Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 25 de março

25.3.2011
CLIPPING
25 Março 2011
 
MÍDIAS DE SANTA CATARINA
 
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Visor
Assuntos: Agentes fecham um bingo
                   Pronasci
                   Operação na Vila Santa Maria
 
CASA DE FAMÍLIA
Agentes da 1ª DP fecharam um bingo que funcionava nas proximidades do Supermercado Hippo, no Centro de Floripa. Quem entrasse no apartamento do prédio residencial tinha a impressão de estar visitando uma “casa de família”. Nos fundos, duas salas com13 caça-níqueis. Ninguém foi preso.
 
PIRES NA MÃO
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e a secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Milki, estarão hoje, em Floripa, para a assinatura do Programa Nacional de Segurança com Cidadania (Pronasci). O governador Raimundo Colombo reivindica R$ 20 milhões, dinheiro que deveria ter vindo no ano passado, quando Santa Catarina aderiu ao programa.
 
INTELIGÊNCIA?
Foram mobilizados 80 homens do Bope, Polícia Federal e agentes da Polícia Civil para uma investida contra a Vila Santa Maria, ontem à tarde, em Floripa. Saldo da megaoperação: uma pistola 9mm e a prisão de um sujeito com mandado aberto. Alguém ouviu falar em serviço de inteligência?
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Geral
Assunto: Caldeira industrial explodiu no Batalhão de Blumenau
 
Caldeira explode e fere dois
Uma caldeira industrial explodiu, na manhã de ontem, na cozinha do 23º Batalhão de Infantaria de Blumenau. No momento do acidente, estavam no local o cabo Renato Ventura e o soldado Zalmir Malaquias Junior, que auxiliavam na produção do almoço, por volta das 8h30min.
Os militares sofreram queimaduras de segundo grau. O soldado Malaquias teve queimaduras na face, nos ombros, no tórax e nas pernas. Foi conduzido pelo Corpo de Bombeiros ao Hospital Santo Antônio e permanece internado na unidade de terapia intensiva. O cabo Ventura foi encaminhado ao Hospital Santa Isabel, que ainda não divulgou o estado de saúde do paciente.
As causas do acidente ainda são desconhecidas. Por meio de nota enviada no início da tarde, o comandante do 23º BI, coronel José Henrique de Cássio Ruffo, informou que será aberto um processo administrativo interno para descobrir o motivo da explosão. O processo vai acompanhar um laudo pericial feito pelo Corpo de Bombeiros.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Geral
Assunto: Hora do Planeta
 
Em Santa Catarina, seis cidades aderem à Hora do Planeta, no próximo sábado
Monumentos de Florianópolis, Balneário Camboriú, Caçador, Itajaí, Tijucas e São Francisco do Sul terão as luzes apagadas
Atualizada às 19h00min
No sábado, entre 20h30min e 21h30min, diversas partes do mundo ficarão às escuras. É a Hora do Planeta, um ato simbólico na luta contra o aquecimento global. Em Santa Catarina, pelo menos seis cidades vão participar oficialmente do evento.
A ação é uma iniciativa da ONG WWF, criada em 2007, na Austrália. No ano passado, mais de 1 bilhão de pessoas, em 4.616 cidades de 128 países, participaram do protesto.
Para este ano, há adesões em todos os continentes. Já foi confirmada a participação de 3.733 cidades, em 131 países, sendo 25 megacidades, como Deli, Mumbai, Buenos Aires, Moscou, Teerã, Istambul, Londres, Rio de Janeiro e São Paulo.
Em Santa Catarina, Caçador, Balneário Camboriú, Florianópolis, Itajaí, São Francisco do Sul e Tijucas vão apagar as luzes de alguns monumentos. Destaque para Florianópolis, onde dois cartões-postais, a Ponte Hercílio Luz e a Praça XV, vão ficar às escuras.
Joinville, que participou do evento no ano passado, ainda não confirmou a adesão à Hora do Planeta deste ano. Da iniciativa privada, o Floripa Shopping também aderiu oficialmente ao evento. O empreendimento está fazendo uma mobilização interna para incentivar clientes, lojistas e funcionários.
No sábado, a rádio interna divulgará a mobilização de hora em hora. Também serão apagadas parcialmente as luzes externas do paisagismo e o letreiro da fachada.
___________________________________________________________________________
Veículo: Portal AN
Editoria: Geral
Assunto: Trevo da Seta
 
Trevo da Seta tem trânsito caótico mesmo depois da inauguração de elevado de R$ 16 milhões
Retomada das obras da terceira pista da SC-405 podem ajudar a desafogar o trânsito
Pedro Santos | pedro.santos@diario.com.br
O Batalhão de Polícia Militar Rodoviária (PMRv) está estudando a possibilidade de liberar o sentido único, no sentido Centro — bairro, entre o Trevo do Rio Tavares e o elevado do Trevo da Seta, no Sul da Ilha. A PMRv analisa o volume de tráfego de veículos entre 18h até 19h para definir se haverá necessidade de abrir o sentido único, o que já acontece diariamente pela manhã.
Depois dos 18 meses em obras e cerca de R$ 16 milhões gastos, o elevado do Trevo da Seta foi liberado para tentar desafogar o congestionamento sentido Centro — Sul da Ilha. Mas para quem esperava a solução para as filas, como foi divulgado em um outdoor no caminho para o elevado, a frustração foi inevitável.
Um desses problemas é de ordem matemática. As três faixas de pista da Via Expressa Sul se transformam em duas para quem sobe o elevado e apenas uma na SC-405. Isso sem falar nas obras que ainda continuam no elevado, com homens trabalhando por todo o dia.
Na secretaria de Obras da prefeitura de Florianópolis, há quem acredite que o elevado foi liberado cedo demais. Oficialmente, o secretário Luiz Américo pede paciência. A explicação é que a liberação do elevado Trevo da Seta é apenas um dos componentes que atuarão para desafogar o trânsito.
Nesse conjunto de ações, está a retomada das obras da terceira pista na SC-405. Enquanto as obras não começam, os pontos de ônibus continuam sem recuo adequado e a entrada e saída dos estacionamentos dos estabelecimentos comerciais na rodovia aumentam ainda mais a lentidão.
Esses são os argumentos apresentados à PMRv que justificariam a liberação do sentido único em horários de maior congestionamento — no começo da manhã e no final da tarde.
— Estamos vendo se a quantidade de veículos em congestionamento justificam uma operação da Polícia Militar Rodoviária. Estamos estudando — diz o subtenente Jairo Cabral, comandante do posto da PMRv no Sul da Ilha.
Depois de dois adiamentos na data de inauguração do elevado, moradores dizem que também foi adiada a esperança de que as filas poderiam acabar no Sul da Ilha um dia.
Terceira pista é a esperança
A próxima esperança para desafogar o trânsito no Sul da Ilha está na construção da terceira pista na rodovia SC-405. É o que diz o Departamento Estadual de Infraestrutura de Santa Catarina (Deinfra), que planejou a terceira pista desde o final do elevado do Trevo da Seta até a Ponte do Rio Tavares.
Para viabilizar o projeto, partes de 93 imóveis terão que ser desapropriadas pelo governo, em um custo que gira em torno de R$ 2,3 milhões. Além disso, as obras, previstas para iniciarem em maio, custarão R$ 3,5 milhões.
Sentido Centro — Sul
O tráfego de veículos em direção ao Sul da Ilha segue em três pistas pela Via Expressa Sul e se divide no elevado Trevo da Seta. Quem vai para o aeroporto segue pela pista da direita e quem quer ir sentido Sul da Ilha sobe pelo elevado. Nesse ponto, as três faixas viram duas e, no fim do elevado, vão desembocar na SC-405, em apenas uma pista sentido Centro — Sul.
Sentido Sul — Centro
Quem vier da SC-405 pode passar sobre o elevado para seguir sentido Centro ou seguir pela pista da direita, em direção à Costeira. Uma das questões críticas está para quem vem da SC-405 e quer ir até o aeroporto. Para isso, é preciso seguir sobre o elevado até a Via Expressa Sul e andar cerca de 2 quilômetros até encontrar o retorno.
 
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Moacir Pereira
Assunto: Segurança no Vale do Itajaí
 
Falta segurança
O Vale do Itajaí sai na frente mais uma vez e dá outro bom exemplo de cidadania para tentar resolver os mais graves problemas da comunidade. A Câmara Municipal de Blumenau uniu-se a sete conselhos comunitários de Segurança e elaborou um documento ao lançar a campanha Blumenau mais segura. Com mais de 10 mil subscrições, o abaixo-assinado tem força de procuração para que o Ministério Público Estadual ingresse com ação civil pública na Justiça e imponha ao governo aquilo que é sua obrigação: dar um mínimo de segurança à população. A situação em Blumenau arrasta-se por anos. No governo Luiz Henrique, o secretário de Segurança, Ronaldo Benedet (PMDB), foi acusado de privilegiar ações no Sul, sem dar atenção ao aumento da criminalidade no Vale do Itajaí.
Benedet elegeu-se deputado federal, mas a segurança continuou órfã em Blumenau e região. O presídio segue superlotado, as fugas não param de acontecer e o policiamento ostensivo defasado. Precisa triplicar o número de militares. A providência legal foi tomada. Mas há outras medidas políticas que poderiam merecer atenção dos políticos. Afinal, o prefeito é o presidente do DEM, partido do governador. O dilema de Blumenau é tão grave que não pode ficar na expectativa só da intervenção judicial. Mesmo porque os promotores precisarão de tempo para estudar as deficiências do setor, os fundamentos jurídicos da ação e até mesmo o processo judicial, cuja celeridade é conhecida de todos.
Engana-se, porém, quem acha que a intranquilidade causada pelos assaltos, fugas, expansão das drogas e mortes limita-se a Blumenau, Florianópolis ou Joinville. É o que mais assusta as populações de outras cidades.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Agressão em elevador
 
Preso, rapaz reconhece o erro e diz que há exageros
Claverson diz que é trabalhador e nega ter feito ameaças à família de Maria de Fátima após o ocorrido
Na cadeia desde ontem, o homem que apareceu em jornais do Brasil inteiro enrolando uma cinta no pescoço da ex-namorada disse que está consciente do erro cometido. Prometeu arcar com as consequências e afirmou que está passando por uma situação muito difícil.
Claverson Cabral de Jesus, 26 anos, também se defendeu das acusações de que batia na primeira mulher e que ameaçou Maria de Fátima Barros, 20 anos, vítima das agressões mostradas nas imagens do sistema de monitoramento de um prédio no Centro da Capital.
Claverson nasceu em Sergipe e há oito anos mudou com a tia para Santa Catarina em busca de uma vida melhor. Explicou que em Frei Paulo, cidade em que morava, só tinha a roça, de onde tirava apenas o suficiente para comer. No rastro do sucesso financeiro, o restante da família fez o mesmo caminho. O rapaz declarou que nos dois estados nunca teve problemas com a polícia e sempre trabalhou.
O último emprego era na área de serviços gerais do Aeroporto Hercílio Luz. Claverson garantiu que não é a pessoa descrita e nunca foi violento. Alegou que se fosse assim não teria despertado interesse de uma companhia aérea em contratá-lo para o setor de bagagens. Ele também falou que Maria de Fátima errou no relacionamento deles, mas preferiu não revelar o que aconteceu.
O rapaz classificou de absurdas as acusações de que agredia a primeira mulher, com quem foi casado por três anos e tem uma filha de um ano. Afirmou que ela está disposta a ajudar e esteve ontem na cadeia para conversarem.
Juliana Cristina Marques, 28 anos, confirmou tudo e acrescentou que se for necessário vende a casa para pagar o advogado dele. A primeira mulher reconheceu que registrou um boletim de ocorrência acusando Claverson de agressão. Justificou que estava com raiva por causa da separação. Ela afirmou que a correção está no depoimento prestado ontem.
 
Mãe de Claverson reprova as agressões
Neuza Cabral de Jesus, 42 anos, mãe de Claverson, não aprovou as agressões, mas também reclamou do tratamento que o filho recebeu. Afirmou que o rapaz sempre se comportou bem e disse que as coisas começaram a sair dos trilhos quando ele deixou a mulher para ficar com outra. Ela criticou Maria de Fátima, que estaria se aproveitando da situação para aparecer. Declarou que a vítima está a todo momento na televisão, incluindo o programa nacional A tarde é Sua, da apresentadora Sônia Abrão.
Maria de Fátima foi procurada, mas o celular estava desligado.
 
Um caso a cada 46 minutos
A cada 46 minutos uma mulher foi vítima de violência doméstica em Santa Catarina neste ano, revelam dados fornecidos pela Secretaria de Segurança Pública. Somados os casos de homicídio, tentativa de homicídio, lesão corporal, estupro e tentativa de estupro, foram registrados 2.587 crimes no Estado em 2011. A diferença é grande em relação a anos anteriores. Em 2007, era uma crime a cada duas horas e 45 minutos.
No período analisado, a população cresceu 6,13%, enquanto os casos de violência doméstica saltaram 212%. A delegada de Proteção à Mulher de São José, Sandra Mara Pereira, disse que a escalada nos números é consequência do crescimento dos casos e do aumento de vítimas dispostas a denunciar os agressores. Ela explicou que a partir da Lei Maria da Penha, de agosto 2006, houve mais confiança na legislação e formou-se uma política pública de atendimento.
Mas a delegada ressaltou que ainda há muitas deficiências. Um exemplo é a falta de abrigos para mulheres vítimas dos maridos ou companheiros. Em todo o Estado existem somente quatro casas para cuidar de vítimas que não têm para onde ir. A última foi inaugura neste ano em São José. A expectativa é um aumento nas denúncias. Sandra Mara explicou que o crescimento deve ocorrer porque após revelar as agressões não há obrigação de voltar para a casa.
Ela também defendeu a criação de um programa de acompanhamento psicológico para os homens. A delegada afirmou que muitos agressores repetem o tratamento que viram em pais ou avós. Sandra Mara também aconselhou as vítimas a não se calarem e procurar ajuda logo no primeiro indício de violência, seja uma ameaça, puxão no cabelo ou soco.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Prisão de PMs
 
Justiça decreta prisão de PMs que atiraram
Foram decretadas ontem as prisões preventivas dos policiais militares que acuaram e atiraram num garoto de 14 anos à queima-roupa em 17 de agosto do ano passado, num bairro da periferia de Manaus (AM). O rapaz levou três tiros, mas sobreviveu. O juiz Antônio Bismarck decretou as prisões, segundo seu texto, “para nos acautelarmos de qualquer investida contra a conveniência da instrução processual criminal, pela periculosidade dos indiciados e para manter a segurança da aplicação da lei penal”. As imagens de “brutalidade e violência”, nas palavras do juiz, foram divulgadas na noite de terça-feira. No vídeo, de dois minutos, um policial militar armado aparece agredindo e ameaçando o rapaz. Dá um primeiro tiro e o garoto tenta escapar, quando dá outros dois.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Caso bombeiro
 
MP questiona saúde mental do agressor
O bombeiro Fernando Eller da Cunha, 39 anos, suspeito de agressão, teve a prisão preventiva decretada na última terça-feira, mas não pôde ser detido. Isso porque ele se internou em uma instituição psiquiátrica.
Para ter certeza de que a internação não se trata de uma manobra para retardar a detenção o Ministério Público encaminhou, ontem, um pedido de esclarecimento ao hospital.
O promotor de Justiça Sidney Eloy Dalabrida, que analisa o caso, explica que após receber o documento, a unidade de saúde terá 48 horas para se manifestar. O médico que cuida de Fernando da Cunha já teria adiantado que ele ficará 10 dias internado.
– Quando o oficial de Justiça foi executar a prisão descobriu que ele havia se internado. Por isso estou encaminhando esse documento pedindo para que o instituto esclareça qual a condição dele – disse Dalabrida.
De qualquer modo, assim que deixar a instituição, localizada em São José, na Grande Florianópolis, Cunha será preso. Ele será levado para o presídio militar que fica no 4º Batalhão da Polícia Militar, em Florianópolis. Após a conclusão do inquérito, a promotoria tem cinco dias para se manifestar sobre o caso.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Crimes e ocorrências
 
Briga entre irmãos acaba em morte
Um irmão matou o outro na madrugada de quinta-feira, em Jaraguá do Sul, Norte de SC. Eles passaram a noite bebendo e, por volta da 1h da manhã, começaram a discutir.
Helton Arruda de Oliveira, 22 anos, teria ameaçado o irmão Everton Arruda de Oliveira, 21, com uma faca. A mãe deles separou a briga e conseguiu tirar a faca das mãos do mais velho. Nesta hora, Everton correu até a cozinha, pegou outra faca e acertou o peito do irmão.
Helton caiu no chão da garagem da casa. Ele foi socorrido pelo pai, que o colocou no carro para ir até o hospital. Os bombeiros foram chamados e encontraram pai e filho no caminho. O rapaz não resistiu ao grave ferimento na região esquerda do tórax e já estava morto quando foi atendido pelos socorristas.
Segundo o major da PM Jofrey Santos da Silva, quando a polícia chegou ao local do crime, encontrou Everton sentado em frente à casa, no meio-fio, ainda embriagado.
– O rapaz confessou que brigou com irmão e que o atingiu com uma facada no peito. Disse ainda que a faca usada no crime estava em um quarto da casa – falou o Major.
Everton foi encaminhado para a delegacia de Polícia Civil e foi preso em flagrante por homicídio. Os pais estavam em estado de choque.
Uma vizinha contou que era comum os irmãos brigarem quando estavam embriagados. Os dois irmãos eram pintores e solteiros.
Em depoimento à polícia, Everton disse que teria sido ameaçado pelo irmão, mas não soube explicar como.
 
Corpo de mulher é exumado para perícia
O corpo da massoterapeuta Simone Dickmann, 35 anos, foi exumado ontem à tarde, em Pomerode, por técnicos do Instituto Geral de Perícias a pedido do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC). O processo ocorreu no Cemitério Municipal de Pomerode, onde o corpo foi sepultado. Os técnicos retiraram tecidos ainda intactos do corpo que serão analisados em laboratório para verificar se Simone foi mesmo morta por envenenamento, como aponta o inquérito da Polícia Civil.
 
Homem é preso por tráfico e homicídio
Luiz Ricardo de Souza, o “Gordo”, de 21 anos, foi preso em Camboriú, durante operação da Polícia Civil batizada de Lipoaspiração. Um mandado de prisão temporária foi cumprido contra ele por homicídio, que teria sido cometido em junho de 2010. A polícia apurou que a morte estaria ligada ao tráfico de drogas. Foram apreendidas 365 pedras de crack, um revolver e munição. Segundo a polícia, Gordo é conhecido na região por ser violento.
 
 
Pai e filho estariam envolvidos
Pai e filho são apontados como autores do homicídio contra o vigilante Anderson de Oliveira, 27 anos, que trafegava de motocicleta na SC-483 em Morro Grande, Sul do Estado.
Segundo a polícia, eles mataram o jovem com três tiros, na madrugada do último sábado, por ciúme da ex-mulher do rapaz, que viajava na carona da moto de Anderson.
O homem, de 43 anos, e o filho, de 19 anos, estão foragidos. Ambos tiveram prisões preventivas decretadas pelo juiz da comarca de Meleiro. O delegado responsável pelas investigações, Luís Otávio Pohlmann, preferiu preservar a identidade dos envolvidos, que não aceitavam a separação. O crime foi caracterizado como homicídio qualificado, por motivo fútil.
A dupla teria perseguido a mulher em uma rodovia, de carro. O pai estaria dirigindo o veículo. O filho, no banco do caroneiro, segurava a arma e mandava os motociclistas pararem.
 
Suspeito de matar é identificado e preso
Mais um homem suspeito de matar Leoni Franco, 44 anos, em São José do Cedro, no Oeste, foi preso ontem. Maicon Angler, 19 anos, teria participado do crime. As investigações já haviam resultado nas prisões de Valdecir de Andrade, André Roque Welter, Ademir José Schneider e Volnei Wolfart.
 
Câmeras flagram homem furtando home theater com ajuda de cadeirante, no Rio Grande do Sul
Dupla prestou depoimento na Polícia Civil de Santa Maria e foi liberada
Dois homens foram detidos pela Polícia Civil em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, na quarta-feira. Após investigar a dupla, formada por um cadeirante de 30 anos e o homem de 32 anos, que empurrava a cadeira, agentes da 1ª Delegacia de Polícia os detiveram. Eles prestaram depoimento e foram liberados.
Em um estabelecimento, eles furtaram um notebook, e no outro, um home theater. As duas ações foram registradas pelas câmeras de segurança das lojas.
 
 
 
BLOGS
 
Paulo Alceu
 
Gostou
Ao ser informado pelo secretário de Segurança César Grubba e pelo Comandante da PM, Cel. Nazareno, de que Chapecó receberia cem novos policiais militares para a cidade, o deputado/presidente Gelson Merísio externou sua satisfação destacando que 50 deles já iniciarão as atividades nos próximos dias. Ajuda. A população vem reclamando da insegurança.
 
Crítica
Esta inserida na minirreforma a terceirização do sistema carcerário, mais exatamente no artigo 64 inciso 18. Para o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Estado, Antônio Batistti, trata-se de um cheque em branco para o governo. Considera ser um tema que não pode ficar nas “entrelinhas” de um projeto de reforma. “Este assunto tem que ter um projeto de lei específico, discutido com toda a sociedade e com os servidores públicos,” bateu.
 
Cláudio Prisco
 
Agenda
Futura secretária de Justiça e Cidadania, Ada De Luca recebe hoje, em Florianópolis, a secretária nacional de Segurança Pública, Regina de Luca Miki e o diretor do Departamento Penitenciário Nacional, Augusto Eduardo de Souza Rossini.
Antes da chegada do ministro da Justiça, prevista para amanhã, os representantes do governo Dilma Rousseff vão visitar à Penitenciária Industrial de Joinville e o Presídio Regional de Itajaí, recém-ativado pelo governador.
Ambos os estabelecimentos têm gestão compartilhada pública-privada.
 
Moacir Pereira
 
Ministro: “Cadeias tem situações grotesca”
Do blog de Ricardo Noblat: “Apesar de o PT governar o país há oito anos, o ministro da Justiça, o petista José Eduardo Cardozo, disse ontem, em São Paulo, num seminário sobre segurança pública, que ainda há “situações grotescas” nas cadeias brasileiras e admitiu que os sistemas penal e penitenciário do país são inadequados. Segundo Cardozo, os presídios são “verdadeiras escolas de formação de criminosos”, onde pessoas que cometeram crimes de menor potencial ofensivo são colocadas juntas com outros criminosos e, sem alternativa ou por serem obrigadas, acabam entrando em organizações criminosas.
 — A reinserção social não é uma característica do nosso sistema penal. Temos situações absolutamente grotescas no sistema penitenciário. Fala-se que, no mínimo, 60 mil presos estão hoje em delegacias de polícia, que não são lugares adequados para qualquer tipo de aprisionamento. Esse número pode chegar a 80 mil pessoas — disse o ministro.
Em palestra na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), Cardozo citou como uma das “aberrações” do sistema penitenciário rebeliões no Maranhão em celas superlotadas, em que vários presos foram degolados.
— Isso se repete quase que cotidianamente, lamentavelmente — disse o ministro.
Cardozo afirmou que, para resolver este e outros problemas de segurança pública, é preciso uma maior integração entre União, estados e municípios, pois todos são responsáveis pela segurança do país.
— Parece patético e absurdo ter uma política de segurança sem uma efetiva integração entre União, estados e municípios — disse.
 
 
Diretor do Depen visita penitenciárias
O diretor do Departamento Penitenciário Nacional(Depen), promotor Augusto Rossini, realizou hoje visita de inspeção à Penitenciária Industrial de Joinville e ao Presídio Regional de Itajaí,acompanhado do secretário de Segurança, promotor Cesar Grubba. Ficou bem impressionado com o sistema penitenciário de Joinville, onde o apenado trabalha, tem oportunidade de estudar e de retornar à sociedade, impressionou-se com o índice de reincidência e afirmou que este é o modelo para o Brasil.
Neste sexta-feira, visitará a Penitenciária da Trindade, com os secretários Cesar Grubba e Ada de Luca.
 
Ministro da Justiça amanhã em SC
Ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, desembarca amanhã, as 8,30 horas, em Florianópolis. Segue para a Casa da Agronômica, onde conversa com o governador Raimundo Colombo e assina convênios do Pronasci para melhorar o sistema prisional e de segurança pública do Estado.
No período da tarde realizará encontros de serviço na Policia Rodoviária Federal e na Polícia Federal.
 
TRE-SC tem nova direção
Desembargador Sérgio Paladino assume hoje, as 17 h, a presidência do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina, em substituição ao desembargador Newton Trisotto. O novo presidente atuou como corregedor regional eleitoral e vice-presidente do Tribunal entre março de 2010 e março deste ano. Natural de Florianópolis, Paladino ingressou no Ministério Público de Santa Catarina em 1972, assumindo o cargo de promotor público substituto na circunscrição judiciária de Lages. Ao longo de sua carreira, também atuou nas comarcas de Guaramirim, Palmitos, Timbó, São Bento do Sul e Capital (1ª Vara da Família, Órfãos e Sucessões). Em 1980, foi convocado pela Procuradoria-Geral de Justiça para desempenhar as funções de promotor de Justiça nas câmaras civis e criminais do Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Dez anos depois, foi nomeado para o cargo de procurador de Justiça, tendo desempenhado a função junto às câmaras civis até 1995 e, a partir do ano seguinte, perante as câmaras criminais. Em 1997, foi alçado a desembargador do TJ-SC, ocupando a vaga do Ministério Público oriunda do quinto constitucional. Integrou as Segunda e Terceira Câmaras Civis antes de se tornar, em 2001, membro da Segunda Câmara Criminal, que preside atualmente. Também faz parte da composição do Órgão Especial do TJ-SC.   Foi,ainda, professor de Direito de Família na Escola de Preparação e Aperfeiçoamento do Ministério Público, membro do Conselho Superior do Ministério Público, da Comissão de Concurso para Ingresso na carreira do Ministério Público e da Diretoria da Associação Catarinense do Ministério Público, no período de 1990 a 1992.
 
Vice
A partir de hoje, o TRE-SC também passará a contar com um novo vice-presidente e corregedor regional eleitoral. Os cargos serão ocupados pelo desembargador Irineu João da Silva. Natural de Brusque, formou-se em Direito pela Universidade Regional de Blumenau (Furb) em 1972 e ingressou na magistratura quatro anos depois, após ser aprovado em concurso. Silva atuou como juiz substituto nas comarcas de Mafra, Itaiópolis, Canoinhas, São Bento do Sul, Porto União, Videira e Caçador. Em 1978, passou a ocupar o cargo de juiz titular, tendo desempenhado a função em Urubici, Ituporanga, Caçador e Itajaí, além de responder interinamente pelas comarcas de Bom Retiro e São Joaquim. Foi promovido a desembargador em 2000 e é membro efetivo da 2ª Câmara Criminal do TJ-SC, presidida pelo desembargador Paladino. Silva também integra o Órgão Especial e o Conselho da Magistratura do Tribunal de Justiça.
 
 
Aconteceu na ALESC
 
Deputado Sargento Soares comenta caso de desequilíbrio emocional de PM em Joinville
 
O caso do policial militar de Joinville, que teve um desequilíbrio emocional durante ocorrência, foi tema de pronunciamento do deputado Sargento Amauri Soares (PDT), na tribuna da Assembleia Legislativa, na terça-feira (22). Ele destacou que o fato não é um caso isolado e sim, generalizado, e apontou as principais causas dos problemas que afetam a categoria e tornam o trabalho policial cada vez mais insalubre:
“Existe uma situação de pressão psicológica muito grande dentro da Polícia Militar, de descontentamento com os rumos das políticas da área de segurança pública nos últimos anos. Nós temos um plano de carreira travado que castrou a expectativa e a esperança da grande maioria dos servidores da segurança pública, que são os soldados da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros. Temos uma carência continuada de falta de efetivo, fazendo com que aqueles que estão trabalhando recebam toda a pressão e a carga de uma instituição que não tem o número suficiente. E temos uma situação continuada e aprofundada de discriminação salarial.”, declarou o parlamentar, que também é policial militar.
Nos últimos três anos, segundo o deputado, enquanto os oficiais, que fazem parte da mesma instituição, receberam abono de R$ 2 mil, os praças receberam oito vezes menos, ou seja, R$ 250. Há ainda a chamada lei de valorização profissional para os militares estaduais, sancionada em 2009, que criou diversas gratificações quase que exclusivamente para o oficialato.
O parlamentar citou ainda a aprovação do Projeto de Lei 149/2007, por iniciativa do deputado Nilson Gonçalves (PSDB) e com emenda de sua autoria, que sugeria a criação de um programa de acompanhamento psicológico para os profissionais da área de segurança. No entanto, o projeto foi vetado pelo ex-governador Luiz Henrique da Silveira. “Não existe um trabalho psicológico permanente, e 20 a 30 psicólogos fariam um trabalho extraordinário no Estado”, exemplificou.
 
Programa de assistência psicológica para servidores da segurança pública de Santa Catarina
Depois de tramitar por mais de três anos dentro da Assembleia, na Comissão de Segurança Pública, em plenário e além de ter recebido diversos vetos do governo passado, o deputado Nilson Gonçalves (PSDB), autor do Projeto de Lei nº149\\2007, que autoriza a criação do Programa de Assistência Psicológica para servidores públicos da segurança pública, agora vai trazer de volta a proposição. Precisou acontecer o que aconteceu com o policial militar de Joinville, que nesta semana tirou a roupa para protestar e desabafar seus problemas psicológicos.
Segundo Nilson Gonçalves, se o programa estivesse funcionando, quem sabe este PM não estaria recebendo o tratamento adequado para resolver suas questões psicológicas, sejam por pressão profissional, questões salariais ou de saúde mental, afirmou o deputado na tribuna da Assembleia.
 
 
Deputada Ana Paula participa de ato público por mais segurança em Blumenau
Um ato público reivindicando mais segurança movimentou o centro de Blumenau, na manhã desta quinta-feira. A deputada Ana Paula Lima (PT) participou da atividade e conversou com a população sobre o problema da falta de segurança na cidade. A mobilização aconteceu na escadaria da Catedral São Paulo Apóstolo, onde foram recolhidas assinaturas para um abaixo-assinado que será anexado a uma ação civil pública contra o Estado, que será movida junto ao Ministério Público. Entre as principais reivindicações da população estão: a necessidade de aumento do efetivo policial; aquisição de equipamentos, ampliação do sistema de câmeras de vigilância; a renovação e o aumento da frota de viaturas e a reestruturação do Presídio Regional de Blumenau.
Organizado pela Câmara de Vereadores de Blumenau, apoiado pelos Conselhos Comunitários de Segurança e outras entidades da sociedade civil, o ato público chamou a atenção para a necessidade de investimento na prevenção e também no combate à violência. “O sentimento de insegurança vem aumentando na cidade e precisamos de medidas por parte das autoridades municipais e do governo do Estado. Nesse sentido, é imprescindível a mobilização da sociedade para que possamos obter resultados concretos junto às autoridades competentes”, declarou a deputada Ana Paula. Ela lembrou que frequentemente tem debatido essa questão na Assembleia Legislativa e defende a realização de uma audiência pública na cidade para que a comunidade possa debater a situação e cobrar providências do Estado.
De acordo com informações divulgadas no Santa, em edição desta quinta-feira, “o efetivo da polícia diminuiu ao longo dos anos e o número de câmeras de vigilância ficou insuficiente. O Presídio Regional de Blumenau está cada vez mais inseguro, com registros de fuga e superlotação.” A matéria aponta ainda que “os índices de criminalidade sobem consideravelmente. Dados do 10º Batalhão da Polícia Militar dão conta de que em 2009 os casos de roubo ou assalto totalizavam 250. Ano passado foram 275 casos. Também aumentaram os assaltos à residência e roubos a estabelecimentos comerciais.”
 
Rigesa vai investir R$ 800 milhões em fábrica de Três Barras
A Rigesa anunciou, nesta quinta-feira (24), a ampliação de sua planta industrial em Três Barras, com um investimento previsto de 480 milhões de dólares em torno de R$ 800 milhões. A confirmação foi feita pelo presidente da empresa do grupo MWV, Robert Beckler, em audiência com o governador Raimundo Colombo e secretários de governo, no Centro Administrativo. O encontro foi agendado pelo deputado Antônio Aguiar (PMDB) e serviu para o governo estadual confirmar incentivos via Prodec, bem como agilizar pleitos ligados à infraestrutura apresentados pela prefeitura de Três Barras.
O executivo da Rigesa fez uma explanação sobre a atuação do grupo MWV, que atua em 30 países e faturou seis bilhões de dólares em 2010. Beckler disse que, na atualidade, a nova fábrica é o maior investimento mundial do grupo. A planta vai operar a partir de junho do próximo ano, com uma máquina totalmente fabricada no país, devendo o atual equipamento também ser reformado. Em pleno funcionamento, a unidade de Três Barras terá um forte incremento na produção de papel para embalagens, inclusive com a reciclagem de aparas, sendo a expectativa de um salto das atuais 238 mil toneladas/ano para 1,2 milhão de toneladas/ano. Serão 150 novos empregos e cerca de 2 mil vagas indiretas, durante o período de implantação da planta industrial.
Entre os pleitos apresentados pelo prefeito Elói Queje (PP), o governador Colombo agilizou, já durante a audiência, pedido de financiamento para aquisição de máquinas visando à execução de obras complementares, no valor de R$ 4,5 milhões, além da construção de um novo destacamento policial e fornecimento de viaturas. O aeroporto de Três Barras também deverá receber novos investimentos na pista e sinalização para elevação à categoria regional. E a prefeitura vai apresentar um projeto para uma nova via, que atenda o tráfego de caminhões.
“É um investimento espetacular para a nossa região”, sintetizou o deputado Aguiar, que, pela manhã, recebeu, na presidência da Assembleia, o executivo norteamericano e dirigentes da Rigesa. “Somos parceiros e estaremos em Três Barras para confirmar o apoio do governo”, disse Colombo, que, em abril, em data a ser confirmada, participará de ato simbólico do início das obras da nova fábrica.
Na audiência também estavam presentes o deputado Jorge Teixeira (DEM), os secretários da Infraestrutura, Valdir Cobalchini, da Fazenda, Ubiratan Rezende, de Assuntos Estratégicos, Paulo Cesar da Costa, além do prefeito de Rio do Sul, Milton Hobus (DEM).
 
 
MÍDIAS DO BRASIL
 
 
Veículo: Agência Estado
Editoria: Brasil
Assunto: Prisão preventina de PMs
 
PMs acusados de atirar em jovem têm prisão preventiva decretada
Sete policiais militares são acusados de atirar em um adolescente de 14 anos em um bairro da periferia de Manaus
O juiz plantonista criminal Antonio Bismarck Leite decretou, na tarde desta quinta-feira (24), a prisão preventiva dos policiais militares que acuaram e atiraram num garoto de 14 anos à queima-roupa em 17 de agosto do ano passado, num bairro da periferia de Manaus. As imagens da violência, feitas por uma câmera de segurança particular, foram divulgadas nesta semana pela TV A Crítica, retransmissora da Rede Record no Amazonas.
O secretário de Segurança Pública do Estado, Zulmar Pimentel, por meio de sua assessoria, anunciou que estavam afastados e detidos administrativamente, no batalhão da Polícia Militar (PM), seis dos sete policiais envolvidos.
No vídeo, de dois minutos, um policial militar armado aparece agredindo e ameaçando o rapaz. Dá um primeiro tiro e o garoto tenta escapar, quando atira novamente. Depois do terceiro tiro, o policial autor dos disparos, identificado pela PM como André Luiz Castilhos Campos, e outros que chegaram em outro carro, arrastam o garoto até um dos carros da polícia. Em outro vídeo, o menor diz que os policiais discutiram para decidir para qual hospital seria levado. “Falaram que iam me levar lá pro 28 pra dar tempo de eu morrer”, disse. Veja abaixo:
Além de André, os outros policiais identificados e detidos são Wesley Souza dos Santos, Rosivaldo de Souza Pereira, Marcos Teixeira de Lima, Wilson Cunha, Janderson Bezerra Magalhães e Alexandre Souza. A Polícia Militar realiza buscas para localizar Wilson Cunha.
____________________________________________________________________________
Veículo: Portal Último Segundo
Editoria: Brasil
Assunto: São Paulo não esclarece a maioria dos crimes
 
São Paulo não esclarece a maioria dos crimes
Em 2010, 46,1% dos homicídios foram esclarecidos. Dos carros roubados no 1º semestre, 41,5% foram recuperados
O Estado de São Paulo ainda comemora a queda nos números de homicídios e outros índices de criminalidade retirados dos últimos balanços trimestrais da Secretaria de Segurança Pública do Estado e do Mapa da Violência 2011. Apesar disso o Estado sofre para modernizar seus procedimentos e tentar dar o próximo passo no combate à violência: a resolução dos crimes.
Para que um crime faça parte das estatísticas oficiais, são necessárias três etapas sucessivas: o crime deve ser detectado, notificado às autoridades policiais e, por último, registrado no boletim de ocorrência. Se isso acontecer, ele estará nas estatísticas estaduais, que até hoje era publicado a cada trimestre e começará a ser divulgado mensalmente.
Como os índices de resolução dos crimes não são divulgados, o iG apurou alguns dados referentes aos últimos anos diretamente com delegacias especializadas e outros órgãos. Nesse levantamento, a reportagem apurou que em 2010, apesar de ter havido 1.196 homicídios registrados na cidade de São Paulo, o Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHHP) trabalhou com 1.569 inquéritos policiais abertos, já que os crimes cometidos nos anos anteriores também foram investigados em 2010.
Desse total, segundo a polícia, 724 foram esclarecidos. Isso dá um índice de 46,1% de esclarecimentos. Ou seja, a maioria dos homicídios no Estado que melhor combate esse tipo de crime ainda fica sem solução.
“Em alguns países a taxa de sucesso é de 60% ou 70%. Mas esses números são relativos a homicídios em uma delegacia especializada de São Paulo. Esse número de 46% é certamente muito maior do que nas delegacias de bairro e do interior”, afirma Sérgio Adorno, professor do Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo (USP) e coordenador do Núcleo de Estudos da Violência da universidade. Para Adorno, que fez uma detalhada pesquisa sobre o trabalho policial nos anos 90, os índices gerais de solução dos crimes no Estado são muito piores que os divulgados nos casos de homicídios.
O comandante geral da Polícia Civil de São Paulo, delegado Marcos Carneiro Lima, que assumiu o cargo no início deste ano e é responsável por um efetivo de 34.653 policiais civis que atuam em mais de 2,5 mil distritos policiais, entende que existem gargalos na investigação criminal, mas defende que mudanças realizadas nos últimos anos melhoraram a qualidade do trabalho policial.
“Temos de colocar nossos esforços para fortalecer a atividade principal da policia que é a investigação. Precisamos diminuir a burocracia, diminuir as chefias desnecessárias e fazer com que os delegados foquem a concentração no policial que está fazendo o trabalho de investigação.”
Apesar dos números ainda não serem satisfatórios, a evolução da investigação é apontada pelas estatísticas, que também revelam como os números de crimes caíram na última década. Segundo a Polícia Civil de São Paulo, em 2002, os agentes de investigação estiveram em 1.952 locais de crimes, resolvendo apenas 23,1% dos casos. Em 2010, quando a taxa foi de 46,1%, foram investigados 540 locais de crimes. Mesmo assim, os índices de resolução dos crimes nos últimos anos foram instáveis. Foi de 46,9% em 2007, 43,7% em 2008 e 36,1% em 2009.
Delegado titular da Delegacia de Homicídios de 2001 até 2007, e retornando ao cargo no início de 2011, Armando de Oliveira Costa Filho – que participou da investigação de vários casos complexos, como a chacina de 11 mendigos no centro de São Paulo, e os assassinatos do ex-prefeito de Santo André Celso Daniel, dos pais de Suzane von Richthofen, do pai de Gil Rugai, e do Coronel Ubiratan Guimarães – acredita que é o trabalho de inteligência e os investimentos nas equipes de investigação que são capazes de fazer com que os crimes sejam resolvidos.
“Nosso plano se baseou em três estratégias básicas: a melhoria da investigação policial, por meio da utilização dos instrumentos que a tecnologia nos oferecia; o entrosamento entre todas as unidades policiais envolvidas e a sociedade civil; e a cessação do sentimento de impunidade da população através da prisão dos autores. A Polícia Civil depende muito das informações passadas pela sociedade e pelas vítimas. E é só transmitindo uma sensação de mais segurança é que a sociedade irá retornar com informações que nos são úteis”, afirma.
 
Impunidade e descrédito
O descrédito da população com o trabalho policial não é algo novo ou difícil de encontrar. Em uma pesquisa realizada pelo Ibope para a Rede Nossa São Paulo divulgada no começo do ano, a satisfação média dos paulistanos com a segurança na cidade recebeu uma nota de 4,7 em 2011, em uma escala de 1 a 10. O índice é melhor que os 4,3 de 2010, mas ainda indica a insatisfação da população. Para a pergunta “pensando no seu dia-a-dia, que situações mais fazem com que você sinta medo na cidade de São Paulo?”, as respostas mais citadas foram: violência em geral, assalto e roubo, tráfico de drogas, e sair à noite.
Carros estão entre os bens que mais são recuperados pela polícia. Mesmo assim, o índice é menor que a resolução de homicídios. Segundo dados da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, que faz balanços anuais sobre o número de veículos furtados e roubados em todo o País, a média de veículos levados por bandidos que foram recuperados no primeiro semestre de 2010 no Estado de São Paulo foi de 40,5%. Em 2009, esse índice foi 40,9%; em 2008 foi de 31% e em 2008 foi de 33%. Os números mostram a tendência de evolução na recaptura, apesar dos números de furtos/roubos de 2010 ser menor que em 2009, mas maior do que 2007 e 2008.
“Quando analisamos a taxa de investigação de crimes contra o patrimônio vemos que o número é mínimo mesmo. Em geral, quando há o registro de uma ocorrência que não tenha muitos dados para a investigação, ela não vai para frente. O volume de casos é muito grande e não há recursos humanos que permitam dar conta de uma parte significativa dos casos”, analisa o professor Adorno.
Além dos crimes contra o patrimônio mais comuns, os delitos passam por fases cíclicas com os crimes da moda. Atualmente, a polícia de São Paulo luta para combater dois tipos que ganham o noticiário com frequência: crimes contra os condomínios residenciais e contra joalherias, especialmente as localizadas dentro de shoppings. Os dois modos de crimes fizeram com que o Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (DEIC) criasse duas delegacias especializadas para essas modalidades de crime.
 
 
Assalto a joalherias de shoppings centers fez a polícia criar uma delegacia especializada em São Paulo
Para o delegado Júlio César Teixeira, titular da Delegacia de Repressão a Roubo de Joias, o número de 17 assaltos realizados contra joalherias em shopping centers da capital em 2010 deve cair porque, apesar de ter havido um ‘boom’ de casos, os assaltantes começam a ter dificuldades de conseguir bons valores nas peças roubadas.
Nos casos dos roubos a condomínios, que em 2010 foram cerca de 20, a dificuldade de rastrear os objetos roubados é maior ainda porque, na maioria das vezes, são levados dinheiro e eletrônicos. “Não posso garantir que esse tipo de crime vai diminuir nos próximos meses. Estamos trabalhando muito na delegacia para encontrar essas quadrilhas. São grupos que se especializaram nesse tipo de ação. Prendemos uma quadrilha no ano passado que só com ela conseguimos esclarecer quase metade dos casos”, afirma o delegado Mauro Fachini, titular da Delegacia de Repressão a Roubo a Condomínios.
Outro crime que está tendo atenção da polícia é o arrastão a restaurantes. Só este mês, seis estabelecimentos foram invadidos por bandidos na zona oeste de São Paulo. O padrão é o mesmo: homens armados roubam bolsas, celulares, relógios, carteiras, entre outros pequenos objetos, de clientes e proprietários, em ações que duram cerca de cinco minutos.
“Várias quadrilhas já foram presas. E amanhã (sexta-feira) uma boa notícia. Nós vamos amanhã ter a formatura de 2.457 novos soldados. E a maior parte deles vai ficar na região metropolitana. Vamos fortalecer a Rocan (Ronda Ostensiva Com Apoio de Motocicletas), que é o policiamento com moto, que é muito rápido e tem uma presença muito forte também. Então é polícia na rua e combater o crime. Isso é uma guerra, que tem que vencer batalha todo dia”, afirmou o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, na manhã desta quinta-feira.
 
Crimes            Total de casos Solucionados
Homicídio – 2010        1.569   724
Roubo/furto de carros – 1º semestre de 2010            93.347            37.819
 
____________________________________________________________________________
Veículo: Portal Último Segundo
Editoria: Brasil
Assunto: Blogueiro baleado
 
Blogueiro baleado em Copacabana tem quadro estável, diz hospital
Ricardo Gama tem um blog em que faz denúncias contra autoridades e policiais
É considerado estável o quadro de saúde do advogado e blogueiro Ricardo Gama, de 40 anos, baleado no início da tarde de quarta-feira (23) em Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro. Ele passou por uma cirurgia de quatro horas e está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neurológica do Hospital Copa D´or. Gama respira com o auxílio de aparelhos.
De acordo com a Polícia Militar, o blogueiro foi atingido por tiros na Travessa Moacyr Deriquem, que liga a rua Santa Clara ao bairro Peixoto. Testemunhas relataram que um homem a bordo de um Ford Ka prata teria efetuado os disparos. A vítima foi atingida por dois tiros no rosto e um no peito, segundo o Hospital Copa D´Or.
Ricardo Gama ficou conhecido por ser autor de um blog que faz denúncias contra policiais e autoridades municipais e estaduais. Entre os posts mais conhecidos do advogado está aquele com um vídeo que mostra o governador Sérgio Cabral chamando um adolescente de “otário” durante uma visita a obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em Manguinhos, na zona norte do Rio.
A Polícia Civil já solicitou as imagens feitas pelas câmeras de segurança de prédios próximos à Travessa Moacyr Deriquem. Peritos vão analisar o material para tentar identificar o criminoso. Para a polícia, a principal hipótese é de que o crime tenha ligação com as críticas que a vítima fazia na internet.