Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 23 de dezembro

23.12.2011

 

Clipping 23 de dezembro

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Visor

Assunto: Suspeita de violência

 

SUSPEITA DE VIOLÊNCIA?

O Departamento de Direitos Humanos da Presidência da República determinou a realização de exame de corpo de delito nos presos Antônio Neto Santana, Ricardo Elias Ferreira e Paulo Henrique Reis dos Santos. O trio, que está em São Pedro de Alcântara, é acusado de matar um policial rodoviário federal, ainda no último dia 9, no Bairro Coqueiros, em Florianópolis.

____________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Gerais

 

Quatro mortes em acidente na BR-470

Quatro pessoas de uma mesma família morreram ontem à tarde em um acidente entre um carro e um caminhão no Km 168,5 da BR-470 em Pouso Redondo. Eles estavam em um Logus com placas de Navegantes.

Volmir Domingos Samoel, 50 anos, Sandra Aparecida Haas Rosa, 34, Jammy Haas da Rosa, 13, e João Agnos Haas Samoel, de apenas três anos, moravam em Balneário Camboriú. Com o impacto, o veículo pegou fogo e todos morreram carbonizados. Os corpos foram encaminhados ao Instituto Geral de Perícias (IGP) de Rio do Sul.

Segundo o inspetor-chefe da 4ª Delegacia da Polícia Rodoviária Federal em Rio do Sul, João Atadeu de Melo, o motorista do caminhão disse que o carro teria saído para ultrapassar e não conseguiu voltar à pista. O trânsito ficou fechado por quase três horas, gerando um congestionamento de seis quilômetros em cada sentido. Às 17h30min, a PRF liberou a passagem de veículos.

Desde o início do ano, 20 pessoas perderam a vida em acidentes na rodovia em Pouso Redondo. O último acidente com morte anterior a desta família também tinha ocorrido na cidade, no dia 19, quando um motorista de 62 anos bateu de frente com uma Scania próximo ao trevo de acesso a Taió. Melo explica que a BR-470 é uma rodovia movimentada e que muitos caminhões trafegam por ela. Por isso, o trânsito pode se tornar lento em alguns trajetos e induzir motoristas a ultrapassagem.

– É preciso dirigir com calma, evitando a ultrapassagem – ressalta.

 

Nova faixa alivia congestionamento

Governo se comprometeu a avaliar problemas como a falta de ciclovias

O trânsito fluiu com mais tranquilidade para quem vinha do Sul da Ilha em direção ao Centro de Florianópolis, ontem de manhã, por conta da terceira pista da SC-405, que funcionou pela primeira vez.

Não houve registro de filas em direção ao Centro, diferentemente dos dias anteriores, quando os motoristas precisavam de muita paciência para cruzar o trecho entre o trevo do Rio Tavares e a Via Expressa Sul.

Apesar disso, ainda faltam ciclovias, calçadas, faixas de pedestre e sinaleiras. Um dia antes da inauguração, moradores protestaram com cartazes e faixas. Ontem pela manhã, o governador Raimundo Colombo esteve no local e foi abordado por moradores, que reclamaram da falta de segurança para pedestres e ciclistas. Ele afirmou que reconhece como legítima as reivindicações da comunidade. Sobre os protestos dos moradores, o presidente do Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra), Paulo Roberto Meller, lembra que a obra foi executada de acordo com o projeto e as demais necessidades serão avaliadas. Os pedidos da comunidade que puderem ser atendidos, serão feitos. Até o dia 30, serão colocadas cinco sinaleiras de reversão do trânsito da pista central. O tráfego será liberado em duas faixas sentido bairro-Centro, das 6h até as 15h e, no sentido inverso, das 15h às 6h.

 

Falta água em municípios do Oeste

Planalto Alegre e Ipuaçu já decretaram situação de emergência. Prefeito de Guaraciaba pretende fazer o mesmo ainda hoje

Planalto Alegre foi a primeira cidade do Oeste a decretar situação de emergência devido à estiagem. Não chove há 40 dias no município. A maior preocupação é a falta de água para o consumo humano. Um caminhão-pipa da prefeitura está, há mais de uma semana, abastecendo cerca de 20 famílias do interior do município.

Para o prefeito Edgar Rohrbeck, a situação poderia ser ainda pior se não fosse o sistema de captação de água no Rio Chapecó. As perdas na agricultura são perceptíveis. Nas culturas de melancia e milho, a produtividade teve queda de 35%. Na produção de leite, a quebra é de 25%.

– Técnicos da Secretaria de Agricultura e Epagri fazem o levantamento, mas já podemos dizer que os agricultores vão ter prejuízos – lamenta o secretário de Agricultura, Carlos Panho.

O prefeito de Ipuaçu, Denilso Casal, também assinou decreto de situação de emergência. A produção de milho é a mais castigada. O levantamento dos prejuízos será feito pela Epagri e Secretaria Municipal de Agricultura. A prefeitura vai disponibilizar o abastecimento de água para o interior.

O prefeito em exercício de Guaraciaba, Nelson Hüning, deve assinar hoje o decreto de situação de emergência. Ele esteve em Brasília para a assinatura de um convênio de mais de R$ 3,5 milhões para investir em abastecimento de água no município.

 

Problema também atinge Chapecó

A falta de chuva também começa a afetar o abastecimento de água em Chapecó. Cinco comunidades estão recebendo água de caminhões-pipa. Desde 21 de novembro, não é registrada uma chuva significativa na cidade. Segundo o observador meteorológico da Epagri Francisco Schervinski, a única chuva representativa no mês de dezembro, até agora, foi no dia 9, quando foram registrados 19mm de chuva.

– Tivemos outros dois dias com pancadas isoladas, que totalizam 22mm de chuva no mês. Bem diferente da média histórica, que é de 170mm, e da registrada em dezembro de 2010, de 392mm. Este verão não será tão chuvoso – salientou.

A umidade baixa do ar também preocupa. Na quarta-feira, chegou a 21%. Ontem estava em 45%, e o ideal seria 60%. Um efeito pode ser o aumento no atendimento de crianças e adultos com problemas respiratórios.A previsão dos meteorologistas para os próximos dias é de pancadas de chuva em pontos isolados.

_________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Incêndio

Assunto: Inválidos da Assembleia

 

Para quatro, o caso está encerrado

Iprev conclui que não existem irregularidades na concessão de benefícios dos aposentados que motivaram investigações

Em maio, quatro casos chamaram a atenção para a possibilidade de irregularidades na concessão de aposentadorias por invalidez na Assembleia. Sete meses depois, o mesmo Instituto de Previdência de Santa Catarina (Iprev) que abriu processo para investigar 114 inválidos, garantiu que não há nada de errado na concessão dos benefícios do ex-deputado Pedro Bittencourt Neto e dos advogados Saulo Vieira, Sergio Luiz Carriço de Oliveira e Hamilton Roberto Carriço de Oliveira.

O presidente do Iprev, Adriano Zanotto (PMDB), afirma que os quatro processos foram encerrados após os peritos da Junta Médica do Estado confirmarem a existência das doenças que motivaram as aposentadorias por invalidez permanente – os quatro são cardíacos. Reportagens da RBS TV, ainda em maio, mostraram que apesar de serem inválidos para o serviço público, eles mantinham atividades profissionais remuneradas. Para Zanotto, essa constatação não configura irregularidade.

– O Estado aposentou a pessoa por invalidez para que ela não corresse o risco de ter a doença agravada. Se a pessoa se coloca em risco por conta própria, não é problema do Estado.

A interpretação beneficia Sérgio e Hamilton Carriço de Oliveira, que mantêm escritórios de advocacia, mas ainda deixa em dúvida a situação de Saulo Vieira e, principalmente, Pedro Bittencourt. Isso porque ainda resta a dúvida sobre se o mesmo Estado que os aposentou pode indicá-los para cargos públicos.

 

Bittencourt integra dois conselhos de estatais

Saulo ocupa a presidência do Sapiens Parque, vaga não remunerada indicada pelo governador. Bittencourt é integrante dos conselhos de administração das estatais Casan e Celesc, sendo presidente do órgão na empresa de energia. Para participar das reuniões, o ex-deputado – aposentado como advogado na Assembleia – recebe mensalmente R$ 2,7 mil na Casan e R$ 4,4 mil na Celesc.

Os casos de Vieira e Bittencourt serão enviados pelo Iprev à Procuradoria-Geral do Estado (PGE), que deverá dizer se a indicação dos inválidos é legal. Os processos foram remetidos, ainda, ao Ministério Público (MPSC), que tem inquérito aberto desde maio para investigar as aposentadorias por invalidez da Assembleia.

– Ao Iprev cabe comprovar se há irregularidade na concessão da aposentadoria. Os exames médicos apontaram as doenças que levaram às aposentadorias, então a nossa parte está feita – diz Zanotto, que enviará os documentos à PGE em fevereiro.

No final de outubro, reportagem do Diário Catarinense apontava que o caso de Bittencourt seria considerado normal pelo Iprev. O ex-deputado é um dos 21 servidores do Legislativo que se aposentaram por invalidez em 2003 – o segundo maior surto de aposentadorias por invalidez na AL, atrás apenas do ano de 1982, que tem 75 casos. Na época, a reportagem antecipou que todos os inválidos de 2003 tiveram as doenças confirmadas pela Junta Médica e estavam livres dos processos administrativos.

Também mostrou a diferença de perfil dos aposentados nos dois surtos. A maior parte dos aposentados de 1982 – ano em que Epitácio Bittencourt, pai de Pedro, era presidente da AL – não ocupava cargos de chefia ou postos de destaque no Legislativo. No surto de 2003, apareciam procuradores, advogados e servidores com carreira política, dois ex-prefeitos e um ex-vice-prefeito, entre eles.

____________________________________________________________________________

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Caminhoneiro preso no baú

 

A luta que Cláudio enfrentou pela vida

Caminhoneiro narra os dias preso no baú do caminhão, sem comida e água

Foram 85 horas brigando contra a fome, a sede, a dor. Só de camiseta e bermuda, encarou o frio da madrugada da Serra catarinense. Sem ventilação, aguentou o calor do dia. Chupou embalagem plástica com pedaços de gelo para saciar a sede. Comeu ração de cachorro para retardar a inanição. Pensou no passado para lutar pelo futuro.

Nestas condições, o caminhoneiro Cláudio Oliveira, 39 anos, foi localizado, na tarde do domingo passado, por policiais que investigavam seu sumiço, após quatro dias preso no baú de um caminhão.

Cinco dias depois de ser libertado, o caminhoneiro ainda sofre com o trauma. Morador de São José, Cláudio está na casa dos pais, no Bairro Barreiros, e conversou ontem com o DC. Teme permanecer muito tempo sozinho, tem dificuldades para dormir e só fica em lugares iluminados:

– Está complicado. É tudo muito recente. A gente fica com medo.

O período em que ficou preso foi de altos e baixos.

– Às vezes, desanimava e ficava caído num canto. Aí, pensava na vida, nas lembranças, e voltava a me animar, a me mexer. No domingo de manhã, eu perdi a esperança de ser encontrado, de continuar vivo. Percebi que morreria ali – lembra.

Na madrugada do dia 15, o caminhoneiro viajava de Blumenau a Chapecó pela BR-470 quando, no município de São Cristóvão do Sul, a 10 quilômetros da interseção com a BR-116, um caminhão cortou a sua frente e o obrigou a parar.

Dois homens armados desceram, renderam Cláudio e o trancaram no baú do seu próprio veículo. Os bandidos roubaram uma carga de cigarros nacionais, avaliada em mais de R$ 100 mil, e esconderam o caminhão, com o motorista preso, numa mata fechada a uns 400 metros da BR-470, num lugar quase inacessível e por onde quase ninguém passa.

– Eu conseguia ouvir o carros passando na rodovia. Berrava e batia na lataria do baú para pedir ajuda, mas ninguém ouvia.

As noites no cárcere foram de insônia. Os olhos cerravam-se involuntariamente por causa do cansaço. Mas, abriam-se em seguida, revelando olhos tomados de susto e medo. O frio agravava o desconforto.– Não consegui dormir. Não tinha como. Qualquer ruído me assustava. Esperava sempre o pior.

 

Cigarro para distrair e despistar a fome

O alívio para a tensão veio nos maços de cigarro dentro de uma das caixas das encomendas. O tabaco distraía a mente, despistava a fome.

Durante as 85 horas, o tempo para Cláudio dividiu-se em apenas dois períodos: o dia e a noite. Uma fresta conquistada à força na porta lateral deixava o sol penetrar.

– Perdi a noção do tempo. À noite, era um breu. Não via nem a minha mão – relembra.

Entre as várias dores pelas quais passou, a pior era a da mão esquerda. Os bandidos usaram lacres plásticos para amarrar os pulsos da vítima. O da mão direita, Cláudio conseguiu tirar puxando.

O da esquerda não arrebentou e apertou ainda mais, ficando na espessura igual ao de uma criança. A circulação sanguínea ficou prejudicada. Os dedos inchavam, e a pele ficava a cada dia mais escura.

– Doía demais! Quando a polícia me tirou do caminhão, o delegado viu a minha mão e achou que teria que ser amputada.

Sobre o retorno ao trabalho que faz há 13 anos, ele disse não ter como voltar a viajar sozinho, pelo menos por enquanto. E cobrou segurança:– Sei que isso não aconteceu pela primeira vez naquela região e, com certeza, não será a última. Precisa haver mais segurança.

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Política

Assunto: Crimes e ocorrências

Jovem é assassinado a tiros em Palhoça

Um jovem de 23 anos foi morto com pelo menos seis tiros na noite de ontem, em Palhoça, na Grande Florianópolis. Segundo os familiares, Fabrício Weber estava com um amigo em um carro Astra quando um Fox prata, com placas de São José, se aproximou e um dos ocupantes disparou vários tiros contra o rapaz, que morreu a caminho do Hospital Regional de São José. Ele era filho único de um empresário da região e não tinha passagens pela polícia. A polícia não tem pistas do assassino.

Detentos saem para o Natal com a família

Desde ontem, 1.916 presos estão deixando as unidades prisionais de SC para o indulto de Natal. Eles devem retornar em sete dias, mas, segundo o Departamento de Administração Prisional (Deap) do Estado, em média, de 10% a 15% não voltam. Foram beneficiados com a saída temporária de Natal e fim de ano, 1.785 homens e 131 mulheres. O indulto é concedido a presos que não tenham cometido crimes hediondos e que já tenham cumprido parte da pena, com bom comportamento.

 

Agentes são afastados após morte de refém

O empresário paranaense Lírio Persch, 50 anos, vítima de sequestro em Gravataí (RS), foi morto na quarta-feira durante tiroteio entre policiais que tentavam impedir a fuga dos bandidos que o mantinham em cativeiro. A polícia do PR soube onde estava a quadrilha e avisou os colegas gaúchos. Ontem, os agentes da Polícia Civil do RS foram afastados do caso.A Corregedoria de Polícia Civil do RS também abriu quatro inquéritos relacionados ao caso: um sobre o sequestro, um sobre a morte do refém e outros dois relacionados à outra morte, a do sargento Ariel da Silva, 40 anos, confundido com bandido e assassinado por engano pelos policiais paranaenses que investigavam o sequestro no RS sem que a Polícia Civil gaúcha soubesse. Ariel estava à paisana e foi morto ao se aproximar dos policiais – possivelmente, pensando que eles eram bandidos.

 

BLOGS

 

Moacir Pereira

 

Papai Noel e Policia

Papai Noel distribuirá presentes e cestas básicas, nesta sexta-feira (23) para crianças e famílias carentes que residem na região da PC 3, no Jardim Atlântico.

A ação acontece pelo 11º ano consecutivo e a organização é do agente de polícia Augusto Juninho Mamão, e outros policiais da DEIC, numa demonstração de solidariedade e voluntarismo. Todo o material distribuído é ofertado por empresários da região. Desta vez serão beneficiadas crianças e famílias do Monte Cristo, Chico Mendes e Ilha Continente.

A concentração inicia às 11 horas e a entrega dos brindes a partir das 11h30

 

Eskudlark reivindica diária melhor aos policiais

O deputado Mauricio Eskudlark informou esta tarde que está aguardando resposta do governador Raimundo Colombo para um pedido especial que formulou pelos policiais civis que trabalharão na Operação Veraneio.

Que o valor da diária seja elevado de R$ 110,00 para R$ 150,00.

 

Deputado Eskudlark esclarece posição sobre segurança

Do deputado Mauricio Eskudlark (PSD), sobre o comentário no DC e neste blog:

“Colegas Policiais Civis:

Aguardei todas as tratativas existentes pelos Representantes com o Governo do Estado, não sem acompanhar tudo e conversar quase que diariamente com o Governador Raimundo Colombo na busca do melhor encaminhamento para todos, que agora, finalizado o Ano Legislativo, iniciado o recesso, entendo esgotadas, pelo menos nesse ano.

A atual mobilização começou com a busca dos colegas Delegados pela Carreira Jurídica, que nas últimas conversas com os colegas Deputados nas duas últimas sessões do ano vi amadurecidas e bem possível de ser buscado em curto espaço de tempo, e, pela iniciativa de alguns colegas Policiais pela busca da Compactação, que também vejo possível com alguns ajustes e tratativas com o Governo, também em curto espaço de tempo.

O Delegado Renato Hendges, Adepol, o Carlos, Sintrasp, e muitos colegas fazem uma luta pela categoria sem interesse político pessoal, entretanto é visível que alguns buscam promoção pessoal para candidaturas a Vereador e Deputado, que acho legítimo e importante pra classe uma maior representação, entretanto não posso concordar que penalizem a todos por intransigência e esse interesse político pessoal.

A vitória e as conquistas serão de todos, quando acontecerem, e querer isolar um Deputado Estadual, da bancada do Governo, é no mínimo falta de conhecimento político, e, para mostrar, o colega Deputado Soares, que também em alguns momentos foi muito criticado por seus colegas militares, só conseguiu avanços quando junto com os demais Deputados e o Governo construiu um encaminhamento.

Colegas, entendo que com o dialógo, e conheço bem o Governador Raimundo Colombo, é muito importante e devemos deixá-lo aberto, foi assim em 2007 quando a nossa Polícia Civil entrou em greve e só conseguimos os avanços, Plano de Carreira, de 17 Níveis para 8, etc, com conversações.

Me comprometo e vou continuar defendendo, dialogando, e representando nossos interesses junto ao Governo, busca de ADICIONAL DE PERMANÊNCIA, ADICIONAL DE EQUIVALÊNCIA, já bem encaminhados, COMPACTAÇÃO atendendo a todos, da forma como está benefícia os novos e não muito os mais antigos, CARREIRA JURÍDICA, BENEFÍCIOS EXISTENTES ENTRE GRUPOS DA SSP, etc, e VENHO, neste momento solicitar apoio para abrirmos todas portas, dando APOIO ao DELEGADO GERAL ALDO PINHEIRO D’AVILA, suspendendo manifestações, participando dentro da vontade, necessidade e interesse da OPERAÇÃO VERANEIO, em número necessário para atender todas as demandas e continuar mostrando que temos a MELHOR POLÍCIA CIVIL DO BRASIL.

Continuo e continuarei sempre e em qualquer circunstância com NOSSO gabinete e nossa postura sempre em defesa dos colegas Policiais e dos Interesses da População de Santa Catarina e pronto para o diálogo franco e respeitoso como é de nossa índole.

Abraços,

 

 

Policiais: “órfãos, mas dignos”

“Caro Moacir Pereira!

Sua coluna de hoje transcreve uma leitura perfeita da situação em que os policiais civis encerram o ano 2011. Órfãos de “pai e mãe”, mas ainda assim dignos por não abandonarem o povo sofrido que diariamente eles atendem em suas Delegacias; estes policiais souberam colocar as “pessoas em primeiro lugar” e a Operação Veraneio está garantida em sua plenitude. Infelizmente, este não tem sido o mesmo comportamento daqueles que comandam o Estado, inclusive condicionando a necessária reposição do efetivo policial ao fim do movimento sindical. A propósito, os juízes e promotores de justiça deste Estado, tão sabedores das mazelas que afetam a única Polícia Judiciária de nosso Estado, sequer prestaram solidariedade aos policiais civis que lutaram por melhorias, mesmo cientes que o vale alimentação de um técnico judiciário ou do MP é superior ao vencimento básico de um agente policial; por deboche, ainda institucionalizaram o 14º salário. É a lei da selva, farinha pouca, meu pirão primeiro!

Um Feliz Natal e um próspero Ano Novo para você e sua família!

Joao Fabiano Coelho”