Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 26 de outubro

26.10.2011
CLIPPING
26 de outubro 2011
 
MÍDIAS DE SANTA CATARINA
 
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Geral
Assunto: PMs na Beira-Mar
 
ACREDITE, ISTO NÃO É UMA MIRAGEM
Desde o final de semana, quem passa pela Avenida Beira-Mar Norte chega a se surpreender com a quantidade de PMs ao longo da via. Pelo menos a cada mil metros existe uma viatura. E para surpresa dos mais críticos: com soldados por perto. O comandante do 4º BPM, tenente-coronel Araújo Gomes, garante que não se trata de “maquiagem”, mas de reforço efetivo, que será mantido. A Lagoa da Conceição será a próxima da lista.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Geral
Assunto: Trabalhadores fazem assembléia estadual
 
Trabalhadores fazem assembleia estadual
Os trabalhadores em Educação da rede estadual de Santa Catarina, que desde 18 de julho estão em estado de greve, realizam assembleia estadual hoje, em Lages, para discutir e encaminhar uma mobilização. Eles reivindicam recomposição do plano de carreira e querem impedir a municipalização do ensino fundamental. A assembleia tem início às 14h, no Centro de Eventos CentroSerra, na Rua Luiz Gonzaga Proença, 445, no Bairro Universitário.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Informe Político
Assunto: Assembleia geral dos policiais civis
 
Os indignados
Em véspera de assembleia geral dos policiais civis e de outras manifestações dos servidores públicos catarinenses, os deputados estaduais da base receberam como um deboche a informação de que o governo liberou R$ 5 milhões para patrocínio de uma etapa da Volvo Ocean Race, a Fórmula 1 da vela mundial, que passará por Itajaí.
Alguns perguntam: cadê os recursos para a saúde, para a segurança pública e tudo mais? Se os parlamentares pensam assim, imaginem a população do Estado.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Operação Mercúrio
 
 
PF prende 37 pessoas em três estados
Grupo é suspeito de roubos que somam mais de R$ 5 milhões em ações consideradas violentas como arrombamentos, roubos e assaltos a ônibus de turismo. Policiais apuram, ainda, suposta participação da quadrilha com traficantes e contrabandistas de armas no Paraguai. A operação foi batizada de Mercúrio, deus romano, filho de Júpiter e de Bona Dea. Representava o comércio, o viajante e os ladrões.
A investigação que apurava as ações de uma suposta quadrilha com base no Paraná também voltou as atenções da Polícia Federal para Santa Catarina, desencadeando uma operação que terminou com a prisão de sete joinvilenses ontem.
Os investigadores suspeitam que o grupo de Joinville tenha ligação com uma quadrilha acusada de executar ações violentas em arrombamentos a caixas eletrônicos, além de crimes envolvendo roubos de veículos, assaltos a ônibus de turismo, sequestro, homicídios, tráfico internacional de drogas e contrabando de armas até no Paraguai.
A participação dos joinvilenses no possível esquema e os supostos crimes cometidos pelos sete presos ainda são investigados, mas a Polícia Federal está convencida de que o grupo agia como um subnúcleo ligado ao restante da quadrilha.
– Um dos focos do esquema na cidade era voltado à receptação de carros, enquanto outra parte do núcleo participava dos roubos dos veículos no Paraná – diz o delegado federal de Joinville, Alcir Amaral Teixeira.
O delegado federal paranaense Júlio Kummer também acredita que os joinvilenses atuassem no arrombamento dos caixas:
– Os joinvilenses já têm essa fama de atuarem como caixeiros. Supeitamos que eles fossem chamados para abrir os caixas a mando dos líderes da quadrilha. Só que eles certamente também agiam isoladamente.
Com os suspeitos em Joinville, a PF apreendeu pés-de-cabra e um revólver calibre 38. Até trazer a Operação Mercúrio à tona ontem, com a prisão de suspeitos no Paraná e no Rio Grande do Sul, a PF vinha seguindo os passos de membros da suposta quadrilha desde dezembro do ano passado. O principal alvo da investigação eram os roubos a caixas eletrônicos em terminais urbanos paranaenses. O inquérito policial lista pelo menos 15 ações contra caixas eletrônicos que teriam sido praticadas pelo grupo.
Só a Caixa teria sofrido um prejuízo de cerca de R$ 2 milhões. No decorrer da investigação, os policiais federais ainda passaram a apurar supostas negociações da quadrilha com traficantes e contrabandistas de armas no Paraguai – um fuzil foi encontrado com um suspeito preso ontem em Itajaí. Em junho, dois suspeitos de ligação com o mesmo grupo foram mortos em confronto com a polícia no Paraguai.
 
Grupo com forte atuação em Santa Catarina
A quadrilha presa ontem na Operação Mercúrio, liderada por criminosos do Paraná e organizada em pelo menos quatro grupos, sendo um deles baseado em Santa Catarina, teve forte atuação em SC em roubo a ônibus de turismo e caixas eletrônicos. De setembro de 2010 a março de 2011, foram registrados mais de 20 assaltos a ônibus de turismo que saíam de Santa Catarina e passavam por Curitiba com destino a São Paulo ou Foz do Iguaçu. Cerca de R$ 300 mil eram roubados em cada assalto. As vítimas eram lojistas catarinenses que fretavam coletivos para fazer compras em Foz e SP. Os comerciantes levavam dinheiro vivo para comprar à vista. Uma lojista que foi assaltada e perdeu R$ 20 mil na viagem.
Ela conta que os passageiros foram surpreendidos por oito homens bem vestidos e mascarados. Um motorista confirmou que os bandidos usavam fuzis e metralhadoras. A maioria dos assaltos aconteceu na BR-116 e na BR-376, rodovia que é a continuação da BR-101 depois de Joinville.
Nos dois assaltos praticados a ônibus de empresas catarinenses, nos dias 15 e 16 de março passado, os criminosos atacaram perto da entrada do município de Mandirituba, no Paraná, a cerca de 40 quilômetros de Curitiba. No dia 22 de março, a Associação das Empresas de Transporte Turístico de Santa Catarina (AETTUSC) organizou uma manifestação por mais segurança nas estradas catarinenses. Naquele dia, um comboio com 33 ônibus de turismo percorreu o trajeto entre Biguaçu, na Grande Florianópolis e o Centro da Capital.
 
Caixas eletrônicos na mira do grupo
Os catarinenses davam apoio operacional à quadrilha. Um deles era motorista da quadrilha, o chamado piloto de fuga. O grupo, assim como toda a quadrilha, é mais violento e costumava entrar em confronto com a polícia, ao contrário dos caixeiros, que preferem atuar de madrugada, sem agir com violência. A PF não soube informar se explosivos foram utilizados nas ações.
No RS, duas pessoas foram alvo da operação: um detento da Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc) e uma mulher, presa em São Leopoldo. O detento Carlos Eduardo Fernandes Moreira, o Gordo, é paranaense e foi parceiro do assaltante José Carlos dos Santos, o Seco, também detido na Pasc. Eles foram presos em 2006 e ficaram conhecidos pela violência em assaltos a carros-fortes e a uma empresa de transporte de valores, em Santa Cruz do Sul, quando mataram um policial. Gordo pode ter migrado para roubos a caixas eletrônicos, crime que requer menos logística que os roubos a carro-forte.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Flagrados na UFSC
 
 
Polícia desconfia de grupo
Os quatro jovens detidos na noite de segunda-feira no campus da UFSC podem estar envolvidos em arrombamentos na região central da Capital, acredita a Polícia Militar (PM). O grupo se encaixa no novo perfil de ladrões especializados em furtos em veículos.
Segundo a PM, uma onda de arrombamentos em veículos vem ocorrendo nos últimos meses na região da Avenida Beira-Mar Norte, Bacia do Itacorubi e Saco Grande, principalmente perto de bares e casas noturnas.
Eles encostam de carro ao lado de outro veículo e, com uma chave de fenda, abrem a porta. Usam veículos novos, sem registro de furto, e andam bem vestidos para não levantar suspeitas das pessoas.
– Quando a gente verifica a placa, não encontra nada – diz o comandante do 4o Batalhão da Polícia Militar (BPM), coronel Araújo Gomes.
Os jovens detidos segunda portavam um revólver, maconha e uma chave de fenda. Eles rondavam a região da Trindade, quando um morador desconfiou e acionou a PM.
Abordados, disseram que estavam ali só para fumar maconha. Por não terem passagem pela polícia, dois foram liberados na delegacia. Um responderá a um termo circunstanciado por posse de maconha e o outro por porte ilegal de arma.
– As características batem, mas não podemos afirmar que eles têm envolvimento com os arrombamentos. Eles não têm passagem pela polícia – ressaltou o coronel.
 
União para diminuir casos
Polícias Militar e Civil e segurança da UFSC trocam informações para prevenir os repetitivos furtos na Universidade. O grande número de arrombamentos a carros no campus da UFSC é destacado por todos os envolvidos na segurança do local.
Segundo o coronel Araújo Gomes, o principal objetivo dos ladrões é trocar os objetos furtados por drogas.
O responsável pela 5a DP, delegado Luiz Felipe Rosado, observa que o número de arrombamentos de carros para furtar objetos aumenta muito quando há alguma festa no campus.
– Os arrombamentos também acontecem em dias comuns, mas quando há festas na universidade sempre registramos um grande número de ocorrências.
O diretor do Departamento de Segurança da UFSC, Leandro Oliveira, conta com um aparato tecnológico para prevenir as ações.
– Tenho hoje o monitoramento de todos os estacionamentos e de outros locais da universidade. São 1,1 mil câmeras de segurança, muitos alarmes, e funcionários treinados pela polícia para realizarem abordagens.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Tráfico em SC e PR
 
Quatro presos por tráfico em SC e PR
Grupo compõe bando de 18 integrantes, dos quais 16 já foram capturados
A Polícia Civil de Lages apresentou, na manhã de ontem, quatro pessoas supostamente envolvidas em uma quadrilha suspeita de comandar o tráfico de drogas em algumas regiões de SC e do PR. O bando tem pelo menos 18 integrantes e seria responsável por distribuir entorpecentes em Lages, Tijucas, Itapema, Balneário Camboriú e Foz do Iguaçu (PR).
Francielle da Rosa, 25 anos, e Jair Erikson de Oliveira, 29, foram capturados ontem em Lages; Vânia Maia, de idade não informada, e João Fernando Batista, 30, de Florianópolis, haviam sido presos na segunda-feira em Foz do Iguaçu.
A quadrilha estava na mira da Polícia Civil de Lages desde de agosto, quando foram presos em flagrante Odair de Souza Leite, 32 anos, de Campo Alegre; Marlene da Silva, 44, de Matelândia (PR); e dois adolescentes. O grupo tinha um quilo da cocaína conhecida como nine (nove, em inglês). Segundo o delegado Marcio Schütz, a droga tem alto teor de pureza e rende até sete vezes o peso original se misturada a outros produtos.
 
Irmãos paranaenses seriam os líderes
As investigações continuaram e levaram à prisão, no dia 17 de setembro, de mais cinco pessoas, entre elas Jaime Medeiros, 34, e sua irmã, Tânia Medeiros Varela, 38, de Realeza (PR) e considerados pelo delegado Marcio Schütz como os principais integrantes da quadrilha. Com eles foram apreendidos cinco quilos de maconha e um de crack.
Com as quatro prisões de agosto e as cinco de setembro, a Divisão de Investigação Criminal (DIC) descobriu que pelo menos outras nove faziam parte da organização criminosa. Assim, na segunda-feira, iniciou a Operação Caminho Invertido, nome sugerido em virtude do avanço dos policiais pela rota do tráfico.
Com 11 mandados de prisão, os policiais procuraram os suspeitos em Lages, no litoral e em Foz do Iguaçu. Quatro mandados resultaram nas prisões de Francielle, Jair, Vânia e João. Outros cinco são contra pessoas já presas por outros crimes nos presídios de Caçador, Capinzal, Rio do Sul e Lages. Duas delas – Odair e Marlene – já eram conhecidas da DIC.
Assim, dos 18 suspeitos, 16 já foram presos. A polícia procura outros dois que estão foragidos. Todos responderão por tráfico de drogas, associação para o tráfico e formação de quadrilha. As apreensões de drogas somam cinco quilos de maconha, um de cocaína e um de crack.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Crimes e ocorrências
 
Suspeito de assaltos é preso em Joinville
Um homem de 28 anos foi preso na manhã de ontem, suspeito de cometer quatro assaltos na Zona Sul de Joinville. Ele estava escondido em uma pequena casa no meio de um matagal do Bairro Itinga. A polícia conseguiu identificá-lo por meio das imagens das câmeras de vigilância de um supermercado assaltado há um mês e pelo reconhecimento de vítimas de outros três assaltos. Ele ainda é suspeito de cometer furtos em carros e casas na Zona Sul. Ele está no Presídio Regional de Joinville.
 
Homem tem o carro roubado e incendiado
Em Massaranduba, Litoral Norte, um morador teve seu Fiesta roubado por três homens, às 23h30 de segunda-feira. Um ladrão pegou o carro e os outros dois levaram a vítima em outro veículo em direção a Luís Alves. No trajeto, o assaltante que dirigia o Fiesta caiu numa vala. Os dois que estavam com a vítima saíram para ajudar o comparsa, e o morador conseguiu fugir e chamar a polícia. Junto com os policiais, a vítima retornou ao local do acidente e encontrou o Fiesta em chamas. Ninguém foi preso.
 
Detidos por atirarem objetos em presídio
Dois homens de 24 e 19 anos foram presos em Blumenau, na tarde de segunda-feira, após jogarem maconha, um celular e um rolo de fio de nylon para dentro do Presídio Regional de Blumenau. Com eles, os policiais militares ainda encontraram 12 serras de cortar ferro, seis brocas, sete carregadores para celular, uma faca, um torrão de maconha, cinco celulares e cinco molas para estourar concreto. Na Central de Polícia, foi constatado que um era foragido da penitenciária de Chapecó.
____________________________________________________________________________
Veículo: Notícias do Dia
Editoria: Segurança
Assunto: PM que tirou a farda volta ao trabalho
 
PM que tirou a farda durante surto em Joinville volta ao trabalho
Márcio Casprechen foi afastado da corporação em março, quando tirou a roupa na frente de crianças e reclamou das más condições de trabalho
Soldado apresentava quadro de estresse em março, quando surtou
Está de volta aos trabalhos no 17° Batalhão da Polícia Militar de Joinville, o soldado Márcio Casprechen, afastado da corporação após surtar enquanto atendia uma ocorrência no bairro Adhemar Garcia em março deste ano. Na ocasião ele retirou a farda na frente de crianças e adolescentes, criticou o baixo salário e as condições de trabalho fornecidas pelo Estado, atirou contra a calçada e chegou a entregar a própria arma na mão de um menino que estava presente no local. O surto foi gravado no celular por um dos moradores da região e as imagens tiveram repercussão nacional.
Casperchen ficou afastado da PM por cerca de sete meses. Ele passou por tratamento psiquiátrico e retornou a corporação no dia 24 de setembro. O PM teria pedido para retornar a PM porque passava por dificuldades financeiras e precisava das horas extras. O soldado, porém, não terá contato com armas e exercerá apenas trabalhos internos. “Aqui tem a cavalaria, ele cuida dos cavalos, alimenta, limpa a baia”, disse o subcomandante do 17° Batalhão, major Hilário Zils.
O policial ainda não foi denunciado pelo Ministério Público à Justiça Militar. Casperchen deverá passar por exames no Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico, em Florianópolis, apenas em dezembro.
____________________________________________________________________________
Veículo: Notícias do Dia
Editoria: Jornal de Santa Catarina
Assunto: Polícia Civil de Blumenau discute melhorias para a categoria
 
Polícia Civil de Blumenau discute melhorias para a categoria
A principal reivindicação dos policiais é quanto ao salário
Policiais civis de Blumenau e região se reuniram nesta terça-feira no plenário da Câmara de Vereadores para discutir quais reivindicações serão levadas à Assembleia Geral, quinta-feira, em São José. O encontro também serviu para explicar ao público como está o movimento da categoria, que luta por melhorias, e para traçar novas estratégias para a região.
A principal reivindicação dos policiais é quanto ao salário, pois a Lei Complementar 254/2003 determina que o menor vencimento da Polícia Civil corresponda à 1/4 do maior salário.
De acordo com o agente de polícia e coordenador do evento, Antônio Fernando das Neves Filho, Santa Catarina tem a sétima melhor arrecadação do pais, mas é o 27º em remuneração básica para agentes de polícia. Atualmente, um delegado no fim da carreira recebe R$ 6 mil e um policial no início R$ 781,82.
— Estamos há 13 anos sem reajuste e queremos dignidade na profissão, pois estamos trabalhando desmotivados. Precisamos de melhorias na remuneração que correspondam às responsabilidades que o cargo exige. Hoje, a cada 10 policiais, cinco estão pensando em mudar de profissão — argumenta Neves.
Outra solicitação dos policiais é que seja a feita a compactação, de oito para quatro, nos níveis de carreira. Para Neves, a necessidade de mais policiais só aumenta a cada dia, pois a população e o número de crimes crescem, mas o Estado possui o mesmo quadro desde 1986. Hoje, a cidade tem 86 policiais civis e delegados para atender 309.011 habitantes.
____________________________________________________________________________
Veículo: Notícias do Dia
Editoria: Jornal de Santa Catarina
Assunto: Polícia Civil de Blumenau discute melhorias para a categoria
 
Polícia Civil de Blumenau discute melhorias para a categoria
A principal reivindicação dos policiais é quanto ao salário
Policiais civis de Blumenau e região se reuniram nesta terça-feira no plenário da Câmara de Vereadores para discutir quais reivindicações serão levadas à Assembleia Geral, quinta-feira, em São José. O encontro também serviu para explicar ao público como está o movimento da categoria, que luta por melhorias, e para traçar novas estratégias para a região.
A principal reivindicação dos policiais é quanto ao salário, pois a Lei Complementar 254/2003 determina que o menor vencimento da Polícia Civil corresponda à 1/4 do maior salário.
De acordo com o agente de polícia e coordenador do evento, Antônio Fernando das Neves Filho, Santa Catarina tem a sétima melhor arrecadação do pais, mas é o 27º em remuneração básica para agentes de polícia. Atualmente, um delegado no fim da carreira recebe R$ 6 mil e um policial no início R$ 781,82.
— Estamos há 13 anos sem reajuste e queremos dignidade na profissão, pois estamos trabalhando desmotivados. Precisamos de melhorias na remuneração que correspondam às responsabilidades que o cargo exige. Hoje, a cada 10 policiais, cinco estão pensando em mudar de profissão — argumenta Neves.
Outra solicitação dos policiais é que seja a feita a compactação, de oito para quatro, nos níveis de carreira. Para Neves, a necessidade de mais policiais só aumenta a cada dia, pois a população e o número de crimes crescem, mas o Estado possui o mesmo quadro desde 1986. Hoje, a cidade tem 86 policiais civis e delegados para atender 309.011 habitantes.
 
BLOGS
 
Moacir Pereira
 
Servidores estaduais fazem assembleia estadual hoje
Assembleia estadual dos servidores públicos estaduais será realizada nesta quarta-feira, as 14 horas, no edificio das Diretorias, centro de Florianópolis.
Segundo o Sintespe, a lista de reivindicações é extensa. Confira:
“A breve leitura da Pauta de Reivindicações, permite ao servidor, perceber o quanto foi nefasta a política de congelamento e de retirada de direitos dos servidores, uma situação imposta pela política do governo Luiz Henrique.
A maioria dos itens reivindicados já foram conquistados pelos servidores dos demais Poderes (Data-base com Política Salarial, Reajuste do Auxílio-alimentação, Promoções por tempo de serviço, Adicional de Pós-Graduação, Adicional de Graduação, Incidência da Gratificação de Produtividade sobre o vencimento do servidor, Concurso Público, Tabela de diárias condizentes). Outros, os servidores do Executivo, já percebiam, todavia, foram retirados ou reduzidos ao longo da última década.
A pauta que integra a Campanha Salarial Unificada tem o propósito de resgatar velhas conquistas que foram retiradas da categoria e buscar avanços em nova conquistas. Neste sentido, reforçamos a convocação dos servidores para participarem das reuniões por local de trabalho e da posterior Assembleia Geral do dia 26 de outubro.
– Reposição das Perdas salariais de 30,88% – Com base no INPC acumulado de abril de 2006 a maio de 2011 o vencimento dos servidores acumulou perdas de 30,88%, razão desta importante reivindicação que visa recompor a remuneração do servidor corroído pela ausência de uma política salarial no período.
– Fixação da Data-Base com Política Salarial Anual
Ao contrário dos demais Poderes que já tomaram a iniciativa, via lei específica, o Chefe do Poder Executivo continua a descumprir o direito constitucional ao reajuste anual previsto para os servidores ativos e aposentados das Secretarias, Autarquias e Fundações. Assim, requeremos a fixação da data-base para o mês de outubro com o estabelecimento da política de reajuste anual com base no INPC- IBGE .
– Aumento do auxílio alimentação – Os valores pagos aos servidores das Secretarias, Autarquias e Fundações, a título de auxílio alimentação estão congelados desde o ano de 2001. Considerando a variação do INPC no período requeremos a fixação do auxilio alimentação para R$ 615,00, com extensão aos servidores aposentados em forma de abono indenizatório.
– Retorno da Promoção por Tempo de Serviço – A partir de 2006, as progressões funcionais foram interrompidas para os servidores das Secretarias, Autarquias e Fundações, razão pela qual requeremos o retorno da Promoção por Tempo de Serviço correspondente a progressão de uma referência constante da tabela de vencimentos para cada ano trabalhado.
– Adicional de Graduação de 25% e 35% aos servidores de serviços gerais e nível médio – São comuns e históricas as situações injustas de disfunções no meio dos servidores. Ocupantes de serviços gerais ou auxiliares que exercem funções de nível médio, ou de nível médio que exerce funções de nível superior, todavia não recebem qualquer diferença pelas atribuições mesmo possuindo habilitação.
Esse tipo de injustiça tem sido enfrentado e resolvido no Judiciário, no Tribunal de Contas e no Ministério Público, por meio de leis que inovaram com o “Adicional de Graduação” por meio de um percentual fixo. Dessa forma o SINTESPE reivindica a criação do adicional de graduação de 25% a ser concedido aos servidores ocupantes de cargos de serviços gerais e auxiliares ( ONA, ONO I, ONO II e Classes I e II ) que possuem formação em cursos/ de nível médio e de 35% aos servidores ocupantes de cargos de nível médio que possuem formação em cursos de nível superior.
– Aumento do adicional de Pós Graduação para 15%(Especialização), 20% (Pós Graduação) e 25% (Doutorado);
– Incidência das Gratificações de Produtividades sobre o atual valor do vencimento do servidor;
– Extensão da gratificação de produtividade aos servidores da Educação lotados nos Colégios Agrícolas, CEDUP’s, CEJAS, Escolas Estaduais e demais unidades da Secretaria da Educação;
– Isonomia das gratificações de produtividade;
– Adicional de Insalubridade sobre o vencimento do Nível 9, Referência A (atualmente está incidindo sobre o valor do piso), a exemplo do praticado no período de 1993 à 2006;
– Conversão de 1/3 da licença-prêmio em dinheiro (verba indenizatória);
– Aumento dos valores das diárias, passando para R$ 200,00 a de menor valor. Enquanto os secretários recebem R$ 350, os servidores são submetidos a um valor vexatório de R$ 100,00;
– Manutenção da gestão pública da Administração do Porto de São Francisco do Sul com renovação imediata da delegação ou concessão por parte da União;
– Concurso Público para o DEINFRA, Justiça e Cidadania, Deter e demais setores que vem terceirizando serviços e contratando estagiários para substituir a função do servidor;
– Revogação da lei das OSs, contra a terceirização do Sistema Prisional e não às privatizações;
– Fim do desconto do imposto sindical;
– Garantia da paridade aos servidores aposentados por invalidez e com vencimentos proporcionais ao tempo de serviço (a partir de 2004);
– Correção das vantagens pessoais ;
– Incorporação da insalubridade.
Contamos com o apoio da imprensa na luta dos servidores estaduais por melhores salários e condições de trabalho.