos. Um mandado de prisão preventiva foi cumprido em Santa Izabel do Oeste contra Joel Marcos Gonçalves. As buscas também encontraram placas de veículos. Segundo a Polícia Civil, pelo menos 60 veículos foram roubados na região desde o início do ano. Os carros estariam sendo levados para a Argentina, onde receptadores serão procurados.
 
 
Homens baleados na frente de bar
Dois homens foram baleados na madrugada de sábado, por volta das 4h50min, no Bairro Pedra Branca, em Palhoça, na Grande Florianópolis. Uma das vítimas levou um tiro no peito e precisou ser levada pelo Corpo de Bombeiros ao Hospital Regional de São José. O homem não corre risco de morte. Testemunhas disseram que os disparos vieram de um veículo não identificado. Até o início da noite de ontem, nenhum suspeito havia sido localizado.
 
Garotos são detidos por furtos em três casas
Quatro adolescentes foram detidos enquanto furtavam uma casa na Cachoeira do Bom Jesus, Norte da Ilha, ontem à tarde. Eles foram encaminhados para a 6a DP e logo liberados porque furto a residência não implica em detenção.
 
Foram três casas furtadas, segundo a PM. Por volta das 16h, o filho do dono de uma das casas viu um dos adolescentes dentro de sua casa e chamou a PM. Quando a guarnição chegou, pegou um adolescente em flagrante e os outros três correndo. Um carro preto, que não é roubado, estava envolvido, mas o motorista fugiu do local.
 
Ladrões não gostaram das TVs antigas
Os menores disseram que procuravam TVs de plasma, mas as TVs eram antigas então eles roubaram roupa de neoprene (para surf), edredon e um telefone sem fio. Os adolescentes destruíram o alarme e a câmara de vigilância da residência. O dono da segunda casa furtada também registrou a ocorrência. A PM encontrou a terceira casa vazia e arrombada. Ninguém ficou ferido nas ações.
 
Bandido baleado na orelha
Quatro homens com idade entre 19 e 20 anos foram presos m Içara, no Sul do Estado, por furto de veículo e assalto a mão armada. Houve perseguição policial pela BR-101 e SC-444, rodovia de acesso a Içara, e troca de tiros no Centro da cidade.
Um dos criminosos foi atingido com um disparo em uma orelha e foi levado ao hospital. Outro foi alvejado nas costas, mas usava colete balístico e não se feriu com gravidade.
Conforme a PM, a quadrilha cometeu assalto no Posto Rosso, às margens da BR-101, por volta das 21h20min, quando cerca de R$ 2,6 mil foram levados do local. Um policial à paisana percebeu a ação e iniciou a perseguição.
Perto do Centro de Criciúma, PMs aguardavam o grupo e tentou abordar o carro, que bateram na viatura e tentou fugir trocando tiros. Todos acabaram rendidos.
____________________________________________________________________________
Veículo: Notícias do Dia
Editoria: Segurança
Assunto: Operação Choque de Ordem apreende doze carros no Centrinho da Lagoa
 
 
Operação Choque de Ordem apreende doze carros no Centrinho da Lagoa
Intenção da PM é trazer tranquilidade aos moradores e aos jovens que procuram diversão noturna. Operação vai ser estendida para outro bairro
A segunda edição da Operação Policial Choque Ordem deste fim de semana ocorreu no Centrinho da Lagoa, Leste da Ilha. Segundo o comandante do 4º BPM, tenente-coronel Araújo Gomes, 30 PMs fecharam o local e revistaram todos os carros. O policamento reforçado começou as 16h de sábado e se estendeu até as 4h de domingo.
Mais de 50 veículos foram vistoriados e várias pessoas suspeitas que cruzavam a região a pé também eram abordadas. No total foram retidos 12 veículos que apresentavam problemas na documentação. Não ocorreu apreensão de drogas e nem prisões.
 De acordo com o oficial, o objetivo principal da Operação Choque de Ordem é trazer tranquilidade aos moradores e aos jovens que procuram a diversão noturna na Lagoa. Além disso, ressaltou o Gomes, é uma operação conceito de ocupação de espaço público onde tentamos mudar o comportamento inadequado de alguns motoristas que estacionam em cima de calçadas. 
Durante a ação, ocorrem blitz volantes e abordagens. A Operação Choque de Ordem deve ser estendida pra outros bairros das Ilha. “Com a presença da PM, as arrombadores de veículos desaparece da área e, simultaneamente, é resgatada a sensação de segurança”,afirmou Gomes.
____________________________________________________________________________
Veículo: Notícias do Dia
Editoria: Hélio Costa
Assunto: Ação da PM na captura de dois adolescentes
 
Ação da PM foi perfeita na captura de dois adolescentes que roubaram carro
O sucesso da ação foi o resultado da movimentação da polícia nas ruas. É isso que a população quer: PM encurtando a distância de criminosos
 
           
PM ligada na segurança
Desta vez a Polícia Militar funcionou. Perseguiu e deteve dois adolescentes que havia roubado um Sandero no bairro Monte Verde. Foi uma operação relâmpago prefeita, sem sequer ter disparado um tiro. O sucesso da ação foi o resultado da movimentação da polícia nas ruas. É isso que a população quer: policia nas ruas se movimentando e encurtando a distância de criminosos e resgatando a sensação e segurança. Nesta situação tudo funcionou em sintonia, como sempre deve ser. Havia PMs no posto do bairro Monte Verde que passaram um rádio para toda a rede. Havia também guarnição em rondas de rotina na avenida Beira-mar e barreira na Ponte Colombo Salles. Com o cerco, os suspeitos entraram na contramão seguiram outro caminho e colidiram no túnel Antonieta de Barros. Se os garotos não tivessem se acidentados ali, certamente seria capturados, na via expressa Sul onde havia outra blitz.
 
 
MÍDIAS DO BRASIL
 
 
Veículo: Último Segundo
Editoria: Brasil
Assunto: Homem furta ônibus na Barra e provoca acidentes na zona sul
 
 
Homem furta ônibus na Barra e provoca acidentes na zona sul
Estudante de Direito com quatro registros em delegacias pegou o veículo após sair de festa à fantasia
Fantasiado de policial, um estudante de Direito com quatro registros em delegacias do Rio de Janeiro causou uma enorme confusão no trânsito da cidade e colocou a polícia em alerta na manhã deste domingo (18). Pedro Henrique Garcia de Sousa Correia , de 24 anos, aluno da universidade Cândido Mendes, furtou um ônibus no Terminal Alvorada, na Barra da Tijuca, ao sair de uma festa à fantasia.
Ele seguiu em direção à zona sul. Foi parar na Voluntários da Pátria, em Botafogo, na altura da estação do metrô. Um trajeto de mais de 20 km que deixou uma série de batidas e colisões em outros veículos pelo caminho.
Após ser preso, o estudante assumiu a culpa mas disse ter sido espancado por policiais.
“Olha o meu rosto. Eu estou errado. Mas eles estão mais. Eu fui espancado pela PM”, afirmou Pedro Henrique na saída da delegacia.
Segundo a polícia, Pedro Henrique teria encontrado o ônibus, que estava estacionado vazio no terminal Alvorada, com a chave na ignição. Ele estava fantasiado de policial (uma camisa preta com uma caveira perfurada por fuzis e um punhal com a inscrição “Operações Especiais”, semelhante à usada pela Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil). O coletivo furtado fazia a integração com o metrô.
Ele teria pego a estrada do Joá e seguido pela rua Jardim Botânico em direção a Botafogo. Policiais do 23ºBPM começaram a perseguição.
Na Voluntários da Pátria, o ônibus abalroou diversos veículos. A PM não informou o número de carros danificados. Os proprietários terão que ir na 12ª DP, em Copacabana, onde o caso foi registrado, para fazer a notificação.
Um homem de 67 anos ficou ferido na série de acidentes provocada pelo estudante. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, ele sofreu fraturas e está no setor de raio X do hospital Miguel Couto, no Leblon, na zona sul. O estado de saúde é estável.
Pedro Henrique deverá ser autuado por roubo. O delegado da 12ª DP pedirá imagens das câmeras da CET-Rio para verificar se alguém foi ferido durante a perseguição. Nesse caso, o estudante de Direito também será autuado por lesão corporal.
Segundo a PM, Pedro Henrique aparentava estar sob efeito de drogas ou álcool e foi encaminhado ao IML para exame de corpo de delito e toxicológico.
A assessoria da Polícia Civil informou que existem quatro registros em delegacias sobre o estudante de Direito: por injúria, violação de domicílio, dano e porte de drogas – o último feito este ano na 14ª DP (Leblon). 
 ____________________________________________________________________________
Veículo: Último Segundo
Editoria: Brasil
Assunto: Justiça decreta prisão preventiva de PMs envolvidos no caso Juan
 
 
Justiça decreta prisão preventiva de PMs envolvidos no caso Juan
Menino de 11 anos foi morto em favela da Baixada Fluminense em junho
A Justiça do Rio de Janeiro decretou nesta sexta-feira (16) a prisão preventiva dos quatro PMs acusados de envolvimento na morte do menino Juan Moraes Neves, de 11 anos, ocorrida em junho, na favela Danon, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.
Já presos, os PMs Isaias Souza do Carmo, Edilberto Barros do Nascimento, Ubirani Soares e Rubens da Silva foram denunciados pelas mortes de Juan e do suposto traficante Igor de Souza Afonso e também por ferir outros dois jovens.
Os PMs foram denunciados ontem pelo Ministério Público Estadual por dois homicídios duplamente qualificados e duas tentativas de homicídio duplamente qualificado, com as agravantes referentes ao fato de uma das vítimas ser menor de idade e a abuso de poder por parte dos agentes públicos.
A Promotoria requereu, ainda, que o Instituto Médico Legal (IML) apresente, no prazo de 72 horas, os originais dos laudos de necropsia e do laudo de exame de DNA de Juan.
Entre outras medidas, também foi requerida a determinação para que todas as operadoras de telefonia informem os dados cadastrais do usuário responsável pelo número de celular que entrou em contato inúmeras vezes com os denunciados na hora do crime.
 
Histórico do caso
 
Segundo a denúncia, na noite do dia 20 de junho, os PMs Isaias Souza e Edilberto Barros atiraram contra as vítimas Igor de Souza Afonso, o menor Juan Moraes Neves, que morreram, e outras duas, que ficaram feridas, na saída de um beco.
De acordo com a denúncia, Ubirani e Rubens participaram dando “cobertura” à execução do crime. Juan tinha 11 anos na data do crime. O corpo do menino teria sido deixado por PMs às margens do Rio Botas, no município de Belford Roxo, o que está sendo investigado em outro inquérito, que também apura o envolvimento de outros PMs nos homicídios e a formação de quadrilha armada.
As promotoras Júlia Jardim e Adriana Lucas argumentaram na denúncia que a prisão preventiva dos PMs era necessária “não só para garantir a ordem pública sob o prisma da necessidade de preservar a credibilidade da instituição que presta relevante serviço à nação brasileira através da maioria de seus membros que honram suas fardas, mas também porque o povo brasileiro exige respostas e não aceita que seus cidadãos, incluindo jovens e crianças, sejam mortos sem qualquer chance de defesa por agentes públicos que agem ao arrepio da lei quando deveriam lhes proteger e que ainda recebem vencimentos pagos por todos.”
“O crime foi praticado por motivo torpe, pois os denunciados, imaginando que as vítimas eram traficantes de drogas, pretendiam executá-las, atividade típica de extermínio”, afirmaram as promotoras no texto da denúncia.